O teste de um ambiente difícil

27 de Setembro de 2022

Por Junior, África

Desde pequeno, eu sempre fui influenciado pela sociedade. Eu gostava de concordar com os outros em tudo que fazia. As pessoas à minha volta eram cristãs, por isso eu também era. Mas quando ansiei por aprender e buscar informações sobre Deus, comecei a ponderar algumas perguntas: por que cremos em Deus? Como podemos conhecer Deus? Neste mundo sombrio e maligno, onde está a verdade? Por que as pessoas enfrentam adversidades na vida? Essas perguntas eram um mistério após o outro, e eu nunca encontrava respostas. Felizmente, quando aceitei o evangelho de Deus Todo-Poderoso dos últimos dias, encontrei as respostas pra todas essas coisas confusas nas palavras de Deus Todo-Poderoso. Aprendi que, na fé, as pessoas podem alcançar conhecimento de Deus, submissão e amor a Deus experimentando as palavras e a obra de Deus. Também aprendi que, nos últimos dias, Deus usa julgamento, castigo, provações e refinamento para aperfeiçoar as pessoas e purificar sua corrupção. Então orei para que provações me sobreviessem. Até quis ter nascido na China para poder passar pela opressão e perseguição daqueles diabos, como os irmãos chineses, e dar testemunho retumbante e ser transformado em vencedor por Deus por meio de adversidade. Depois desse despertar, não demorou, e algo aconteceu comigo.

Por causa da pandemia, a empresa para a qual eu trabalhava faliu, e eu perdi o emprego. Procurei trabalho em muitas outras empresas, mas nunca era chamado para uma entrevista. O tempo passava, e as coisas pioravam. Eu não tinha renda nem dinheiro pra comprar comida. Não sabia o que fazer. Antes disso, eu participava de reuniões virtuais, lia as palavras de Deus Todo-Poderoso, assistia a vídeos da igreja, cumpria meu dever com os outros após sair do trabalho. Essas eram as coisas mais importantes para mim, e eu achava que era um jeito ótimo de praticar a fé. Mas agora que estava passando por esse suplício, eu pensava que, já que eu acreditava no Deus verdadeiro, Ele cuidaria de mim e me ajudaria. Também orei a Deus, pedindo que Ele me desse um emprego. Achava que, já que eu era crente, Deus me daria tudo que eu pedisse, mas não foi o que Deus fez. Senti um pouco de fraqueza e confusão. Eu lia as palavras de Deus e orava todos os dias; por que Deus não estava me ajudando, agora que eu estava sofrendo? Quando isso surgiu dentro de mim, pensei em Jó. Quando perdeu todos os bens, ele conseguiu permanecer firme no testemunho. Jó acreditava que tudo, bom e mau, era o que Deus tinha arranjado, e nunca se queixou. Ele agradeceu a Deus por lhe dar bênçãos materiais, e quando Deus retirou essas bênçãos, ele ainda assim louvou o nome de Deus Jeová. Quando refleti sobre a fé e as orações de Jó, percebi como a minha fé era irrisória, que ela não se comparava à de Jó. Eu sabia que devia seguir o exemplo de Jó e me submeter ao governo e aos arranjos de Deus, como ele. Mas quando pensava na possibilidade de não ter o que comer, eu não sabia o que fazer. Na verdade, eu só tinha aceitado Deus Todo-Poderoso três meses antes, e não entendia muito da palavra de Deus. Eu tinha usado toda a internet do meu plano, por isso não podia participar das reuniões. Tudo que podia fazer era apelar a Deus: “Deus, se vou morrer de fome ou não está em Tuas mãos. Mesmo que morra, eu me submeterei ao Teu governo e arranjos”. Orar assim me deu um senso de paz. Nesse mesmo dia, depois da oração, algo aconteceu do nada. Meu tio me ligou e perguntou se eu queria trabalhar para a empresa de construção dele. Embora o trabalho na construção seja cansativo, depois de uma semana, eu tinha ganho o suficiente pra me sustentar por um tempo. Eu agradeci a Deus! Nessa situação, comecei a pensar sobre por que Deus não tinha feito isso quando eu pedi que Ele me ajudasse a encontrar emprego, mas, quando orei que estava disposto a me submeter, Ele me ajudou.

Então, um dia, li algumas das palavras de Deus que me deram algum entendimento. Deus Todo-Poderoso diz: “Quantos creem em Mim apenas para que Eu possa curá-los. Quantos creem em Mim apenas para que Eu possa usar Meus poderes para expulsar espíritos impuros de seu corpo e quantos creem em Mim simplesmente para que possam receber paz e alegria de Mim. Quantos creem em Mim apenas para exigir de Mim maior riqueza material. Quantos creem em Mim apenas para passar esta vida em paz e estar sãos e salvos no mundo por vir. Quantos creem em Mim para evitar o sofrimento do inferno e receber as bênçãos do céu. Quantos creem em Mim apenas em busca de conforto temporário, mas não buscam ganhar nada no mundo por vir. Quando Eu fiz descer Minha fúria sobre o homem e tomei toda a alegria e paz que ele outrora possuía, o homem se tornou duvidoso. Quando Eu dei ao homem o sofrimento do inferno e recuperei as bênçãos do céu, a vergonha do homem se transformou em raiva. Quando o homem Me pediu para curá-lo, Eu não lhe dei atenção e senti repulsa por ele; o homem apartou-se de Mim para buscar, ao contrário, a senda do curandeirismo e da feitiçaria. Quando Eu tirei tudo que o homem tinha exigido de Mim, todos desapareceram sem deixar vestígios. Assim, Eu digo que o homem tem fé em Mim porque Eu concedo graça demais e há muitíssimo mais a ganhar” (A Palavra, vol. 1: A obra de Deus e conhecer a Deus, “O que você sabe sobre a fé?”). “O relacionamento do homem com Deus é meramente de um interesse próprio nu e cru. É um relacionamento entre um receptor e um doador de bênçãos. Para colocar de forma mais clara, é semelhante ao relacionamento entre empregado e empregador. O empregado trabalha apenas para receber as recompensas concedidas pelo empregador. Não há afeto em tal relacionamento, apenas transação. Não há amar nem ser amado, apenas caridade e misericórdia. Não há entendimento, apenas indignação suprimida e engano. Não há intimidade, apenas um abismo intransponível. Agora que as coisas chegaram a esse ponto, quem pode reverter esse curso? E quantas pessoas são capazes de entender verdadeiramente o quanto esse relacionamento se tornou terrível? Acredito que, quando as pessoas se imergem na alegria de ser abençoadas, ninguém pode imaginar como é embaraçoso e desagradável um relacionamento assim com Deus” (A Palavra, vol. 1: A obra de Deus e conhecer a Deus, “O homem só pode ser salvo em meio ao gerenciamento de Deus”). As palavras de Deus revelam nossos estados corruptos e a motivação por bênçãos. Muitas pessoas só buscam o conforto de Deus em sua fé. Não querem sofrer nenhum infortúnio e esperam que Deus lhes dê tudo que querem, mas nunca se perguntam se estão satisfazendo a Deus. Para elas, submeter-se a Deus e cumprir Suas exigências não é importante. O mais importante é que Deus lhes dê o que elas querem. Na minha fé no Senhor, os pastores e presbíteros pregavam que devíamos orar pelas bênçãos de Deus, mas esse tipo de busca mancha a nossa relação com Deus. É como revelam as palavras de Deus: “O relacionamento do homem com Deus é meramente de um interesse próprio nu e cru. É um relacionamento entre um receptor e um doador de bênçãos. Para colocar de forma mais clara, é semelhante ao relacionamento entre empregado e empregador. O empregado trabalha apenas para receber as recompensas concedidas pelo empregador. Não há afeto em tal relacionamento, apenas transação. As palavras de Deus são a verdade, então eu refleti sobre mim mesmo. Vi que a minha fé também servia só para ganhar as bênçãos de Deus. Essa intenção estava escondida nos recessos mais íntimos do meu coração. Eu achava que, já que Deus tinha retornado para a Terra, Ele certamente abençoaria todos que O aceitam. Pensei que, já que eu tinha aceitado a obra de Deus dos últimos dias, as bênçãos estariam perto, que a minha vida estava prestes a melhorar. No entanto, não foi o que aconteceu. Deparei-me com adversidades, e a minha vida ficou difícil, então fiquei fraco e negativo. Eu não tinha renda nem comida, não tinha internet para participar das reuniões virtuais. Como poderia continuar praticando a fé? Eu estava decepcionado e achava que Deus não se importava comigo. Eu tinha procurado emprego por toda parte e pedido a ajuda de Deus, mas Deus não respondia, e Ele não me deu o que eu pedi. Desenvolvi dúvidas sobre Deus: Ele é o Deus verdadeiro? É como Deus diz: “Quando Eu fiz descer Minha fúria sobre o homem e tomei toda a alegria e paz que ele outrora possuía, o homem se tornou duvidoso. A revelação das palavras de Deus me deixou com vergonha do que eu tinha revelado. As palavras de Deus também me mostraram que ter fé por bênçãos era a perspectiva errada, porque eu via Deus como aquele que concede bênçãos e a mim mesmo como quem recebe bênçãos. Quando Deus não me deu um bom emprego, como eu queria, eu O culpei e achei que ele não se importava comigo. Eu vi como era absurda, ignorante e tola a minha perspectiva sobre a fé. Pensei em como eu tinha ido a reuniões desde criança e tudo que tinha ouvido era: “Deus lhe dará grandes bênçãos! Deus abençoará você se você acreditar. Ore e peça coisas a Deus, e Ele certamente responderá”. Essas coisas que eu ouvia do mundo religioso, dos meus pais e dos outros tiveram um impacto forte sobre mim e me levaram a achar que eu só devia crer para ganhar as bênçãos de Deus e me livrar do sofrimento mundano. Antes, eu não achava que ter desejo de bênçãos na fé era errado, e eu não via que isso era um caráter satânico. Eu não tinha nenhum entendimento disso até ler as palavras de Deus que expõem a corrupção das pessoas. Perguntei a mim mesmo se a fé realmente só serve para ganhar bênçãos materiais. Aqueles que têm dinheiro e bens materiais são aqueles que Deus aprova? Se assim for, por que o Senhor Jesus disse em João 6:27: “Trabalhai, não pela comida que perece, mas pela comida que permanece para a vida eterna, a qual o Filho do homem vos dará; pois neste, Deus, o Pai, imprimiu o seu selo”? Ele também disse: “Não ajunteis para vós tesouros na terra; onde a traça e a ferrugem os consomem, e onde os ladrões minam e roubam; mas ajuntai para vós tesouros no céu, onde nem a traça nem a ferrugem os consumem, e onde os ladrões não minam nem roubam. Porque onde estiver o teu tesouro, aí estará também o teu coração” (Mateus 6:19-21). Então eu percebi que sempre pedir bênçãos materiais a Deus é o desejo extravagante da humanidade — é corrupção, e Deus detesta isso. Isso é só porque Satanás engana o homem e o impede de conhecer a identidade de Deus, e de saber que Deus governa sobre o nosso destino, de modo que somos incapazes de nos submeter ao nosso Criador. Quando tudo corre bem, damos graças a Deus e O louvamos, mas quando enfrentamos adversidade na vida, e Deus não cumpre as nossas exigências, evitamos e culpamos Deus. Isso me lembrou de Abraão. Ele estava disposto a se submeter a tudo de Deus. Bom ou ruim, ele não tinha uma escolha dele. Quando Deus ordenou que Abraão usasse seu filho como sacrifício, Abraão estava disposto a fazer o que Deus exigia. Foi muito doloroso para ele, mas ele não perguntou a Deus: “Por que estás exigindo isso de mim? Como podes me tratar desse jeito?”. Abraão acreditava que, não importava o que Deus pedisse, ele devia obedecer. Ele sabia que Deus é o Criador, e ele mesmo era um ser criado, portanto ele devia se submeter incondicionalmente e aceitar qualquer ordem ou exigência de Deus. A fé de Abraão ganhou a aprovação de Deus. Mas hoje as pessoas são totalmente diferentes de Abraão. Estamos sempre pensando em bênçãos materiais e ignoramos a vontade de Deus. O Senhor Jesus nos exortou: “Buscai primeiro o seu reino e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas” (Mateus 6:33). Não devemos buscar bênçãos materiais, devemos buscar a vontade de Deus, buscar a verdade e cumprir bem o nosso dever. É isso que importa. Deus é o Criador. Ele conhece nossos pensamentos e sabe, também, o que precisamos. Mas, por causa da corrupção de Satanás, o pensamento da humanidade foi tomado pela ganância e por bênçãos materiais, por isso não cremos em Deus para obedecer nem satisfazer a Ele, mas só para ganhar bênçãos e satisfazer nossos desejos. É como revelam as palavras de Deus Todo-Poderoso: “Todos os humanos corruptos vivem para si mesmos. Cada um por si e o diabo pega quem fica por último — esse é o resumo da natureza do homem. As pessoas creem em Deus por causa de si mesmas; quando renunciam a coisas e se despendem para Deus, eles fazem isso a fim de serem abençoados, e quando são fiéis a Ele, fazem isso a fim de serem recompensados. Em suma, tudo é feito para o propósito de ser abençoado, recompensado e entrar no reino dos céus. Na sociedade, as pessoas trabalham por seu próprio benefício, e na casa de Deus, eles cumprem um dever a fim de ser abençoados. É para ganhar bênçãos que as pessoas se desfazem de tudo e conseguem suportar muito sofrimento: não há melhor evidência da natureza satânica do homem” (A Palavra, vol. 2: As declarações de Cristo dos últimos dias, “Parte 3”). As palavras de Deus expuseram a verdade exata sobre mim. Eu vi minha arrogância e egoísmo e aprendi que, quando eu encontro algo de que não gosto, eu devo orar e me submeter a Deus, e que não posso só correr atrás de graça e bênçãos. Mas não demorou, e deparei com o mesmo problema. Já que eu só tinha trabalhado uma semana na empresa do tio, e depois fiquei em casa, concentrado no meu dever, o dinheiro acabou rapidinho. Eu não sabia de onde viria minha próxima refeição nem como devia procurar trabalho, pois eu não tinha formação nem qualificação de trabalho. Eu não tinha dinheiro nem nada para comprar outro pacote de internet. Eu precisava da internet pra participar das reuniões e cumprir meu dever. Isso me deixou fraco de novo, e perdi toda a esperança. Nesse momento, minha mãe me contou que, por causa da pandemia, eles não tinham mais como se sustentar, e esperavam que eu lhes pudesse dar algumas coisas. Saber que a minha mãe enfrentava os mesmos apuros foi enfraquecedor e doloroso pra mim. Eu não sabia o que fazer. Era como se eu sofresse muito mais do que os outros, como se a minha vida fosse muito difícil. Eu não conseguia obter um entendimento claro da vontade de Deus. Eu achava que, já que cumpria meu dever todos os dias, Deus devia cuidar de mim, então por que a minha situação só piorava?

Nessa época, eu li muito as palavras de Deus e ouvi muitos hinos de louvor. Duas dessas passagens das palavras de Deus me ajudaram a entender a vontade Dele. Deus Todo-Poderoso diz: “Em sua crença em Deus, o que as pessoas buscam é obter bênçãos para o futuro; esse é o objetivo delas em sua fé. Todas as pessoas têm essa intenção e essa esperança, mas a corrupção na natureza delas deve ser resolvida por meio de provações. Quaisquer aspectos nos quais você não está purificado e não revela corrupção, esses são os aspectos nos quais você deve ser refinado — esse é o arranjo de Deus. Deus cria um ambiente para você, forçando-o a ser refinado ali para que você possa conhecer a sua própria corrupção. No fim, você chega a um ponto no qual preferiria morrer e desistir de seus esquemas e desejos, e se submeter à soberania e ao arranjo de Deus. Portanto, se não têm vários anos de refinamento, se não suportam certa quantidade de sofrimento, as pessoas não serão capazes de se livrar do cativeiro da corrupção da carne em seus pensamentos e em seu coração. Quaisquer aspectos nos quais as pessoas ainda estão sujeitas ao cativeiro de Satanás, quaisquer aspectos nos quais elas ainda têm desejos próprios e exigências próprias, esses são os aspectos nos quais elas devem sofrer. Só por meio do sofrimento as lições podem ser aprendidas, lições essas que significam ser capaz de ganhar a verdade e entender a vontade de Deus. De fato, muitas verdades são entendidas por meio de vivenciar provações dolorosas. Ninguém pode entender a vontade de Deus, reconhecer a onipotência e a sabedoria de Deus nem apreciar o caráter justo de Deus quando está em um ambiente confortável e tranquilo ou quando as circunstâncias são favoráveis. Isso seria impossível!” (A Palavra manifesta em carne, vol. 2: Parte 3). “As pessoas sempre fazem, dentro de si, exigências extravagantes a Deus. Elas estão sempre pensando: ‘Deixamos nossas famílias e estamos cumprindo deveres, portanto Deus deveria nos abençoar; fazemos o que Deus ordena, portanto Deus deveria nos recompensar’. Tais coisas residem no coração de muitas pessoas quando creem em Deus. […] As pessoas são tão insensíveis. Elas não praticam a verdade, mas culpam Deus. Elas não fazem o que deveriam fazer. As pessoas deveriam escolher a senda de buscar a verdade, mas estão fartas da verdade e anseiam por prazeres carnais. Estão sempre buscando bênçãos e apreciar a graça, e sempre reclamando que as exigências de Deus para o homem são grandes demais. Elas insistem em tentar fazer com que Deus as trate graciosamente, e lhes conceda mais graça, e permita seu prazer carnal do corpo. Elas são aqueles que realmente acreditam em Deus? […] Ao dizer essas coisas, as pessoas não têm senso nem fé. Todas elas provêm da insatisfação do homem com Deus porque suas exigências extravagantes não foram satisfeitas; todas elas são coisas que jorram do coração do homem e representam totalmente a natureza do homem. Essas coisas estão dentro do homem, e se ele não as expulsar, elas podem fazer com que, a qualquer hora e em qualquer lugar, ele culpe Deus e O entenda errado. O homem também estará propenso a blasfemar contra Deus e, a qualquer hora e em qualquer lugar, ele pode se desviar do caminho verdadeiro. Essa é uma ocorrência natural” (A Palavra, vol. 2: As declarações de Cristo dos últimos dias, “Parte 3”). As palavras de Deus me ensinaram algo. Concentrando-me no meu dever todos os dias, a ponto de não dar atenção à minha família, eu achava que, despendendo-me assim, Deus me recompensaria e me concederia bênçãos. Eu não queria recompensas extravagantes de Deus, só um emprego para sobreviver, e, quando arrumasse um emprego, eu poderia cumprir melhor o meu dever. Achei que era um pedido sensato e nada excessivo. Mas ao refletir sobre as palavras de Deus, eu vi que ter esses desejos extravagantes mostrava que eu não tinha me submetido a Deus. Eu estava exigindo que Deus fizesse isso e aquilo por mim. As palavras de Deus me mostraram, também, que, se a pessoa sempre faz exigências insensatas a Deus, ela tem dificuldade de praticar a verdade e provavelmente trairá e abandonará a Deus quando seus desejos não forem satisfeitos. Então eu entendi que, com as dificuldades que eu enfrentava, por fora, eu parecia sofrer muito, como se fosse lastimável, mas, na verdade, eu estava passando pela temperagem do sofrimento. Achei que não aguentaria, mas Deus não estava me abandonando. Era para que eu visse meus motivos incorretos e as adulterações na minha fé e os voltasse para a direção certa que Deus espera que as pessoas sigam. Eu me perguntei se não queria um emprego bom para ganhar mais dinheiro. Eu não queria mais internet e satisfazer minhas necessidades básicas? Eu não queria cumprir meu dever sem obstáculos, sem problemas? Sim, eu queria. Então, já que eu esperava alcançar essas coisas, por que Deus não as arranjava para mim? Eu era tão infeliz, tão azarado? De forma alguma — eu era muito sortudo. Isso era o amor de Deus vindo sobre mim. Deus estabeleceu essa situação para mim para que eu buscasse a verdade, aprendesse lições e purificasse as adulterações na minha fé. Se eu praticasse minha fé só num ambiente bom e confortável, sem experimentar situações adversas e desfavoráveis, minha fé e meu amor por Deus teriam motivos, desejos e adulterações, o que Deus não aprovaria. Deus espera que as pessoas sejam genuínas com Ele sob quaisquer circunstâncias, que sejam devotas e obedientes a Ele. É igual a uma criança. Se ela só ama o pai quando ele lhe dá uma vida material confortável, caso contrário odeia o pai e diz: “Se você não me der tudo que eu quero, eu não o respeitarei nem o reconhecerei como meu pai”, que tipo de filho é esse? É um filho que carece de razão e consciência. Graças a Deus! Essa era a situação que eu estava enfrentando. Passar por essas coisas era exatamente o que eu precisava para purificar as adulterações na minha fé.

Eu li outra coisa nas palavras de Deus. Deus Todo-Poderoso diz: “O que é a crença real em Deus hoje? É a aceitação da palavra de Deus como a realidade da sua vida e o conhecimento de Deus a partir de Sua palavra, a fim de alcançar um verdadeiro amor a Ele. Para ser claro: a crença em Deus é para que você possa obedecer a Deus, amar a Deus e realizar o dever que deveria ser realizado por uma criatura de Deus. Esse é o objetivo de acreditar em Deus. Você deve alcançar um conhecimento da beleza de Deus, de quão digno Deus é de reverência, de como, em Suas criaturas, Deus realiza a obra da salvação e as torna perfeitas — essas são as essências mínimas da sua crença em Deus. A crença em Deus é principalmente passar de uma vida da carne para uma vida de amor a Deus; de viver dentro da corrupção para viver dentro da vida das palavras de Deus; é sair do império de Satanás e viver sob o cuidado e proteção de Deus, é ser capaz de alcançar a obediência a Deus e não a obediência à carne, é permitir que Deus ganhe todo o seu coração, permitindo que Deus o torne perfeito e se libertar do caráter satânico corrupto. Crer em Deus é, principalmente, para que o poder e a glória de Deus se manifestem em você, para que você possa fazer a vontade de Deus e realizar o plano de Deus e ser capaz de dar testemunho de Deus diante de Satanás. Crer em Deus não deveria girar em torno do desejo de contemplar sinais e maravilhas, nem deveria ser por causa da própria carne. Deveria ser a busca de conhecer a Deus, e ser capaz de obedecer a Deus e, como Pedro, obedecer-Lhe até a morte. Esses são os objetivos principais de se crer em Deus. Come-se e bebe-se a palavra de Deus a fim de se conhecer a Deus e satisfazer a Deus. Comer e beber a palavra de Deus lhe dá um maior conhecimento de Deus, e somente depois disso você pode obedecer a Deus. Somente com conhecimento de Deus você pode amá-Lo, e esse é o objetivo que o homem deve ter em sua crença em Deus” (A Palavra, vol. 1: A obra de Deus e conhecer a Deus, “Tudo é realizado pela palavra de Deus”). Li essa passagem das palavras de Deus logo após ganhar minha fé em Deus Todo-Poderoso, mas, na hora, não entendi. Foi só após passar por esses tempos difíceis que eu obtive um pouco de entendimento da vontade de Deus. A fé verdadeira não é como eu imaginava, que, contanto que eu me despenda por Deus, Ele me vigiará e protegerá, satisfará as minhas necessidades. Esse tipo de visão de fé não é correto. Na nossa fé, devemos experimentar as palavras de Deus e satisfazê-Lo em tudo. Não importa se Deus dá ou retira, devemos nos submeter a Ele e dar de nós mesmos. Se, na fé, tudo que as pessoas buscam é conhecer Deus por meio de Suas palavras, e elas se submetem ao Seu governo e arranjos, Deus aprova esse tipo de fé. Qualquer um que pode amar Deus ao máximo e obedecer-Lhe até a morte, como Pedro, é alguém que Deus aperfeiçoa. Felizmente, Deus me esclareceu para conhecer a perspectiva correta sobre a fé por meio dessa situação, e isso me deu paz e calma no coração. Eu fiz uma oração de submissão a Deus, pedindo que Ele me desse força para resistir à adversidade.

Pra minha surpresa, no dia seguinte, meu tio me mandou um pouco de dinheiro, e eu pude comprar comida e dados móveis. Dei graças a Deus por me dar um caminho adiante.

Além disso, consegui um emprego de meio período. Não era um emprego fácil, mas eu ganhava o suficiente para satisfazer minhas necessidades. Eu sabia que Deus tinha arranjado isso para mim. Experimentei que aceitar e submeter-se aos arranjos e orquestrações de Deus é uma lição fundamental que devemos aprender na vida real que pode nos ajudar a conhecer o governo onipotente e os caminhos misteriosos de Deus por meio de experiências. Essa é a atitude que devemos ter em relação a todos os tipos de problemas na vida. Isso me lembrou de uma passagem das palavras de Deus. “Em face de problemas da vida real, como você deveria conhecer e entender a autoridade de Deus e Sua soberania? Quando enfrenta esses problemas e não sabe entender, manejar e vivenciá-los, que atitude você deveria adotar para mostrar sua vontade e desejo de se submeter, a realidade de sua submissão ao governo e aos arranjos de Deus? Primeiro, você deve aprender a esperar; depois, você deve aprender a buscar; em seguida, você deve aprender a submeter-se. ‘Esperar’ significa esperar o tempo de Deus, aguardar as pessoas, os eventos e as coisas que Ele arranjou para você, esperando que Sua vontade paulatinamente se revele a você. ‘Buscar’ significa observar e compreender as intenções ponderadas de Deus para você, por meio das pessoas, dos eventos e das coisas que Ele dispôs, entender a verdade por meio deles, compreender o que os seres humanos devem realizar e os caminhos em que eles devem se manter, compreender quais resultados Deus pretende alcançar nos humanos e quais realizações Ele pretende atingir neles. ‘Submeter-se’, claro, refere-se a aceitar as pessoas, os eventos e as coisas que Deus orquestrou, aceitar Sua soberania e, mediante ela, vir a saber como o Criador dita o destino do homem, como Ele provê ao homem a Sua vida, como Ele trabalha a verdade no homem. Todas as coisas sujeitas aos arranjos e à soberania de Deus obedecem a leis naturais, e, se você resolver deixar Deus arranjar e ditar tudo por você, você deve aprender a esperar, deve aprender a buscar, deve aprender a submeter-se. Essa é a atitude que quem quiser se submeter à autoridade de Deus deve tomar, a qualidade básica que deve possuir toda pessoa que quiser aceitar a soberania e os arranjos de Deus. Para manter tal atitude, para possuir tal qualidade, vocês devem trabalhar mais arduamente, e só assim poderão entrar na verdadeira realidade” (A Palavra, vol. 1: A obra de Deus e conhecer a Deus, “O Próprio Deus, o Único III”). Eu já tinha lido essa passagem das palavras de Deus, mas foi diferente ler após passar por tempos difíceis. As palavras de Deus me mostraram que buscar a vontade de Deus, esperar e se submeter é a primeira abordagem que devemos ter quando enfrentamos um problema. Mas não é uma espera passiva. Ela inclui oração, leitura das palavras de Deus, busca da vontade de Deus e reflexão sobre si mesmo. Assim, você pode descobrir seu estado verdadeiro e entender em que você deve entrar. Por meio desse tipo de busca e experiência, podemos ver o governo onipotente de Deus e Seus feitos reais.

No início, eu só queria aquele emprego de meio período por um mês, só quis ganhar o suficiente para sobreviver e usar o resto do meu tempo para o meu dever. Mas eu tive um problema com meu celular. Achei que, se trabalhasse outro mês, eu conseguiria comprar outro celular e um notebook. Mas eu era líder de igreja e precisava fazer muito trabalho da igreja. Cumprir meu dever era a coisa mais importante para mim — era minha prioridade, então decidi largar o emprego. Quando a líder superior soube da minha situação, ela me disse que, para me ajudar a cumprir bem o meu dever, a igreja me ajudaria a pagar pelo notebook e a internet. Fiquei muito animado ao ouvir isso — não tinha palavras para expressar minha alegria. Eu sabia que isso era a graça de Deus, que Deus estava abrindo uma senda para mim para eu poder cumprir bem o meu dever. Eu vi, também, que Deus não estava dificultando as coisas pra mim. Deus só queria que eu fosse genuíno e obediente. Experimentei pessoalmente o amor de Deus em tempos difíceis. Antes, eu imaginava o amor de Deus pelo homem como algo vago, e isso não correspondia à realidade. Mas depois de aprender essas lições por meio de situações na vida real, eu vi que Deus me testando vez após vez, tolerando minha ignorância e meu egoísmo, conduzindo-me a mudar minhas perspectivas equivocadas na fé e a embarcar na senda certa, era Seu amor por mim. Também entendi qual é a atitude certa a ter em tempos difíceis e para se aproximar de Deus. Antes, eu sempre pensava que, contanto que tivesse fé, Deus deveria me suprir com tudo. Agora, sei que, na fé, não devemos sempre exigir coisas de Deus; devemos nos submeter a Deus e satisfazer a vontade Dele em tudo.

Não demorou, e enfrentei outro teste. Depois de um mês naquele emprego, no dia em que fui pago, fui assaltado na rua. Levaram metade do meu salário. Mas, graças a Deus, embora tivessem facas, eles não me machucaram. Ocorreu-me, na hora, que Deus permitiu isso por causa de Suas boas intenções. Lembrei-me de Jó rico, mas quando todos os bens dele foram levados e todos os filhos dele morreram, ele se submeteu incondicionalmente, não se queixou e louvou o nome de Deus. Eu não era rico — era apenas uma pessoa comum. Tinham roubado um pouco de dinheiro, e, embora precisasse dele e tivesse muitos planos para o que faria com ele, eu estava pronto para seguir o exemplo de Jó em fé e obediência. Eu orei: “Deus, Tu és insondável. Não entendo o que aconteceu, mas acredito que Tua vontade se esconde nisso. Estou disposto a me submeter aos Teus arranjos. Por favor, toca o meu coração e guia-me pra não cair num estado negativo”. Me senti muito calmo depois da oração, como se nada tivesse acontecido. Continuei cumprindo meu dever como sempre, sem sentir preocupação nem ansiedade. Comparado com a minha atitude antes de entender o governo de Deus, isso era totalmente diferente. Era porque eu tinha aprendido que Deus arranjou as coisas assim para me purificar e salvar. Isso também aprofundou meu entendimento do amor de Deus. A expressão do amor de Deus não serve só para nos dar bênçãos materiais, pois elas só podem satisfazer nossos desejos carnais. O amor de Deus e Suas bênçãos verdadeiras pretendem ensinar-nos a verdade por meio da experiência do julgamento, provações e refinamento de Suas palavras, a saber por que temos fé, como reverenciar a Deus e evitar o mal, como amar e satisfazer a Deus, e, no fim, nos submeter a todos os arranjos de Deus. Isso me lembra de algumas das palavras de Deus. “O amor do homem por Deus é construído sobre o fundamento do refinamento e julgamento de Deus. Se você só desfruta da graça de Deus, tendo uma vida de família pacífica ou bênçãos materiais, então você não ganhou Deus, e sua crença Nele não pode ser considerada bem-sucedida. Deus já realizou um estágio da obra da graça na carne e já concedeu bênçãos materiais ao homem, mas o homem não pode ser aperfeiçoado somente com graça, amor e misericórdia. Nas experiências do homem, ele encontra algo do amor de Deus e percebe esse amor e misericórdia de Deus, mas, mesmo tendo experimentado durante um período, ele vê que a graça de Deus e Seu amor e misericórdia são incapazes de aperfeiçoar o homem e de revelar o que é corrupto no homem, tampouco são capazes de livrar o homem de seu caráter corrupto ou tornar perfeito seu amor e fé. A obra da graça de Deus foi a obra de um período, e o homem não pode depender de desfrutar da graça de Deus para conhecê-Lo” (A Palavra, vol. 1: A obra de Deus e conhecer a Deus, “Somente experimentando provações dolorosas é que você pode conhecer a amabilidade de Deus”). “Por quais meios o aperfeiçoamento do homem por Deus é realizado? É realizado por meio de Seu caráter justo. O caráter de Deus consiste principalmente em justiça, ira, majestade, julgamento e maldição, e Ele aperfeiçoa o homem principalmente por meio do Seu julgamento” (A Palavra, vol. 1: A obra de Deus e conhecer a Deus, “Somente experimentando provações dolorosas é que você pode conhecer a amabilidade de Deus”). Lendo as palavras de Deus, sinto profundamente que a obra de julgamento de Deus nos últimos dias serve para purificar toda a nossa injustiça. As impurezas na nossa fé e nossos caracteres corruptos só podem ser purificados por meio do julgamento, provações e refinamento das palavras de Deus. Isso não pode ser alcançado só confiando na graça de Deus. Eu nunca teria entendido essas coisas sem as palavras de Deus, sem essas experiências difíceis. Graças a Deus Todo-Poderoso!

O alarme dos últimos dias já tocou e grandes desastres já começaram. Você quer dar as boas-vindas ao retorno do Senhor e ter a chance de receber a proteção de Deus com sua família?

Conteúdo relacionado

A proteção de Deus

Deus Todo-Poderoso diz: “As pessoas não podem mudar o próprio caráter; elas devem submeter-se ao julgamento e castigo, e ao sofrimento e...

Não continuarei esses estudos

Por Thivei, Índia Nasci numa família cristã. Meus pais eram fazendeiros. Nossa família se sustenta cultivando arroz e legumes. Eu sempre...

Entre em contato conosco pelo WhatsApp