Aplicativo da Igreja de Deus Todo-Poderoso

Ouça a voz de Deus e dê as boas vindas ao retorno do Senhor Jesus!

Convidamos a todos os buscadores da verdade que entrem em contato conosco.

Deus me guia para superar a crueldade dos demônios

4

Por Wang Hua, Província de Henan

Minha filha e eu somos cristãs pertencentes à Igreja de Deus Todo-Poderoso. Enquanto seguíamos a Deus, minha filha e eu fomos presas e sentenciadas à reeducação através de trabalho pelo governo do Partido Comunista Chinês. Fui condenada a três anos; e minha filha, a um. Embora eu tenha sido alvo de perseguição e agravos desumanos pelo governo do Partido Comunista Chinês, cada vez que me encontrava em desespero e perigo, Deus estava lá, secretamente me vigiando, protegendo e abrindo uma saída para mim. Foram as palavras de Deus Todo-Poderoso que me deram a coragem e motivação para continuar vivendo, que me guiaram para superar a tormenta de ser cruelmente torturada e que me ajudaram a perseverar por três anos naquela prisão infernal. Em meio à adversidade, testemunhei o amor e a salvação de Deus Todo-Poderoso e experimentei a autoridade e o poder das palavras de Deus. Sinto-me favorecida por ter ganho tanto, e estou decidida a seguir a Deus sem hesitação e a seguir o caminho certo na vida.

Antes de acreditar em Deus, eu dirigia um negócio. Eu era muito boa naquilo e ganhava uma quantia decente de dinheiro. Mas, enquanto me preocupava em ganhar a vida, também vivenciei ao máximo as vicissitudes dela. Não só tinha que quebrar a cabeça para descobrir como ganhar dinheiro dia após dia, mas também tive que lidar com todo tipo de inspeção de itens de toda sorte de departamentos do governo. Tinha que me envolver em conversas insinceras o dia inteiro e usar uma fachada em minhas interações com outros. Eu considerava esse modo de vida doloroso e cansativo, mas não tinha outra opção. Quando cheguei ao ponto em que eu me exaurira completamente emocional e fisicamente por conta do trabalho, aceitei o evangelho de Deus Todo-Poderoso dos últimos dias. Vi que as palavras expressadas por Deus Todo-Poderoso revelam os mistérios da vida e expõem a fonte de toda a dor da humanidade, bem como a verdade da corrupção da humanidade por Satanás. Elas também mostram ao homem a senda da luz a ser seguida ao longo da vida, e meu coração imediatamente se apegou às palavras de Deus. Do fundo do meu coração, eu tive certeza de que essa era a obra do Deus verdadeiro e que a fé em Deus era o único caminho certo na vida. Eu me senti muito afortunada por poder aceitar a obra de Deus dos últimos dias e pensei em todas as pessoas no mundo que eram exatamente como eu, que levavam vidas vazias, que não conseguiam encontrar direção em sua vida e que precisavam da salvação dos últimos dias de Deus Todo-Poderoso. Assim, eu desejava pregar o evangelho dos últimos dias para mais buscadores da verdade, para que ainda mais pessoas pudessem alcançar a salvação de Deus. Movida pelo amor de Deus, sempre que eu falava sobre a obra de Deus ou de Sua salvação, eu nunca conseguia dizer o suficiente e conseguia conquistar alguns verdadeiros buscadores da verdade pregando a eles — eu ficava empolgada. Naquela época, minha filha havia acabado de concluir o ensino médio. Ela percebeu como fiquei feliz depois de começar a seguir a Deus Todo-Poderoso e viu também que os irmãos e irmãs que vinham à nossa casa eram todos puros e gentis, que todos se reuniam para conversar abertamente, cantar hinos e dançar, e que sempre havia uma energia incrivelmente gentil e alegre. Consequentemente, ela começou a desejar essa vida e queria muito acreditar em Deus e segui-Lo. A partir daí, cuidávamos de nossos negócios durante o dia e depois orávamos juntas, líamos as palavras de Deus juntas, aprendíamos hinos juntas e comunicávamos nosso entendimento das palavras de Deus à noite; nossa vida estava cheia de alegria.

Exatamente quando estávamos nos sentindo mais imersas e acalentadas pelo amor de Deus, inesperadamente, a garra demoníaca do governo do Partido Comunista Chinês nos atacou e trouxe pesadelos e dores penosos — foi um momento que nunca esquecerei. Era 7 de dezembro de 2007. Minha filha estava lavando roupa em casa, e eu estava me preparando para sair para cumprir meu dever pela igreja, quando, de repente, cinco ou seis policiais à paisana invadiram a casa. Um deles gritou: “Vocês acreditam em Deus Todo-Poderoso! E, além do mais, estão pregando para outras pessoas!” Ele então apontou para minha filha e disse a dois outros policiais: “Levem-na primeiro!” E minha filha foi levada imediatamente por eles. O outro policial começou a revistar minha casa de cima para baixo, vasculhando as caixas e baús, verificando até cada bolso de nossas roupas. Em instantes, as camas e o chão estavam cobertos de bagunça, e eles até pisotearam as camas com seus sapatos de couro. No final, eles levaram livros das palavras de Deus, alguns discos, dois leitores de CDs, dois MP3, 2 mil yuans em dinheiro e um par de brincos de ouro. Eles então me empurraram e me colocaram em uma viatura. Eu os questionei, pedindo explicações: “Que lei violamos por crer em Deus? Por que vocês estão nos prendendo?” Para minha surpresa, eles declararam descaradamente na frente de todas as pessoas que estavam olhando: “Prender vocês crentes em Deus é nossa especialidade!” Eu fiquei indignada. Eles não eram a “Polícia do Povo”. Eram apenas uma gangue de bandidos, rufiões e criminosos do submundo, encarregados especialmente de reprimir os justos!

Quando chegamos ao Departamento de Segurança Pública, fui algemada e levada a uma sala de interrogatório. Vendo sua aparência feroz, não pude deixar de sentir medo e pensei: “Agora que caí nas mãos desses demônios e eles encontraram tantos livros e CDs das palavras de Deus em minha casa, eles certamente não me libertarão agora. Se eu não suportar a tortura deles e me tornar um Judas, ficarei conhecida por todos os tempos como uma traidora que traiu a Deus!” Orei silenciosamente a Deus em meu coração, pedindo que Ele me protegesse e me guiasse. Exatamente naquele momento pensei nas palavras de Deus, que dizem: “Não terei mais misericórdia daqueles que não Me ofereceram sequer um pingo de lealdade em tempos de adversidade, pois Minha misericórdia vai só até esse ponto. Além disso, não tenho apreço algum por quem quer que já tenha Me traído e gosto ainda menos de Me associar com quem trai os interesses de seus amigos. Esse é Meu caráter, seja quem for a pessoa” (de ‘Prepare boas ações suficientes para o seu destino’ em “A Palavra manifesta em carne”). As palavras de Deus me fizeram perceber que Seu caráter justo não tolera ofensa, e que Deus não ama aqueles que O traem. Então pensei nas palavras de Deus, que dizem: “De fora, os poderosos podem parecer perversos, mas não temam, pois isso é porque vocês têm pouca fé. Se sua fé aumentar, nada será difícil demais” (de ‘Capítulo 75’ das Declarações de Cristo no princípio em “A Palavra manifesta em carne”). “Sim!”, pensei. “Não devo temê-los. Por mais formidável que seja esse bando de policiais malignos, ainda assim estão nas mãos de Deus e, sem a permissão de Deus, não podem fazer mal a um fio de cabelo na minha cabeça, por mais terríveis que sejam”. As palavras de Deus me deram fé e coragem, por isso fiz uma resolução a Ele: “Ó Deus! Chegou a hora de Tu me testares. Desejo testemunhar por Ti e juro pela minha vida que nunca me tornarei um Judas”. Depois de terminar minha oração, meu coração ficou mais calmo. Naquele momento, um dos policiais malignos, que parecia ser um líder entre eles, me repreendeu, dizendo: “Sua mulher estúpida! De todas as coisas que poderia ter feito, é claro que você também precisava que sua filha acreditasse em Deus, não é? Ela é uma beleza. Ela poderia ganhar dezenas de milhares de yuans por ano vendendo-se a homens ricos, no entanto, acredita em Deus como uma tola! Diga-nos agora, quando você começou a acreditar em Deus? Quem envolveu você nisso? Onde você conseguiu esses livros?” Fiquei furiosa ao ouvi-lo falar de forma tão pedante. Não dava para acreditar que um funcionário do governo supostamente digno pudesse dizer coisas tão desprezíveis e despudoradas! Para eles, vender o corpo é algo bom, e até incentivam as pessoas a fazerem coisas tão más. No entanto, nós que acreditamos em Deus, O adoramos e procuramos ser pessoas honestas, somos rotulados como criminosos que agem de maneira errada e nos tornamos alvos de severas repressões e prisões. Ao agir assim, eles não defendem o mal, suprimem a bondade e sufocam a justiça? O governo do Partido Comunista Chinês é tão perverso e corrompido! Percebendo como persistiam em falar coisas sem sentido e que eram surdos a qualquer razão, eu sabia que não havia como fazê-los entender, então fiquei de boca fechada. Quando viram que eu me recusava a falar, me escoltaram de volta para uma viatura e me ameaçaram, dizendo: “Encontramos tantas evidências em sua casa que, se você não se comportar e nos contar tudo, nós a arrastaremos para fora para executar você a tiros!” Ouvindo-os dizer isso, não consegui deixar de me sentir aterrorizada e pensei: “Essas pessoas são capazes de qualquer coisa. Se elas realmente atirarem em mim, nunca mais verei minha filha. Quanto mais eu pensava nisso, mais angustiada ficava e invocava a Deus continuamente em meu coração, pedindo que Ele protegesse meu coração e me livrasse do medo e das preocupações que eu tinha por dentro. Exatamente naquele momento, as palavras de Deus me vieram à mente: “De tudo o que ocorre no universo, não há nada sobre o que Eu não tenha a palavra final. O que existe que não esteja em Minhas mãos?” (de ‘Capítulo 1’ das Palavras de Deus para todo o universo em “A Palavra manifesta em carne”). “A fé é como uma ponte de um tronco só de árvore, os que se grudam abjetamente à vida terão dificuldade para cruzá-la, mas os que estão prontos a se sacrificar podem atravessá-la sem preocupação. Se o homem tem pensamentos tímidos e temerosos, ele está sendo enganado por Satanás. Ele teme que nós cruzemos a ponte da fé para entrar em Deus” (de ‘Capítulo 6’ das Declarações de Cristo no princípio em “A Palavra manifesta em carne”). Naquele momento, tudo ficou claro: “Sim”, pensei. “Minha vida e a vida de minha filha estão nas mãos de Deus, e Deus é quem decide se vivemos ou morremos. Esses demônios de Satanás não têm controle sobre nossos destinos. Sem a permissão de Deus, ninguém poder sequer pensar em tirar nossas vidas. Hoje, Satanás está tentando usar meu calcanhar de Aquiles para me ameaçar e intimidar, na esperança de me fazer cair vítima de seu esquema astuto e me render a ele. Mas não devo deixar que isso me engane. Se vou morrer ou viver, estou disposta a obedecer, pois prefiro morrer a trair a Deus.” Pensando nisso, encontrei instantaneamente a determinação de lutar com Satanás até o fim, e não me sentia mais tímida ou assustada.

A polícia me levou para a casa de detenção. Assim que fui conduzida ao pátio, as agentes penitenciárias me revistaram e ordenaram que eu tirasse meus sapatos e roupas. Elas então me deixaram no pátio gelado por quase 30 minutos. Eu estava com tanto frio que mal conseguia manter o equilíbrio, meu corpo todo tremia violentamente e meus dentes batiam incessantemente. Como não tinham encontrado nada comigo, uma das agentes penitenciárias me levou a uma cela e incitou a prisioneira-chefe da cela e as outras presas, dizendo: “Esta é uma crente em Deus Todo-Poderoso…” Assim que ela disse isso, as prisioneiras se jogaram em em mim e me fizeram baixar minha calça até os tornozelos e depois levantá-la novamente. Elas me obrigaram a fazer isso vez após vez, e todas riam de mim. Depois de ser provocada e insultada, a prisioneira-chefe me fez aprender a fazer coisas com penas de galinha. Mas como esse trabalho exigia um tanto de habilidade e prática, eu ainda não o dominava no segundo dia, então a prisioneira-chefe pegou uma vara de bambu e bateu em minhas mãos selvagemente. Bateram em minhas mãos até elas ficarem dormentes, e eu não conseguia nem juntar as penas da galinha. Quando tentei pegar as penas que caíram no chão, a prisioneira-chefe pisou na minha mão e a moeu com o pé, provocando uma dor lancinante nos meus dedos, como se eles tivessem sido arrancados. Mas ela ainda não havia terminado, então novamente pegou sua vara de bambu e me bateu na cabeça várias vezes até eu ficar tonta e meus olhos embaçarem. Finalmente, ela disse cruelmente: “Seu castigo será fazer o turno da noite hoje. Você será interrogada pela polícia amanhã, então terá que fazer hoje o trabalho de amanhã. Se não fizer tudo, amanhã à noite farei você ficar em pé a noite toda!” Naquele momento, me senti inexprimivelmente triste e deprimida. Pensei em como eu já não estava aguentando, com a polícia maligna se juntando às prisioneiras para me machucar dessa maneira, então como eu conseguiria suportar os dias adiante? Angustiada, chorei com a injustiça de tudo aquilo, as lágrimas escorriam pelo meu rosto e confidenciei silenciosamente a Deus, contando-Lhe minhas dificuldades: “Ó Deus! Diante da zombaria e da tormenta que me foram apresentadas por essa gangue de monstros, me sinto tão sozinha, desamparada e assustada, e não sei como vou superar isso. Por favor, guia-me e dá-me força.” Depois de orar, Deus me fez lembrar de uma passagem de Suas palavras para me iluminar: “Aqueles a quem Deus Se refere como vencedores são aqueles que ainda são capazes de prestar testemunho, de manter sua confiança e sua devoção a Deus, quando estiverem sob a influência de Satanás e sob o cerco de Satanás, isto é, quando estiverem cercados pelas forças das trevas. Se você ainda for capaz de manter um coração puro e o seu genuíno amor por Deus, não importa o quê, você mantém o testemunho diante de Deus, é isso a que Deus Se refere como sendo um vencedor” (de ‘Você deve manter sua devoção a Deus’ em “A Palavra manifesta em carne”). Derivei muito conforto das palavras de Deus, e elas me permitiram entender a vontade Dele. Deus usa o cerco e perseguição de Satanás para aperfeiçoar o homem, para permitir que o homem escape da influência de Satanás, para que possamos ser transformados em vencedores por Deus e entrar em Seu reino. Neste país sombrio e maligno, governado pelo governo do Partido Comunista Chinês, as pessoas só podem seguir a senda do mal, e não a senda certa. O objetivo do governo do Partido Comunista Chinês ao fazer isso é corromper as pessoas de tal forma que elas não consigam mais distinguir o bem do mal ou o certo do errado, fazer as pessoas defenderem a iniquidade e abandonarem a justiça, até que finalmente pereçam com ele por terem resistido a Deus. Somente ao não capitular quando atormentado por todos os lados por influências sombrias, apegando-se à fé, devoção e amor diante de Deus e dando testemunho de Deus é possível tornar-se um genuíno vencedor, e somente fazendo isso a pessoa pode envergonhar Satanás e capacitar Deus para ganhar glória. Então eu fiz uma oração a Deus: “Ó Deus! Tu estás usando esses demônios de Satanás em Teu serviço, a fim de testar minha fé e me dar uma chance de testemunhar por Ti. Ao fazer isso, Tu me exaltas, e acredito que tudo o que está acontecendo comigo agora seja orquestrado por Ti e que Tu examinas tudo secretamente. Desejo testemunhar por Ti e satisfazer a Ti neste julgamento. Peço apenas que Tu me dês fé e força e a determinação para suportar o sofrimento, para que, não importa quanta tormenta eu possa enfrentar, eu não caia ou perca meu rumo!”

Às 9 horas da manhã do terceiro dia, os policiais me levaram para uma sala de interrogatório. Brandindo o celular da minha filha, eles começaram a me questionar. “As mensagens neste telefone foram enviadas por você. Você disse à sua filha que compraria uma casa, então parece que você dinheiro não é o que lhe falta.” Esses policiais malignos eram verdadeiramente desprezíveis⁠— eles não deixaram pedra sobre pedra no esforço de espremer cada centavo de mim. Eu respondi: “Eu estava apenas brincando com ela”. A expressão do policial mudou abruptamente e, pegando um bloco de notas, ele começou a bater violentamente na minha cabeça e no meu rosto até eu ficar tonta e meu rosto queimar de dor. Com os dentes cerrados, ele disse: “Conte-nos! Onde está seu dinheiro? Se você não nos contar tudo, nós a arrastaremos para fora e ordenaremos que atirem em você! Ou então você será condenada a oito a dez anos de prisão! Eu disse que não sabia de nada. Um policial alto e imponente ficou com raiva, se lançou em mim e, agarrando a parte de trás da minha blusa, me arremessou alguns metros ao chão. Ele então começou a chutar violentamente minha cabeça, costas e pernas, dizendo ao fazê-lo: “É isso que você ganha por não confessar! Você diz que não sabe de nada, mas apenas um tolo acreditaria em você! Se você não nos disser o que queremos saber, vou espancá-la até a morte hoje mesmo!” Cerrei os dentes e sofri com a dor, invocando Deus constantemente em meu coração: “Ó Deus! Esses demônios são tão cruéis. Por favor, dá-me a força para superar os espancamentos deles e protege-me para que eu possa dar testemunho de Ti. Exatamente naquele momento pensei nas palavras de Deus, que dizem: “O que é um vencedor? Os bons soldados de Cristo devem ser corajosos e confiar em Mim para ser espiritualmente fortes; eles devem lutar para se tornar guerreiros e batalhar contra Satanás até a morte” (de ‘Capítulo 12’ das Declarações de Cristo no princípio em “A Palavra manifesta em carne”). “Se você tiver somente um sopro de vida, Deus não o deixará morrer” (de ‘Capítulo 6’ das Declarações de Cristo no princípio em “A Palavra manifesta em carne”). As palavras de Deus me deram fé e força e me deram a coragem para superar o domínio que a morte tinha sobre mim. Senti o amor de Deus naquele momento, e vi que Ele estava sempre ao meu lado. Pensei: “Quanto mais vocês me batem assim, mais eu vejo suas verdadeiras cores como inimigos de Deus. Mesmo que eu morra, nunca vou me render a vocês. Se vocês pensam que eu trairei a Deus, podem pensar novamente!” Depois de pensar nisso, senti meu corpo relaxar instantaneamente. Eles alternaram entre me bater e me questionar naquela manhã, e à tarde me fizeram ajoelhar no chão gelado e duro. Eles me torturaram durante todo o dia até o anoitecer, e, no final, fui espancada com tanta força que meu corpo inteiro doeu insuportavelmente e eu não tinha forças para suportar. Eles perceberam que não conseguiam tirar nada de mim ao me interrogar, então me escoltaram de volta para a casa de detenção.

De volta à casa de detenção, a insensível agente penitenciária nunca permitiu que eu tivesse comida suficiente, mas me sobrecarregou com tarefas de trabalho. Ela me obrigava a trabalhar por mais de 15 horas todos os dias, e, se eu não fizesse todo o trabalho, ela fazia a prisioneira-chefe me atormentar. Porque eu havia apenas começado a fazer esse trabalho e não era muito rápida, a prisioneira-chefe pegou o martelo de aço que eu usava no meu trabalho e me bateu na cabeça com ele. Um grande nódulo se formou imediatamente na minha cabeça, após o que ela me chutou e me bateu até que eu sentisse uma dor insuportável por todo o meu corpo e sangue saísse da minha boca. Sendo submetida a uma tortura tão cruel, não consegui deixar de pensar na minha filha. Desde o momento em que ela foi presa, eu não tinha ideia das torturas às quais os demônios malignos a estavam submetendo, muito menos como ela estava na prisão. Nesse momento, ouvi um grito repentino vindo da cela dos homens ao lado da minha, e uma das mulheres na minha cela disse: “Aqui, matar alguém é como matar um inseto. Um dos prisioneiros não conseguiu suportar a tortura e fugiu para as colinas atrás da prisão. Quando os policiais o encontraram, eles o espancaram até a morte e depois disseram à sua família que ele havia se matado. Assim, tudo foi encoberto”. Essa história me aterrorizou e fiquei ainda mais preocupada com minha filha. Ela tinha apenas 19 anos e, em toda a sua vida, jamais teve que sofrer e muito menos experimentou qualquer tipo de dificuldade como essa. Esses demônios que podiam matar alguém sem pestanejar eram capazes de qualquer ato desprezível em que se pudesse pensar, e eu não sabia se minha filha conseguiria suportar a tortura e a crueldade desses demônios. Por não ter ideia de se minha filha estava viva ou morta, senti angústia profunda e, mesmo em meus sonhos à noite, via cenas terríveis de ela sendo torturada por aqueles demônios. Eu acordava frequentemente desses sonhos e ficava tão chateada que não conseguia dormir de novo a noite inteira.

No dia seguinte, a agente penitenciária encontrou uma desculpa para dizer que eu não estava trabalhando o suficiente e me bateu no rosto sem motivo algum. Ela me atingiu com tanta força que meu rosto ardeu e meus ouvidos ficaram zumbindo. Mas isso não bastou para ela, e ela gritou: “Não acredito que não conseguiremos corrigir você aqui, então vou lhe dar um gostinho da temida ‘donzela de ferro’!” Ela então deu uma ordem, e cinco ou seis outras vieram e cortaram tanto o meu cabelo que eu não me parecia mais comigo mesma. Elas então me prenderam no chão e colocaram em mim o mais terrível instrumento de tortura de toda a prisão — a “donzela de ferro”. Colocaram um anel de ferro na minha cabeça, outros em cada mão e um em cada pé, e esses anéis estavam conectados por barras de ferro. Depois de estar toda algemada com esses instrumentos de tortura, eu não conseguia nem ficar em pé e tinha que ficar me apoiando na parede. A agente penitenciária me fez usar esses instrumentos de tortura todos os dias, das 5 da manhã até a meia-noite (eu tinha que permanecer em pé por 19 horas) e ela ordenou à prisioneira-chefe: “Vigie-a por mim. Se ela tentar dormir, chute-a!” A prisioneira-chefe me vigiava todos os dias e não me deixava fechar os olhos por um segundo sequer. Como esses anéis eram feitos de ferro e estavam por todo o meu corpo, parecia que prendiam minha circulação. Acabei não conseguindo mais manter meus olhos abertos, então a prisioneira-chefe me amaldiçoou e, uma vez, me chutou também. Meu corpo inteiro começou a tremer, e eu mal podia suportar a dor. Quando chegava a hora de dormir à noite, quatro prisioneiras me levantavam em uma prancha grande na qual eu trabalhava durante o dia e, na manhã seguinte, elas vinham me levantar de novo. Naqueles poucos dias, caiu uma terrível tempestade de neve, e o tempo ficou extraordinariamente frio. Para me atormentar, a agente penitenciária odiosa me fez usar esses anéis de ferro por sete dias e sete noites. Eu não conseguia comer, beber ou ir ao banheiro sozinha. Quando tinha que ir ao banheiro, outras prisioneiras que não tinham conseguido terminar seu trabalho tinham que me ajudar. Todas as prisioneiras estavam ocupadas todos os dias e, toda vez que me davam comida, faziam isso de forma descuidada e muito raramente me davam água para beber. Eu realmente sofria de fome e frio, e todos os dias pareciam uma vida inteira. Todas as manhãs logo cedo, quando me levantavam da prancha grande, eu me sentia incrivelmente angustiada, sem saber como conseguiria suportar outro dia. Eu ansiava apenas que a noite caísse, e teria sido bom para mim se o sol nunca surgisse novamente. Como os anéis de ferro eram muito pesados, no segundo dia em que fui obrigada a usá-los, minhas mãos incharam e ficaram pretas e roxas, e a pele parecia estar prestes a partir. Meu corpo inteiro estava inchado como um balão, e o inchaço ainda não diminuiu completamente, mesmo dez meses mais tarde. Eu estava tão atormentada que a morte parecia preferível à vida, e eu estava no limite da minha resistência à dor. Assim, implorei a Deus em oração: “Ó Deus! Eu realmente não posso suportar essa tormenta. Não quero viver, mas também não posso morrer. Só peço que Tu tires meu fôlego, pois não desejo viver mais outro minuto sequer”. No exato momento que eu fiz esse pedido irracional a Deus, desejando morrer como uma maneira de escapar da minha dor, pensei nas palavras de Deus, que diziam: “Hoje, a maioria das pessoas não tem esse conhecimento. Elas acreditam que o sofrimento é sem valor, […] O sofrimento de algumas pessoas atinge um certo ponto e seus pensamentos se transformam em morte. Esse não é o verdadeiro amor a Deus; tais pessoas são covardes, não têm perseverança, são fracas e impotentes! […] Assim, durante estes últimos dias vocês devem dar testemunho de Deus. Não importa quão grande seja o sofrimento de vocês, devem continuar até o fim e, mesmo em seus últimos suspiros, ainda assim vocês devem ser fieis a Deus e ficar à mercê de Deus; só isso é realmente amar a Deus e apenas isso é o testemunho forte e retumbante” (de ‘Somente experimentando provações dolorosas é possível conhecer a beleza de Deus’ em “A Palavra manifesta em carne”). “Como um ser criado, você deveria, é claro, adorar Deus e buscar uma vida com significado. Se você não adorar a Deus e viver na carne imunda, então você não é só um animal com vestes humanas? Como ser humano, você deve se despender por Deus e aguentar todo o sofrimento. Você deveria aceitar o pequeno sofrimento a que é submetido hoje com alegria e certeza e viver uma vida de significado, como Jó, como Pedro. […] Vocês são pessoas que buscam o caminho correto, aqueles que buscam melhoria. Vocês são as pessoas que se levantam na nação do grande dragão vermelho, aqueles a quem Deus chama de justo. Não é essa a vida mais significativa?” (de ‘Prática (2)’ em “A Palavra manifesta em carne”). As palavras de Deus caíram sobre meu coração ressecado como doce orvalho. “Sim”, pensei. “Este é o momento em que Deus precisa que eu testemunhe por Ele. Se eu morrer porque não estou disposta a sofrer, isso não tornaria de mim uma covarde? Embora agora eu esteja sofrendo crueldade e tormenta pelas mãos desses demônios, não é a coisa mais significativa e válida poder dar testemunho de Deus e ser chamado de justa por Ele? Eu segui Deus por todos esses anos e desfrutei de tanta graça e tantas bênçãos Dele; portanto, hoje devo dar testemunho de Deus diante de Satanás — é minha honra fazer isso. Eu me apegarei à vida, não importa o quanto sofra ou o quão difícil seja, para que o coração de Deus seja satisfeito”. As palavras de Deus despertaram meu coração e meu espírito e me permitiram entender Sua vontade. Eu não queria mais morrer, mas apenas suportar qualquer dor e me submeter às orquestrações e arranjos de Deus. Finalmente, sete dias e noites de punição física chegaram ao fim. Eu havia sido torturada quase até a morte, a pele dos meus calcanhares havia sido arrancada, e camada após camada de pele ao redor da minha boca havia descascado. Mais tarde, ouvi um prisioneiro na cela ao lado dizer: “Um prisioneiro forte e robusto de trinta e poucos anos morreu sob essa tortura”. Quando ouvi isso, fiquei agradecendo a Deus em meu coração, pois sabia que não havia sobrevivido apenas por ter tido sorte, mas por causa da orientação e proteção de Deus. Foram as palavras de Deus imbuídas de força vital que me mantiveram viva, do contrário, dada a minha frágil constituição feminina, eu teria morrido daquela tortura há muito tempo.

Tendo sofrido aquela tortura cruel, testemunhei verdadeiramente a onipotência de Deus e, mais ainda, passei a entender o quão impotente sou. Durante essa provação, eu não conseguia nem cuidar de mim, e ainda assim eu tinha me preocupado se minha filha conseguiria permanecer firme — eu não estava só me preocupando com coisas da minha própria imaginação? O destino da minha filha estava nas mãos de Deus, e minha preocupação com ela em nada poderia ajudá-la. Tudo o que fez foi dar a Satanás a oportunidade de chegar até mim e me tornar vulnerável às suas enganações e danos. Todas as coisas são orquestradas e arranjadas por Deus, e eu sabia que deveria confiar minha filha a Deus e olhar para Ele, confiando que, por mais que Deus pudesse me conduzir por essa adversidade, Ele também estaria guiando minha filha durante esse período terrível. Assim, eu fiz uma oração a Deus e pensei nas palavras Dle, que dizem: “Por que você não os entrega em Minhas mãos? Você não acredita em Mim o suficiente? Ou será que é por medo de Eu fazer arranjos impróprios para você? Por que você sempre sente falta de sua casa? E sente falta das outras pessoas! Será que Eu ocupo algum lugar no seu coração?” (de ‘Capítulo 59’ das Declarações de Cristo no princípio em “A Palavra manifesta em carne”). As palavras de Deus sanaram meu estado. “Isso mesmo”, pensei. “As dificuldades que as pessoas passam e a dor que sofrem são todas predestinadas por Deus. Deus permitiu que o sofrimento pelo qual minha filha está passando caísse sobre ela. Embora eu possa não entender e não saiba o que está acontecendo com ela, o amor de Deus certamente está por trás de tudo, pois o amor que Ele tem pelo homem é o amor mais real e verdadeiro. Desejo confiar minha filha a Deus para que Ele reine e tome providências para ela, e estou disposta a obedecer a tudo o que vem de Deus.” Justamente quando deixei de lado todas essas coisas e fiquei disposta a me submeter às orquestrações de Deus, vi minha filha no tribunal. Disfarçadamente, ela me disse que Deus a havia guiado a superar algumas dificuldades e torturas e que havia testemunhado as bênçãos de Deus: Deus mobilizou alguns prisioneiros ricos para ajudá-la, alguns deram roupas e outros compraram coisas para ela comer e beber; quando a prisioneira-chefe a intimidou sob algum pretexto frágil, alguém a defendeu. Essas são apenas algumas das bênçãos que Deus concedeu à minha filha na prisão. Por meio dessas experiências, minha filha chegou a entender a maravilhosa e sábia obra de Deus e percebeu que o amor Dele nunca pode ser expresso em palavras. Fiquei muito feliz ao ouvir essas coisas dela, e meus olhos se encheram de lágrimas de gratidão a Deus. Em minha filha, vi mais uma vez a soberania onipotente e os feitos maravilhosos de Deus, e vi que Deus sempre esteve guiando e protegendo a nós duas, para que pudéssemos passar por essa adversidade e perseguição. Minha fé em Deus foi assim fortalecida ainda mais.

Nos dias que se seguiram, a agente penitenciária não deu importância ao fato de que meu corpo estava inchado e dolorido, mas continuou a me forçar a trabalhar. Em pouco tempo, fiquei tão exausta que acabei ficando com diversas novas lesões em cima das outras já existentes, e a parte de baixo de minhas costas doía tanto que não conseguia ficar em pé. Quando me movia ou virava, eu sentia fortes dores em todos os ossos e articulações do meu corpo, como se todos estivessem sendo dilacerados, e assim ficava difícil adormecer à noite. Apesar disso, a agente penitenciária não facilitou as coisas para mim, mas fazia a prisioneira-chefe me intimidar em todas as oportunidades. Como eu não tinha dinheiro para comprar comida, a prisioneira-chefe chutou a parte inferior do meu corpo violentamente, e eu instintivamente me afastei e tentei me esconder. Sua frustração se transformou em raiva, e ela chutou e pisou em mim com abandono. Como óleo não era usado nas refeições que comíamos, muitas vezes eu ficava constipada e, se passasse muito tempo agachada sobre o toalete, elas me amaldiçoavam e puniam, me obrigando a esvaziar o balde por mais de dez dias. Elas achavam qualquer motivo arbitrário para me punir, fazendo-me mudar de posição e ficar de guarda a noite toda. Elas também disseram que eu usava muita matéria-prima quando trabalhava e, por isso, me multaram em 50 yuans. A agente penitenciária aproveitou a oportunidade para me levar ao escritório e tentou me seduzir dizendo: “Se você puder me dizer com quem mais acreditava em Deus, pedirei ao presidente do tribunal para reduzir sua sentença, e também não vamos lhe multar esses 50 yuans.” Esses policiais malignos tinham tantos planos astutos nas mangas, alternando entre táticas suaves e duras, e tentavam todas as estratégias que conseguiam imaginar para me fazer trair a Deus, mas tudo em vão! Recusei a oferta dela.

Em 25 de agosto de 2008, o governo do Partido Comunista Chinês me acusou de “ingressar em uma organização Xie Jiao e de obstruir a aplicação da lei” e me sentenciou a três anos de reeducação através de trabalho. Eles me escoltaram até o Campo de Trabalho Feminino da Província para cumprir minha sentença. Minha filha foi condenada a um ano de reeducação através de trabalho a ser cumprido na casa de detenção local.

Depois de duas semanas na prisão, os guardas queriam separar os presos em diferentes grupos de trabalho. Ouvi dizer que o trabalho realizado pelos prisioneiros idosos era um pouco mais leve, e pensei sobre como meu corpo havia sido gravemente danificado e quase arruinado na casa de detenção e sobre como eu não tinha mais as forças para fazer trabalho físico duro. Orei a Deus por isso, pedindo que Ele abrisse um caminho para mim. Se Ele realmente precisasse que eu continuasse passando por esse tipo de situação, eu estaria disposta a obedecer. Agradeço a Deus por ouvir minha oração, pois fui enviada ao grupo de trabalho dos prisioneiros idosos. Todos os outros disseram que isso era algo inédito, mas eu sabia muito bem que tudo isso estava sendo orquestrado por Deus e que Deus estava me mostrando compaixão por minha fraqueza. No grupo dos prisioneiros idosos, os guardas da prisão diziam de forma muito simpática: “Quem trabalha duro e faz bastante esforço terá sua sentença reduzida. Não favoreceremos ninguém…” Eu acreditei neles quando disseram isso, pensando que os guardas dali eram um pouco melhores que os agentes penitenciários da casa de detenção. Então, eu me lancei no trabalho e acabei entre os dez trabalhadores mais produtivos dentre quase 300 pessoas. Quando chegou a hora de anunciar a lista de pessoas cujas sentenças deveriam ser reduzidas, no entanto, os guardas da prisão só conseguiram reduzir as sentenças daqueles que gostavam de brigar e que compravam presentes para eles — minha sentença não foi reduzida por nem um dia. Uma prisioneira trabalhou até os ossos a fim de reduzir sua sentença, mas, para sua surpresa, os guardas da prisão disseram apenas: “Devemos manter alguém tão capaz como você aqui por toda a vida!” Quando ouvi isso, me odiei por minha tolice, por não entender a essência cruel e brutal do governo do Partido Comunista Chinês e por ter sido tão enganada por suas mentiras. De fato, Deus disse há muito tempo: “Acima da raça humana, o céu se obscurece, nebuloso e sombrio, sem sequer um reflexo de claridade, e o mundo humano fica mergulhado em uma escuridão tenebrosa, de forma que quem vive nele não consegue enxergar a própria mão estendida diante do rosto nem o sol quando ergue a cabeça” (de ‘O que significa ser um homem de verdade’ em “A Palavra manifesta em carne”). Comparando as revelações das palavras de Deus com os fatos da realidade, finalmente vi que o governo do Partido Comunista Chinês não passava de escuridão e sujeira, de cima até embaixo, e não tinha o menor traço de imparcialidade ou justiça. Aquela polícia maligna só podia trapacear e enganar as pessoas com mentiras e era simplesmente incapaz de nos tratar como seres humanos. Para eles, os prisioneiros nada mais eram do que ferramentas para ganhar dinheiro — quanto mais capazes eram os prisioneiros, menor a probabilidade de terem suas sentenças reduzidas. Os guardas da prisão queriam que as pessoas prestassem serviço a eles o tempo todo e trabalhassem como mulas para que pudessem ganhar ainda mais dinheiro com elas. Para aumentar a produção, a polícia maligna nem nos deixava usar o banheiro, e várias vezes eu simplesmente não conseguia segurar e urinava nas calças. Como eu me destacava pela quantidade de trabalho que conseguia realizar, a equipe de trabalho principal conseguiu que eu fosse transferida para me tornar uma “líder”. Eu já tinha visto seus rostos feios com clareza e sabia que, se fosse transferida, eles certamente exerceriam mais pressão sobre mim para trabalhar ainda mais duro. Eu tinha medo de ser transferida e, por isso, clamava a Deus constantemente: “Ó Deus! Sei que essa é uma armadilha que os demônios colocaram diante de mim, mas não há como escapar dela. Por favor, abre uma saída para mim.” Para minha surpresa, depois de fazer essa oração, apesar do tempo quente, minhas mãos esfriaram e meus dedos ficaram inseparavelmente cerrados e azuis. A agente penitenciária da equipe de trabalho principal disse que eu estava fingindo e forçou duas outras pessoas a me levar para o trabalho. Tudo o que conseguia fazer era clamar desesperadamente a Deus e acabei caindo do terceiro para o segundo andar. Ao verem isso, eles ficaram com medo e me fizeram voltar para o grupo de trabalho dos idosos. Depois, percebi que meu corpo de fato não estava ferido — mais uma vez eu testemunhei como Deus me protegia.

Na prisão, os crentes em Deus Todo-Poderoso são rotulados como prisioneiros políticos, e os demônios do Partido Comunista Chinês nos vigiam o tempo todo, o que significa que sequer temos o direito de falar. Se eu falasse com alguém, os guardas da prisão viam e nos questionavam sobre o que tínhamos dito. À noite, eles faziam a prisioneira-chefe me observar para ver se eu estava discutindo questões de fé com outras pessoas. Sempre que alguém da minha família vinha me visitar, os guardas da prisão me faziam dizer algumas frases que caluniavam a Deus e, se eu não as dissesse, interromperiam propositalmente minhas conversas com minha família (o que significava que eu teria menos tempo para conversar com elas). Porque sabia que dizer essas coisas ofenderia a Deus, sempre que me deparava com essa situação, orava silenciosamente para Deus e dizia: “Ó Deus! Este é Satanás tentando me tentar. Por favor, protege-me e evita que eu diga qualquer coisa que possa ofender Teu caráter.” Como eu nunca disse nada que eles queriam que eu dissesse, não havia nada que os guardas da prisão pudessem fazer a respeito disso no final.

Três anos de prisão me permitiram ver claramente as verdadeiras cores do governo do Partido Comunista Chinês. Ele age de um jeito na frente das pessoas e de outro por suas costas; para o mundo exterior, vangloria-se da “liberdade de religião”, mas, nos bastidores, persegue e atrapalha a obra de Deus de todas as formas possíveis e prende freneticamente os crentes em Deus, arranca confissões deles através de tortura e os agride cruelmente. Ele utiliza os meios mais desprezíveis que se possa imaginar para forçar as pessoas a rejeitarem a Deus, traírem a Deus e se renderem ao seu poder despótico a fim de alcançar seu objetivo maligno de subjugar e controlar as pessoas para sempre. A humanidade foi criada por Deus e deve adorar a Deus. No entanto, o governo do Partido Comunista Chinês faz todo o possível para banir a vinda de Deus, impede as pessoas de crerem em Deus, de pregar o evangelho e testemunhar a Deus, e, ao fazer isso, expõe completamente sua essência maligna, que é ao mesmo tempo perversa e contrária ao céu. Depois de passar por essa perseguição e adversidade, embora minha carne tenha sofrido alguma dor, não tenho queixas nem arrependimentos, pois ganhei muito de Deus. Quando eu me sentia fraca e impotente, era Deus quem me concedia fé e força uma e outra vez, permitindo-me encontrar a determinação de lutar contra Satanás até o fim; quando sentia pesar e abatimento, tristeza e desespero, era Deus quem usava Suas palavras para me confortar e me encorajar; quando eu estava à beira da morte, foram as palavras de Deus que me deram a motivação para sobreviver e a coragem para continuar vivendo; sempre que eu estava em perigo, Deus estendia Sua mão da salvação a tempo, protegendo-me, ajudando-me a escapar do perigo e entregando-me à segurança. Por meio dessa experiência, eu não só vi mais claramente a essência do diabo Satanás que se opõe a Deus e passei a odiá-la mais profunda e mais completamente, mas também, ao mesmo tempo, cheguei a ter uma compreensão verdadeira das maravilhas das ações de Deus, bem como do amor e da salvação de Deus. Passei a ter um apreço real pela bondade e humildade de Cristo e pelo sofrimento que Ele passou para salvar a humanidade, e minha fé e amor por Deus foram aprofundados.

Depois que fui libertada da prisão, já que os demônios do Partido Comunista Chinês provocaram discórdia entre nós, meus amigos e minha família todos me rejeitaram e evitaram. Meus irmãos e irmãs da igreja, no entanto, se importaram comigo e cuidaram de mim, e eles me deram tudo que eu precisava para começar a vida novamente — ao fazer isso, eles me deram uma sensação calorosa que eu teria dificuldade de encontrar em qualquer outro lugar. Graças a Deus por me salvar: não importa quão difícil seja o caminho à frente, seguirei a Deus até o fim e procurarei viver uma vida significativa para retribuir o Seu amor.

Conteúdo Relacionado