Os afetos não devem estar acima dos princípios

07 de Fevereiro de 2023

Por Lin Xi, Estados Unidos

Mais ou menos seis meses atrás, Rute e eu cumpríamos nossos deveres num grupo. Rute era culta, tinha calibre bom e era muito habilidosa. Ela era altamente valorizada pelo grupo. Quanto a mim, não importava como você analisasse a situação, eu sempre ficava aquém. Eu falhava e era exposta com frequência em meu dever, mas Rute nunca me desdenhou nem menosprezou. Ela sempre me consolava e encorajava. Sempre que tinha algo em mente, ela me procurava e conversava comigo, o que me comovia muito e me levou a vê-la como uma amiga próxima. Embora eu soubesse que o caráter dela era um tanto arrogante e que ela não aceitava sugestões facilmente, por causa de meus sentimentos por ela, eu nunca mencionei esses problemas. Até achava que todos tinham um caráter corrupto e que isso não era algo que pudesse ser resolvido de um dia para o outro. Por um tempo, eu me deparei com um problema após o outro em meu dever e em minha negatividade. Quando estava prestes a desistir, Rute colaborou ativamente comigo e, com paciência, me ajudou com meus problemas técnicos. Vi alguns resultados em meu dever e finalmente fui capaz de soltar um suspiro de alívio. Ao ajudar-me a passar por essa crise, senti que Rute tinha compaixão real comigo e senti muita gratidão por ela. Logo depois, ela se tornou líder. Fiquei muito feliz por ela, encorajando-a com frequência.

Uma noite, quando estava me preparando para dormir, de repente, Rute me enviou uma mensagem, dizendo que ela tinha sido dispensada e que estava devastada. Ao conversar com ela, descobri que ela tinha sido denunciada por alguns dos irmãos. O líder leu os detalhes da denúncia para ela, mas Rute não conseguia aceitar e acreditava ser um exagero. Por exemplo, eles diziam que ela sentia um forte desejo por status e reputação e, embora ela admitisse que valorizava essas coisas, ela negava que isso chegasse a ser um forte desejo. A denúncia também dizia que ela não cooperava em harmonia nem fazia trabalho prático e que, quando as coisas não aconteciam do seu jeito, ela ficava mal-humorada e interrompia o trabalho da igreja. Ela admitia que tinha alguns problemas no seu dever, mas que não eram tão sérios assim. Enquanto falava sobre suas queixas, ela começou a chorar. Ela também disse que essa denúncia só a representava como uma pessoa ruim, que tinha preconceitos contra os que a denunciaram e contra o líder que tinha lidado com o assunto, achando que o líder só ouvia um lado da história. Ela também disse que, embora tivesse problemas em seu dever, ninguém tinha comunicado essas coisas a ela para ajudá-la e que sua dispensa repentina tinha sido totalmente injusta. Quanto mais falava, mais injustiçada ela se sentia. Vê-la tão triste assim me deixou um pouco chateada e, enquanto a consolava, eu pensei: “Será que as alegações da denúncia realmente são tão exageradas assim? Ela realmente foi dispensada injustamente?”. Então, de repente, Rute disse algo que me incomodou muito. Ela disse: “Ao meu ver, essa denúncia é igual a uma denúncia da revolução cultural. Eles só querem jogar um monte de acusações em cima de mim para me derrubar e difamar”. Meu coração deu um salto. Achei muito estranho ela dizer isso. Ser denunciada e dispensada era um problema muito sério, mas Rute não refletia sobre si mesma, nem buscava a verdade, nem aprendia nenhuma lição. Ela até comparou a denúncia e dispensa com as denúncias do Partido Comunista Chinês. Ela achava que eles tentavam puni-la. A natureza disso era muito séria! Lembrei-a logo de não dizer esse tipo de coisas e que ela deveria refletir sobre si mesma.

Mais tarde, ouvi de seus parceiros que, como líder, ela não tinha feito trabalho prático nem cooperado amigavelmente e que raramente cuidava do trabalho pelo qual ela era responsável. Quando seu líder verificou o trabalho dela e encontrou problemas, ele comunicou-lhe e também lidou com ela, no entanto, ela resistiu e não aceitou, inventando desculpas, jogando a culpa nos outros e dizendo que eram problemas dos outros e até abandonando suas responsabilidades. Essa informação me deu a certeza de que o conteúdo da denúncia era verdadeiro. Então pensei em como Rute disse que a denúncia parecia ter saído diretamente de uma sessão de luta da revolução cultural, e percebi como isso tinha se tornado sério. Claramente, ela não fazia trabalho real e ela não aceitou quando o líder lidou com ela. Ela realmente era uma falsa líder que merecia ser dispensada. Mas não refletiu sobre si mesma e comparou o relatório legítimo a uma denúncia do Partido Comunista Chinês. Isso não só era rejeitar a verdade, mas também era distorcer os fatos e deturpar a realidade! Isso era resistir e causar tumulto e era uma blasfêmia contra as coisas positivas. Isso era ofender o caráter de Deus! Quanto mais eu pensava, mais me assustava. Senti que o caráter dela era cruel e que, se ela continuasse resistindo sem refletir nem se arrepender, ela seria expulsa de acordo com os princípios da igreja para a remoção de pessoas. Eu pensei se deveria relatar seu estado atual e o que ela me disse sobre o líder. Mas então pensei: “Se o líder souber do estado dela e analisá-lo juntamente com o comportamento dela como líder, e então decidir que ela é uma malfeitora que não aceita a verdade, ela será removida da igreja?”. Pensar nessas coisas me deixou muito incomodada. Não era o tipo de desfecho que eu queria. Também pensei em todos os momentos que tínhamos compartilhado, em como Rute tinha sido boa comigo e que eu deveria tentar ajudá-la e consolá-la mais. Se ela soubesse que eu tinha relatado ao líder tudo que ela havia me confidenciado, ela ficaria muito magoada. Ela havia dito tudo isso abertamente porque confiava em mim, e seria cruel da minha parte se eu a denunciasse ao líder. Fiquei remoendo a questão na minha mente, incapaz de abrir a boca. Pensei que fazer isso seria trair uma amiga e que até pareceria inescrupuloso da minha parte. E, assim, não levantei seu problema com mais ninguém. Sempre que tinha tempo, eu lhe enviava uma mensagem para saber como estava ou mandava algumas das palavras de Deus. Eu esperava que ela fosse capaz de modificar seu estado incorreto e cumprir bem o seu dever o quanto antes. Embora estivesse protegendo nosso relacionamento, eu não me sentia à vontade. Eu sabia que seus problemas eram sérios, mas eu não dizia nada. Eu não a estava protegendo? Eu me sentia toda emaranhada por dentro. Não dizendo nada, eu me sentia acusada pela minha consciência, Mas, se eu me pronunciasse, eu sentia que estaria decepcionando a Rute. Tudo isso estava me afetando muito, e eu não sabia o que fazer. Então orei a Deus, pedindo que Ele me guiasse e me capacitasse a entender a Sua vontade nessa questão e a encontrar uma senda de prática.

Um dia, li algumas palavras de Deus. “Vocês devem aprender a discernir o que é bom comportamento e o que é praticar a verdade e mudar seu caráter. Mudar seu caráter envolve praticar a verdade, ouvir as palavras de Deus, obedecer a Ele e viver segundo as Suas palavras. O que, então, uma pessoa deve fazer a fim de praticar e viver de acordo com as palavras de Deus? Digamos, por exemplo, que há duas pessoas que são amigos muito próximos. Elas se ajudaram no passado, passaram por tempos difíceis juntas e dariam sua vida para salvar uma à outra. Isso é praticar a verdade? Isso é irmandade, isso é valorizar os outros mais do que a si mesmo, isso é comportamento bom, mas não é praticar a verdade. Praticar a verdade tem a ver com agir de acordo com as palavras e exigências de Deus; é obedecer e satisfazer a Deus. O bom comportamento gira em torno de satisfazer relacionamentos da carne e preservar laços emocionais. Portanto, irmandade, proteger relacionamentos, ajudar, tolerar e satisfazer uns aos outros, tudo isso são assuntos privados e pessoais e nada têm a ver com a prática da verdade. Como, então, Deus exige que as pessoas tratem umas às outras? (Deus exige que tratemos uns aos outros com princípios. Se outra pessoa comete um erro, faz algo que não está alinhado com os princípios da verdade, não podemos ouvi-la, mesmo que seja nossa mãe ou nosso pai. Devemos agarrar-nos aos princípios da verdade e proteger os interesses da casa de Deus.) (Deus exige que irmãos e irmãs ajudem uns aos outros. Se vemos que outra pessoa tem um problema, devemos apontá-lo, comungar e buscar os princípios da verdade para resolvê-lo. Só se fizermos isso estaremos realmente ajudando a pessoa.) Ele quer que a conduta das pessoas em relação ao outro seja construída sobre o fundamento dos princípios da verdade, não importa qual seja o seu relacionamento. Qualquer coisa fora desses princípios não conta como praticar a verdade. Por exemplo, uma pessoa faz algo que prejudica o trabalho da igreja que todos apontam e refutam. O amigo dela diz: ‘Vocês não têm que expô-lo só porque ele cometeu um erro! Eu sou amigo dele; antes de mais nada, devo ser compreensivo e tolerante em relação a ele e ajudá-lo. Não posso repreendê-lo, como vocês. Devo consolá-lo, não magoá-lo, e eu lhe diria que o erro não é grande coisa. Se qualquer um de vocês o repreender e dificultar as coisas para ele mais uma vez, terá que se ver comigo. Nenhum de vocês é mais próximo a ele do que eu. Somos bons amigos. Os amigos cuidam uns dos outros, e eu o defenderei se for necessário’. Isso é praticar a verdade? (Não, isso é uma filosofia de vida.) A mentalidade da pessoa se baseia também em outro fundamento teórico: ele acredita que ‘Meu amigo me ajudou no tempo mais difícil e mais doloroso da minha vida. Todos os outros me abandonaram, só ele cuidou de mim e me ajudou. Agora, ele está encrencado, e chegou a minha vez de ajudá-lo — acho que é isso que significa ter consciência e humanidade. Como vocês podem se chamar de humanos se vocês acreditam em Deus, mas não têm nem mesmo esse tantinho de consciência? Isso não transforma sua fé em Deus e sua prática da verdade em palavras vazias?’. Essas palavras soam como se estivessem certas. A maioria das pessoas não consegue ver o que elas realmente sãonem mesmo a pessoa que as disse, que acha que suas ações provêm da verdade. Mas suas ações estão certas? Na verdade, não estão. Olhe mais de perto, e cada palavra que ele diz tem sua origem em ética, moral e consciência. De acordo com as medidas da ética humana, essa pessoa é conscienciosa e sincera. Defender seu amigo desse jeito faz dele uma pessoa boa. Mas alguém sabe qual caráter e qual essência estão por trás dessa ‘pessoa boa’? Ele não é um verdadeiro crente em Deus. Em primeiro lugar, quando algo acontece, ele não vê a situação de acordo com as palavras de Deus. Ele não busca a verdade nas palavras de Deus, mas, em vez disso, decide ver a questão de acordo com a moral e a ética e as máximas de vida de um incrédulo. Ele toma as heresias e falácias de Satanás como a verdade, e deixa as palavras de Deus de lado. Ao fazer isso, ele está zombando da verdade e ignorando o que as palavras de Deus dizem. Isso mostra que ele não ama a verdade. Ele substitui a verdade com as máximas de vida satânicas e as noções, a ética e a moral do homem, e age de acordo com filosofias satânicas. Ele até diz com confiança que isso é praticar a verdade e satisfazer a vontade de Deus, que essa é a maneira justa de agir. Ele não está apenas usando esse disfarce da justiça para violar a verdade?(A Palavra, vol. 3: As declarações de Cristo dos últimos dias, “Bom comportamento não significa que o caráter de alguém mudou”). A palavra de Deus revelava exatamente o meu estado. Eu refleti sobre meus pensamentos dos últimos dias. Embora eu soubesse que Rute não aceitava a verdade e que ela espalhava negatividade e mentiras secretamente, eu a protegia e não a denunciava. Tudo isso era porque eu tinha sido influenciada por ideias satânicas como “sacrifique-se por seus amigos” e achava que era ético priorizar afetos e benevolência em nossa conduta. Como incrédula, eu tinha visto todos esses personagens na TV e em histórias que eram totalmente devotos aos seus amigos, e eu os admirava profundamente. Eu achava que isso era integridade e a forma de ser uma pessoa realmente boa. Eram meus exemplos. Decidi que eu seria uma pessoa que valorizava lealdade e camaradagem, e que, se os outros fossem bondosos comigo, eu teria que retribuir em dobro, que jamais poderia fazer algo que os decepcionasse, caso contrário, eu seria desprezada por ser inescrupulosa. Depois de me converter, esses tipos de pensamentos permaneceram comigo. Se alguém era bom comigo ou demonstrava um cuidado especial por mim, eu me lembrava disso e, por mais problemas ou dificuldades que a pessoa enfrentasse, eu sempre a ajudaria e jamais faria algo que ameaçasse a nossa amizade. Já que eu estava presa a essa “moral”, mesmo sabendo que Rute tinha problemas e que eu deveria defender os princípios denunciando-a, eu não conseguia dar o passo de praticar a verdade. Eu ficava pensando que, se eu contasse o que ela havia me contado em segredo, eu a decepcionaria. Essas filosofias satânicas me controlavam, tornavam-me incapaz de distinguir o certo do errado e deixavam-me sem princípios. Quanto mais refletia, mais eu via como eu tinha sido tola e confusa. Embora acreditasse em Deus e lesse Sua palavra, eu ainda confiava em filosofias satânicas quando as coisas aconteciam comigo. Finalmente vi que eu era lastimável e que eu não tinha nenhuma das realidades da verdade!

Continuei lendo a palavra de Deus. “Como pode haver bondade naqueles que não amam a verdade? Como pode haver justiça naqueles que só amam a carne? Não são tanto a justiça como a bondade faladas apenas em referência à verdade? Não estão reservadas para aqueles que amam a Deus de todo o coração? Aqueles que não amam a verdade e que são apenas corpos putrefatostodas essas pessoas não abrigam o mal? Os que são incapazes de viver a verdadenão são todos inimigos da verdade? E vocês?(A Palavra, vol. 1: A aparição e a obra de Deus, “Somente os aperfeiçoados podem viver uma vida significativa”). “Você pode ser especialmente afável e devotado para com seus familiares, amigos, esposa (ou marido), filhos e filhas, e pais, e nunca se aproveitar dos outros, mas se você for incapaz de compatibilidade com Cristo, se você não for capaz de interagir em harmonia com Ele, então, até se você se doar inteiramente para socorrer o seu próximo ou se cuidar meticulosamente bem de seu pai, mãe e membros da família, ainda assim Eu diria que você é perverso, e além disso alguém cheio de truques ardilosos(A Palavra, vol. 1: A aparição e a obra de Deus, “Aqueles que são incompatíveis com Cristo certamente são oponentes de Deus”). Ao ler a palavra de Deus, entendi que justiça e bondade verdadeiras não são ser leal a uma pessoa. Por mais leal ou amigável que você possa ser em relação a um amigo ou parente, ou por mais que você seja chamada de boa pelos outros e elogiada pela sociedade, você não pode ser chamada de boa nem de justa. Justiça e bondade verdadeiras são ditadas pela verdade e são coisas que se alinham à verdade. Quando as coisas caem sobre você, a habilidade de praticar a verdade, de agir de acordo com a palavra de Deus, de deixar as emoções de lado ao defender os princípios e proteger o trabalho da igreja demonstra justiça e um amor pela verdade e lhe renderá a aprovação de Deus. Pensei em como, na Bíblia, num momento crítico, Ló foi capaz de trocar suas duas filhas pela segurança dos dois mensageiros e como essa conduta foi considerada justa por Deus. Pensei em como, ao receber a comissão de Deus, Noé gastou mais de cem anos construindo a arca e como, nesse tempo, ele experimentou muito sofrimento, calúnia e julgamento, mas foi capaz de obedecer à palavra de Deus e completar a comissão de Deus. Isso era justiça. Entendo que, fazendo a vontade de Deus, conseguimos praticar de acordo com a Sua palavra, e, não importa o sofrimento, nem mesmo se for preciso desistir da vida, ainda conseguimos completar a comissão de Deus e proteger o trabalho da casa de Deus. Só isso pode ser chamado de justiça e bondade. Eu sempre protegi meus relacionamentos e afetos pelos outros. Eu sabia que Rute estava espalhando negatividade e mentiras, mas não a denunciei. Eu priorizei meus afetos por ela e a protegi mesmo às custas do trabalho da igreja. Eu coloquei meus sentimentos em primeiro lugar e violei a verdade. De que forma isso era justo ou bom? Em essência, eu estava resistindo a Deus e era condenada por Ele. Foi aí que percebi a seriedade do meu problema, e meu coração foi dominado pelo medo. Eu não podia continuar agindo com base em emoções. Eu devia aderir à verdade e aos princípios e denunciar Rute. Então, escrevi um relatório factual dos problemas de Rute e o enviei ao líder.

Não demorou, e o líder me disse: “Os problemas de Rute são muito sérios. Desde sua dispensa, ela não refletiu e permanece desobediente e indignada, continua espalhando noções e negatividade e não está exercendo um papel positivo. Os problemas dela terão que ser expostos novamente. Se ela não entender a seriedade desses problemas, ela pode continuar espalhando negatividade e perturbar a vida da igreja!”. O líder também pediu que eu participasse nisso. De repente, fiquei nervosa e me senti dividida de novo: “Se essa comunhão para expor os problemas de Rute ocorrer na frente de muitas pessoas, o que ela pensará de mim? Ela me odiará? Ficará magoada? Ela pensará que não sou alguém com quem ela pode falar e me ignorará?”. Eu não ousava imaginar a cena da exposição dela e só queria me esconder. O líder viu que eu hesitava e disse: “Se você não se sente à vontade, não precisa participar. Reflita sobre isso”. Eu não disse nada. Depois disso, eu me senti muito incomodada e me perguntei: “Por que tenho tanto medo de encarar Rute? Por que não tenho a coragem de expô-la? Ainda estou vivendo segundo minhas emoções, querendo proteger meus relacionamentos”. Quando percebi isso, eu me senti muito culpada e orei a Deus: “Ó Deus, por favor, ajuda-me. Dá-me a coragem para me libertar da influência sombria de Satanás. Desejo praticar a verdade”.

Depois de orar, li algumas palavras de Deus relacionadas ao meu estado. “Quando a verdade se tornar vida em você, quando você observar alguém que blasfema contra Deus, que não tem temor de Deus e que é descuidado e superficial ao cumprir o seu dever, ou que interrompe e interfere no trabalho da igreja, você responderá de acordo com os princípios da verdade e será capaz de identificá-lo e expô-lo conforme necessário. Se a verdade não se tornar sua vida e você ainda viver em seu caráter satânico, quando descobrir pessoas perversas e diabos que causam interrupções e perturbações no trabalho da casa de Deus, você fará vista grossa e se fingirá de surdo; você as ignorará sem ser repreendido por sua consciência. Você até achará que qualquer um que cause perturbações no trabalho da igreja não tem nada a ver com você. Não importa quanto o trabalho da igreja e os interesses da casa de Deus sofram, você não se importa, não intervém nem se sente culpadoo que faz de você alguém que não tem consciência nem senso, um incrédulo, um servidor. Você come o que é de Deus, bebe o que é de Deus e desfruta tudo o que vem de Deus, mas acha que qualquer dano aos interesses da casa de Deus não está relacionado a vocêo que faz de você um traidor que morde a mão que o alimenta. Se você não protege os interesses da casa de Deus, você é mesmo humano? Isso é um demônio que se insinuou na igreja. Você finge acreditar em Deus, finge ser um escolhido e quer se aproveitar da casa de Deus. Você não vive a vida de um ser humano e é claramente um dos incrédulos. Se você for alguém que realmente acredita em Deus, mesmo que ainda tenha que ganhar a verdade e a vida, no mínimo, você falará e agirá ao lado de Deus; no mínimo, você não ficará parado ao ver que os interesses da casa de Deus estão sendo comprometidos. Quando tiver o desejo de fazer vista grossa, você se sentirá culpado e incomodado e dirá para si mesmo: ‘Eu não posso ficar sentado aqui e não fazer nada, devo me levantar e dizer algo, devo assumir a responsabilidade, devo revelar esse comportamento maligno, devo impedir isso, para que os interesses da casa de Deus não sejam prejudicados e a vida de igreja não seja perturbada’. Se a verdade se tornou sua vida, você não somente terá essa coragem e determinação e será capaz de entender completamente a questão, mas também cumprirá a responsabilidade que tem para com a obra de Deus e com os interesses de Sua casa, e assim seu dever será cumprido(A Palavra, vol. 3: As declarações de Cristo dos últimos dias, “Só aqueles que realmente se submetem a Deus têm um coração que O teme”). “Na igreja, permaneça firme em seu testemunho de Mim, sustente a verdade; o certo é certo e o errado é errado. Não confunda preto com branco. Você entrará em guerra com Satanás e precisa vencê-lo completamente para que ele nunca mais se erga de novo. Você deve dar tudo que tem para proteger Meu testemunho. Esse será o objetivo das ações de vocêsnão se esqueçam disso(A Palavra, vol. 1: A aparição e a obra de Deus, “Declarações de Cristo no princípio, Capítulo 41”). A leitura da palavra de Deus me comoveu profundamente e me deixou envergonhada. Pensei em meu comportamento recente. Eu era o tipo de pessoa que Deus expunha: era traiçoeira, não protegia o trabalho da igreja e abandonava a verdade. Eu sabia que Rute não tinha refletido sobre si mesma nem se arrependido após sua dispensa e que ela até odiava aqueles que a denunciaram. Eu sabia que ela espalhava noções, que era negativa e resistia. Ela já tinha exposto a natureza de estar farta da verdade e de odiá-la. Em essência, ela era uma malfeitora. Se uma pessoa que obedecia à vontade de Deus e tinha algum senso de justiça visse esse tipo de comportamento, ela se levantaria para proteger o trabalho da igreja e impediria os feitos de Satanás. Ela não permitiria que a vida ou o trabalho da igreja fosse perturbado. Mas, mesmo com meu conhecimento direto dos fatos, eu hesitava, vacilava e não ousava expor Rute, temendo danificar o afeto que tínhamos uma pela outra. Nesse momento crucial, eu não considerei o trabalho da igreja nem busquei os princípios da verdade. Continuei obedecendo a filosofias satânicas, priorizando amor e afetos juntamente com o diabo, ficando do lado dele ao proteger uma malfeitora. A essência dessa minha conduta era maligna. Diante da verdade, todas as minhas ações eram irresponsáveis. Quanto mais eu ponderava a palavra de Deus, mais claro se tornava meu problema. Também pensei em como Deus me escolheu para vir à casa Dele e como Ele tinha me guiado e sustentado continuamente. Ele me deu a chance de buscar a verdade e de ser salva, mas, no momento crucial, eu não obedeci à Sua vontade e decidi proteger Satanás. Eu estava enganando e traindo a Deus. Eu estava decepcionando a Deus! Eu não podia continuar priorizando meus sentimentos nem protegendo meus relacionamentos. Não importa se você ofende pessoas. Violar a verdade e ofender a Deus mostra uma total falta de humanidade! Lembrei-me da palavra de Deus: “Seus relacionamentos não são estabelecidos na carne, e sim no fundamento do amor de Deus. Quase não há interações carnais, mas no espírito há comunhão, amor mútuo, conforto mútuo e provisão de um para o outro. Isso tudo é feito sobre o fundamento de um coração que satisfaz a Deus. Esses relacionamentos não são mantidos confiando-se em uma filosofia humana para viver, mas são formados muito naturalmente por carregar um fardo por Deus. Não requer esforço humano. Você só precisa praticar de acordo com os princípios da palavra de Deus(A Palavra, vol. 1: A aparição e a obra de Deus, “É muito importante estabelecer um relacionamento normal com Deus”). A palavra de Deus me mostrou que relacionamentos interpessoais não deveriam ser conduzidos com filosofias seculares. Ao contrário, as pessoas deveriam viver segundo a palavra de Deus. Comunicar-se mutuamente sobre questões da entrada na vida, ajudar e apoiar umas às outras, ser capaz de comunicar, ajudar, supervisionar e alertar os outros quando eles violam os princípios ou trilham a senda errada e ser capaz de expor e impedir aqueles que perturbam o trabalho da igreja — as pessoas deveriam interagir com base nesses princípios. Diante dos problemas de Rute, eu tinha priorizado meus sentimentos e minha lealdade a ela. Isso era irracional e não estava alinhado com a verdade. Eram as ações de uma incrédula. Deixei de me sentir dividida e tive a coragem de praticar a verdade.

Depois li algumas passagens da palavra de Deus, que expunham os danos de ideias da cultura tradicional como “sacrifique-se pelos amigos”, e meu coração se iluminou. Deus Todo-Poderoso diz: “Nascido numa terra tão imunda, o homem vem sendo gravemente empesteado pela sociedade, influenciado pela ética feudal e instruído nos ‘institutos da mais elevada aprendizagem’. O pensamento retrógrado, a moralidade corrupta, a visão mesquinha da vida, a filosofia de vida desprezível, uma existência absolutamente sem valor, estilo de vida e costumes depravados, todas essas coisas foram severamente introduzidas no coração do homem e atacaram e comprometeram gravemente a sua consciência. Como consequência, o homem está cada vez mais distante de Deus e cada vez mais se opõe a Ele. O caráter do homem se torna mais depravado a cada dia que passa e não há uma única pessoa que, de boa vontade, abra mão de alguma coisa por Deus; não há uma só pessoa que, de boa vontade, obedeça a Deus, nem, sobretudo, nenhuma só pessoa que, de boa vontade, busque a aparição de Deus. Em vez disso, sob o império de Satanás, o homem não faz outra coisa senão buscar o prazer, entregando-se à corrupção da carne na terra da lama(A Palavra, vol. 1: A aparição e a obra de Deus, “Ter um caráter inalterado é estar em inimizade contra Deus”). “Satanás fabricou e inventou muitas histórias populares ou histórias que aparecem nos livros de história, deixando as pessoas com profundas impressões de figuras culturais ou supersticiosas tradicionais. Na China, por exemplo, existem ‘Os Oito Imortais Atravessam o Mar’, ‘Jornada para o Oeste’, o Imperador de Jade, ‘Nezha Conquista o Rei Dragão’ e ‘A Investidura dos Deuses’. Esses não se tornaram profundamente arraigados na mente do homem? Mesmo que alguns de vocês não conheçam todos os detalhes, vocês ainda conhecem as histórias gerais, e é esse conteúdo geral que se fixa no seu coração e em sua mente, de modo que você não consegue esquecê-lo. Essas são várias ideias ou lendas que Satanás preparou para o homem há muito tempo e que foram disseminadas em diferentes momentos. Essas coisas prejudicam e corroem diretamente a alma das pessoas e põem as pessoas debaixo de um feitiço após o outro. Isso quer dizer que, uma vez que você aceitou tal cultura tradicional, tais histórias ou coisas supersticiosas, uma vez que elas são estabelecidas na sua mente e uma vez que elas são incutidas em seu coração, então, é como se você estivesse enfeitiçadovocê começa a ser enredado e influenciado por essas armadilhas culturais, essas ideias e histórias tradicionais. Elas influenciam a sua vida, sua perspectiva de vida e seu julgamento das coisas. Influenciam ainda mais a sua busca pela verdadeira senda da vida: isso, sim, é um feitiço maligno. Por mais que tente, você não consegue se livrar delas; você as corta, mas não consegue abatê-las; você bate nelas, mas não consegue derrubá-las. Além disso, depois que as pessoas são colocadas inadvertidamente sob esse tipo de feitiço, elas, sem o saber, começam a adorar a Satanás, fomentando a imagem de Satanás em seu coração. Em outras palavras, elas estabelecem Satanás como seu ídolo, um objeto para adorar e admirar, chegando ao ponto até de considerá-lo como Deus. Sem que as pessoas o saibam, essas coisas estão no coração delas, controlando suas palavras e ações. Além disso, primeiro você considera essas histórias e lendas como falsas, mas então, sem saber, reconhece sua existência, fazendo delas figuras reais e transformando-as em objetos reais existentes. Sem ter consciência disso, em seu subconsciente, você recebe essas ideias e a existência dessas coisas. Subconscientemente você também recebe diabos, Satanás e ídolos dentro da sua própria casa e no seu coração — isso é de fato um feitiço(A Palavra, vol. 2: Sobre conhecer a Deus, “O Próprio Deus, o Único VI”). Ao ler a palavra de Deus, eu entendi que as palavras transmitidas pelos assim chamados antigos santos e sábios e as ideias transmitidas pelas histórias clássicas que influenciaram uma geração após a outra vêm, todas elas, de Satanás. Satanás tem usado essas palavras e ideias para controlar a humanidade. Essas ideias já estão enraizadas no coração do homem, e sua influência é profunda. Como a ideia de que as pessoas devem sacrificar-se por seus amigos. Por fora, isso é honrado como valorização da lealdade, como se arriscar sua vida por um amigo fosse algo nobre. Quando as pessoas aceitam esse tipo de ideia, elas são obrigadas a ajudar seus amigos, não importa se eles façam algo certo ou errado, até a ponto de arriscar sua vida para ajudá-los. Isso não tem princípios e não distingue o certo do errado. Mesmo que seu amigo faça algo errado, as pessoas precisam protegê-lo, até o ponto de arriscar a vida, e isso é visto como justo e leal. Na verdade, é irracional e é confiar em paixões em seu comportamento. Eu já não acredito que valorizar lealdade seja algo elevado. Ao contrário, sinto que pessoas com esse tipo de mentalidade são lamentáveis e patéticas. Sua vida não tem valor, e sua morte não tem significado. Pensei em como eu fui profundamente prejudicada por isso. A fim de proteger meus afetos interpessoais, conscientemente deixei de praticar a verdade. Até achei que estava sendo leal e que eu tinha humanidade boa. Como eu fui tola. Essas ideias prezadas por Satanás são venenos. Elas me deixaram confusa em relação ao certo e errado, incapaz de distinguir entre coisas positivas e negativas. Elas estreitavam e distorciam minha mente. Elas me impediram de ter relações interpessoais normais. Eu me lembrei da palavra de Deus que diz: “A causa fundamental dos caracteres corruptos surgirem no homem é o engano, a corrupção e envenenamento feitos por Satanás, e o ele sofre o notório dano que Satanás tem infligido ao pensamento do homem e à sua moralidade, percepção e sentido. É precisamente porque as coisas fundamentais do homem foram corrompidas por Satanás e são completamente diferentes de como Deus as criou originalmente, que o homem se opõe a Deus e não pode aceitar a verdade(A Palavra, vol. 1: A aparição e a obra de Deus, “Ter um caráter inalterado é estar em inimizade contra Deus”). Antes, eu só admitia em teoria que eu tinha sido tão corrompida por Satanás a ponto de perder toda humanidade, mas eu não entendia onde a corrupção profunda do homem se manifestava. Agora entendo isso um pouco melhor. Os venenos de Satanás e as ideias da cultura tradicional já se tornaram a natureza do homem. Eles pisotearam e distorceram os pensamentos do homem, e o homem perdeu sua humanidade e pensamentos normais. Todos os seus pensamentos resistem a Deus e violam a verdade. Sem as verdades expressadas por Deus Todo-Poderoso em Sua obra de salvação, que pegam essas filosofias seculares, esses venenos satânicos e a essência da cultura tradicional e os dissecam um por um, como eu teria vindo a entender essas coisas? Eu só teria sido corrompida e prejudicada ainda mais por Satanás. Senti ainda mais que só a palavra de Deus é a verdade e que só a palavra de Deus pode mudar e salvar as pessoas. A palavra de Deus é tão preciosa! A cultura tradicional e essas filosofias satânicas corrompem e prejudicam as pessoas. Só se elas buscarem a verdade na palavra de Deus, virem as coisas e agirem de acordo com a palavra de Deus, a razão e a humanidade das pessoas podem se tornar cada vez mais normais.

Alguns dias depois, o líder chamou Rute. Eu falei sobre todos os problemas que eu tinha visto nela sem esconder nada. Eu me senti calma enquanto a expunha. Eu sabia que fazer isso estava alinhado com a verdade e os princípios e, não importava o que ela pensasse de mim depois ou se jamais quisesse me ver de novo, já que eu estava praticando a verdade, eu me senti em paz e jamais me arrependeria das minhas ações.

Todos os dias temos 24 horas e 1440 minutos. Você está disposto a dedicar 10 minutos para estudar o caminho de Deus? Você está convidado a se juntar ao nosso grupo de estudo.👇

Conteúdo relacionado

Uma dor inescapável

Por Qiu Cheng, China Quando completei 47 anos de idade, minha visão deteriorou rapidamente. O médico disse que, se eu não cuidasse dos meus...

Conecte-se conosco no WhatsApp