A encarnação de Deus Três estágios da obra de Deus Julgamento dos últimos dias Sobre os nomes de Deus A Era da Graça e a Era do Reino Salvação e salvação completa O caminho da vida eterna A obra de Deus e a obra do homem Conhecendo Cristo Conhecendo Deus A Bíblia e Deus Conhecendo a voz de Deus Deus desceu à China A igreja de Deus e a religião Discernindo os fariseus A interpretação da Trindade Verdades e doutrinas Seguindo a vontade de Deus O verdadeiro caminho sempre foi perseguido O verdadeiro significado do arrebatamento
  • 20 tipos de verdades do evangelho
    • A encarnação de Deus
    • Três estágios da obra de Deus
    • Julgamento dos últimos dias
    • Sobre os nomes de Deus
    • A Era da Graça e a Era do Reino
    • Salvação e salvação completa
    • O caminho da vida eterna
    • A obra de Deus e a obra do homem
    • Conhecendo Cristo
    • Conhecendo Deus
    • A Bíblia e Deus
    • Conhecendo a voz de Deus
    • Deus desceu à China
    • A igreja de Deus e a religião
    • Discernindo os fariseus
    • A interpretação da Trindade
    • Verdades e doutrinas
    • Seguindo a vontade de Deus
    • O verdadeiro caminho sempre foi perseguido
    • O verdadeiro significado do arrebatamento
As verdades acerca do relacionamento entre Deus e a Bíblia

A Bíblia é apenas um registro dos dois estágios da obra de Deus na Era da Lei e na Era da Graça; não é um registro da totalidade da obra de Deus

Ninguém conhece a realidade da Bíblia: que não é mais do que um registro histórico da obra de Deus e um testamento dos dois estágios anteriores da obra de Deus, e não oferece uma compreensão dos objetivos da obra de Deus. Todo mundo que leu a Bíblia sabe que documenta os dois estágios da obra de Deus durante a Era da Lei e a Era da Graça. O Antigo Testamento narra a história de Israel e a obra de Jeová desde o tempo da criação até o fim da Era da Lei. O Novo Testamento registra a obra de Jesus na terra que está nos Quatro Evangelhos, bem como a obra de Paulo; eles não são registros históricos?

O mundo religioso acredita que toda a Escritura foi inspirada por Deus e que ela contém todas as palavras de Deus. Como se deve ter discernimento para com essa afirmação?

Nem tudo contido na Bíblia é um registro das palavras pronunciadas pessoalmente por Deus. A Bíblia simplesmente documenta os dois estágios prévios da obra de Deus, dos quais uma parte é um registro das previsões dos profetas, enquanto a outra as experiências e conhecimentos escritos por pessoas empregadas por Deus ao longo das eras. Experiências humanas estão contaminadas com opiniões e conhecimentos humanos, o que é inevitável. Em muitos dos livros da Bíblia, há conceitos e preconceitos humanos e interpretações humanas absurdas. É claro que a maioria das palavras resulta da iluminação e esclarecimento do Espírito Santo, e elas são interpretações corretas, mas ainda assim, não se pode dizer que são expressões inteiramente corretas da verdade. Suas visões sobre certas coisas não passam de conhecimento pela experiência pessoal ou da iluminação pelo Espírito Santo. As previsões dos profetas foram instruídas pessoalmente por Deus: as profecias de Isaías, Daniel, Esdras, Jeremias e Ezequiel vieram da instrução direta do Espírito Santo; essas pessoas eram videntes, haviam recebido o Espírito de profecia, todas eram profetas do Antigo Testamento. Durante a Era da Lei, essas pessoas que haviam recebido as inspirações de Jeová fizeram muitas profecias instruídas diretamente por Jeová.

A Bíblia foi compilada pelo homem, não por Deus; a Bíblia não pode representar Deus

Antes, o povo de Israel lia apenas o Antigo Testamento. Em outras palavras, no início da Era da Graça, as pessoas liam o Antigo Testamento. O Novo Testamento só apareceu durante a Era da Graça. O Novo Testamento não existia quando Jesus trabalhava; as pessoas registraram Sua obra depois que Ele ressuscitou e ascendeu ao céu. Só então os Quatro Evangelhos passaram a existir, e além deles também as epístolas de Paulo e Pedro e o livro do Apocalipse. Apenas mais de trezentos anos depois que Jesus ascendeu ao céu, quando as gerações subsequentes reuniram seus registros, passou a existir o Novo Testamento. Somente depois que essa obra foi concluída surgiu o Novo Testamento; ele não existia anteriormente. Deus havia feito toda a obra, o apóstolo Paulo tinha feito todo o trabalho, e depois as epístolas de Paulo e Pedro foram reunidas, e a grandiosa visão registrada por João, na ilha de Patmos, foi colocada por último, pois profetizava a obra dos últimos dias. Estes foram arranjos das gerações posteriores, e são diferentes dos enunciados de hoje. O que está registrado hoje está de acordo com as fases da obra de Deus; aquilo com que as pessoas se envolvem hoje é a obra feita pessoalmente por Deus, e as palavras proferidas pessoalmente por Ele. Você não precisa interferir — as palavras, que vêm diretamente do Espírito, foram arranjadas passo a passo e são diferentes dos arranjos dos registros do homem. O que registraram, pode-se dizer, estava de acordo com seu nível educacional e com o calibre humano. O que registraram foram as experiências dos homens, cada um tinha seus próprios meios de registro e conhecimento, e cada registro era diferente. Assim, se você adora a Bíblia como Deus, você é extremamente ignorante e tolo!

Não há caminho de vida eterna na Bíblia; se o homem se apegar à Bíblia e a venerar, então ele não obterá a vida eterna

Muitas pessoas acreditam que entender e ser capaz de interpretar a Bíblia é o mesmo que encontrar o caminho verdadeiro — mas, na verdade, será que as coisas são tão simples assim? Ninguém conhece a realidade da Bíblia: que não é mais do que um registro histórico da obra de Deus e um testamento dos dois estágios anteriores da obra de Deus, e não oferece uma compreensão dos objetivos da obra de Deus. Todo mundo que leu a Bíblia sabe que documenta os dois estágios da obra de Deus durante a Era da Lei e a Era da Graça.

O que é a crença verdadeira em Deus? Como se deve crer em Deus para obter Seu louvor?

“Crença em Deus” significa acreditar que há um Deus; esse é o conceito mais simples de fé em Deus. Mais ainda, acreditar que há um Deus não é o mesmo que crer verdadeiramente em Deus; antes é um tipo de fé simples com fortes implicações religiosas. Fé verdadeira em Deus significa experimentar as palavras e a obra de Deus com base na crença de que Deus é soberano sobre todas as coisas. Assim você será libertado de seu caráter corrupto, cumprirá o desejo de Deus e virá a conhecer Deus. Somente por meio de tal jornada se poderá dizer que crê em Deus.

Como se deve abordar e usar a Bíblia de uma maneira que esteja de acordo com a vontade de Deus? Qual é o valor inerente da Bíblia?

A explicação de Deus para a essência, a construção e as falhas da Bíblia não é absolutamente para negar sua existência, nem a condena. Em vez disso, é para fornecer uma explicação razoável e apropriada, para restaurar a imagem original da Bíblia e para corrigir os desentendimentos que as pessoas têm da Bíblia, de modo que todos tenham a visão correta a respeito dela, não mais a adorem e não fiquem mais perdidas; as pessoas erroneamente tomam sua fé cega na Bíblia como a crença e a adoração de Deus, e nem ousam encarar seu verdadeiro pano de fundo e seus pontos fracos. Depois que todos tiverem um entendimento puro da Bíblia, serão capazes de deixá-la de lado sem hesitação e corajosamente aceitar as novas palavras de Deus. Esse é o objetivo de Deus nesses vários capítulos. A verdade que Deus quer contar às pessoas aqui é que nenhuma teoria ou fato pode substituir a presente obra ou as palavras atuais de Deus, e que não existe nada que possa substituir a posição de Deus. Se as pessoas não conseguem se desvencilhar das malhas da Bíblia, elas nunca serão capazes de chegar diante de Deus. Se querem ficar diante de Deus, elas primeiro devem esvaziar seu coração de tudo que possa substituí-Lo; desse modo, Deus ficará satisfeito.