Tratando líderes de acordo com os princípios

04 de Fevereiro de 2022

Por Xiaoqing, China

No verão de 2016, eu ainda era nova numa posição de liderança na igreja. Um dia, a irmã Wang, uma líder superior, veio a uma das nossas reuniões. Eu estava tentando descobrir se um irmão seria um bom líder de equipe e pedi a ajuda dela. Sem pedir maiores detalhes sobre essa pessoa nem falar sobre os princípios de cultivar pessoas, ela disse para eu promovê-lo ao cargo por um tempo e substituí-lo caso necessário. Eu temia que treinar a pessoa errada atrasaria o trabalho da igreja e expressei minhas dúvidas para que ela comungasse sobre os princípios específicos. Ela não comunicou mais nada, mas, impaciente, me criticou por ser arrogante e não aceitar a verdade e fez isso por um bom tempo. Ser tratada desse jeito foi constrangedor e pensei: “Não devemos comungar sobre a verdade para resolver problemas? Quando temos problemas, Você não nos ajuda comungando, mas nos repreende altivamente. Isso não é nos guiar a entender a verdade e seguir os princípios”. Eu queria compartilhar minha confusão, mas ao pensar que ela tinha sido dura comigo na frente de todos, eu temia que ela me repreendesse de novo e dissesse que eu era arrogante e não aceitava a verdade. Então fiquei calada.

Nas reuniões seguintes, percebi que a comunhão da irmã Wang sobre as palavras de Deus não era esclarecedora nem prática, que era apenas doutrina literal e não resolvia nenhum problema real. Perguntei-me se ela realmente tinha a obra do Espírito Santo. Mas então pensei que talvez ela não estivesse num bom estado e que era normal se a obra do Espírito não fosse óbvia. Não dei importância. Mais tarde, arranjos foram feitos para que cada igreja escolhesse três líderes para que, juntos, assumissem o trabalho da igreja. A irmã Wang nos disse que escolher líderes era muito importante, de modo que devíamos tratar disso imediatamente. Mas não aconteceu desse jeito quando chegou a hora de fazê-lo. Eu era a única líder na época e, às vezes, não conseguia dar conta de todo o trabalho. Eu lhe expliquei as coisas, esperando que ela organizasse uma eleição o mais rápido possível. Ela disse que faria isso, mas o tempo passou e ela não fez nada. Escrevi-lhe tentando apressá-la, mas nada aconteceu. Achei estranho. Ela sabia como a eleição de líderes era importante e a comunhão dela era ótima, só que ela empurrava com a barriga quando devia fazer algo. Ela não era só conversa, recitando doutrina e sem fazer trabalho prático? Mais tarde, eu soube que ela havia atrasado as eleições em outras igrejas da mesma forma, de modo que líderes apropriados não foram encontrados a tempo, o que impactou a vida da igreja e seu trabalho.

Pensei que a irmã Wang devia ser uma falsa líder que não fazia trabalho prático, e se isso continuasse, todo o trabalho da igreja sofreria muito. Achei que devia apontar esses problemas para ela. Mas quando estava prestes a escrever uma carta, lembrei-me de que ela era uma líder. Seria ótimo se ela conseguisse aceitar, caso contrário, ela poderia dificultar as coisas para mim e talvez até encontrar um pretexto para me demitir. Decidi esquecer o assunto. Larguei a caneta e não fiz nada. Mas então me senti incomodada. Eu via seus problemas claramente sem dizer uma única palavra — isso não era a vontade de Deus. Eu sabia que devia dizer algo. Ainda assim não conseguia escrever. Não podia escrever a carta e não podia não escrevê-la. Eu estava num dilema. Não escrevi a carta. Orei a Deus sobre a minha dificuldade. Mais tarde, li estas palavras de Deus. “Todos vocês dizem que têm consideração pelo fardo de Deus e que defenderão o testemunho da igreja, mas quem dentre vocês realmente foi atencioso com o fardo de Deus? Perguntem a si mesmos: Você é alguém que demonstrou consideração pelo fardo de Deus? Você pode praticar a justiça para Deus? Você pode se levantar e falar por Mim? Você pode colocar a verdade em prática firmemente? Você tem coragem suficiente para lutar contra todos os atos de Satanás? Você seria capaz de colocar suas emoções de lado e expor Satanás em prol da Minha verdade? Você pode permitir que Minhas intenções sejam cumpridas em você? Você ofereceu seu coração nos momentos mais cruciais? Você é alguém que faz a Minha vontade? Faça a si mesmo essas perguntas e pense sobre elas com frequência” (‘Capítulo 13’ das Declarações de Cristo no princípio em “A Palavra manifesta em carne”). Parecia que cada uma das perguntas de Deus se dirigia a mim. Então me perguntei: Eu me preocupo com o fardo de Deus? Estou protegendo os interesses da casa de Deus? Pensei sobre como eu tinha visto a irmã Wang falhar em comungar a verdade e resolver problemas e repreender e constranger os outros. Ela só comungava doutrina sem tratar dos problemas práticos no nosso trabalho. As eleições quase não avançavam. O comportamento dela já tinha impedido o trabalho da casa de Deus. Eu sabia que devia dizer algo a ela para que ela soubesse como aquilo era sério. Mas eu temia que, se fizesse isso, ela não aceitasse e dificultasse as coisas para mim e encontrasse um pretexto para me remover do meu dever. Não ousei dizer nada, fiquei com um olho aberto e fechei o outro, e não protegi o trabalho da casa de Deus. Só pensei em meus interesses pessoais. Eu era tão egoísta e carecia de humanidade! Eu era uma líder da igreja, mas quando o trabalho da igreja estava sendo atrasado, eu não ousei pôr um fim a isso. Eu não estava apoiando a maldade da irmã Wang? Eu não protegia o trabalho da casa de Deus de forma alguma, como eu era digna de ser uma líder? Quanto mais refletia, mais culpada me sentia, e jurei a Deus que renunciaria à minha carne e praticaria a verdade.

Li os princípios nos arranjos de trabalho sobre como tratar obreiros e líderes E vi que, no caso daqueles que buscam a verdade e fazem trabalho prático, se cometerem transgressões em seu dever ou, às vezes, não têm muito sucesso, eles devem ser apoiados com amor ou repreendidos e tratados, mas não casualmente condenados nem demitidos. No caso daqueles que não fazem trabalho prático nem buscam a verdade, se insistirem em serem rebeldes e não aceitarem a verdade nem se arrependerem quando criticados, fica determinado que eles são falsos líderes e devem ser demitidos. Eu não tinha muita experiência pessoal com ela. Eu tinha visto alguns indícios de que ela era uma falsa líder, mas não tinha como ter certeza absoluta disso. Eu sabia que devia começar comungando com ela, e esse era meu dever. Então peguei uma caneta para anotar seus problemas e confesso que eu estava bastante nervosa. Então orei e pedi força a Deus, para renunciar a mim mesma e proteger os interesses da igreja. Depois disso, não me senti tão constrangida e anotei cada um dos problemas da irmã Wang. No instante em que enviei a carta, senti muita paz.

Ela nunca respondeu. As eleições da igreja ainda estavam sendo atrasadas, e muitas igrejas não tinham os obreiros e líderes necessários para executar projetos em tempo oportuno. Isso impediu seriamente o trabalho da casa de Deus. Escrevi mais algumas vezes para ela para apressá-la, mas não deu em nada. Vi que ela só falava e não fazia trabalho prático e que não mudaria nem mesmo após muito feedback, portanto, com base em sua conduta persistente, ela era uma falsa líder que não fazia trabalho prático. Escrevi a um líder superior explicando esses problemas. Não demorou, e uma investigação na casa de Deus confirmou que ela era uma falsa líder que não fazia trabalho prático, e ela foi demitida. Essa experiência me mostrou que a verdade e justiça imperam na casa de Deus. Falsos líderes podem ter uma posição, mas não buscam a verdade nem fazem trabalho real, assim não conseguem se estabelecer na casa de Deus. Eu sempre tivera medo de ofender um líder e de ser demitida do meu dever, por isso não ousava trazer seus problemas à luz. Naquele momento, percebi que eu não entendia o caráter justo de Deus. A casa de Deus tem decretos administrativos, princípios e regras, portanto, não importa quão alta seja a posição de um líder, ele deve fazer as coisas de acordo com as palavras de Deus e os princípios da verdade. Qualquer um que seguir seu próprio caminho acabará escorregando. Além disso, Deus está no controle de qualquer dever que eu possa fazer na igreja. Isso não cabe a nenhum líder. Não é assunto dele. Não havia com que me preocupar.

Em outubro de 2019, fui transferida para um dever em outra igreja. Depois de um tempo, percebi que a irmã Chen, a líder acima de mim, não nomeava pessoas de acordo com os princípios. Tínhamos uma diaconisa de rega, a irmã Zhang, que era muito egoísta e astuta. Ela via como as pessoas interrompiam a vida de igreja, mas não fazia nada, temendo ofendê-las. Outros mencionavam alguns problemas, e ela não assumia a responsabilidade, de modo que os problemas não eram resolvidos a tempo. Isso foi investigado e tornou-se claro que essa era a conduta constante da irmã Zhang, que ela nunca defendera o trabalho da igreja nem fizera trabalho prático, e que devia ser demitida imediatamente. Mas quando a irmã Chen ia fazer isso, a irmã Zhang disse ter consciência de algumas coisas, então a irmã Chen engoliu essa fachada e adiou a demissão. Vi que a irmã Chen não estava seguindo os princípios para demitir líderes e obreiros, o que é um problema sério. Eu queria falar com ela sobre isso. Mas então pensei que eu ainda era nova naquele dever e que ela realmente me prezava. Seria ótimo se ela aceitasse minhas sugestões, mas, caso contrário, ela poderia dizer que eu era arrogante, obcecada com os problemas delas depois de apenas poucos dias naquela posição. E se ela não continuasse a me cultivar por causa disso? Esse pensamento me impediu de mencionar o problema. Embora me sentisse um pouco culpada por causa disse, acabei cedendo.

Uma vez, a irmã Chen participou de uma reunião do meu grupo e eu quis levantar o problema, aí ela mencionou que era nova em seu dever e que era difícil para ela, que não estava num estado muito bom. Pensei que, se mencionasse os problemas dela quando ela já estava tendo dificuldades na liderança, ela não pensaria que eu era desumana e não amorosa? Decidi ficar calada, temendo que o problema não seria resolvido, ela se sentiria negativa e teria uma impressão ruim de mim. Eu fiquei calada. A diaconisa de rega não foi substituída, deixando muitos problemas não resolvidos no trabalho dela, o que realmente prejudicou a entrada na vida dos irmãos e o trabalho da casa de Deus. Eu me senti muito culpada por causa disso. Se eu tivesse me manifestado a tempo, o resultado poderia não ter sido tão ruim. Depois lemos algumas das palavras de deus numa reunião, e fiquei muito comovida. “Muitos na igreja não têm discernimento. Quando algo enganoso ocorre, eles inesperadamente ficam do lado de Satanás; até se ofendem ao serem chamados de lacaios de Satanás. Embora as pessoas possam dizer que eles não têm discernimento, eles sempre ficam do lado sem a verdade, nunca ficam do lado da verdade no momento crítico, nunca se levantam e argumentam em prol da verdade. Eles carecem verdadeiramente de discernimento? Por que eles inesperadamente tomam o lado de Satanás? Por que nunca dizem uma palavra que seja justa e razoável para apoiar a verdade? Essa situação surgiu genuinamente como resultado de sua confusão momentânea? Quanto menos discernimento as pessoas têm, menos são capazes de ficar do lado da verdade. O que isso mostra? Não mostra que as pessoas sem discernimento amam o mal? Não mostra que elas são a cria leal de Satanás? Por que é que elas são sempre capazes de ficar do lado de Satanás e falar a língua dele? Cada palavra e ato delas, as expressões em seu rosto, todos são suficientes para provar que elas não são um tipo de amante da verdade; antes, são pessoas que detestam a verdade” (‘Um alerta para aqueles que não praticam a verdade’ em “A Palavra manifesta em carne”). Minha consciência se sentiu muito acusada quando li isso. Eu vi a irmã Chen violar os princípios para transferir líderes e obreiros. Ela não demitiu a tempo a obreira falsa que foi exposta, o que afetou o trabalho da igreja. Eu sabia que devia comungar com ela e ajudar a proteger o trabalho da casa de Deus. Mas eu temia ofendê-la e mudar a imagem que ela tinha de mim, então me calei e não defendi os princípios. Isso significa que o trabalho da casa de Deus foi afetado, e eu tinha participado disso. Vi que eu não amava a verdade nem tinham um senso de responsabilidade, mas era apenas uma pessoa desprezível que defendia seus próprios interesses e ficava do lado de Satanás. Deus tinha me elevado para que eu me desenvolvesse num dever tão importante e comungasse tanta verdade para que eu aprendesse a verdade e ganhasse discernimento. Ele também me guiou a enxergar esses problemas, esperando que eu defendesse os princípios e assumisse uma posição pela casa de Deus. Mas eu era egoísta, mordendo a mão que me alimentava. A fim de proteger meus interesses, eu ficava ignorando a orientação do Espírito, prejudicando e atrasando o trabalho da casa de Deus, cometendo transgressões diante de Deus. Eu também estava vivendo em trevas, provocando o nojo de Deus.

Depois, comecei a refletir sobre por que eu sempre protegia a mim mesma sempre que algo acontecia. Que tipo de natureza corrupta estava me controlando? Então descobri a raiz de tudo isso num vídeo de leitura das palavras de Deus. Deus Todo-Poderoso diz: “Até que as pessoas tenham experimentado a obra de Deus e ganhado a verdade, é a natureza de Satanás que assume o controle e as domina por dentro. O que, especificamente, essa natureza acarreta? Por exemplo, por que você é egoísta? Por que protege a própria posição? Por que você tem emoções tão fortes? Por que aprecia aquelas coisas injustas? Por que gosta daqueles males? Qual é a base para sua afeição por tais coisas? De onde vêm essas coisas? Por que você fica tão feliz em aceitá-las? A esta altura, vocês todos vieram a entender que a razão principal por trás de todas essas coisas é que o veneno de Satanás está dentro de vocês. Quanto ao que é o veneno de Satanás, isso pode ser completamente expresso em palavras. Por exemplo, se você pergunta: ‘Como as pessoas devem viver? Para quê devem vier?’ as pessoas responderão: ‘É cada um por si e o diabo pega quem fica por último’. Esse simples provérbio expressa a raiz exata do problema. A filosofia de Satanás se tornou a vida das pessoas. Não importa o que as pessoas busquem, elas o fazem para si mesmas — e assim só vivem para si mesmas ‘É cada um por si e o diabo pega quem fica por último’ — isso é a vida e a filosofia do homem e representa também a natureza humana. Essas palavras de Satanás são precisamente o veneno de Satanás e, quando as pessoas o internalizam, ele se torna a natureza delas. A natureza de Satanás é exposta por meio dessas palavras; elas o representam completamente. Esse veneno se torna a vida das pessoas bem como o fundamento de sua existência, e a humanidade corrupta tem sido constantemente dominada por esse veneno por milhares de anos” (‘Como trilhar a senda de Pedro’em “As declarações de Cristo dos últimos dias”). Isso me mostrou que eu sempre protegia meus interesses porque eu era controlada pelos venenos de Satanás. “Cada um por si e o demônio pega quem fica por último”, “pessoas sensatas sabem se proteger e evitam cometer erros” e “quando você sabe que algo está errado, é melhor dizer menos”. Eu estiver imersa nesses venenos satânicos por tanto tempo que eles se tornaram minha natureza. Eu vivia segundo eles e só protegia meus interesses em cada situação. Entre os irmãos, eu só pensava em meu status e reputação, não no trabalho da casa de Deus. Vi uma líder violar claramente os princípios para transferir pessoas, mas temia que dizer algo pudesse ser ruim para mim, então fiquei com um olho aberto e fechei o outro para proteger minha posição e futuro. Não ofereci comunhão nem ajuda a tempo, disposta a ver a entrada na vida pelos outros e o trabalho da igreja sofrerem, para não comprometer meus interesses. Vi como eu era egoísta e desprezível. Eu tinha vivido segundo esses venenos satânicos, tornando-me cada vez mais egoísta e astuta, vivendo sem nenhuma humanidade. Eu tinha prejudicado a mim mesma e interrompido o trabalho da casa de Deus. Esses venenos só corrompem e prejudicam as pessoas, e não conseguimos deixar de nos rebelar, resistindo a Deus. Eu sabia que, se não me arrependesse nem buscasse a verdade para resolver esses problemas, eu acabaria sendo eliminada por Deus e perderia minha chance de ser salva. Também vi o perdão e a salvação de Deus para mim. Deus tinha arranjado as coisas repetidas vezes, embora eu fosse tão rebelde, guiando-me com Suas palavras, mostrando-me minha corrupção. Eu sabia que devia parar de desobedecer a Deus, renunciar à minha carne e praticar a verdade.

Mais tarde, li outra passagem. “Promover e cultivar alguém não significa que ele já entende a verdade, nem significa dizer que ele já é capaz de cumprir seu dever satisfatoriamente. […] As pessoas não devem ter expectativas altas ou fazer exigências irreais àqueles que são promovidos e cultivados; isso seria insensato e injusto com eles. Vocês podem monitorá-los e relatar as coisas que vocês acreditam ser problemáticas, mas eles estão apenas no período de cultivação e não devem ser vistos como pessoas que foram aperfeiçoadas, muito menos como pessoas irrepreensíveis ou como pessoas que possuem a realidade da verdade. Eles são como vocês: esse é o tempo em que são treinados. […] Por que Eu digo isso? Para dizer a todos que não devem interpretar erradamente a promoção e a cultivação de vários tipos de talentos feitas pela casa de Deus e que não devem ser duros nas exigências que fazem a essas pessoas. Naturalmente, as pessoas também não devem ser irreais em suas opiniões sobre elas. É tolo estimar ou reverenciá-las excessivamente, e não é humano ou realista ser excessivamente duro nas exigências que se fazem a elas. Qual, então, é a maneira mais racional de agir em relação a elas? Vê-las como pessoas comuns e, quando surgir um problema que precise ser investigado, comungar e aprender com os pontos fortes de cada um e complementar uns aos outros. Além disso, é da responsabilidade de cada um monitorar se os líderes e trabalhadores estão fazendo trabalho real e se são competentes no cumprimento de seus deveres. Se não forem e vocês enxergaram através deles, então não percam tempo em denunciar ou removê-los; escolham alguém e não atrasem o trabalho da casa de Deus. Atrasar a casa de Deus significa prejudicar vocês e os outros; não é bom para ninguém” (‘Identificando falsos líderes (5)’ em “As declarações de Cristo dos últimos dias”). Essa passagem me mostrou os princípios para tratar líderes e obreiros. Eles não começam entendendo a verdade e já aptos para aquele cargo. Estão num período de treinamento, têm falhas e deficiências, por isso devemos ser justos e imparciais com eles, e não exigir demais. Ao mesmo tempo, temos a responsabilidade de ficar de olho em seu trabalho. Quando ele está alinhado com a verdade, devemos aceitá-lo, caso contrário, devemos apontar os erros e oferecer comunhão e ajuda para que eles possam ver os erros em seu dever e corrigi-los o quanto antes. Isso é bom para a entrada na vida deles e o trabalho da casa de Deus. Se ficar claro que alguém é um falso líder que não faz trabalho prático e não é capaz, isso deve ser denunciado imediatamente. Eu sabia que a irmã Chen era nova naquele dever e que ela estava fadada a cometer erros. Já que eu tinha visto problemas, eu tinha a responsabilidade de apontá-los e oferecer comunhão. Eu podia denunciá-la e expô-la se ela se recusasse a aceitar. Eu não podia ficar de braços cruzados vendo o trabalho da casa de Deus sofrer. Àquela altura, já não quis mais proteger meus próprios interesses e estava disposta a corrigir meus motivos para proteger o trabalho da casa de Deus. Alguns dias depois, a irmã Chen veio para dar uma olhada no nosso trabalho, e eu lhe disse como ela havia violado os princípios e me abri com ela sobre meu egoísmo e astúcia recentes. Ela usou as palavras de Deus para refletir sobre si mesma e viu os erros que cometera e a corrupção que ela revelara ao lidar com essas questões e expressou um desejo de mudar.

Depois disso, conversamos sobre os princípios específicos para mudar os deveres das pessoas. Depois da nossa comunhão, tínhamos uma clareza maior e vimos a orientação e bênçãos de Deus. Depois disso, ela substituiu a irmã Zhang, como exigiam os princípios. Essa experiência me ensinou que dar feedback e oferecer ajuda assim que eu enxergo problemas no dever de um líder é algo positivo. É justo e protege o trabalho da casa de Deus. Vi também que a casa de Deus trata todos de acordo com os princípios da verdade. Ninguém perderá seu dever por causa de uma transgressão momentânea ou alguma corrupção que revelam, mas sua senda, sua natureza e essência e sua atitude em relação à verdade são avaliadas e ele é tratado de acordo com isso. É justo e sensato. Só tratar os líderes e obreiros de acordo com os princípios pode beneficiar o trabalho da casa de Deus e os outros e está alinhado com a vontade de Deus. Essas experiências me mostraram a abordagem correta em relação a líderes e obreiros e os princípios para lidar com os vários problemas que eles possam ter. Também ganhei algum entendimento dos meus caracteres corruptos egoístas e astutos e quis parar de viver com egoísmo. Finalmente defendi os princípios e tive algum senso de justiça. Sou muito grata a Deus por aquilo que ganhei.

O alarme dos últimos dias já tocou e grandes desastres já começaram. Você quer dar as boas-vindas ao retorno do Senhor e ter a chance de receber a proteção de Deus com sua família?

Conteúdo relacionado

Aprendi a trabalhar com os outros

Por Liu Heng, Província de Jiangxi Pela graça de Deus, assumi a responsabilidade de ser uma líder de igreja. Naquela época, eu estava muito...

Entre em contato conosco pelo WhatsApp