As consequências da confiança cega em uma pessoa

27 de Setembro de 2022

Por Li Shuang, Filipinas

Em novembro de 2020, alguns irmãos acusaram minha parceira, a irmã Wang, de não fazer trabalho prático e de ser uma falsa líder. Nosso superior confirmou isso após verificar isso e a dispensou. Depois disso, ele me perguntou: “Você era a parceira dela. Você sabia que a irmã Wang não estava fazendo trabalho prático?”. Eu vacilei e não consegui explicar com clareza, então ele lidou comigo por só me concentrar no meu trabalho no meu dever, por ignorar outro trabalho e por ser egoísta, desprezível e irresponsável. Mais tarde, outros disseram que eu protegia a irmã Wang e que eu estava lhe dando cobertura. Confrontada com esse ambiente, eu sabia que eu devia aprender alguma lição, então comecei a refletir sobre mim mesma. Antes da dispensa da irmã Wang, eu tinha recebido uma denúncia que a acusava. A carta, escrita pelos obreiros evangelísticos, relatava que ela não fazia trabalho prático, que ela não comungava a verdade para resolver os problemas dos obreiros, e que ela só perguntava sobre o progresso do trabalho. Além disso, ela raramente perguntava sobre o estado dos irmãos que cumpriam seus deveres, e quando perguntava, ela agia sem se envolver. Nas reuniões, quando os irmãos lhe faziam perguntas, ela só dizia algumas palavras superficiais e ia embora sem resolver os problemas… Na época, eu não acreditei. Como a irmã Wang podia não estar fazendo trabalho prático? Ela não era só responsável pelo trabalho evangelístico, mas também pela produção de vídeos. Achei que ela devia estar ocupada acompanhando a produção de vídeos, por isso não tinha tempo para resolver os problemas dos irmãos no trabalho evangelístico. A irmã Wang era responsável por muitos aspectos do trabalho, por isso achei normal que ela não estava dando conta de tudo. Sempre que nosso superior perguntava sobre o progresso do trabalho, ela respondia fluentemente. Como ela conseguiria lidar com essas situações se não estivesse fazendo trabalho prático? Era possível que eles não estavam tratando a irmã Wang corretamente e não consideravam as dificuldades dela? Além disso, ela não era sobre-humana. Ela não podia fazer tudo bem. Não podiam culpá-la por tudo. Quando pensei assim, eu não levei a denúncia a sério. Só informei a supervisora evangelística sobre a situação. Mais tarde, ela me disse que o conteúdo da carta era basicamente verdadeiro, mesmo assim não a levei a sério. Achei que não existem líderes e obreiros sem desvios ou deficiências em seu trabalho. Não era um problema importante, portanto, não havia necessidade de tratá-lo como se fosse, e eu não fiz nada. Pensando nisso agora, é assustador. Depois de receber a denúncia, por que eu não investiguei e verifiquei em detalhe? Eu não discuti como lidar com isso com meus obreiros nem informei meu superior. Simplesmente arquivei a carta. Isso não era proteger a irmã Wang? Quanto mais pensava nisso, mais triste ficava. Também me perguntei: Por que eu não tinha princípios em minhas ações? Numa questão tão séria como a denúncia de um falso líder, como pude deixá-la de lado sem mais nem menos? Por que eu tinha tanta certeza de que a irmã Wang fazia trabalho prático? Eu estava me baseando em quê?

Mais tarde, depois de ler uma passagem das palavras de Deus, ganhei um pouco de entendimento desse problema. “Como se pode julgar se um líder está cumprindo suas responsabilidades, se ele é um falso líder? O mais fundamental é observar se ele é capaz de fazer trabalho real, se ele tem ou não esse calibre. Em segundo lugar, observe se ele realmente faz trabalho real. Ignore o que diz a boca dele e que tipo de entendimento da verdade ele tem; quando ele faz trabalho superficial, não se concentre em se ele tem calibre, se ele é talentoso e dotado, se ele faz esse trabalho bem ou não — essas coisas não são importantes. O crucial é se ele é capaz de executar adequadamente o trabalho mais fundamental da igreja, se ele é capaz de resolver problemas usando a verdade, se ele consegue conduzir as pessoas para a realidade da verdade. Esse trabalho é o mais fundamental e essencial. Se ele é incapaz de fazer esse trabalho real, então não importa quão bom é o calibre dele, quão talentoso ele é, quão capaz ele é de suportar adversidade e pagar um preço, ainda assim ele é um falso líder. Algumas pessoas dizem: ‘Esqueça que ele não fez trabalho real. O calibre dele é bom, e ele é capaz. Treine-o por um tempo, e é certo que ele será capaz de fazer trabalho real. E mais, ele nunca fez nada ruim, não cometeu nenhum mal, nem causou interrupção ou interferência, também — como você pode dizer que ele é um falso líder?’. Como explicar isso? Esqueça quão talentoso você é, quão grande é o seu calibre ou quão culto você é; o que importa é se você faz ou não trabalho real, e se você cumpre as responsabilidades de um líder ou não. Durante seu tempo como líder, você participou de cada trabalho específico dentro do escopo de sua responsabilidade, tantos problemas surgiram durante o trabalho, que você resolveu efetivamente, quantas pessoas vieram a entender os princípios da verdade por causa de seu trabalho, sua liderança, sua orientação, quanto do trabalho da igreja avançou e foi impulsionado? Isso é o que importa. Esqueça quantos mantras você sabe repetir, quantas palavras e doutrinas você dominou, esqueça quantas horas você gasta labutando todos os dias, quão exausto você está, e esqueça quanto tempo você gastou na estrada, quantas igrejas você visitou, quantos riscos assumiu, quanto sofreu — esqueça tudo isso. Só veja quão eficiente o trabalho dentro do seu escopo de responsabilidades tem sido, se ele alcançou algum desfecho, quantos dos arranjos da casa de Deus e das metas que você deveria alcançar você alcançou, quantos deles você levou à realização, quão bem você os levou à realização, quão bem eles têm sido acompanhados, quantas questões relacionadas a problemas de descuido, desvios ou violações dos princípios que apareceram no trabalho você resolveu, retificou, compensou, e quantos problemas relacionados aos recursos humanos, à administração ou às várias tarefas de especialistas você ajudou a resolver, e se você os solucionou de acordo com os princípios e as exigências da casa de Deus, e assim por diante — todos estes são os padrões pelos quais se avalia se um líder ou um obreiro está cumprindo suas responsabilidades” (A Palavra, vol. 4: Responsabilidades de líderes e obreiros). Depois de contemplas as palavras de Deus, entendi que, para avaliar se um líder é qualificado, o princípio mais importante é ver se ele consegue fazer trabalho prático, se ele realmente faz trabalho prático, se seu trabalho oferece uma senda às pessoas e se ele consegue resolver problemas práticos na entrada na vida e nos deveres dos outros. Se não consegue fazer isso, não importa quão grandes sejam seu calibre e dons nem quão eloquente seja, ele é um falso líder e deve ser dispensado. No caso da irmã Wang, embora ela tivesse feito algum trabalho prático no passado, quando a carga de trabalho aumentou, ela começou a mimar a carne e a cobiçar conforto. Ela nunca orientou o trabalho dos irmãos e embora, às vezes, ela se informasse sobre o trabalho, ela só agia sem se envolver. Ela não se concentrava em encontrar problemas, ela só perguntava sobre o progresso do trabalho, então, quando havia problemas e desvios no trabalho dos irmãos, ela não os entendia. Quando tinham dificuldades e negatividade em seus deveres, ela não oferecia ajuda nem comunhão, o que afetou diretamente o progresso do trabalho evangelístico. Quando alguns irmãos revelavam caracteres corruptos e buscavam a ajuda dela, suas respostas eram superficiais, ela não se importava com seus problemas nem os resolvia, e eles nunca ganhavam nada dela. A julgar pelo comportamento da irmã Wang, ela só queria fazer coisas que melhoravam sua imagem. Mas quando devia sofrer, pagar um preço e resolver problemas reais, ela evitava as coisas. Ela não fazia trabalho prático. Eu a julguei com base em minhas avaliações e impressões anteriores. Eu vivia em noções e imaginações. Eu era tão tola.

Mais tarde, refleti sobre mim mesma e me perguntei por que eu acreditava tanto em mim mesma e na irmã Wang. Qual era a raiz do problema? Eu li uma passagem das palavras de Deus. Deus Todo-Poderoso diz: “Os falsos líderes não investigarão supervisores que não estão fazendo trabalho real ou que estão negligenciando suas responsabilidades. Eles pensam que basta escolher um supervisor e tudo correrá bem; depois disso, o supervisor tratará de todos os assuntos de trabalho, e tudo que precisarão de fazer é reunir-se de vez em quando, não precisarão ficar de olho no trabalho nem perguntar como está indo, que não precisarão interferir. Se alguém relatar um problema com um supervisor, o falso líder dirá: ‘É apenas um problema pequeno, está tudo bem. Vocês podem lidar com isso sozinhos. Não me perguntem’. A pessoa que relata o problema diz: ‘Esse supervisor é um guloso preguiçoso. Não faz nada além de comer e se divertir e é preguiçoso. Não quer sofrer nem um pouco de adversidade em seu dever e sempre encontra maneiras de enganar e inventar desculpas para se esquivar de seu trabalho e responsabilidades. Ele não está qualificado para ser um supervisor’. O falso líder responderá: ‘Estava tudo em ordem com ele quando foi selecionado como supervisor. O que você diz não é verdade, e mesmo que seja, é apenas uma manifestação temporária’. O falso líder não tenta descobrir mais sobre a situação do supervisor, mas julga e determina a questão com base em suas impressões passadas da pessoa. Independentemente de quem relata problemas com o supervisor, o falso líder o ignora. O supervisor está fora de seu alcance, ele não é competente o bastante para completar seu trabalho e já está perto de estragar tudo — mas o falso líder não se importa. Já é deplorável o bastante que, quando alguém relata os problemas do supervisor, ele se finge de cego. Mas o que é a coisa mais desprezível de todas? Quando as pessoas o informam sobre problemas muito sérios que o supervisor está tendo, ele não tenta resolvê-los e até inventa todos os tipos de desculpas: ‘Eu conheço esse supervisor, ele realmente acredita em Deus, ele nunca teria nenhum problema. Mesmo que tivesse, Deus o protegeria e o disciplinaria. Se ele cometer algum erro, isso é entre ele e Deus — não precisamos nos preocupar’. É assim que falsos líderes funcionam: de acordo com suas noções e imaginações. Eles fingem entender a verdade e ter fé — com o resultado de que fazem uma bagunça com o trabalho da igreja ou até o paralisam, o tempo todo fingindo ignorância. Eles não são meros burocratas? Os falsos líderes são incapazes de fazer trabalho real e não abordam o trabalho dos líderes de grupo e dos supervisores nem com a menor seriedade. Sua opinião em relação às pessoas só se baseia em suas impressões e imaginações. Quando veem alguém se mantendo isento por algum tempo, eles acreditam que essa pessoa será boa para sempre, que ela não mudará; não acreditam em ninguém que diga que há um problema com essa pessoa, eles ignoram quando alguém aponta algo sobre a pessoa. […] Os falsos líderes são presunçosos demais, não são? O que eles pensam é: ‘Eu não estava errado quando descobri essa pessoa. Nada poderia dar errado; ela definitivamente não é alguém que fica à toa, que gosta de se divertir e odeia trabalho duro. Ela é absolutamente confiável. Ela não mudará; se mudasse, isso significaria que eu me enganei em relação a ela, não é?’. Que tipo de lógica é essa? Você é algum tipo de especialista? Você tem visão de raio X? Essa é a sua habilidade especial? Você poderia viver com essa pessoa por um ou dois anos, mas você seria capaz de ver quem ela realmente é sem um ambiente apropriado para desnudar totalmente a natureza e a essência dela? Se ela não fosse exposta por Deus, você poderia conviver com ela por três ou até cinco anos e ainda teria dificuldade de ver exatamente que tipo de natureza e essência ela tem. E quanto mais isso se aplica quando você raramente a vê, raramente se encontra com ela? Você confia nela displicentemente com base em uma impressão passageira ou numa avaliação positiva dela por outra pessoa e ousa confiar o trabalho da igreja a tal pessoa. Você não está sendo extremamente cego nisso? Não está sendo impetuoso? E quando eles trabalham desse jeito, os falsos líderes não estão sendo extremamente irresponsáveis?” (A Palavra, vol. 4: Responsabilidades de líderes e obreiros). A palavra de Deus me mostrou que, muitas vezes, falsos líderes julgam pessoas com base em suas noções e imaginações. Confiam nas pessoas com base em seu comportamento temporário e então lhes confiam o trabalho da igreja e começam a desleixar, e nunca buscam os princípios da verdade nem ouvem os outros que denunciam problemas. Eles só acreditam em si mesmos e se agarram às suas opiniões. São extremamente arrogantes e irresponsáveis. Meu comportamento não era igual ao que Deus revelava? Eu achava que a irmã Wang era responsável por muitas tarefas e estava sempre ocupada, mesmo assim, conseguia responder às perguntas do superior sobre o trabalho, por isso determinei que ela estava fazendo trabalho prático. Quando os irmãos a denunciaram, eu não os levei a sério. Achei que estavam exigindo demais dela e jogando toda a culpa nela. Mais tarde, eu soube que a irmã Wang mostrava alguns sinais de não fazer trabalho prático, mas pensei: “Ninguém é perfeito, devem existir razões boas pelas quais alguns trabalhos não são bem-feitos e não é um problema sério”. Por causa da minha arrogância, hipocrisia e autoconfiança, o problema da irmã Wang não foi resolvido por muito tempo, o que impediu o trabalho da igreja e prejudicou a entrada na vida dos irmãos. Quando vi que Deus revela que falsos líderes são presunçosos e julgam outros com base em suas noções, fiquei de coração partido. Eu era presunçosa demais. Eu carecia das realidades da verdade, não sabia discernir pessoas e não conseguia enxergar a essência das pessoas. Além disso, eu nunca supervisionei nem inspecionei o trabalho da irmã Wang, como ela implementava ou acompanhava as tarefas da igreja, se problemas eram resolvidos nem se trabalho real era feito. Eu não sabia nada sobre essas coisas e raramente perguntava sobre elas. Como pude confiar nela tão apressadamente? Mesmo quando pedia ajuda à minha amiga para comprar coisas, eu não me sentia segura. Eu temia que, quando me ajudava a escolher itens, ela não conferia a qualidade dos itens. E se ela comprasse produtos deficientes que não duravam muito? Então, a alertei inúmeras vezes. Quando ela trazia as coisas, eu as verificava com cuidado. Se eram inapropriadas, eu as devolvia prontamente para evitar qualquer perda. Quando se tratava dos meus interesses pessoais, eu não confiava em ninguém. Mas na questão importante da denúncia de uma falsa líder pelos irmãos, eu acreditei cegamente na irmã Wang com base em minha impressão temporária dela. Eu não me importei com o trabalho dela e não levei a sério quando alguém a acusou. Eu era irresponsável demais com o trabalho da igreja. Eu tivesse sido responsável e assumido um fardo no trabalho, eu teria supervisionado e inspecionado o trabalho da irmã Wang em vez de só ouvir as coisas boas que ela dizia, confiando cegamente nela e arquivando a carta de denúncia. Durante esse processo, eu nem tive uma atitude de buscar a verdade. Eu era muito arrogante e irracional por acreditar só em minha opinião. Eu tratava o trabalho da igreja com muita irresponsabilidade.

Mais tarde, li outra passagem das palavras de Deus: “Se, em seu coração, você realmente entender a verdade, você saberá como praticar a verdade e obedecer a Deus e naturalmente embarcará na senda de buscar a verdade. Se a senda que você trilha for a correta e estiver alinhada com a vontade de Deus, então a obra do Espírito Santo não o abandonará — nesse caso você correrá menos risco de trair a Deus. Sem a verdade, é fácil praticar o mal, e você o praticará a despeito de si mesmo. Por exemplo, se você tem um caráter arrogante e presunçoso, então ser ordenado a abster-se de se opor a Deus não faz diferença nenhuma, você não pode impedir, está fora de seu controle. Não faria isso de propósito; você o faria sob o domínio de sua natureza arrogante e vaidosa. Sua arrogância e vaidade fariam com que você desprezasse a Deus e O visse como um ser sem importância; fariam você se exaltar, e se colocar sempre na vitrine; levariam você a desprezar os outros, não deixariam ninguém em seu coração além de você mesmo; roubariam o lugar de Deus em seu coração e, no fim, levariam você a se sentar no lugar de Deus e a exigir que as pessoas se submetessem a você e a fazer com que você venerasse seus próprios pensamentos, ideias e noções como a verdade. Tanto mal é feito pelas pessoas sob o domínio da natureza arrogante e vaidosa delas!” (A Palavra, vol. 2: As declarações de Cristo dos últimos dias, “Somente buscando a verdade pode-se alcançar uma mudança no caráter”). Depois de ler as palavras de Deus, senti muita vergonha. Eu era a pessoa arrogante revelada na palavra de Deus. Ao lidar com denúncias, uma pessoa racional com um coração que teme a Deus seria cautelosa, analisaria o problema a partir de uma perspectiva imparcial e justa, não confiaria precipitadamente em nenhum lado nem decidiria um caso arbitrariamente. Ela analisaria e verificaria o problema exposto pelos irmãos e então lidaria com isso de acordo com os princípios Mas quando recebi a denúncia, eu não busquei os princípios para lidar com denúncias e não entrei nos detalhes para ver se os problemas denunciados eram verdadeiros. Em vez disso, fiquei do lado da irmã Wang e julguei aqueles que a acusavam. Mesmo quando o supervisor descobriu que os problemas eram reais e os fatos me foram apresentados, eu os ignorei e desdenhei o que outros tinham verificado. Eu era muito arrogante e teimosa. Eu não tinha nenhum temor de Deus. Eu acreditava tanto em mim mesma que arquivei a carta sem verificá-la. Isso não era ficar do lado de uma falsa líder para protegê-la? Meus irmãos tiveram a coragem de denunciar uma falsa líder. Tiveram um senso de justiça e defenderam o trabalho da igreja. Como líder, eu deveria tê-los apoiado e verificado a denúncia de acordo com os princípios, e, se fosse determinado que a irmã Wang era uma falsa líder, eu deveria ter me apressado para transferi-la ou dispensá-la. Mas eu vi essa denúncia legítima como exigência exagerada a líderes e obreiros. Em essência, eu estava protegendo uma falsa líder, oprimindo meus irmãos e não permitindo que os irmãos tivessem qualquer objeção aos líderes ou obreiros. Isso não era igual aos funcionários do grande dragão vermelho que protegem uns aos outros? No mundo externo, onde funcionários governam e dão as ordens, as pessoas comuns não têm direito de falar. Nem ousam dizer “não” aos líderes, temendo que eles dificultarão sua vida. Em casos severos, as pessoas são até torturadas. Mas na casa de Deus, a verdade governa e é Deus que detém o poder. A casa de Deus trata as pessoas de acordo com os princípios. Não importa o status de uma pessoa, se ela não fizer trabalho prático nem praticar a verdade, a casa de Deus verificará, investigará e tratará do assunto de acordo com os princípios. Isso mostra a justiça de Deus, que é totalmente diferente do mundo externo. Mas eu como líder não lidei nem resolvi a denúncia após recebê-la. Em vez disso, em minha arrogância, eu defendia quem eu queria defender e não tinha princípios da verdade. Esse era o comportamento de um falso líder e era Satanás detendo poder. Esse pensamento me fez estremecer de medo. Por ter agido sem princípios, os irmãos tinham vivido sob uma falsa líder, suas situações e dificuldades não puderam ser resolvidas e eles viveram em dor e escuridão. Eu não estava prejudicando meus irmãos? Eu era detestável! Vim para diante de Deus e orei: “Deus, não quero mais fazer as coisas de acordo com minha vontade. Por favor, guia-me a resolver meu caráter arrogante”.

Mais tarde, busquei uma senda de prática para resolver meu caráter arrogante nas palavras de Deus. Nas palavras de Deus, eu li: “Como você deveria refletir sobre si mesmo e tentar se conhecer quando você fez algo que viola os princípios da verdade e desagrada a Deus? Quando você estava prestes a fazer aquela coisa, você orou a Ele? Alguma vez considerou: ‘Fazer as coisas desse jeito está alinhado com a verdade? Como essa questão seria vista por Deus se fosse levada para diante Dele? Ele ficaria feliz ou Se irritaria se soubesse dela? Ele a detestaria ou se enojaria com ela?’. Você não buscou isso, buscou? Mesmo se outros o tivessem lembrado, mesmo assim você teria pensado que o assunto não era importante e que não contrariava nenhum princípio e não era um pecado. Como resultado, você ofendeu o caráter de Deus e provocou ira Nele, até a ponto de Ele desdenhar você. Isso é produzido pela rebeldia das pessoas. Portanto, você deve buscar a verdade em todas as coisas. Isso é o que você deve seguir. Se você puder vir para diante de Deus com sinceridade para orar de antemão e depois buscar a verdade de acordo com as palavras de Deus, você não errará. Poderá ter alguns desvios na sua prática da verdade, mas isso é difícil de evitar, e você será capaz de praticar corretamente depois de ganhar certa experiência. No entanto, se você sabe agir de acordo com a verdade, porém não a pratica, o problema é o seu desgostar da verdade. Aqueles que não amam a verdade nunca a buscarão, não importa o que aconteça com eles. Apenas aqueles que amam a verdade têm um coração que teme a Deus, e quando acontecem coisas que eles não entendem, eles são capazes de buscar a verdade. Se não consegue entender a vontade de Deus e não sabe como praticá-la, você deve buscar a verdade através da comunhão com alguém que entende a verdade. Se não conseguir encontrar alguém que entende a verdade, você deverá encontrar algumas pessoas com as quais possa orar a Deus com uma mente e um coração, buscar de Deus, aguardar o tempo de Deus e esperar que Deus abra um caminho para você. Contanto que todos vocês anseiem pela verdade, busquem a verdade e comunguem a verdade juntos, pode chegar o momento em que um de vocês encontre uma boa solução. Se todos vocês acharem a solução adequada e é um bom caminho, isso pode ter sido devido à iluminação e ao esclarecimento do Espírito Santo. Se depois vocês continuarem a comungar para encontrar um caminho mais correto de prática, este certamente estará alinhado com os princípios da verdade” (A Palavra, vol. 2: As declarações de Cristo dos últimos dias, “Parte 3”). As palavras de Deus apontaram a senda de prática. Para cumprir nosso dever de acordo com a vontade de Deus, devemos ter um coração que teme a Deus. Quando fazemos coisas, devemos ser capazes de buscar e descobrir se existe uma base na palavra de Deus, se elas estão alinhadas com os princípios e qual é a vontade de Deus. Desse jeito, ao examinarmos a nós mesmos com frequência, podemos evitar seguir nosso próprio caminho e fazer coisas que interrompem o trabalho da igreja. Além disso, devemos negar a nós mesmos e ouvir as sugestões dos nossos irmãos com uma mente aberta. Especialmente em coisas que não são claras para nós e que envolvem trabalho importante da igreja, devemos buscar e comungar com os colegas e agir com princípios após chegar a um consenso. Se acreditamos cegamente em nós mesmos e fazemos o que queremos, é fácil fazer coisas que ofendem a Deus. Por meio desse fracasso, vi que eu não tinha nenhuma realidade da verdade nem sabia discernir pessoas. Quando coisas aconteciam comigo depois disso, eu não ousava mais insistir em minha opinião e conseguia negar a mim mesma e buscar os princípios da verdade.

Mais tarde, comecei a regar recém-convertidos e assumi a responsabilidade pelo trabalho de um grupo. Uma vez, a líder pediu que eu monitorasse e inspecionasse o trabalho de alguns irmãos. Eu conhecia todos eles e eles eram bastante pés-no-chão, por isso achei que não teria que investigá-los tantas vezes e que não haveria nenhum problema grave. Mas então pensei: “Eu não investiguei nem acompanhei o trabalho, mas tenho certeza de que não haverá nenhum problema. Isso não é cumprir meu dever a partir do meu caráter arrogante?”. Então, depois de investigar, Descobri que havia muitos problemas e desvios no trabalho, e, por meio de comunhão e resolução de problemas, o trabalho melhorou aos poucos. Vi que, só se eu não confiar em meu caráter arrogante e se for capaz de buscar os princípios da verdade em todas as coisas, eu posso alcançar resultados em meu dever.

O alarme dos últimos dias já tocou e grandes desastres já começaram. Você quer dar as boas-vindas ao retorno do Senhor e ter a chance de receber a proteção de Deus com sua família?

Conteúdo relacionado

Minha filha à porta da morte: eu testemunho um milagre ao orar a Deus

Já era depois das onze horas da manhã em 8 de outubro de 2011, e eu estava preparando o almoço em casa, quando, de repente, o telefone tocou. Assim que atendi, a pessoa que me ligava disse ansiosamente: “Lanlan se envolveu num acidente de carro, e estão tentando salvá-la no hospital municipal.

Entre em contato conosco pelo WhatsApp