Reflexão sobre a retribuição de gentilezas

07 de Fevereiro de 2023

Por Li Fan, Coreia do Sul

Alguns meses atrás, experimentei algo semelhante. Recebi uma carta da igreja da minha cidade natal, pedindo uma avaliação de uma das irmãs, Zhang Hua. A carta dizia que ela estava interrompendo a vida de igreja, colocando pessoas umas contra as outras e formando conchavos. Os líderes tentaram comungar várias vezes em vão, e ela contra-atacou apontando as falhas nos líderes. A igreja estava preparando as informações necessárias para excluir Zhang Hua e pediu que eu escrevesse uma avaliação sobre ela. Quando vi a carta, percebi que, dessa vez, Zhang Hua provavelmente seria excluída, pois ela tinha sido persistente nesse tipo de comportamento e não tinha mudado. Era uma condição muito séria. Quando imaginei a exclusão de Zhang Hua, eu não me senti muito confortável. Ela tinha me promovido no passado e sempre tentou cuidar de mim. Se ela soubesse que eu tinha exposto seus feitos malignos, o que ela pensaria de mim? Ela diria que eu era ingrato e desalmado? Pensando nisso, eu quis evitar o assunto. Por acaso, eu estava fazendo outro trabalho e deixei isso de lado por alguns dias.

O problema ficou me incomodando. Lembrei-me de algo de dez anos atrás. Na época, Zhang Hua era a líder de igreja e tinha me promovido a fazer trabalho textual para que eu pudesse obter mais prática. Fui promovido repetidas vezes e fui cumprir meu dever fora da cidade. Achei que ser capaz de continuar o trabalho textual tinha a ver com o fato de ela ter me promovido tantos anos antes. Lembrei-me da comunhão, ajuda e apoio que ela tinha fornecido durante os anos dela como líder. Nós nos dávamos bem e ela cuidava bem de nós no dia a dia. Ela não só arranjou casas melhores para nos acolher, mas quando estávamos sem roupas ou precisávamos de algo, ela mandava levar para nós imediatamente. Uma vez, ela organizou uma reunião para nós. Ela soube que eu tinha uma doença no fígado e contatou um irmão que praticava medicina e conseguiu dezenas de frascos de remédio para o fígado de graça. Aquilo me comoveu muito. Com exceção da minha família, ninguém demonstrou tanta preocupação por minha doença. Eu sempre achei que ela me apreciava e valorizava e eu era eternamente grato por isso. Por isso, foi muito difícil quando pediram que eu avaliasse Zhang Hua, pois eu sabia que a lista de atos malignos dela era longa. Se fossem expostos, resultariam na exclusão dela. Em seu dever como líder, ela era negligente e imprudente e prejudicou severamente o trabalho da igreja. Após ser dispensada como líder, ela foi pregar o evangelho, mas começou a seguir anticristos, denunciando os líderes como falsos líderes em sua luta por liderança. Como resultado, líderes e obreiros não conseguiram cumprir o dever deles e o trabalho da igreja foi interrompido. A irmã dela era uma pessoa maligna. Quando foi excluída, Zhang Hua não gostou e a defendeu, espalhando noções e interrompendo o trabalho da igreja. Perguntei-me por que Zhang Hua sempre apoiava as pessoas erradas. Então eu me lembrei da palavra de Deus: “Muitos na igreja não têm discernimento. Quando algo enganoso ocorre, eles inesperadamente ficam do lado de Satanás; até se ofendem ao serem chamados de lacaios de Satanás. Embora as pessoas possam dizer que eles não têm discernimento, eles sempre ficam do lado sem a verdade, nunca ficam do lado da verdade no momento crítico, nunca se levantam e argumentam em prol da verdade. Eles carecem verdadeiramente de discernimento? Por que eles inesperadamente tomam o lado de Satanás? Por que nunca dizem uma palavra que seja justa e razoável para apoiar a verdade? Essa situação surgiu genuinamente como resultado de sua confusão momentânea? Quanto menos discernimento as pessoas têm, menos são capazes de ficar do lado da verdade. O que isso mostra? Não mostra que as pessoas sem discernimento amam o mal? Não mostra que elas são a cria leal de Satanás? Por que é que elas são sempre capazes de ficar do lado de Satanás e falar a língua dele? Cada palavra e ato delas, as expressões em seu rosto, todos são suficientes para provar que elas não são um tipo de amante da verdade; antes, são pessoas que detestam a verdade. O fato de que podem ficar do lado de Satanás é suficiente para provar que Satanás realmente ama esses diabos mesquinhos que passam a vida lutando pela causa de Satanás. Todos esses fatos não são perfeitamente claros?(A Palavra, vol. 1: A aparição e a obra de Deus, “Um alerta para aqueles que não praticam a verdade”). Por meio da revelação da palavra de Deus e comparando-a com os feitos malignos passados de Zhang Hua e seu comportamento atual, vi que ela sempre ficava do lado de Satanás, interrompendo o trabalho da igreja. Entendi que ela era uma lacaia de Satanás, uma malfeitora que interrompe o trabalho da igreja. Se eu expusesse todos os feitos malignos de Zhang Hua, então, de acordo com os princípios da igreja, ela certamente seria removida. Então, ela não teria mais papel na casa de Deus e nenhuma chance de ser salva. Ela era de meia-idade e não tinha fundado uma família. Se ela fosse excluída, para onde ela iria? Quando pensei no cuidado e na promoção que ela tinha me dado, fiquei dividido. Se eu escrevesse a avaliação, ela seria excluída pelo comportamento ruim dela. Se não a escrevesse, eu não estaria protegendo o trabalho da igreja nem sendo fiel a Deus. Refletindo sobre isso, encontrei um meio-termo. Anos tinham se passado, e minha memória não era mais tão boa. Eu já tinha esquecido muitos detalhes, portanto, não valia a pena me esforçar demais para me lembrar deles. Eu só anotaria alguns mais óbvios e encerraria o expediente. Quando isso me ocorreu, senti repreensão no meu coração. Isso não era traição e enganação? Agora estamos no estágio final da revelação na obra de Deus, quando as pessoas são classificadas de acordo com seu tipo. Só quando malfeitores, anticristos, não crentes e espíritos malignos forem removidos, a igreja será purificada e capaz de executar seu trabalho sem problemas. Eu sabia que Zhang Hua era maligna, mas eu não queria expô-la. Eu queria abrigá-la, protegê-la. Isso seria ficar do lado de Satanás e resistir a Deus. Quando percebi isso, fiquei com medo. Fiz um esforço para me lembrar de todas as ações dela e as anotei para o líder.

Depois de enviar tudo, me senti mais à vontade, mas um resto de tristeza permaneceu. Se um dia eu voltasse para a minha cidade e Zhang Hua soubesse que eu tinha revelado seus feitos malignos, ela me diria que eu não tinha afeto e que eu era ingrato? Por dias, quando pensava nisso, eu achava que tinha feito algo errado. Eu ficava ponderando: eu sabia que expor e denunciar malfeitores é a vontade de Deus e que é o dever de todos os escolhidos de Deus. Por que, então, eu estava tão trise e resistia a expô-la? Por que eu achava que lhe devia algo? Ao refletir, eu me lembrei de que, quando Deus dissecou a moral da humanidade, Ele falou do tema de retribuir gentilezas, então comecei a ler a palavra de Deus. As palavras de Deus dizem: “A ideia de que ‘uma gentileza recebida deve ser retribuída com gratidão’ é um dos critérios clássicos para julgar se uma pessoa é moral ou imoral na cultura tradicional chinesa. Ao avaliar se alguém tem uma humanidade boa ou ruim e quão virtuoso ele é, uma das referências é se ele retribui os favores ou a ajuda que recebeuse ele é ou não alguém que pratica ‘uma gentileza recebida deve ser retribuída com gratidão’. Na cultura tradicional chinesa, e, na verdade, em toda a cultura tradicional humana como um todo, as pessoas tratam isso como uma medida de virtude importante. Se alguém não pratica ‘uma gentileza recebida deve ser retribuída com gratidão’, ele é ingrato e considerado desprovido de consciência e indigno de que as pessoas se associem com ele. Ele é desprezado, recusado ou rejeitado por todos. Por outro lado, se alguém pratica ‘uma gentileza recebida deve ser retribuída com gratidão’se ele é grato e retribui os favores e a ajuda que recebe com todos os meios à sua disposição, ele é considerado uma pessoa de consciência e humanidade. Se alguém receber benefícios ou ajuda de outra pessoa, mas não os retribuir ou só expressar um pouco de gratidão a ela com um simples ‘obrigado’ e nada mais, o que a outra pessoa pensará? Talvez ela se aborreça? Ela poderá pensar: ‘Esse sujeito não merece receber ajuda, ele não é uma pessoa boa. Se é assim que ele reage após eu ter ajudado tanto, ele não tem nenhuma consciência nem humanidade, e não merece que as pessoas se associem com ele’? Se ela se deparasse com esse tipo de pessoa novamente, ela ainda o ajudaria? No mínimo, não desejaria fazer isso. Vocês, sob circunstâncias semelhantes, não se perguntariam se vocês realmente deveriam ajudar ou não? A lição que vocês teriam aprendido com sua experiência anterior teria sido: ‘Não posso ajudar qualquer umele deve entender que “uma gentileza recebida deve ser retribuída com gratidão”. Se ele é do tipo ingrato que não quer retribuir a ajuda que eu lhe dei, então não ajudar é melhor para mim’. Não seria essa a sua opinião sobre o assunto? (Sim, seria.)” (A Palavra, vol. 6: Sobre a busca da verdade, “O que significa buscar a verdade (7)”). Depois de ler a palavra de Deus, descobri a razão pela qual eu estava tão triste e achava que eu devia algo a ela. Eu tinha sido enganado e envenenado pelo princípio moral de retribuir gentilezas. Durante toda a minha infância, quando meus pais, anciãos ou moradores do vilarejo conversavam, a frase “retribuir gentilezas” aparecia com frequência nas conversas deles. Quando ouviam que alguém que tinha recebido ajuda retribuiu o favor mais tarde, eles elogiavam essa pessoa e diziam que ela era boa, que tinha consciência e que valia a pena ser amigo dela. Eles admiravam e respeitavam tais pessoas e as cumprimentavam felizes quando as viam. Mas quando alguém não retribuía um favor, eles não queriam se associar a ele. Em particular, eles rotulavam essas pessoas como ingratas, sem consciência e humanidade, e não as cumprimentavam. Imerso nesses tipos de valores do meu ambiente na infância, eu sempre tentava praticar a ideia de retribuir gentilezas. Eu tinha que me lembrar de todos que tinham me ajudado ou ajudado minha família e retribuir o quanto antes. Se não fosse possível na hora, eu tinha que esperar e retribuir mais tarde, quando pudesse. Parecia ser o jeito como uma pessoa nobre, honesta e dotada de consciência agiria, e assim eu conquistava o favor das pessoas que me cercavam. Mas, quanto a Zhang Hua, eu sentia que não tinha retribuído toda a promoção, preocupação e ajuda dela e eu até tinha exposto seus feitos malignos. Minha consciência pesava e eu me sentia ingrato. Essas ideias ainda me controlavam tanto que, embora eu soubesse que pessoas malignas e não crentes só podem interromper o trabalho da igreja e os deveres dos irmãos, eu não estava disposto a expor os atos malignos dela. Eu estava sendo enganado e restringido pelo conceito da retribuição de gentilezas.

Naquele momento, li mais da palavra de Deus. “Afirmações sobre a conduta moral, como ‘uma gentileza recebida deve ser retribuída com gratidão’, não dizem às pessoas exatamente quais são as suas responsabilidades como membro da sociedade e parte da humanidade. Em vez disso, são uma forma de obrigar ou forçar as pessoas a agir e pensar de certa forma, a despeito de elas quererem ou não, e em qualquer contexto ou circunstância. Existem muitos exemplos disso na China antiga. Por exemplo, um garoto mendigo faminto foi acolhido por uma família que o alimentou, vestiu e treinou em artes marciais, e lhe ensinou todo tipo de conhecimento. A família esperou até ele crescer e então começou a usá-lo como fonte de renda, enviando-o para cometer o mal, matar pessoas e fazer coisas que ele não queria fazer. Se você analisar essa história à luz de todos os favores que ele recebeu, o fato de ele ter sido salvo foi uma coisa boa. Mas se você considerar o que ele foi forçado a fazer depois, isso foi realmente bom ou ruim? (Foi ruim.) Mas, sob o condicionamento da cultura tradicional, como ‘uma gentileza recebida deve ser retribuída com gratidão’, as pessoas não conseguem fazer essa distinção. Por fora, parece que o garoto não teve escolha senão fazer coisas malignas e magoar pessoas, tornar-se um assassinocoisas que a maioria das pessoas não desejaria fazer. Mas sua disposição de fazer coisas más e matar a mando de seu mestre não veio, lá no fundo, de um desejo de retribuir a gentileza deste? Especialmente por causa do condicionamento da cultura tradicional chinesa, como ‘uma gentileza recebida deve ser retribuída com gratidão’, as pessoas não conseguem deixar de ser influenciadas e controladas por essas ideias. Seu jeito de agir e as intenções e motivações por trás dessas ações também são constrangidos por elas. Quando o garoto foi colocado nessa situação, qual deve ter sido seu primeiro pensamento? ‘Eu fui salvo por essa família, e ela foi boa comigo. Não posso ser ingrato, deve retribuir sua gentileza. Eu lhes devo a minha vida, portanto devo devotá-la a eles. Devo fazer tudo que pedirem de mim, mesmo que isso signifique cometer o mal e matar pessoas. Não posso considerar se isso é certo ou errado, devo simplesmente retribuir sua gentileza. Que tipo de pessoa eu seria se não fizesse isso?’. Como resultado, sempre que a família queria que ele matasse alguém ou fizesse algo errado, ele o fazia sem qualquer reserva ou hesitação. Toda a sua conduta e todas as suas ações, sua obediência incondicional, não eram ditadas pela ideia de que ‘uma gentileza recebida deve ser retribuída com gratidão’? Ele não estava cumprindo essa máxima moral? (Sim.) O que vocês aprendem com esse exemplo? ‘Uma gentileza recebida deve ser retribuída com gratidão’ é uma coisa boa ou não? (Não é, não há princípios nisso.) Na verdade, uma pessoa que retribui uma gentileza tem um princípio. A saber, que ‘uma gentileza recebida deve ser retribuída com gratidão’. Se alguém lhe faz uma gentileza, você deve fazer uma em troca. Se você não consegue fazer isso, você não é humano, e não há nada que poderá dizer se for condenado por isso. Como diz o ditado: ‘Uma gota de água deve ser retribuída com uma fonte transbordante’, mas, nesse caso, o garoto recebeu uma gentileza que salvou sua vida, e ele teve que retribuí-la com uma vida. Ele não sabia quais eram os limites ou os princípios de retribuir uma gentileza. Ele acreditava que sua vida tinha sido dada a ele por essa família, por isso ele tinha que se dedicar a ela em troca e fazer tudo que ela exigia dele, incluindo assassinatos e atos malignos. Esse jeito de retribuir gentileza não tem princípios nem limites. Ele ajudou uma besta e se arruinou no processo. Foi correto da parte dele retribuir gentileza desse jeito? É claro que não. Foi tolice(A Palavra, vol. 6: Sobre a busca da verdade, “O que significa buscar a verdade (7)”). Por meio do exemplo de Deus do mendigo que retribui uma gentileza, vi que retribuir gentilezas é uma falácia satânica com a intenção de nos envenenar. A ideia de retribuir gentilezas não só constrange nossa alma, mas também distorce nossos pensamentos. Ela transforma ajuda comum entre pessoas em dívida de gratidão que não pode ser esquecida e precisa ser quitada para que você não seja rotulado como pessoa sem consciência e humanidade. Quantas pessoas perderam contato com a conduta correta por causa dessa moral enganosa e venenosa? Não importa quem lhe faça um favor, mesmo que seja um malfeitor ou alguém com segundas intenções, aquele que recebe o benefício precisa retribuí-lo com todo o seu ser, até com um assassinato e outros males. E assim percebi que a moral de retribuir gentilezas realmente envenena pessoas. Quando pensei em como Zhang Hua atacou os líderes e interrompeu o trabalho da igreja, eu soube que o objetivo do líder ao pedir uma avaliação era entender claramente como Zhang Hua costumava se comportar para julgar se deveria excluí-la ou não. Mas sob a mentira e influência de “retribuir gentilezas”, era só eu pensar em como Zhang Hua me promoveu e cuidou de mim, em todos os favores dela, para eu querer encobrir os atos malignos dela. Eu estava confuso demais para ver a diferença entre o bem e o mal, entre o preto e o branco! A essa altura, eu consegui discernir algumas coisas sobre a ideia de retribuir gentilezas. Eu consegui ver que não era uma coisa positiva, mas uma falácia que Satanás usa para enganar e corromper as pessoas. Eu sabia que não devia viver segundo isso, que não devia tomá-lo como princípio de conduta.

Mais tarde, li mais da palavra de Deus. “O conceito da cultura tradicional de que ‘uma gentileza deve ser retribuída com gratidão’ precisa ser discernido. A parte mais importante é a palavra ‘gentileza’como vocês deveriam ver essa gentileza? A que aspecto e natureza de ‘gentileza’ ela se refere? Qual é a importância de ‘uma gentileza recebida deve ser retribuída com gratidão’? É essencial que qualquer um que busca a verdade descubra as respostas para essas perguntas. O que é ‘gentileza’ de acordo com as noções humanas? Num nível inferior, gentileza é quando alguém ajuda você quando você está encrencado. Por exemplo, quando alguém lhe dá uma tigela de arroz quando você está morrendo de fome, ou uma garrafa de água quando você está morrendo de sede, ou quando ele ajuda você a se levantar quando você cai e não consegue se levantar. Todos esses são atos de gentileza. Um grande ato de gentileza é quando alguém resgata você quando você está em apurosessa é uma gentileza que salva uma vida, ou quando alguém ajuda você a evitar a morte quando você está em perigo mortal, salvando, em essência, a sua vida. Essas são algumas das coisas que as pessoas percebem como ‘gentileza’. Esse tipo de gentileza ultrapassa, e muito, qualquer favor material insignificanteé uma gentileza grande que não pode ser medida em termos de dinheiro ou coisas materiais. Aqueles que a recebem sentem um tipo de gratidão que é impossível de expressar com apenas algumas palavras de agradecimento. No entanto, é correto que as pessoas avaliem a gentileza desse jeito? (Não é.) Por que não? (Porque essa medida se baseia nos padrões da cultura tradicional.) Essa é uma resposta baseada em teoria e doutrina, e, embora pareça ser correta, ela não chega ao âmago da questão. Como, então, podemos explicar isso em termos práticos? Pensem com cuidado. Algum tempo atrás, Eu soube de um vídeo da internet em que um homem deixa cair sua carteira sem perceber. Um cachorrinho pega a carteira e corre atrás dele, e quando o homem vê isso, ele bate no cachorro por roubar a carteira. Absurdo, não é? O homem tem menos moral do que um cachorro! As ações do cachorro estavam completamente de acordo com os padrões humanos de moralidade. Um humano teria exclamado: ‘Você deixou cair sua carteira!’, mas, já que o cachorro não podia falar, ele pegou a carteira em silêncio e correu atrás do homem. Então, se um cachorro consegue mostrar um bom comportamento encorajado pela cultura tradicional, o que isso diz sobre os humanos? Os humanos nascem com consciência e razão, portanto são ainda mais capazes de fazer essas coisas. Contanto que alguém tenha consciência, ele consegue cumprir esses tipos de responsabilidades e obrigações. Ele não precisa se esforçar muito nem pagar um preço, isso simplesmente exige um pouco de esforço e é simplesmente uma questão de fazer algo útil, algo benéfico para os outros. Mas será que a natureza desse ato realmente se qualifica como ‘gentileza’? Chega a alcançar o nível de um ato de gentileza? (Não.) Visto que não, as pessoas precisam falar sobre retribuí-lo? Isso seria desnecessário(A Palavra, vol. 6: Sobre a busca da verdade, “O que significa buscar a verdade (7)”). Quando ponderei a Sua palavra, meu coração foi esclarecido. Deus diz: “A parte mais importante é a palavra ‘gentileza’como vocês deveriam ver essa gentileza?”. Assim que eu conseguisse ver corretamente a ideia de “gentileza”, eu veria a verdade e não mais enganado nem controlado por ela. Então eu a ponderei. Eu acreditava que Zhang Hua tinha demonstrado gentileza de duas formas. Em primeiro lugar, ela me promoveu. Em segundo lugar, ela tinha um irmão que me deu remédios enquanto ela era uma líder. Agora, tudo isso era realmente uma gentileza? Na verdade, quando alguém adoece e enfrenta alguma dificuldade, oferecer ajuda para fornecer algum alívio é comportamento normal, é senso comum. Mas dificilmente constitui uma gentileza especial que precisa ser retribuída. Quando Zhang Hua soube da minha doença de fígado e instruiu o irmão a me dar remédios, isso pode até ser visto como responsabilidade dela, algo que existe entre todas as pessoas sensatas que têm uma consciência. Mas eu me comovi com isso e o rotulei como gentileza especial que devia ser retribuída e até tentei mantê-la na igreja encobrindo seus atos malignos. Ao retribuir a gentileza dela dessa forma, eu não estava sacrificando os interesses da igreja pelos meus? Eu estava totalmente confuso.

Também me perguntei se a promoção por Zhang Hua contava como gentileza especial. Lembrei-me disto nas palavras de Deus: “Vocês devem enxergar esse problema. A despeito de qual é o período ou qual estágio da obra está sendo feito, Deus sempre precisa que uma parte das pessoas coopere. Deus predestinou que essas pessoas cooperem com a obra de Deus ou participem da propagação do evangelho. […] Quais de vocês que estão cumprindo seu dever na casa de Deus, neste momento, estão aqui por acaso? Não importa a sua origem, não é por acaso que vocês estão cumprindo seu dever. Esses deveres não podem ser feitos por vários crentes escolhidos aleatoriamente; essas coisas foram predestinadas por Deus antes das eras. O que significa que algo foi predestinado? Quais são os detalhes? Isso significa que, em todo o Seu plano de gerenciamento, muito tempo atrás, Deus planejou quantas vezes você viria ao mundo dos homens, de que linhagem e de que família você nasceria durante os últimos dias, quais seriam as circunstâncias dessa família, se você seria homem ou mulher, quais seriam as suas qualidades, qual seria o seu nível de educação, quanto seria articulado, qual seriam o seu calibre e a sua aparência, e com que idade você viria à casa de Deus para começar a cumprir o seu dever, e qual dever cumpriria nesse momentoDeus predestinou cada passo para você há muito tempo. Antes de você nascer, quando chegou entre os homens em suas últimas diversas vidas, Deus já havia arranjado o dever que você cumpriria nesta, a etapa final da obra(A Palavra, vol. 3: As declarações de Cristo dos últimos dias, “Parte 3”). Quanto mais eu ponderava as palavras de Deus, mais claras as coisas ficavam. Podia parecer que eu exercia o trabalho textual por conta da promoção de Zhang Hua, mas Deus é Aquele que organiza tudo. Foi Ele quem, aos poucos, me levou a essa função. Se a casa de Deus não tivesse tido esse trabalho, eu não poderia ter cumprido esse dever. Tudo isso não tinha acontecido como resultado da obra de Deus? Eu deveria ter sido grato a Deus, mas eu tinha visto Zhang Hua como fonte desse favor e quis retribuí-lo. Eu não conseguia ver a graça de Deus, só a do homem. Eu era realmente cego, ignorante, insensato e tolo. O dever de Zhang Hua como líder de igreja era treinar e promover pessoas de acordo com as exigências do trabalho da casa de Deus. Eu deveria ter agradecido a Deus, em vez de atribuir essa gentileza a outra pessoa. Quando entendi isso, senti um alívio. A gratidão que eu tinha sentido por ela por mais de dez anos, a gratidão que tinha sentido por ela me apreciar e meu desejo de retribuir a ela desapareceram. Não me senti mais endividado nem arrependido por revelar seus atos malignos. A culpa por ser ingrato também desapareceu e não havia mais dúvida de qualquer gentileza entre nós. É como Deus diz: “Para Mim, esse tipo de ‘gentileza’ simplesmente não existe, e Eu espero que o mesmo se aplique a vocês. Como, então, você deve pensar sobre isso? Veja isso simplesmente como uma obrigação, uma responsabilidade e um instinto humano natural. Você deveria tratar isso como sua responsabilidade e sua obrigação como ser humano e fazê-lo da melhor forma que puder. Isso é tudo(A Palavra, vol. 6: Sobre a busca da verdade, “O que significa buscar a verdade (7)”). A palavra de Deus me libertou da escravidão de precisar retribuir gentilezas e corrigiu minha perspectiva sobre essas questões. Sou muito grato a Ele.

Em todo caso, eu achava que o assunto estava resolvido. Mas então, alguns dias atrás, a igreja da minha cidade natal me escreveu de novo, pedindo que eu registrasse claramente a conduta de Zhang Hua e anotasse as datas e os locais em que tudo aconteceu, quando ela tinha defendido anticristos e pessoas malignas e tinha seguido anticristos para cometer o mal. Sem tais evidências, seria impossível excluí-la. Depois de receber a carta, fiquei um pouco incomodado. Se eu escrevesse isso, Zhang Hua seria excluída. Ela tinha sido tão boa comigo. Seu eu fizesse isso, eu não… Mas logo percebi que o princípio satânico de retribuir gentilezas estava agindo na hora. Eu devia ignorar essa ideia e praticar de acordo com a palavra de Deus. Lembrei-me de que a palavra de Deus diz: “Por qual princípio as palavras de Deus pedem que as pessoas tratem os outros? Ame o que Deus ama, e odeie o que Deus odeia: esse é o princípio que deve ser seguido. Deus ama aqueles que buscam a verdade e são capazes de seguir a Sua vontade. Essas também são as pessoas que nós deveríamos amar. Aquelas que não são capazes de seguir a vontade de Deus, que odeiam a Deus e se revoltam contra Deusessas pessoas são desprezadas por Deus, e nós também deveríamos desprezá-las. Isso é o que Deus pede ao homem. […] Durante a Era da Graça, o Senhor Jesus disse: ‘Quem é Minha mãe? E quem são Meus irmãos?’. ‘Pois qualquer que fizer a vontade de Meu Pai que está nos céus, esse é Meu irmão, irmã e mãe’ (Mateus 12:48, 50). Esse dito já existia lá na Era da Graça, e agora as palavras de Deus são ainda mais claras: ‘Ame o que Deus ama e odeie o que Deus odeia’. Essas palavras vão direto ao ponto […](A Palavra, vol. 3: As declarações de Cristo dos últimos dias, “Só ao reconhecer as próprias opiniões equivocadas pode-se realmente se transformar”). A palavra de Deus deixa isso muito claro: devemos tratar as pessoas com princípios, amar o que Deus ama e odiar o que Deus odeia. Aqueles que buscam e praticam a verdade são nossos irmãos e devem ser tratados com amor. Aqueles que não buscam nem praticam a verdade ou até cometem o mal que interrompe o trabalho da igreja não são irmãos, mas lacaios de Satanás, pessoas malignas. Eles precisam ser expostos, discernidos e removidos da igreja. Só isso está de acordo com a vontade de Deus. Depois de entender isso, eu não hesitei. Com os documentos que eu tinha fornecido antes e com a lembrança cuidadosa, eu redigi um relato dos atos malignos dela. Depois de enviar minha resposta, eu me senti em paz e à vontade. Finalmente eu tinha escapado das restrições do conceito de retribuir gentilezas e meu coração se aliviou.

Todos os dias temos 24 horas e 1440 minutos. Você está disposto a dedicar 10 minutos para estudar o caminho de Deus? Você está convidado a se juntar ao nosso grupo de estudo.👇

Conteúdo relacionado

Deveres não têm hierarquia

Por Karen, Filipinas Antes de crer em Deus Todo-Poderoso, eu costumava ser elogiada por meus professores. Eu sempre queria ser o centro das...

O fruto de uma denúncia honesta

Por Zhao Ming, ChinaEm abril de 2011, tive que assumir o cargo de uma líder chamada Yao Lan em uma igreja em outra parte do país. Durante o...

Conecte-se conosco no Messenger