Tornando-me um fariseu moderno

26 de Março de 2022

Por Lizhi, China

Comecei a seguir o Senhor Jesus em 1989. Participando dos cultos e lendo a Bíblia, eu aprendi que os céus, a terra e todas as coisas foram criados por Deus, que o Senhor Jesus se tornou carne e morreu na cruz a fim de salvar a humanidade das garras de Satanás, trazendo-nos graça, paz e alegria incríveis. Senti muita gratidão pelo Senhor. Depois disso, comecei a compartilhar o evangelho enquanto ainda trabalhava, e ir à igreja e ler as Escrituras se tornaram minha vida. Durante alguns anos, o evangelho se espalhava rapidamente, e fundamos muitas igrejas novas em pouco tempo. Fui eleita a uma posição de liderança e era responsável pelo trabalho de duas províncias. Acabei largando meu emprego e dando tudo de mim no trabalho das igrejas. Cada dia era gratificante.

Então, a partir de 1997, muitos problemas começaram a surgir que eu não conseguia resolver. Nosso evangelismo decaiu, as orações não curavam doenças, e nós não conseguíamos expulsar demônios. E, obviamente, meus sermões não eram inspirados e careciam de percepção. Os obreiros perguntavam sobre o que pregar e eu dizia: “Só leiam a Bíblia se ficarem travados”. Eu sabia que isso não era nenhuma solução, que os irmãos podiam ler a Bíblia por conta própria e que não precisavam de nós para lê-la. Os membros da igreja não estavam recebendo sustento espiritual e estavam fracos. Não estávamos ganhando membros novos, e até os membros existentes estavam deixando a igreja. Alguns desistiram de sua fé e alguns obreiros até voltaram para o mundo. Os obreiros e eu estávamos sempre jejuando e orando, clamando ao Senhor, e até pedimos ajuda ao clero na província de Henan. Mas, não importava o que fizéssemos, não conseguíamos reverter o estado desolado da igreja. Eu realmente estava com os nervos à flor da pele e não conseguia comer nem dormir. Perguntei-me: se as coisas continuassem desse jeito, todas essas igrejas que tínhamos fundado com tanto trabalho simplesmente desmoronariam? O que eu teria para mostrar ao Senhor quando Ele retornasse? Isso não faria de mim uma pecadora? Não, eu percebi que devia viajar e analisar outras igrejas.

Primeiro, visitei o presbítero Wu, o presbítero mais respeitado da nossa região. Mas ele só pregava sobre as mesmas coisas de sempre. Então, com a recomendação do presbítero Wu, fui visitar o presbítero Yuan em Pequim. Ele era outro presbítero muito respeitado. Achava que ele certamente teria algo esclarecedor para compartilhar que reavivaria a igreja. Mas, ao longo de três dias de comunhão com ele, ele só falou sobre sua própria vida, como ele tinha feito sacrifícios pelo Senhor, como o Partido Comunista o oprimira. Não foi nada esclarecedor. A viagem a Pequim foi em vão. Mais tarde, uma irmã me apresentou a alguns evangelistas da Coreia do Sul. Pensei que, já que o evangelho chegou à China mais tarde, eles teriam algo edificante para compartilhar, de modo que houvesse esperança para as nossas igrejas. Foi a mesma coisa de sempre, nada esclarecedor. Àquela altura, eu já estava muito desanimada. Clamei ao Senhor: “Ó Senhor, o que devo fazer? Fiz tudo que sei fazer, procurei todos que conheço. Não sei mais o que fazer — não sei para onde ir”.

Foi no fim de 1998. Quando um líder superior de Henan veio celebrar um culto conosco, ele mencionou uma igreja chamada “Relâmpago do Oriente”, que dizia que o Senhor tinha retornado. Fiquei pasma e entusiasmada ao mesmo tempo. Eu estivera esperando o retorno do Senhor havia anos, e o dia finalmente tinha chegado! Mas, em meio ao meu entusiasmo, ele disse: “A Relâmpago do Oriente diz que o Senhor retornou, que Ele está fazendo uma nova obra e falando palavras novas. Eles nem leem mais a Bíblia e dizem que o Senhor retornou como uma mulher”. Quando essas palavras saíram da boca dele, houve um alvoroço e todos começaram a discutir. Alguns disseram: “O quê? O Senhor retornou? E por que não ficamos sabendo disso? Como Ele poderia voltar como uma mulher? O Senhor Jesus era um homem, Ele deveria voltar como homem!”. E alguns disseram: “A Bíblia não diz nada sobre o Senhor falar palavras novas e fazer uma nova obra ao retornar. O que a Relâmpago do Oriente diz é impossível”. Pensei que a afirmação de que o Senhor tinha retornado, estava fazendo uma nova obra e tinha encarnado em forma feminina eram algo que a Bíblia não menciona em nenhum lugar. Então, sem base bíblica, não podia ser a obra de Deus. Como crentes, devemos seguir a Bíblia, e qualquer um que se desvia disso não é cristão. Além disso, o Pai Nosso diz: “Pai nosso que estás nos céus” (Mateus 6:9). “Pai” não se refere a um homem? Como Deus poderia encarnar como mulher? Enquanto ponderava tudo isso, ouvi o líder superior gritar: “Jamais acreditem na Relâmpago do Oriente! O que dizem não está alinhado com a Bíblia. Devemos sempre permanecer alertas para não nos desviarmos. A partir de agora, vocês devem estar atentos e seguir os ‘três nãos’: não ouçam, não leiam, não acolham. Não podem permitir que eles roubem nossas ovelhas”. Depois da reunião, conversei com o líder. Ele disse que muitos crentes e obreiros de longa data, que eram bons buscadores, já tinham aceito a Relâmpago do Oriente. Fiquei um pouco confusa, então perguntei a ele por que pessoas que conheciam bem as Escrituras e eram fiéis ardentes se juntariam à Relâmpago do Oriente. O que eles ensinavam? Ele não pôde me dar uma resposta clara. Ele só disse que não estavam alinhados com a Bíblia, que fé no Senhor é fé na Bíblia e que não devemos acreditar em nada sem base bíblica. E ele ressaltou fortemente: “Você é uma líder da igreja, a vida dos irmãos está em suas mãos. Você não deve ficar confusa agora, deve aderir à Bíblia. O Senhor lhe confiou as ovelhas Dele, e você deve protegê-las. Se permitir que eles roubem uma única ovelha, você não terá como justificar isso diante do Senhor”.

Depois que foi embora, compartilhei tudo que ele disse com os outros irmãos, instruindo-os a não acolher nenhum estranho e a não trazer parentes para a igreja sem permissão. Qualquer circunstância especial precisaria da minha aprovação. Não haveria exceção nenhuma, e qualquer um que não obedecesse seria expulso. Eu também lhes disse que era para o próprio bem deles, pois eles eram imaturos na vida e careciam de discernimento, podiam ser enganados facilmente. Depois disso, para afastar as pessoas da Relâmpago do Oriente, inventei alguns boatos, exatamente como o líder tinha me instruído. Não tive nenhum escrúpulo em minhas tentativas de impedir que os irmãos investigassem a obra de Deus dos últimos dias. Mas, para a minha surpresa, muitos deles, mesmo assim, se juntaram à Relâmpago do Oriente. Passei a ser ainda mais vigilante, e se algum estranho falava sobre qualquer questão de fé, eu suspeitava que ele era da Relâmpago do Oriente. Na época, fiquei muito sensível, temendo que qualquer um pudesse ser pregador da Relâmpago do Oriente.

Certa vez, uma obreira se deparou com uma pregadora da Relâmpago do Oriente numa reunião. Ela a lhe deu ouvidos o dia todo e gostou muito do que ouviu, então, de repente, se lembrou do que eu tinha dito, de que expulsaria qualquer um que entrasse em contato com a Relâmpago do Oriente. Ela não teve coragem de ficar ouvindo, então voltou correndo para me contar. Ela disse que tinha ouvido o dia inteiro e gostado muito, mas não ousou aceitar, pois temia ser expulsa. Eu olhei para ela furiosa e lhe falei algumas verdades: “Eu lhe disse repetidas vezes para não ter contato com eles. Como você pôde fazer isso? Sabemos que o Senhor Jesus era homem, mas eles dizem que o Senhor retornou como mulher. É evidente que isso está errado! E você os ouviu por horas — não teve medo de ser expulsa?”. Ela se apressou em se justificar, mas eu não quis saber. Eu lhe disse que ela não devia participar mais daquelas reuniões, mas que eu mesmo iria. Posteriormente, encontrei um pessoal da Relâmpago do Oriente naquele local de reuniões. Eles compartilharam testemunho da obra de Deus dos últimos dias. Achei que poderíamos ter um debate sobre isso, mas então me lembrei do clérigo de Henan, que disse que ninguém da Relâmpago do Oriente podia ser uma pessoa boa, então me levantei para ir embora. A irmã anfitriã pediu que eu ficasse e os ouvisse até o fim, mas eu estava tão agitada que também lhe dei uma bronca. Voltei e contei aos outros obreiros que algumas pessoas naquele local de reuniões tinham aceito a Relâmpago do Oriente e que deveríamos expulsá-las. E eu também disse aos meus obreiros que, se não as expulsássemos e elas convertessem outros irmãos, nosso pecado seria ainda maior e jamais seríamos capazes de justificar isso diante do Senhor.

Então, no final de março de 1999, uma amiga minha, crente também, passou lá em casa e mencionou que sua igreja estava indo muito bem. Eu não soube o que pensar. Nossa igreja estava tão mal que quase ninguém aparecia mais, mas eles estavam indo bem. Eles também estavam com a Relâmpago do Oriente? Querendo descobrir isso, liguei para a irmã Xing, uma líder daquela igreja. A irmã Xing disse que eles não liam mais a Bíblia, só o pergaminho mencionado em Apocalipse. Senti um aperto no coração quando ouvi isso. Percebi que ela também acreditava na Relâmpago do Oriente. Ela era uma pessoa boa, versada na Bíblia e gozava de boa reputação junto aos crentes. Se ela se unisse à Relâmpago do Oriente, outros certamente a seguiriam naquela fé. Eu não podia só ficar vendo isso acontecer. Embarquei num trem no dia seguinte. Quando cheguei, percebi que mais de vinte irmãos e irmãs tinham aceitado a Relâmpago do Oriente juntamente com ela. Eu a urgi a voltar, mas não importava o que eu dissesse, ela estava determinada a ficar. Quando voltei para a cidade, informei todas as igrejas que a irmã Xing e os outros tinham aceitado a Relâmpago do Oriente. Mas alguns irmãos e irmãs, vendo que uma buscadora tão ardente com opiniões fortes tinha se juntado a eles, não se sentiram tão desencorajados pela Relâmpago do Oriente e começaram a pensar que devia ser o caminho verdadeiro. Alguns até começaram a acolher secretamente membros da Relâmpago do Oriente. Eu também soube de uma igreja em Shandong, onde mais de cem de seus membros tinham se convertido, incluindo alguns obreiros bastante devotos.

Eu a via prosperar e crescer cada vez mais e não conseguia entender por que tantas pessoas a estavam aceitando, incluindo tantos obreiros que conheciam bem a Bíblia e eram buscadores devotos. Alguns irmãos e outros obreiros, já que eu não permitia que investigassem, estavam perguntando por que cada vez mais pessoas estavam se juntando a ela o tempo todo e nada podia convencê-las a voltar. As perguntas deles me deixaram perplexa. Então, o que a Relâmpago do Oriente pregava e o que a tornava tão atraente? Podia ser verdade que o Senhor tinha retornado? Mas então pensei que o Senhor não poderia retornar como uma mulher, e que ter fé, mas não ler a Bíblia, não podia estar certo! O fato da igreja deles prosperar tanto devia ser algo temporário — não podia durar. Assim, eu não estava disposta a investigar nem a permitir que os outros a aceitassem. Comecei a ficar de olho na igreja depois disso, determinada a manter os irmãos longe da Relâmpago do Oriente.

Mas então, do nada, naquele julho, meu corpo inteiro começou a inchar. Nos piores momentos, quando me agachava, eu nem conseguia me levantar mais. Os membros da igreja estavam jejuando e orando por mim, mas não houve melhora. Um médico me disse que eu tinha um tumor do tamanho de um ovo no útero. Fiquei chocada ao ouvir isso e fui para casa lutando contra as lágrimas. Comecei a fazer algumas reflexões pessoais. Perguntei-me se essa doença séria era a punição de Deus. Também me lembrei deste versículo: “Não vos esqueçais da hospitalidade, porque por ela alguns, sem o saberem, hospedaram anjos” (Hebreus 13:2). Mas, durante todo o tempo, eu tinha mantido a igreja isolada, recusando-me a receber pessoas da Relâmpago do Oriente, e não importava o que dissessem sobre o retorno do Senhor, eu me recusava a ouvi-las, a ter contato com elas ou permitir que os membros da igreja investigassem o que diziam. Esse meu comportamento era claramente contrário à Bíblia. Eu não fazia ideia do que a Relâmpago do Oriente pregava, mas permanecia em alerta contra qualquer um que fosse de lá. Talvez eu estivesse sendo muito imprudente em relação a isso. Eu estava tão mal que não tinha a vontade nem a energia para continuar lutando contra a Relâmpago do Oriente. Durante um tempo, eu me senti solitária e impotente e cada vez mais afastada de Deus. Chorei e orei ao Senhor: “Senhor, estou me sentindo tão fraca agora. Estás realmente me abandonando? Senhor, como posso voltar para como as coisas eram antes, Contigo do meu lado? Senhor, onde estás? Por favor, mostra-Te a mim e salva-me!”.

Eu passava cada dia em miséria terrível, mas via que os membros da Relâmpago do Oriente estavam cheios de fé e espiritualmente animados. E me lembro que a mãe de uma obreira estivera tão deprimida e fraca que não quis continuar na fé, mas, depois de aceitar a Relâmpago do Oriente, era como se ela tivesse retornado dos mortos — estava tão cheia de energia. Ela começou a se levantar às cinco todos os dias, sair às sete para compartilhar o evangelho e só voltar para casa à noite. A fé dela era muito forte. Ela era uma pessoa diferente. Já os membros da nossa igreja — alguns estavam doentes, alguns estavam desmoronando. Tudo estava morto e enfadonho, sem qualquer vitalidade.

Eu não conseguia entender. Nosso clero dizia que a Relâmpago do Oriente não prestava, que vinha de uma pessoa, não de Deus, que não perduraria. Mas, na verdade, ela prosperava cada vez mais o tempo todo. Isso me lembrou dos versículos bíblicos: “Porque este conselho ou esta obra, caso seja dos homens, se desfará; mas, se é de Deus, não podereis derrotá-los; para que não sejais, porventura, achados até combatendo contra Deus” (Atos 5:38-39). Se eles não tinham a obra do Espírito Santo, como podiam desenvolver tanta fé e prosperar daquele jeito só por esforço humano? Será que realmente vinha de Deus? Se vinha, então, ao lutar contra a Relâmpago do Oriente, eu estava lutando contra Deus.

Alguns obreiros até pediram que eu encontrasse alguém para compartilhar um sermão espiritual restaurador conosco. Isso me deixou incrivelmente desconfortável. Eu tinha sido uma crente por anos e me via como uma buscadora devota. Nunca imaginaria que levaria os outros para um beco sem saída. Como poderia prestar contas ao Senhor por isso? Às vezes, eu queria muito conversar com as pessoas da Relâmpago do Oriente para ver o que pregavam e por que seus membros estavam tão energizados.

Um dia, em agosto, a irmã Su trouxe dois irmãos para ficarem na minha casa, e eu os acolhi com entusiasmo. Numa conversa, o irmão Wang me perguntou por que, na minha opinião, as pessoas acreditavam em Deus. Eu lhe disse: “Para ir para o céu, para ganhar a vida eterna”. Então ele perguntou: “Se elas não pudessem ir para o céu, você acha que elas continuariam tendo fé?”. “Quem ainda teria fé?” escapou da minha boca. Ele sorriu e respondeu: “É natural que, como seres criados, adoremos o Criador. Crer em Deus e amá-Lo é o que devemos fazer, não para entrarmos no céu”. Com poucas palavras, ele conseguiu falar ao meu coração e, entusiasmada, concordei acenando com a cabeça. Ao longo de todos os anos de fé, eu nunca tinha ouvido algo igual antes. Não de líderes da igreja, de obreiros de outras denominações nem mesmo de pregadores do exterior. Todos falavam sobre empenhar-nos na busca para que fôssemos abençoados e entrássemos no céu, mas ninguém tinha pregado nada tão elevado sobre a fé, um entendimento tão puro. De repente, senti um pingo de esperança. Perguntei-lhes como poderia resolver a desolação na igreja.

Primeiro, o irmão Wang me explicou por que o templo se tornou tão desolado na Era da Lei. Ele disse que, no início da Era da Lei, ele estava cheio da glória de Jeová e ninguém ousava agir deliberadamente dentro dele. Mas, já no fim da Era da Lei, ela se tornou um local para trocar dinheiro, vender animais. Ele estivera sem a glória de Deus havia muito tempo, tornando-se uma covil de ladrões, um deserto. Ele disse que as palavras do Senhor Jesus de repreensão aos fariseus nos mostram que os sumos sacerdotes, escribas e fariseus que serviam no templo só instruíam as pessoas a executar ritos e seguir regras, mas eles não praticavam as palavras de Deus. Eles se desviaram do caminho de Deus. Foi por isso que o Senhor Jesus não operou no templo quando veio, mas realizou uma nova obra fora do templo. Todos que deixaram o templo e seguiram a nova obra do Senhor ganharam sustento na vida e a obra do Espírito Santo. A graça do Senhor os seguiu. Mas aqueles que se agarraram à lei e se recusaram a aceitar a nova obra do Senhor caíram em escuridão e se tornaram cada vez mais depravados. É como diz a Bíblia: “Eis que vêm os dias, diz o Senhor Jeová, em que enviarei fome sobre a terra; não fome de pão, nem sede de água, mas de ouvir as palavras de Jeová” (Amós 8:11). Então ele disse que o mundo religioso de hoje é igual ao templo no final da Era da Lei. Ele está desolado e sombrio e cada vez mais desregrado. Os crentes estão perdendo a fé e carecem de amor porque o clero que os lidera não está praticando as palavras do Senhor. Além disso, a obra de Deus avançou e a obra do Espírito Santo mudou. Devemos buscar a nova obra de Deus para encontrar uma saída! A comunhão do irmão Wang me ajudou a ver que a igreja estava tão sombria, não porque o Senhor nos abandonou, mas porque Ele estava fazendo uma obra nova que nós não estávamos seguindo. Só devíamos buscar Sua obra nova e acompanhar os passos de Deus para ganhar a presença do Senhor e a obra do Espírito Santo. Quando viu que eu estava começando a entender as coisas, ele leu algumas passagens das palavras de Deus para mim. Deus Todo-Poderoso diz: “Deus cumprirá este fato: Ele fará com que todas as pessoas em todo o universo venham para diante Dele e adorem o Deus na terra, e Sua obra em outros lugares cessará, e as pessoas serão forçadas a buscar o caminho verdadeiro. Será como José: todos o procuraram em busca de comida e se curvaram diante dele, pois ele tinha coisas para comer. Para evitar a fome, as pessoas serão forçadas a buscar o caminho verdadeiro. A comunidade religiosa inteira sofrerá uma fome intensa, e só o Deus de hoje é a fonte da água viva, possuidor dos mananciais perenes providos para o deleite do homem, e as pessoas virão e dependerão Dele” (‘O Reino Milenar chegou’ em “A Palavra manifesta em carne”). “Nenhum deles tem fé que verá a Minha glória, e Eu não vou obrigá-los, mas, sim, remover a Minha glória de entre a humanidade e levá-la para outro mundo. Quando os homens mais uma vez se arrependerem, então tomarei Minha glória e mostrá-la-ei para ainda mais dos que têm fé. Esse é o princípio segundo o qual Eu opero. Porque há um momento em que a Minha glória deixa Canaã e há também um momento em que a Minha glória deixa os escolhidos. Além disso, há um momento em que a Minha glória deixa a terra inteira, fazendo-a escurecer e mergulhando-a nas trevas. Até mesmo a terra de Canaã não verá a luz do sol; todos os homens perderão a sua fé, mas ninguém aguenta deixar a fragrância da terra de Canaã. Somente quando Eu entrar no novo céu e na nova terra Eu tomarei a outra parte da Minha glória e a revelarei primeiro na terra de Canaã, fazendo com que um raio de luz resplandeça por toda a terra, afundada no breu das trevas da noite, para que a terra inteira possa vir para a luz; para que os homens de toda a terra possam vir a extrair forças do poder da luz, permitindo que Minha glória cresça e apareça de novo para todas as nações; e para que toda a humanidade possa perceber que Eu há muito tempo vim para o mundo humano e há muito tempo trouxe Minha glória de Israel para o Oriente; porque a Minha glória resplandece desde o Oriente e foi trazida desde a Era da Graça até o dia de hoje. Mas foi de Israel que parti e foi de lá que cheguei ao Oriente. Somente quando a luz do Oriente gradualmente se tornar branca é que as trevas do outro lado da terra começarão a se voltar para a luz, e só então o homem descobrirá que há muito tempo Eu saí de Israel e estou ressurgindo de novo no Oriente. Tendo uma vez descido a Israel e depois partido de lá, não posso mais nascer de novo em Israel porque a Minha obra conduz todo o universo e, sobretudo, os raios brilham diretamente do Oriente para o Ocidente. Por essa razão, desci no Oriente e trouxe Canaã para o povo do Oriente. Trarei pessoas de todo o mundo para a terra de Canaã, e assim continuo a proferir declarações na terra de Canaã para controlar todo o universo. Neste momento, não há luz em toda a terra além de Canaã, e todos os homens estão ameaçados pela fome e pelo frio. Dei a Minha glória a Israel e então a retirei, trazendo assim os israelitas para o Oriente e toda a humanidade para o Oriente. Trouxe-os todos para a luz para que possam se reunir a ela e estar associados a ela, e não mais precisar procurá-la. Farei com que todos os que estão buscando vejam a luz novamente e vejam a glória que tive em Israel; deixarei que vejam que há muito tempo desci sobre uma nuvem branca em meio à humanidade; deixarei que vejam as inúmeras nuvens brancas e os frutos em seus abundantes cachos e, sobretudo, que vejam Deus Jeová de Israel. Eu os deixarei contemplar o Mestre dos Judeus, o tão esperado Messias e a Minha plena aparição que fui perseguido pelos reis ao longo das eras. Trabalharei por todo o universo e realizarei uma grande obra, revelando toda a Minha glória e todas os Meus feitos ao homem nos últimos dias. Mostrarei Meu glorioso semblante em sua plenitude àqueles que esperaram muitos anos por Mim, àqueles que desejaram que Eu viesse numa nuvem branca, a Israel que desejou que Eu aparecesse uma vez mais, e a toda a humanidade que Me persegue, para que todos saibam que há muito tempo retirei a Minha glória e a trouxe para o Oriente, e ela não está mais na Judeia. Pois os últimos dias já chegaram!” (‘O ressoar dos sete trovões: profetizando que o evangelho do reino se expandirá por todo o universo’ em “A Palavra manifesta em carne”). Fiquei muito surpresa ao ouvir isso. Tinha tanto poder. Eu sabia que não podia ter vindo de um humano. Então, ele continuou a comunhão dele, dizendo que o Senhor retornou e está fazendo uma obra nova, trazendo Sua glória de Israel para o Oriente. Isto é, a obra do Espírito Santo está avançando, e somente aqueles que acompanham a nova obra de Deus e aceitam Suas palavras atuais podem ganhar a obra do Espírito Santo, a fonte inesgotável de sustento para a vida.

Quando o irmão Wang disse que o Senhor retornou, ocorreu-me que, em todo o mundo religioso, só a Relâmpago do Oriente estava dando testemunho disso, portanto, eles deviam fazer parte dela. Eu estava num dilema. Eu me lembrei do clérigo que disse que os membros da Relâmpago do Oriente não prestavam, mas, pelo que pude ver, aqueles dois irmãos eram dignificados e idôneos e tinham uma atitude calorosa. A mensagem que compartilhavam também era muito nova e prática — eles tinham a obra do Espírito Santo. Eles também explicaram por que a igreja estava tão desolada, algo que tinha me deixado confusa por anos. Eu estava convencida. Pensei que encontrá-los naquele dia se devia à vontade benevolente do Senhor. Achei que poderia ouvi-los até o fim e fazer perguntas para ver por que os membros da Relâmpago do Oriente tinham tanta fé e não estavam dispostos a voltar atrás depois de aceitá-la. Então fui em frente e perguntei: “Sei que vocês são da Relâmpago do Oriente. Existe alguma base bíblica para vocês alegarem que o Senhor retornou e está fazendo uma obra nova? A obra e as palavras de Deus estão todas na Bíblia, devemos seguir a Bíblia em nossa fé. O que vocês estão dizendo está fora da Bíblia, por isso não posso aceitar”. O irmão Wang sorriu e disse: “Você diz que nossa fé deve seguir a Bíblia. Então, está dizendo que o Senhor não pode fazer nenhuma obra que não tenha uma base bíblica?”. Confiante, eu disse: “É isso mesmo”. Então ele me perguntou: “O que veio primeiro: Deus ou a Bíblia?”. Isso me pegou desprevenida. Eu tinha sido uma crente por anos, mas nunca tinha pensado nisso. Refleti um pouco sobre isso e disse que Deus veio primeiro, é claro. O irmão Wang disse: “Sim. A Bíblia é um registro histórico da obra de Deus. É o testemunho da obra Dele na Era da Lei e na Era da Graça. O Antigo Testamento registra a obra de Deus em Israel, e o Novo Testamento registra a obra do Senhor Jesus na Era da Graça. Então, a obra de Deus veio primeiro, as Escrituras vieram depois. A obra de Deus não se baseava na Bíblia, mas em Seu plano de gerenciamento”.

Então ele leu uma passagem das palavras de Deus Todo-Poderoso. “Durante a época de Jesus, Ele liderou os judeus e todos os que O seguiram de acordo com a obra do Espírito Santo Nele, à época. Ele não utilizou a Bíblia como a base do que Ele fez, mas falou de acordo com Sua obra; Ele não prestou atenção ao que a Bíblia dizia, nem procurou na Bíblia uma senda para liderar Seus seguidores. Do momento em que iniciou sua obra, Ele espalhou o caminho do arrependimento — uma palavra que nunca foi mencionada nas profecias do Antigo Testamento. Não apenas Ele não agiu de acordo com a Bíblia, mas também liderou uma nova senda e fez uma nova obra. Ele nunca fez referência à Bíblia ao pregar. Durante a Era da Lei, ninguém jamais tinha sido capaz de realizar Seus milagres de curar os enfermos e expulsar demônios. Assim, também, Sua obra, Seus ensinamentos e a autoridade e poder de Suas palavras estavam além de qualquer homem durante a Era da Lei. Jesus simplesmente fez Sua mais nova obra, e embora muitas pessoas O condenassem utilizando a Bíblia — e utilizaram até mesmo o Antigo Testamento para crucificá-Lo — Sua obra ultrapassou o Antigo Testamento; se assim não fosse, por que as pessoas O pregaram na cruz? Não foi porque nada havia no Antigo Testamento a respeito de Seus ensinamentos e Sua capacidade de curar os doentes e expulsar os demônios? Sua obra foi feita para liderar uma nova senda, não para deliberadamente começar uma briga contra a Bíblia ou dispensar o Antigo Testamento intencionalmente. Ele simplesmente veio para realizar Seu ministério, trazer a nova obra àqueles que O desejavam e procuravam. Ele não veio para explicar o Antigo Testamento ou defender sua obra. Sua obra não foi a fim de permitir que a Era da Lei continuasse se desenvolvendo, pois Sua obra não levava em conta se era baseada na Bíblia; Jesus simplesmente veio para fazer a obra que Ele deveria fazer. Assim, Ele não explicou as profecias do Antigo Testamento, nem trabalhou de acordo com as palavras da Era da Lei do Antigo Testamento. Ele ignorou o que o Antigo Testamento dizia, não Se importava se estava de acordo com Sua obra, e não Se importava com o que outros sabiam sobre Sua obra, ou como eles a condenavam. Ele simplesmente continuava fazendo a obra que deveria fazer, mesmo que muitas pessoas utilizassem as previsões dos profetas do Antigo Testamento para condená-Lo. Para as pessoas, parecia que Sua obra não tinha base, e uma boa parte dela estava em desacordo com os registros do Antigo Testamento. Isso não foi um erro do homem? A doutrina precisa ser aplicada à obra de Deus? E Deus deve operar de acordo com as profecias dos profetas? Afinal, o que é maior: Deus ou a Bíblia? Por que Deus deve operar de acordo com a Bíblia? Será que Deus não tem o direito de ir além da Bíblia? Deus não pode Se afastar da Bíblia e fazer outra obra? Por que Jesus e Seus discípulos não guardavam o sábado? Se Ele tivesse que praticar à luz do sábado e de acordo com os mandamentos do Antigo Testamento, por que Jesus não guardou o sábado depois que veio, mas, em vez disso, lavou os pés, cobriu a cabeça, partiu o pão e bebeu vinho? Tudo isso não está ausente dos mandamentos do Antigo Testamento? Se Jesus honrava o Antigo Testamento, por que Ele rompeu com essas doutrinas? Você deve saber qual veio primeiro, Deus ou a Bíblia! Sendo o Senhor do sábado, Ele não poderia também ser o Senhor da Bíblia?” (‘A respeito da Bíblia (1)’ em “A Palavra manifesta em carne”). Depois de ler essa passagem, o irmão Wang comunicou: “Quando o Senhor Jesus veio para operar, Ele foi além da lei do Antigo Testamento para fazer a obra da Era da Graça. Ele tinha novas exigências e práticas para a humanidade, como: não observar o sábado, perdoar as pessoas 70 vezes 7 vezes. As pessoas achavam que isso não estava alinhado com a lei do Antigo Testamento, que estava fora de suas Escrituras. Isso nos mostra que a obra de Deus não pode ser impedida pelas Escrituras. Quando os discípulos do Senhor Jesus viram o poder e a autoridade da obra e das palavras Dele, que nenhum humano poderia alcançar isso, que tinha que vir de Deus, eles seguiram o Senhor. Eles não se deixaram deter pelas Escrituras literais, mas buscaram a obra do Espírito Santo e seguiram os passos de Deus. Na nossa fé, não podemos julgar a obra de Deus com base nas Escrituras, mas devemos conhecer a Deus por meio da obra e das palavras Dele”.

Quando ouvi essa comunhão, pude ver que, a Bíblia é só um registro histórico da obra de Deus, e não a base para a obra. Eu tinha sido pregadora por todos esses anos, por que eu não entendia a relação entre Deus e a Bíblia? Eu tinha ido a muitos lugares para ouvir sermões e nunca tinha ouvido ninguém dizer algo assim. Sempre achei que a obra e as palavras de Deus estivessem na Bíblia e que se desviar disso não era ter fé. Eu era muito tola. Então o irmão Shi leu mais algumas passagens das palavras de Deus Todo-Poderoso. “Por muitos anos, o meio tradicional de crença das pessoas (o do cristianismo, uma das três principais religiões do mundo) foi ler a Bíblia; afastar-se da Bíblia não é a crença no Senhor, afastar-se da Bíblia é heterodoxia e heresia, e mesmo quando as pessoas leem outros livros, a base de tais livros deve ser a explicação da Bíblia. Ou seja, se você acredita no Senhor, precisa ler a Bíblia e, fora da Bíblia, não deve adorar nenhum livro que não envolva a Bíblia. Se fizer isso, você está traindo a Deus. Desde que existe a Bíblia, a crença das pessoas no Senhor tem sido a crença na Bíblia. Em vez de dizer que as pessoas acreditam no Senhor, é melhor dizer que acreditam na Bíblia; em vez de dizer que começaram a ler a Bíblia, é melhor dizer que começaram a acreditar na Bíblia; e em vez de dizer que retornaram ao Senhor, seria melhor dizer que retornaram à Bíblia. Dessa forma, as pessoas adoram a Bíblia como se fosse Deus, como se fosse sua força vital, e perdê-la seria o mesmo que perder sua vida. As pessoas veem a Bíblia tão elevada quanto Deus, e há até aqueles que a veem mais elevada que Deus. Se as pessoas estão sem a obra do Espírito Santo, se não conseguem sentir Deus, podem continuar vivendo, mas, assim que perdem a Bíblia ou os famosos capítulos e dizeres da Bíblia, é como se tivessem perdido a vida” (‘A respeito da Bíblia (1)’ em “A Palavra manifesta em carne”). “Eles acreditam em Minha existência apenas no escopo da Bíblia. Para eles, Sou o mesmo que a Bíblia; sem a Bíblia Eu não existo e sem Mim não há Bíblia. Eles não prestam atenção em Minha existência nem em Minhas ações, mas, ao contrário, devotam extrema e especial atenção a toda e qualquer palavra das Escrituras. Muitos deles até acreditam que Eu não deva fazer nada que deseje fazer, a menos que esteja profetizado nas Escrituras. Eles atribuem importância demasiada a elas. Pode-se dizer que veem palavras e expressões como importantes demais, a ponto de usarem versículos da Bíblia para avaliar toda palavra que Eu digo e para Me condenar. O que eles buscam não é o caminho da compatibilidade Comigo nem o caminho da compatibilidade com a verdade, mas o caminho da compatibilidade com as palavras da Bíblia e acreditam que qualquer coisa que não esteja em conformidade com a Bíblia, sem exceção, não é a Minha obra. Não são essas pessoas os descendentes zelosos dos fariseus? Os fariseus judeus usaram a lei de Moisés para condenar Jesus. Eles não buscavam compatibilidade com o Jesus daquela época, mas seguiam diligentemente a lei à risca, a ponto de, no fim, pregarem o inocente Jesus à cruz, acusando-O de não seguir a lei do Velho Testamento e de não ser o Messias. Qual era a substância deles? Não era que eles não buscavam o caminho da compatibilidade com a verdade?” (‘Você deve buscar o caminho da compatibilidade com Cristo’ em “A Palavra manifesta em carne”). O irmão Shi comunicou: “Muitas pessoas juram que acreditam em Deus, mas, na verdade, acreditam na Bíblia. Elas confinam Deus ao escopo das Escrituras e comparam a obra de Deus às palavras literais da Bíblia. Negam e condenam tudo que não concorda com ela. Em que isso é diferente dos fariseus? Os fariseus compararam a obra do Senhor Jesus com a lei do Antigo Testamento, e quando viram que ela ultrapassava esses limites, eles O condenaram e, no fim, fizeram com que O crucificassem. Que lição dolorosa a se aprender. Em nossa fé, devemos buscar a verdade e os passos de Deus. Nos últimos dias, Deus Todo-Poderoso expressou muitas verdades para fazer a obra do julgamento, para nos purificar do pecado e nos levar para o reino dos céus. Este estágio da obra é mais profundo e mais elevado do que a obra de redenção do Senhor e está totalmente fora do escopo da Bíblia. Se a julgarmos com base nas palavras literais da Bíblia, delimitando a obra de Deus dos últimos dias, não estaremos cometendo o mesmo erro dos fariseus?”.

Sempre achei que a obra de Deus não podia ultrapassar a Bíblia, que o que não estivesse registrado na Bíblia não poderia ser a obra de Deus. Depois de tantos anos de fé, como eu pude imaginar Deus limitado à Bíblia? Nunca percebi que esse não era o tipo correto de fé. Existe uma ótima citação de Deus Todo-Poderoso: “Para eles, Sou o mesmo que a Bíblia; sem a Bíblia Eu não existo e sem Mim não há Bíblia. Eles não prestam atenção em Minha existência nem em Minhas ações, mas, ao contrário, devotam extrema e especial atenção a toda e qualquer palavra das Escrituras. Muitos deles até acreditam que Eu não deva fazer nada que deseje fazer, a menos que esteja profetizado nas Escrituras” (‘Você deve buscar o caminho da compatibilidade com Cristo’ em “A Palavra manifesta em carne”). Cada uma das palavras foi muito pungente para mim. Como pude tratar a Bíblia como se fosse o Próprio Deus? Isso era colocar Deus em primeiro lugar? Eu me importava com a Bíblia, não com Deus!

Não percebi como era maravilhosa a pregação da Relâmpago do Oriente, mas eu ainda tinha muitas perguntas sem respostas. Achei que, já que estava ouvindo os irmãos, eu poderia muito bem obter algumas respostas. Eu não podia continuar sendo tão desorganizada em minha fé. Também queria ouvir mais sobre as outras opiniões dos dois irmãos sobra a fé. Então lhes perguntei sobre Apocalipse 22:18: “Eu testifico a todo aquele que ouvir as palavras da profecia deste livro: Se alguém lhes acrescentar alguma coisa, Deus lhe acrescentará as pragas que estão escritas neste livro”. Já que eles diziam que Deus tinha vindo e dito palavras novas, feito uma nova obra, como explicavam esse versículo? O irmão Wang disse: “‘Acrescentar’, nesse versículo, significa não acrescentar nenhuma profecia em Apocalipse, não que Deus não retornaria e falaria mais nos últimos dias. Se seguíssemos sua ideia de que Deus não retornaria e falaria mais nos últimos dias, então pense no Senhor, que disse: ‘Ainda tenho muito que vos dizer; mas vós não o podeis suportar agora. Quando vier, porém, Aquele, o Espírito da verdade, Ele vos guiará a toda a verdade’ (João 16:12-13). Como isso se cumpriria? E Apocalipse menciona sete vezes: ‘Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas’ (Apocalipse Capítulos 2, 3). Como você explicaria isso? Você não está negando e condenando as palavras do Espírito Santo às igrejas nos últimos dias, as verdades que Ele expressa? Todos nós sabemos que Deus é a fonte de vida, a fonte inesgotável de água viva da vida. Então, delimitar a obra e as palavras de Deus à Bíblia seria igual a dizer que Deus só pode dizer o que está registrado na Bíblia e fazer a obra que Ele fez no passado. Isso não seria desrespeitar e confinar Deus? Deus Todo-Poderoso tem falado milhões de palavras agora e está fazendo a obra de julgamento a começar pela casa de Deus. Isso cumpre a profecia do Senhor Jesus: ‘Quem Me rejeita, e não recebe as Minhas palavras, já tem quem o julgue; a palavra que tenho pregado, essa o julgará no último dia’ (João 12:48). E a Primeira de Pedro diz: ‘Porque já é tempo que comece o julgamento pela casa de Deus’ (1 Pedro 4:17). Só se aceitarmos as verdades de Deus nos últimos dias e o julgamento das palavras Dele, poderemos entender a raiz do nosso pecado, ser libertos das amarras da corrupção e parar de pecar e de resistir a Deus. Então podemos obedecer e adorar a Deus de verdade e, no fim, ser levados por Deus para o Seu reino e ganhar um lindo destino”. Quando ouvi isso, percebi que o fato de o Senhor falar palavras novas e fazer uma nova obra nos últimos dias realmente foi profetizado na Bíblia. Antes, eu sempre pensava que conhecia bem a Bíblia, mas vi que não entendia nem de longe os bastidores dela e não sabia como abordar a Bíblia corretamente.

Depois disso, os dois irmãos compartilharam ainda mais comunhão sobre a abordagem correta à Bíblia. Todas as minhas dúvidas foram afastadas. Mas também fiquei muito transtornada. Eu não sabia por que eu estava tão equivocada após tantos anos de fé. Eu sempre achei que fé em Deus significava fé na Bíblia e que todo o resto não era fé em Deus. Achava que a obra e as palavras de Deus estavam limitadas à Bíblia, por isso via a Bíblia como maior do que Deus. Eu resisti e condenei toda e qualquer alegação de que Deus estava fazendo uma nova obra e falando palavras novas e não tive desejo nenhum de buscar. Me agarrei às minhas noções e alimentei os irmãos com elas, enganando os outros. Senti que a minha pregação durante todos esses anos era um jeito de enganar os membros da igreja, que os prejudicou. Então vi como eu era uma pregadora tola e ignorante. Eu havia tido contato com muitos pregadores e discutido as Escrituras com eles, mas esses irmãos foram os mais claros em sua comunhão. Sou uma pessoa muito arrogante que não se convence facilmente, mas, dessa vez, não tive dúvidas!

Eu estava ansiosa para que me explicassem tudo e esclarecessem toda minha confusão. Eu lhes disse: “Entendo toda a sua comunhão, mas ainda tenho uma pergunta importante. Vocês disseram que o Senhor retornou na carne como mulher, o que eu não consigo aceitar. O Senhor Jesus era homem, então Ele também deveria retornar como homem!”. O irmão Wang disse: “Deus é um Espírito, um Espírito sem forma física nem sexo. Ele veio para operar na carne por causa das exigências da obra Dele, e essa é a única razão pela qual Ele assumiu um gênero. Seja Ele homem ou mulher, Ele pode fazer a obra de Deus. Na Era da Graça, Deus encarnado foi crucificado e serviu como oferta pelos pecados do homem. O Senhor Jesus era homem e Ele pôde redimir a humanidade por meio da crucificação. Se o Senhor Jesus tivesse vindo como mulher, Ele poderia ter sido crucificado da mesma forma. Assim que a obra Dele na carne estiver feita, Deus assumirá uma forma espiritual, então Ele não será homem nem mulher. A Bíblia diz: ‘Criou, pois, Deus o homem à Sua imagem; à imagem de Deus o criou; homem e mulher os criou’ (Gênesis 1:27). Esse versículo bíblico nos diz que Deus criou homem e mulher à Sua imagem. A encarnação de Deus como homem pôde representar Deus, Então, a encarnação Dele como mulher não pode também representa-Lo? Homem ou mulher, essa é uma encarnação carnal do Espírito de Deus e, em ambos os casos, Deus está realizando a própria obra. Essa não era uma verdade que conhecíamos antes, então, desde a primeira encarnação de Deus como homem, muitas pessoas O delimitaram, pensando que Deus encarnado só poderia ser homem e nunca mulher”. Então, o irmão Wang leu algumas passagens das palavras de Deus Todo-Poderoso. “Cada estágio da obra feita por Deus tem seu próprio significado prático. No passado, quando Jesus veio, Ele veio em forma masculina, mas quando Deus vem desta vez, Sua forma é feminina. A partir disso, você pode ver que a criação tanto dos homens quanto das mulheres por Deus pode ser de uso em Sua obra e, para Ele, não há distinção de gênero. Quando o Seu Espírito vem, Ele pode assumir qualquer tipo de carne que quiser, e tal carne pode representá-Lo; seja homem ou mulher, ela pode representar a Deus, contanto que seja a Sua carne em pessoa. Se Jesus tivesse aparecido como mulher quando Ele veio, em outras palavras, se uma menina, não um menino, tivesse sido concebida pelo Espírito Santo, aquele estágio da obra teria sido completado da mesma maneira. Se isso tivesse sido o caso, então o estágio atual da obra teria que ser completado por um homem em vez disso, porém, a obra teria sido completada da mesma maneira. A obra feita em cada estágio tem seu significado; nenhum estágio da obra é repetido nem conflita com o outro. Naquela época, Jesus, ao fazer a Sua obra, foi chamado de Filho unigênito, e ‘Filho’ implica o gênero masculino. Por que o Filho unigênito não é mencionado neste estágio atual? Porque os requisitos da obra necessitaram uma alteração em gênero diferente do de Jesus. Para Deus, não há distinção de gênero. Ele faz a Sua obra como Ele deseja e, ao fazer a Sua obra, Ele não está sujeito a quaisquer restrições, mas é especialmente livre. Entretanto, cada estágio da obra tem seu próprio significado prático. Deus Se tornou carne duas vezes, e é evidente que a Sua encarnação durante os últimos dias é a última vez. Ele veio para tornar conhecidos todos os Seus feitos. Se, neste estágio, Ele não tivesse Se tornado carne para, de modo pessoal, fazer a obra para o homem testemunhar, o homem se agarraria para sempre à noção de que Deus é somente homem, não mulher”. “Se este estágio da obra não fosse feito na era final, então, em relação a Deus, toda a humanidade estaria velada sob uma escura sombra. Se esse fosse o caso, o homem se acharia mais elevado do que a mulher, e as mulheres nunca seriam capazes de manter suas cabeças erguidas, e, então, nem mesmo uma só mulher poderia ser salva. As pessoas sempre creem que Deus é homem e, mais ainda, que Ele sempre desprezou a mulher e não concederia salvação a ela. Se esse fosse o caso, não seria verdade que todas as mulheres, que foram criadas por Jeová e que também foram corrompidas, nunca teriam a oportunidade de serem salvas? Então, não seria sem sentido Jeová ter criado a mulher, isto é, ter criado Eva? E a mulher não pereceria pela eternidade? Por essa razão, o estágio da obra nos últimos dias é empreendido a fim de salvar toda a humanidade, não somente a mulher. Caso alguém pense que, se Deus encarnasse como uma mulher, isso seria unicamente em benefício de salvar a mulher, então essa pessoa seria, sem dúvida, um tolo!” (‘As duas encarnações completam o significado da encarnação’ em “A Palavra manifesta em carne”). Então ele disse: “Há um significado na questão de Deus encarnar como homem ou mulher, e há uma verdade que devemos buscar. Seu Deus encarnasse ambas as vezes como homem, as pessoas pensariam que Deus só pode ser homem, nunca mulher. Isso não seria delimitar Deus? O fato de Deus encarnar como mulher nos últimos dias nos mostra que, não importa se Ele assume um corpo de homem ou mulher, a essência Dele nunca muda — Ele é o Próprio Deus e sempre pode expressar verdades e realizar a obra de Deus. Isso nos dá um entendimento mais exato de Deus. A encarnação de Deus também nos ajuda a ver que Ele não é Deus só para homens, mas é Deus também para mulheres. Se Ele encarnasse de novo como homem nos últimos dias, haveria um preconceito contra as mulheres para sempre, e as pessoas até achariam que Deus detesta as mulheres, que elas não podem ser salvas. Isso não seria um equívoco? A encarnação de Deus como mulher nos últimos dias é contrária às noções das pessoas, mas é significativa e benéfica para a salvação das pessoas e o entendimento de Deus. O amor de Deus está nisso”.

As palavras de Deus Todo-Poderoso desnudaram minhas noções. A criação do homem e da mulher por Deus era algo que eu só falava da boca pra fora. Eu me perguntei por que eu achava que Ele jamais assumiria a forma de uma mulher. Como pude ter sido tão ignorante? Então o irmão Wang leu mais das palavras de Deus Todo-Poderoso para mim. “Deus não é apenas o Espírito Santo, o Espírito, o Espírito sete vezes intensificado ou o Espírito abrangente, mas é também um humano — um humano comum, um humano excepcionalmente comum. Ele não é apenas masculino, mas também feminino. Eles são similares no sentido de que ambos nasceram de humanos e dissimilares no sentido de que um foi concebido pelo Espírito Santo e o outro é nascido de um humano, mas tendo procedido diretamente do Espírito. São similares no sentido de que ambas as carnes encarnadas de Deus executam a obra de Deus Pai, e dissimilares no sentido de que um realizou a obra de redenção enquanto o outro faz a obra de conquista. Ambos representam Deus Pai, mas um é o Redentor, cheio de benignidade e misericórdia, e o outro é o Deus da justiça, cheio de ira e julgamento. Um é o Comandante Supremo que lançou a obra de redenção enquanto o outro é o Deus justo que realiza a obra de conquista. Um é o Começo, o outro o Fim. Um é a carne sem pecado, enquanto o outro é a carne que completa a redenção, continua a obra e nunca é pecaminoso. Ambos são o mesmo Espírito, mas habitam em diferentes carnes e nasceram em lugares diferentes, e Eles estão separados por vários milhares de anos. No entanto, toda a obra Deles é mutuamente complementar, nunca conflitante e pode ser mencionada num fôlego só. Ambos são pessoas, mas um era um menino e o outro era menina. Por todos esses muitos anos, o que as pessoas têm visto não é apenas o Espírito e não apenas um humano, um varão, mas também muitas coisas que não harmonizam com as noções humanas; como tais, os humanos nunca são capazes de Me compreender completamente. Elas ficam meio que acreditando em Mim, meio que duvidando de Mim — como se Eu existisse, mas fosse também um sonho ilusório — é por isso que até hoje as pessoas ainda não sabem o que Deus é. Você pode mesmo Me resumir em uma frase simples? Você se atreve mesmo a dizer: ‘Jesus não é outro senão Deus, e Deus não é outro senão Jesus’? Você é mesmo ousado a ponto de dizer: ‘Deus não é outro senão o Espírito, e o Espírito não é outro senão Deus’? Você se sente à vontade dizendo: ‘Deus é apenas um homem vestido em carne’? Você tem mesmo a coragem de afirmar: ‘A imagem de Jesus é a grande imagem de Deus’? Você é capaz de usar sua eloquência para explicar em detalhes o caráter e a imagem de Deus? Você se atreve mesmo a dizer: ‘Deus criou apenas os homens, não as mulheres, segundo a Sua própria imagem’? Se você diz isso, então nenhuma mulher estaria entre os Meus escolhidos e muito menos as mulheres seriam uma classe da humanidade. Agora você sabe mesmo o que Deus é? Deus é um humano? Deus é um Espírito? Deus é mesmo masculino? Só Jesus pode concluir a obra que Eu devo fazer? Se você escolhesse apenas uma das opções acima para resumir a Minha essência, então você seria um crente leal extremamente ignorante. Se Eu operasse como carne em pessoa uma vez e somente uma vez, vocês Me delimitariam? Você consegue mesmo Me entender completamente com um único olhar? Consegue mesmo Me resumir completamente com base naquilo ao que você foi exposto durante sua vida? E se Eu fizesse uma obra semelhante em Minhas duas encarnações, como vocês Me veriam? Vocês Me deixariam pregado na cruz para sempre? Poderia Deus ser tão simples quanto você alega?” (‘Qual é o seu entendimento de Deus?’ em “A Palavra manifesta em carne”). Essas palavras me comoveram no instante em que as ouvi. Eu sempre dizia que Deus é o Espírito que preenche todas as coisas, onipotente e onipresente, como, então, pude delimitá-Lo? Ele encarnou como homem da primeira vez, então não é perfeitamente normal que Ele venha como mulher desta vez? Quando Ele encarna como homem ou mulher, Ele representa Deus — Ele pode expressar verdades e salvar o homem. É muito simples, por que, então, eu via isso como algum mistério grande? Quanto mais eu contemplava isso, mais percebia como eu estava errada. Eu não conhecia Deus, mas estava sempre delimitando e restringindo a Ele. Era tão insensato.

Então, o irmão Shi comunicou: “Para determinar se é a encarnação de Deus, o essencial é ver se Ele tem essência divina e pode expressar verdades, não com base no gênero ou na aparência externa. Deus Todo-Poderoso diz: ‘Aquele que é Deus encarnado há de possuir a essência de Deus e Aquele que é Deus encarnado há de possuir a expressão de Deus. Uma vez que Se torna carne, Deus há de levar adiante a obra que intenciona fazer, e, já que Deus Se torna carne, Ele há de expressar o que Ele é e de ser capaz de trazer a verdade ao homem, de conceder-lhe vida e de lhe indicar o caminho. A carne que não contém a essência de Deus decididamente não é o Deus encarnado; disso não há dúvida. Se o homem pretende inquirir se é a carne de Deus em pessoa, então deve corroborar isso a partir do caráter que Ele expressa e das palavras que Ele profere. O que quer dizer que, para corroborar se é ou não a carne de Deus em pessoa e se é ou não o verdadeiro caminho, é preciso discriminar com base em Sua essência. E assim, ao determinar se é a carne do Deus em pessoa, a chave está em Sua essência (Sua obra, Suas declarações, Seu caráter e muitos outros aspectos), em vez de na aparência exterior’ (‘Prefácio’ em “A Palavra manifesta em carne”). As palavras de Deus são muito claras. Aquele que expressa a verdade, nos mostra o caminho e nos dá vida é Deus na carne. Quando o Senhor Jesus veio para operar na carne, Ele tinha a aparência de uma pessoa comum — Ele era filho de um carpinteiro. Muitas pessoas não queriam admitir que Ele era Deus por causa disso. Então, por que tantas pessoas seguiram o Senhor Jesus? Por causa da obra e das palavras Dele, que não podiam ser alcançadas por nenhum humano. Ele podia expressar a verdade e nos dar o caminho do arrependimento. Ele era amor, misericórdia e redenção para a humanidade. Nenhuma pessoa possuía essas coisas nem podia fazer tudo isso. Então, o Senhor Jesus era Deus encarnado. Agora, Deus Todo-Poderoso veio, e Ele tem a aparência externa de uma pessoa comum, mas expressou muitas verdades e está fazendo a obra de julgamento dos últimos dias. Ele já conquistou e formou um grupo de vencedores. Deus Todo-Poderoso fez tantas obras maravilhosas e chocou o mundo, revelando o caráter justo de Deus à humanidade e nos trazendo o caminho da vida eterna. Nenhum humano poderia alcançar essas coisas. Se só considerássemos o gênero da encarnação, mas não as verdades que Deus expressa, isso seria muito tolo e seria cometer o erro dos fariseus de resistir a Deus”.

Pensei em como muitas igrejas há anos falavam sobre se proteger contra falsos cristos, mas ninguém conseguia explicar como identificar se alguém é Deus na carne. Só Deus Todo-Poderoso pôde esclarecer esse aspecto da verdade. Eu estava totalmente convencida. Também me senti muito culpada. Eu tinha sido crente por tantos anos e li tanto a Bíblia, mas nem sabia como reconhecer o Senhor. Eu era igual a uma pessoa do mundo que julga o livro pela capa, supondo que Deus encarnado não poderia ser uma mulher. Se eu tivesse nascido na Era da Graça, eu teria condenado o Senhor Jesus, assim como os fariseus. Depois disso, comunicamos sobre muito mais coisas, incluindo os mistérios do plano de gerenciamento de Deus, os três estágios da obra Dele, como Ele faz a obra de julgamento nos últimos dias para purificar e salvar o homem, e muito mais. Tive ainda mais certeza de que as palavras de Deus Todo-Poderoso são a verdade, que Ele é o Senhor Jesus retornado. Ninguém senão Deus pode revelar esses mistérios da verdade. Ninguém pode purificar e salvar outras pessoas e ninguém pode determinar o desfecho e destino das pessoas. Isso realmente abriu meus olhos. Era evidente por que aqueles irmãos não queriam voltar após aceitar a Relâmpago do Oriente. Eles tinham encontrado a verdade nas palavras de Deus Todo-Poderoso e ouvido a voz de Deus. Tinham acolhido o retorno do Senhor. Quem iria querer se afastar depois de encontrar os passos de Deus e participar do banquete nupcial do Cordeiro? Isso seria estúpido. Todos aqueles anos se passaram. Se eu tivesse investigado antes e ouvido o que a Relâmpago do Oriente tinha a dizer, eu poderia ter sido liberta da dor mais cedo e desfrutado da água viva da vida. Eu era cega e tola demais, só ouvia os absurdos do clero. Eu era muito arrogante, me agarrava à Bíblia com teimosia e doutrinei os irmãos com minhas noções equivocadas, levando-os a negar e condenar comigo a nova obra de Deus. Eu impedi os outros de acolherem o retorno do Senhor. Isso me lembrou de algo que o Senhor Jesus disse para repreender os fariseus: “Porque fechais aos homens o reino dos céus; pois nem vós entrais, nem aos que entrariam permitis entrar” (Mateus 23:13). Eu estava agindo exatamente como os fariseus, fechando o reino dos céus, não entrando e não permitindo que outros entrassem. Prejudiquei os irmãos e irmãs — era um grande mal.

Pensando em todas as coisas terríveis que fiz contra Deus Todo-Poderoso, eu odiei a mim mesma e saí correndo para a cozinha, onde me entreguei às lágrimas. Depois disso, li outra passagem das palavras de Deus Todo-Poderoso: “Já que você acredita em Deus, então deve pôr fé em todas as palavras de Deus e em toda a Sua obra. Ou seja, já que você acredita em Deus, você precisa obedecer-Lhe. Se você não conseguir fazer isso, então não faz diferença se você acredita em Deus. Se você acredita em Deus há muitos anos e, no entanto, nunca Lhe obedeceu nem aceitou todas as Suas palavras, mas, em vez disso, pediu a Deus que Se submetesse a você e agisse de acordo com as suas noções, então você é a mais rebelde das pessoas e é um incrédulo. Como alguém assim conseguirá obedecer à obra e às palavras de Deus que não estão em conformidade com as noções do homem? A pessoa mais rebelde é aquela que intencionalmente desafia Deus e resiste a Ele. É inimiga de Deus e é o anticristo. Tal pessoa tem constantemente uma atitude hostil em relação à nova obra de Deus, nunca demonstrou a menor intenção de se submeter, e nunca se submeteu ou humilhou a si mesma. Ela se exalta diante dos outros e nunca se submete a ninguém. Diante de Deus, ela se considera a mais proficiente em pregar a palavra e a mais hábil em trabalhar com os outros. Não descarta os ‘tesouros’ já em sua posse, mas trata-os como heranças familiares para adoração, para pregar aos outros, e os utiliza para ensinar a esses tolos que a idolatram. Há, de fato, certo número de pessoas assim na igreja. Pode-se dizer que são ‘heróis indomáveis’, que permanecem na casa de Deus, geração após geração. Elas tomam a pregação da palavra (doutrina) como seu dever mais elevado. Ano após ano, geração após geração, vão vigorosamente impondo seu dever ‘sagrado e inviolável’. Ninguém ousa tocá-las, e nenhuma pessoa se atreve a reprová-las abertamente. Elas se tornam ‘reis’ na casa de Deus, correndo desenfreadas enquanto tiranizam os outros, de geração em geração. Esse bando de demônios procura unir esforços e demolir a Minha obra; como posso permitir que esses demônios vivos existam diante de Meus olhos? Até aqueles com apenas meia obediência não conseguem caminhar até o fim, quanto menos esses tiranos sem a menor obediência no coração!” (‘Aqueles que obedecem a Deus com um coração sincero certamente serão ganhos por Deus’ em “A Palavra manifesta em carne”). As palavras duras de Deus perfuraram o meu coração. Era como se cada palavra me julgasse. Durante todos esses anos, achei que ninguém tivesse a fé maior do que a minha na igreja, que eu era a crente mais devota. Eu tratei os sacrifícios que fazia como um capital pessoal, como se tivesse a autoridade de um rei na igreja. Eu tinha a última palavra em tudo, coisa grande ou pequena. Os irmãos acreditavam no Senhor e liam a Bíblia, mas era a mim que eles ouviam. Eu era rígida em manter minhas noções sobre acolher o Senhor e intimidei os irmãos para impedi-los de investigar isso. Eu isolei a igreja totalmente. Os membros da igreja tinham medo de acolher as pessoas da Relâmpago do Oriente e não ousavam dar ouvidos a elas. Alguns gostavam daquilo que elas diziam, mas, com medo, não as deixavam terminar, temendo que eu os expulsasse. Vi que eu era uma serva maligna que estava impedindo as pessoas de acolherem o Senhor. Eu era um fariseu moderno! Eu ofendi o caráter de Deus, e Ele me disciplinou, permitindo que eu adoecesse. Mesmo assim, eu não recuei, só continuei a me agarrar às minhas noções como se fossem a verdade, em vez de fazer o esforço de investigar a obra de Deus Todo-Poderoso dos últimos dias. Como fui incrivelmente arrogante! Fiz com que todos na igreja me ouvissem e tratassem minhas ideias como a verdade. Eu estava tentando ocupar o lugar de Deus. Isso não é ser igual a um anticristo, igual ao arcanjo? Depois de todos esses anos como crente, eu ainda não conhecia Deus e lutava contra Ele. Mas, em vez de me punir diretamente, Ele me deteve no meu caminho maligno com problemas de saúde, e depois fez com que os dois irmãos viessem compartilhar o evangelho comigo. Eu não era digna da misericórdia e salvação de Deus. Eu me senti tão grata e tão endividada com Deus quando percebi isso. Eu me prostrei diante de Deus aos prantos e orei: “Deus Todo-Poderoso! Minhas ações merecem Tua condenação, Tua maldição. Não mereço viver neste mundo. Tu me salvaste e agraciaste com a Tua voz. Deus, cometi tanta maldade e não mereço pedir Tua misericórdia. Só peço que me dês uma chance de expiar meus pecados, de compensar minhas transgressões. Estou disposta a pagar qualquer preço para compartilhar o evangelho, para ajudar Tuas ovelhas perdidas a encontrarem o caminho de volta para a Tua casa e receberem a Tua salvação”.

Por um tempo, devorei as palavras de Deus Todo-Poderoso como uma pessoa faminta e aprendi tantas verdades que nunca tinha conhecido antes, como: o que é a encarnação, o que é fé em Deus, o que significa servir a Deus, e aprendi também sobre mudança de caráter, como amar e satisfazer a Deus, e muito mais. Senti que tinha ganho tanto de toda a rega e sustento das palavras de Deus. Eu estava participando do banquete nupcial do Cordeiro. Tive a certeza de que essa é a obra e aparição de Deus, a estrada que Ele está nos mostrando pessoalmente. Além disso, meu problema de saúde desapareceu sem deixar vestígios. Trabalhando com os irmãos e irmãs, consegui que nossos nove obreiros e mais de 30 líderes de equipe viessem para diante de Deus. Depois, comecei a espalhar o evangelho e a cumprir o meu dever para que mais crentes sinceros pudessem ganhar a salvação de Deus dos últimos dias o quanto antes. Graças a Deus Todo-Poderoso!

O alarme dos últimos dias já tocou e grandes desastres já começaram. Você quer dar as boas-vindas ao retorno do Senhor e ter a chance de receber a proteção de Deus com sua família?

Conteúdo relacionado

O enigma da Trindade revelado

Por Jingmo, Malásia Em 1997, tive a sorte de aceitar o evangelho do Senhor Jesus e, quando fui batizada, o pastor orou e me batizou em nome...

Conecte-se conosco no Messenger