42. Liberta da fama e da fortuna

Satanás usa a fama e o ganho para controlar os pensamentos do homem até que tudo em que as pessoas consigam pensar seja fama e ganho. Elas lutam por fama e ganho, passam por dificuldades por fama e ganho, suportam humilhação por fama e ganho, sacrificam tudo o que tem por fama e ganho e farão qualquer julgamento ou tomarão qualquer decisão para o bem de fama e ganho. Dessa forma, Satanás amarra as pessoas com grilhões invisíveis e elas não têm nem a força nem a coragem para se livrar deles. Elas, sem saber, carregam esses grilhões e caminham penosamente sempre adiante com grande dificuldade. Por causa dessa fama e ganho, a humanidade se afasta de Deus e O trai e se torna cada vez mais perversa. Dessa forma, portanto, uma geração após a outra é destruída em meio à fama e ao ganho de Satanás” (‘O Próprio Deus, o Único VI’ em “A Palavra manifesta em carne”).

Fui eleita como líder de igreja há um ano. Eu sabia que esse cargo era a bondade e a elevação de Deus. Em silêncio, resolvi buscar a verdade sinceramente e fazer bem o meu dever. Depois disso, ocupei-me com a obra da igreja e, quando eu tinha dificuldades, me apoiava em Deus e O buscava. Eu também discutia com os meus colegas e buscava a verdade para resolvê-las. Depois de pouco tempo, todos os aspectos da obra da igreja começaram a progredir, e agradeci a Deus de coração por ter me guiado. Pouco tempo depois, houve uma eleição para outra líder de igreja, e, para a minha surpresa, a escolhida foi a irmã Xia, que tinha trabalhado comigo antes. A irmã Xia era uma líder mais nova, e a sua experiência de vida era um pouco superficial. Quando trabalhamos juntas antes, eu precisei ajudá-la a resolver dificuldades e problemas que ela encontrava. Eu senti que, desta vez, no nosso trabalho juntas, eu definitivamente seria mais capaz do que ela.

Uma vez, cheguei em casa e encontrei uma mensagem da irmã Xia para mim. Dizia que uma líder de grupo da igreja de Chengxi não realizava obra prática e precisava ser substituída, e que havia outras questões práticas que precisavam de solução imediata. Ela queria que eu fosse lá ajudar. Pensando bem nisso, parecia que ela achava que eu era mais capaz do que ela. E já que ela me admirava tanto, eu tinha de fazer um bom trabalho e não me envergonhar. Quanto mais eu pensava nisso, mais feliz eu ficava. Quando cheguei no encontro, descobri que a irmã Xia tinha uma compreensão detalhada da obra e que sua comunhão sobre a verdade era embasada e prática. Eu fiquei surpresa em ver que ela havia progredido muito nos últimos anos. Pensei que eu era mais capaz do que ela e que precisaria guiá-la muito na obra, mas parecia que ela não era menos competente do que eu! Fiquei muito insatisfeita, e me parecia que ela ia tomar a liderança, então eu tinha de mostrar a todos os nossos irmãos do que eu era capaz! Eu não ousava relaxar um segundo, mas quebrei a cabeça pensando em como deixar a minha comunhão melhor do que a dela. Como resultado, a minha comunhão ficou tão sem graça que nem eu gostei dela. Senti que perdi prestígio e fiquei muito pra baixo.

A partir de então, não conseguia parar de competir com a irmã Xia. Uma vez, em um encontro em que ela soube do estado de irmãos e irmãs, ela encontrou palavras relevantes de Deus e as teceu com sua experiência na sua comunhão. E eu vi todo mundo concordando enquanto ouvia. Alguns tomavam notas, outros diziam: “Agora temos uma senda para seguir”. Eu senti tanto admiração quanto inveja. No que eu estava pensando? “Agora preciso correr e comunicar alguma coisa. Não importa o que, não posso parecer inferior a ela.” Mas, quanto mais pensava nisso, menos conseguia pensar em algo para comunicar. Comecei a me predispor contra a irmã Xia, pensando: “Você precisa comunicar tanto assim? Você já disse tudo que tinha de dizer. Eu estou sentada aqui que nem um vaso vazio, só de decoração. Assim não dá, preciso comunicar algo pra recuperar o meu orgulho”. Quando ela parou para tomar um gole de água, puxei meu banquinho mais pra frente e comecei a comunicar. Eu queria compartilhar algo muito bom, mas não conseguia chegar lá. Minha comunhão foi uma bagunça. Quando vi que os irmãos me olhavam de jeito estranho, percebi que saí totalmente do assunto. Eu me senti muito desconfortável, só queria enfiar a cabeça num buraco. Eu tinha feito papel de tola. Eu só queria me sair bem, mas acabei sendo ridícula. Eu me coloquei em evidência, e todos me viram falhar. No meu coração, comecei a culpar Deus por iluminar a minha irmã, e não a mim, e fiquei preocupada com como os outros irmãos me veriam dali pra frente. Quanto mais eu me afundava nisso, mas chateada eu ficava. Eu queria fugir daquela situação, não queria mais trabalhar com ela. Lembro de um encontro em que duas irmãs não estavam num estado muito bom, e não houve melhora nenhuma depois da comunhão da irmã Xia. Não só não ajudei na comunhão como até pensei: “Agora todos verão que ela não sabe resolver problemas, então não vão mais admirá-la e me menosprezar”. Durante aquele tempo, tentava constantemente competir com a irmã Xia, e meu estado espiritual ficou cada vez mais sombrio. Não tinha luz quando comunicava sobre as palavras de Deus nos encontros, e, quando via os irmãos enfrentando dificuldades ou problemas, não sabia como resolvê-los. Eu comecei a dormir bem cedo toda noite e tinha de me forçar a cumprir meu dever. Meu sofrimento só aumentava. Não conseguia fazer nada, só orar a Deus pedindo que Ele me salvasse.

Li esta passagem das palavras de Deus no meu devocional um dia: “Assim que disser respeito a posição, aparência ou reputação, o coração de todos salta em expectativa, e cada um de vocês sempre quer se destacar, ser famoso e reconhecido. Ninguém está disposto a ceder, em vez disso, todos desejam disputarmesmo que disputar seja vergonhoso e proibido na casa de Deus. No entanto, sem disputa, vocês ainda não estão satisfeitos. Quando veem alguém se destacar, vocês sentem inveja, ódio e que é injusto. ‘Por que eu não posso me destacar? Por que é sempre aquela pessoa que pode se destacar e nunca é a minha vez?’ Então, vocês sentem algum ressentimento. Vocês tentam reprimi-lo, mas não conseguem. Vocês oram a Deus e se sentem melhor por algum tempo, mas tão logo se deparam com esse tipo de situação novamente, vocês não conseguem vencê-la. Isso não demonstra uma estatura imatura? Quando uma pessoa cai em tais estados, isso não é uma armadilha? Esses são os grilhões da natureza corrupta de Satanás que amarram os humanos” (‘Você pode obter a verdade após volver seu coração verdadeiro para Deus’ em “Registros das falas de Cristo”). As palavras de Deus revelaram totalmente o meu estado e foram direto ao meu coração. Refleti sobre o porquê de estar vivendo de forma tão difícil e cansativa! A causa era que o meu desejo de nome e status era forte demais, e o meu caráter era arrogante. Eu me lembrei de quando comecei a cumprir esse dever. Quando tinha algum sucesso no meu trabalho, e os irmãos me apreciavam, eu realmente me admirava e me considerava talentosa. Trabalhando com a irmã Xia e vendo-a se saindo melhor do que eu, fiquei invejosa, desagradável, e constantemente competindo com ela. Quando não podia superá-la, ficava negativa e reclamava, e até dava vazão aos meus sentimentos no meu dever. Quando vi que ela não tinha resolvido a questão daquelas irmãs, além de não ajudar com a comunhão, não levantei um dedo sequer e me alegrei com seu fracasso. Eu estava determinada a vê-la envergonhada. Aquilo era fazer meu dever? Como líder da igreja, eu fui totalmente irresponsável e não pensei na obra da igreja nem em se os problemas dos irmãos tinham sido resolvidos. Eu só pensava em como poderia ficar acima dela. Fui tão egoísta, detestável e tão astuta. Nome e status estragaram o meu cérebro. Eu estava disposta a ver os irmãos não terem seus problemas resolvidos, a ver a obra da igreja comprometida, contanto que eu protegesse minha reputação e meu status. Não estava cuspindo no prato em que comi? Eu não era digna de um dever tão importante. Era detestável e odiosa para Deus! Ao pensar isso, rapidamente fui a Deus para orar e me arrepender, pedindo que Ele me guiasse para me livrar dos grilhões do nome e do status.

Mais tarde, li esta passagem das palavras de Deus: “Não faça as coisas sempre pelo seu bem, nem considere sempre os interesses próprios, não considere seu status, sua honra ou reputação. Não dê nenhuma consideração aos interesses das pessoas. Primeiro, você precisa considerar os interesses da casa de Deus e fazer disso a sua primeira prioridade; você deve ser atencioso para com a vontade de Deus. Comece por contemplar se você tem sido impuro ou não no cumprimento de seu dever, se você fez ou não o melhor que pôde para ser leal, completar suas responsabilidades, e deu tudo de si, e se você pensou de todo o coração ou não sobre seu dever e a obra da casa de Deus. Você precisa pensar nessas coisas. Considere-as com frequência e será fácil para você desempenhar bem o seu dever” (‘Você pode obter a verdade após volver seu coração verdadeiro para Deus’ em “Registros das falas de Cristo”). Sinto meu coração tão iluminado! Isso mesmo. Ler essas palavras de Deus iluminou meu coração imediatamente; então, eu tinha uma senda. Se quisesse me livrar dos grilhões do nome e do status, primeiro tinha de corrigir meu coração. Eu tinha de manter a minha mente na comissão de Deus e levar em conta a vontade Dele. E tinha de pensar em como cumprir bem o meu dever. Com coisas mais positivas enchendo meu coração, seria mais fácil abandonar as coisas negativas como nome, status, vaidade e prestígio. Percebi que os outros acharem que sou boa não significa que Deus me aprova, e se os outros acharem que não sou nada, não significa que Deus não me salvará. O importante é a minha atitude para com Deus, e se consigo ou não praticar a verdade e cumprir bem o meu dever. Agradeci pela iluminação de Deus, que me afastou das minhas buscas erradas. Não queria mais competir com a irmã Xia, só queria cumprir o dever de uma criatura para satisfazer a Deus. Daí em diante, orei conscientemente a Deus e pus o coração no meu dever e, nos encontros da igreja, ouvi a comunhão dos irmãos e irmãs com atenção. Quando descobria algumas questões, eu as ponderava seriamente e encontrava palavras relevantes de Deus, combinando-as com as minhas experiências para comunicar. Eu também aprendi com as qualidades da irmã Xia a compensar minhas fraquezas. Praticar assim me fez sentir mais relaxada e tranquila, e meu estado melhorou muito. Senti muita gratidão a Deus do fundo do meu coração. Mas o desejo de nome e status era tão profundo em mim, que, na hora em que surgiu a situação certa, a minha natureza satânica reapareceu.

Lembro que, uma vez, eu ia cuidar dos problemas de um grupo, já estava de saída, e a irmã Xia disse que os problemas daquele grupo eram meio complexos e que ela queria ir comigo. Ouvi-la dizer aquilo derrubou a onda de felicidade que eu surfava. Eu pensei: “Só você pode resolver as coisas? Tem sempre de mostrar o que pode fazer, não é? Por que disse isso na frente da nossa superior? Não está tentando me diminuir de propósito?” Fiquei muito chateada na hora. Acabei indo sozinha, mas não pude superar a chateação. Fui resmungando tanto sobre a irmã Xia pelo caminho, que nem consegui achar o local do encontro e tive de voltar. Eu estava tão para baixo, que pensei: “Sou tão inútil assim? Nem sequer achei o local do encontro. O que a nossa superior vai pensar? Eu me envergonhei feio desta vez!” Quando voltei e vi as outras irmãs, não quis falar com elas.

No dia seguinte, a irmã Xia e eu fomos à igreja separadamente para implementar algumas tarefas, e entrei em mais uma espiral emocional. Eu pensava: “Não me importa o que você pensa que é. Vamos ver quem se sai melhor!” Cheguei à igreja a todo vapor e fui direto implementar as tarefas, comunicando e delegando tarefas imediatamente. Pensei: “Desta vez, eu me esforcei bastante. Com certeza vai dar frutos, e eu vou sair na frente da irmã Xia”. Em uma reunião de colegas mais tarde, descobri que fui a que menos alcançou no meu dever. Eu nem tinha sonhado que aquilo podia acontecer. Perdi toda a esperança naquele momento e senti que mesmo que eu trabalhasse muito, nunca superaria a irmã Xia. Durante aquele período, vendo a superior cuidando da irmã Xia quando ela voltava tarde, senti que estava abandonada. Eu tinha muita inveja dela. Quando vi que ela era melhor do que eu em tudo, e quanto a superior a valorizava, senti que nunca mais teria meus dias de glória. Achei que ser líder de grupo seria melhor do que ser líder de igreja. Pelo menos os irmãos me admirariam e me apoiariam. Melhor ser um peixão num laguinho do que um peixinho numa lagoa. Minhas queixas transbordavam. Eu resistia em estar naquele ambiente e não via a hora de poder sair logo de lá. Meu estado se deteriorava mais e mais. Eu tinha inveja e ressentimento da irmã Xia, e sentia que não conseguia me destacar por causa dela. Eu também pensava: “Se ela cometesse algum erro no dever dela e fosse transferida, seria ótimo”.

Como eu vivia constantemente nesse estado de luta por reputação e interesses pessoais, sem jamais refletir sobre mim, a disciplina de Deus logo veio sobre mim. Uma vez, organizei um encontro com alguns outros líderes. Além de ninguém ter aparecido, o meu pneu furou na volta para casa, e não demorou muito, fiquei com uma dor terrível nas costas. Estava dolorida e inchada, e era difícil de aguentar. Cheguei ao ponto de não conseguir cumprir meu dever. Então pensei nas palavras de Deus: “A exigência feita a vocês hojetrabalhar juntos em harmoniaé semelhante ao serviço que Jeová exigiu dos israelitas: caso contrário, simplesmente parem de prestar serviço” (‘Sirva como serviram os israelitas’ em “A Palavra manifesta em carne”). Isso me assustou. Será que Deus queria me tirar a chance de cumprir meu dever? Depois, li outra passagem das palavras de Deus: “Quanto mais você lutar, mais trevas o cercarão, e mais inveja e ódio você sentirá, e seu desejo de obter apenas aumentará. Quanto mais forte seu desejo de obter, menor será sua capacidade de consegui-lo, e, na medida em que você obtiver menos, seu ódio aumentará. Na medida em que seu ódio aumentar, você ficará mais escuro por dentro. Quanto mais escuro você for por dentro, pior será o cumprimento do seu dever; quanto pior for o cumprimento do seu dever, menos útil você será. Isso é um ciclo vicioso interconectado. Você não pode cumprir bem o seu dever em tal estado, então, aos poucos, você será eliminado” (‘Você pode obter a verdade após volver seu coração verdadeiro para Deus’ em “Registros das falas de Cristo”). As palavras severas de Deus me assustaram e fiquei tremendo. Pude sentir o caráter justo de Deus, que não tolera ofensas. Especialmente, quando li isto das palavras de Deus: “Você não pode cumprir bem o seu dever em tal estado, então, aos poucos, você será eliminado”. Senti que, de fato, estava em perigo iminente. Logo depois disso, ouvi a irmã Xia dizer: “A obra da igreja está indo ladeira abaixo em todos os sentidos…” Ela estava tão preocupada, que chorou. Então, me lembrei da nossa superior dissecando a essência do nosso fracasso em trabalhar bem juntas, dizendo que isso estava interrompendo e sabotando a obra da casa de Deus. Eu não ousei continuar pensando nisso, só corri para me prostrar diante de Deus em oração e busca. Eu sabia muito bem que buscar nome e status e ter inveja dos outros não batia com a vontade de Deus, então por que não conseguia parar de buscar essas coisas más?

Depois, li outra passagem das palavras de Deus. “Satanás usa a fama e o ganho para controlar os pensamentos do homem até que tudo em que as pessoas consigam pensar seja fama e ganho. “Elas lutam por fama e ganho, passam por dificuldades por fama e ganho, suportam humilhação por fama e ganho,” sacrificam tudo o que tem por fama e ganho e farão qualquer julgamento ou tomarão qualquer decisão para o bem de fama e ganho Dessa forma, Satanás amarra as pessoas com grilhões invisíveis e elas não têm nem a força nem a coragem para se livrar deles. Elas, sem saber, carregam esses grilhões e caminham penosamente sempre adiante com grande dificuldade. Por causa dessa fama e ganho, a humanidade se afasta de Deus e O trai e se torna cada vez mais perversa. Dessa forma, portanto, uma geração após a outra é destruída em meio à fama e ao ganho de Satanás. Olhando agora para as ações de Satanás, seus motivos sinistros não são totalmente detestáveis? Talvez, hoje, vocês ainda não consigam discernir os motivos sinistros de Satanás por pensarem que não se pode viver sem fama e ganho. Vocês pensam que, se as pessoas deixarem para trás a fama e o ganho, elas não serão mais capazes de ver o caminho adiante, não serão mais capazes de ver seus objetivos, que seu futuro se tornará escuro, turvo e sombrio” (‘O Próprio Deus, o Único VI’ em “A Palavra manifesta em carne”). Eu consegui achar a raiz do problema nas revelações das palavras de Deus. Eu nunca conseguia parar de ir atrás de reputação e status, porque fui educada na escola e influenciada pela sociedade desde pequena. Filosofias e falácias satânicas foram plantadas dentro do meu coração, tipo: “Cada um por si e o demônio pega quem fica por último”, “Destaque-se dos demais e honre seus antepassados”, “Pode existir apenas um macho alfa”, “O homem luta para subir; a água flui para baixo”, e “Um homem deixa seu nome onde quer que passe, assim como um ganso deixa seu grito onde quer que voe”. Considerei essas coisas como regras de vida e como objetivos de vida a buscar. Fosse no mundo ou na casa de Deus, só buscava ser admirada pelos outros. Queria destaque em qualquer grupo em que estivesse, com todos à minha volta. Achava que era a única forma significativa de viver. Meu calibre nunca foi tão bom, e eu também não era boa em nada especial, mas não tolerava estar abaixo de outra pessoa. Quando alguém era melhor do que eu, eu me irritava, e não conseguia deixar de rivalizar e competir com essa pessoa. Eu tentava pensar num jeito de passar à frente. Se não podia, eu a invejava e a odiava, culpando a todos, menos a mim. Era horrível viver assim. Finalmente vi que buscar nome e status não é a senda certa, e, quanto mais eu o fazia, mais arrogante e mesquinha me tornava. Eu me tornei mais egoísta e tóxica por natureza, sem nenhuma semelhança humana. Então, olhei para a irmã Xia: Ela era séria e consciente ao cumprir seu dever, e sua comunhão tinha luz. Ela também resolvia as dificuldades práticas dos irmãos. Isso era bom para os outros e para a obra da igreja. Era algo maravilhoso e que podia confortar a Deus. Eu, ao contrário, era fútil e invejosa, e pensando que ela me roubava a cena, me tornei parcial com ela. Eu torcia para ela errar ao cumprir seu dever e ser trocada. Vi o quanto eu era maliciosa lá no fundo! Deus espera ver mais pessoas buscando a verdade e considerando a vontade Dele, capazes de cumprir o dever para satisfazê-Lo. Mas, no meu esforço protegendo minha reputação e posição, eu não tolerava os irmãos que faziam isso. Eu era invejosa e não os tolerava. Isso não era ir contra Deus e se opor a Ele? Isso não era interromper a obra da casa de Deus? Em que eu era diferente do diabo Satanás? E ainda tem aqueles oficiais do Partido Comunista em grupos que brigam futilmente por reputação e posição, e que nada os impede de derrubar o oponente, erradicando os inimigos e oprimindo o povo. Não dá pra contar quantos males causaram, quantas pessoas já mataram! No fim, eles arruínam a si mesmos e, quando morrem, vão para o inferno e são punidos. Então por que eles acabam assim? Não é porque eles colocam a reputação e a posição acima de tudo? Então, olhando o meu comportamento, embora não fosse tão ruim quanto o deles, era essencialmente igual. Eu vivia de acordo com filosofias e leis satânicas, e o caráter que revelei era arrogante, convencido, egoísta, detestável, astuto e maligno. O que eu vivia era demoníaco, sem semelhança humana. Como isso não seria detestável e odioso para Deus? Ser disciplinada dessa forma era o caráter justo de Deus vindo sobre mim e, além disso, era a salvação Dele para mim. Ao perceber isso, me prostrei diante de Deus em oração. Eu disse: “Oh, Deus, não tenho buscado a verdade. Só tenho buscado nome e status. Satanás brincou comigo e me corrompeu, não me sinto um ser humano. Quando perdi minha reputação e status, não queria mais cumprir o meu dever e quase Te traí. Deus, me arrependo diante de Ti. Quero buscar a verdade, cooperar com a minha irmã e estar firmada no meu dever para satisfazer-Te”.

Depois disso, me abri totalmente para a irmã Xia. Dissequei as maneiras como lutei por nome e ganho e como tentei competir com ela. Também lhe pedi que ficasse de olho em mim e me ajudasse. Depois disso, pudemos cooperar em nossos deveres com mais facilidade. Embora às vezes eu ainda mostre desejo de nome e ganho, consigo rapidamente ver que é o meu caráter satânico se mostrando, penso na natureza e nas consequências de continuar assim, e então corro para orar a Deus e pôr os pensamentos em ordem. Ouço sinceramente minha irmã comunicar e aprendo com ela. Quando vejo que ela deixou algo passar em sua comunhão, contribuo na mesma hora. Nessas horas, penso em como comunicar claramente a verdade, para que todos se beneficiem dela. Todos sentem que esses tipos de encontros são muito edificantes, e eu ganho algo deles também. Sinto-me livre e tranquila no meu coração. É como dizem as palavras de Deus: “Se você conseguir cumprir suas responsabilidades, executar seus deveres e obrigações, deixar de lado seus desejos egoístas, deixar de lado seus próprios motivos e intenções, ter consideração pela vontade de Deus e colocar em primeiro lugar os interesses de Deus e de Sua casa, então, após algum tempo de experiências desse tipo, você sentirá que essa é uma boa maneira de viver: é viver franca e honestamente, sem ser uma pessoa baixa ou inútil, é viver justa e honradamente em vez de ser mesquinho ou mau. Você achará que é assim que uma pessoa deve viver e agir” (‘Você pode obter a verdade após volver seu coração verdadeiro para Deus’ em “Registros das falas de Cristo”).

Anterior: 41. Mantendo meu dever

Próximo: 43. Batalha espiritual

Quando o desastre vem, como nós cristãos devemos lidar com ele? Convidamos você a participar da nossa reunião online, onde podemos explorar juntos e encontrar o caminho.
Contate-nos
Entre em contato conosco pelo Whatsapp

Conteúdo relacionado

46. A proteção de Deus

Deus Todo-Poderoso diz: “As pessoas não podem mudar o próprio caráter; elas devem submeter-se ao julgamento e castigo, e ao sofrimento e...

21. Depois de ser substituída

Deus Todo-Poderoso diz: “Deus opera em cada pessoa, e não importa qual seja Seu método, de que tipo de pessoas, coisas ou problemas Ele...

50. A salvação de Deus

Deus Todo-Poderoso diz: “Toda etapa da obra de Deus — sejam palavras difíceis ou julgamento ou castigo — torna o homem perfeito e é...

40. Adeus, “boazinha”!

Quanto aos que gostam de agradar às pessoas, eu os achava incríveis antes de acreditar em Deus. Eles tinham bom caráter, nunca ficavam...

Configurações

  • Texto
  • Temas

Cores sólidas

Temas

Fonte

Tamanho da fonte

Espaçamento entre linhas

Espaçamento entre linhas

Largura da página

Sumário

Busca

  • Pesquise neste texto
  • Pesquise neste livro