Palavras diárias de Deus | "Apenas amando a Deus é que verdadeiramente se crê em Deus" | Trecho 495

24 de Setembro de 2020

Hoje, quando vocês procuram amar e conhecer a Deus, em um aspecto vocês devem suportar sofrimentos e refinamentos, e em outro, vocês devem pagar um preço. Nenhuma lição é mais profunda que a lição de amar a Deus, e pode-se dizer que a lição que as pessoas aprendem de uma vida inteira de crença é como amar a Deus. Ou seja, se você acredita em Deus, você deve amar a Deus. Se você somente acredita em Deus, mas não O ama, não alcançou o conhecimento de Deus e nunca amou a Deus com um amor verdadeiro que vem de dentro de seu coração, então sua crença em Deus é fútil. Se, em sua crença em Deus, você não ama a Deus, então você vive em vão, e toda a sua vida é a de nível mais baixo de todas as vidas. Se, ao longo de toda a sua vida, você nunca amou ou satisfez a Deus, então, qual é o sentido de sua vida? E qual é o sentido da sua crença em Deus? Isso não é um desperdício de esforço? O que significa dizer que, se as pessoas acreditarem e amarem a Deus, terão que pagar um preço. Em vez de tentar agir de uma determinada maneira externamente, elas devem buscar um verdadeiro discernimento nas profundezas do coração. Se você está entusiasmado com cantar e dançar, mas é incapaz de colocar a verdade em prática, pode-se dizer que você ama a Deus? Amar a Deus requer buscar a vontade de Deus em todas as coisas, e que você sonde profundamente quando algo acontecer com você, tentando entender a vontade de Deus, tentando ver qual é a vontade Dele nesta questão, o que Ele deseja que você realize e como você deve estar atento à Sua vontade. Por exemplo: acontece algo que exige que você enfrente dificuldades, momento em que você deve entender o que é a vontade de Deus e como deve estar atento a ela. Você não deve satisfazer a si mesmo: em primeiro lugar, ponha-se de lado. Nada é mais desprezível que a carne. Você deve procurar satisfazer a Deus e cumprir seu dever. Com tais pensamentos, Deus trará iluminação especial a você neste assunto e seu coração também será consolado. Seja grande ou pequeno, quando alguma coisa acontecer com você, você deve primeiramente pôr-se de lado e considerar a carne como a mais baixa de todas as coisas. Quanto mais você satisfaz a carne, mais liberdades ela toma; se você a satisfizer dessa vez, da próxima vez ela pedirá mais e, continuando assim, você passa a amar a carne ainda mais. A carne sempre terá desejos extravagantes, sempre pedindo que você a satisfaça e que a gratifique internamente, seja nas coisas que você come, o que veste, perdendo as estribeiras ou cedendo às suas próprias fraquezas e preguiça… Quanto mais você satisfaz a carne, maiores são os desejos dela e mais debochada ela se torna, até chegar ao ponto em que a carne das pessoas abriga concepções ainda mais profundas, desobedece a Deus, se exalta e duvida da obra de Deus. Quanto mais você satisfaz a carne, maiores são as fraquezas dela. Você sempre sentirá que ninguém se solidariza com suas fraquezas, você sempre acreditará que Deus foi longe demais e dirá: Como Deus pôde ser tão severo? Por que Ele não dá uma folga às pessoas? Quando as pessoas são indulgentes demais com a carne e a valorizam demais, elas se perdem. Se você realmente ama a Deus e não satisfaz a carne, verá que tudo o que Deus faz é bem justo, e muito bom, e que a maldição Dele para sua rebeldia e o julgamento de sua injustiça são justificados. Haverá ocasiões em que Deus o corrigirá, disciplinará e criará um ambiente para ajustá-lo, forçando-o a chegar diante Dele — e você sempre sentirá que o que Deus está fazendo é maravilhoso. Assim, você sentirá como se não houvesse muita dor, e que Deus é muito amável. Se você ceder às fraquezas da carne, e disser que Deus vai longe demais, sempre sentirá dor, estará sempre deprimido, ficará confuso sobre toda a obra de Deus e parecerá que Deus é apático à fraqueza humana e desconhece as dificuldades humanas. Você se sentirá miserável e sozinho, como se tivesse sofrido uma grande injustiça, e neste momento, começará a reclamar. Quanto mais você ceder às fraquezas da carne desta forma, mais sentirá que Deus vai longe demais, até que fique tão ruim que você negue a obra de Deus, comece a se opor a Deus, e se torne completamente desobediente. Assim, você deve se rebelar contra a carne e não ceder a ela: o esposo, a esposa, os filhos, as perspectivas, o casamento, a família — nenhum deles importa! Você precisa ter essa resolução: “No meu coração há somente Deus, e devo fazer o melhor para satisfazer a Deus e não satisfazer a carne”. Se você sempre tiver por tal resolução quando praticar a verdade e se colocar de lado, conseguirá fazer isso com pouco esforço. Conta-se que, certa vez, um agricultor viu na estrada uma cobra dura de frio, congelada. O agricultor a pegou e segurou no peito, e depois que a cobra foi reanimada, picou o fazendeiro, matando-o. A carne do homem é como a cobra: sua essência é prejudicar sua vida e, quando ela tiver tudo o que quer, sua vida se perde. A carne pertence a Satanás. Nela há desejos extravagantes, ela só pensa em si mesma, quer aproveitar o conforto, se deleitar com o lazer, chafurdar na preguiça e ociosidade e, tendo satisfeito isso até certo ponto, você acabará sendo engolido por ela. Ou seja, se você a satisfizer desta vez, da próxima, ela pedirá mais. A carne sempre tem desejos extravagantes, novas exigências e aproveita que você cede a ela para fazer com que você a acalente ainda mais e viva entre seus confortos — e se você não a vencer, acabará perdendo a si mesmo. Se você ganhará vida diante de Deus e qual será o seu destino final dependerá de como você realiza sua rebelião contra a carne. Deus salvou, escolheu e predestinou você, mas se hoje você não O quiser satisfazer, não está disposto a praticar a verdade, não está disposto a se rebelar contra a sua própria carne com um coração que verdadeiramente ama a Deus, por fim, você se destruirá, e suportará uma dor extrema. Se você sempre ceder à carne, Satanás gradualmente engolirá você por dentro e o deixará sem vida ou sem o toque do Espírito, até que chegue o dia em que você estará completamente escuro por dentro. Quando você vive na escuridão, terá sido levado cativo por Satanás, não terá mais a Deus e, nesse momento, negará a existência de Deus e O abandonará. Assim, se você deseja amar a Deus, deve pagar o preço da dor e suportar as dificuldades. Não há necessidade de fervor e sofrimentos externos, de ler mais e fazer mais; em vez disso, você deve deixar de lado as coisas dentro de você: os pensamentos extravagantes, os interesses pessoais e suas próprias considerações, concepções e motivações. Essa é a vontade de Deus.

Extraído de “A Palavra manifesta em carne

Ver mais

Quando o desastre vem, como nós cristãos devemos lidar com ele? Convidamos você a participar da nossa reunião online, onde podemos explorar juntos e encontrar o caminho.

Compartilhar

Cancelar