Minha experiência de compartilhar o evangelho numa escola

14 de Outubro de 2023

Por Yan Liang, Myanmar

Eu nasci numa família comum no norte de Myanmar. Em dezembro de 2018, aceitei a obra de Deus Todo-Poderoso dos últimos dias e participei de reuniões enquanto estudava. Eu me formei em 2021 e fui designado para dar aulas numa remota região montanhosa. Embora fosse professor, eu também era soldado. Eu tinha que obedecer aos meus superiores em tudo que fazia. Caso contrário, eu seria enviado para as florestas na parte mais remota e perigosa da linha de frente. Eu mantinha as palavras dos superiores em mente e passava meus dias lecionando diligentemente. Por causa do meu bom comportamento, o líder da escola pediu que eu supervisionasse o centro acadêmico. Embora estivesse ocupado todos os dias, eu me sentia vazio. Também descobri que a internet na região era ruim, por isso eu não podia me reunir com os outros. Cheguei bem no início da pandemia, todas as cidades e estradas estavam fechadas, por isso perdi o contato com os outros por um semestre inteiro. Embora não tivesse contato com os outros, eu continuava orando e lendo a palavra de Deus. Uma vez, li uma passagem da palavra de Deus que me motivou muito. Deus Todo-Poderoso diz: “Você está ciente do fardo sobre seus ombros, da sua comissão e da sua responsabilidade? Onde está seu senso de missão histórica? Como você servirá adequadamente como mestre na próxima era? Você tem um forte senso do papel de mestre? Como explicaria o mestre de todas as coisas? Será que é mesmo o mestre de todas as criaturas vivas e de todas as coisas físicas no mundo? Quais são os seus planos para o progresso da próxima fase da obra? Quantas pessoas estão à sua espera para que você seja seu pastor? A sua tarefa é pesada? […] Alguma vez já lhe ocorreu como o coração de Deus está entristecido e ansioso? Como Ele pode suportar ver a humanidade inocente, que Ele criou com Suas próprias mãos, sofrer tamanho tormento? Afinal de contas, os seres humanos são as vítimas que foram envenenadas. E, embora o homem tenha sobrevivido até hoje, quem poderia saber que a humanidade foi, há muito tempo, envenenada pelo maligno? Você se esqueceu de que é uma das vítimas? Em nome de seu amor a Deus, você não está disposto a se esforçar para salvar esses sobreviventes? Você não está disposto a dedicar toda a sua energia para retribuir ao Deus que ama a humanidade como Sua própria carne e sangue? No fim das contas, como você interpretaria ser usado por Deus para viver sua vida extraordinária? Você realmente tem a determinação e a confiança para viver a vida significativa de uma pessoa piedosa, que serve a Deus?(A Palavra, vol. 1: A aparição e a obra de Deus, “Como você deve cuidar de sua missão futura”). Depois de ler a palavra de Deus, entendi Sua vontade urgente de salvar a humanidade. Ele espera que mais crentes verdadeiros sejam capazes de ganhar Sua salvação. Esse é Seu desejo mais urgente. Como crente, tenho a obrigação de espalhar o evangelho de Deus. Esse é o meu dever como um ser criado. Eu acreditava havia quase três anos, tinha comido e bebido da palavra de Deus e entendia algumas verdades. Embora não pudesse me reunir normalmente por causa do trabalho e da internet ruim, eu ainda podia espalhar o evangelho. Podia trazer mais pessoas para diante de Deus para aceitarem Sua salvação nos últimos dias. Os desastres estão aumentando e a pandemia está no auge, mas tantas pessoas ainda não ouviram a voz de Deus nem receberam Sua salvação, o que entristece e preocupa a Deus. Eu não podia continuar sem consciência. Eu precisava compartilhar o evangelho, trazer aqueles com boa humanidade que acreditavam em Deus para diante Dele e cumprir meu dever para satisfazê-Lo. Mas minha estatura e meu entendimento da verdade eram limitados e eu não sabia pregar. Eu estava disposto, mas era incapaz. Então orei a Deus: “Deus! Minha estatura é baixa e eu não sei pregar. Por favor, guia-me a trazer aqueles com fé verdadeira para diante de Ti. Sei que espalhar o evangelho não é fácil, mas, com Tua orientação, tenho certeza de que posso trazê-los para diante de Ti”.

Então planejei compartilhar o evangelho com meus colegas e alunos. Mas, na época, eu estava muito dividido. Porque meus superiores me disseram que eu era professor e soldado, por isso, eu não podia fazer nada que não tivesse a ver com dar aulas, e que, se eu fosse descoberto, seria enviado para a linha de frente, onde há muitos conflitos e ataques terroristas e onde eu poderia morrer a qualquer momento. Eu também tinha ouvido que o último diretor da escola era cristão e que ele tinha sido transferido para outra escola por seus superiores por pregar aos seus alunos, que tinha sido rebaixado a professor normal, e que, se ele voltasse a violar as regras, seria enviado para a linha de frente. Pensando em tudo isso, fiquei com medo. Pensei: “O diretor pôde continuar dando aulas após ser removido, mas eu só sou um professor comum. Se descobrirem que estou pregando, serei enviado diretamente para a linha de frente sem nenhuma chance de ser professor. Eu dou conta de perder meu emprego. O problema é que eu poderia morrer a qualquer momento num lugar tão perigoso”. Isso me deixou com medo de pregar na escola. Mas pensei em como a obra de Deus estava chegando ao fim e em como os desastres estavam aumentando. Se eu não pregasse aos meus colegas, amigos e alunos e não os trouxesse para diante de Deus, um dia, eles cairiam em desastres, seriam punidos e perderiam sua chance de ser salvos. A vontade urgente de Deus é que o evangelho do reino seja espalhado e salvar aqueles que podem ser salvos, mas eu só estava preocupado com meu futuro e destino e tinha medo demais para espalhar o evangelho dos últimos dias. Eu estava decepcionando a Deus! Eu estava tão dividido. Mais tarde, li algumas passagens da palavra de Deus que me deram fé. Deus Todo-Poderoso diz: “Você não deveria ter medo disto e daquilo; sejam quais forem os muitos perigos e dificuldades que possa enfrentar, você é capaz de permanecer firme diante de Mim, desobstruído de qualquer obstáculo, para que Minha vontade possa ser realizada sem impedimento. Esse é o seu dever. […] Você precisa suportar tudo; por Mim, precisa estar pronto para renunciar a tudo que possui e fazer tudo que puder para Me seguir, e estar pronto para despender tudo que tiver. Agora é o tempo em que o testarei: você oferecerá sua lealdade a Mim? Você consegue Me seguir lealmente até o fim da estrada? Não tema; com Meu apoio, quem, alguma vez, poderia bloquear essa estrada? Lembre-se disso! Não esqueça! Tudo que ocorre é por Minha boa intenção e tudo está sob Minha observação. Você consegue seguir Minha palavra em tudo que diz e faz? Quando as provações de fogo lhe acontecerem, você se ajoelhará e clamará? Ou se acovardará, incapaz de seguir em frente?(A Palavra, vol. 1: A aparição e a obra de Deus, “Declarações de Cristo no princípio, Capítulo 10”). “Como criatura de Deus, o que você deveria fazer? Deveria cumprir seu dever, fazer o que tem de fazer com todo o seu coração, a sua mente e a sua força. O resto — as coisas que têm a ver com perspectivas e sina, e o destino futuro da humanidade — não é algo que você possa decidir, está nas mãos de Deus, tudo isso é ditado e arranjado pelo Criador e nada tem a ver com qualquer criatura de Deus. […] Você deve reconhecer um fato: não importa que tipo de promessa seja, seja ela boa ou comum, seja ela agradável ou desinteressante, tudo é ditado, arranjado e determinado pelo Criador. O único dever e obrigação de uma criatura de Deus é seguir e buscar a direção e a senda corretas indicadas pelo Criador. Quanto àquilo que você ganhará no fim e quanto à parte das promessas de Deus que você receberá, tudo isso se baseia em sua busca, na senda que você segue e naquilo que é ditado pelo Criador(A Palavra, vol. 4: Expondo os anticristos, “Item Nove: parte 9”). A palavra de Deus estava me instruindo claramente a não ter medo e que tudo estava nas mãos de Deus. Continuar como professor ou ser enviado para a linha de frente era decidido por nenhuma pessoa, somente por Deus. Nem o diretor nem os líderes decidiriam isso. Eu precisava ter fé em Deus. Com Deus do meu lado, eu nada tinha a temer, por mais difícil que fosse espalhar o evangelho. Eu sempre temia que, assim que a escola descobrisse que eu estava pregando, eu fosse enviado para a linha de frente e estivesse em perigo sério, por isso eu não ousava compartilhar o evangelho. Eu não tinha nem um pouco de fé em Deus. As seguintes palavras foram as que mais me tocaram: “Deveria cumprir seu dever, fazer o que tem de fazer com todo o seu coração, a sua mente e a sua força. O resto — as coisas que têm a ver com perspectivas e sina, e o destino futuro da humanidade — não é algo que você possa decidir, está nas mãos de Deus, tudo isso é ditado e arranjado pelo Criador e nada tem a ver com qualquer criatura de Deus”. Eu me senti muito motivado. Como um ser criado, eu deveria cumprir meu dever de todo coração. Não importava o que acontecesse com meu emprego, se eu fosse enviado para a linha de frente ou exposto ao perigo de morrer, todas essas coisas eram ditadas e arranjadas pelo Senhor da criação. Eu sempre temia que os líderes me enviassem para a linha de frente se descobrissem que eu pregava, pois eu não entendia a soberania onipotente de Deus, como se meu destino fosse decidido pelos líderes. Eu era tão tolo. Agora, os desastres e a pandemia estão piorando e não temos tempo a perder. Eu tive a sorte de receber a obra de Deus dos últimos dias, mas não estava pregando às pessoas ao meu redor. Eu devia isso às pessoas e estava me rebelando contra Deus, e minha consciência não encontrava paz. Quando percebi essas coisas, eu ganhei fé. Eu me dispus a deixar de lado minhas preocupações e a cumprir o meu dever, pregando e testificando de Deus.

Mais tarde, eu me perguntei: “Por que ser envidado para a linha de frente me assusta a ponto de eu não ousar cumprir o meu dever? O que, exatamente, está me constrangendo?”. Mais tarde, vi isto na palavra de Deus. “O mais triste em relação à crença da humanidade em Deus é que o homem conduz o próprio gerenciamento em meio à obra de Deus e, contudo, não presta atenção ao gerenciamento de Deus. O maior fracasso do homem está em como, ao mesmo tempo em que busca se submeter a Deus e adorá-Lo, o homem está construindo o próprio destino ideal e planejando como receber a maior bênção e o melhor destino. Mesmo que alguém entenda o quanto ele mesmo é lamentável, odioso e patético, quantos deles podem abandonar prontamente seus ideais e suas esperanças? E quem é capaz de interromper os próprios passos e parar de pensar apenas em si mesmo? Deus precisa daqueles que irão cooperar intimamente com Ele para completar Sua gestão. Ele precisa daqueles que se submeterão a Ele devotando a mente e o corpo inteiramente à obra de Seu gerenciamento. Ele não precisa de pessoas que vão estender as mãos para Lhe implorar todos os dias, muito menos das que dão um pouco e então esperam ser recompensadas. Deus despreza as que fazem uma parca contribuição e depois descansam sobre os louros. Ele odeia aquelas pessoas de sangue-frio que se ressentem da obra de Seu gerenciamento e só querem falar sobre ir para o céu e ganhar bênçãos. Ele tem uma aversão ainda maior por aquelas que tiram vantagem da oportunidade apresentada pela obra que Ele faz para salvar a humanidade. Isso porque essas pessoas nunca se importaram com o que Deus deseja alcançar e conseguir através da obra de Seu gerenciamento. Elas só se preocupam com a maneira de poder usar a oportunidade oferecida pela obra de Deus para ganhar bênçãos. Elas não se importam com o coração de Deus, ficando inteiramente preocupadas com as próprias perspectivas e sina. Aquelas que se ressentem da obra de gerenciamento de Deus e carecem até do menor interesse no modo como Deus salva a humanidade e da Sua vontade estão apenas fazendo o que lhes agrada separadamente da obra de gerenciamento de Deus. O comportamento delas nem é lembrado nem aprovado por Deus — muito menos é visto favoravelmente por Ele(A Palavra, vol. 1: A aparição e a obra de Deus, “Apêndice 3: O homem só pode ser salvo em meio ao gerenciamento de Deus”). Após ponderar a palavra de Deus, percebi que a razão principal pela qual eu tinha tanto medo de pregar era a minha preocupação com meu destino. Eu temia que os líderes me enviassem para a linha de frente quando descobrissem que eu pregava e que, se isso acontecesse, eu não só seria incapaz de me reunir e de ler a palavra de Deus, mas também teria que patrulhar a floresta com uma arma. Era uma região atormentada por conflito e terrorismo, e se eu cometesse um erro, provavelmente, morreria e perderia para sempre a minha chance de ser salvo. Vi que eu acreditava em Deus para ganhar bênçãos, não para buscar a verdade nem cumprir o dever de um ser criado. Minha fé e meu dever serviam aos meus interesses. Eu só estava disposto a fazer coisas que me concederiam bênçãos. Era igual à relação entre chefe e funcionário, que se orientava por benefícios e era transacional, sem amor nem preocupação por Deus. Eu era tão egoísta e desprezível. Eu acreditava em Deus, mas não queria assumir um pingo de sofrimento nem qualquer adversidade. Eu achava que ler a palavra de Deus em conforto e louvá-Lo por meio de cântico e dança bastavam, mas essa minha fé nunca me levaria a experimentar e entender a palavra de Deus, nem a reconhecer meu caráter corrupto, nem a alcançar salvação. Na nossa fé, Deus exige que consideremos Sua vontade, que O amemos e testifiquemos. Não importa o que encaremos, devemos sempre buscar a verdade, submeter-nos a Deus, temer a Deus e evitar o mal, e só então podemos alcançar salvação. Minha busca por bênçãos não estava alinhada com a vontade de Deus e estava longe de Suas exigências. Como crente, eu deveria buscar amar e obedecer a Deus e dedicar-me a testificar de Sua obra nos últimos dias. Só isso vale a pena e é significativo. Então orei e disse a Deus que eu não continuaria pensando em meu futuro. Eu devia espalhar a obra de salvação de Deus nos últimos dias e testificar dela.

Comecei pregando aos meus colegas, mas descobri que eles resistiam muito à fé em Deus, por isso fui pregar aos meus alunos. Depois das aulas eu lia a palavra de Deus para eles todos os dias, por exemplo, “Deus é a fonte da vida do homem”, “Deus preside o destino de toda a humanidade” e falava sobre coisas como os três estágios da obra de Deus. Eles ouviam com muita atenção. Graças à orientação de Deus, dentro de um mês, mais de 50 pessoas se converteram na escola. Minha fé se fortaleceu naquele tempo. Vi que esses alunos estavam ansiosos para se reunir e tinham um bom entendimento, então preguei e testifiquei de Deus com uma convicção ainda maior. Eu não me sentia mais tão nervoso e meu medo diminuiu, pois eu sabia que Deus estava comigo e entendia o que Ele quis dizer quando disse: “Você deve ter fé que tudo está nas mãos de Deus e que os humanos estão apenas cooperando com Ele. Se o seu coração for sincero, Deus verá e abrirá todas as sendas para você, tornando as dificuldades não mais difíceis. Essa é a fé que você deve ter. Portanto, vocês não precisam se preocupar com nada enquanto cumprem seu dever, contanto que vocês usem todas as suas forças e coloquem o coração nisso. Deus não tornará as coisas difíceis para vocês nem os forçará a fazer o que vocês não são capaz de fazer(A Palavra, vol. 3: As declarações de Cristo dos últimos dias, “Na crença em Deus, o crucial é praticar e experimentar Suas palavras”). Deus nos diz que, contanto que cooperemos sinceramente com Ele, Ele abrirá uma senda para nós. Eu não precisava me preocupar tanto. Eu só precisava fazer o meu melhor, dar tudo de mim e confiar em Deus enquanto eu trabalhasse. O que Deus exige de mim está ao meu alcance e não vai além da minha estatura.

Na medida em que mais e mais alunos aceitavam a obra de Deus dos últimos dias, as forças de Satanás começaram a interferir. Os alunos na escola eram de uma minoria étnica que acreditava no budismo, que sempre tinham sido budistas. Alguns dos alunos me contaram que seus pais os proibiam de acreditar. Uma aluna disse que seus pais a tinham alertado de que, se a descobrissem crendo em Deus de novo, eles a expulsariam e a renegariam como filha. Muitos dos alunos não sabiam o que fazer. Na época, eu temia que eles se desanimassem e enfraquecessem por causa da perseguição de sua família, ou até se sentissem incapazes de continuar e abandonassem a fé. Eu estava muito ansioso e não sabia o que fazer. A obra de Deus terminaria em breve. Se eles abandonassem a fé, eles perderiam a salvação de Deus. Como eu daria contas disso a Deus? Passei meus dias orando e pedindo que Deus me guiasse. Mais tarde, li isto na palavra de Deus. “Quando Deus opera, cuida de uma pessoa, e olha para essa pessoa, e quando Ele favorece e aprova essa pessoa, Satanás também segue logo atrás, tentando enganar a pessoa e levá-la ao prejuízo. Se Deus quer ganhar essa pessoa, Satanás fará tudo em seu poder para obstruir Deus, usando vários artifícios malignos para tentar, interromper e impedir a obra de Deus, com o intuito de atingir seu objetivo oculto. Qual é esse objetivo? Ele não quer que Deus ganhe ninguém; ele quer ter posse daqueles que Deus quer ganhar, quer controlá-los, comandá-los para que eles o adorem, para que se juntem a ele para cometer atos malignos e resistir a Deus. Não é esse o motivo sinistro de Satanás? […] Ao guerrear contra Deus e ficar andando atrás Dele, o objetivo de Satanás é demolir toda a obra que Deus quer realizar, para ocupar e controlar aqueles a quem Deus quer ganhar, para extinguir completamente aqueles a quem Deus quer ganhar. Se eles não são extintos, então eles se juntam às posses de Satanás para serem usados por ele — esse é seu objetivo(A Palavra, vol. 2: Sobre conhecer a Deus, “O Próprio Deus, o Único IV”). Ao refletir sobre a palavra de Deus, eu entendi que, enquanto Deus opera para salvar o homem, Satanás o segue, corrompendo e prejudicando o homem, interferindo e destruindo a obra de Deus. Isso é determinado pela essência maligna de Satanás. Pregamos e testificamos de Deus para salvar pessoas, mas Satanás não consegue tolerar isso. Satanás continua tentando nos obstruir e assediar com a intenção de destruir a obra de Deus, afastando-nos de Deus e fazendo-nos trair a Deus. Então perdemos Sua salvação e vamos para o Inferno com Satanás. Eu tinha que perceber os truques de Satanás e evitar suas armadilhas. Quando percebi essas coisas, li a palavra de Deus com os irmãos para que entendessem a verdade e percebessem os truques de Satanás. Eu me comuniquei com eles: “Vocês sabem por que nos deparamos com tantos obstáculos quando cremos em Deus? É porque sempre vivemos sob o império de Satanás, mas agora que cremos em Deus, aceitamos Sua salvação e ouvimos Sua palavra, não adoramos mais Satanás. Satanás não quer que sejamos salvos por Deus, por isso ele usa pessoas próximas a nós para nos assediar com a intenção de nos impedir de acreditar no Deus verdadeiro, voltar a nos dominar, nos corromper, nos prejudicar e fazer com que percamos a chance de ser salvos por Deus. Por isso, não podemos cair nos truques de Satanás”. Depois comuniquei-lhes essas verdades: “a diferença entre o Deus verdadeiro e falsos deuses”, “a origem do budismo” e “a existência de um único Deus verdadeiro”. Depois de minha comunhão, um irmão disse: “Agora entendo que, quando cremos em Deus e aceitamos Sua obra, nós somos obstruídos e assediados por que não adoramos Satanás, e Satanás faz de tudo para impedir que creiamos em Deus e trilhemos a senda certa. Precisamos ter discernimento e não podemos cair nas armadilhas de Satanás”. Uma irmã disse: “Agora, entendo o que é o Deus verdadeiro e o que são deuses falsos. Só o Deus verdadeiro é capaz de criar os céus e a Terra e todas as coisas, e também a humanidade. Ele não só criou tudo; Ele governa sobre tudo. Ele também nos provê com nosso pão de cada dia em abundância. Um deus falso não consegue nem criar um inseto, muito menos os céus e a Terra e todas as coisas, por isso, não devemos crer neles”. Fiquei muito comovido quando ouvi tudo isso. Na batalha espiritual contra Satanás, eles tinham entendido a verdade a partir da palavra de Deus e percebido os truques de Satanás. Nenhum deles tropeçou. Ao contrário, estavam ainda mais determinados a seguir a Deus. Tudo isso tinha sido alcançado pela palavra de Deus. Minha fé em Deus também se fortaleceu muito.

Uma vez, o diretor me atacou fortemente. Ele disse: “Jonas, ouça. Essa é a terceira vez que tive que chamá-lo. Não me obrigue a dizer o que você já sabe. Você se transformou numa celebridade e tanto. Num raio de quilômetros, as pessoas sabem que você tem pregado na escola! Devemos ser professores, transmitindo conhecimento aos alunos, por que, então, você está transmitindo fé em Deus? Todos os aldeões aqui são budistas. Devemos obedecer aos costumes deles e ensinar-lhes a fé deles. Sua pregação teve um impacto forte sobre a nossa escola. Você está tentando arruinar nossa reputação? Quer ser desprezado pelos alunos e suas famílias? O que você está fazendo não é profissional nem ético! Você não é digno de ser professor! Se não acordar, será transferido no final do semestre!”. Fiquei ressentido e sabia que essas palavras tinham vindo do diabo Satanás. Ele só queria que as pessoas seguissem o diabo e não permitiria que viessem para diante de Deus em adoração. Fé em Deus é a coisa mais justa, mas, aos olhos dele, era maligna. Vi que esses diabos distorcem os fatos e não conseguem distinguir entre certo e errado. Transtornado, voltei para o dormitório. Eu não sabia o que aconteceria em seguida e, inconscientemente, comecei a considerar meu futuro novamente. O que aconteceria se eu realmente fosse transferido? Eles me enviariam para a linha de frente? Como eu enfrentaria a situação terrível na linha de frente? Como eu poderia crer em Deus? Eu ainda poderia ser salvo? Esses pensamentos encheram meus olhos de lágrimas. Eu não consegui dormir naquela noite. Fiquei sentado à mesa durante toda a noite, orando a Deus sem parar: “Deus, por que não consigo não ter medo nessa situação?”. Pensei nas maneiras como Satanás corrompe as pessoas, mencionadas na palavra de Deus. Deus diz: “O primeiro é controle e coerção. Isto é, Satanás fará tudo o possível para assumir o controle do seu coração. O que significa ‘coerção’? Significa usar táticas forçosas e ameaçadoras para fazer você obedecer a ele, fazendo você pensar nas consequências se não obedecer. Você tem medo e não ousa desafiá-lo e, então, submete-se a ele(A Palavra, vol. 2: Sobre conhecer a Deus, “O Próprio Deus, o Único VI”). Ao refletir sobre a palavra de Deus, ganhei mais entendimento da face horrível de Satanás. Satanás sabia do meu medo de ser enviado para a linha de frente, onde eu estaria em perigo mortal constante. Esse medo da morte era minha falha fatal e minha maior fraqueza. Satanás estava usando o diretor para me assediar e a perspectiva de uma transferência para me ameaçar, para que eu recuasse e cedesse a Satanás desistindo do meu dever e deixando de testificar de Deus. Podia até parecer que o diretor estivesse fazendo o que era melhor para mim, mas, na verdade, ele estava me coagindo a parar de pregar para salvar sua reputação. Ele não permitia que eu pregasse o evangelho da salvação de Deus, mas queria que eu pregasse o caminho de Satanás e cedesse a ele. Vi o verdadeiro rosto maligno do diretor. Eu tinha ganhado algum discernimento e sabia que esses eram os truques de Satanás. Eu sabia por que eu tinha me sentido tão constrangido ao pregar. Era porque eu temia a morte. Eu temia que, uma vez transferido para a linha de frente para defender a fronteira, eu pudesse ser morto a qualquer momento, e temia ainda mais que, depois da morte, eu não tivesse como crer em Deus e ser salvo, por isso eu me contive e me desanimei.

Depois disso, eu levei esse estado para diante de Deus em oração, pedindo que Ele me guiasse a superar esse medo da morte. Mais tarde, li uma passagem da palavra de Deus. “Como aqueles discípulos do Senhor Jesus morreram? Entre os discípulos, houve aqueles que foram apedrejados, arrastados por cavalo, crucificados de cabeça para baixo, desmembrados por cinco cavalos — todo tipo de morte sobreveio a eles. Qual foi a razão da morte deles? Eles foram legalmente executados por seus crimes? Não. Eles foram condenados, espancados, repreendidos e executados porque propagavam o evangelho do Senhor e foram rejeitados pelas pessoas do mundo — é assim que foram martirizados. […] Qualquer que fosse o meio da sua morte e partida, ou como aconteceu, não foi como Deus definiu os desfechos finais daquelas vidas, daqueles seres criados. Isso é algo que você deve ver com clareza. Longe disso, eles usaram precisamente aqueles meios para condenar este mundo e testificar dos feitos de Deus. Esses seres criados usaram sua vida, que é tão preciosa — eles usaram o último momento de sua vida para testificar dos feitos de Deus, para testificar do grande poder de Deus e para declarar a Satanás e ao mundo que os feitos de Deus estão certos, que o Senhor Jesus é Deus, que Ele é o Senhor e é a carne encarnada de Deus; até mesmo no momento final de sua vida, eles nunca negaram o nome do Senhor Jesus. Isso não era uma forma de julgamento sobre este mundo? Eles usaram sua vida para proclamar ao mundo, para confirmar aos seres humanos que o Senhor Jesus é o Senhor, que o Senhor Jesus é Cristo, que Ele é a carne encarnada de Deus, que a obra de redenção que Ele preparou para toda a humanidade permite que a humanidade continue viva — esse fato é para sempre imutável. Aqueles que foram martirizados por espalharem o evangelho do Senhor Jesus, até que ponto eles cumpriram seu dever? Foi ao grau máximo? Como o grau máximo se manifestou? (Eles ofereceram sua vida.) Isso mesmo, eles pagaram o preço com a vida. Família, riqueza e as coisas materiais desta vida são todas coisas externas; a única coisa que é interna para si mesmo é a vida. Para toda pessoa que vive, a vida é a coisa mais digna de ser valorizada, a coisa mais preciosa e, surpreendentemente, essas pessoas foram capazes de oferecer seu bem mais precioso — a vida — como confirmação de e testemunho do amor de Deus pela humanidade. Até o dia em que morreram, elas não negaram o nome de Deus nem negaram a obra de Deus e usaram o seu último momento de vida para testificar da existência deste fato — essa não é a mais elevada forma de testemunho? É a melhor maneira de se fazer o dever; isso é que é cumprir-se a responsabilidade. Quando Satanás os ameaçou e aterrorizou e, no fim, até mesmo quando ele os fez pagar o preço de sua vida, eles não revogaram sua responsabilidade. Isso é que é cumprir o dever ao máximo. O que quero dizer com isso? Minha intenção é fazer com que vocês usem o mesmo método para testificar de Deus e para propagar o evangelho? Você não precisa necessariamente fazer isso, mas deve entender que é sua responsabilidade, que se Deus precisar que você o faça, você deveria aceitá-lo como obrigação moral. As pessoas de hoje têm medo e preocupação dentro de si, mas qual é a utilidade desses sentimentos? Se Deus não precisar que você o faça, para que se preocupar com isso? Se Deus precisar que você o faça, você não deve fugir dessa responsabilidade nem rejeitá-la. Você deve cooperar proativamente e aceitá-la sem preocupação. Independentemente de como se morra, não se deve morrer diante de Satanás e nem morrer em suas mãos. Se alguém for morrer, ele deve morrer nas mãos de Deus. As pessoas vieram de Deus e para Deus retornam — tal é a percepção e a atitude que um ser criado deve possuir. Essa é a verdade final que se deve entender ao espalhar o evangelho e cumprir seu dever — deve-se pagar o preço com a própria vida para propagar e testificar do evangelho de Deus encarnado cumprindo a Sua obra e salvando a humanidade. Se você tem essa aspiração, se pode dar testemunho dessa forma, isso é maravilhoso. Se ainda não possui esse tipo de aspiração, você deve pelo menos cumprir adequadamente a responsabilidade e o dever que se encontram diante de você, dando o restante a Deus. Talvez então, conforme passarem os meses e anos e sua experiência e idade aumentarem e seu entendimento da verdade se aprofundar, você perceberá que tem uma obrigação e uma responsabilidade de oferecer a sua vida para a obra do evangelho de Deus, até o fim de sua vida(A Palavra, vol. 3: As declarações de Cristo dos últimos dias, “Divulgar o evangelho é o dever a que todos os crentes estão moralmente obrigados”). A palavra de Deus me mostrou que, na Era da Graça, os discípulos do Senhor Jesus foram condenados e perseguidos por pregarem o evangelho de Deus, mas, não importavam os processos ou meios pelos quais morriam, eles não representavam seu desfecho final. A vida e morte do corpo de uma pessoa não indica se seu desfecho será bom ou ruim. Embora a perseguição fatal dos discípulos do Senhor Jesus possa parecer algo ruim, na verdade, eles foram martirizados para cumprir a comissão de Deus, e isso é comemorado por Deus. Confrontados com as forças malignas de Satanás, eles testificaram da obra de Deus sem se importarem com sua vida ou segurança. Isso tornou seu testemunho ainda mais forte e derrotou Satanás. A vida é a coisa mais preciosa que uma pessoa tem, mas eles sacrificaram sua vida tão preciosa para testificar de Deus e anunciar a obra de Deus ao mundo. Esse é o maior testemunho. Quando refleti sobre as palavras de Deus, eu me senti humilhado e envergonhado. Quando o diretor me alertou de que eu seria transferido se voltasse a pregar, fiquei com muito medo. Eu temia que fosse enviado à linha de frente e que, quando morresse, tudo estivesse acabado para mim e que eu não pudesse ser salvo. Eu prezava demais a minha vida e não tinha coragem nem testemunho. Comparado aos apóstolos, eu estava ficando muito aquém. Refleti sobre a origem da minha vida e sobre como ela tinha sido dada por Deus. Deus decide quando morremos e ninguém vive um minuto a mais do que isso. Se Deus protege uma pessoa e não permite que ela morra, então, mesmo que esteja no lugar mais perigoso, ela não morrerá. Os humanos não controlam a própria vida nem a morte, muito menos controlam seu desfecho final. Isso está ainda mais firmemente nas mãos de Deus. O Senhor Jesus disse: “Pois, quem quiser salvar a sua vida perdê-la-á; mas quem perder a sua vida por amor de Mim, achá-la-á(Mateus 16:25). Quando pregamos e testificamos de Deus, enfrentamos muita perseguição e adversidade. Como os discípulos do Senhor Jesus, alguns podem até ser perseguidos até a morte por pregarem e testificarem de Deus, mas sua alma está nas mãos de Deus. Embora seu corpo possa estar morto, isso não significa que eles não tenham um desfecho final. Tudo está nas mãos de Deus e é arranjado por Ele. Se eu não cumprisse meu dever nem pregasse o evangelho por cobiçar a vida e temer a morte, mesmo que não fosse enviado para a linha de frente ou para um perigo mortal, aos olhos de Deus, eu seria um cadáver ambulante, um homem morto que, no fim, precisa ser expulso. Eu deveria arriscar tudo, até minha vida, para seguir a Deus e pregar o evangelho. Se eu fosse enviado para a linha de frente, deveria me submeter aos arranjos de Deus. Eu também poderia pregar aos soldados e trazer mais pessoas para diante de Deus. Mesmo que um dia eu realmente fosse perseguido até a morte por pregar e testificar de Deus, isso seria permitido por Deus, e eu quis me submeter. Pensando nisso, decidi diante de Deus que continuaria pregando e testificando Dele e que eu não devia permitir ser constrangido por ninguém.

Depois disso, orei a Deus diariamente e continuei pregando e comunicando a palavra de Deus aos outros. Eu também revisei as lições com eles e arranjei horários de reunião para eles durante as férias. Eles se tornaram muito mais ativos do que antes. Depois das provas, vi que esses irmãos estavam tirando notas muito boas com médias em cada matéria entre 76 e 98 pontos. Todos eles passaram. Fiquei maravilhado! O diretor viu as boas notas da minha turma e me disse: “Sua turma obteve as melhores notas da escola, por isso decidimos que você será o professor deles no próximo semestre. Desejo-lhe o melhor para o próximo semestre”. Fiquei muito feliz quando ouvi isso, pois era muito mais do que eu tinha esperado. Isso me lembrou de uma frase do livro de Provérbios na Bíblia: “Como corrente de águas é o coração do rei na mão de Jeová; Ele o inclina para onde quer” (Provérbios 21:1). Tudo está nas mãos de Deus e Deus controla o nosso destino. Contanto que eu creia em Deus e coopere com Ele, Ele abrirá uma senda para mim. Ainda estou pregando o evangelho no campus, liderando os irmãos nas reuniões, e muitas pessoas têm aceitado a obra de Deus dos últimos dias. Lembrando-me dos dias de pregação, ganhei muito e sei que tudo isso foi a orientação de Deus.

Todos os dias temos 24 horas e 1440 minutos. Você está disposto a dedicar 10 minutos para estudar o caminho de Deus? Você está convidado a se juntar ao nosso grupo de estudo.👇

Conteúdo relacionado

Conecte-se conosco no Messenger