Capítulo 19

Tomar Minhas palavras como base para a sua sobrevivência — essa é a obrigação da humanidade. As pessoas devem estabelecer sua porção em cada parte de Minhas palavras; não fazê-lo seria buscar sua destruição e abrir os braços para o desprezo. A humanidade não Me conhece, e por isso, em vez de Me trazer a própria vida para a oferecer em troca, tudo que ela faz é desfilar na Minha frente com o lixo em suas mãos, tentando, assim, Me satisfazer. Mas, longe de estar satisfeito pelas coisas como são, continuo fazendo exigências à humanidade. Amo as contribuições das pessoas, mas odeio suas exigências. Todas elas têm o coração cheio de cobiça; é como se o coração humano fosse escravizado pelo diabo, e as pessoas fossem incapazes de se libertar e Me oferecer seu coração. Quando falo, as pessoas ouvem Minha voz, com extrema atenção; mas quando paro de falar, elas retornam ao próprios “empreendimentos” e cessam inteiramente de prestar atenção às Minhas palavras, como se elas fossem um complemento a seu “empreendimento”. Nunca fui negligente para com a humanidade, e ainda assim tenho sido paciente e tolerante para com ela. E assim, por causa de Minha leniência, os seres humanos se superestimam e são incapazes de autoconhecimento e autorreflexão; eles simplesmente tiram proveito de Minha paciência para Me enganar. Nem um sequer dentre eles jamais se preocupou sinceramente Comigo, e nenhum Me valoriza verdadeiramente como um objeto querido ao seu coração; só quando têm momentos de ócio de sobra, Me dão atenção superficial. O esforço que despendo com a humanidade já está além da conta; além do mais, operei nela de maneiras sem precedentes e, mais ainda, lhe dei um fardo adicional, a fim de que, daquilo que tenho e sou, o homem possa ganhar algum conhecimento e sofrer alguma mudança. Não peço ao homem para ser um mero “consumidor”, mas sim que ele seja um “produtor” que derrota Satanás. Embora Eu não possa exigir que a humanidade faça alguma coisa, ainda assim, tenho padrões para as exigências que faço, pois há um propósito nisso, assim como uma base para Minhas ações: diferente do que o homem imagina, não brinco ao acaso, nem moldei o céu e a terra e as miríades de objetos da criação como bem desejei. Na Minha obra, a humanidade deveria ver alguma coisa e ganhar alguma coisa. Não deveria desperdiçar a primavera de sua juventude, ou tratar a própria vida como roupas sobre as quais se acumula poeira de forma descuidada; ao contrário, deveria ficar de guarda rigorosa sobre si mesma, tirando da Minha generosidade para prover para seu prazer, até que, por Minha causa, ela não possa voltar atrás em direção a Satanás e, por Minha causa, ela monte um ataque contra ele. O que exijo da humanidade não é muito simples?

Quando um pálido lampejo de luz começa a despontar no Oriente, todas as pessoas do universo prestam-lhe um pouco mais de atenção. Não mais mergulhada no sono, a humanidade se aventura a observar a fonte dessa luz oriental. Devido à sua capacidade limitada, ninguém ainda foi capaz de ver o lugar onde a luz se origina. Quando tudo dentro do universo estiver totalmente iluminado, os seres humanos despertarão do sono e do sonho e só então perceberão que Meu dia lentamente chegou sobre eles. Toda a humanidade celebra por causa da chegada da luz, e por isso não mais deita profundamente adormecida, e não está mais inconsciente. Sob o brilho da Minha luz, toda a humanidade fica com a mente e a visão claras, e de repente desperta para a alegria de viver. Ao abrigo de uma névoa que Me encobre, vigio o mundo. Os animais estão todos em repouso; por causa da vinda de um pálido lampejo de luz, tudo na criação se torna consciente de que uma nova vida está se aproximando. Por essa razão, todos os animais também rastejam para fora de suas tocas à procura de comida. As plantas, é claro, não são exceção, e no brilho da luz, suas folhas verdes resplandecem com brilho lustroso, esperando para desempenhar seu papel para Mim enquanto estou na terra. Todos os seres humanos desejam a chegada da luz, e ainda assim todos eles temem o seu advento, ansiosos de que sua própria fealdade deixará de encontrar ocultação, pois a humanidade está completamente nua, e carece de cobertura. É por isso que muitas pessoas têm entrado em pânico, por causa da vinda da luz e porque ela apareceu, estão em estado de choque? Quantas pessoas, ao verem a luz, ficam cheias de remorso sem limites, abominando sua própria impureza, mas, impotentes para alterar os fatos, só podem esperar que Eu pronuncie a sentença. Quantas pessoas, refinadas pelo sofrimento na escuridão, ao verem a luz, são subitamente atingidas por seu profundo significado, e desde então a trazem ao peito, profundamente temerosas em perdê-la de novo? Tantas pessoas, em vez de serem jogadas para fora da órbita pelo súbito aparecimento da luz, simplesmente cuidam do trabalho diário em curso, porque elas têm sido cegas por longos anos, e por isso não só não percebem que a luz veio, como também não são gratificadas por ela. No coração dos humanos, não sou nem altivo nem humilde. No que diz respeito à humanidade, não faz diferença se Eu existo ou não; é como se a vida do homem não fosse ficar menos solitária se Eu não existisse, e se Eu, de fato, existisse, sua vida não seria mais prazerosa. Porque os seres humanos não Me prezam, os prazeres que lhes proporciono são poucos. Mas assim que a humanidade Me der um pouquinho mais de adoração, também vou mudar a atitude que tenho para com ela. Por essa razão, somente quando os homens apreenderem essa lei, só então, serão afortunados o bastante para se dedicarem a Mim e pedirem as coisas que tenho em mãos. Certamente, o amor da humanidade para Comigo não está vinculado exclusivamente aos seus interesses? Certamente, a sua fé em Mim não está vinculada unicamente às coisas que lhes dou? Poderia ser que, a menos que eles vejam Minha luz, a humanidade seja incapaz de Me amar sinceramente por meio de sua fé? Certamente, a força e o vigor do homem não estão realmente restritos às condições de hoje? Será que o homem necessita de coragem para que Me ame?

Como resultado de Minha existência, as miríades de objetos da criação se submetem obedientemente nos lugares onde residem, e, na ausência de Minha disciplina, não cedem em abandono licencioso. Portanto, as montanhas se tornam fronteiras entre as nações sobre a terra, as águas tornam-se barreiras para manter separadas as pessoas de terras diferentes, e o ar se torna aquilo que flui de pessoa para pessoa nos espaços acima da terra. Só a humanidade é incapaz de realmente obedecer às exigências da Minha vontade; é por isso que Eu digo que, de toda a criação, somente a humanidade pertence à categoria dos desobedientes. Ela nunca realmente se submeteu a Mim, e por essa razão Eu a tenho mantido desde o início sob estrita disciplina. Se, no meio da humanidade, acontecer de Minha glória se estender por todo o universo, então certamente tomarei toda Minha glória e a tornarei manifesta diante da humanidade. Pelo fato de, em sua contaminação, o homem ser incapaz de olhar para a Minha glória, por milhares de anos Eu nunca apareci em público, mas permaneci oculto; por essa razão, a Minha glória nunca foi manifestada diante do homem, e a humanidade sempre esteve afundada no profundo abismo do pecado. Eu perdoei a injustiça dos seres humanos, mas eles não sabem como se preservar, e em vez disso, estão sempre se deixando abertos ao pecado, permitindo que ele os prejudique. Isso não demonstra a falta de autorrespeito e de amor próprio do homem? No meio da humanidade, há alguém que realmente possa amar? Quantos gramas pode pesar a devoção do homem? Não há produtos adulterados misturados na sua assim chamada autenticidade? Sua devoção não é uma mixórdia completa? O que Eu exijo é o amor exclusivo do homem. Ele não Me conhece, e embora possa procurar conhecer-Me, não vai Me dar seu coração verdadeiro e sincero. Do homem Eu não exijo o que ele não está disposto a dar. Se Me der sua devoção, Eu a aceitarei sem polida objeção; mas se não confiar em Mim, e se recusar a oferecer até mesmo um pingo de si mesmo a Mim, em vez de ficar mais contrariado por conta disso, simplesmente Me livrarei dele de alguma outra forma e o arranjarei um destino apropriado. O trovão, atravessando os céus, derrubará o homem; as montanhas elevadas, quando tombarem, o enterrarão; os animais selvagens, na sua fome, o devorarão; e os oceanos, se levantando, encobrirão sua cabeça. À medida em que a humanidade se engaja em conflito fratricida, todas as pessoas buscarão a própria destruição nas calamidades que surgirem em meio à humanidade.

O reino está se expandindo no meio da humanidade, está se formando no meio dela, está se erguendo no meio dela; não há força que possa destruir o Meu reino. De Meu povo que está no reino de hoje, qual de vocês não é um ser humano entre os seres humanos? Qual de vocês está fora da condição humana? Quando Meu novo ponto de partida for anunciado para a multidão, como é que a humanidade reagirá? Vocês viram com seus próprios olhos o estado da humanidade; certamente ainda não abrigam esperanças de permanecer para sempre neste mundo. Agora estou caminhando largamente em meio ao Meu povo, e vivo no meio dele. Hoje, os que Me oferecem amor genuíno são pessoas bem-aventuradas; bem-aventurados são aqueles que se submetem a Mim, certamente permanecerão em Meu reino; bem-aventurados os que Me conhecem, certamente exercerão o poder em Meu reino; bem-aventurados são aqueles que Me buscam, eles certamente escaparão dos laços de Satanás e desfrutarão de Minhas bênçãos; bem-aventurados são aqueles capazes de renunciar a si mesmos, esses com certeza entrarão em Minhas posses e herdarão a generosidade do Meu reino. Daqueles que correm por Minha causa, vou Me lembrar; aqueles que fazem gastos por Minha causa, vou alegremente abraçar e àqueles que fazem ofertas a Mim, vou dar desfrutes. Aqueles que encontram prazer em Minhas palavras, Eu abençoarei; eles certamente serão os pilares que sustentam a cumeeira do Meu reino, certamente terão incomparável generosidade na Minha casa, e ninguém pode comparar-se a eles. Vocês já aceitaram as bênçãos que lhe foram dadas? Alguma vez já procuraram as promessas que foram feitas para vocês? Vocês, sob a orientação da Minha luz, romperão a repressão das forças das trevas. Certamente, no meio da escuridão, não perderão a luz que os guia. Vocês certamente serão os mestres de toda criação. Certamente serão vencedores diante de Satanás. Certamente, na queda do reino do grande dragão vermelho, levantar-se-ão no meio das miríades das multidões para dar testemunho da Minha vitória. Certamente serão firmes e inabaláveis na terra de Sinim. Através dos sofrimentos que vocês suportam, herdarão a bênção que vem de Mim, e certamente irradiarão Minha glória por todo o universo.

19 de março de 1992

Anterior: Capítulo 18

Próximo: Capítulo 20

Quando o desastre vem, como nós cristãos devemos lidar com ele? Convidamos você a participar da nossa reunião online, onde podemos explorar juntos e encontrar o caminho.

Conteúdo relacionado

Capítulo 16

De um ponto de vista humano, Deus é tão grande, tão abundante, tão maravilhoso, tão insondável; aos olhos das pessoas, as palavras de Deus...

Configurações

  • Texto
  • Temas

Cores sólidas

Temas

Fonte

Tamanho da fonte

Espaçamento entre linhas

Espaçamento entre linhas

Largura da página

Sumário

Busca

  • Pesquise neste texto
  • Pesquise neste livro

Entre em contato conosco pelo Whatsapp