Não permita que o afeto turve sua mente

20 de Janeiro de 2022

Por Xin Jing, China

Em junho de 2015, fui para uma igreja para servir como diaconisa evangelística. Uma mulher chamada Li Jie estava na equipe de rega, e precisávamos trabalhar juntas frequentemente. Tínhamos a mesma idade, personalidades semelhantes e levávamos a mesma vida. Também compartilhávamos a experiência de sermos oprimidas pelo marido — tínhamos muito em comum. Nós nos dávamos muito bem. Além disso, eu era nova naquela igreja, não conhecia outros membros e tinha muitos desafios em meu dever. Ela comungava comigo e me ajudava com muito entusiasmo, e eu também a ajudava sempre que ela enfrentava problemas na vida. Com o passar do tempo, compartilharmos nossos pensamentos e sentimentos mais íntimos. Existia uma sintonia entre nós e nos dávamos muito bem.

Mais tarde, fui eleita líder de igreja, e perdemos um pouco o contato. Alguns meses passaram, e ouvi vários irmãos mencionando problemas com Li Jie. Diziam que ela era muito arrogante e que, quando outros tinham problemas, ela não só não tinha paciência, mas os repreendia e menosprezava. Todos se sentiam constrangidos por ela. Algum líder apontou isso para ela, mas ela se recusou a aceitar e até foi rude. Ela era incrivelmente desordeira na reunião. Não aceitava a comunhão de outros e sempre jogava a culpa em outros. Todos diziam que ela carecia da obra do Espírito, que sua comunhão era confusa, e, às vezes, ela colocava as pessoas para baixo. Havia vários meses que ela não ia bem na rega dos recém-convertidos. Quando ouvi tudo isso, eu sabia em meu coração que ela não servia mais para o dever de rega. Alguns obreiros sugeriram substituí-la, dizendo que o trabalho da igreja se atrasaria. Não me senti nada à vontade com essa ideia — eu não queria demiti-la. Li Jie foi o primeiro contato que tive quando era nova na igreja e ela me ajudou tanto. Tínhamos um relacionamento ótimo, então, se eu concordasse com a demissão dela, eu não sabia o que ela pensaria, se diria que eu não tinha coração. E ela se importava muito com fama, então ela não se sentiria horrível se fosse demitida? Não suportei demiti-la quando pensei desse jeito. Inventei a desculpa de que Li Jie não estava indo bem recentemente, mas que isso não era só culpa dela. Os recém-convertidos que ela regava estavam presos em noções religiosas e eram lentos, era normal ela não se sair muito bem. Além disso, ela sabia arregaçar as mangas e trabalhar longas horas. Se a demitíssemos, levaríamos algum tempo para encontrar um bom substituto, ela era melhor do que nada. Alguns obreiros hesitaram quando me ouviram dizer isso. Relutantes, todos concordaram em mantê-la em seu dever por ora e procurer um substitute. Suspirei de alíveio, mas também fiquei pensando que, embora não tivesse sido demitida por ora, isso teria que ser feito assim que encontrássemos um substituto. Talvez, se eu a ajudasse, seu desempenho melhoraria e ela poderia ficar com seu dever. Naquela noite fui direto para a casa de Li Jie depois de minha reunião noturna e conversei com ela sobre as razões do seu desempenho fraco e os problemas em seu dever. Ela não tinha autoconsciência e só inventou desculpas. Fiquei bastante incomodada ao vê-la agir assim. Eu lhe ofereci muito mais comunhão depois disso para ajudá-la a melhorar em seu dever, mas seu desempenho nunca melhorou. Isso causou muita ansiedade em mim. Pouco tempo depois, uma líder me escreveu algumas cartas falando sobre mudar o dever de Li Jie. Eu simplesmente a enrolei, dizendo que ainda não tinha encontrado um substituto. Li Jie continuou recusando qualquer conselho e teve contato sem aprovação com uma irmã que representava um risco de segurança quando a polícia poderia ter observado as duas. Eu não tive escolha senão removê-la de seu dever.

Mais tarde, a igreja me nomeou responsável pelo trabalho evangelístico, e eu pensei em Li Jie sentada em casa, sem nenhum dever a cumprir. Ela tinha sido tão motivada no trabalho evangelístico, então isso parecia ser uma ótima chance para lhe dar um dever novamente. Fiz essa sugestão numa reunião de obreiros, dizendo que ela tinha experiência e pontos fortes nesse tipo de trabalho, que ela sabia que tinha errado e que se arrependia. Eu disse que deveríamos lhe dar a chance de se juntar à equipe evangelística. Todos os outros concordaram. Bem, fiquei surpresa quando, pouco tempo depois, ouvi relatos de irmãos e irmãs de que ela tivera problemas com a diaconisa evangelística e que, em reuniões, ela ficava falando sobre como a diaconisa a oprimira no passado, e ela ficava mencionando isso. Muitos irmãos desenvolveram preconceitos contra a diaconisa e a excluíram. Ela batia de frente com a diaconisa nas reuniões de trabalho e algumas irmãs ficaram do lado dela. A diaconisa evangelística não conseguia fazer nenhum trabalho e isso impediu o trabalho da igreja. Fiquei chocada ao ouvir isso. Eu sabia que a diaconisa tinha pedido perdão formalmente a Li Jie e eu tinha comungado com ela. Eu a instruí a conhecer a si mesma, a não penetrar nas coisas, mas aprender uma lição. Mas eu não esperava que ela insistiria nas coisas e se recusaria a deixá-las de lado. Seu comportamento já estava perturbando muito a igreja, e se isso continuasse, ela teria que deixar a equipe evangelística. Fiquei cada vez mais preocupada com ela. Fui comungar com ela várias vezes. Ela dizia as coisas certas na minha frente, mas continuava agindo igual nas reuniões. Alguns outros diáconos tinham comungado e ajudado ela, mas ela não tinha autoconsciência e não queria mudar.

Não demorou, e a líder ficou sabendo de tudo. Ela estava perturbando a igreja, não queria se arrepender após repetidas comunhões e estava tendo um impacto terrível. De acordo com os princípios, ela devia ser demitida e então removida da igreja se ainda assim não se arrependesse. Fiquei triste quando ouvi isso. Pensei em como ela tinha desistido de tudo e sofrido tanto. Não seria uma pena se ela fosse expulsa? Ela tinha me ajudada tanto em meu tempo como diaconisa evangelística, e eu era a pessoa mais próxima dela naquela igreja. Senti que seria muita crueldade minha se eu não falasse em defesa dela. Como poderia voltar a encará-la se ela fosse expulsa? Eu tinha certeza de que ela ficaria ressentida e muito magoada. Quando pensei nisso, eu disse àqueles obreiros que Li Jie tinha alguns problemas, mas que tinha servido na igreja o tempo todo e se saído bem no trabalho evangelístico e que isso talvez fosse duro demais. Sugeri dar-lhe mais uma chance e oferecer mais ajuda, que, talvez, assim ela mudaria. Uma obreira respondeu asperamente, dizendo: “Irmã Xin, você não está seguindo os princípios da verdade, mas está presa em emoções. Li Jie se saiu bem no trabalho evangelístico antes e trabalha muito. Mas ela não quer aceitar a verdade — ela odeia a verdade e exerce um papel negativo aqui. Ela interrompeu seriamente o trabalho da casa de Deus. Não podemos afagá-la por causa dos nossos afetos. Reflita sobre isso”. Quando ela disse isso, percebi que eu realmente não tinha seguido os princípios com Li Jie, mesmo assim não conseguia suportar e queria que a líder lhe desse mais uma chance.

A caminho de casa depois da reunião, senti o mundo girando e não consegui abrir os olhos. Não consegui ne mandar. Fiquei sentada à beira da estrada e percebi que, provavelmente, era Deus me disciplinando. Fiz uma oração em silêncio. Naquele momento, algumas das palavras me vieram à mente. Deus diz: “Quando as pessoas ofendem a Deus, pode não ser por causa de um evento ou de uma coisa que disseram, mas, sim, por causa de uma atitude que mantêm e de um estado em que estão. Isso é algo muito assustador” (‘O Próprio Deus, o Único VII’ em “A Palavra manifesta em carne”). Essas palavras de Deus despertaram medo no meu coração. Vi que eu devia ter ofendido o caráter de Deus. Comecei a refletir e percebi que, desde que a líder tinha me instruído a demitir Li Jie e deixá-la refletir sobre si mesma, eu não tinha buscada ao verdade nem considerado os interesses da casa de Deus. Continuei defendendo ela teimosamente. Deus não tinha nenhum lugar no meu coração, e eu já O tinha ofendido. Rapidamente, orei a Deus, admitindo que eu estava errada e esperando refletir sobre mim mesma. Depois de orar, eu me arrastei até minha casa. Li outra passagem das palavras de Deus quando cheguei. Deus diz: “Algumas pessoas têm uma natureza extremamente sentimental; todo dia, em tudo que dizem e em todas as maneiras em que se comportam em relação aos outros, elas estão vivendo segundo suas emoções. Elas sentem afeto por esta e aquela pessoa, e todo dia se sentem obrigadas a devolver favores e retornar bons sentimentos; em tudo o que fazem, elas vivem no reino da emoção. […] Você poderia dizer que as emoções são a falha fatal dessa pessoa. Tudo que ela faz é governado por suas emoções, ela é incapaz de praticar a verdade e de agir de acordo com os princípios e está frequentemente propensa a se rebelar contra Deus. As emoções são sua maior fraqueza, sua falha fatal, e são totalmente capazes de levá-la à ruína. Pessoas excessivamente emocionais são incapazes de colocar a verdade em prática e de obedecer a Deus. Elas se preocupam com a carne, são tolas e confusas. Sua natureza é confiar muito em sentimentos. Elas vivem segundo suas emoções” (‘Como conhecer a natureza do homem’ em “Registros das falas de Cristo dos últimos dias”). Fiquei muito comovida quando li isso e não consegui parar de chorar. Vi que eu também era governada por meus sentimentos pelos outros, que esse era meu ponto fraco, meu calcanhar de Aquiles. Li Jie esteve tão disposta a me ajudar que senti uma afinidade real com ela, e, ao longo do tempo, ela se tornou algo como uma alma gêmea. Eu falava com base em emoções sempre que algo a envolvia, sempre preocupada com os sentimentos dela e ficando do lado dela. Eu não conseguia aplicar os princípios imparcialmente. Eu sabia que ela não ia bem em seu dever, que ela era desordeira, que o mal excedia o bem e que ela devia ser demitida imediatamente. Mas por causa dos nossos laços fortes, eu temia que ela perderia seu dever ou seria expulsa da igreja, então segui minhas emoções e inventei todo tipo de desculpa para convencer os outros a mantê-la. Até quis ajudá-la a melhorar seu desempenho para que continuasse em sua posição. Sem os nossos laços, eu não a teria defendido tanto. Eu a teria tratado de acordo com os princípios como qualquer outro irmão. Àquela altura, vi que eu tinha sido governada por meus afetos em meu dever, favorecendo e mimando ela a cada passo sem respeitar os princípios. Eu não estava considerando o trabalho nem os interesses da casa de Deus, mas falando e agindo com base em meus sentimentos — isso era tão egoísta!

Li um pouco mais das palavras de Deus, o que abriu meus olhos para esse problema. Deus Todo-Poderoso diz: “Quais questões estão relacionadas às emoções? A número um é como avaliar sua família, como reagir às coisas que ela faz. ‘As coisas que ela faz’ incluem quando ela é intrometida e intrusiva, quando julga as pessoas pelas costas, quando faz as coisas dos incrédulos e assim por diante. Você conseguiria ser imparcial em relação à sua família? Se tivesse que avaliá-la por escrito, você o faria justa e objetivamente, deixando suas emoções de lado? E você é sentimental com relação àqueles com quem você se dá bem ou que o ajudaram anteriormente? Você seria preciso, imparcial e objetivo sobre suas ações e seu comportamento? Você os denunciaria ou exporia imediatamente se os pegasse interferindo ou se intrometendo? E mais, você é sentimental em relação àqueles que são próximos de você ou que compartilham interesses semelhantes? Sua avaliação, definição e reação às ações e ao comportamento deles seriam imparciais e objetivas? E como você reagiria se os princípios ditassem que a igreja tomasse medidas contra alguém ligado a você ou com quem você tem uma conexão emocional, e essas medidas fossem contrárias às suas noções? Você obedeceria? Você continuaria secretamente a interagir com ele, você ainda seria aliciado por ele, você seria até mesmo encorajado por ele a inventar uma desculpa para ele, a racionalizar e defendê-lo? Você assumiria a responsabilidade e viria ao socorro daqueles que foram bondosos com você, indiferente em relação aos princípios da verdade e negligente em relação aos interesses da casa de Deus? Tudo isso envolve várias questões relacionadas a emoções, não envolve? Algumas pessoas dizem: ‘Essas emoções das quais falas — elas não envolvem apenas parentes e membros da família? Elas não abrangem apenas pais, irmãos e irmãs e outros membros da família?’. Não; elas abrangem muitas pessoas diferentes. Esqueçam os membros da família, existem alguns que não conseguem nem ser imparciais em relação a bons amigos e colegas. Tudo que sai de sua boca é parcial. Por exemplo, quando alguém é negligente e tende à perversão, eles o descrevem como alguém que gosta de se divertir, como despreocupado, que demorou a crescer. E há emoção nessas palavras? Quando a pessoa negligente não tem nenhuma conexão com ele, suas palavras são menos joviais: ‘Obviamente é um anticristo, é perversa, maligna, em tudo que faz é intrometida e intrusiva’. Quando lhe pedem provas, ele responde: ‘Ainda não há provas — mas é evidente que é um ovo podre. As palavras de Deus dizem que essa é sua natureza’. Ele não tem dúvidas ao defini-la. Isso é viver segundo suas emoções, não é? E o que são aqueles que vivem segundo suas emoções? Tais pessoas são imparciais? São honradas? (Não.) Pessoas que vivem segundo suas predileções e seus interesses da carne vivem segundo suas emoções” (‘Identificando falsos líderes (2)’ em “Registros das falas de Cristo dos últimos dias”). “Não dou às pessoas a oportunidade de liberar suas emoções, porque Eu não tenho emoções e passei a detestar em grau extremo as emoções das pessoas. É por causa das emoções entre pessoas que Eu fui posto de lado e consequentemente Me tornei um ‘outro’ aos seus olhos; é por causa das emoções entre pessoas que Eu fui esquecido; é por causa das emoções do homem que ele aproveita a oportunidade para pegar sua ‘consciência’; é por causa das emoções do homem que ele está sempre cansado do Meu castigo; é por causa das emoções do homem que ele Me chama de iníquo e injusto e diz que Eu não Me importo com os sentimentos do homem no Meu modo de lidar com as coisas. Eu também tenho algum parente na terra? Quem, alguma vez, trabalhou como Eu dia e noite, sem pensar em comida ou sono, em favor de todo o Meu plano de gerenciamento? Como o homem poderia ser comparável a Deus? Como o homem poderia ser compatível com Deus?” (‘Capítulo 28’ das Palavras de Deus para todo o universo em “A Palavra manifesta em carne”). Essa leitura me deu mais clareza sobre o que significa ser governada pelos afetos e vi que Deus odeia isso nas pessoas. Isso nos leva a violar os princípios da verdade, a cometer o mal e resistir a Deus. Deus me elevou a ser uma líder, mas ao lidar com outras pessoas, eu não praticava a verdade nem as tratava justamente, de acordo com os princípios. Eu protegia Li Jie por causa da nossa afinidade, recusando-me a demiti-la ou a expulsá-la quando isso se tornou necessário. Eu estava usando o trabalho da casa de Deus para fazer favores, sacrificando os interesses da casa de Deus. Isso prejudicou a entrada na vida dos irmãos e só impediu o trabalho da casa de Deus. Eu estava mordendo a mão que me alimentava — estava sendo uma traidora. Isso não era humilhar e resistir a Deus? Quando vi tudo isso, eu me enchi de remorso pelas minhas ações e corri para orar e me arrepender a Deus. Numa reunião posterior, eu me abri sobre como eu tinha sido governada por emoções ao lidar com essa situação. Com base no comportamento de Li Jie, eu a removi de seu dever para que ela refletisse.

Passaram-se uns seis meses, e ela não só não ganhou nenhum entendimento de seu comportamento maligno, mas insistiu que tinha sido injustiçada, que a líder não tinha sido justa. Ela disse aos outros que a líder a menosprezava e guardava mágoas contra ela. A líder comungou sobre a verdade com ela e dissecou seu comportamento, mas ela não quis saber e tinha uma desculpa para tudo. Li Jie até se recusou a falar com ela, dando as costas para ela em protesto silencioso. Ela estava reclamando e espalhando negatividade entre os outros, falando sobre o quanto ela tinha sofrido sem receber bênçãos em troca enquanto os que não mereciam eram abençoados. Alguns dos irmãos que tinham contato com ela acabaram ficando do lado dela e defendendo ela. Muitas pessoas diziam que ela tinha uma humanidade pobre, que ela tinha reclamado da comida na casa de sua anfitriã e se queixado por trás das costas da irmã da anfitriã de que ela não estava comprando comida para ela. Ela era avarenta e se queixava por ser pobre, os irmãos deixaram se enganar e a ajudaram por amor, dando-lhe dinheiro ou outras coisas. E ela se via no direito de aceitar isso, como se eles lhe devessem toda essa ajuda. Ela era uma parasita na casa de Deus. Tudo isso me lembrou de uma passagem das palavras de Deus em “Um alerta para aqueles que não praticam a verdade.” Deus diz: “Aqueles que dão vazão à sua conversa venenosa e maliciosa dentro da igreja, aqueles que espalham rumores, fomentam a desarmonia e formam grupos entre os irmãos e irmãs — eles deveriam ter sido expulsos da igreja. Mas porque agora é uma era diferente da obra de Deus, essas pessoas estão limitadas, pois enfrentam certa eliminação. Todos que foram corrompidos por Satanás têm caráter corrupto. Alguns não têm nada além de caráter corrupto, enquanto outros são diferentes: eles não só têm caráter satânico corrupto, mas sua natureza é também extremamente maliciosa. Não só suas palavras e ações revelam seu caráter satânico corrupto; essas pessoas são, além disso, o genuíno diabo Satanás. Seu comportamento interrompe e perturba a obra de Deus, prejudica a entrada na vida de irmãos e irmãs e danifica a vida normal da igreja. Mais cedo ou mais tarde, esses lobos em pele de cordeiro precisam ser removidos; uma atitude impiedosa, uma atitude de rejeição, deveria ser adotada para com esses lacaios de Satanás. Só isso é ficar do lado de Deus, e aqueles que deixam de fazê-lo estão chafurdando na lama com Satanás” (“A Palavra manifesta em carne”). Essa passagem das palavras de Deus me deu mais discernimento sobre Li Jie. Ela se recusava a aceitar a verdade, era desordeira e julgava sem exercer um papel positivo, uma maçã podre que transformava a vida da igreja em confusão. Quando era criticada e perdia seu dever, ela nunca se arrependia, mas ficava insatisfeita, reclamava sobre os líderes e continuava perturbando a vida da igreja. Esse tipo de pessoa vingativo, agressivo e maligno, que odeia a verdade, jamais poderia ser salvo. Ela continuaria perturbando o trabalho da igreja como uma raposa solta no galinheiro que devora as galinhas. Pessoas malignas devem ser removidas para que o trabalho da casa de Deus possa continuar e nós possamos levar uma vida correta na igreja. Deus é justo e santo. Ele salva aqueles com humanidade boa que amam a verdade, não os malfeitores. Pessoas malignas odeiam a verdade por natureza e jamais se arrependerão, por mais chances que recebam. Aqueles que amam a verdade podem revelar corrupção, ser desordeiros e dizer algumas coisas críticas, mas depois conseguem refletir sobre si mesmos e aceitar o julgamento e castigo das palavras de Deus, arrepender-se e mudar. A igreja deu muitas chances a Li Jie, mas ela nunca se arrependeu. Ela só intensificou seus ataques e perturbações. Ela era maligna em essência. Ela devia ser expulse com base nos princípios da igreja. Como uma líder de igreja, eu sabia que devia comungar com os outros para expor os malfeitos dela e assinar com meu nome os documentos de sua excomunhão. Ainda relutei em fazer isso. Estava preocupada de que ela estaria acabada se realmente fosse removida da igreja. Orei a Deus assim que isso passou pela minha cabeça e pedi que Ele me guiasse a superar minha emoção.

Então li isto nas palavras de Deus, a passagem 4 em “Deus e o homem entrarão em descanso juntos.” “Quem é Satanás, quem são os demônios, quem são os inimigos de Deus se não os que resistem e que não acreditam em Deus? Não são elas as pessoas que desobedecem a Deus? Não são elas aquelas que alegam ter fé, mas carecem da verdade? Não são elas aquelas que meramente buscam obter bênçãos, mas são incapazes de dar testemunho de Deus? Você ainda se mistura com esses demônios hoje e tem consciência e amor por eles, mas, nesse caso, você não está estendendo boas intenções a Satanás? Você não está se associando com demônios? Se as pessoas nos dias de hoje ainda são incapazes de distinguir entre o bem e o mal e continuam cegamente a ser amorosas e misericordiosas sem qualquer intenção de buscar a vontade de Deus ou de ser capazes, de alguma forma, de abrigar as intenções de Deus como se fossem suas, então seus desfechos serão ainda mais miserável. Qualquer um que não acredita no Deus na carne é um inimigo de Deus. Se você pode ter consciência e amor por um inimigo, não lhe falta um senso de justiça? Se você é compatível com aqueles que Eu detesto e dos quais discordo e ainda tem amor ou sentimentos pessoais para com eles, você não é desobediente? Você não está resistindo intencionalmente a Deus? Tal pessoa possui verdade? Se as pessoas têm consciência para com os inimigos, amor pelos demônios e misericórdia com Satanás, elas não estão interrompendo intencionalmente a obra de Deus?” (“A Palavra manifesta em carne”). Eu me senti tão culpada quando li essas palavras de Deus. Eu estava ciente de que ela era uma encrenqueira, um obstáculo que nunca se arrependeria, uma malfeitora que odiava a verdade, mas eu ainda a mimava, sempre querendo mantê-la na igreja. Eu estava permitindo o dano de uma pessoa maligna ao trabalho da igreja, ficando do lado de Satanás, agindo contra Deus. As filosofias de Satanás “O sangue é mais espesso que a água”, “O homem não é inanimado; como pode não ter emoções?” estavam me guiando. Eu sempre tinha valorizado a conexão com outros, achando que era o único jeito de ser humana, de ser uma pessoa boa. Pensava que qualquer outra coisa seria cruel e que eu seria rejeitada por outros. Isso era totalmente absurdo da minha parte. Aquelas filosofias mundanas parecem ser corretas e concordam com noções humanas, mas violam a verdade e os princípios. Se somos sentimentais e amáveis com todos os outros, então é um jeito tolo de amor os outros e carece de princípios. Deus exige que tenhamos princípios em nossas relações, que sejamos amáveis com os irmãos e tenhamos uma consciência em relação a Deus, que rejeitemos malfeitores, incrédulos, demônios e Satanás. Ser sentimental com esses tipos de pessoas não é ser tolo e confuso? Esse tipo de amor carece de discernimento e princípios — resulta de tolice. Isso não só nos desvia, mas seguir um malfeitor pode causar danos reais ao trabalho da casa de Deus. Eu vi que estava vivendo segundo filosofias satânicas e que era tão tola, tão indigna. Eu sabia que Li Jie não aceitaria a verdade, que era uma malfeitora que perturbava a igreja e que devia ser removida. Mas eu estava presa em meus sentimentos, constrangida por meus afetos. Eu a afagava sem parar. Era doloroso, exaustivo e limitante para mim, mas o mais importante era que eu não estava praticando as verdades que eu entendia. Estava lutando contra Deus. Eu desfrutava da graça e da salvação de Deus, mas trabalhava contra Ele, protegendo Satanás e uma malfeitora. Eu carecia de consciência e razão. Finalmente entendi que ser governada por emoções é dar as costas para Deus e a verdade. Então me lembrei de como, durante anos, Deus tinha feito tanta obra em mim e pago um preço tão grande. Eu não tinha Lhe dado nada em troca, mas estava até ficando do lado de Satanás contra Ele. Eu me enchi de remorso e culpa quando refleti sobre isso.

Li uma passagem das palavras de Deus em meus devocionais depois disso. Deus diz: “Segundo qual princípio as palavras de Deus pedem que as pessoas tratem umas as outras? Ame o que Deus ama, e odeie o que Deus odeia: esse é o princípio que deve ser seguido. Deus ama aqueles que buscam a verdade e são capazes de seguir a Sua vontade. Essas são também as pessoas que nós devemos amar. Aquelas que não são capazes de seguir a vontade de Deus, que odeiam Deus e se revoltam contra Deus — essas pessoas são desprezadas por Deus, e nós também devemos desprezá-las. Isso é o que Deus pede ao homem. […] Durante a Era da Graça, o Senhor Jesus disse: ‘Quem é Minha mãe? E quem são Meus irmãos? […] Pois qualquer que fizer a vontade de Meu Pai que está nos céus, esse é Meu irmão, irmã e mãe’. Esse dito já existia no tempo da Era da Graça, e agora as palavras de Deus são ainda mais adequadas: ‘Ame o que Deus ama e odeie o que Deus odeia’. Essas palavras vão direto ao ponto, mas em geral as pessoas são incapazes de apreciar seu significado verdadeiro” (‘Só reconhecendo seus pontos de vista equivocados você pode se conhecer’ em “Registros das falas de Cristo dos últimos dias”). Isso ajudou a esclarecer este princípio de prática: “Ame o que Deus ama e odeie o que Deus odeia”. Somente aqueles que têm fé verdadeira, buscam a verdade e são devotos em seu dever são irmãos verdadeiros e são aqueles que merecem nosso amor. Aqueles que se recusam a aceitar a verdade, mas sempre são desordeiros na igreja, que odeiam a verdade e odeiam Deus são pessoas malignas, incrédulos, demônios e Satanás. Eles merecem nosso nojo e rejeição. Essa é a única maneira de tratar as pessoas segundo os princípios e a vontade de Deus. Numa reunião depois disso, comunguei sobre o que é uma pessoa maligna e como discerni-la e revelei os comportamentos malignos de Li Jie. Também comunguei sobre os princípios para remover alguém da igreja, e depois de todos entenderem a verdade, eles começaram a expor os malfeitos de Li Jie. No fim, ela foi expulsa.

Senti muita gratidão a Deus depois disso tudo. Sem a revelação de Deus e o julgamento de Suas palavras, eu teria continuado a viver segundo aquelas filosofias satânicas, sendo cegamento compassiva com os outros, incapaz de discernir o bem do mal, o certo do errado, ficando do lado de Satanás e contra Deus sem nem percebê-lo. As palavras de Deus me mostraram o perigo e as consequências de ser governada pelos afetos e me ajudaram a escapar dos laços do afeto, para que eu pudesse tratar as pessoas de acordo com os princípios da verdade. Sou tão grata pelo amor e salvação de Deus.

O alarme dos últimos dias já tocou e grandes desastres já começaram. Você quer dar as boas-vindas ao retorno do Senhor e ter a chance de receber a proteção de Deus com sua família?

Conteúdo relacionado

Respirando aliviada sem inveja

Por Anjing, China Em janeiro de 2017, recebi o dever de rega dentro da igreja. Fiquei muito agradecida a Deus pela chance de ser treinada...

Conecte-se conosco no Messenger