Aplicativo da Igreja de Deus Todo-Poderoso

Ouça a voz de Deus e dê as boas vindas ao retorno do Senhor Jesus!

Convidamos a todos os buscadores da verdade que entrem em contato conosco.

Por que Deus não usa o homem para fazer Sua obra de julgamento nos últimos dias em vez de ter de encarnar e fazer isso Ele mesmo?

7

4. Por que Deus não usa o homem para fazer Sua obra de julgamento nos últimos dias em vez de ter de encarnar e fazer isso Ele mesmo?

Versos da Bíblia para referência:

Porque o Pai a ninguém julga, mas deu ao Filho todo o julgamento” (João 5:22).

E deu-lhe autoridade para julgar, porque é o Filho do homem” (João 5:27).

Palavras de Deus relevantes:

A obra de todo o plano de gerenciamento de Deus é realizada pessoalmente pelo Próprio Deus. A primeira etapa – a criação do mundo – foi realizada pessoalmente pelo Próprio Deus e, se não fosse assim, então não haveria ninguém capaz de criar a humanidade; a segunda etapa foi a da redenção de toda a humanidade e ela também foi pessoalmente realizada pelo Próprio Deus; a terceira etapa não necessita descrição: há uma necessidade ainda maior de que o fim de toda a obra de Deus seja realizado pelo Próprio Deus. A obra da redenção, da conquista, do ganho e do aperfeiçoamento de toda a humanidade é realizada pessoalmente pelo Próprio Deus. Se Ele não realizasse pessoalmente essa obra, então Sua identidade não poderia ser representada pelo homem, como também Sua obra não poderia ser realizada pelo homem. Para poder derrotar Satanás, para poder ganhar a humanidade e para poder dar ao homem uma vida normal na terra, Deus pessoalmente conduz o homem e pessoalmente opera em meio ao homem; para o bem de todo o Seu plano de gerenciamento e por toda a Sua obra, Deus deve realizar pessoalmente essa obra. Se o homem acredita apenas que Deus veio para ser visto por ele e fazê-lo feliz, tal pensamento não tem qualquer valor, não tem qualquer significado. O conhecimento do homem é superficial demais! Apenas realizando a obra por Si Mesmo é que Deus opera plena e completamente. O homem é incapaz de realizar a obra em nome de Deus. Por não ter a identidade nem a substância de Deus, o homem é incapaz de realizar a Sua obra; mesmo que conseguisse, tal obra não teria efeito. A primeira vez que Deus Se tornou carne foi em nome da redenção, para redimir toda a humanidade do pecado, para tornar o homem capaz de ser purificado e perdoado por seus pecados. A obra da conquista também é feita pessoalmente por Deus em meio ao homem. Caso, durante essa etapa, Deus Se pronunciasse apenas através de profecias, então um profeta ou alguém talentoso poderia ser encontrado para tomar o lugar Dele; caso apenas profecias fossem proferidas, então o homem poderia substituir a Deus. Se coubesse ao homem realizar pessoalmente a obra de Deus e tivesse de operar a vida do homem, seria impossível que ele realizasse essa obra. Ela deve ser realizada pessoalmente pelo Próprio Deus: Deus precisa pessoalmente Se tornar carne para realizar Sua obra. Durante a Era da Palavra, se apenas profecias fossem proferidas, então, Isaías ou o profeta Elias serviriam para realizar essa obra, sem que houvesse necessidade de o Próprio Deus realizá-la pessoalmente. Uma vez que a obra realizada nesta etapa não trata apenas de ditar profecias, e uma vez que é de suma importância que a obra das palavras seja usada para conquistar o homem e derrotar Satanás, tal obra não pode ser feita pelo homem e deve ser realizada pessoalmente pelo Próprio Deus. Durante a Era da Lei, Jeová realizou parte da obra de Deus e depois Ele proferiu algumas palavras e realizou alguma obra através dos profetas. Isso aconteceu porque o homem podia ser um substituto na obra de Jeová e porque os videntes conseguiam predizer acontecimentos e interpretar alguns sonhos em nome Dele. A obra realizada no início não foi uma obra que transformasse diretamente o caráter do homem e não tinha relação com o pecado humano e, portanto, ao homem requeria-se apenas que obedecesse à lei. Desse modo, Jeová não Se tornou carne nem revelou-Se ao homem; em vez disso, Ele falou diretamente a Moisés e a outros e fez com que falassem e realizassem a obra em nome Dele, permitindo que tais homens operassem diretamente em meio à humanidade. A primeira etapa da obra de Deus tratava da liderança da humanidade. Era o começo da batalha contra Satanás, mas a guerra ainda estava por começar oficialmente. O início oficial dessa guerra se deu com a primeira encarnação de Deus e continua ininterrupta até os dias de hoje. O primeiro momento dessa guerra aconteceu quando o Deus encarnado foi pregado à cruz. A crucificação do Deus encarnado derrotou Satanás e foi a primeira etapa bem-sucedida da guerra. Quando o Deus encarnado começa a operar diretamente na vida do homem, esse é o início oficial da obra de ganhar o homem de volta e, porque essa é a obra de mudar o antigo caráter do homem, é a obra de batalhar contra Satanás. A etapa da obra realizada por Jeová no início tratou apenas da liderança da vida do homem na terra. Aquele foi o início da obra de Deus e, ainda que não houvesse qualquer batalha envolvida, nem alguma obra maior, ela serviu de fundação para toda a obra da batalha que viria a seguir. Depois, a segunda etapa da obra, durante a da Era da Graça, consistiu em transformar o antigo caráter do homem, o que significa dizer que o Próprio Deus forjou a vida do homem. Tal obra teve de ser pessoalmente realizada por Deus: era necessário que Deus pessoalmente Se tornasse carne; se Ele não tivesse encarnado, ninguém mais poderia tê-Lo substituído naquela etapa da obra, uma vez que tal etapa representava a obra da luta direta contra Satanás. Caso o homem tivesse realizado essa obra em nome de Deus, quando se colocasse de pé diante de Satanás, Satanás não se submeteria e, assim, seria impossível derrotá-lo. Era necessário que o Deus encarnado o derrotasse porque a substância do Deus encarnado ainda é Deus, Ele ainda é a vida do homem e ainda é o Criador; aconteça o que acontecer, a Sua identidade e a substância não mudam. Deus, portanto, vestiu a carne e realizou a obra para causar a completa submissão de Satanás. Durante a etapa da obra dos últimos dias, caso o homem realizasse a essa obra e tivesse de dizer diretamente as palavras, então ele não seria capaz de proferi-las e, se uma profecia fosse dita, esta seria incapaz de conquistar o homem. Ao assumir a carne, Deus surge para derrotar Satanás e causar sua completa submissão. Deus derrota Satanás totalmente, conquista totalmente o homem e ganha completamente o homem, ponto em que a etapa da obra termina e alcança o sucesso. No gerenciamento de Deus o homem não consegue substituí-Lo. De maneira ainda mais particular, a obra de liderar a era e lançar uma nova obra tem uma necessidade ainda maior de ser pessoalmente realizada pelo Próprio Deus. Dar a revelação ao homem e provê-lo com profecias são atos que podem ser realizados pelo homem; mas, quando se trata de obra que precisa ser realizada pessoalmente por Deus, como a obra da batalha entre o Próprio Deus e Satanás, então tal obra não pode ser realizada pelo homem. Durante a primeira etapa da obra, quando ainda não havia a batalha contra Satanás, Jeová liderou pessoalmente o povo de Israel usando a profecia passada aos profetas. Depois, a segunda etapa da obra consistiu da batalha contra Satanás e, assim, o Próprio Deus pessoalmente Se tornou carne; entrando na carne para realizar a obra. Qualquer coisa que diga respeito à batalha contra Satanás também envolve a encarnação de Deus, o que significa que tal batalha não pode ser travada pelo homem. Se o homem tivesse que lutar, o homem seria incapaz de derrotar Satanás. Como ele teria a força para lutar contra Satanás ainda estando sob seu império? O homem está bem no meio: se você se inclina na direção de Satanás, então pertence a ele; porém, se você satisfaz a Deus, então você pertence a Deus. Caso tentasse substituir Deus na obra da batalha, o homem conseguiria? Se tivesse agido assim, o homem não teria perecido há muito tempo? O homem não teria entrado no mundo dos mortos muito tempo atrás? Portanto, o homem é incapaz de substituir Deus na Sua obra, o que equivale a dizer que o homem não tem a substância de Deus e, caso batalhasse contra Satanás, você seria incapaz de derrotá-lo. O homem só consegue realizar uma pequena obra; o homem consegue conquistar algumas pessoas, mas não consegue substituir Deus na obra que deve ser feita pelo Próprio Deus. De que forma o homem conseguiria batalhar contra Satanás? Satanás tomaria você por escravo mesmo antes que você pudesse começar. Apenas o Próprio Deus é capaz de batalhar contra Satanás e, apoiado nisso, o homem pode apenas seguir e obedecer a Deus. É apenas dessa forma que o homem pode ser ganho por Deus e escapar das amarras de Satanás. O que o homem consegue alcançar com sua própria sabedoria, com sua autoridade e suas habilidades é muito limitado; é incapaz de tornar o homem completo, de liderar e, acima de tudo, de derrotar Satanás. A inteligência e a sabedoria humanas são incapazes de impedir os estratagemas de Satanás; portanto, de que forma o homem conseguiria batalhar contra ele?

de ‘Restaurar a vida normal do homem e levá-lo a um destino maravilhoso’ em “A Palavra manifesta em carne”

É justamente porque Satanás corrompeu a carne do homem, e que o homem é aquele que Deus pretende salvar, que Deus deve assumir a carne para lutar contra Satanás e ser pessoalmente o pastor que conduz os homens. Somente isso é que beneficia Sua obra. As duas encarnações de Deus aconteceram para derrotar Satanás e para melhor salvar o homem. Isso acontece porque o que batalha contra Satanás só pode ser Deus, quer seja o Espírito de Deus ou o Deus encarnado. Para resumir, aquele que batalha contra Satanás não pode ser os anjos nem, muito menos, o homem, que foi corrompido por Satanás. Os anjos não têm o poder para fazer isso e o homem é ainda mais impotente. Portanto, se Deus deseja operar na vida do homem, se Ele deseja vir pessoalmente a terra para operar no homem, então Ele precisa Se tornar carne, isto é, Ele precisa pessoalmente vestir a carne e, com a identidade que Lhe é inerente e com a obra que deve realizar, surgir entre os homens e salvá-los pessoalmente. Caso contrário, se fosse o Espírito de Deus ou o homem que realizasse essa obra, então essa batalha iria sempre fracassar em seu resultado, e nunca teria fim. Apenas quando Deus Se faz carne para travar pessoalmente a guerra contra Satanás em meio ao homem é que o homem tem chance de salvação. Além disso, só assim Satanás é humilhado e deixado sem oportunidades para explorar e sem planos para executar. A obra realizada pelo Deus encarnado é inalcançável para o Espírito de Deus e ainda mais incapaz de ser realizada em nome de Deus por qualquer homem carnal, pois a obra que Ele realiza visa ao bem da vida humana e transformar o caráter corrupto do homem. Se fosse participar dessa batalha, o homem simplesmente acabaria fugindo numa desordem lastimável, sendo incapaz de transformar o caráter corrupto do homem. Ele seria incapaz de salvar o homem da cruz ou de conquistar toda a humanidade rebelde; o homem só seria capaz de realizar uma pequena obra antiga de acordo com um princípio, ou então uma obra que não esteja relacionada à derrota de Satanás. Portanto, de que valeria tentar? Qual é o significado da obra que não é nem capaz de ganhar a humanidade, muito menos de derrotar Satanás? Assim, a batalha contra Satanás só pode ser travada pelo Próprio Deus e é impossível ser realizada pelo homem. O dever do homem é obedecer e seguir, pois o homem é incapaz de realizar a obra de inaugurar uma nova era e, muito menos, executar obra de batalhar contra Satanás. O homem só consegue satisfazer o Criador sob a liderança do Próprio Deus, através do que Satanás é derrotado; essa é a única coisa que o homem é capaz de fazer. Desse modo, sempre que uma nova batalha se inicia, quer dizer, toda vez que a obra da nova era começa, essa obra é pessoalmente realizada pelo Próprio Deus, através da qual Ele lidera toda a era e abre um novo caminho para toda a humanidade.

de ‘Restaurar a vida normal do homem e levá-lo a um destino maravilhoso’ em “A Palavra manifesta em carne”

Porque quem é julgado é o homem, o homem que é da carne e foi corrompido, e não é o espírito de Satanás que é julgado diretamente, a obra do juízo não é concluída no mundo espiritual, mas entre os homens. Ninguém está mais adequado e qualificado do que Deus na carne para a obra de julgar a corrupção da carne humana. […] Satanás só pode ser plenamente derrotado se Deus na carne julgar a corrupção da humanidade. Sendo igual ao homem possuído de humanidade normal, o Deus na carne pode diretamente julgar a injustiça do homem; essa é a marca de Sua santidade inata e Sua extraordinariedade. Somente Deus é qualificado e está na posição para julgar o homem, pois Ele possui toda a verdade e justiça e, por isso, é capaz de julgar o homem. Aqueles que não possuem a verdade e justiça não servem para julgar os outros.

de ‘A humanidade corrupta está mais necessitada da salvação do Deus encarnado’ em “A Palavra manifesta em carne”

Esses dois estágios da obra de Deus são realizados por Deus em Sua identidade encarnada, pois são importantes para todo gerenciamento da obra. Quase poderia se dizer que, sem a obra das duas encarnações de Deus, toda a obra de gerenciamento teria estagnado e a obra de salvação da humanidade seria nada mais do que palavras vazias. Se essa obra é ou não importante depende das necessidades da humanidade, a realidade da depravação desta humanidade, a severa desobediência de Satanás e sua perturbação da obra. A pessoa certa que está apta a essa tarefa é baseada na natureza dessa obra e na importância dela. Quando se trata da importância dessa obra, em termos de qual método de obra adotar – a obra realizada diretamente pelo Espírito, ou a obra realizada pelo Deus encarnado, ou ainda a obra realizada pelo homem – a primeira a ser eliminada é a obra realizada pelo homem, e, com base na natureza da obra e a natureza da obra do Espírito contra a da carne, é finalmente decidido que a obra realizada pela carne é mais benéfica para o homem do que a obra realizada diretamente pelo Espírito e ela oferece mais vantagens. Esse é o pensamento de Deus no momento de decidir se a obra foi realizada pelo Espírito ou pela carne. Há uma importância e fundamento para cada estágio da obra. Não são imaginações infundadas, tampouco são executadas de maneira arbitrária; há uma certa sabedoria nelas. Tal é a verdade por trás de toda a obra de Deus.

de ‘A humanidade corrupta está mais necessitada da salvação do Deus encarnado’ em “A Palavra manifesta em carne”

A obra de julgamento é a própria obra de Deus, portanto ela deve ser naturalmente realizada pelo Próprio Deus; não pode ser realizada pelo homem em Seu lugar. Como o julgamento é a conquista da raça humana por meio da verdade, é inquestionável que Deus ainda apareça como imagem encarnada para realizar essa obra entre os homens. Isto é, nos últimos dias, Cristo irá usar a verdade para ensinar os homens do mundo todo e revelar todas as verdades a eles. Essa é a obra de julgamento de Deus.

de ‘Cristo realiza a obra do julgamento com a verdade’ em “A Palavra manifesta em carne”

Nos últimos dias, Cristo usa uma variedade de verdades para ensinar o homem, expor a essência do homem e dissecar suas palavras e ações. Tais palavras abrangem várias verdades: o dever do homem, como o homem deveria obedecer a Deus, como o homem deveria ser leal a Deus, como o homem deve viver a humanidade normal, bem como a sabedoria e o caráter de Deus e assim por diante. Tais palavras são todas dirigidas à essência do homem e ao seu caráter corrupto. Em especial, tais palavras que expõem como o homem desdenha de Deus são faladas em relação a como o homem é a materialização de Satanás e uma força inimiga contra Deus. Ao realizar Sua obra de julgamento, Deus não só torna clara a natureza do homem com apenas algumas palavras, como também a expõe, o tratamento e a poda no longo prazo. Tais métodos de exposição, tratamento e poda não podem ser substituídos por palavras comuns, mas pela verdade que o homem absolutamente não possui. Apenas métodos desse tipo são considerados julgamento; só por meio de julgamento desse tipo é que o homem pode ser subjugado e completamente convencido a se submeter a Deus e, além disso, ganhar verdadeiro conhecimento de Deus. O que a obra de julgamento produz é o entendimento do homem da verdadeira face de Deus e da verdade sobre a própria rebelião. A obra de julgamento permite que o homem ganhe bastante entendimento da vontade de Deus, do propósito da obra de Deus e dos mistérios que lhe são incompreensíveis. Também permite que o homem reconheça e conheça sua substância corrupta e as raízes de sua corrupção, bem como descubra a fealdade do homem. Tais efeitos são todos produzidos pela obra de julgamento, pois a substância dessa obra é, de fato, a obra de abrir a verdade, o caminho e a vida de Deus a todos aqueles que têm fé Nele. Tal é a obra de julgamento realizada por Deus.

de ‘Cristo realiza a obra do julgamento com a verdade’ em “A Palavra manifesta em carne”

É por causa desses julgamentos que vocês foram capazes de ver que Deus é o Deus justo, que Deus é o Deus santo. É por causa de Sua santidade e justiça que Ele os julgou e os afligiu com Sua ira. Porque Ele pode revelar Seu caráter justo ao ver a rebeldia da humanidade, e porque Ele pode revelar Sua santidade ao ver a imundície da humanidade, isso basta para provar que Ele é o próprio Deus que é santo e imaculado, mas também vive em uma terra imunda. Se Ele fosse um homem que se maculasse junto com os outros e se Ele não tivesse nenhum elemento de santidade ou um caráter justo, Ele não estaria qualificado para julgar a injustiça da humanidade ou para ser o juiz da humanidade. Se o homem julgasse o homem, não seria o mesmo que estapear o próprio rosto? Como alguém poderia ter o direito de julgar um tipo de pessoa igual, tão imunda quanto si mesmo? O Único que pode julgar toda a humanidade imunda é o próprio Deus santo, e como o homem poderia julgar os pecados do homem? Como o homem poderia ser capaz de ver os pecados do homem e como poderia estar qualificado para condenar o homem? Se Deus não tivesse o direito de julgar os pecados do homem, então como poderia ser o Próprio Deus justo? Quando o caráter corrupto das pessoas é revelado, Ele fala para julgá-las, e só então elas podem ver que Ele é santo.

de ‘Como a segunda etapa da obra de conquista dá frutos’ em “A Palavra manifesta em carne”

Para todos aqueles que vivem na carne, mudar seu caráter exige perseguir metas e conhecer Deus exige testemunhar os fatos reais e a verdadeira face de Deus. Ambos podem somente ser alcançados pela encarnação de Deus, ambos podem apenas ser cumpridos pela carne normal e verdadeira. É por isso que a encarnação é necessária e por isso que toda a humanidade corrupta tem necessidade dela. Uma vez que ser requer que as pessoas conheçam a Deus, as imagens de deuses vagos e sobrenaturais devem ser dissipadas de seus corações e uma vez que se lhes exige que abandonem seus caracteres corruptos, elas devem primeiro conhecer seus caracteres corruptos. Se somente o homem faz a obra para dissipar as imagens dos deuses vagos do coração das pessoas, então ele não alcançará o resultado esperado. As imagens dos deuses vagos no coração das pessoas não podem ser expostas, banidas ou completamente expulsas apenas com palavras. Fazendo isso, por fim, não seria possível dissipar das pessoas essas coisas que estão profundamente arraigadas. Somente o Deus prático e a imagem verdadeira de Deus podem substituir essas coisas vagas e sobrenaturais para permitir que as pessoas gradualmente as conheçam, e somente dessa forma pode o devido resultado ser alcançado. O homem reconhece que o Deus que ele buscou no passado é vago e sobrenatural. O que pode alcançar esse efeito não é a liderança direta do Espírito, muito menos os ensinamentos de certo indivíduo, mas o Deus encarnado. Os conceitos do homem são descobertos quando o Deus encarnado realiza Sua obra, porque a normalidade e a realidade do Deus encarnado são a antítese do Deus vago e sobrenatural na imaginação do homem. Os conceitos originais do homem somente podem ser revelados por meio de seus contrastes ao Deus encarnado. Sem a comparação do Deus encarnado, os conceitos do homem não poderiam ser revelados, em outras palavras, sem o contraste da realidade as coisas vagas não poderiam ser reveladas. Ninguém é capaz de usar palavras para fazer essa obra e ninguém é capaz de articular essa obra usando palavras. Somente o Próprio Deus pode fazer Sua Própria obra e ninguém mais pode fazer essa obra no lugar Dele. Não importa quão rica seja a linguagem do homem, ele é incapaz de articular a realidade e a normalidade de Deus. O homem apenas pode conhecer a Deus mais praticamente e vê-Lo mais claramente, se Deus operar pessoalmente entre os homens e mostrar-lhes de forma completa Sua imagem e Seu ser. Esse resultado não pode ser alcançado por nenhum homem carnal. […] A obra da carne de Deus na Era da Graça e na Era do Reino, contudo, envolve o caráter corrupto do homem e seu conhecimento de Deus e é uma parte importante e crucial da obra de salvação. Portanto, a humanidade corrupta está mais necessitada da salvação do Deus encarnado e necessita ainda mais da obra direta do Deus encarnado. A humanidade necessita que o Deus encarnado a pastoreie, a apoie, a regue, a alimente, a julgue e castigue, ela necessita de mais graça e uma redenção maior do Deus encarnado. Somente o Deus na carne pode ser o confidente do homem, o pastor do homem, a ajuda sempre presente do homem. Tudo isso é a necessidade da encarnação hoje e em tempos passados.

de ‘A humanidade corrupta está mais necessitada da salvação do Deus encarnado’ em “A Palavra manifesta em carne”

A melhor coisa a respeito de Sua obra na carne é que Ele pode deixar palavras e exortações precisas, Sua vontade exata para a humanidade para aqueles que O seguem, de modo que, posteriormente, Seus seguidores possam transmitir de maneira mais precisa e concreta toda a Sua obra na carne e Sua vontade para toda a humanidade àqueles que aceitarem esse caminho. Somente a obra de Deus na carne no meio dos homens verdadeiramente cumpre o fato de Deus estar e viver junto com homem. Somente essa obra preenche o desejo do homem de contemplar o rosto de Deus, testemunhar a obra de Deus e ouvir a palavra pessoal de Deus. O Deus encarnado encerra a era quando somente as costas de Jeová apareciam à humanidade e também conclui a era da crença da humanidade no Deus vago. De modo particular, a obra do último Deus encarnado traz toda humanidade para dentro de uma era que é mais realista, mais prática e mais agradável. Ele não somente conclui a era da lei e doutrina; mais importante, Ele revela à humanidade um Deus que é verdadeiro e normal, que é justo e santo, que destrava a obra do plano de gerenciamento, demonstra os mistérios e destino da humanidade, que criou a humanidade, encerra a obra do gerenciamento e que tem permanecido escondido por milhares de anos. Ele encerra de vez uma era de incertezas, Ele conclui a era na qual toda a humanidade desejava ver a face de Deus, mas era incapaz disso, Ele encerra a era na qual toda a humanidade servia a Satanás e conduz toda a humanidade por todo o caminho para uma era completamente nova. Tudo isto é o resultado da obra de Deus na carne em vez do Espírito de Deus. […] As imaginações do homem são, afinal, vazias e não podem substituir a verdadeira face de Deus; o caráter inerente de Deus e a obra do Próprio Deus não podem ser imitadas pelo homem. O Deus invisível no céu e Sua obra só podem ser trazidos à terra pelo Deus encarnado, que pessoalmente realiza Sua obra no meio dos homens. Esse é o modo mais ideal no qual Deus aparece ao homem, no qual o homem vê a Deus e chega ao conhecimento da verdadeira face de Deus e não pode ser alcançado por um Deus não encarnado.

de ‘A humanidade corrupta está mais necessitada da salvação do Deus encarnado’ em “A Palavra manifesta em carne”

Conteúdo Relacionado