Aplicativo da Igreja de Deus Todo-Poderoso

Ouça a voz de Deus e dê as boas vindas ao retorno do Senhor Jesus!

Convidamos a todos os buscadores da verdade que entrem em contato conosco.

Deus vê o arrependimento sincero nas profundezas do coração dos ninivitas

13

O contraste absoluto entre a reação de Nínive e a de Sodoma ao aviso de Deus Jeová

O que significa ser derrubado? Em termos coloquiais, significa desaparecer. Mas de que forma? Quem poderia fazer uma cidade toda ser derrubada? É impossível ao homem realizar tal ato, é claro. Aquelas pessoas não eram tolas; tão logo ouviram essa proclamação, elas captaram a ideia. Elas sabiam que a proclamação havia vindo de Deus; elas sabiam que Deus ia realizar a Sua obra; elas sabiam que a maldade delas havia enfurecido Deus Jeová e trazido a Sua raiva sobre elas, de forma que logo elas seriam destruídas juntamente com a cidade delas. Como as pessoas da cidade se comportaram depois de ouvir o aviso de Deus Jeová? A Bíblia descreve em detalhes específicos como essas pessoas reagiram, desde o rei até o homem comum. Conforme registram as Escrituras: “E os homens de Nínive creram em Deus; e proclamaram um jejum, e vestiram-se de saco, desde o maior deles até o menor. A notícia chegou também ao rei de Nínive; e ele se levantou do seu trono e, despindo-se do seu manto e cobrindo-se de saco, sentou-se sobre cinzas. E fez uma proclamação, e a publicou em Nínive, por decreto do rei e dos seus nobres, dizendo: Não provem coisa alguma nem homens, nem animais, nem bois, nem ovelhas; não comam, nem bebam água; mas sejam cobertos de saco, tanto os homens como os animais, e clamem fortemente a Deus; e convertam-se, cada um do seu mau caminho, e da violência que há nas suas mãos…”.

Após ouvirem a proclamação de Deus Jeová, as pessoas de Nínive mostraram uma atitude completamente oposta à das pessoas de Sodoma – as pessoas de Sodoma se opuseram abertamente a Deus, avançando de maldade em maldade, mas após ouvirem essas palavras, os ninivitas não ignoraram o assunto, nem resistiram; ao contrário, creram em Deus e declararam um jejum. A que “creram” se refere aqui? A própria palavra sugere fé e submissão. Se usarmos o comportamento real dos ninivitas para explicar essa palavra, ela significa que eles creram que Deus poderia e faria conforme Ele disse, e que eles estavam dispostos a se arrepender. As pessoas de Nínive sentiram medo face ao iminente desastre? Foi a fé delas que lhes colocou temor no coração. Bem, o que podemos usar para provar a fé e o temor dos ninivitas? É como a Bíblia diz: “e proclamaram um jejum, e vestiram-se de saco, desde o maior deles até o menor”. Ou seja, os ninivitas creram verdadeiramente, e dessa fé veio o temor, que então os levou a jejuar e a vestir-se com pano de saco. Foi assim que mostraram o começo de seu arrependimento. Em absoluto contraste com as pessoas de Sodoma, os ninivitas não só não se opuseram a Deus, eles também mostraram claramente o seu arrependimento por meio de seu comportamento e ações. Isso, é claro, não só se aplicou às pessoas comuns de Nínive; seu rei não foi exceção.

Deus vê o arrependimento sincero nas profundezas do coração dos ninivitas

O arrependimento do rei de Nínive é elogiado por Deus Jeová

Ao ouvir essa notícia, o rei de Nínive levantou-se de seu trono, despiu o manto, vestiu-se com pano de saco e sentou-se em cinzas. Então ele proclamou que ninguém na cidade seria permitido degustar nada e que nenhum rebanho, cordeiro e boi pastaria ou beberia água. Homem e rebanhos igualmente deveriam vestir-se com pano de saco; as pessoas suplicariam sinceramente a Deus. O rei também proclamou que cada um deles se afastaria de seus caminhos maus e abandonaria a violência em suas mãos. A julgar por essa série de atos, o rei de Nínive demonstrou seu arrependimento sincero. A série de ações que ele tomou – levantando-se de seu trono, descartando seu manto de rei, vestindo-se com pano de saco e sentando-se em cinzas – diz às pessoas que o rei de Nínive pôs de lado seu status real e vestiu-se com pano de saco juntamente com as pessoas comuns. Ou seja, o rei de Nínive não ocupou seu posto real para manter seu mau caminho ou a violência em suas mãos após ouvir o anúncio de Deus Jeová; ao contrário, ele pôs de lado a autoridade que tinha e se arrependeu diante de Deus Jeová. Nesse momento, o rei de Nínive não estava se arrependendo como rei; ele havia se colocado diante de Deus para confessar e se arrepender de seus pecados como um súdito comum de Deus. Além disso, ele também falou para toda a cidade confessar e se arrepender de seus pecados perante Deus Jeová da mesma maneira que ele; adicionalmente, ele tinha um plano específico de como fazer isso, conforme visto nas Escrituras: “Não provem coisa alguma nem homens, nem animais, nem bois, nem ovelhas; não comam, nem bebam água… e clamem fortemente a Deus; e convertam-se, cada um do seu mau caminho, e da violência que há nas suas mãos”. Como governador da cidade, o rei de Nínive possuía status e poder supremos e podia fazer tudo o que desejasse. Quando deparado com o anúncio de Deus Jeová, ele poderia ter ignorado o assunto ou simplesmente se arrependido e confessado seus pecados sozinho; quanto a se as pessoas da cidade escolhessem se arrepender ou não, ele poderia ter ignorado completamente o assunto. Contudo, o rei de Nínive de forma alguma o fez. Ele não só se levantou de seu trono, vestiu pano de saco e cinzas, confessou e se arrependeu de seus pecados diante de Deus Jeová, ele também ordenou que todas as pessoas e rebanhos dentro da cidade fizessem o mesmo. Ele até ordenou às pessoas: “clamarão fortemente a Deus”. Por meio dessa série de ações, o rei de Nínive realizou de fato aquilo que um governador deveria realizar; sua série de ações é algo que era difícil para qualquer rei da história humana cumprir e também algo que ninguém cumpriu. Essas ações podem ser chamadas de empreendimento sem precedente na história humana; elas são dignas de ser tanto comemoradas quanto imitadas pela humanidade. Desde o surgimento do homem, todo rei havia levado seus súditos a resistir e a se opor a Deus. Ninguém jamais havia levado seus súditos a suplicar a Deus a fim de buscar redenção para sua maldade, receber o perdão de Deus Jeová e evitar a punição iminente. O rei de Nínive, porém, foi capaz de levar seus súditos a se voltarem para Deus, a deixarem seus respectivos maus caminhos e a abandonarem a violência em suas mãos. Além disso, ele também foi capaz de colocar de lado o seu trono e, em contrapartida, Deus Jeová voltou atrás, Se arrependeu e retirou a Sua ira, permitindo que as pessoas da cidade sobrevivessem e guardando-as da destruição. As ações do rei só podem ser chamadas de milagre raro na história humana; elas podem até ser chamadas de modelo de uma humanidade corrupta confessando e se arrependendo de seus pecados diante de Deus.

Deus vê o arrependimento sincero nas profundezas do coração dos ninivitas

Após ouvir a declaração de Deus, o rei de Nínive e seus súditos realizaram uma série de atos. Qual é a natureza do comportamento e das ações deles? Em outras palavras, qual é a essência de toda a conduta deles? Por que eles fizeram o que fizeram? Aos olhos de Deus eles haviam se arrependido sinceramente, não apenas porque haviam suplicado com sinceridade a Deus e confessado seus pecados diante Dele, mas também porque eles haviam abandonado sua má conduta. Eles agiram assim porque, após ouvirem as palavras de Deus, ficaram incrivelmente atemorizados e creram que Ele faria conforme o que dissera. Ao jejuarem, vestirem-se de panos de saco e sentarem-se em cinzas, eles queriam expressar a disposição deles para reformarem seus caminhos e se absterem do mal, orarem para Deus Jeová restringir Sua ira, suplicarem para Deus Jeová revogar Sua decisão bem como a catástrofe prestes a cair sobre eles. Pelo exame de todo o comportamento deles, podemos ver que eles já entenderam que seus atos malignos anteriores eram detestáveis para Deus Jeová e que eles entenderam a razão por que Ele logo os destruiria. Por essas razões, eles todos desejaram se arrepender completamente, desviar de seus caminhos maus e abandonar a violência em suas mãos. Em outras palavras, uma vez que se tornaram cientes da declaração de Deus Jeová, cada um deles sentiu temor no coração; eles não mais continuaram sua má conduta, nem continuaram a cometer aqueles atos odiados por Deus Jeová. Adicionalmente, eles suplicaram para Deus Jeová perdoar seus pecados passados e não os tratar conforme suas ações passadas. Eles estavam dispostos a nunca mais se envolver em maldade e a agir de acordo com as instruções de Deus Jeová, se ao menos eles nunca mais enfurecessem Deus Jeová. O arrependimento deles era sincero e completo. Ele vinha das profundezas do coração deles e não era fingido, nem temporário.

Deus vê o arrependimento sincero nas profundezas do coração dos ninivitas

Uma vez que as pessoas de Nínive, desde o rei supremo até os seus súditos, souberam que Deus Jeová estava bravo com elas, cada uma das ações delas, todo o comportamento delas, bem como cada uma das decisões e escolhas delas foram claras e simples à vista de Deus. O coração de Deus mudou de acordo com o comportamento delas. Qual era o estado de espírito de Deus naquele exato momento? A Bíblia pode responder essa pergunta para você. Como está registrado nas Escrituras: “Viu Deus o que fizeram, como se converteram do seu mau caminho, e Deus se arrependeu do mal que tinha dito lhes faria, e não o fez”. Embora Deus tenha mudado de ideia, não havia nada de complexo em relação a Seu estado de espírito. Ele simplesmente passou de expressar Sua raiva a acalmar Sua raiva e depois decidiu não trazer catástrofe sobre a cidade de Nínive. A razão pela qual a decisão de Deus – poupar os ninivitas da catástrofe – foi tão rápida é que Deus observou o coração de cada pessoa de Nínive. Ele viu o que eles tinham nas profundezas de seu coração: sua confissão sincera e arrependimento por seus pecados, sua sincera crença Nele, seu profundo senso de como seus atos malignos haviam enfurecido o Seu caráter e o temor resultante da punição iminente de Deus Jeová. Ao mesmo tempo, Deus Jeová também ouviu as orações das profundezas de seu coração suplicando a Ele para cessar a Sua raiva contra eles para que eles pudessem evitar essa catástrofe. Quando Deus observou todos esses fatos, pouco a pouco a Sua raiva desapareceu. Independentemente de quão grande a Sua raiva havia sido anteriormente, quando Ele viu o arrependimento sincero nas profundezas do coração dessas pessoas, o Seu coração foi tocado por isso e então Ele não pôde suportar trazer a catástrofe sobre eles e Ele cessou de ficar com raiva deles. Antes, Ele continuou a estender Sua misericórdia e tolerância para com eles e continuou a guiá-los e a supri-los.

de ‘O Próprio Deus, o Único II O caráter justo de Deus’ em “A Palavra manifesta em carne”