Minha senda difícil para uma cooperação harmoniosa

27 de Setembro de 2022

Por Xincheng, China

Em julho de 2020, fui eleita líder de igreja e fiquei a cargo do trabalho da igreja junto com a irmã Chen. Quando comecei nesse dever, eu carecia de uma compreensão clara de muitos princípios e conversava com a irmã Chen sempre que tinha uma dúvida. Eu aceitava qualquer conselho que ela me dava. Depois de um tempo, comecei a obter resultados no meu dever e me senti competente o suficiente no meu trabalho para operar independentemente. Depois disso, quando atribuía trabalhos, eu fazia isso por conta própria, sem conversar com a irmã Chen. Mesmo em casos em que deveríamos ter chegado a uma decisão juntas, eu tomava a decisão sozinha. Quando via que eu não agia de acordo com os princípios, a irmã Chen me lembrava de não tomar decisões arbitrárias. Às vezes, ela até dizia isso na frente dos diáconos. Eu achava que ela estava me perseguindo — ela não se importava com a minha dignidade e estava me envergonhando. Passei a resistir a ela um pouco. Muitas vezes, quando discutíamos o trabalho, ela rejeitava a maioria das minhas ideias, e eu me defendia, pensando: “Nós duas somos responsáveis pelo trabalho da igreja, então por que você sempre tem a última palavra? Você sempre rejeita as minhas ideias — isso não passa a impressão de que você é melhor do que eu? Os irmãos não pensarão que eu sou uma líder ruim? E então, como encararei todo mundo?”. Desenvolvi um preconceito contra a irmã Chen. Depois disso, quando discutíamos o trabalho, assim que a minha ideia era rejeitada, eu me calava. Embora eu achasse às vezes que ela estava certa, a ideia de ceder a ela me deixava incomodada. Com o tempo, desenvolvi um preconceito cada vez mais forte contra a irmã Chen. Eu não queria conversar, muito menos discutir o trabalho com ela. Comecei a constrangê-la muito, e eu mesma me sentia inibida e reprimida.

Em janeiro de 2021, devido a questões de saúde, nossa falta de cooperação constante e um sentimento de ser constrangida por mim, a irmã Chen sucumbiu a um surto de negatividade, do qual nunca se recuperou, e acabou desistindo. Em outubro, a igreja fez uma eleição para preencher uma vaga de líder. Uma líder superior mencionou a irmã Chen, e perguntou sobre a situação dela. Uma obreira, a irmã Wang, disse: “O estado dela tem melhorado muito recentemente, e ela está suportando um fardo maior no dever”. Isso me deixou um pouco preocupada: “Acho que ela tem a irmã Chen em alta estima! Ao ouvir isso, a líder pensará que a irmã Chen é apropriada para a posição. Se ela for eleita, isso não significará que nós trabalharemos juntas de novo?”. Lembrando-me do nosso tempo trabalhando juntas, fiquei um pouco horrorizada. Pensei: “Antes, quando tínhamos opiniões diferentes sobre como proceder no trabalho, a maioria dos obreiros ficava do lado da irmã Chen — ninguém me ouvia. A irmã Chen é uma pessoa muito justa. Se ela percebia que eu não agia segundo os princípios, ela me repreendia e sempre me envergonhava. Era terrível trabalhar com ela. Desde que ela parou, os obreiros têm seguido meu conselho. Se ela voltar, os obreiros só darão ouvidos a ela, como antes? Se ela sempre me criticar, a imagem que cultivei entre os irmãos não será arruinada?”. Quando percebi isso, não quis trabalhar com a irmã Chen. Pensei: “Assim não dá. Devo falar com todos sobre a corrupção dela, caso contrário, será um tormento se ela for eleita”. Então descrevi todos os comportamentos ruins dela, incluindo como ela se preocupava com status e não assumia um fardo no dever. Temendo que não estivesse sendo específica o bastante, também citei uns exemplos pra reforçar a minha posição. A líder viu que eu não estava tratando a irmã Chen com justiça e comungou comigo o princípio de tratar os outros com justiça. Mas eu não quis saber. Alguns dias depois, a eleição começou oficialmente, e a irmã Li me perguntou sobre a situação da irmã Chen. Pensei: “Ela não é próxima da irmã Chen e não a conhece bem; devo dizer-lhe que a irmã Chen não é apta a ser líder, assim ela não lhe dará o voto”. Então lhe contei tudo sobre os maus comportamentos da irmã Chen, incluindo como ela não assumia um fardo no dever. Mas nesse momento, a irmã reagiu, dizendo: “A irmã Chen não suportava um fardo na época porque estava num estado ruim. Recentemente, ela tem revertido as coisas e está suportando um fardo no dever. Além disso, ela comunga com paciência e nos ajuda com problemas que não entendemos no nosso dever”. Quando ouvi isso, fiquei angustiada: “Por que você fica elogiando a irmã Chen? Você já votou nela? A irmã Li também votará nela depois de ouvir o que você disse? Se ela for eleita, teremos que trabalhar juntas de novo. Então, eu não só não serei capaz de me distinguir; serei corrigida por ela o tempo todo, também. Seria melhor se um novo líder fosse selecionado. Assim, já que eu sou líder já faz um tempo e entendo muitos princípios, ele concordará com as minhas opiniões na maioria das vezes e, mesmo que eu cometa um erro, ele não perceberá e não me criticará diretamente, e o meu status não será desafiado”. Quanto mais pensava nisso, mais eu achava que não podia deixar que a irmã Chen fosse eleita. Imediatamente, eu disse que a irmã Chen não tinha muita experiência de vida e só compartilhava conhecimento doutrinal. Quando disse isso, vi que a irmã Li fez que sim e me senti um pouco aliviada, achando que, provavelmente, a irmã Li não votaria na irmã Chen. A irmã Chen empatou com outra irmã. Eu temi ainda mais que a irmã Chen seria eleita e voltaria a trabalhar comigo.

Um tempo depois, a líder me perguntou: “Em vista do calibre da irmã Chen, ela satisfaz as exigências para ser líder. Se ela fosse eleita, como você se sentiria?”. A pergunta me deixou preocupada: talvez eles fossem mesmo eleger a irmã Chen; então eu corri dizer: “A irmã Chen não tem muita experiência de vida e tem um caráter muito corrupto…”. A líder viu quanto eu resistia à irmã Chen e me expôs novamente, dizendo: “Você só percebe as fraquezas das pessoas e nunca percebe os pontos fortes delas, assim você não conseguirá colaborar bem com ninguém. Você está sendo muito arrogante…”. Quando ouvi “Você não conseguirá colaborar bem com ninguém”, fiquei abalada. Achei que a líder tinha desvelado todas as minhas intenções e certamente teria uma impressão ruim de mim. Os irmãos e os líderes gostavam da irmã Chen; como, então, eu continuaria cumprindo o meu dever? Eu me senti péssima e não quis mais ser líder. Pensei: “Se a irmã Chen é tão boa, por que não a elegem logo?”. Então eu disse à líder: “Eu não tenho humanidade boa e não consigo colaborar com ninguém. Acho que não consigo mais cumprir esse dever. Acho que você devia escolher outro líder pra me substituir”. A líder comungou comigo, dizendo: “Não estou dizendo que você é muito arrogante para delimitá-la, mas para insistir que você busque a verdade e resolva seu caráter corrupto…”. Quando ouvi isso, percebi que eu estava descarregando a raiva no meu dever e agindo em oposição a Deus. Me senti um pouco envergonhada e incomodada. Mas sempre que pensava em trabalhar com a irmã Chen, eu ficava toda agitada. Eu não queria lidar com essa situação, por isso citei o trabalho como desculpa e fui embora. Fiquei muito desanimada — percebi que eu estava me revoltando contra Deus e que Ele tinha escondido Sua face de mim. Eu estava evitando a situação que Deus tinha arranjado pra mim. Se eu não revertesse as coisas, Deus me desprezaria, e eu perderia a obra do Espírito Santo. Fiquei um pouco assustada, então vim para diante de Deus em oração: “Deus, há uma lição a ser aprendida nessa situação que Tu arranjaste para mim hoje. Estou errada em evitá-la e resistir a ela, mas não sei bem como refletir sobre mim mesma e me entender. Por favor, guia-me para entender Tuas intenções e aprender uma lição nesse processo”. Depois de orar, eu me senti mais em paz.

O resultado das eleições foi anunciado no dia seguinte: a irmã Chen tinha sido eleita como líder, mas a notícia não me afetou tanto. Refleti sobre mim mesma: eu sempre criticava a corrupção e as deficiências da irmã Chen, mas nunca mencionava seus talentos e pontos fortes. Eu não a estava excluindo? Então consultei passagens das palavras de Deus referentes a anticristos que oprimem e excluem dissidentes. Havia uma passagem que me tocou profundamente. Deus Todo-Poderoso diz: “Como os anticristos excluem e atacam aqueles que buscam a verdade? Eles costumam usar métodos que os outros veem como sensatos e corretos, até usam debates sobre a verdade para obter vantagem, a fim de atacar, condenar e enganar outras pessoas. Por exemplo, se um anticristo acha que seus parceiros buscam a verdade e podem ameaçar o seu status, ele falará sobre doutrinas elevadas e teorias espirituais para enganar as pessoas e levar as pessoas a admirá-lo. Desse jeito, ele pode menosprezar e oprimir seus parceiros e obreiros, e fazer com que as pessoas sintam que, ‘Embora os parceiros do nosso líder sejam pessoas que buscam a verdade, eles não são iguais ao nosso líder em termos de calibre e habilidade. Os sermões do nosso líder são altivos, e ninguém se compara a ele’. Para um anticristo, ouvir esse tipo de comentário é extremamente satisfatório. Ele olha para seus parceiros e pensa: ‘Você não é alguém que busca a verdade? Você não tem algumas realidades da verdade? Por que você não consegue explicar isso claramente? Se você tem a capacidade, suba no palco e fale. Agora, você foi totalmente humilhado. Você carece da habilidade, entretanto ousa lutar comigo?’. É isso que o anticristo está pensando. Qual é o objetivo do anticristo? Ele quer pensar num jeito de oprimir, menosprezar as outras pessoas e se colocar acima delas. É assim que um anticristo trata todos que buscam a verdade ou que trabalham com ele. […] Além desses atos malignos, os anticristos fazem algo ainda mais desprezível, que é que eles sempre tentam descobrir como ganhar vantagem sobre aqueles que buscam a verdade. Por exemplo, se algumas pessoas fornicaram ou cometeram alguma outra transgressão, os anticristos se agarram a isso como vantagem para atacá-las, procuram oportunidades para insultar, expor e difamá-las, rotulando-as para abafar o entusiasmo delas no cumprimento dos deveres, para que elas se sintam negativas. Os anticristos fazem também com que o povo escolhido de Deus discrimine, afaste e rejeite essas pessoas, para que aqueles que buscam a verdade fiquem isolados. No fim, quando todos aqueles que buscam a verdade se sentem negativos e fracos, já não mais desempenham ativamente os deveres e não estão dispostos a participar das reuniões, o objetivo dos anticristos é alcançado. Quando aqueles que buscam a verdade já não representam uma ameaça ao seu status e poder e ninguém mais se atreve a denunciá-los ou expô-los, os anticristos podem se sentir à vontade. […] Em suma, com base nessas manifestações dos anticristos, podemos determinar que eles não estão cumprindo o dever de liderança, porque eles não estão guiando as pessoas a comer e beber as palavras de Deus e a comungar a verdade, e eles não provêm vida para elas, permitindo que elas obtenham a verdade. Em vez disso, eles interrompem e perturbam a vida de igreja, desmontam e destroem o trabalho da igreja, e impedem as pessoas na senda de buscar a verdade e obter salvação. Querem desviar o povo escolhido de Deus e fazer com que perca a chance de receber salvação. Esse é o objetivo último e pecaminoso que os anticristos desejam alcançar ao interromper e perturbar o trabalho da casa de Deus” (A Palavra, vol. 3: Expondo os anticristos, “Item Três: Eles excluem e atacam aqueles que buscam a verdade”). Essa passagem das palavras de Deus me acertou em cheio. Deus expõe como anticristos oprimem e excluem os outros, criticando e depreciando aqueles que buscam a verdade, para fortalecer seu status. Eu não tratava a irmã Chen do mesmo jeito? Durante a eleição, quando vi como todos viam a irmã Chen de modo favorável, lembrei-me de quando trabalhávamos juntas, como todos os outros seguiam seu conselho, e ela recebia toda a atenção. Ela também apontava as minhas falhas, levando-me a perder a minha honra. Eu temia que, se ela fosse eleita, os irmãos só dariam ouvidos a ela e a admirariam, e ninguém seguiria meus conselhos. Então entrei em pânico e neguei ativamente as habilidades dela e exagerei seus casos anteriores de corrupção. Eu disse que ela não tinha muita experiência de vida e não buscava a verdade, tentando enganar todos para que desenvolvessem preconceitos contra ela e não votassem nela. Quando a líder percebeu meu problema e me criticou par tratar as pessoas injustamente, eu vi que eu não recebia o que queria e fiquei insensata e quis abandonar meu dever. Tudo que eu dizia estava cheio de segundas intenções astutas. Tudo isso era pra proteger status e reputação. Em que isso era diferente dos anticristos que atacam aqueles que buscam a verdade pra solidificar seus status? Havia uma necessidade urgente de talentos no trabalho da igreja, e embora a irmã Chen tivesse revelado sinais de corrupção e tivesse deficiências, ela tinha senso de justiça e assumia um fardo no dever. Ela buscava a verdade quando deparava com problemas e era alguém que buscava a verdade, portanto ela satisfazia as exigências para ser líder. Mas eu temia que ela ameaçaria meu status aos olhos dos outros, por isso tentei depreciá-la e excluí-la sem a menor consideração pelo trabalho da igreja. Eu não pensava nas intenções de Deus e não estava cumprindo o meu dever. Eu estava interrompendo e perturbando o trabalho da igreja, estava cometendo o mal! Quando percebi isso, senti que as minhas ações eram abomináveis. No passado, eu sempre achava que excluir e punir pessoas eram atos de um anticristo, mas agora eu percebia que eu também tinha um caráter de anticristo e estava trilhando a senda de um anticristo. Se não me arrependesse, eu seria exposta e expulsa por Deus. Quando percebi isso, fiquei horrorizada, mas também entendi que Deus esperava que, por meio de tratamento e exposição, eu refletiria e me arrependeria e buscaria a verdade para resolver meu caráter corrupto. Eu devia cooperar com a irmã Chen para fazer bem o trabalho da igreja. Depois disso, eu me abri com meus irmãos sobre a minha corrupção para que eles pudessem ter discernimento em relação às minhas declarações anteriores e tratassem corretamente a irmã Chen. Parei de excluir e resistir à irmã Chen quando a via, e sempre verificava como ela estava, discutia o trabalho e colaborava com ela. Aos poucos, começamos a nos dar bem melhor uma com a outra, e eu fiquei mais à vontade. Especialmente quando, durante uma reunião, a irmã Chen falava de forma muito prática sobre sua experiência recente, e pensando em como eu a impedira de se tornar líder e quase cometera o mal, eu me senti ainda mais arrependida e culpada.

Mais tarde, continuei buscando a verdade e refletindo sobre a fonte desse problema. Deparei-me com esta passagem das palavras de Deus. “O apreço que os anticristos têm por seu status e prestígio vai além do das pessoas normais e é algo de dentro de seu caráter e essência; não é um interesse temporário nem o efeito transitório de seu ambiente — é algo de dentro de sua vida, de seus ossos, e é, portanto, sua essência. Isso quer dizer que, em tudo que um anticristo faz, sua primeira preocupação é seu status, seu prestígio, nada mais. Para um anticristo, status e prestígio são sua vida e seu objetivo vitalício. Em tudo que faz, sua primeira consideração é: ‘O que acontecerá com meu status? E com meu prestígio? Fazer isso me dará prestígio? Elevará meu status na mente das pessoas?’. Essa é a primeira coisa em que ele pensa, e é prova suficiente de que ele tem o caráter e a essência de um anticristo; se não fosse assim, ele não consideraria esses problemas. […] Embora os anticristos também acreditem em Deus, eles veem a busca por status e prestígio como equivalente à fé em Deus e lhe atribuem peso igual. O que quer dizer que, enquanto trilham a senda de fé em Deus, eles também buscam status e prestígio. Pode-se dizer que, no coração dos anticristos, eles acreditam que a fé em Deus e a busca da verdade são a busca de status e prestígio; a busca de status e prestígio também é a busca da verdade, e ganhar status e prestígio é ganhar verdade e vida. Se acham que não têm prestígio nem status, que ninguém os admira, ou os venera, ou os segue, eles ficam muito frustrados, acreditam que não faz sentido acreditar em Deus, que isso não tem valor, e dizem para si mesmos: ‘Essa fé em Deus é um fracasso? É inútil?’. Muitas vezes eles ponderam sobre tais coisas em seu coração, ponderam sobre como podem construir um lugar para si na casa de Deus, como podem ter uma reputação elevada na igreja, para que as pessoas escutem quando eles falam, e os apoiem quando eles agem, e os sigam para onde quer que eles vão; para que tenham uma voz na igreja, uma reputação, para que desfrutem de benefícios e tenham status — eles ponderam sobre tais coisas com frequência. Isso é o que essas pessoas buscam” (A Palavra, vol. 3: Expondo os anticristos, “Item Nove: Eles só cumprem seu dever para se distinguir e alimentar seus próprios interesses e ambições; eles nunca levam em consideração os interesses da casa de Deus e até traem esses interesses em troca de glória pessoal (parte 3)”). Deus expõe quanto os anticristos cobiçam status e reputação e como tudo que fazem serve à sua busca de poder. Querem que todos lhes obedeçam e querem ter um lugar no coração deles. Na verdade, fazem tudo isso para estabelecer um reino próprio independente, competem com Deus por crentes e querem que as pessoas os adorem. Eu vi como minhas manifestações eram iguais àquelas que Deus expõe: eu estava tentando cultivar minha imagem aos olhos dos outros, buscava status, tinha a última palavra e era o centro das atenções de todos. Quando alguém mais talentoso aparecia, eu o via como uma ameaça ao meu status, o atacava e excluía. Era assim que eu tratava a irmã Chen. Temendo que eu não conseguiria me destacar se ela fosse escolhida líder, eu exagerei a corrupção passada dela para enganar os outros para que não votassem nela. Até quis que um novo parceiro fosse eleito. Desse jeito, visto que eu tinha sido líder por muito mais tempo, não importaria o que eu dissesse ou fizesse, mesmo que não concordasse com os princípios, meu novo parceiro não perceberia e não me exporia nem me repreenderia. Eu poderia ser o chefão na igreja, tudo que eu dissesse valeria e eu poderia fazer o que quisesse. Meus desejos e ambições estavam foram de controle. Eu estava competindo com Deus por seguidores e estabelecendo meu reino independente! Para proteger meu status, e até oprimia e excluía os outros. Isso era diferente do Partido Comunista, que ataca e exclui seus dissidentes? A fim de manter seu governo autocrático e fazer com que todos o adorem e sigam, ele usa sua autoridade para oprimir e arrancar qualquer um que ameace seu status e interesses. Eu estava tratando a irmã Chen como o Partido Comunista trata suas vítimas. Eu não pude acreditar quão terrível eu tinha me tornado em nome do status. Como líder de igreja, eu devia cooperar com aqueles que buscam a verdade para completar o trabalho da igreja e trazer os irmãos para diante de Deus. Mas eu só pensava em status e reputação — eu não tinha espaço no meu coração para a comissão de Deus e não temia a Deus. Eu tinha acreditado em Deus por anos, mas ainda oprimia pessoas por causa de preconceitos em prol do meu status e me rebelava contra Deus. Eu tinha decepcionado Deus e provocado a Sua ira!

Mais tarde, percebi que havia outra razão pela qual eu oprimia e excluía a irmã Chen: ela sempre me expunha e me levava a perder minha honra. Encontrei a seguinte passagem das palavras de Deus referente a esse estado: “O que você deve fazer se deseja evitar a senda dos anticristos? Você deve se aproximar ativamente de pessoas honestas que amam a verdade. Você deve se aproximar de pessoas que podem lhe dar conselhos e que conseguem dizer a verdade e criticá-lo quando descobrem um problema, e especialmente de pessoas que podem podar e lidar com você quando descobrem um problema. Essa é uma pessoa que pode ser de maior benefício para você, e você deve valorizá-la. Se você rejeitar esse tipo de pessoa boa e removê-lo do seu campo de visão, você perderá a proteção de Deus, e, aos poucos, o infortúnio se aproximará. Se você se aproximar de pessoas boas e daquelas que entendem a verdade, você terá paz e felicidade e ficará longe de infortúnios. Se você se aproximar de pessoas inferiores, de pessoas descaradas e bajuladoras, você estará em perigo. Você estará propenso não só a ser enganado e iludido, mas o infortúnio poderá acometê-lo a qualquer hora. Você deve saber quem é que lhe traz o maior benefício. Alguém que aponta quando você comete um erro, e quando você se exalta e testifica de si mesmo e tenta enganar os outros, esse é o tipo de pessoa que mais beneficia você, e aproximar-se dele é a senda correta. Vocês conseguem fazer isso? Se alguém diz algo que humilha você, você guarda uma mágoa vitalícia dele e diz: ‘Por que você me expôs? Eu não maltratei você; por que você sempre dificulta as coisas para mim?’. Você guarda mágoa no coração, o que cria uma divisão, e você sempre sente que: ‘Como líder, eu tenho a posição e o status para proibir que você me diga isso’. Isso é expressão de quê? É expressão de não aceitar a verdade, de competir com os outros, e é um pouco insensato. Isso não é a preocupação com o status que se manifesta? Isso mostra um caráter extremamente corrupto. Pessoas que sempre se preocupam excessivamente com status são pessoas nas quais o caráter de anticristo é severo, e se, além disso, elas puderem cometer o mal, elas serão reveladas imediatamente. Pessoas que rejeitam a verdade e não conseguem aceitar a verdade estão em grande perigo. Sempre lutar por status e cobiçar os benefícios do status são sinais de perigo iminente. Se o coração de alguém é sempre governado pelo status, ele pode praticar a verdade e agir de acordo com os princípios? Se alguém não consegue praticar a verdade, e sempre faz coisas para adquirir fama e status, e sempre age explorando seu poder, ele não é obviamente um anticristo que está revelando suas cores verdadeiras?” (A Palavra, vol. 3: Expondo os anticristos, “Item Quatro: Eles se exaltam e dão testemunho de si mesmos”). Depois de ler essa passagem, percebi que os irmãos não me expunham e corrigiam para rir de mim, nem para me depreciar ou envergonhar, mas para me ajudar a conhecer a mim mesma. Isso era benéfico para a minha vida e garantia que eu não seguisse a senda errada. Lembrei-me de como, no ano passado, quando eu trabalhava com a irmã Chen, ela me expunha diretamente ao perceber que eu era muito arrogante e agia arbitrariamente. Ela estava me apoiando com amor. Ter alguém como ela do meu lado pra me supervisionar era benéfico pra minha entrada na vida. Mas, na época, eu não aceitava isso como vindo de Deus e entendia errado as boas intenções da irmã Chen. Só achava que ela estava prejudicando a minha imagem quando me expunha e corrigia diretamente, por isso desenvolvi um preconceito contra ela e a excluí. Tudo isso eram manifestações do meu caráter de anticristo. As palavras de Deus tinham me dado uma senda de prática. Eu devia gastar mais tempo com pessoas honestas e diretas que buscam a verdade, e quando fizesse algo errado e violasse os princípios, eu devia abandonar status e reputação e ouvir as ideias deles. Isso me ajudaria a não cometer o mal. Pensei em como, embora eu fosse líder de igreja, ainda havia muitos problemas que eu não entendia. Já que somos controlados pelo nosso caráter corrupto, inevitavelmente causaremos alguma perturbação e interrupção nos nossos deveres. Só se trabalharmos em harmonia com os outros e ajudarmos e apoiarmos uns aos outros poderemos cumprir nossos deveres e executar bem o trabalho da igreja. Quando entendi a vontade de Deus, eu me abri com a irmã Chen e pedi perdão a ela, e lhe contei toda a história de como eu a tinha atacado e oprimido. Quando ouviu isso, a irmã Chen não me menosprezou nem me odiou, como eu imaginara, mas só comungou sua experiência pra me ajudar. Quando nos abrimos e comungamos, somos capazes de deixar nossos preconceitos de lado.

Mais tarde, negligenciei alguns assuntos gerais porque estava ocupada com outros projetos e só me lembrei dois meses depois que devia me reunir com aqueles que tratavam dos assuntos gerais. A irmã Yang, que era responsável pelos assuntos gerais, não mediu palavras ao me criticar: “Você não se reúne conosco há dois meses. Você não resolveu os problemas que tivemos nos nossos deveres, e isso afetou negativamente a vida de todos nós. As palavras de Deus dizem que líderes e obreiros que atribuem trabalho, mas não o gerenciam, são falsos líderes”. Quando a irmã disse isso, eu tive emoções mistas: “Eu perguntei sobre seu estado nesses dois meses, só que não tão frequentemente. Além disso, estive ocupada com outro trabalho. Você não pode me chamar de falsa líder só por causa disso! Como você espera que eu continue verificando o seu trabalho se você diz coisas desse tipo? Se você me pegar cometendo algum erro de novo e me denunciar aos líderes superiores como falsa líder, eu não perderei meu status? Assim não dá; não posso permitir que você supervisione trabalho no futuro”. Mas então pensei em como eu tinha atacado e excluído a irmã Chen no mês anterior, e lá estava eu, de novo, não querendo permitir que a irmã Yang supervisionasse o trabalho após expressar sua opinião. Eu não estava atacando e excluindo aqueles que tinham opiniões diferentes? Nesse momento, lembrei-me de uma passagem das palavras de Deus. “Você deve se aproximar de pessoas que conseguem lhe dizer a verdade. Ter esse tipo de pessoa ao seu lado traz tantos benefícios, especialmente aquelas que, quando descobrem que você tem um problema, ousam criticar e expor você. Ter esse tipo de pessoa ao seu lado pode impedi-lo de se desviar. Se elas descobrirem que você fez algo que viola os princípios da verdade, elas o criticarão conforme necessário e exporão você conforme necessário, a despeito do seu status. Essa é uma pessoa honesta, com senso de justiça. Não importa como ela exponha e critique você, tudo isso pode ajudá-lo; tudo isso é supervisão e exortação para você. Você deve se aproximar desse tipo de pessoa. Com esse tipo de pessoa ao seu lado para ajudá-lo, você está muito mais seguro. Isso é a proteção de Deus” (A Palavra, vol. 3: Expondo os anticristos, “Item Quatro: Eles se exaltam e dão testemunho de si mesmos”). Lembrando-me das palavras de Deus, eu me acalmei aos poucos. A irmã Yang tinha sido um pouco dura, mas estava dizendo a verdade. Naquele tempo, eu não entendi o estado dela nem resolvi os problemas dela. E a vida dela realmente foi afetada. Como líder de igreja, era responsabilidade minha ficar a par dos estados das pessoas e resolver seus problemas — eu não podia fugir dessa responsabilidade, por mais ocupada que estivesse. Mas não me importei com a irmã Yang, e quando ela deu algumas sugestões, eu quis me vingar e atacá-la porque achava que tinha perdido a minha honra. Eu era muito tóxica! Quando a irmã Yang lidou comigo, ela estava supervisionando meu trabalho e praticando a verdade. Se eu a atacasse e me vingasse dela, eu estaria indo contra a verdade e cometendo o mal! Quando percebi isso, vim para diante de Deus em oração: “Amado Deus, percebi que tenho uma natureza maligna. A fim de salvar minha honra e proteger minha reputação, eu quis atacar e me vingar da irmã Yang. Isso é punir pessoas. Ó Deus, não quero mais agir de acordo com meu caráter corrupto. Estou pronta para praticar a verdade e aceitar as sugestões da irmã Yang”. Depois de orar, me senti culpada por como eu tinha tratado a irmã Yang e quis pedir perdão, mas, para a minha surpresa, a irmã Yang pediu perdão primeiro, dizendo que tinha passado do limite e falado com um caráter corrupto. Eu também pedi perdão à irmã Yang. Eu disse: “Você está certa. Eu não fiz trabalho prático e deveria refletir sobre isso”. Senti que essa situação era a maneira de Deus de me proteger. Quando deixei de fazer trabalho prático, Deus me expôs e me ajudou por meio dos meus irmãos. Deus opera de modo tão prático; graças a Ele!

Por meio dessa experiência, eu percebi que tinha sido profundamente corrompida por Satanás e cobiçava demais status e reputação. Para proteger honra e posição, eu até oprimia e excluía pessoas. Isso era muito desprezível e maligno. Percebi também que, não importa a situação que encaramos, devemos nos concentrar em refletir e conhecer a nós mesmos e em buscar a verdade para resolver nossos caracteres corruptos. Só então podemos evitar que cometamos o mal e resistamos a Deus. Graças a Deus!

O alarme dos últimos dias já tocou e grandes desastres já começaram. Você quer dar as boas-vindas ao retorno do Senhor e ter a chance de receber a proteção de Deus com sua família?

Conteúdo relacionado

O que resulta de adulação

Por Song Yu, Holanda Em 2019, eu estava treinando numa posição de liderança, trabalhando ao lado de Wang. Ao longo de nossas interações,...

Um despertar após uma vingança

Por Qingping, China Eu estava servindo como uma líder por um tempo numa igreja. A irmã Zhang, diaconisa evangelística, tinha um fardo por...

Entre em contato conosco pelo WhatsApp