Cumprir um dever exige buscar a verdade

13 de Junho de 2022

Por Song Yu, Holanda

Alguns anos atrás, comecei a praticar no trabalho de espalhar o evangelho. Eu sabia que poder cumprir esse dever era a exaltação de Deus. Agradeci a Deus do fundo do meu coração por me dar tamanha oportunidade e resolvi confiar em Deus para cumprir bem esse dever. Assim, passei muito tempo todos os dias lendo as palavras de Deus para me equipar com a verdade e tentar compreender os princípios. Quando não entendia algo, perguntava a alguém. Logo, tornei-me capaz de cumprir meu dever sozinha. Naquele tempo, eu estava muito motivada em meu dever, e os resultados melhoravam cada vez mais. Depois de um tempo, fui eleita líder de equipe. Eu estava muito feliz e pensei: “Devo pagar um preço maior, dobrar meus esforços e me esforçar para espalhar a obra de Deus nos últimos dias para mais pessoas. Só isso mostrará que eu sou responsável e eficaz em meu dever e que eu busco a verdade. Assim, meus irmãos com certeza me aprovarão e admirarão”.

Nos meses seguintes, eu me ocupava com meu dever quase desde que acordava. Às vezes, estava tão ocupada que até me esquecia de comer. Normalmente, também ignorava meus devocionais e a leitura da palavra de Deus. Eu achava que os devocionais e a leitura da palavra de Deus tiravam o tempo de que eu precisava para o meu dever, E que isso impactava a eficácia do meu dever. Nas reuniões, enquanto ouvia os irmãos lendo as palavras de Deus e comungando sobre suas experiências, eu só pensava em meu dever. Não conseguia acalmar meu coração e me concentrar em contemplar a palavra de Deus, muito menos conseguia ouvir como os outros compartilhavam suas experiências e entendimento. Não reconheci os caracteres corruptos que estava expondo. Tornei-me cada vez mais arrogante e não conseguia trabalhar bem com outras pessoas em meu dever. Quando via que o trabalho da minha parceira não era bem feito, eu a menosprezava. Ela vinha espalhando o evangelho havia dois anos, mas eu achava que ela não era tão boa quanto eu, que era uma novata. Se eu praticasse um pouco mais, certamente eu seria melhor do que ela. Às vezes, quando achava que estava certa, eu queria seguir minhas próprias ideias, então não a informava nem conversava com ela sobre as coisas. Quando ela queria se informar sobre o progresso do meu trabalho, eu também não lhe queria contar, temendo que, quando nossos líderes viessem perguntar sobre o trabalho, seria ela que contaria todos os detalhes do progresso do trabalho e que ela roubaria meus holofotes. Eu também dizia na frente dos nossos líderes que minha parceira era irresponsável em seu dever. Quando os líderes souberam do meu estado, eles comungaram comigo a verdade da cooperação harmoniosa, dizendo-me que não discutir as coisas com minha parceira, menosprezá-la e concentrar-me em suas deficiências era uma manifestação de arrogância. Mas eu não conhecia a mim mesma. Ainda achava que a razão pela qual não conseguia cooperar era que ela era irresponsável, por isso a menosprezava. Os líderes viram que eu não aprendia lições quando coisas aconteciam comigo, então lidaram comigo por ser arrogante e insensata demais e disseram que continuar assim afetaria meu dever. Pediram que eu refletisse sobre mim mesma. Fiquei magoada e pensei: “Fico acordada até tarde todos os dias para cumprir meu dever e sou eficiente em meu dever. O que importa se eu expuser um pouco de um caráter corrupto? Por que lidam comigo desse jeito quando sou tão eficiente em meu dever?”. Eu me senti péssima, então vim para diante de Deus e orei para pedir que Deus me guiasse a entender a Sua vontade.

Um dia, durante meus devocionais, li a palavra de Deus: “Como você deve avaliar se uma pessoa busca a verdade? A primeira coisa a considerar é o que ela expõe e manifesta no desempenho dos seus deveres e das suas ações. A partir disso, é possível ver o caráter de uma pessoa. A partir do seu caráter, você pode ver se ela alcançou alguma mudança ou se ganhou alguma entrada na vida. Se alguém não expõe nada além de caracteres corruptos ao agir e não tem nenhuma das realidades da verdade, ele definitivamente não é alguém que busca a verdade. Aqueles que não buscam a verdade têm entrada na vida? Não, de modo algum. As coisas que fazem todos os dias, suas correrias, seu despender, sofrimento, o preço que pagam, não importa o que façam, tudo é serviço, e eles são servidores. Não importa há quantos anos a pessoa acredita em Deus, o que mais importa é se ela ama a verdade. O que uma pessoa ama e busca pode ser visto a partir do que ela mais gosta de fazer. Se a maioria das coisas que uma pessoa faz está em conformidade com os princípios da verdade e as exigências de Deus, essa é uma pessoa que ama e busca a verdade. Se ela consegue praticar a verdade, e as coisas que ela faz todos os dias são feitas no cumprimento do seu dever, ela tem entrada na vida e possui as realidades da verdade. Suas ações podem ser inadequadas em certas questões, ou ela pode não entender os princípios da verdade com precisão, ou pode ter preconceitos, ou, às vezes, pode ser arrogante e presunçosa, insistir em suas opiniões e não aceitar a verdade, mas se ela for capaz de se arrepender mais tarde e praticar a verdade, isso prova sem dúvida que ela tem entrada na vida e busca a verdade. Se o que alguém demonstra no decurso do cumprimento do seu dever não é nada além de caracteres corruptos, uma boca cheia de mentiras, uma atitude prepotente, indulgência, arrogância avassaladora, que ele é sua própria lei e que faz o que quiser, se, ainda que tenha acreditado em Deus por muitos anos, por mais sermões que tenha ouvido, não há a menor mudança nesses caracteres corruptos, no final, ele certamente não é alguém que busca a verdade. Há muitas pessoas que acreditam em Deus há muitos anos que, por fora, não são malfeitores, e elas fazem umas boas ações. Elas acreditam em Deus com muita paixão, mas seus caracteres de vida não mudam em nada e elas não têm experiência ou testemunho para compartilhar. Essas pessoas não são lamentáveis? Após tantos anos de crença em Deus, faltam-lhes até a menor experiência e o menor testemunho. Elas são, puramente, servidores. São verdadeiramente deploráveis!” (‘Somente na busca da verdade há entrada na vida’ em “As declarações de Cristo dos últimos dias”). A palavra de Deus me mostrou que aqueles que não buscam a verdade não têm entrada na vida. A cada dia, eles não expõem nada além de caracteres corruptos. Mesmo que consigam fazer algum esforço em seu trabalho, sofrer e pagar um preço, eles estão apenas prestando serviço. Tais pessoas não mudam, não importa por quantos anos creiam. Estão prestando serviço. Quando vi que Deus diz que aqueles que não buscam a verdade estão apenas prestando serviço, fiquei muito triste. Não consegui impedir que as lágrimas caíssem. Senti que eu era o tipo de pessoa que Deus estava revelando. Eu conseguia sofrer e pagar um preço em meu dever todos os dias, mas não buscava a verdade nem me concentrava em mudar meus caracteres. Achava que ler a palavra de Deus e orar a Deus regularmente eram uma perda de tempo. Nas reuniões com meus irmãos, eu não conseguia acalmar meu coração nem contemplar a palavra de Deus, muito menos concentrar-me em ouvir como os outros compartilhavam sua experiência e seu entendimento da palavra de Deus. Quando eu revelei um caráter arrogante em meu dever, eu não vim para diante de Deus para buscar a verdade e resolvê-lo. Em vez disso, voltei meu olhar para a minha parceira, aproveitei as deficiências dela e não entendi a mim mesma nem um pouco. Quando os líderes apontaram meus problemas, eu discuti e me defendi. Até achei que, já que cumpria meu dever com eficiência, mesmo que expusesse um caráter corrupto, os líderes não deveriam lidar comigo. Olhando para minhas ações e conduta, não vi nenhuma manifestação de buscar a verdade. Quando as coisas aconteceram comigo, eu não as aceitei de Deus nem aprendi lições com elas, e eu não busquei a verdade para resolver meus caracteres corruptos. Tudo o que eu vivia eram caracteres satânicos. Mesmo que, no momento, fosse eficaz no meu dever, aos olhos de Deus, eu só estava despendendo esforço e prestando serviço. No passado, eu achava que, contanto que estivesse pagando um preço e fosse eficaz em meu dever, isso significaria que eu estava buscando a verdade e que Deus me aprovaria. Não percebi que eram devaneios meus. Deus julga se alguém busca a verdade não com base em seu sofrimento e esforço externos, mas com base em se ele pratica a palavra de Deus e se ele age segundo os princípios. Se meu caráter corrupto permanecesse irresolvido, convivesse com as pessoas segundo meu caráter arrogante e só cumprisse meu dever para buscar fama e status, Deus certamente não aprovaria minhas ações e conduta. Quando reconheci isso, comi e bebi das partes da palavra de Deus sobre como resolver um caráter arrogante, como cooperar em harmonia e como escapar dos laços de status e fama. Por meio da revelação da palavra de Deus, finalmente vi que meu caráter era muito arrogante. Eu sempre comparava meus pontos fortes com as fraquezas da minha parceira. Sempre achava que eu era melhor do que ela e a menosprezava. Meu gosto por discutir as falhas dela na frente dos nossos líderes e por menosprezá-la eram maneiras em que eu competia com ela por status e fama. Quando percebi isso, eu me abri proativamente com minha parceira para comungar minha corrupção. Aos poucos, minha parceira e eu conseguimos cooperar em harmonia e o trabalho também progrediu sem problemas. Percebi também que era por meio da orientação de Deus que eu era tão eficaz no trabalho. Eu não devia reclamar o mérito para mim mesma para satisfazer minhas ambições por fama e status. Devia dar toda a glória a Deus. Depois dessa experiência, fiquei muito grata a Deus. Sem o julgamento e a revelação da palavra de Deus e sem poda e tratamento, eu não teria refletido sobre mim mesma e não teria percebido as consequências sérias de eu só trabalhar por status e fama e de não me concentrar na entrada na vida. Se tivesse continuado assim, meu caráter só teria se tornado cada vez mais arrogante. Quando percebi essas coisas, comecei a me concentrar conscientemente na entrada na vida, anotando tudo que eu manifestava e pensava em meu dever, e busquei comer e beber das palavras de Deus que eram relevantes. Depois de praticar assim por um tempo, senti que meu relacionamento com Deus era mais íntimo, que era capaz de fazer ganhos em meus deveres, e eu me senti muito realizada.

Mais tarde, fui escolhida como uma líder. Eu sabia que tinha muitas deficiências, um entendimento raso da verdade e nenhuma das suas realidades, por isso temia que não fosse capaz de comungar sobre a verdade para resolver problemas, o que poderia atrasar a entrada na vida dos irmãos. Com frequência, eu trazia meus problemas e dificuldades para diante de Deus em oração, buscava a verdade, tentava conhecer minha corrupção e encontrar os princípios para lidar com problemas a partir da palavra de Deus. Durante esse tempo, senti que ganhava muito em meu dever. Mais tarde, descobri que alguns líderes e obreiros tinham sido podados e tratados duramente por serem irresponsáveis e ineficazes em seus deveres, e houve dispensas continuadas de alguns dos meus colegas e parceiros porque não estavam fazendo trabalho prático, e quando eles foram dispensados, todos foram informados sobre a razão. Eu temia que, um dia, se eu não fizesse bem o meu trabalho, eu fosse dispensada e exposta pelos meus irmãos e irmãs, e que todos soubessem exatamente que tipo de pessoa eu era. Isso seria tão vergonhoso! Como eu encararia os meus irmãos e irmãs no futuro? Eu não queria ser envergonhada por ser revelada e dispensada. Sem perceber, a minha atitude começou a mudar, e senti que, como líder, seus irmãos estão sempre de olho em você, e que seus parceiros também estão sempre monitorando você. Só se você for eficiente em seu dever, você pode permanecer como líder e ganhar o apoio e a aprovação de todos. Se for ineficaz, é apenas uma questão de tempo até você ser revelado e expulso. Então me esforcei ainda mais em meu dever. Todos os dias, assim que acordava, eu conversava com meus irmãos sobre seu trabalho. Eu monitorava o progresso do seu trabalho, investigava quaisquer problemas ou desvios em cada área de trabalho, descobria onde o progresso era lento, buscava como resolver os problemas e assim em diante. Aos poucos, releguei ao segundo plano ler a palavra de Deus, aproximar-me de Deus, fazer anotações devocionais, refletir sobre mim mesma e conhecer meu caráter corrupto todos os dias. Às vezes, percebia que eu revelava alguns caracteres corruptos e que necessitava de vir para diante de Deus, comer e beber da Sua palavra e refletir sobre mim mesma, mas achava que ler a palavra de Deus, refletir e contemplar levavam tempo, então, para me confortar, eu dizia a mim mesma: “Caracteres corruptos estão profundamente enraizados e não podem ser resolvidos em poucos dias. É um processo demorado. Não resolver a corrupção que exponho não afetará meus deveres por ora. Neste momento, cumprir meu dever de modo eficaz é a coisa mais importante. Lerei a palavra de Deus para resolver o problema quando tiver tempo. Não há necessidade de resolver meu caráter corrupto imediatamente”. Dessa forma, eu me ocupava com meu trabalho todos os dias. Depois de um tempo, a casa de Deus exigiu que os líderes e obreiros praticassem escrever artigos testemunhais sobre sua experiência de vida, mas eu não levei isso a sério. Achava que não era importante. Eu trabalhava bem e com eficiência, o que já era um testemunho. Além disso, eu estava ocupada em meu dever e não tinha forças para escrever artigos. Às vezes, eu percebia que meu estado era incorreto, que não deveria me ocupar o tempo todo com o trabalho e permitir que minha busca pela verdade e entrada na vida estagnasse. Se eu trabalhasse tanto, mas não ganhasse nenhuma verdade e não fizesse nenhum progresso na entrada na vida, isso não seria uma perda? Ao me dar conta desse problema, tive um surto de energia. Consegui manter uma prática devocional normal por um tempo e comi e bebi da palavra de Deus para resolver a corrupção que revelava. Mas depois de fazer isso por um tempo, quando vi duas das minhas parceiras sendo dispensadas por não fazerem trabalho prático e cobiçarem conforto carnal, meu coração voltou a ficar ansioso. Imediatamente, passei a dar 120% no trabalho para ver se havia algum desvio ou descuido no meu dever e comecei a trabalhar sem parar. Assim, quando os líderes superiores perguntassem sobre várias tarefas, eu conseguiria responder de imediato e eles veriam que eu estava fazendo trabalho prático.

Já que eu estava sempre tão ocupada com o trabalho e não estava concentrada em examinar nem resolver meus caracteres corruptos, eu me tornei cada vez mais arrogante, não buscava a verdade quando coisas aconteciam e fazia tudo de acordo com minhas próprias ideias. Um dos supervisores da produção de vídeos pelo qual eu era responsável procrastinava em seu dever e era sua própria lei no grupo, e meus superiores pediram que eu o dispensasse. Mas eu achei que ele tinha alguns dons e calibre e que o substituir afetaria o progresso e os resultados da produção de vídeos, por isso demorei muito a dispensá-lo. Como resultado, o vídeo que ele produziu teve que ser modificado várias vezes, o que atrasou o trabalho da casa de Deus. No fim, meus superiores o dispensaram diretamente. Quando vi que minha arrogância e obstinação tinham afetado o trabalho da casa de Deus, finalmente ganhei um pouco de consciência. Como pude ter sido tão arrogante e insistente em meu próprio jeito numa questão tão importante? Por que eu não soube orar a Deus e buscar os princípios? Então refleti sobre meu estado naquele período. Eu estava tão ocupada trabalhando todos os dias que não me aproximei de Deus. Eu era indiferente e desleixada na leitura da palavra de Deus. Eu expunha corrupção, mas não buscava a verdade nem a resolvia prontamente, e quando chegava a hora de lidar com problemas, eu nunca orava a Deus, só confiava em meu juízo subjetivo para resolver as coisas.

Quando vi que tinha voltado a viver num estado de só trabalhar e não buscar a verdade, fiquei angustiada, mas não sabia como consertá-lo. Um dia, li na palavra de Deus: “A maior sabedoria é olhar para Deus e confiar em Deus em todas as coisas” (‘Os crentes devem começar enxergando as tendências malignas do mundo’ em “As declarações de Cristo dos últimos dias”). É verdade. Eu podia orar a Deus, confiar Nele e pedir que Ele me guiasse a conhecer a mim mesma. Portanto, trazia minhas dificuldades para diante de Deus em oração com frequência. Também refletia e contemplava constantemente por que esse problema ainda não estava resolvido. Uma vez, durante meus devocionais, li na palavra de Deus: “No contexto da obra de hoje, as pessoas ainda fazem o mesmo tipo de coisas como representadas pelas palavras ‘o templo é maior que Deus’. Por exemplo, as pessoas consideram cumprir o seu dever o seu trabalho; elas consideram dar testemunho de Deus e combater o grande dragão vermelho movimentos políticos em defesa dos direitos humanos, pela democracia e pela liberdade; eles transformam em carreiras seu dever de utilizar as suas habilidades, porém consideram que temer a Deus e evitar o mal não passam de instâncias de doutrina religiosa para se observar; e assim por diante. Não são esses comportamentos essencialmente o mesmo que ‘o templo é maior que Deus’? A diferença é que, dois mil anos atrás, as pessoas tratavam dos seus negócios pessoais no templo físico, mas hoje, tratam dos seus negócios pessoais em templos intangíveis. Aquelas pessoas que valorizam as regras veem as regras como maiores que Deus, aquelas pessoas que amam o status veem o status como maior que Deus, aquelas que amam sua carreira veem a carreira como maior que Deus e assim por diante — todas as suas expressões Me levam a dizer: ‘As pessoas louvam a Deus como sendo o maior pelas suas palavras, mas, aos seus olhos, tudo é maior que Deus’. Isso é porque, assim que as pessoas encontram uma oportunidade ao longo de sua senda de seguir a Deus para mostrar seus próprios talentos ou para tratar dos seus próprios negócios ou da sua própria carreira, elas se distanciam de Deus e se lançam na sua amada carreira. Quanto àquilo que Deus lhes confiou e à Sua vontade, essas coisas já foram descartadas há muito tempo desde então” (‘A obra de Deus, o caráter de Deus e o Próprio Deus III’ em “A Palavra manifesta em carne”). A palavra de Deus me mostrou que eu sempre me ocupava com o trabalho porque eu vinha buscando status e fama. Quando vi que alguns líderes e obreiros foram dispensados por não fazerem trabalho prático, eu achei que, se fizesse mais trabalho prático, eu não seria dispensada, eu ficaria em minha posição como líder, não seria exposta e analisada por outros e não seria envergonhada. Achava meu status e reputação mais importantes do que a busca da verdade, por isso, estava ansiosa por um desempenho maior no meu dever e por trabalhar mais. Achava que, contanto que os irmãos vissem que eu acompanhava o trabalho e resolvia problemas e que eu era uma boa líder que conseguia fazer trabalho prático, Todos certamente me apoiariam e aprovariam e eu poderia ter um lugar na igreja. Enquanto corria desenfreada em minha busca por status e fama, releguei as exigências de Deus ao segundo plano. Deus exige que as pessoas busquem a verdade e a entrada na vida, mas eu não levei isso a sério. Agarrei-me ao que achava ser certo e equivocadamente pensava coisas como “caracteres corruptos estão profundamente enraizados, não há necessidade de resolver caracteres corruptos com pressa”, e “esse pouquinho de corrupção não impactará meus deveres, o que importa são os resultados”, e “estou ocupada demais com meu dever, não tenho tempo, comerei e beberei da palavra de Deus e buscarei a verdade quando tiver tempo”. Usava essas palavras como justificativa e desculpa para não me concentrar em buscar entrada na vida e como pretexto para trabalhar buscando status e reputação. Eu buscava meu próprio empreendimento sob a bandeira de cumprir o meu dever, e passava o dia inteiro pensando em trabalhar mais e produzir mais resultados. Queria usar esse método para proteger meu status e interesses e para satisfazer meus desejos e ambições. Era tão desprezível e vergonhoso!

Mais tarde, li algumas outras passagens da palavra de Deus, que me deram alguma percepção da minha busca equivocada. Deus diz: “Depois de ter experimentado a obra do Espírito Santo por tantos anos, as mudanças em Paulo foram quase inexistentes. Ele ainda permanecia quase em seu estado natural, e ainda era o Paulo de antes. Era simplesmente que, depois de suportar as dificuldades de muitos anos de trabalho, ele aprendera a ‘trabalhar’ e aprendera a perseverar, mas sua antiga naturezaa sua natureza altamente competitiva e mercenáriaainda permanecia. Depois de trabalhar durante tantos anos, ele não conhecia seu caráter corrompido, nem se livrara de seu antigo caráter, que ainda era claramente visível em seu trabalho. Havia nele apenas mais experiência de trabalho, mas essa pequena experiência somente foi incapaz de mudá-lo e não pôde alterar suas visões a respeito da existência ou do significado de sua busca. […] Que um homem possa ou não ser salvo não depende de quanto trabalho ele fizer nem de quanto ele se devotar, mas é, em vez disso, determinado por ele conhecer ou não a obra do Espírito Santo, por ser ou não capaz de pôr a verdade em prática e por ter visões com relação à busca que estejam em conformidade com a verdade” (‘O sucesso ou o fracasso dependem da senda que o homem percorre’ em “A Palavra manifesta em carne”). “Se você fez trabalhou muito e outros ganharam seus ensinamentos, mas você mesmo não mudou, não deu nenhum testemunho e não teve nenhuma experiência verdadeira, de modo que, no fim de sua vida, ainda nada do que fez dá testemunho, então você é alguém que mudou? Você é alguém que busca a verdade? Na ocasião, o Espírito Santo usou você, mas quando Ele o fez, usou a parte de você que podia ser usada para trabalhar e não usou a parte de você que não podia ser usada. Se você procurasse mudar, teria sido tornado perfeito paulatinamente durante o processo de ser usado. Todavia, o Espírito Santo não assume nenhuma responsabilidade por você ser ganho ou não em definitivo, e isso depende de seu modo de busca. Se não há mudanças em seu caráter pessoal é porque seu ponto de vista quanto à busca está errado. Se não lhe é conferida nenhuma recompensa, o problema é seu, e é porque você mesmo não pôs a verdade em prática e não é capaz de satisfazer o desejo de Deus. Assim, nada é de maior importância do que suas experiências pessoais e nada é mais crucial do que sua entrada pessoal! Algumas pessoas acabarão por dizer: ‘Tenho feito tanto trabalho por Ti e, embora possa não ter feito quaisquer conquistas celebradas, ainda assim fui diligente nos meus esforços. Não podes simplesmente me deixar entrar no céu para comer o fruto da vida?’. Você deve saber que tipo de pessoa Eu desejo; a quem é impuro não se permite entrar no reino, a quem é impuro não se permite macular o solo santo. Ainda que possa ter feito muito trabalho e trabalhado por muitos anos, no fim, se você ainda é deploravelmente imundo, será intolerável para a lei do Céu que você deseje entrar no Meu reino! Desde a fundação do mundo até hoje, nunca ofereci fácil acesso ao Meu reino àqueles que Me bajulam. Esta é uma regra celestial, e ninguém pode infringi-la! Você deve buscar a vida. Hoje, os que serão tornados perfeitos são do mesmo tipo que Pedro. Eles são aqueles que procuram mudanças em seu próprio caráter e que se dispõem a dar testemunho de Deus e a cumprir seu dever como criaturas de Deus. Somente pessoas como essas serão tornadas perfeitas. Se você só busca recompensas e não procura mudar seu próprio caráter de vida, então todos os seus esforços serão inúteisessa é uma verdade inalterável!” (‘O sucesso ou o fracasso dependem da senda que o homem percorre’ em “A Palavra manifesta em carne”). “A partir da diferença entre a essência de Pedro e a de Paulo, você deve entender que todo aquele que não busca a vida labuta em vão. Você crê em Deus e segue a Deus, portanto deve amar a Deus em seu coração. Você deve afastar o seu caráter corrupto, deve procurar satisfazer o desejo de Deus e deve cumprir o dever de uma criatura de Deus. Visto que você crê em Deus e segue a Deus, deve oferecer tudo a Ele e não deve fazer escolhas nem pedidos pessoais, bem como deve alcançar a satisfação do desejo de Deus. Visto que você foi criado, deve obedecer ao Senhor que o criou, porque você inerentemente não tem domínio sobre si mesmo e não tem aptidão para controlar seu próprio destino. Visto que é uma pessoa que crê em Deus, você deve buscar santidade e mudança. Visto que é uma criatura de Deus, você deve acatar a seu dever, pôr-se no seu lugar e não deve exceder a seu dever. Isso não é para o restringir nem suprimir por meio de doutrina, mas é, em vez disso, a senda pela qual você pode cumprir seu dever e que pode sere deve ser — alcançada por todos aqueles que fazem justiça” (‘O sucesso ou o fracasso dependem da senda que o homem percorre’ em “A Palavra manifesta em carne”). Depois de ler a palavra de Deus, finalmente percebi que minha opinião sobre o que buscar na minha crença estava muito errada. Ganhar a aprovação de Deus não depende de quanto trabalho ele faz nem de quão alto é seu status na igreja. O importante é se ele busca a verdade e alcança mudança em seu caráter de vida. Se você trabalha apenas por status e reputação, mesmo que você preserve seu status por um tempo, sem entendimento da verdade e experiência de vida genuína, é impossível perdurar na casa de Deus. Mais cedo ou mais tarde, você será expulso. Pense em Paulo. Embora tenha viajado e se despendido por muitos anos, tenha sofrido muito, pregado o evangelho e ganhado muitas pessoas, todo o seu trabalho foi em nome de fama, status, recompensas e coroas. Ele não buscou a verdade e seu caráter corrupto não mudou. Paulo era muito arrogante e competitivo e menosprezava todos os outros apóstolos. Ele sempre testificava que ele estava acima dos outros apóstolos e era tão arrogante que perdeu toda sua razão. Paulo nunca buscou mudar seu caráter de vida e não tinha nenhum entendimento de sua natureza de resistir a Deus. Também viu seu trabalho e sofrimento como capital para negociar com Deus. Seu caráter se tornou cada vez mais arrogante e ele até testificou que vivia como Cristo. Paulo trilhou a senda do anticristo de resistir a Deus. No fim, ele ofendeu o caráter de Deus e recebeu a punição de Deus. Eu sempre busquei fama e status e não me concentrei em mudar meu caráter de vida. Eu não trilhava a mesma senda que Paulo? Quando vi meus parceiros sendo dispensados um após o outro, eu temi ser dispensada também, por isso trabalhei cada vez mais. Quando meu trabalho produziu alguns resultados, eu achei que estava indo bem e me tornei cada vez mais arrogante. Cumpri meu dever sem buscar os princípios da verdade. Meus superiores pediram que eu dispensasse o supervisor da produção de vídeos de acordo com os princípios, mas eu insisti em minhas próprias ideias e me recusei a dispensá-lo, o que resultou em atrasos no progresso do trabalho e em danos ao trabalho da casa de Deus. Minha arrogância e insistência em minhas opiniões estavam diretamente relacionadas à minha busca por fama e status e em eu não me concentrar na entrada na vida. Quanto mais buscava status e fama, menor ficava o lugar para Deus no meu coração. Eu não buscava a verdade quando coisas aconteciam. Eu só confiava em mim mesma. No passado, eu achava que, se fizesse mais trabalho prático, eu não seria dispensada. Mas agora percebo que, se me concentrasse só no trabalho e buscasse status e reputação e não resolvesse meus caracteres corruptos, eu só poderia me tornar cada vez mais arrogante e resistir mais a Deus. Se continuasse assim, eu seria revelada e expulsa por Deus igual a Paulo. Deus trata cada um com imparcialidade e justiça. Aqueles que podem entrar no reino de Deus são pessoas que buscam e praticam a verdade e mudam seu caráter de vida. Se você acredita em Deus há muitos anos sem a menor mudança no caráter de vida, sem ganhar o menor conhecimento de Deus, sem ganhar nenhum testemunho verdadeiro de experiência de vida, tal pessoa não pode entrar no reino de Deus. Isso é determinado pelo caráter justo de Deus. Lembrando de como eu era, eu só me concentrava em trabalhar para preservar meu status e reputação, eu dava a mim mesma todas as razões e desculpas para não buscar a verdade, como “caracteres corruptos estão profundamente enraizados e não podem ser resolvidos da noite pro dia” e “esse pouquinho de corrupção não impactará meus deveres, os resultados do meu trabalho são o mais importante”. Nenhuma dessas palavras estava alinhada à verdade. Caracteres corruptos estão profundamente enraizados e não podem ser mudados de uma só vez, mas eles devem ser escavados aos poucos buscando a verdade, analisados com a aplicação da palavra de Deus, e então uma senda de prática deve ser encontrada na palavra de Deus. É só praticando e experimentando a palavra de Deus que, aos poucos, podemos ganhar a verdade e resolver a corrupção. Se nossos caracteres corruptos não são resolvidos, podemos fazer coisas que interrompem o trabalho da casa de Deus a qualquer momento em qualquer lugar. Como esses caracteres corruptos poderiam não impactar nosso dever? Graças à minha arrogância e meu desejo de cumprir meu dever de acordo com minhas ideias, meu fracasso ao não dispensar o supervisor que não estava fazendo trabalho prático causou grandes danos ao trabalho. Isso não é um exemplo claro? Além disso, eu sempre usava meu dever como uma desculpa para não comer e beber das palavras de Deus ou para não vir para diante de Deus para refletir sobre mim mesma. Isso não era enganar a mim mesma e os outros? O processo de cumprir seu dever é, na verdade, a melhor maneira de experimentar a obra de Deus. A entrada na vida começa com o cumprimento do seu dever. Os vários estados revelados ao cumprir seu dever e as ideias e pontos de vista produzidos podem ser trazidos para diante de Deus par refletir, buscar a verdade e aprender lições. Isso não exige tanto tempo assim. Eu só me concentrava no trabalho, buscava status e fama e não buscava entrada na vida. Eu era tão cega e ignorante! Ao perceber essas coisas, fiz um juramento diante de Deus que eu não trabalharia mais para meu status e fama e que buscaria mais a verdade e a entrada na vida.

Li as palavras de Deus, que dizem: “No que tange à sua fé em Deus, além de realizar seu dever adequadamente, algo essencial é entender a verdade, entrar na realidade da verdade, e fazer mais esforço para entrar na vida. Não importa o que aconteça, há lições a serem aprendidas, por isso não as deixem passar despreocupadamente. Vocês devem comungar uns com os outros sobre elas, e então serão esclarecidos e iluminados pelo Espírito Santo e serão capazes de entender a verdade. Por meio da comunhão, você terá uma senda de prática e saberá como experimentar a obra de Deus, e sem se dar conta, alguns dos seus problemas serão resolvidos, haverá cada vez menos coisas que você não consegue ver claramente, e você entenderá cada vez mais a verdade. Dessa forma, a sua estatura crescerá sem que você perceba. Você deve tomar a iniciativa para investir esforço na verdade e deve dedicar seu coração à verdade. […] Aqueles que sempre falam palavras vazias de doutrina, repetem slogans, dizem coisas pretenciosas, seguem regras e nunca se concentram na prática da verdade não ganham nada, não importa por quantos anos acreditem. Quem são as pessoas que ganham alguma coisa? Aqueles que cumprem sinceramente o seu dever e estão dispostos a praticar a verdade, que tratam o que Deus lhes confiou como a sua missão, que, de bom grado, passam toda a sua vida despendendo-se por Deus e que não tramam para o próprio bem, cujos pés estão firmemente no chão e que obedecem às orquestrações de Deus. Eles são capazes de entender os princípios da verdade enquanto cumprem o seu dever e se esforçam para fazer tudo corretamente, o que lhes permite alcançar o efeito de testemunho de Deus, e satisfaz a vontade de Deus. Quando encontram dificuldades no cumprimento do seu dever, eles oram a Deus e tentam sondar a vontade de Deus, são capazes de obedecer aos arranjos e orquestrações que vêm de Deus, e, em tudo que fazem, buscam e praticam a verdade. Não repetem slogans nem dizem coisas pretenciosas; concentram-se apenas em fazer coisas com os pés firmemente apoiados no chão, e em seguir meticulosamente os princípios. Esforçam-se muito em tudo que fazem, fazem um esforço grande para entender tudo e, em muitos assuntos, são capazes de praticar a verdade, adquirindo assim conhecimento e entendimento, e são capazes de aprender lições e realmente ganhar alguma coisa. E quando têm pensamentos incorretos, eles oram a Deus e buscam a verdade para resolvê-los; não importa quais verdades entendam, eles têm um apreço por elas em seu coração e são capazes de falar das suas experiências e de seu testemunho. Tais pessoas acabam ganhando a verdade” (‘A entrada na vida é de suma importância para a fé em Deus’ em “As declarações de Cristo dos últimos dias”). Na palavra de Deus, encontrei uma senda de prática para buscar a verdade. Quando as coisas acontecem, devemos vir para diante de Deus para orar, refletir, buscar a verdade e conhecer a nós mesmos. Devemos tratar cada assunto com sinceridade e aprender lições com ele. Eu pratiquei a entrada nessas coisas. Na época, a casa de Deus comunicou que líderes e obreiros deviam praticar escrever artigos de experiência de vida e que, se eles não conseguem falar do seu testemunho de experiência, então, mesmo que tenham status, eles não podem ser úteis e que, mais cedo ou mais tarde, serão expulsos. Eu entendi mais sobre a vontade de Deus. A casa de Deus exige que líderes e obreiros busquem a verdade e tenham entrada na vida. Líderes que não buscam a verdade não podem durar e serão revelados e expulsos mais cedo ou mais tarde. No passado, eu só me ocupava com trabalho e não me concentrava na minha entrada na vida. Eu não tinha escrito nenhum artigo testemunhal qualificado. Na verdade, eu tinha sofrido alguns contratempos e fracassos, algum tratamento e poda no cumprimento do meu dever. Eu tinha exposto muitos caracteres corruptos. Se quisesse buscar a verdade e me concentrar na minha entrada na vida, eu devia começar escrevendo artigos. Escolhi primeiro a poda e o tratamento que tinham deixado a maior impressão em mim e refleti sobre por que, exatamente, eu tinha sido podada e tratada. Quando comia, lavava roupas e antes de dormir, eu ponderava sobre quais caracteres corruptos eu expunha, quais partes da palavra de Deus eu comia e bebia, quais pensamentos e pontos de vista equivocados eu vim a reconhecer a partir da palavra de Deus e quais sendas de prática encontrei. Quanto mais pensava, mais claro tudo se tornava, o que deixou as lições que eu deveria aprender mais claras, e eu ganhei um entendimento mais prático dos meus caracteres corruptos. Ao escrever artigos, senti que eu conseguia me acalmar diante de Deus, comer e beber da Sua palavra e refletir e conhecer a mim mesma, e tudo isso foi muito útil para a minha entrada na vida. Eu costumava ser tão ignorante. Tinha achado que buscar entrada na vida e escrever artigos só eram perda de tempo e impactavam minha eficácia no meu dever. Agora vejo que isso não me torna ineficiente, na verdade, é benéfico para meu dever. No passado, eu sempre trabalhava por status e reputação, temendo perdê-los. Temia que, se cometesse erros, meus líderes tivessem uma má impressão de mim. Quando havia desvios e descuidos em meu dever e meus líderes apontavam meus problemas ou me podavam e lidavam comigo, eu admitia que ser podada e tratada era para o meu próprio bem e ajudava a conhecer a mim mesma, mas sempre me desanimava. Eu também suspeitava que meus líderes pensariam que eu não tinha calibre nem competência para trabalhar e nenhuma habilidade para fazer qualquer trabalho ou que, se meus líderes descobrissem muitos problemas em mim, isso seria o fim do meu dever. Era como se eu estivesse carregando um fardo pesado nas costas. Quando me concentrava na entrada na vida e em aprender lições do meu ambiente todos os dias, eu não ficava tão deprimida quando os líderes apontavam os desvios e erros no meu trabalho, e eu não me preocupava sempre com como os líderes me viam. Em vez disso, eu refletia sobre por que eu tinha desvios em meu dever e qual dos meus caracteres corruptos ou opiniões falaciosas tinham causado o erro, e, uma vez que os entendia, eu podia sentir remorso, buscar uma senda na palavra de Deus e reverter as coisas rapidamente. Quando praticava dessa forma, meu dever deixou de ser tão cansativo.

Saboreei a doçura de me concentrar na entrada na vida, então vim para diante de Deus e orei, dizendo que refletiria sobre mim mesma com base na palavra de Deus e buscaria mais a verdade. Às vezes, quando meu dever é corrido e não tenho tempo para comer e beber a palavra de Deus de manhã, então, durante as refeições ou antes de me deitar, eu contemplo o estado em que tenho vivido recentemente, que corrupção eu exponho e quais partes da palavra de Deus eu devo ler para refletir sobre mim mesma. Quando reflito sobre essas coisas, leio as partes relevantes da palavra de Deus quando tenho tempo. Não penso, como costumava pensar, que não importa se os problemas dos meus caracteres corruptos não são resolvidos por ora e que posso resolvê-los aos poucos mais tarde quando tiver tempo. Depois de algum tempo, acho que me tornei mais sensível aos pensamentos que exponho, eu continuo a ver alguns desvios que aparecem no meu dever e consigo encontrar sendas de prática na palavra de Deus. Cada vez mais, sinto que buscar a verdade é muito importante me minha crença em Deus. É essencial para experimentarmos a obra de Deus com os pés no chão e tentarmos entender tudo. Contanto que nos esforcemos ao máximo, suportemos nosso fardo na entrada na vida e tivermos um anseio pela verdade, seremos capazes de receber a orientação de Deus. Também podemos buscar a verdade e aprender lições de tudo que acontece em nossa volta.

O alarme dos últimos dias já tocou e grandes desastres já começaram. Você quer dar as boas-vindas ao retorno do Senhor e ter a chance de receber a proteção de Deus com sua família?

Conteúdo relacionado

Conecte-se conosco no Messenger