O ambiente básico para a vida que Deus cria para a humanidade: o ar

13 de Dezembro de 2018

Primeiro, Deus criou o ar para que o homem possa respirar. O ar é uma substância com a qual os humanos podem fazer contato diário e é uma coisa da qual os humanos dependem a cada momento, mesmo enquanto dormem. O ar que Deus criou é monumentalmente importante para a humanidade: é a cada fôlego seu e à própria vida. Essa substância, que só pode ser sentida, mas não vista, foi o primeiro presente de Deus para todas as coisas de Sua criação. Mas depois de criar o ar, Deus parou, achando que Sua obra tinha terminado? Ou ele considerou quão denso seria do ar? Ele deu consideração ao que o ar conteria? (Sim.) O que Deus estava pensando quando Ele fez o ar? Por que Deus fez o ar, e qual foi o Seu raciocínio? Os humanos precisam de ar — precisam respirar. Primeiramente, a densidade do ar deve ser apropriada para o pulmão humano. Alguém sabe qual é a densidade do ar? Na verdade, não existe uma necessidade particular de as pessoas saberem a resposta a essa pergunta em termos de números ou dados e, na verdade, é bem desnecessário saber a resposta — é perfeitamente adequado ter apenas uma ideia geral. Deus fez o ar com uma densidade que seria mais adequada para os pulmões humanos respirarem. Ou seja, Ele fez o ar de modo que pudesse entrar facilmente no corpo humano por meio de sua respiração e de modo que não machucasse o corpo quando respira. Esses foram os pensamentos de Deus quando Ele fez o ar. Em seguida, falaremos sobre o que o ar contém. Seu conteúdo não é venenoso para os humanos e não danificará o pulmão ou qualquer parte do corpo. Deus teve que pensar em tudo isso. Deus teve que levar em conta que o ar que os humanos respiram deve entrar e sair suavemente do corpo e que, depois de inalado, a natureza e a quantidade de substâncias no ar deveriam ser tais que o sangue e o ar residual no pulmão e no corpo como um todo fossem metabolizados adequadamente. Além disso, teve que levar em conta que o ar não deveria conter nenhuma substância venenosa. Meu objetivo em falar-lhes sobre esses dois padrões para o ar não é alimentar vocês com algum conhecimento específico, mas mostrar-lhes que Deus criou cada uma das coisas em Sua criação de acordo com Suas próprias considerações, e tudo que Ele criou é o melhor que poderia ser. Além disso, quanto à quantidade de poeira no ar e à quantidade de poeira, areia e sujeira na terra, bem como à quantidade de poeira que desce à terra do céu — Deus tem Suas maneiras de administrar essas coisas também, maneiras de eliminá-las ou de fazer com que elas desintegrem. Embora haja certa quantidade de poeira, Deus fez com que a poeira não prejudicasse o corpo do homem ou colocasse em risco a respiração do homem, e Ele fez as partículas de poeira com um tamanho que não seria prejudicial para o corpo. A criação do ar por Deus não foi um mistério? Foi uma coisa simples, como soprar ar de Sua boca? (Não.) Mesmo em Sua criação das coisas mais simples, o mistério de Deus, o funcionamento de Sua mente, Seu modo de pensar e Sua sabedoria são todos aparentes. Deus não é prático? (Sim, Ele é.) O que isso significa é que, mesmo ao criar coisas simples, Deus estava pensando na humanidade. Em primeiro lugar, o ar que os humanos respiram é limpo, e seu conteúdo é adequado para os humanos respirarem, não é venenoso e não causa danos aos humanos; da mesma maneira, a densidade do ar é apropriada para a respiração humana. Esse ar que os humanos inspiram e expiram constantemente é essencial para o corpo humano, para a carne humana. É por isso que os humanos podem respirar livremente, sem constrangimento ou preocupação. Assim podem respirar normalmente. O ar é aquilo que Deus criou no princípio e aquilo que é indispensável para a respiração humana.

Extraído de ‘O Próprio Deus, o Único VIII’ em “A Palavra manifesta em carne

Quando o desastre vem, como nós cristãos devemos lidar com ele? Convidamos você a participar da nossa reunião online, onde podemos explorar juntos e encontrar o caminho.

Conteúdo relacionado