O despertar em meio a provações

20 de Novembro de 2020

Após aceitar a obra de Deus Todo-Poderoso dos últimos dias, eu lia as palavras de Deus todo dia e me empenhava em pregar o evangelho e cumprir meu dever. Nunca parei, não importava o que houvesse. Então, fui diagnosticada com hipertireoidismo moderado e o médico mandou que eu descansasse bastante. Mas pensei: “Não tem sido fácil acolher o retorno do Senhor, e não posso deixar que essa leve doença interfira em meu dever. Desde que eu continue cumprindo meu dever, Deus cuidará de mim e me protegerá.”

Mais de um ano se passou e minha doença foi piorando. Mesmo o ato de engolir foi ficando difícil, então fui ao hospital para fazer exames. O médico disse que minha condição tinha se agravado e que eu tinha de ser operada imediatamente. Ele disse que, caso contrário, minha condição poderia se tornar fatal. Fiquei espantada, sem saber o que fazer. Nunca imaginei que aquela doença pudesse ter piorado tanto. Na época, eu só tinha vinte e poucos anos, e pensei comigo: “Ainda sou tão jovem. E se eu não puder ser curada dessa condição? Sempre cumpri meu dever com entusiasmo desde que comecei a crer em Deus. Até larguei o meu trabalho. Por que Deus não estava me protegendo? Como esta doença pôde piorar? Um dia antes da cirurgia, de tarde, passei por outra ala do hospital. Um dos pacientes dessa ala tinha morrido, e toda a família estava em prantos. Aquilo me assustou. Senti como se a morte também estivesse se aproximando de mim, e eu ia ser operada na manhã do dia seguinte. O médico tinha dito que havia um grande risco e que era difícil prever o resultado da cirurgia. Pensei: “E se a cirurgia fracassar? Fiz tantos sacrifícios em minha fé... Será que foi tudo em vão?” De volta à minha ala, deitei na cama, e quanto mais eu pensava nisso, mais agitada eu ficava. Fiquei invocando a Deus, pedindo que Ele me protegesse e me mantivesse calma diante Dele, impedindo-me de me sentir limitada pelo que estava acontecendo. Após orar, pensei nesta passagem das palavras de Deus: “Quem dentre toda a humanidade não é cuidado aos olhos do Todo-Poderoso? Quem não vive em meio à predestinação do Todo-Poderoso? A vida e a morte do homem acontecem por escolha própria? O homem controla o seu próprio destino? Muitas pessoas clamam pela morte, mas ela está longe delas; muitas pessoas querem ser aquelas que são fortes na vida e temem a morte, ainda assim, sem o conhecimento delas, o dia de sua morte se aproxima, afundando-as no abismo da morte; muitas pessoas olham para os céus e suspiram profundamente; muitas pessoas choram com grandes soluços lamuriosos; muitas pessoas caem em meio às provações; e muitas pessoas tornam-se prisioneiras da tentação” (‘Capítulo 11’ das Palavras de Deus para todo o universo em “A Palavra manifesta em carne”). As palavras de Deus me deram fé. Deus detém em Suas mãos o destino da humanidade, e as pessoas não podem decidir seu destino por si mesmas. Se a cirurgia seria bem-sucedida ou não e se eu sobreviveria ou não, tudo estava nas mãos de Deus. Orientada pelas palavras Dele, não me senti mais tão preocupada ou amedrontada. Eu estava disposta a esperar em Deus, confiar minha cirurgia a Ele e me submeter ao Seu governo.

Naquela tarde, enquanto todos os outros pacientes da ala dormiam, fiquei deitada, sem conseguir pregar o olho. Fiquei imaginando a vontade de Deus ao permitir que aquela doença me sobreviesse e que lições eu deveria aprender. Um hino das palavras de Deus vieram à minha mente: “Quantos creem em Mim apenas para que Eu possa curá-los. Quantos creem em Mim apenas para que Eu possa usar Meus poderes para expulsar espíritos impuros de seu corpo e quantos creem em Mim simplesmente para que possam receber paz e alegria de Mim. Quantos creem em Mim apenas para exigir de Mim maior riqueza material. Quantos creem em Mim apenas para passar esta vida em paz e estar sãos e salvos no mundo por vir. Quantos creem em Mim para evitar o sofrimento do inferno e receber as bênçãos do céu. Quantos creem em Mim apenas em busca de conforto temporário, mas não buscam ganhar nada no mundo por vir. Quando Eu fiz descer Minha fúria sobre o homem e tomei toda a alegria e paz que ele outrora possuía, o homem se tornou duvidoso. Quando Eu dei ao homem o sofrimento do inferno e recuperei as bênçãos do céu, a vergonha do homem se transformou em raiva. Quando o homem Me pediu para curá-lo, Eu não lhe dei atenção e senti repulsa por ele; o homem apartou-se de Mim para buscar, ao contrário, a senda do curandeirismo e da feitiçaria. Quando Eu tirei tudo que o homem tinha exigido de Mim, todos desapareceram sem deixar vestígios. Assim, Eu digo que o homem tem fé em Mim porque Eu concedo graça demais e há muitíssimo mais a ganhar” (‘As intenções desprezíveis por trás da crença do homem em Deus’ em “Seguir o Cordeiro e cantar cânticos novos”).

As palavras de Deus descreveram precisamente o meu estado. Eu acreditava em Deus só para obter graça e bênçãos Dele em troca. Eu tinha fé em Deus apenas para o meu próprio benefício. Percebi que estive discutindo com Deus em meu coração desde que o médico disse que minha doença havia piorado, pensando que, por ter aberto mão de muitas coisas e me despendido por Deus, ele deveria cuidar de mim e me proteger, e que eu não devia ter contraído uma doença tão séria. Eu estava cheia de equívocos e queixas sobre Deus. Depois, vi aquela cena na outra ala, com o paciente que havia morrido, e temi ainda mais que minha cirurgia fracassasse. Senti como se tudo de que desisti e o tanto que me despendi na fé não puderam me salvar nem me render o reino de Deus, que eu não havia ganhado nada. Contrapondo as revelações das palavras de Deus aos fatos, vi que minha perspectiva ao cumprir meu dever era a de obter bênçãos e benefícios. Quando Deus não me concedeu a paz e as alegrias mundanas, eu O culpei e O interpretei mal. Isso não era fé em Deus! Era apenas negociar com Deus. Fui tão egoísta e desprezível! Como essa fé poderia estar de acordo com a vontade de Deus? No intuito de nos salvar de uma vez por todas do domínio de Satanás, Deus se tornou carne pessoalmente para realizar Sua obra, para expressar a verdade para purificar e salvar o homem, e assim estaríamos livres da influência de Satanás e nossos caracteres de vida mudariam, e então poderíamos ser salvos. Desfrutei da rega e provisão de inúmeras palavras de Deus. Mas quando me deparei com uma provação, não busquei entender a vontade de Deus nem pensei sobre como dar testemunho em meio a provações para satisfazer a Ele. Ainda assim, eu queria as bênçãos e a graça Dele. Simplesmente comecei a reclamar ao adoecer. Fui muito rebelde, sem um pingo de consciência ou razão. Eu não estava apta a viver diante de Deus. Mesmo assim, Deus não desistiu de mim, mas usou Suas palavras para me iluminar e me guiar para que assim eu pudesse entender Sua vontade e reconhecer minha corrupção e defeitos. Senti o amor de Deus por mim e me comovi. Então orei a Deus em meu coração, dizendo que queria aceitar e enfrentar a cirurgia no dia seguinte com um coração obediente. Na manhã seguinte, fui levada à sala de cirurgia e me sentia muito calma. Quase 9 horas depois, finalizaram a cirurgia. Quando acordei, o médico me disse que a cirurgia tinha sido bem-sucedida. Em silêncio, agradeci a Deus em meu coração. Eu sabia que Deus tinha cuidado de mim e me protegido o tempo todo. Após receber alta do hospital, rapidamente me recuperei e, em pouco tempo, estava de volta à igreja, cumprindo meu dever outra vez.

Dois anos passaram voando, e comecei a sentir palpitações mesmo depois de fazer o menor esforço, então fui de novo ao hospital para fazer exames. O médico falou que meu hipertireoidismo havia irrompido novamente e que deveria ser tratado de forma conservadora, pois era a única maneira de controlá-lo. Pensei comigo: “Já fui testada e refinada uma vez. Não posso mais me permitir crer em Deus em troca de bênçãos. O que quer que aconteça com essa doença, não culparei a Deus.” Naquele período, continuei cumprindo meu dever enquanto tomava os remédios. Contudo, conforme os anos se passaram, minha saúde continuou a se deteriorar. Eu não tinha nenhuma energia, minhas pernas estavam inchadas e dormentes e minhas costas doíam tanto que eu não conseguia ficar reta. Subir alguns degraus de escadas era o bastante pra me deixar ofegante e com o coração batendo tão forte que parecia querer explodir no meu peito. Parecia que eu ia entrar em colapso a qualquer momento. Comecei a me preocupar: “Se isso piorar, como cumprirei meu dever? E se eu não puder cumpri-lo, será que serei elogiada por Deus e obterei um bom final e destino? Toda a minha fé até então terá sido por nada?” Mas então, pensei; “Só tenho de continuar me despendendo por Deus e Ele cuidará de mim e me protegerá. Continuarei cumprindo meu dever e fazendo boas ações até meu último suspiro. E então terei um bom destino.” E assim, suportei a dor da doença e continuei cumprindo meu dever.

Um dia, logo que acabei de tomar o café, minhas gengivas começaram a sangrar de repente, sem nenhum motivo. Visto que não pararam de sangrar até a noite, corri para o hospital para que examinassem. O médico disse que desenvolvi lúpus eritematoso sistêmico e nefrite lúpica. Disse que aquelas condições eram difíceis de tratar e tinham uma alta taxa de mortalidade. Que a comunidade médica nunca achou uma cura definitiva, que minha condição era gravíssima e que eu poderia não durar mais um mês. Fiquei chocada ao ouvir isso. Pensei: “Continuei cumprindo meu dever enquanto estava doente e nesse meio tempo até fiz algum progresso. Como pude ter adquirido essa doença, tão difícil de tratar, que posso até não viver mais um mês? Acredito em Deus há tantos anos. Abri mão de minha família e meu trabalho para me despender por Ele. Não fiz tudo isso para ser elogiada por Deus, para entrar em Seu reino e receber Suas bênçãos? Mas agora, não só não fui abençoada por Deus, mas vou morrer em breve. Estou sofrendo tanto agora.”

Naquela noite, me revirei na cama sem conseguir dormir. Não conseguia parar de pensar que eu poderia não durar mais um mês. Eu ainda era jovem e a jornada da minha estava prestes a acabar. Nunca teria pensado que, após crer em Deus por tanto tempo, eu morreria sem nem mesmo ver a beleza do reino. Eu simplesmente não conseguia aceitar. Não pude conter as lágrimas. Eu estava sofrendo demais e me sentindo muito fraca. Fiz uma oração a Deus: “Querido Deus, Tua vontade está por trás desta provação que me sobreveio, e devo dar testemunho para satisfazê-Lo. Mas sinto-me fraca agora e não consigo aceitar nem me submeter. Por favor, guia-me para que eu entenda a Tua vontade.”

Após orar, li isto nas palavras de Deus: “Em sua crença em Deus, o que as pessoas buscam é obter bênçãos para o futuro; esse é o objetivo delas em sua fé. Todas as pessoas têm essa intenção e essa esperança, mas a corrupção na natureza delas deve ser resolvida por meio de provações. Em quaisquer aspectos que você não esteja purificado, esses são os aspectos nos quais você deve ser refinado — esse é o arranjo de Deus. Deus cria um ambiente para você, forçando-o a ser refinado ali para que você possa conhecer a sua própria corrupção. No fim, você chega a um ponto no qual preferiria morrer e desistir de seus esquemas e desejos, e se submeter à soberania e ao arranjo de Deus. Portanto, se não têm vários anos de refinamento, se não suportam certa quantidade de sofrimento, as pessoas não serão capazes de se livrar do cativeiro da corrupção da carne em seus pensamentos e em seu coração. Em quaisquer aspectos que você ainda esteja sujeito ao cativeiro de Satanás, em quaisquer aspectos que você ainda tenha desejos próprios e exigências próprias, esses são os aspectos nos quais você deve sofrer. Só por meio do sofrimento as lições podem ser aprendidas, lições essas que significam ser capaz de ganhar a verdade e entender a vontade de Deus. De fato, muitas verdades são entendidas por meio de vivenciar provações dolorosas. Ninguém pode entender a vontade de Deus, reconhecer a onipotência e a sabedoria de Deus nem apreciar o caráter justo de Deus quando está em um ambiente confortável e tranquilo ou quando as circunstâncias são favoráveis. Isso seria impossível!” (‘Como se deve satisfazer a Deus em meio a provações’ em “Registros das falas de Cristo”). “Em que bases as pessoas viviam antes? Todas as pessoas vivem para si mesmas. Cada um por si e o demônio pega quem fica por últimoesse é o resumo da natureza do homem. As pessoas creem em Deus por causa de si mesmas; abandonam coisas, despendem-se para Deus e são fiéis a Deus, mas ainda assim fazem todas essas coisas para si mesmas. Em suma, tudo é feito para o propósito de ganhar bênçãos para si mesmas. Na sociedade, tudo é feito pelo benefício pessoal; crer em Deus é algo que se faz apenas para ganhar bênçãos. É para ganhar bênçãos que as pessoas se desfazem de tudo e conseguem suportar muito sofrimento: tudo isso é evidência empírica da natureza corrupta do homem” (‘A diferença entre mudanças externas e mudanças no caráter’ em “Registros das falas de Cristo”). Depois de ler as palavras de Deus, percebi que estamos tão corrompidos por Satanás, que nosso objetivo na fé se tornou ganhar bênçãos. Deus nos testa e nos refina continuamente para transformar nossas visões errôneas sobre a busca, para nos habilitar a alcançar a mudança em nossos caracteres de vida e nos submeter genuinamente a Ele. Ao me lembrar de quando comecei a crer em Deus, encarei Deus como um amuleto da sorte, como um poço de desejos. Pensei que, abrindo mão das coisas e me despendendo por Deus, Ele cuidaria de mim e me protegeria se eu ficasse doente. Quando descobri que tinha lúpus e não duraria mais um mês, meu anseio por bênçãos foi totalmente destruído, e comecei a discutir com Deus e a culpá-Lo por estar sendo injusto. Embora eu tivesse passado por uma provação e soubesse que minha fé em Deus não deveria ser motivada pelo desejo por bênçãos, quando meu futuro e destino estavam envolvidos, não consegui deixar de culpar a Deus e me equivocar sobre Ele. Meu desejo por bênçãos era muito forte. Eu vivia segundo o veneno de Satanás que diz: “Cada um por si e o demônio pega quem fica por último” Tudo que eu fazia era para o meu próprio benefício e até fiz acordos com Deus, tentando usá-lo enquanto cumpria meu dever. Como chamar aquilo de cumprir meu dever? Aquilo não era rebelar-se contra Deus e resistir a Ele? Pensei em como Paulo trabalhou para o Senhor e em como ele sofreu e se despendeu. Após trabalhar por um tempo, ele passou a usar seu trabalho como capital e, insensato, quis que Deus o recompensasse e lhe desse uma coroa da justiça em troca. Ele até mesmo afirmou, descaradamente: “Combati o bom combate, acabei a carreira, guardei a fé. Desde agora, a coroa da justiça me está guardada” (2 Timóteo 4:7-8). Paulo não buscava a verdade, mas apenas bênçãos. A senda que ele seguia era a senda de resistência a Deus, e no final Deus o puniu. Eu acreditava em Deus havia anos só para obter graça e bênçãos em troca. Quando provação e refinamento que ameaçaram minha vida recaíram sobre mim, descaradamente criei um drama e me opus a Deus. Isso não me tornava exatamente como Paulo! Então li uma passagem das palavras de Deus: “Você deve saber que tipo de pessoa Eu desejo; a quem é impuro não se permite entrar no reino, a quem é impuro não se permite macular o solo santo. Ainda que possa ter feito muito trabalho e trabalhado por muitos anos, no fim, se você ainda é deploravelmente imundo, será intolerável para a lei do Céu que você deseje entrar no Meu reino! Desde a fundação do mundo até hoje, nunca ofereci fácil acesso ao Meu reino àqueles que Me bajulam. Esta é uma regra celestial, e ninguém pode infringi-la! Você deve buscar a vida. Hoje, os que serão tornados perfeitos são do mesmo tipo que Pedro. Eles são aqueles que procuram mudanças em seu próprio caráter e que se dispõem a dar testemunho de Deus e a cumprir seu dever como criaturas de Deus. Somente pessoas como essas serão tornadas perfeitas. Se você só busca recompensas e não procura mudar seu próprio caráter de vida, então todos os seus esforços serão inúteisessa é uma verdade inalterável!” (‘O sucesso ou o fracasso dependem da senda que o homem percorre’ em “A Palavra manifesta em carne”). Conforme refletia sobre essas palavras, entendi que sempre há significado na obra de refinamento que Deus realiza. Deus usa provações para nos purificar e nos transformar, para nos fazer entender melhor nossos caracteres corruptos e para que possamos nos submeter a Ele sinceramente, e assim sejamos aperfeiçoados e ganhos por Deus. Eu estava doente outra vez e minha vida estava ameaçada. Deus estava me refinando por meio daquela doença para curar minhas visões errôneas sobre a busca, e assim meus caracteres corruptos poderiam ser purificados e transformados e eu poderia me submeter a Deus e amá-Lo genuinamente. Tudo que Deus estava fazendo em mim era amor e salvação da parte Dele, com esforços minuciosas por trás de tudo. Eu me senti comovida diante dessa ideia e comecei a sentir remorso e arrependimento pela minha rebeldia. Fiz uma oração silenciosa a Deus, com o desejo de me colocar em Suas mãos. Vivendo ou morrendo, eu só queria me submeter ao governo e aos arranjos Dele.

Uma manhã, li esta passagem das palavras de Deus: “Como o homem deveria amar Deus durante o refinamento? Usando a resolução de amá-Lo para aceitar Seu refinamento: durante o refinamento, você é atormentado por dentro, como se uma faca estivesse sendo revolvida em seu coração, ainda assim você está disposto a satisfazer Deus usando o seu coração, que O ama, e não está disposto a se importar com a carne. É isso o que quer dizer praticar o amor a Deus. Você está machucado por dentro e seu sofrimento alcançou certo ponto, ainda assim você está disposto a vir diante de Deus e orar, dizendo: ‘Oh, Deus! Não posso abandonar-Te. Embora haja trevas dentro de mim, desejo satisfazer-Te; Tu conheces meu coração e eu gostaria que investisses mais do Teu amor em mim’. Essa é a prática durante o refinamento. Se usar o amor a Deus como o fundamento, o refinamento pode trazer você para mais perto de Deus e torná-lo mais íntimo Dele. Já que você acredita em Deus, precisa entregar seu coração diante de Deus. Se você oferecer e depositar seu coração diante de Deus, então, durante o refinamento, será impossível você negar Deus ou abandoná-Lo. Dessa forma, seu relacionamento com Deus se tornará cada vez mais íntimo e cada vez mais normal, e sua comunhão com Deus se tornará cada vez mais frequente. Se praticar sempre dessa maneira, então você passará mais tempo na luz de Deus e mais tempo sob a orientação de Suas palavras. Também haverá cada vez mais mudanças em seu caráter e seu conhecimento aumentará dia a dia” (‘Só ao experimentar o refinamento o homem pode possuir o amor verdadeiro’ em “A Palavra manifesta em carne”). As palavras de Deus me deram uma senda para a prática. Embora nossa carne sofra com as provações, se ainda pudermos renunciar à nossa carne e nos submeter às orquestrações e arranjos de Deus, orar a Ele e buscar Sua vontade, podemos ganhar Sua orientação, entender a verdade, e nossos caracteres corruptos satânicos serão gradativamente transformados e chegaremos a conhecer a Deus. Pensei na oração que Pedro fez a Deus durante seu refinamento: “Mesmo que eu morresse depois de Te conhecer, como eu poderia não fazê-lo com alegria e felicidade?” (‘Capítulo 6’ das Palavras de Deus para todo o universo em “A Palavra manifesta em carne”). Pensei: “Posso não ter uma estatura como a de Pedro, mas ainda posso tentar imitá-lo. Posso buscar conhecer a Deus e ganhar a verdade enquanto passo por provações e refinamento, entregando-me inteiramente nas mãos de Deus e submetendo-me ao governo e aos arranjos Dele.” Quando pensei assim, não me senti mais limitada pela minha doença ou pela morte. Posteriormente, continuei com meu tratamento normalmente. Orei a Deus e li Suas palavras todos os dias e senti meu coração se aproximar de Deus. Uma sensação absoluta de paz brotou dentro de mim. Depois de duas semanas, minha condição estava sob controle e lentamente recuperei minha saúde. Meu semblante também começou a melhorar. Depois disso, voltei a realizar meu dever na igreja e me senti em paz todos os dias.

Cerca de seis meses depois, fui ao hospital fazer exames e soube que todos os indicadores para a minha condição tinham voltado ao normal. Espantando, meu médico disse: “Nunca esperava que, após ter estado tão doente, você se recuperasse tão depressa, em apenas seis meses! Você não parece nem um pouco doente. É inacreditável!” Ao ouvir o médico dizer isso, dei graças sinceras a Deus e O louvei. Eu sabia que aquilo havia sido a onipotência e soberania de Deus em ação, e pude sentir o amor e a salvação Dele por mim!

Conforme relembro essa provação de doença, embora eu tenha vivenciado dor e fraqueza, com a orientação das palavras de Deus passei a entender o significado por trás da obra de Deus de provações e refinamento. Também compreendi um pouco sobre a vontade de Deus de salvar o homem, e os motivos e visões errôneos que eu possuía em minha fé foram curados. Do fundo do meu coração, sinto como é maravilhoso passar por provações e refinamento como esses! Agradeço a Deus por me dar tesouros assim na vida!

Quando o desastre vem, como nós cristãos devemos lidar com ele? Convidamos você a participar da nossa reunião online, onde podemos explorar juntos e encontrar o caminho.
Venha conversar com a gente
Entre em contato conosco pelo Whatsapp

Conteúdo relacionado

Uma maneira maravilhosa de viver

Quando era pequena, meus pais me ensinaram a não ser franca com os outros e a nunca arrumar confusão. Essa era uma filosofia para a vida....