Aplicativo da Igreja de Deus Todo-Poderoso

Ouça a voz de Deus e dê as boas vindas ao retorno do Senhor Jesus!

Convidamos a todos os buscadores da verdade que entrem em contato conosco.

Quais são as diferenças entre as palavras das pessoas usadas por Deus através dos tempos, que condizem com a verdade, e as palavras do Próprio Deus?

7

Palavras de Deus relevantes:

A verdade vem do mundo do homem, mas a verdade entre os homens é transmitida por Cristo. Ela origina-se em Cristo, isto é, no Próprio Deus, e é inatingível ao homem.

de ‘O sucesso ou o fracasso dependem da senda que o homem percorre’ em “A Palavra manifesta em carne”

A verdade é o mais real dos aforismos da vida e o mais alto de tais aforismos entre toda a humanidade. Porque ela é a exigência que Deus faz ao homem e é a obra realizada pessoalmente por Deus, é chamada de aforismo da vida. Não é um aforismo resumido de alguma coisa, nem uma citação famosa de uma grande personalidade; em vez disso, é a declaração para a humanidade do Mestre dos céus e da terra e de todas as coisas e não algumas palavras resumidas pelo homem, mas a vida inerente de Deus. E assim é chamado o mais alto de todos os aforismos da vida.

de ‘Somente aqueles que conhecem Deus e Sua obra podem satisfazer Deus’ em “A Palavra manifesta em carne”

Você tem de entender o escopo real da verdade e entender o que está fora do escopo da verdade.

Se as pessoas alcançarem certas percepções e certo entendimento com base nas próprias experiências com as palavras da verdade, isso conta como verdade? O melhor que pode ser dito é que chegaram a determinado entendimento da verdade. Todas as palavras de iluminação do Espírito Santo não representam a palavra de Deus, não representam a verdade, não fazem parte da verdade. Só se pode dizer que tais pessoas tiveram certo entendimento da verdade, uma iluminação do Espírito Santo. […] Todos podem experimentar a verdade, mas as situações de sua experiência serão diferentes, assim como é diferente o que cada um obtém da mesma verdade. Mas, até depois de combinar a compreensão de todos, você ainda não consegue explicar completamente essa verdade única; a verdade é profunda demais! Por que digo que tudo que você obteve e todo o seu entendimento não podem ser um substituto da verdade? Se você comunicar a sua compreensão com os outros, eles podem ponderar a respeito por dois ou três dias e depois parar de experimentá-la, mas uma pessoa não pode experimentar a verdade completamente, mesmo que seja em uma vida inteira, nem todas as pessoas juntas conseguem experimentá-la completamente. Assim, pode-se ver que a verdade é muito profunda! Não há como usar palavras para articular a verdade completamente; posta na linguagem humana, a verdade vira um aforismo; a humanidade jamais a experimentará plenamente, mas deveria viver na confiança dela. Uma parte da verdade pode fazer com que a humanidade toda sobreviva por milhares de anos.

A verdade é a vida do Próprio Deus, representando o Próprio caráter, representando a Própria substância, representando tudo que há Nele. Se você disser que ter algumas experiências significa que você tem a verdade, então você pode representar o caráter de Deus? Não pode. Uma pessoa pode ter certa experiência ou certa luz em relação a determinado aspecto ou faceta de uma verdade, mas não pode suprir os outros com ela para sempre, e assim a sua luz não é a verdade; é apenas determinado ponto que é alcançável para um pessoa. É apenas a experiência e a compreensão adequadas que uma pessoa deveria possuir, que é a sua experiência prática da verdade. Essa luz, esclarecimento ou entendimento com base na experiência nunca pode ser um substituto da verdade; mesmo que todas as pessoas tenham experimentado uma sentença da verdade, e combinem todas aquelas palavras, isso ainda não é um substituto daquela verdade. Como foi dito no passado: “Resumo isso com uma máxima para o mundo humano: Dentre os homens, não há quem Me ame”. Essa é uma afirmação da verdade, a verdadeira essência da vida, a coisa mais profunda, a própria expressão de Deus. Você pode experimentá-la. Se experimentá-la por três anos, você terá um entendimento superficial; se experimentá-la por oito anos, alcançará um entendimento maior; mas seu entendimento nunca substituirá essa afirmação da verdade. Se outras pessoas experimentarem-na por dois anos, terão um pequeno entendimento; se a experimentarem por dez anos, terão um entendimento superior; se a experimentarem pela vida toda, alcançarão um entendimento ainda maior. Se vocês, porém, reunirem todos os seus entendimentos, não importa quanto entendimento, quanta experiência, quantos discernimentos, quanta luz ou quantos exemplos vocês têm, nada disso pode substituir aquela afirmação. O que quero dizer com isso? Quero dizer que a vida do homem sempre será a vida do homem, e não importa o quanto seu entendimento esteja de acordo com a verdade, de acordo com as intenções de Deus, de acordo com as exigências de Deus, o seu entendimento nunca poderá ser um substituto da verdade. Dizer que as pessoas detêm a verdade significa que detêm certa realidade, que detêm certo entendimento da verdade de Deus, que detêm alguma entrada real nas palavras de Deus, que detêm certa experiência real com as palavras de Deus e que estão no caminho certo em sua fé em Deus. Uma única afirmação de Deus é suficiente para uma pessoa experimentar por toda a vida; mesmo se tivessem a experiência de várias vidas ou de vários milênios, as pessoas ainda não seriam campazes de experimentar uma verdade de forma inteira e total. […]

[…] Se você tem alguma experiência com um aspecto da verdade, isso pode representar a verdade? Com certeza não pode representar a verdade. Você pode explicar totalmente a verdade? Não pode mesmo. Você pode descobrir o caráter e a essência de Deus a partir da verdade? Não pode. A experiência da verdade de uma pessoa é apenas um aspecto dela, uma parte, um escopo; experimentando-a em seu escopo próprio e limitado, você não pode tocar em toda a verdade. O significado da verdade revela a natureza comum da humanidade. A que proporção a sua pouca experiência equivale? A um grão de areia na praia, a uma gota de água no oceano. Portanto, não importa quão preciosos sejam os seus entendimentos e sentimentos de suas experiências, mesmo que sejam totalmente inestimáveis — eles não podem ser tomados como verdade. A fonte da verdade e o significado da verdade abrangem uma área muito ampla. Nada pode contradizê-la. […] No entanto, as coisas que as pessoas têm, a luz que as pessoas obtiveram, são adequadas apenas para elas mesmas ou para outras pessoas dentro de determinado escopo, mas não serão adequadas dentro de um escopo diferente. A experiência de uma pessoa é muito limitada, por mais profunda que seja, e sua experiência nunca alcançará o escopo da verdade. A luz de uma pessoa, o entendimento de uma pessoa, nunca pode ser comparada à verdade.

de ‘Você sabe o que de fato é a verdade?’ em “Registros das falas de Cristo”

Os caminhos de prática do homem e seu conhecimento da verdade só são aplicáveis em um âmbito específico. Não é possível dizer que o caminho que o homem percorre é integralmente a vontade do Espírito Santo, porque o homem só pode ser iluminado pelo Espírito Santo e não pode ser completamente preenchido pelo Espírito Santo. As coisas que o homem é capaz de vivenciar se restringem ao âmbito da humanidade normal e não podem exceder a capacidade dos pensamentos da mente humana normal. Todos aqueles que têm expressão prática a vivenciam dentro desse limite. Quando vivenciam a verdade, é sempre uma experiência da vida humana normal sob a iluminação do Espírito Santo, não uma experiência que foge à vida humana normal. Eles vivenciam a verdade iluminados pelo Espírito Santo com base nas experiências de sua vida humana. Além disso, essa verdade varia de uma pessoa para outra e sua profundidade está relacionada ao estado da pessoa. Pode-se dizer apenas que o caminho que eles percorrem é a vida humana normal de um homem que busca a verdade, e que é o caminho percorrido por uma pessoa normal que tem a iluminação do Espírito Santo. Não se pode dizer que o caminho que eles percorrem é o caminho tomado pelo Espírito Santo. Na experiência humana normal, já que as pessoas que buscam não são iguais, a obra do Espírito Santo também não é igual. Além disso, como os ambientes que eles vivenciam e os limites de sua experiência tampouco são iguais, devido à mistura de suas mentes e pensamentos, sua experiência é misturada em diferentes níveis. Cada pessoa entende uma verdade de acordo com suas diferentes condições individuais. Sua compreensão do verdadeiro significado da verdade não é completa e limita-se a um ou alguns aspectos dela. O âmbito em que a verdade é vivenciada pelo homem é sempre baseado nas diferentes condições dos indivíduos e, portanto, não é igual. Assim, o conhecimento sobre a mesma verdade expresso por pessoas diferentes não é igual. Ou seja, a experiência do homem é sempre limitada e não pode representar integralmente a vontade do Espírito Santo, e a obra do homem não pode ser vista como obra de Deus, mesmo se o que é expresso pelo homem se aproxime da vontade de Deus, mesmo se a experiência do homem se aproxime da obra de aperfeiçoamento a ser realizada pelo Espírito Santo. O homem só pode ser servo de Deus realizando a obra que lhe é confiada por Deus. O homem só pode expressar o conhecimento sob a iluminação do Espírito Santo e as verdades obtidas de sua experiência pessoal. O homem não é qualificado nem tem condições de ser a expressão do Espírito Santo. Ele não tem o direito de dizer que a obra do homem é obra de Deus.

de ‘A obra de Deus e a obra do homem’ em “A Palavra manifesta em carne”

A comunhão do homem difere da palavra de Deus. O que o homem comunica transmite sua visão e experiência individuais, expressando o que eles veem e vivenciam com base na obra de Deus. Sua responsabilidade é descobrir, baseado na obra ou nas palavras de Deus, o que eles devem praticar ou onde devem entrar, e depois transmitir isso aos seguidores. Portanto, a obra do homem representa sua entrada e sua prática. Naturalmente, a essa obra se misturam aprendizados e experiências humanas, ou alguns pensamentos humanos. Não importa como o Espírito Santo realize Sua obra, seja no homem ou Deus encarnado, ela representa sempre os trabalhadores expressando o que eles são. Embora seja realizada pelo Espírito Santo, a obra é fundamentada na natureza inerente do homem, porque o Espírito Santo não trabalha sem fundamento. Em outras palavras, a obra não é feita do nada, mas está sempre de acordo com circunstâncias e condições reais. Só assim é possível transformar o caráter do homem, mudar suas noções e pensamentos antigos. O que o homem expressa é o que ele vê, vivencia e é capaz de imaginar. Mesmo que sejam doutrinas ou noções, estão ao alcance do pensamento do homem. Seja qual for a dimensão da obra do homem, ela não pode exceder o âmbito da experiência do homem, o que o homem vê ou o que o homem é capaz de imaginar ou conceber. O que Deus expressa é o que o Próprio Deus é e isso está fora do alcance do homem, isto é, fora do alcance do pensamento do homem. Ele expressa Sua obra de liderança de toda a humanidade, e isso não é relevante para os detalhes da experiência humana, mas sim para Sua própria gestão. O homem expressa sua experiência enquanto Deus expressa Seu ser — esse ser é Seu caráter inerente e está fora do alcance do homem. A experiência do homem é a visão e o conhecimento que ele adquire baseado na expressão de Deus de Seu ser. Essa visão e esse conhecimento são chamados de ser do homem. São expressos com base no caráter inerente do homem e em seu real calibre, por isso são chamados também de ser do homem. O homem é capaz de comunicar o que ele vivencia e vê. Ele é incapaz de comunicar o que ele não vivenciou ou viu, ou o que sua mente não consegue alcançar, isto é, as coisas que ele não tem dentro de si. Se o que o homem expressa não é sua experiência, então é sua imaginação ou doutrina. Em suma, não há realidade alguma em suas palavras. Se você nunca teve contato com as coisas da sociedade, não pode comunicar claramente os relacionamentos complexos da sociedade. Se você não tem família, mas outras pessoas estão falando sobre questões familiares, você não consegue entender grande parte do que elas estão dizendo. Portanto, o que o homem comunica e a obra que ele realiza representam seu ser interior.

de ‘A obra de Deus e a obra do homem’ em “A Palavra manifesta em carne”

As epístolas paulinas do Novo Testamento são epístolas que Paulo escreveu para as igrejas, e não inspirações do Espírito Santo, nem são declarações diretas do Espírito Santo. Elas são apenas palavras de exortação, conforto e encorajamento que ele escreveu para as igrejas durante o curso de seu trabalho. Então, também são um registro de grande parte do trabalho de Paulo na época. Elas foram escritas para todos os irmãos no Senhor, para fazer com que os irmãos de todas as igrejas da época seguissem seus conselhos e respeitassem todos os caminhos do Senhor Jesus. […] Tudo o que ele disse que era edificante e positivo para as pessoas estava certo, mas não representava as declarações do Espírito Santo, e ele não podia representar Deus. É um entendimento deplorável e uma tremenda blasfêmia as pessoas tratarem os registros das experiências e as epístolas de um homem como palavras ditas às igrejas pelo Espírito Santo! Isso é particularmente verdadeiro quando se trata das epístolas que Paulo escreveu para as igrejas, pois suas epístolas foram escritas para os irmãos com base nas circunstâncias e situação de cada igreja, na época, para exortar os irmãos no Senhor, para que pudessem receber a graça do Senhor Jesus. Suas epístolas tinham o objetivo de despertar os irmãos da época. Pode-se dizer que essa era sua obrigação e a responsabilidade que lhe foi dada pelo Espírito Santo; afinal, ele era um apóstolo que liderava as igrejas da época, que escrevia epístolas para as igrejas e exortava-as — essa era sua responsabilidade. Sua identidade era meramente a de um apóstolo obreiro, e ele era somente um apóstolo que foi enviado por Deus; Ele não era um profeta, nem um preditor. Então, para ele, seu próprio trabalho e as vidas dos irmãos eram de extrema importância. Assim, ele não podia falar em nome do Espírito Santo. Suas palavras não eram as palavras do Espírito Santo, muito menos pode-se dizer que elas eram palavras de Deus, pois Paulo não era mais do que uma criatura de Deus, e certamente não era a encarnação de Deus. Sua identidade não era a mesma que a de Jesus. As palavras de Jesus eram as palavras do Espírito Santo, as palavras de Deus, pois a Sua identidade era a de Cristo, o Filho de Deus. Como Paulo poderia ser igual a Ele? Se as pessoas consideram as epístolas ou palavras como as de Paulo como declarações do Espírito Santo e as adoram como Deus, só se pode dizer que lhes falta muito senso crítico. Para falar de forma mais áspera, será que isso não passa de blasfêmia? Como um homem poderia falar em nome de Deus? E como as pessoas podem se curvar diante dos registros de suas epístolas e das palavras que ele falou como se fossem um livro sagrado ou um livro celestial? Poderiam as palavras de Deus ser proferidas casualmente por um homem? Como um homem poderia falar em nome de Deus? Assim, o que você acha: as epístolas que ele escreveu para as igrejas não podem estar contaminadas com suas próprias ideias? Como podem não estar adulteradas com ideias humanas? Ele escreveu epístolas para as igrejas com base em suas experiências pessoais e no âmbito de sua própria vida. Por exemplo, Paulo escreveu uma epístola às igrejas da Galácia que continha uma certa opinião, já Pedro escreveu outra e ele tinha outra opinião. Qual delas veio do Espírito Santo? Ninguém pode afirmar com certeza. Assim, só se pode dizer que ambos carregavam um fardo pelas igrejas, e ainda que suas cartas representem sua estatura, elas representam sua provisão e apoio para os irmãos e seu fardo para as igrejas, e representam apenas trabalho humano; não vieram inteiramente do Espírito Santo. Se você diz que as epístolas dele são as palavras do Espírito Santo, você é absurdo e comete blasfêmia! As epístolas paulinas e as outras epístolas do Novo Testamento são equivalentes às memórias das personalidades espirituais mais recentes. Estão em pé de igualdade com os livros de Watchman Nee ou as experiências de Lawrence, e assim por diante. A diferença é apenas que os livros de personalidades espirituais recentes não estão compilados no Novo Testamento, embora a substância dessas pessoas seja a mesma: foram pessoas utilizadas pelo Espírito Santo durante um determinado período, e não podiam representar diretamente a Deus.

de ‘A respeito da Bíblia (3)’ em “A Palavra manifesta em carne”

A palavra de Deus não pode ser falada como a palavra de homem, tampouco pode a palavra do homem ser falada como a palavra de Deus. Um homem usado por Deus não é o Deus encarnado, e o Deus encarnado não é um homem usado por Deus; há uma diferença substancial nisso. Talvez, após ler estas palavras, você não aceite que sejam as palavras de Deus, e somente as aceite como palavras de um homem que foi iluminado. Nesse caso, você está cego pela ignorância. Como as palavras de Deus podem ser as mesmas que as palavras de um homem que foi iluminado? As palavras do Deus encarnado iniciam uma nova era, guiam toda a humanidade, revelam mistérios e mostram ao homem a direção à frente em uma nova era. O esclarecimento obtido pelo homem nada mais é do que simples prática ou conhecimento. Não pode guiar a humanidade inteira rumo a uma nova era nem revelar os mistérios do Próprio Deus. Deus, afinal, é Deus, e o homem é o homem. Deus tem a substância de Deus, e o homem tem a substância do homem. Se o homem vê as palavras ditas por Deus como simples iluminação do Espírito Santo e toma as palavras dos apóstolos e profetas como palavras ditas pessoalmente por Deus, então o homem está errado. Apesar disso, você nunca deve transformar o que é certo em errado, nem falar do alto como baixo, nem falar do profundo como raso; apesar disso, você nunca deve refutar deliberadamente o que você sabe ser a verdade. Todo aquele que crê que há um Deus deve considerar esse problema do ponto de vista correto e deve aceitar Sua nova obra e Suas novas palavras como uma criatura de Deus — ou, se não, ser eliminado por Deus.

de ‘Prefácio’ em “A Palavra manifesta em carne”