Por que é tão difícil admitir erros?

07 de Fevereiro de 2023

Por Martha, Itália

Sou responsável pelo trabalho de vídeos na minha igreja. Um dia, uma das minhas irmãs me ligou com pressa. Ela não tinha verificado um vídeo corretamente, e ele precisou ser refeito, o que causou atrasos e nos custou recursos e mão-de-obra. Quando ouvi o nome do vídeo, percebi que eu também tinha ajudado a verificá-lo e que também não tinha visto nenhum problema. Depois da ligação, apressei-me para descobrir de que erro se tratava e vi que o nome do vídeo tinha sido escrito errado. É claro que erros no trabalho deveriam ser relatados ao líder ou explicados a todos para evitar problemas semelhantes no futuro. Mas então pensei em como eu havia cometido um erro tão básico e me perguntei como o líder me veria depois disso. Será que ele não me acharia séria nem confiável em meu dever? Nesse caso, eu perderia minha posição como a pessoa responsável pelo trabalho. Depois pensei em como eu sempre ressaltava aos meus irmãos a importância de permanecermos atentos na produção de vídeos. E se todos soubessem que eu tinha cometido esse erro? Eles me achariam inapta para estar à frente desse dever? O que aconteceria com minha reputação? Por isso eu não quis contar meu erro a ninguém. Inventei desculpas para mim mesma: “Não fomos deliberadamente negligentes. Verificamos o que deveríamos ter verificado. Eu não poderia ter previsto essas circunstâncias especiais. O dano causado não pode ser desfeito, mas, contanto que eu seja mais cuidadosa no futuro, tudo ficará bem. Além disso, não sou a única que verificou esse vídeo. Mesmo que todos descubram o que aconteceu, não sou a única a ser responsabilizada. Esse assunto pode morrer aqui. Todas as pessoas relevantes estão informadas, e isso basta”. Por isso não contei ao líder nem aos outros irmãos no grupo. Embora me sentisse incomodada e soubesse que estava evitando responsabilidade, quando pensei em como esse erro poderia prejudicar minha reputação e até mesmo minha posição, eu continuei como se nada tivesse acontecido.

Um dia, li isto nas palavras de Deus: “Seres humanos corruptos são bons em se disfarçar. Não importa o que façam ou que corrupção manifestem, eles sempre precisam se disfarçar. Se algo dá errado ou eles cometem um erro, eles querem jogar a culpa nos outros. Querem receber o mérito pelas coisas boas e culpam os outros pelas coisas ruins. Não existe muito disfarce desse tipo que acontece na vida real? Existe demais. Cometer erros ou disfarçar-se: quais destes tem a ver com caráter? Fingir é uma questão de caráter, envolve um caráter arrogante, maldade e traição; isso é particularmente desdenhado por Deus. Na verdade, quando você se disfarça, todos entendem o que está acontecendo, mas você acha que os outros não veem, e você faz de tudo para se defender e justificar num esforço de salvar reputação e fazer com que todos pensem que você não fez nada de errado. Isso não é estúpido? O que os outros pensam sobre isso? Como se sentem? Enojados e repugnados. Se, tendo cometido um erro, você puder tratar isso corretamente e permitir que todos os outros falem sobre isso, permitindo que comentem e discirnam sobre isso, e se puder se abrir sobre isso e analisar, qual será a opinião de todos sobre você? Eles dirão que você é uma pessoa honesta, pois seu coração está aberto para Deus. Por meio de suas ações e comportamento, eles serão capazes de ver seu coração. Mas se você tentar se disfarçar e enganar a todos, as pessoas terão uma opinião ruim sobre você e dirão que você é uma pessoa tola e insensata. Se você não tentar fingir nem inventar desculpas, se conseguir admitir seus erros, todos dirão que você é honesto e sábio. E o que torna você sábio? Todos cometem erros. Todos têm falhas e defeitos. E, na verdade, todos têm o mesmo caráter corrupto. Não se ache mais nobre, perfeito e bondoso do que os outros; isso é ser totalmente insensato. Uma vez que os caracteres corruptos das pessoas e a essência e face verdadeira da corrupção do homem estiverem claros para você, você não tentará encobrir seus erros e você não usará os erros de outras pessoas contra elas você será capaz de encarar ambos corretamente. Somente então você será perceptivo e não fará coisas estúpidas, o que fará de você uma pessoa sábia. Aqueles que não são sábios são pessoas tolas e sempre ficam pensando em seus erros pequenos, ao mesmo tempo que são sorrateiros nos bastidores. Ver isso é repugnante. Na verdade, o que você está fazendo é imediatamente evidente para as outras pessoas, mas você continua fingindo descaradamente. Para os outros, parece a apresentação de um palhaço. Isso não é burrice? É, realmente(A Palavra, vol. 3: As declarações de Cristo dos últimos dias, “Os princípios que devem guiar a conduta da pessoa”). As palavras de Deus me fizeram perceber que fingir, encobrir e não admitir um erro é muito mais sério do que simplesmente cometê-lo. É enganoso e traiçoeiro! Por outro lado, quando as pessoas se desnudam e assumem a responsabilidade por um erro, os outros não só não as menosprezarão, mas respeitarão essa pessoa por dizer a verdade simples e abertamente. Todos nós temos momentos em que cometemos erros. Deus não condena as pessoas casualmente por seus erros — Ele vê se elas conseguem se arrepender verdadeiramente depois. Mas eu não tinha entendido isso. Eu achava que era vergonhoso cometer erros, especialmente como supervisora — se eu cometesse erros básicos, as pessoas me menosprezariam. Achariam que eu não era melhor do que meus irmãos, e eu poderia ser substituída. Então, quando um erro foi encontrado num vídeo que eu tinha verificado, não ousei admitir e ainda insisti em encobri-lo. Eu agi como se nada tivesse acontecido para evitar qualquer responsabilidade e disfarçar o assunto. Eu me sentia culpada, mas não estava disposta a dizer a verdade a todos. Eu era tão enganosa! Obviamente, eu tinha prejudicado o trabalho da igreja, mas não disse nada e tentei encobrir meu erro. Eu permitia que o líder e meus irmãos vissem apenas meu lado bom, não meu erro. Desse jeito, todos pensariam que eu era séria e sensata no trabalho. Eu conseguiria manter minha imagem e posição como supervisora. Era um jeito tão desprezível de agir! Eu temia que as pessoas descobrissem meu erro, por isso fiz de tudo para me disfarçar. Eu encobria meu lado feio, enganava as pessoas e escondia a verdade delas. Estava vivendo sem caráter nem dignidade. Eu não podia continuar encobrindo meu erro e enganando os outros. Assim, escrevi ao meu líder, informando-o da situação e me abri com todos sobre minha corrupção. Contei a eles a verdade, para que pudessem aprender com o meu exemplo. Depois de fazer isso, eu me senti um pouco mais à vontade.

Mas quando abri nossa lista de trabalho, descobri que outro vídeo podia ter sido feito duas vezes. Eu não conseguia acreditar no que via. Eu acompanhava as pessoas a quem eu atribuía cada tarefa. Então, como pude ter cometido outro erro? Mas quando verifiquei, o vídeo realmente tinha sido feito duas vezes. Naquele momento, fiquei paralisada. Isso era ruim. Eu tinha acabado de admitir meu erro ao líder, e antes mesmo de ele conseguir entender todos os detalhes da situação, eu tinha errado de novo. O que ele pensaria de mim? Que eu errava o tempo todo e não era apta a estar no comando? E se os outros irmãos descobrissem, também achariam que eu era inconfiável? Se esses erros básicos continuassem acontecendo, então, na próxima vez que eu me comunicasse sobre sermos sérios e responsáveis no dever, eles ainda me levariam a sério? Não, eu tinha de descobrir a razão exata desse erro, esperando não ser a principal responsável por ele. Mesmo que parte da culpa fosse minha, que fosse uma parte menor. Desse jeito eu não perderia minha honra, e meu status estaria seguro. No fim, após uma inspeção cuidadosa, descobri que, após atribuir a tarefa, eu a tinha registrado apenas numa lista mais antiga, o que fez com que o líder do grupo a atribuísse novamente. Não havia dúvida — eu era a principal responsável. Quando percebi isso, fiquei petrificada. Como pude ser tão azarada? Eu tinha me deparado com todos esses problemas que não deveriam ter acontecido. Que azar! Fiquei completamente perdida. Eu deveria informar esse erro ao líder ou não? Se todos soubessem que eu tinha cometido dois erros básicos um após o outro, o que eles pensariam de mim? Lembrei-me das palavras de Deus que eu tinha lido antes. Mentiras e enganação são muito mais sérias do que erros, e Deus as detesta ainda mais. Em meu coração, fiquei com medo. Eu deveria encarar a situação e contar ao líder sobre o erro, mas eu não conseguia me livrar dos meus temores. Eu estava muito apreensiva. Era como se uma pedra pesasse no meu coração. Eu me distraía durante meu dever e não conseguia dormir à noite. Eu sabia que esse estado não era certo, então orei a Deus, pedindo que Ele me guiasse a conhecer a mim mesma.

Mais tarde, li uma passagem das palavras de Deus e ganhei um entendimento do meu estado. Deus Todo-Poderoso diz: “Não importa quantas coisas erradas um anticristo faça, não importa que tipo de coisas erradas faça, seja fraudar, desperdiçar ou fazer mau uso das ofertas de Deus, ou se ele está prejudicando e perturbando o trabalho da igreja, fazendo uma bagunça enorme nesse trabalho e provocando a ira de Deus, ele sempre permanece calmo, concentrado e despreocupado. Não importa o tipo de mal que um anticristo faça ou as consequências que isso provoque, ele nunca se apresenta diante de Deus para confessar seus pecados e se arrepender o mais depressa possível, e nunca se apresenta diante dos irmãos com uma atitude de se desnudar e se abrir para admitir seus malfeitos, conhecer suas transgressões, reconhecer sua corrupção e se arrepender dos seus atos malignos. Em vez disso, ele quebra a cabeça para encontrar várias desculpas para se esquivar da responsabilidade e jogar a culpa para cima dos outros, a fim de restaurar status e reputação. O que o interessa não é o trabalho da igreja, mas se seu status e sua reputação são danificados ou afetados. Ele não considera nem pensa em formas de compensar as perdas causadas à casa de Deus devido às suas transgressões, nem tenta quitar sua dívida com Deus. Ou seja, ele nunca admite que é capaz de fazer algo errado ou que cometeu um erro. No coração dos anticristos, admitir erros proativamente e fornecer um relato honesto dos fatos é tolice e incompetência. Se os seus atos malignos forem descobertos e expostos, os anticristos apenas admitirão um erro, um descuido momentâneo, mas jamais que eles abandonaram o dever ou que foram irresponsáveis, e tentarão empurrar a responsabilidade para cima de outra pessoa para remover a mancha de seu histórico. Em momentos como esses, os anticristos não estão preocupados com como reparar os danos causados à casa de Deus, com como se abrir ao povo escolhido de Deus para admitir seus erros ou com como relatar o que aconteceu. Estão preocupados com encontrar formas de fazer com que os grandes problemas pareçam pequenos e que os pequenos problemas não pareçam problemáticos. Eles apresentam razões objetivas para que os outros os compreendam e simpatizem com eles. Tentam ao máximo restaurar sua reputação aos olhos dos outros, minimizar a influência negativa das suas transgressões sobre si mesmos e assegurar que o Alto nunca tenha uma má impressão deles, para que nunca sejam responsabilizados, dispensados, investigados ou punidos pelo Alto. A fim de restaurar status e reputação, para que seus interesses não sejam prejudicados, os anticristos estão dispostos a suportar qualquer quantidade de sofrimento e farão de tudo para resolver qualquer dificuldade. Desde o início da sua transgressão ou erro, os anticristos não têm a menor intenção de assumir responsabilidade pelas coisas erradas que fazem, nunca têm intenção de reconhecer, comungar, expor ou analisar os motivos, intenções e caracteres corruptos por trás das coisas erradas que fazem, e certamente nunca têm a menor intenção de compensar os danos que causam ao trabalho da igreja e os danos que causam à entrada na vida do povo escolhido de Deus. Portanto, independentemente da perspectiva a partir da qual você vê a questão, os anticristos são pessoas que nunca admitem suas transgressões e nunca se arrependem. Os anticristos são descarados, têm pele grossa para além de qualquer esperança de redenção, e não passam de satanases de carne e osso(A Palavra, vol. 4: Expondo os anticristos, “Item Onze”). As palavras de Deus me mostraram que os anticristos valorizam sobretudo seu status e reputação. Não importa quantas falhas ou omissões cometam em seu dever nem o quanto prejudiquem o trabalho da igreja, eles nunca admitem culpa. Temem que os outros vejam suas deficiências e os menosprezem. Assim, logo que eles percebem que cometeram um erro que os desonra, ficam incomodados e não conseguem comer nem dormir bem. Ficam quebrando a cabeça, tentando encontrar jeitos de encobrir seus rastros e restaurar sua reputação. O mesmo se aplicava ao meu comportamento. Para mim, meu status e reputação eram tão importantes que, quando eu encontrava um problema no trabalho, eu não sentia nenhum remorso por causa do meu lapso. Eu não refletia sobre o que tinha acontecido para evitar erros no futuro. Eu só conseguia pensar em como todos me veriam quando soubessem que eu tinha cometido erros tão básicos e se eles me menosprezariam ou achariam que eu não estava à altura da tarefa. A fim de manter meu status e reputação, eu passava o dia inteiro incomodada, a ponto de não conseguir dormir. Só pensava em como encobrir meu erro e evitar ser descoberta. Eu queria me esquivar da minha responsabilidade, esconder meus erros e impedir que os outros os descobrissem. Eu não queria me levantar e assumir culpa. Eu era muito enganosa, não tinha caráter nem dignidade! Na verdade, como a pessoa responsável, eu conhecia bem esses processos. Não havia dúvida de que eu era a principal responsável. Ainda assim, eu esperava conseguir me safar ou achar algum indício que me permitisse dividir a culpa. No fim, quando percebi que não podia me esquivar da responsabilidade, insisti em me fazer de vítima, atribuindo tudo a uma falta de sorte. Eu não aceitei como vindo de Deus. Não refleti sobre mim mesma e só reclamei do meu azar. Encobri meus erros e me empenhei em enganação para proteger meu status. Esse era o comportamento de um anticristo. Quando percebi isso, eu me assustei. Eu sabia como era perigoso continuar assim, impenitente, igual a um anticristo!

Também percebi que parte da razão pela qual eu era tão teimosa e me recusava a assumir a culpa era por estar presa e ser controlada por minha posição como responsável, o que me levava a lidar de forma incorreta com os meus erros. Encontrei algumas palavras de Deus sobre isso. Deus Todo-Poderoso diz: “Como você deve praticar para ser uma pessoa comum e normal? Como isso pode ser feito? […] Em primeiro lugar, não se dê um título, sendo preso por ele. Não diga: ‘Sou o líder, sou o chefe da equipe, sou o supervisor, ninguém conhece esse negócio melhor do que eu, ninguém entende as habilidades melhor do que eu’. Não fique preso a seu título conferido a si mesmo. Assim que o fizer, isso atará as suas mãos e pés, e o que disser e fizer será afetado; o seu pensamento e julgamento normais também serão afetados. Você deve se libertar dos grilhões desse status; primeiro desça dessa posição, desse título oficial, e se coloque no lugar de uma pessoa comum; se o fizer, sua mentalidade se tornará normal. Você deve, também, admitir e dizer: ‘Não sei como fazer isso e também não entendo aquiloterei de fazer alguma pesquisa e estudo’, ou ‘nunca experimentei isso, por isso não sei o que fazer’. Quando for capaz de dizer o que está realmente pensando e de falar honestamente, você possuirá senso normal. Outros conhecerão o seu eu verdadeiro e assim terão uma visão normal de você, e você não terá de fazer uma encenação nem haverá grande pressão sobre você, e assim poderá se comunicar com as pessoas normalmente. Viver assim é livre e fácil; qualquer pessoa que considere a vida cansativa causou isso pessoalmente(A Palavra, vol. 3: As declarações de Cristo dos últimos dias, “Valorizar as palavras de Deus é o fundamento da crença em Deus”). “Quando alguém na igreja é promovido e cultivado para ser um líder, ele é meramente promovido e cultivado no sentido mais direto; não significa que já é um líder qualificado ou competente, que já é capaz de realizar o trabalho de um líder e que já pode fazer trabalho verdadeiroeste não é o caso. A maioria das pessoas não vê claramente essas coisas, e elas admiram aqueles que são promovidos, confiando em suas imaginações, mas isso é um erro. Não importa por quantos anos tenham crido, aqueles que são promovidos realmente possuem a realidade da verdade? Não necessariamente. Eles conseguem implementar os arranjos de trabalho da casa de Deus? Não necessariamente. Eles têm um senso de responsabilidade? Eles possuem dedicação? São capazes de se submeter a Deus? Quando se deparam com um problema, eles são capazes de buscar a verdade? Tudo isso é incógnito. Essas pessoas têm um coração que teme a Deus? E quão grande, exatamente, é seu temor de Deus? Elas são propensas a seguir a própria vontade quando fazem as coisas? São capazes de buscar a Deus? Durante o tempo em que realizam o trabalho de líder, elas vêm para diante de Deus regular e frequentemente para buscar a vontade de Deus? São capaz de guiar as pessoas na entrada na realidade da verdade? Certamente são incapazes de fazer tais coisas de imediato. Não receberam treinamento e não têm experiência suficiente, então são incapazes dessas coisas. É por isso que promover e cultivar alguém não significa que ele já entende a verdade, nem significa dizer que ele já é capaz de cumprir seu dever satisfatoriamente(A Palavra, vol. 5: As responsabilidades dos líderes e dos obreiros). As palavras de Deus me mostraram que ser um líder ou uma pessoa no comando não significa automaticamente ser qualificado, estar em posição superior ou ser melhor do que os outros. É uma chance de desenvolver habilidades e treinar no trabalho. O treinamento revela os caracteres corruptos das pessoas e sempre haverá fracassos e contratempos. Isso é perfeitamente normal. Mas quando eu me coloquei na posição de uma pessoa que está no comando, achei que eu precisava ser melhor do que os outros, que não podia cometer os mesmos erros que os deles nem revelar a mesma corrupção. Assim, quando cometi um erro, não quis admiti-lo. Continuei fingindo e encobrindo tudo. Eu passava todo o meu tempo cheia de preocupações, levando uma vida difícil e cansativa, só porque eu valorizava meu status e reputação. Também percebi que cometer erros e perder prestígio não eram necessariamente coisas ruins. É como dizem as palavras de Deus: “Fazer papel de bobo é bom. Ajuda você a ver suas deficiências e seu amor pela vaidade. Mostra a você onde estão seus problemas e ajuda você a entender claramente que você não é uma pessoa perfeita. Não existem pessoas perfeitas, e fazer papel de bobo é muito normal. Todas as pessoas experimentam momentos em que fazem papel de bobo ou ficam envergonhadas. Todas as pessoas falham, experimentam contratempos e têm fraquezas. Fazer papel de bobo não é ruim. Quando você faz papel de bobo, mas não fica envergonhado nem deprimido, isso não significa que você é desavergonhado; significa que você não se importa se fazer papel de bobo afetará sua reputação, e significa que sua vaidade já não ocupa mais seus pensamentos. Significa que você amadureceu em sua humanidade. Isso é maravilhoso! Não é algo bom? É algo bom. Quando fizer papel de bobo, não pense que você não teve um bom desempenho ou que é azarado, e não procure as causas objetivas por trás disso. Isso é normal(A Palavra, vol. 6: Sobre a busca da verdade, “Como buscar a verdade (2)”). Na verdade, depois dessa série de erros e dos meus esforços vergonhosos para escondê-los, finalmente ganhei algum conhecimento de mim mesma. Vi que eu não era melhor do que meus irmãos. Eu tinha cumprido meu dever com descuido, preocupando-me demais com meu status e reputação. Eu nem tive coragem de assumir meu erro, mas quis encobri-lo e enganar todo mundo. Eu era uma hipócrita traiçoeira. Na verdade, não é assustador encarar problemas no cumprimento do dever. Contanto que você seja uma pessoa aberta e honesta e encare seus erros com calma, refletindo sobre eles para evitar problemas semelhantes no futuro, você ainda pode ganhar algo. Essa é a atitude e razão que as pessoas deveriam ter. Agora que eu entendia a vontade de Deus, deixei de me importar com o que os outros pensavam de mim. Eu já tinha impactado nosso trabalho, então precisava chegar na raiz do que havia causado esses erros para não cometê-los de novo no futuro.

Mais tarde, li uma passagem das palavras de Deus: “Quando se pode ser sério, assumir responsabilidade, e dar todo o seu coração e a sua força, o trabalho será feito adequadamente. Às vezes, você está no estado mental errado e não consegue encontrar ou descobrir um erro que seja claro como o dia. Se você estivesse no estado mental correto, então, com o esclarecimento e a orientação do Espírito Santo, você seria capaz de identificar o problema. Se o Espírito Santo o guiasse e lhe desse percepção, permitindo-lhe sentir clareza no coração e saber onde está o erro, você seria, então, capaz de corrigir o desvio e se esforçar pelos princípios da verdade. Se você estivesse no estado mental errado, e fosse distraído e descuidado, você seria capaz de perceber o erro? Não seria. O que isso mostra? Isso mostra que, para cumprir bem seus deveres, é muito importante que as pessoas cooperem; seu estado mental é muito importante, e para onde direcionam seus pensamentos e intenções é muito importante. Deus perscruta e enxerga o estado mental em que as pessoas estão ao cumprir seus deveres e quanta energia despendem. É crucial que as pessoas coloquem todo o seu coração e força no que fazem. A cooperação é um componente crucial. Se as pessoas se esforçarem para não se arrepender dos deveres que cumpriram e das coisas que fizeram, e para não ficar em dívida com Deus, somente assim estarão agindo com todo o seu coração e força(A Palavra, vol. 3: As declarações de Cristo dos últimos dias, “Parte 3”). As palavras de Deus afirmam que, quando a mentalidade de alguém está errada, ele se distrai e se torna negligente em seu dever, e não consegue ver os erros que estão bem diante de seus olhos. Minha situação era exatamente como Deus diz. Esses dois erros estavam bem diante dos meus olhos — se eu tivesse prestado mais atenção, eu os teria visto facilmente. Mas eu não os percebi. Um vídeo teve que ser reeditado e outro foi feito duas vezes, o que nos custou recursos e mão-de-obra. Na verdade, isso teve muito a ver com minha mentalidade na época. Eu me achava experiente nesse trabalho, que eu conhecia o processo como a palma da minha mão, por isso, deixei de ser cautelosa como quando comecei. Fui arrogante e descuidada. Especialmente no que dizia respeito às verificações iniciais, eu achava que eram simples, que eu poderia agir sem me envolver com base em minha experiência anterior. Não prestei atenção, não verifiquei o trabalho com cuidado e, no fim, cometi erros bem básicos. E tudo isso porque eu vivia num caráter arrogante e agia superficialmente em meu dever. Mais tarde, eu me abri com meus irmãos sobre os erros que eu tinha cometido. Analisei os problemas em nosso trabalho e sugeri algumas normas que ajudariam a impedir problemas semelhantes no futuro. Assim encontrei alguma paz de espírito.

Não demorou, e assumi o comando sobre um projeto novo. Mas por nunca ter feito esse tipo de vídeo antes, eu não compreendia muito bem todos os detalhes, por isso alguns problemas apareceram durante a produção. Às vezes, embora eu me preocupasse com o que os outros fossem pensar, tratei todos os problemas com a postura correta, sem ser controlada por meu orgulho. Cada erro que ocorria, eu o registrava e analisava os desvios para encontrar um jeito de impedir que ele acontecesse de novo. Depois de fazer isso, fui capaz de ver a orientação de Deus, identificando e corrigindo muitos dos problemas antes de causarem perdas à igreja. Por meio dessa experiência, aprendi que, ao cumprir seu dever com todo o coração, você terá a orientação e proteção de Deus. Ao mesmo tempo, descobri que passar vergonha por causa de erros e fracassos não é algo ruim. Isso me ajudou a ver minhas deficiências e corrupção, a renunciar à minha vaidade e a tratar a mim mesma corretamente.

Todos os dias temos 24 horas e 1440 minutos. Você está disposto a dedicar 10 minutos para estudar o caminho de Deus? Você está convidado a se juntar ao nosso grupo de estudo.👇

Conteúdo relacionado

A amargura de ser um bajulador

Por Frankie, Grécia No ano passado, o irmão Gabriel, com quem eu viajava pregando o evangelho, foi dispensado. Quando lhe perguntei, ele me...

Conecte-se conosco no WhatsApp