A palavra de Deus eliminou minha postura de defesa e meus equívocos

01 de Agosto de 2022

Por Li Jin, China

Em 2014, quando eu era uma líder de igreja, eu era um tanto experiente em meu dever e tinha alguma experiência, por isso achava que entendia a verdade. Quando acontecia algo, muitas vezes, eu não buscava os princípios da verdade, mas agia arbitrariamente. Na época, algumas pessoas relataram que os líderes de duas igrejas tinham humanidade ruim e oprimiam e constrangiam os outros. Eu ouvi, acreditei nos relatos e, sem investigar os fatos, dispensei um dos líderes que conseguia fazer trabalho prático, e quase expulsei injustamente um dos outros líderes, o que afetou seriamente o trabalho de ambas as igrejas. Meus superiores lidaram comigo severamente por cumprir meu dever arbitrariamente, não agir de acordo com os princípios da verdade e dispensar e expulsar pessoas como queria. Mas eu não tinha muito conhecimento de mim mesma, ainda discutia e me justificava e achava que todos cometiam erros em seu dever. Já que eu não aceitava a verdade, fazia coisas contrárias aos princípios, agia arbitrariamente e meu trabalho não tinha efeito prático, eu fui dispensada por meus superiores. Depois de me dispensarem, eles não arranjaram nenhum dever para mim, mas me instruíram a fazer reflexão espiritual em casa. Na época, eu não entendia a vontade de Deus e estava muito negativa. Pensei que tinha acreditado em Deus por anos, tinha desistido de casamento e emprego e cumprido meu dever a despeito da minha doença. Mesmo que não tivesse ganhado mérito, eu tinha trabalhado muito. Ser dispensada já era ruim, mas agora não podia nem mais cumprir dever nenhum. Eu só cometera dois erros, então achei que lidar comigo desse jeito era duro demais, especialmente quando via outros que não eram líderes nem obreiros ainda cumprindo seu dever, enquanto eu, que tinha sido uma líder, não tinha dever nenhum. Pensei: “Parece que não posso ser líder. Há padrões altos e exigências rígidas para ser um líder. Basta ser um pouco descuidado, e sua vida de crença em Deus pode chegar ao fim. Se não pode nem ser um servidor, como pode ter um fim e um destino? No futuro, não voltarei a ser uma líder, aconteça o que acontecer”. Durante anos depois disso, sempre fiz trabalho textual na igreja. Embora houvesse oportunidades para me candidatar a líder ou obreira, eu sempre me recusava a participar. Na época, não percebi o meu problema. Achava que fazer as coisas desse jeito era sábio.

Em maio de 2020, meus irmãos recomendaram que eu participasse de uma eleição. Entrei em conflito comigo mesma. Eu estava indo bem no trabalho textual e não quis participar da eleição. Se fosse selecionada como líder, isso não seria bom. Ser líder é um trabalho difícil e ingrato, pensei. Ter sucesso é obrigatório, e se erros são cometidos, o líder sempre é responsabilizado. A expressão “Todos colhem os benefícios, mas só uma pessoa é responsabilizada” era verdade. No passado, quando eu era líder, eu transgredi. Se eu voltasse a servir como líder e fizesse algo contrário aos princípios, causando grandes danos ao trabalho da casa de Deus, no melhor dos casos, eu seria dispensada e, no piro, expulsa. Então perderia minha chance de ser salva. Pensando nisso, eu disse que minha doença cardíaca tinha piorado, por isso não podia participar da eleição. Na época, me senti um pouco culpada. Eu não estava evitando a eleição? Mas então pensei que realmente não era apta a ser uma líder, e, recentemente, meu coração tinha me incomodado bastante, e isso era uma razão para não ir. Esse pensamento afastou o incômodo e a culpa que eu sentia. Um mês depois, a líder disse numa carta que os irmãos tinham me selecionado de novo como candidata. Depois de lê-la, eu me perguntei: “Por que eles me recomendaram como candidata? Ser líder é perigoso! É muito trabalho, são muitos problemas, e eu posso ser revelada a qualquer hora. Algumas pessoas em minha volta não pareciam ter problemas quando não eram líderes, mas quando eram, eram reveladas como falsos líderes e dispensadas, enquanto outras eram expostas como perversas ou anticristos e expulsas. Parece que status realmente pode revelar as pessoas”. Assim, decidi não concorrer nas eleições. Mas a líder disse que eu devia chegar na hora marcada, então fui relutante. Durante aqueles dias de reuniões, eu não tive muito a dizer. Quando chegou a hora de votar, eu relutei por muito tempo. Finalmente, eu disse a todos: “Eu me abstenho. Não votarei nem concorrerei nas eleições”.

Logo após chegar em casa, minha doença voltou. Tive diarreia e febre, e os remédios não ajudaram. Depois de vários dias, meu estado finalmente melhorou, mas então meus braços e pescoço ficaram cobertos de manchas vermelhas. Foi ficando cada vez pior, assim que começava a suar, sentia dores pungentes no corpo todo. Depois de alguns dias, eu estava exausta dessas doenças. Percebi que essa doença não era uma coincidência, quer era a disciplina de Deus, mas eu não sabia refletir. Orei a Deus, pedindo que Ele me guiasse a conhecer a mim mesma e a aprender minha lição.

Mais tarde, quando minha líder soube que eu estava doente, ela disse que eu devia refletir sobre minha atitude em relação às eleições e encontrou uma passagem da palavra de Deus referente ao meu estado. “Com uma natureza satânica, quando as pessoas ganham status, elas estão em perigo. O que, então, deve ser feito? Elas não têm nenhuma senda a seguir? Esse fato não pode ser alterado? Digam-me, no instante em que pessoas corruptas ganham status — independentemente de quem sejam — elas se tornam anticristos? Isso é absoluto? (Se elas não buscarem a verdade, elas se tornarão anticristos, mas se elas buscarem a verdade, isso não acontecerá.) Isso está absolutamente correto: se as pessoas não buscam a verdade, é certo que se tornem anticristos. E acontece que todos que trilham a senda dos anticristos o fazem por causa do status? Não, é principalmente porque eles não têm amor pela verdade, porque eles não estão certos. Não importa se elas têm status ou não, todas as pessoas que não buscam a verdade trilham a senda dos anticristos. Não importa quantos sermões tenham ouvido, tais pessoas não aceitam a verdade, elas não trilham a senda correta e, assim, inevitavelmente, trilham a senda torta. Isso é semelhante a como as pessoas comem: algumas não consomem alimentos que podem nutrir seu corpo e sustentar existência normal, em vez disso, insistem em consumir coisas que prejudicam, acabando atirando em seu próprio pé. Essa não é a sua própria escolha? Depois de serem expulsos, alguns líderes e obreiros espalham noções, dizendo: ‘Não seja um líder e não permita que ganhe status. As pessoas correm perigo no momento em que ganham status, e Deus exporá essas pessoas! Uma vez que forem expostas, elas não estarão qualificadas nem para serem crentes ordinários e não receberão nenhuma bênção’. Isso é coisa que se fale? No melhor dos casos, representa um equívoco sobre Deus; no pior dos casos, é uma blasfêmia contra Ele. Se você não percorre a senda certa, não busca a verdade e não segue o caminho de Deus, mas, em vez disso, insiste em trilhar o caminho dos anticristos e acabar na senda de Paulo, tendo ao final o mesmo desfecho, o mesmo destino de Paulo, ainda acusando a Deus e julgando Deus como injusto, então você não é um exemplar genuíno de um anticristo? Tal comportamento é amaldiçoado! Quando as pessoas não entendem a verdade, elas sempre vivem segundo suas noções e imaginações, frequentemente interpretam Deus errado e acham que as ações de Deus estão em desacordo com as suas noções, o que produz nelas emoções negativas; isso acontece porque as pessoas têm caracteres corruptos. Elas dizem coisas negativas e resmungam porque a sua fé é mesquinha demais, a sua estatura é pequena demais, e elas não entendem verdades suficientes — tudo isso é perdoável e não é lembrado por Deus. No entanto, há aqueles que não trilham a senda certa, que trilham especificamente a senda de enganar, de resistir, de trair a Deus e de lutar contra Deus. No fim, essas pessoas são punidas e amaldiçoadas por Deus e são lançadas em perdição e destruição. Como elas chegam a esse ponto? É porque nunca refletiram nem conheceram a si mesmas, porque de forma alguma aceitam a verdade e são imprudentes e obstinadas, e porque se recusam obstinadamente a se arrepender e se queixam de Deus depois de serem expostas e expulsas, dizendo que Deus não é justo. Tais pessoas poderiam ser salvas? (Não.) Não poderiam. Então é verdade que todos os que são expulsos estão fora do alcance da salvação? Não se pode dizer que estão totalmente fora do alcance da redenção. Há aqueles que não entendem verdades suficientes e que são jovens e inexperientes — que, uma vez que se tornam líderes ou obreiros e têm status, são dirigidos por seu caráter corrupto, e buscam status, e prezam esse status, e assim naturalmente trilham a senda dos anticristos. Se, depois de serem expostos e julgados, eles forem capazes de refletir sobre si mesmos e de se arrepender de verdade, renunciando à perversidade, como o povo de Nínive, já não trilhar a senda do mal como costumavam fazer, então ainda terão a oportunidade de ser salvos. Mas quais são as condições de tal oportunidade? Depois de expostos e identificados, eles se arrependem de verdade, são capazes de aceitar a verdade — o que significa que ainda existe alguma esperança. Se forem incapazes de refletir sobre si mesmos e não tiverem a intenção de se arrepender verdadeiramente, eles serão completamente expulsos” (‘Para resolver seu caráter corrupto, deve-se ter uma senda específica de prática’ em “As declarações de Cristo dos últimos dias”). Depois de ler as palavras de Deus, minha líder me lembrou: “Você sempre acha que, como líder, é fácil ser revelada, substituída ou expulsa. Essa opinião é correta? Se as pessoas são reveladas e expulsas depende da senda que trilham e se elas buscam a verdade. Não importa se são líderes. Se uma pessoa não busca a verdade nem trilha a senda certa como líder, se ela cometer o mal, perturbar o trabalho da casa de Deus e se recusar a se arrepender, ela certamente será revelada e expulsa. Mas, para algumas pessoas, mesmo que cometam erros em seus deveres e cometam transgressões, se conseguirem aceitar a verdade, refletir sobre si mesmas e ter arrependimento real, a casa de Deus lhes dará chances de cumprir o dever. Mesmo que tenham calibre baixo e não estão aptas a serem líder, eles serão transferidos para uma tarefa apropriada. Dentre todos os líderes da casa de Deus, por que alguns entendem a verdade cada vez mais e ficam melhores em seus deveres? Por que algumas pessoas fazem coisas malignas e então são reveladas como falsos líderes e anticristos e expulsas? Seus fracassos têm alguma coisa a ver com sua função de líder? Além disso, a casa de Deus tem revelado e expulso muitos malfeitores, muitos dos quais não eram líderes. Foram expulsos porque odiavam a verdade, não trilhavam a senda correta, agiram descontrolados em seu dever e causaram perturbações e interrupções. Isso tem alguma coisa a ver com o fato de ser líder?”

Na época, isso me comoveu um pouco. “Certo, não são todos os líderes que são revelados e expulsos uma vez que alcançam status. Isso acontece porque, após ganharem status, eles não trilham a senda certa, não buscam a verdade, só cobiçam os benefícios do status, agem arbitrariamente, agem descontrolados e causam perturbações e interrupções. É isso que faz deles falsos líderes e anticristos que são revelados e expulsos”. Lembrei-me do irmão Wu, que foi dispensado algum tempo atrás. Como líder, ele sempre era arrogante, sempre se exibia, menosprezava e excluía seus parceiros em tudo, fazendo com que seus parceiros se sentissem constrangidos e incapazes de cumprir seus deveres normalmente. Seus líderes comungaram com ele muitas vezes, mas ele nunca mudou, e ele só foi dispensado depois disso. Refleti sobre meus anos como líder. Eu agia arbitrariamente com frequência. Quando meus irmãos denunciaram os dois líderes de igreja, eu não investiguei nem verifiquei de acordo com os princípios. Em vez disso, eu os condenei cegamente e até cheguei a dispensá-los e expulsá-los. Como resultado, prejudiquei ambos os líderes e causei caos na igreja. Pensando sobre isso agora, vi que tudo que fiz era maligno. Eu estava arruinando o trabalho da casa de Deus e a chance de outros de serem salvos. Felizmente, minhas decisões injustas e falsas foram descobertas e revertidas. Caso contrário, as consequências teriam sido terríveis. Percebi que minha dispensa nada tinha a ver com o fato de eu ter status ou ser uma líder. Era porque meu caráter era arrogante demais, eu não buscava a verdade, agia arbitraria e indiscriminadamente, interrompi o trabalho da igreja, e, quando fui podada e tratada, eu não refleti sobre mim mesma nem me arrependi. Foi por isso que fui despensada. Isso estava alinhado com os princípios e era também a justiça de Deus. No entanto, eu não conhecia a mim mesma e vivia num estado de equívoco e precaução contra Deus. Achava que havia sido revelada porque eu era uma líder, que as exigências da casa de Deus eram altas demais e que eu tinha sido dispensada por apenas dois erros. Eu era tão absurda e insensata! Só agora percebi que, se eu não tivesse sido dispensada e impedida de continuar, dado o meu caráter arrogante, eu teria causado um mal muito maior. Minha dispensa era a proteção de Deus para mim e também uma boa oportunidade para refletir sobre mim mesma. Pensei na irmã Wang, que havia sido minha parceira. Ela tinha sido dispensada, mas após seu fracasso, ela conseguiu refletir sobre si mesma, aprender lições e se arrepender diante de Deus. Mais tarde, quando ela voltou a ser líder, ela conseguiu buscar os princípios da verdade quando agia e ela fez um progresso óbvio. Depois de refletir sobre isso, entendi que as pessoas não são expulsas por terem status. Elas mesmo fazem isso com seus caracteres corruptos. Se nossos caracteres corruptos não são resolvidos, mesmo que não sejamos líderes e não cometermos o mal a partir do status de um líder, ainda assim somos expulsos por não buscarmos a verdade.

Quando reconheci isso, meu estado começou a mudar, mas eu ainda tinha algumas preocupações: “Meu entendimento da verdade é raso, e líderes precisam decidir muitas coisas. Se meus arranjos inapropriados interromperem o trabalho da casa de Deus, eu poderei cometer transgressões. Se eu não for líder e não entrar em contato com esse trabalho, eu não cometerei o mal nem resistirei a Deus por causa dessas questões. Ainda acho melhor não concorrer nas eleições”. Então, o líder me mostrou outra passagem da palavra de Deus: “Eu não quero ver ninguém sentindo como se Deus o tivesse deixado ao relento, como se Deus o tivesse abandonado ou lhe dado as costas. Tudo que quero ver é todos na estrada para buscar a verdade e procurar entender Deus, avançando corajosamente com uma determinação inabalável, sem receios ou fardos. Não importa que erros você tenha cometido, não importa o quanto você tenha se desviado ou quão seriamente tenha transgredido, não permita que esses se tornem fardos ou excesso de bagagem que você tenha que levar consigo em sua busca para entender Deus. Continue marchando adiante. Em todos os momentos, Deus mantém a salvação do homem em Seu coração; isso nunca muda. Essa é a parte mais preciosa da essência de Deus” (‘O Próprio Deus, o Único VI’ em “A Palavra manifesta em carne”). A palavra de Deus me comoveu profundamente. Deus não desiste de salvar as pessoas por causa de fracassos e transgressões temporárias. Em vez disso, Ele lhes dá chances de se arrependerem. Cometer erros e transgredir em seu dever não é algo assustador. Contanto que as pessoas possam mudar, Deus continua a guiá-las. Lembrei-me de que, embora eu tivesse algumas transgressões, Deus não me abandonou. Ele só me castigou e disciplinou, e então usou pessoas para me expor e lidar comigo, remover-me do papel de liderança e levar-me a refletir sobre mim mesma. Mas eu vivia num estado de me proteger contra Deus e de entendê-Lo errado e não estava disposta a ser líder nem obreira, então Deus usou outros para comungar comigo muitas vezes, esperando que eu mudasse. Desde o início, Deus tem sido paciente e tolerante comigo, e Ele me deu tempo e chances suficientes, na esperança de que eu aceitasse a verdade e me arrependesse. Ele não me condenou nem me expulsou por uma única transgressão. Quando percebi isso, senti remorso e culpa, então orei a Deus: “Deus, sou tão rebelde. Não quero mais entender-Te errado nem me proteger contra Ti. Agora, desejo me arrepender. Por favor, guia-me para que eu possa mudar meu estado incorreto”.

Depois disso, eu me perguntei por que eu tinha entendido Deus errado e me protegido contra Ele. Qual era a causa raiz? Na época, minha líder me enviou uma passagem da palavra de Deus que foi muito útil para mim. Deus Todo-Poderoso diz: “Se for muito enganador, você terá um coração defensivo e pensamentos de suspeita em relação a todos os assuntos e a todas as pessoas, e por isso sua fé em Mim será edificada sobre um fundamento de suspeição. Eu jamais poderia reconhecer tal fé. Sem ter fé genuína, vocês se distanciarão ainda mais do amor real. E, se está propenso a duvidar de Deus e especular sobre Ele a bel-prazer, você, sem dúvida, é a mais enganadora de todas as pessoas. Você especula se Deus pode ser como um ser humano: imperdoavelmente pecaminoso, de caráter mesquinho, desprovido de equidade e razão, carente de um senso de justiça, dado a táticas viciosas, traiçoeiro e astuto, que se agrada com o mal e com a escuridão, e assim por diante. A razão de o homem ter tais pensamentos não é por não ter o menor conhecimento de Deus? Esse tipo de fé nada é senão pecado!” (‘Como conhecer o Deus na terra’ em “A Palavra manifesta em carne”). A palavra de Deus me fez perceber que eu entendia Deus errado e me protegia contra ele porque minha natureza era enganosa demais. Depois de ser dispensada, eu não refleti sobre a senda que me levou ao fracasso nem aprendi lições para evitar que eu repetisse meus erros. Ao contrário, achei que ser líder significava que eu seria revelada e expulsa facilmente. Achava que o título de “líder” tinha me prejudicado. Até imaginei que Deus era igual a um governador mundano, que condena as pessoas à morte por cometerem algum erro, por isso a ideia das eleições me aterrorizava. Eu temia que, se fosse escolhida como líder, eu seria revelada e perderia meu final, por isso estava sempre em alerta e era defensiva na presença de Deus. Eu via minha exaltação por Deus como maliciosa e inventei desculpa após desculpa para evitar concorrer nas eleições. Eu era tão enganosa! A casa de Deus treina líderes e obreiros para lhes dar a oportunidade de praticar, para que eles possam entender a verdade e assumir a comissão de Deus. Mas eu achava que Deus queria me revelar e expulsar. Eu estava entendendo Deus errado e blasfemando contra Ele! Eu acredito em Deus, mas sempre via as coisas a partir da perspectiva dos injustos, duvidava e me protegia contra Deus. O que eu expunha nisso eram caracteres malignos e satânicos. Esse tipo de crença não era resistir a Deus?

Mais tarde, depois de ler a palavra de Deus, entendi melhor a vontade Dele. As palavras de Deus dizem: “Às vezes, Deus usa determinada questão para desnudar ou disciplinar você. Isso significa, então, que você foi expulso? Significa que seu fim chegou? Não. […] Na verdade, em muitos casos, a preocupação das pessoas provém de seus interesses. Em termos gerais, é o medo de que não terão desfecho algum. Sempre pensam: ‘E se Deus me desnudar, me expulsar e me rejeitar?’. Essa é a sua interpretação errada de Deus; são apenas os seus pensamentos. Você precisa descobrir qual é a intenção de Deus. Ele não desnuda as pessoas para expulsá-las. As pessoas são desnudadas a fim de expor as suas deficiências, seus erros e a essência da sua natureza, para levá-las a conhecer a si mesmas e a serem capazes de arrependimento verdadeiro; como tal, ser desnudado serve para ajudar as pessoas a crescer na vida. Sem uma compreensão pura, as pessoas tendem a interpretar Deus errado e a tornar-se negativas e fracas. Podem até ceder ao desespero. Na verdade, ser desnudado por Deus não significa necessariamente que as pessoas serão expulsas. Serve para lhes dar conhecimento e para levá-las a se arrepender. Muitas vezes, já que as pessoas são rebeldes e não buscam a verdade para encontrar uma resolução quando têm efusões de corrupção, Deus deve exercer disciplina. E por isso, às vezes, Ele desnuda as pessoas, expondo a sua fealdade e miséria, permitindo que elas conheçam a si mesmas, o que ajuda a sua vida a crescer. O desnudamento das pessoas tem duas implicações diferentes: para as pessoas perversas, ser desnudado significa que elas estão expulsas. Para aqueles que são capazes de aceitar a verdade, é um lembrete e um aviso; eles são levados a refletir sobre si mesmos, a ver o seu estado verdadeiro e a deixar de ser teimosos e imprudentes, pois continuar assim seria perigoso. Desnudar as pessoas dessa forma é lembrá-las, para que, quando cumprem o seu dever, elas não sejam confusas nem descuidadas, não sejam indiferentes, não se contentem em ser apenas um pouco eficazes, pensando que cumpriram o seu dever à altura de um padrão aceitável — quando, na verdade, se avaliadas de acordo com o que Deus exige, ficaram muito aquém das expectativas, mas ainda são presunçosas e complacentes e pensam que estão indo bem. Em tais circunstâncias, Deus disciplinará, alertará e lembrará as pessoas. Às vezes, Deus desnuda a sua fealdade — o que, evidentemente, deve servir como um lembrete. Em tais momentos, você deve refletir sobre si mesmo: cumprir o seu dever dessa forma é inadequado, há rebeldia envolvida, contém um excesso daquilo que é negativo, é inteiramente superficial e, se não se arrepender, você será punido. Quando Deus disciplina e desnuda você, isso não significa necessariamente que você será expulso. Essa questão deve ser abordada corretamente” (‘Somente praticando as palavras de Deus pode-se alcançar uma mudança no caráter’ em “As declarações de Cristo dos últimos dias”). Quando li as palavras de Deus, fiquei muito comovida. Também senti vergonha e culpa. Deus revela, trata e disciplina as pessoas para que possamos conhecer a nós mesmos, arrepender-nos e mudar. Deus estava tentando me salvar, mas quando poda, tratamento e fracasso me sobrevieram, eu não vi as boas intenções de Deus. Eu insisti e me agarrei às falácias e mentiras de Satanás como “Quanto mais alto, maior a queda” e “Estar no topo é solitário”. Achava que ser um líder na casa de Deus era igual a ser um oficial mundano, e que, quanto mais alta fosse minha posição, maior seria o risco der ser revelada e expulsa. Durante todos esses anos em que eu entendi Deus errado e me protegi contra Ele, meu coração permaneceu fechado para Deus. Repetidas vezes, recusei a comissão de Deus e Seus ambientes para mim, evitei as elições e permaneci extremamente cautelosa e ansiosa em meu dever, de modo que não pude dar tudo de mim nem entregar meu coração a Deus e eu sempre tive uma atitude morna em relação à verdade, igual a um incrédulo. Eu estava presa na armadilha de Satanás, sendo prejudicada por Satanás e nem conhecia o dano sério que eu estava causando na minha vida. Agora, eu estava à beira do perigo e não devia mais entender Deus errado e machucá-Lo. Em silêncio, orei a Deus: “Deus, desejo me arrepender diante de Ti e tratar as eleições corretamente. Não importa se eu seja escolhida ou não, eu me submeterei aos Teus arranjos”.

Quando chegou a hora da eleição, eu ainda sentia um conflito. “Se eles me escolherem, eu devo aceitar e obedecer, mas como diz o ditado: ‘É preciso um martelo forte para forjar o ferro’. Minha capacidade e meu calibre são limitados, é melhor que outra pessoa faça isso. Assim, não terei que ser revelada novamente”. Em meu dilema, de repente, lembrei-me da palavra de Deus: “Quando o povo de Deus cumpre seu dever no reino e as criaturas de Deus cumprem seu dever diante do Criador, eles deveriam ter um coração que teme a Deus e proceder calmamente, e não deveriam ser covardes, nem tímidos, nem receosos: é vergonhoso cumprir o seu dever?” (‘Os princípios da prática de se submeter a Deus’ em “As declarações de Cristo dos últimos dias”). A palavra de Deus me despertou no mesmo instante. Sim, no momento crítico, eu quis recuar e fugir. Eleições sempre me deixaram ansiosa. Onde estavam minha coragem e dignidade? Eu era tão covarde e tímida como Deus dizia! É certo e correto que um ser criado cumpra seu dever; é honrável. Mas eu recuava e me escondia em covardia vergonhosa. Eu era tão estúpida e patética! Eu devia voltar-me para Deus, ser uma pessoa simples e honesta, parar de me preocupar com meu fim e destino e entregar meu coração a Deus. Não importava se fosse eleita, eu devia ter uma atitude de obediência a Deus e, se fosse escolhida, devia aceitar, obedecer e cumprir bem o meu dever. Quando cruzei essa linha na minha mente, foi como se um peso enorme fosse retirado do meu coração, e senti um alívio enorme.

Quando os resultados chegaram, eu e outra irmã fomos eleitas. Dessa vez, deixei de ser defensiva e equivocada e não temi mais ser expulsa se não cumprisse bem o meu dever. Em vez disso, eu estava disposta a aproveitar a oportunidade e cumprir meu dever da melhor forma possível para compensar minhas transgressões passadas. Mais tarde, li outra passagem da palavra de Deus: “Vocês têm medo de trilhar a senda dos anticristos? (Sim.) O medo é útil por si só? Não — por si só, o medo não pode resolver o problema. É normal ter medo. Ter medo no coração mostra que você é um amante da verdade, alguém que está disposto a lutar pela verdade e que está disposto a buscá-la. Se tiver medo no coração, você deve buscar a verdade e encontrar a senda da prática. Deve começar aprendendo a cooperar com os outros em harmonia. Se houver um problema, resolva-o com comunhão e discussão, para que todos possam conhecer os princípios, bem como o raciocínio específico e o programa referente à resolução. Isso não o impede de tomar medidas ditatoriais e unilaterais? Além disso, você deve aprender a permitir que o grupo supervisione e ajude você. Isso requer tolerância e um espírito amplo. […] Certamente, é necessário aceitar supervisão, mas o principal é orar a Deus e confiar Nele, submetendo-se a uma reflexão constante. Especialmente quando você tiver seguido o caminho errado ou feito algo errado, ou quando estiver prestes a tomar uma medida ditatorial e unilateral e alguém próximo mencionar isso e alertar você, você deve aceitar isso e apressar-se a refletir sobre si mesmo, e admitir o seu erro, e corrigi-lo. Isso pode impedi-lo de embarcar na senda dos anticristos. Se houver alguém ajudando e alertando você dessa forma, você não será preservado sem que o perceba? Será — essa é a sua preservação” (‘O cumprimento adequado dos deveres exige cooperação harmoniosa’ em “As declarações de Cristo dos últimos dias”). A palavra de Deus apontou o princípio de prática para evitar seguir a senda errada, que é buscar a verdade, não importa o que aconteça, discutir as coisas com seus irmãos, cooperar em harmonia, cumprir seu dever segundo os princípios da verdade, não agir arbitrariamente a partir do seu caráter arrogante, não exigir a última palavra, mas aceitar a supervisão dos seus irmãos em seus deveres. Se você teme seguir a senda dos anticristos e ser revelado e assim não cumprir o seu dever, você não resolve problemas e arruína sua chance de ganhar a verdade e de ser salvo. É como morrer de fome por medo de se engasgar. Mais tarde, aprendi as lições dos meus fracassos anteriores e tive uma atitude muito mais correta em meu dever. Eu discutia as coisas com todos e era capaz de trabalhar bem com eles. Buscávamos juntos os princípios da verdade. Algum tempo passou, eu vi a orientação de Deus, e meus deveres produziram alguns resultados.

Por meio dessa experiência, vi que Deus não me expulsou por causa das minhas transgressões nem me abandonou por me proteger contra Ele. Em vez disso, Ele arranjou pessoas, assuntos e coisas para me levar a vir para diante de Deus para refletir sobre meu caráter corrupto, para que eu pudesse entender a vontade de Deus, parar de entendê-Lo errado e cumprir contente o meu dever. Graças a Deus!

O alarme dos últimos dias já tocou e grandes desastres já começaram. Você quer dar as boas-vindas ao retorno do Senhor e ter a chance de receber a proteção de Deus com sua família?

Conteúdo relacionado

Conecte-se conosco no Messenger