As palavras de Deus despertaram meu espírito

18 de Outubro de 2020

Por Nannan, Estados Unidos

Deus Todo-Poderoso diz: “No estágio atual da obra de Deus nestes últimos dias, Ele não mais simplesmente concede graça e bênçãos ao homem como Ele fez no passado, nem persuade o homem a avançar. Durante esse estágio da obra, o que o homem tem visto de todos os aspectos da obra de Deus que ele tem experimentado? O homem viu o amor de Deus e o juízo e o castigo de Deus. Durante este período de tempo, Deus provê, sustenta, ilumina e guia o homem para que o homem gradualmente venha a conhecer Suas intenções, as palavras que Ele fala e a verdade que Ele concede ao homem. […] O julgamento e o castigo de Deus permitem que as pessoas gradualmente venham a conhecer a corrupção da humanidade e a essência satânica. O que Deus provê, Sua iluminação do homem e Sua orientação permitem a humanidade conhecer cada vez mais da essência da verdade e conhecer de maneira crescente do que as pessoas precisam, que estrada devem tomar, para que vivem, o valor e o sentido de suas vidas e como percorrer a estrada à frente. […] Quando o coração do homem é reavivado, o homem não deseja mais viver com um caráter degenerado e corrupto, mas, em vez disso, deseja seguir a verdade a fim de satisfazer a Deus. Quando o coração do homem foi despertado, o homem é capaz de afastar-se completamente de Satanás. Ele não será mais prejudicado por Satanás, não será mais controlado ou enganado por ele. Em vez disso, o homem pode cooperar proativamente na obra de Deus e Suas palavras para satisfazer o coração de Deus, alcançando assim o temor a Deus e a evitação do mal. Esse é o propósito original da obra de Deus” (‘O Próprio Deus, o Único VI’ em “A Palavra manifesta em carne”). Eu tenho alguma experiência com essa passagem das palavras de Deus.

Em junho de 2016, fui transferida para cumprir meu dever na equipe de recitação em inglês. Fiquei muito feliz, pois finalmente poderia usar meus conhecimentos de inglês no trabalho. Minhas habilidades seriam visíveis para todos! Eu mal conseguia esperar a hora de contar aos meus irmãos e irmãs ao voltar para casa e compartilhar com eles a boa notícia. Fiquei até imaginando as expressões de inveja em seus rostos quando soubessem.

Quando comecei a cumprir esse dever, percebi que os outros irmãos e irmãs liam fluentemente em inglês e que sua pronúncia era ótima. Muitas vezes, conversavam uns com os outros em inglês, e até mesmo durante reuniões e enquanto cumpriam seu dever, eles se comunicavam em inglês. Meu inglês não chegava nem perto do inglês deles. Senti inveja e ansiedade, mas disse a mim mesma: se eu estudar muito, algum dia serei tão boa quanto eles ou até melhor! Então passei a levantar mais cedo e a ficar acordada até tarde para estudar inglês e memorizar vocabulário. Eu estava sempre pensando em como aprimorar meu desempenho no trabalho. Sempre que ouvia alguém compartilhando sua experiência de trabalho, eu pegava uma caneta e fazia anotações. Mas, num piscar de olhos, muitos meses passaram, e eu ainda estava progredindo mais devagar e com o pior desempenho de todos na equipe. Saber que eu não estava cumprindo meus deveres e que, muitas vezes, precisava pedir dicas e ajuda de irmãos e irmãs mais novos, além do fato de que o líder da equipe me designava para trabalhos mais simples e rotineiros durante aquele tempo, me deixou com a sensação de que eu era totalmente dispensável para a equipe. Fiquei muito desanimada e atormentada. Mais tarde, uma irmã veio trabalhar na nossa equipe. Ela não conhecia os deveres da nossa equipe, então pediram que eu a ajudasse. Secretamente, fiquei muito feliz por não ser mais a menos habilidosa em nossa equipe. Mas, para a minha surpresa, essa irmã era talentosa e aprendia com facilidade, de modo que seu inglês melhorou rapidamente. Depois de dois ou três meses, o desempenho dela já era melhor do que o meu. Entrei em pânico: “Se continuar assim, logo voltarei a ser a pior membro da nossa equipe. O fato de meu desempenho não ser tão bom quanto o dos outros membros da equipe é compreensível, pois eles estão trabalhando há mais tempo. Mas agora vem essa novata, e pedem que eu a ajude, e em pouco tempo ela já é melhor do que eu. É humilhante!” Dia após dia, eu competia por status e prestígio e me sentia incomodada o tempo todo. Eu passava meus dias em profunda miséria. Comecei a sentir saudade dos velhos tempos em que cumpria meus deveres na minha cidade natal. Eu costumava liderar discussões e planejamento. Todos os meus irmãos e irmãs concordavam com minhas opiniões, e os líderes da igreja me tinham em alta estima. Eu costumava ser uma pessoa importante, mas agora tinha caído tanto. Quanto mais refletia sobre isso, mais lesada e injustiçada me sentia. Certa vez, acabei me escondendo no banheiro e chorei. Naquela noite, fiquei me revirando na cama e não consegui dormir. Não conseguia parar de pensar: “Tenho sido a pior de todos da minha equipe desde o primeiro dia. O que os outros irmãos e irmãs devem estar pensando de mim? Não quero ficar aqui”. Mas então me lembrei de como tinha feito um juramento solene a Deus, que me despenderia por Ele para retribuir Seu amor enquanto vivesse. Se realmente abandonasse meus deveres, eu não estaria quebrando minha promessa? Eu não estaria enganando e traindo a Deus? Eu estava tão agitada. Então orei a Deus e disse: “Amado Deus, não sei como devo atravessar essa situação nem o que devo aprender com ela. Por favor, guia-me e ilumina-me”.

Depois disso, peguei meu celular e li esta passagem das palavras de Deus: “Em sua busca, vocês têm muitas noções pessoais, esperanças e futuros. A obra atual tem a finalidade de lidar com seu anseio por status e seus desejos extravagantes. As esperanças, o status, e as noções são todas representações clássicas do caráter satânico. A razão de essas coisas existirem no coração das pessoas é inteiramente porque o veneno de Satanás está sempre corroendo os pensamentos delas, e as pessoas são sempre incapazes de se livrar dessas tentações satânicas. Elas estão vivendo em meio ao pecado, porém não creem que seja pecado e ainda pensam: ‘Nós cremos em Deus, então Ele deve nos conceder bênçãos e arranjar tudo adequadamente para nós. Nós cremos em Deus, então temos de ser superiores aos outros, e temos de ter mais status e um futuro melhor do que qualquer pessoa. Já que cremos em Deus, Ele deve nos dar bênçãos ilimitadas. Caso contrário, não se chamaria “crer em Deus”’. Por muitos anos, os pensamentos nos quais as pessoas confiavam para sobreviver têm corroído seu coração ao ponto de elas se tornarem desleais, covardes e desprezíveis. Elas não somente carecem de força de vontade e determinação, mas também se tornaram gananciosas, arrogantes e obstinadas. Elas são totalmente desprovidas de qualquer determinação que transcenda o ego e, ainda mais, elas não têm um pingo de coragem de se livrar das restrições dessas influências tenebrosas. Os pensamentos e a vida das pessoas são tão podres que suas perspectivas acerca de crer em Deus ainda são insuportavelmente horrendas e, mesmo quando elas falam de suas perspectivas acerca da crença em Deus, é simplesmente insuportável de ouvir. As pessoas são covardes, incompetentes, desprezíveis e frágeis. Elas não sentem repulsa pelas forças das trevas nem amor pela luz e pela verdade; em vez disso, fazem o máximo para afastá-las” (‘Por que você é relutante em ser um contraste?’ em “A Palavra manifesta em carne”). As palavras de Deus explicavam perfeitamente a minha situação! Eu não estava em tanta dor e até mesmo resistindo e querendo abandonar meus deveres e trair a Deus porque meu desejo de status não tinha sido satisfeito? Desde que tinha me juntado à equipe, a razão pela qual eu tinha estudado inglês tanto para melhorar meu desempenho no trabalho era que eu só queria provar o quanto eu valia e me destacar na equipe. Quando vi a nova irmã melhorar tão rapidamente, comecei a temer que ela tivesse um desempenho melhor que o meu e que, mais uma vez, eu fosse a pior da equipe. Passava o dia inteiro me estressando por causa de status e vivendo em miséria. Quando contemplei as palavras de Deus: “os pensamentos nos quais as pessoas confiavam para sobreviver têm corroído seu coração”, eu me perguntei: “Por que estou ambicionando status? Quais pensamentos estão causando toda essa miséria?” Foi só após ponderar as palavras de Deus que percebi que eu estava vivendo segundo máximas satânicas como: “Distinga-se dos demais e honre seus antepassados”, “O homem luta para subir; a água flui para baixo” e “Só eu reino soberano em todo o universo”. Desde cedo, nossos professores nos ensinam a nos sobressair, a ser os melhores dos melhores. Eu sempre tinha admirado e invejado pessoas de fama e prestígio e queria ser igual a elas. Onde quer que estivesse, eu sempre queria que as pessoas me estimassem, e se todas me admirassem, me apoiassem e elogiassem, melhor ainda. Eu acreditava que era essa a maneira de ter uma vida prazerosa que valesse a pena. Quando não recebia a admiração e os elogios dos outros, a vida era miserável, e eu me desanimava. Quando comecei a cumprir meus deveres na casa de Deus, continuei buscando essas coisas. Mas quando não via grandes melhoras ou não ganhava os elogios e a admiração de outros, eu ficava pessimista, abatida e desanimada. Até pensava em abandonar meus deveres e em trair a Deus. A minha obsessão com prestígio me consumia completamente. Eu suportaria qualquer adversidade e travaria qualquer batalha para alcançá-lo, a ponto de que meu mundo inteiro girasse em torno dessa única coisa. Foi aí que percebi que eu estava correndo atrás da coisa errada. Eu não estava cumprindo meus deveres para buscar a verdade e retribuir o amor de Deus, estava apenas fazendo isso para satisfazer meu próprio desejo de prestígio e status.

As revelações nas palavras de Deus me mostraram quão equivocada era a minha busca. Mais tarde, li esta passagem nas palavras de Deus: “Para cada um de vocês que cumprem seu dever, não importa quão profundamente você entenda a verdade, se quiser entrar na realidade da verdade, a maneira mais simples de praticar é pensar nos interesses da casa de Deus em tudo que faz e abrir mão de seus desejos egoístas, de sua intenção, motivos, face e status individuais. Coloque os interesses da casa de Deus em primeiro lugarisso é o mínimo que você deve fazer. […] Além disso, se você conseguir cumprir suas responsabilidades, executar seus deveres e obrigações, deixar de lado seus desejos egoístas, deixar de lado seus próprios motivos e intenções, ter consideração pela vontade de Deus e colocar em primeiro lugar os interesses de Deus e de Sua casa, então, após experimentar isso por algum tempo, você sentirá que essa é uma boa maneira de viver. É viver franca e honestamente, sem ser uma pessoa baixa ou inútil, é viver justa e honradamente em vez de ser mesquinho ou mau. Você achará que é assim que uma pessoa deve viver e agir. Aos poucos, o desejo em seu coração de satisfazer seus próprios interesses diminuirá” (‘Dê seu real coração a Deus e você poderá obter a verdade’ em “Registros das falas de Cristo”). Depois de ler as palavras de Deus, percebi que ser admirada pelos outros não é importante. Submeter-se à soberania e aos planos de Deus, defender o trabalho da casa de Deus, praticar a verdade e cumprir seus deveres — é isso que realmente importa, e é assim que se vive aberta e honestamente. Depois de entender a vontade de Deus, tive uma forte sensação de libertação. Eu ainda era a membro da nossa equipe com o pior desempenho, mas não me sentia mais tão mal por causa disso. E quando algo feria meu prestígio e status, eu não era mais tão fraca quanto antes. Eu orava conscientemente a Deus, renunciava aos meus motivos errados e era capaz de me aquietar e cumprir meus deveres. Mas o veneno de Satanás tinha se enraizado profundamente dentro de mim e se tornado minha própria natureza. Só entender não bastava para arrancá-lo. Eu ainda precisava experimentar mais julgamento e refinamento para ser purificada e transformada.

Nosso líder de equipe nomeou as irmãs Liu e Zhang para supervisionar nosso trabalho, pois ambas tinham fortes habilidades profissionais. Fiquei com inveja e ciúme. Treinar outros irmãos e irmãs era um distintivo de prestígio tão grande. Por que eu não podia ser como essas irmãs? Tudo que eu sabia fazer eram os trabalhos que não exigiam nenhuma habilidade. Mais tarde, fui recomendada para o dever de rega na equipe, ajudando outros a resolver suas dificuldades. Mas essa perspectiva não me animou nem um pouco, e eu até desprezava esse dever. Parecia-me que somente pessoas sem habilidades verdadeiras eram designadas para esse dever. Se o desempenho da nossa equipe fosse bom, todos diriam que era por causa daquelas duas irmãs. Quem me notaria trabalhando nos bastidores, comunicando a verdade para resolver problemas? Por causa da minha postura mental equivocada e porque eu não podia ganhar a obra do Espírito Santo, eu não conseguia me motivar para cumprir meus deveres e, às vezes, pensava comigo mesma: “Por que meu calibre é mais baixo do que o de todos os outros? Eu sou boa em quê? Quando poderei exibir minhas habilidades abertamente?” Aos poucos, fui resistindo cada vez mais e ficando mais agitada. Logo, sempre que a irmã Zhang pedia de passagem que eu fechasse uma porta ou abrisse uma janela, eu sentia vontade de perder o controle. Eu pensava: “Há quanto tempo você é crente? Suas habilidades só são um pouco melhores, isso é tudo. Isso qualifica você a mandar em mim?” No fim, eu ignorava a irmã Zhang quando ela falava comigo. Às vezes, quando ela me perguntava algo, eu fingia que não a tinha ouvido. Quando respondia, eu não o fazia com gentileza. Quando vi que, como resultado disso, ela se sentia restringida, eu me sentia mal, mas quando se tratava de questões de status e prestígio, eu ainda permitia que minhas emoções me dominassem.

Certa manhã, vi como as irmãs Liu e Zhang saíram numa missão relacionada ao seu trabalho. Estavam todas chiques e elegantes em suas roupas, e eu me irritei e fiquei com inveja delas. Pensei: “Vocês recebem toda a glória enquanto eu preciso labutar ingratamente nos bastidores. Ninguém jamais saberá o quanto eu trabalho…”. Quando as irmãs voltaram naquela noite, todos os outros da equipe correram para cumprimentá-las, e alguns até prepararam o jantar para elas. No início, eu também quis cumprimentá-las e perguntar como tinha sido o seu trabalho, mas quando vi como todos reagiram a elas, voltei a sentir inveja e pensei: “Essas duas estão recebendo toda a glória outra vez, e agora pareço ainda mais inútil”. Com esse pensamento, dei meia-volta e voltei para o meu quarto. Não consegui me aquietar e assim orei a Deus. Disse: “Amado Deus, minha obsessão com o status mais uma vez mostrou seu rosto feio. Quero renunciar ao meu desejo de prestígio e status, mas não consigo. Por favor, mostra-me como me libertar das amarras de reputação e status”.

No dia seguinte, uma das irmãs viu que eu estava num estado ruim e leu para mim a seguinte passagem: “Assim que disser respeito a posição, aparência ou reputação, o coração de todos salta em expectativa, e cada um de vocês sempre quer se destacar, ser famoso e reconhecido. Ninguém está disposto a ceder, em vez disso, todos desejam disputarmesmo que disputar seja vergonhoso e proibido na casa de Deus. No entanto, sem disputa, vocês ainda não estão satisfeitos. Quando veem alguém se destacar, vocês sentem inveja, ódio e que é injusto. ‘Por que eu não posso me destacar? Por que é sempre aquela pessoa que pode se destacar e nunca é a minha vez?’ Então, vocês sentem algum ressentimento. Vocês tentam reprimi-lo, mas não conseguem. Vocês oram a Deus e se sentem melhor por algum tempo, mas tão logo se deparam com esse tipo de situação novamente, vocês não conseguem vencê-la. Isso não demonstra uma estatura imatura? Quando uma pessoa cai em tais estados, isso não é uma armadilha? Esses são os grilhões da natureza corrupta de Satanás que amarram os humanos” (‘Dê seu real coração a Deus e você poderá obter a verdade’ em “Registros das falas de Cristo”). As palavras de Deus me mostraram que eu não tinha mudado o que buscava. Eu ainda buscava reputação, status e queria me sobressair. Possuída por essas coisas, eu sempre queria me destacar e ser percebida e fazer deveres que eram importantes ou exigiam habilidades. Pensava que essa era a única maneira de ser respeitada e valorizada pelos outros e de ser aprovada e abençoada por Deus. Eu rejeitava qualquer trabalho que considerasse insignificante e até menosprezava meu dever de rega com desdém. Quando via como as duas irmãs recebiam tarefas importantes, enquanto eu só recebia tarefas triviais que ninguém perceberia, eu sentia inveja e ressentimento e só me queixava e culpava a Deus por não me dar um calibre ou habilidades melhores. Como eu era insensata! Porque meu desejo de status não tinha sido satisfeito, eu não me esforçava muito em meu dever e até perdia o controle com minhas irmãs para dar vazão à minha insatisfação. Sem dúvida, isso estava restringindo e magoando minhas irmãs. Quanto mais refletia sobre isso, mais culpado me sentia. Percebi como eu tinha sido egoísta e como carecia de humanidade.

Mais tarde, deparei-me com esta passagem das palavras de Deus: “As pessoas sempre querem ter renome ou ser celebridades; desejam ganhar grande fama e prestígio e trazer honra a seus ancestrais. São coisas positivas? Essas não estão alinhadas às coisas positivas de modo algum; além disso, vão contra a lei de Deus de ter domínio sobre a sina da humanidade. Por que Eu diria isso? Que tipo de pessoa Deus quer? Ele quer uma pessoa grandiosa, uma celebridade, alguém nobre ou de grande impacto? (Não.) Então, que tipo de pessoa Deus quer? Ele quer uma pessoa com os pés firmes no chão que busque ser uma criatura qualificada de Deus, que possa cumprir o dever de uma criatura e limitar-se ao lugar de um humano” (‘Caracteres corruptos só podem ser resolvidos com a busca da verdade e a confiança em Deus’ em “Registros das falas de Cristo”). Refletindo sobre as palavras de Deus, percebi que Deus não quer pessoas nobres ou talentos extraordinários, mas pessoas fundamentadas que conseguem cumprir seus deveres como criaturas de Deus. Deus não exige que eu seja de calibre incrível ou que tenha habilidades profissionais excelentes, Ele só exige que eu fique em minha posição e faça o melhor possível para cumprir meus deveres. E isso era algo que eu conseguiria fazer. Deus dá a cada pessoa um calibre e talentos diferentes. Contanto que aproveitemos ao máximo as nossas habilidades, ajudemos uns aos outros e trabalhemos juntos, cumpriremos nossos deveres e satisfaremos a Deus.

Também li estas palavras de Deus: “Eu decido o destino de cada pessoa não com base na idade, senioridade, quantidade de sofrimento, muito menos o grau em que ela causa compaixão, mas de acordo com ela possuir ou não a verdade. Não há outra escolha além dessa. Vocês devem entender que todos os que não seguem a vontade de Deus também hão de ser punidos. Esse é um fato imutável” (‘Prepare boas ações suficientes para o seu destino’ em “A Palavra manifesta em carne”). Deus é um Deus justo; quem Deus elogia e qual fim e destino Ele estabelece para cada pessoa — isso não se baseia em se ela tem prestígio ou renome, em quantas pessoas a apoiam e aprovam, nem em seus recursos. Ao contrário, tudo se baseia em se ela pratica a verdade, se submete a Deus e cumpre seus deveres como criatura de Deus. Veja, por exemplo, os sumos sacerdotes, escribas e fariseus. Eles tinham status e influência, muitas pessoas os idolatravam e seguiam, mas quando o Senhor Jesus veio para fazer a Sua obra, eles não buscaram a verdade nem aceitaram a obra de Deus. Eles até condenaram e resistiram loucamente ao Senhor Jesus para proteger seu próprio status e sustento e, no fim, O pregaram na cruz e sofreram as maldições e a punição de Deus. Também me lembrei de Noé — ele construiu a arca segundo as instruções de Deus. Na época, todos pensavam que ele era louco, mas, porque ouviu e obedeceu a Deus, ele recebeu o elogio de Deus e sobreviveu ao dilúvio. A Bíblia também fala da viúva pobre. As duas moedas que ela deu podem não ter sido muita coisa para as outras pessoas, mas Deus a elogiou porque ela deu tudo que tinha a Deus. Ao refletir sobre essas histórias, vi que Deus é verdadeiramente justo. Deus preza a sinceridade das pessoas. Só se pode ter uma vida com sentido ouvindo a palavra de Deus, submetendo-se a Deus, praticando as palavras de Deus e cumprindo seu dever como uma criatura de Deus. Lutar para ganhar o elogio dos outros só nos levará a praticar o mal, resistir a Deus e receber Sua punição. Percebi que Deus não tinha arranjado que eu cumprisse meu dever naquele ambiente porque queria que eu sofresse ou fosse humilhada, mas porque Ele tinha um plano para mim. Eu estava obcecada demais por status e, assim, tive de experimentar ser exposta e refinada a fim de realmente conhecer a mim mesma, livrar-me dos grilhões de prestígio e status e viver uma vida livre e irrestrita diante de Deus. Essa era a melhor maneira de Deus me transformar e purificar, era o amor e a salvação de Deus. Diante desse pensamento, orei a Deus: “Ó Deus, obrigado por arranjar cuidadosamente esses ambientes para me salvar e purificar. Não quero mais viver por prestígio e status. Não importa para que dever eu seja designada, não importa quão insignificante seja aos olhos dos outros, estou disposta a me submeter e a trabalhar com meus irmãos e irmãs para cumprir os meus deveres”.

Mais tarde, minha equipe precisou que algumas pessoas saíssem para cuidar de assuntos da igreja. Quando fiquei sabendo disso, meu desejo mais uma vez se manifestou dentro de mim. Pensei que, talvez, finalmente receberia a chance de me destacar. Enquanto meus irmãos e irmãs decidiam quem iria, fiquei esperando que eu fosse escolhida, mas, no fim, decidiram enviar as irmãs Liu e Zhang. Fiquei um pouco decepcionada. Parecia que eu jamais teria um momento ao sol. Percebi que, mais uma vez, eu estava lutando por fama, então orei a Deus e renunciei aos meus motivos errados. Pensei em como, durante esse tempo todo, eu não tinha me concentrado em meu trabalho, mas tinha desperdiçado todo esse tempo e energia valiosos competindo por status e não tinha cumprido meus deveres nem um pouco. Eu lutava por fama e status todos os dias, e isso era um sentimento realmente terrível. Eu me senti como se tivesse sido enganada por Satanás. Status e prestígio podem realmente danificar uma pessoa. Na verdade, todos os irmãos e irmãs na nossa equipe têm habilidades e calibres diferentes. Deus arranjou que trabalhássemos juntos porque queria que cada um de nós usasse suas habilidades, aprendesse uns com os outros e complementasse um ao outro, e trabalhasse bem com os outros para cumprir nossos deveres. Deus determinou meu calibre e minha estatura muito tempo atrás. O papel que desempenharia na equipe e a função em que serviria também foram preordenados por Deus. Eu deveria simplesmente ser feliz onde estava, cumprir meu dever da melhor maneira possível e ser uma pessoa sensata que é capaz de se submeter a Deus. Quando percebi isso, relaxei bastante. Sempre que as duas irmãs saíam por conta de seu dever, eu orava por elas e fazia tudo que podia para completar todo o trabalho rotineiro para que as irmãs pudessem se concentrar em seus próprios deveres. Também incentivei meus irmãos e irmãs a fazer seus devocionais espirituais para que encontrassem tempo para a entrada na vida além do trabalho. Quando comecei a fazer as coisas com atenção, eu me senti mais fundamentada e em paz. Senti que tinha me aproximado de Deus, e meus relacionamentos com meus irmãos e irmãs também se normalizaram. Deixei de dar tanta importância a prestígio e status e me abri mais. Meu coração se encheu de gratidão a Deus por essa pequena transformação. O julgamento e castigo de Deus tinham despertado meu coração, tinham me mostrado o vazio e o sofrimento de buscar fama e status e me ajudaram a entender que só podemos viver uma vida significativa se acreditarmos em Deus, buscarmos a verdade e cumprirmos o dever de um ser criado!

Anterior: Minha escolha
Próximo: Deus é tão justo
Quando o desastre vem, como nós cristãos devemos lidar com ele? Convidamos você a participar da nossa reunião online, onde podemos explorar juntos e encontrar o caminho.
Contate-nos
Entre em contato conosco pelo Whatsapp

Conteúdo relacionado

Servir desta maneira é verdadeiramente desprezível

Nos últimos dias, a igreja providenciou uma mudança no meu trabalho. Quando recebi essa nova tarefa, eu pensei: “Preciso aproveitar essa última oportunidade para convocar uma reunião com meus irmãos e irmãs, discutir as questões claramente com eles, e deixar uma boa impressão”.

Reconhecendo que eu trilho o caminho dos fariseus

Algo que temos sempre discutido em nossas reuniões anteriores são os caminhos trilhados por Pedro e Paulo. Costuma-se dizer que Pedro dedicou-se a conhecer a si mesmo e a Deus, e Deus o aprovou, enquanto Paulo atentou somente para o seu trabalho, reputação e status, e foi rejeitado por Deus.