38. Encontrando liberdade de status

Por Dong En, França

Eu me tornei um líder da igreja em 2019. Fiz as coisas do meu jeito, fui irresponsável em meu dever, e não designei as pessoas certas para cada tarefa. Tudo isso impactou a vida da igreja. Eu fiquei com muito remorso. Por isso, resolvi cuidar melhor da obra da igreja. Naquela época, havia dois líderes de grupo que deveriam ser transferidos, mas não conseguia encontrar ninguém adequado para substituí-los. Muito preocupada com isso, eu pensei: “Se eu não conseguir encontrar alguém adequado para essas posições, Minha líder dirá que não consigo fazer um trabalho prático. Posso ser substituída”. Após pensar muito, lembrei-me da irmã Zhang, ela tinha um bom calibre e cumpria bem o seu dever. Ela seria ótima como líder de grupo. Suspirei aliviada depois de ter essa ideia. Senti que tinha encontrado a pessoa certa para o cargo, e que, por isso, meu trabalho ficaria mais fácil.

No mesmo momento, contudo, a irmã Li, uma líder de outra igreja, me ligou e disse que sua igreja recebera um grande fluxo de novos convertidos e que ela não tinha pessoas suficientes para regá-los. Ela queria falar comigo sobre a possibilidade de designar a irmã Zhang para sua igreja para encarregar-se de regar novos convertidos. Eu fiquei absolutamente contra a ideia. “E a nossa igreja?”, pensei. “O que faremos se a irmã Zhang for designada para outro lugar? Se eu não encontrar outra pessoa para ser líder do grupo e não conseguir lidar com a obra, posso acabar substituída!” Percebendo que eu não dizia nada, a irmã Li falou: “A maioria das pessoas da sua igreja é já crê há muito tempo e tem uma fé bastante profunda. Se a irmã Zhang for transferida, basta você treinar outra pessoa. Seu trabalho não sofrerá nenhum impacto”. Eu não queria ouvir aquilo e estava muito resistente à ideia, por isso, pensei: “Você está brincando. Treinar alguém não é tão fácil assim!” Eu sabia que a igreja da irmã Li precisava de ajuda, mas eu não tinha controle do meu caráter corrupto. Eu ignorei seus argumentos e me recusei a dar o que ela queria. Além disso, ainda a culpei, imaginando que ela estava sendo egoísta e pensando apenas em sua própria igreja. Vendo que eu estava resistente à ideia, a irmã Li parou de insistir. Depois da ligação fiquei muito incomodada, e decidi que não abriria mão da irmã Zhang, não importando quem me pedisse. No dia seguinte, minha líder veio falar comigo sobre esse assunto. Falei sobre como nossa igreja estava com falta de pessoas e todas as dificuldades que estávamos enfrentando. Falei muito sobre nossas dificuldades para que a líder não tivesse como argumentar o contrário. Finalmente, não havia nada que ela pudesse dizer, por isso, não insistiu no assunto. Fiquei muito satisfeita, pois eu poderia ficar com a irmã Zhang. Naquela noite, encontrei-me com alguns diáconos para discutir a promoção da irmã Zhang. Contudo, não mencionei as dificuldades que a irmã Li estava enfrentando em sua igreja, nem que nossa própria líder tinha vindo para pedir que a irmã Zhang fosse transferida. Como eu não tinha contado a eles tudo o que acontecera, todos concordaram que a irmã Zhang se tornasse líder do grupo. Justamente quando estava me sentindo feliz comigo mesma, nossa líder fez uma visita surpresa para conversar comigo e com minha companheira de trabalho. Fora decidido que, de acordo com as necessidades da obra, a irmã Zhang seria transferida. Como todos concordaram, eu não pude fazer nada, mas aquilo não tinha me deixado feliz. Senti com se tivessem tirado meu chão. Nos dias seguintes, eu ficava chateada sempre que esse assunto vinha à mente. Eu também não estava com muita vontade de cumprir meu dever. Eu revirava na cama sem conseguir dormir, remoendo o assunto em minha mente. Finalmente, fiz uma oração a Deus: “Querido Deus, não estou disposta a liberar a irmã Zhang apenas para proteger minha própria posição. Eu não consigo me libertar disso. Querido Deus, por favor, me guie e me conduza por esta situação. Por favor, faça-me ser capaz de me libertar e me conhecer um pouco mais”.

Depois de fazer a oração, li essa passagem das palavras de Deus: “Isso mostra que elas raramente praticam a verdade, que frequentemente dão as costas para a verdade e que vivem num caráter satânico corrupto que é egoísta e vil. Isso mostra que elas cuidam de seu prestígio, reputação, status e interesses, e que não têm a verdade. O sofrimento delas é, portanto, grande; suas preocupações, muitas; e seus grilhões, numerosos” (‘A entrada na vida deve iniciar com a experiência de cumprir o dever da pessoa’ em “Registros das falas de Cristo”). “Humanidade cruel! A conivência e a intriga, o saque e a apropriação um do outro, a disputa por fama e fortuna, o massacre mútuo — quando isso acabará? A despeito das centenas de milhares de palavras que Deus falou, ninguém caiu em si. As pessoas agem para o bem de sua família, filhos e filhas, em prol da carreira, de perspectivas futuras, posição, vanglória e dinheiro, por causa de comida, roupas e pela carne — existe alguém cujas ações são verdadeiramente pelo bem de Deus? Mesmo entre aqueles que agem pelo bem de Deus, há poucos que conhecem Deus. Quantas pessoas não agem a partir dos próprios interesses? Quantos não oprimem e marginalizam outros a fim de proteger a própria posição?” (‘Os perversos certamente serão punidos’ em “A Palavra manifesta em carne”). As palavras de Deus tocaram fundo meu coração. Deus revelou toda a horrenda corrupção da humanidade por Satanás, em que as pessoas lutavam por fama e fortuna, e este era precisamente o meu estado. Pensei no que esse caso da irmã Zhang tinha revelado sobre mim. A fim de proteger minha posição como líder, desconsiderei a obra da casa de Deus como um todo, com medo de que, se perdêssemos a irmã Zhang, a obra da nossa igreja fosse impactada, e perdesse minha posição de líder. É por isso que, quando a líder veio pedir pela irmã Zhang, eu inventei vários motivos para recusar. Eu dei as ordens e assumi a liderança na organização dos deveres da irmã Zhang. Tentei enganar a irmã Li, a minha líder e ainda quis envolver os diáconos. Fiz um grande esforço e pensei muito apenas para proteger minha própria fama, fortuna e status. Fui egoísta, desprezível e enganadora! Isso me fez pensar nas feras do reino animal. Elas lutam e matam umas às outras por território e comida, e o mais forte sempre vence. E lá estava eu, competindo pelo controle das pessoas e tentando proteger minha posição. Eu me tornei um animal, uma fera, totalmente sem humanidade. Percebi como meu comportamento tinha sido assustador. Embora parecesse carregar um fardo e pensar na obra de nossa igreja, na verdade, eu só pensava na minha própria posição. Como as palavras de Deus revelam: “Quantas pessoas não agem a partir dos próprios interesses? Quantos não oprimem e marginalizam outros a fim de proteger a própria posição?” Desde o começo, só pensei em controlar a irmã Zhang, sem nunca pensar em deixar que ela fosse para outro lugar. Pensei nela apenas como um membro de nossa igreja e sobre quem devíamos opinar a respeito de seu dever. Eu tinha que estar no comando e ninguém podia interferir. Eu vi o tamanho da minha arrogância. Eu tinha perdido, pura e simplesmente, toda a noção e humanidade. Nesse momento, me lembrei das vezes em que preguei o Evangelho para pessoas religiosas, e em como os pastores viram que muitos membros de suas congregações estavam aceitando a obra de Deus dos últimos dias, e colocando em risco as suas posições. Eles fizeram de tudo para impedir que as pessoas investigassem o verdadeiro caminho. Além de atacarem aqueles que pregavam o Evangelho, elas ainda reivindicavam, vergonhosamente, os crentes, como se fossem seu rebanho, que não podia ser roubado por ninguém. Então, percebi que meu comportamento não era, em essência, diferente do comportamento daqueles pastores. Para manter minha posição e meu sustento, queria manter os irmãos e irmãs sob meu controle. Eu não queria permitir que a casa de Deus os transferisse para outro lugar. Eu tenho aprisionado as ovelhas de Deus e competido com Ele por essas pessoas. Após pensar isso, fiquei com medo. Temerosa, me coloquei diante de Deus para orar: “Querido Deus, eu cometi um erro. Eu resisti a Ti e desejo me arrepender.”

Pouco tempo depois, Deus mais uma vez arranjou uma situação para me testar. Uma líder de outra igreja enviou uma mensagem pedindo urgentemente alguém que pudesse se encarregar do trabalho de edição de documentos. Ela tinha ouvido falar que a irmã Chen de nossa igreja era boa nisso e que trabalhava com muita responsabilidade, por isso, queria perguntar se a irmã Chen poderia assumir o cargo. Eu sabia muito bem que a irmã Chen era perfeita para a tarefa, mas ela, em nossa igreja, ela era evangelizadora e também fazia isso muito bem. O que aconteceria se a irmã Chen fosse transferida e a nossa obra de evangelização fosse afetada? E se a líder lidasse comigo por eu não conseguir cuidar bem da obra? Talvez eu não conseguisse manter minha posição. Decidi que seria melhor se encontrassem outra pessoa para o cargo, por isso, intencionalmente, deixei de responder à mensagem daquela líder. Então, de repente, pensei: “Antes, eu não estava disposta a abrir mão da irmã Zhang para proteger minha própria posição. Não posso fazer a mesma coisa dessa vez”. Mas eu ainda estava aflita e confusa. Pensei: “Por que resisto tanto quando alguém precisa ser transferido? Estou sempre me preocupando com a possibilidade de nossa trabalho ser afetada e eu perder minha posição. Como posso me libertar das amarras e restrições da fama, da fortuna e do status?” Então, fiz uma oração silenciosa a Deus, pedindo a Ele para me guiar e me levar a compreender a essência da minha busca por status e para me ajudar a abandonar minha carne e praticar a verdade.

Durante minhas orações, eu li esta passagem das palavras de Deus: “A essência do comportamento dos anticristos é usar o tempo todo vários meios e métodos para alcançar seu objetivo de ter status, de conquistar as pessoas e fazer com que elas os sigam e venerem. É possível que, nas profundezas do coração, não estejam disputando de forma deliberada a humanidade com Deus, mas uma coisa é certa: mesmo quando não disputam com Deus pelos humanos, ainda desejam ter status e poder entre os homens. Mesmo se chegar o dia em que percebam que estão disputando com Deus por status e se controlem, ainda empregam outros métodos para ganhar status entre as pessoas e ser validados. Em resumo, embora tudo que os anticristos fazem pareça englobar um cumprimento fiel de seus deveres e eles pareçam ser verdadeiros seguidores de Deus, sua ambição por controlar as pessoas — e por ganhar status e poder entre elas — nunca mudará. Não importa o que Deus diga ou faça e não importa o que Ele peça às pessoas, eles não fazem o que devem fazer nem cumprem seus deveres de uma forma que condiga com Suas palavras e exigências, nem desistem de sua busca por poder e status como resultado de entender Suas declarações e a verdade; do começo ao fim, sua ambição os consome, controla e dirige seu comportamento e pensamento e determina a senda que trilham. Esse é o epítome de um anticristo. O que é destacado aqui? Algumas pessoas perguntam: ‘Os anticristos não são aqueles que disputam com Deus para ganhar as pessoas e que não O reconhecem?’. Talvez reconheçam Deus, talvez reconheçam e creiam genuinamente em Sua existência e estejam dispostos a segui-Lo e a buscar a verdade, mas uma coisa nunca mudará: eles nunca renunciarão à sua ambição por poder e status nem desistirão de sua busca dessas coisas devido a seus ambientes ou à atitude de Deus em relação a eles. Essas são as características dos anticristos. Por mais que uma pessoa tenha sofrido, por mais que tenha entendido da verdade, por mais que tenha entrado em verdades-realidade e por mais que possua conhecimento de Deus, além desses fenômenos e manifestações externos, ela nunca se controlará nem renunciará à sua ambição e busca por status e poder, e isso determina precisamente sua natureza-essência. Não há a menor imprecisão em Deus definir tais pessoas como anticristos; isso foi determinado pela própria natureza-essência delas” (‘Para líderes e obreiros, escolher uma senda é de extrema importância (3)’ em “Registros das falas de Cristo”). Deus revelou que a natureza e as características dos anticristos são estimar o poder e status, e pensar que essas coisas são sua razão de viver. A raiz e a motivação de cada ação deles é o desejo de fama, fortuna e status, de forma que eles tomam as ovelhas de Deus como se fossem suas, se opõem a Ele e se recusam absolutamente a se arrepender, até que, finalmente, são expostos e eliminados. Contemplando essas palavras de Deus, comecei a ficar com medo. Eu realmente amava meu status. Na primeira vez, não permiti que a irmã Zhang fosse transferida apenas para proteger minha posição. Desta vez, eu não estava disposta a liberar outra pessoa, mais uma vez por causa da minha própria posição. Eu pensava apenas no meu status e não levava a vontade de Deus em consideração, muito menos pensava na obra de Sua casa. Eu estava determinada a manter minha posição, mesmo às custas da obra da casa de Deus. Eu tinha a audácia de competir com Deus pelas pessoas por causa do meu próprio status. Onde estava minha reverência por Deus? Minha fé não estava em Deus. Minha fé estava no status e no poder. Não era essa a natureza de um anticristo? Eu sabia perfeitamente que a irmã Chen era boa na edição documentos e que gostava desse tipo de trabalho. Mas, para proteger minha própria posição, eu não tinha pedido a opinião dela nem a designado para cumprir um dever adequado aos seus pontos fortes, ao contrário, eu agi como se fosse dono dela, me recusando a liberá-la para cumprir seu dever em outra igreja. Eu tratava a igreja como se fosse meu território e não deixava ninguém ser transferido sem minha autorização. Eu não estava tentando aprisionar e controlar as pessoas, como um anticristo? Para manter minha posição, tentei manter os irmãos e irmãs que tinham mais calibre e força em minha igreja. Eu os tratei como se fossem minha propriedade e tomei conta de suas vidas, para que mais pessoas trabalhassem para manter minha posição. Deus realmente detestava essa minha ambição e eu merecia ser amaldiçoada! Notei que minhas visões sobre a busca não tinham mudado após tantos anos de fé em Deus. Eu era escrava da fama, do dinheiro, do status e estava seguindo a senda dos anticristos. Eu me lembrei de um anticristo que tinha conhecido um tempo antes. Ele sempre buscou fama, fortuna e status e, quando se tornou líder, tentou consolidar sua posição, mantendo as pessoas sob seu controle e tentando estabelecer seu próprio feudo independente. Ele não aceitava a verdade de forma alguma e agia como um ditador. Ele causou graves problemas na obra da casa de Deus e, no final, foi exposto e eliminado. Percebi que a busca por fama, fortuna e status era a senda dos anticristos, e isso me levaria ao inferno! Deus arranjou situações para me expor repetidas vezes, para me fazer reconhecer minha própria natureza satânica e ver que estava andando pela senda errada. Tudo isso para que eu voltasse a tempo. Essas situações serviram de julgamento sobre mim, mas, mais do que isso, foram o grande amor e a salvação de Deus! Enquanto eu refletia sobre os esforços meticulosos que Deus havia feito, comecei a ceder e não me sentia mais resistente a tais situações. Senti que tudo o que Deus arranjou era exatamente o que eu precisava. Eu queria realmente me arrepender e experimentar essas situações com um coração submisso.

Mais tarde, assisti a um vídeo de leitura de duas passagens das palavras de Deus. “O que é o dever? O dever não é gerenciado por você — não é a sua carreira nem o seu trabalho; em vez disso, é a obra de Deus. A obra de Deus requer a sua cooperação, o que dá origem ao seu dever. A parte da obra de Deus com a qual o homem deve cooperar é o seu dever. O dever é a porção da obra de Deus — não é sua carreira, não são seus assuntos domésticos, nem seus assuntos particulares na vida. Se o seu dever é lidar com assuntos externos ou internos, é a obra da casa de Deus, ela forma uma parte do plano de gerenciamento de Deus e é a comissão que Deus deu a você. Não é seu negócio pessoal” (‘Só buscando as verdades-princípio é possível realizar bem o seu dever’ em “Registros das falas de Cristo”). “Qualquer que seja o dever que aceite — por exemplo, se você foi escolhido como líder da igreja, a liderança da igreja é seu dever — como você vê deve cumpri-lo se você o ver como seu dever? (De acordo com as exigências de Deus). Trabalhar de acordo com as exigências de Deus é uma maneira geral de expressar isso. Quais são os detalhes específicos? Primeiro, você deve saber que isso é um dever, não uma posição de autoridade. Isso lhe causará problemas se você achar que assumiu uma posição de autoridade. No entanto, se você diz: ‘Fui escolhido para ser um líder da igreja, então preciso estar em um nível inferior ao dos outros; todos vocês são superiores a mim e maiores que eu’, isso também é uma atitude incorreta; se você não entender a verdade, não há pretensão que possa lhe fazer bem. Em vez disso, você deve ter um entendimento apropriado disso. Em primeiro lugar, você deve saber que esse dever é muito importante. Uma igreja tem dezenas de membros, e você deve pensar em como levar essas pessoas para diante de Deus e capacitar a maioria delas a entender a verdade e a entrar na verdade-realidade. Além disso, com pessoas fracas e passivas, você deve se esforçar para fazê-las parar de ser fracas e passivas para que possam cumprir ativamente seus deveres e, no que se refere a todos os que são capazes de cumprir seus deveres, você deve levá-los a fazer isso e mostrar seu melhor desempenho. Faça com que compreendam as verdades relacionadas ao cumprimento dos deveres para que não sejam negligentes em cumpri-los, para que os cumpram bem e possam ter um relacionamento normal com Deus. Há também aqueles que causam interrupções e perturbações ou aqueles que creem em Deus há muitos anos, mas têm uma humanidade maligna; dessas pessoas, as que devem ser tratadas serão tratadas, e as que devem ser expurgadas serão expurgadas. Arranjos apropriados serão feitos para cada pessoa de acordo com seu tipo. Também é importante que os poucos na igreja com uma humanidade relativamente boa, com algum calibre e que possam assumir a responsabilidade por um aspecto da obra sejam todos cultivados. […] Você deve aproveitar ao máximo cada pessoa, tirando o máximo proveito de suas capacidades individuais e arranjando tarefas adequadas para elas de acordo com o que elas podem fazer, a qualidade de seu calibre, a sua idade e há quanto tempo acreditam em Deus. Você deve elaborar um plano personalizado para cada tipo de pessoa e variá-lo de pessoa para pessoa, para que elas possam cumprir seus deveres na casa de Deus e exercer suas funções da melhor maneira possível” (‘Qual o desempenho adequado do dever?’ em “Registros das falas de Cristo”). As palavras de Deus me mostraram que um dever não é um empreendimento pessoal. Nosso dever vem de Deus e devemos cumpri-lo como Ele exige. Treinar pessoas é uma exigência de Deus para os líderes. Deus preparou todo tipo de pessoas qualificadas para Sua obra, e como líder de igreja, devo cumprir meu dever de acordo com Suas exigências e princípios. Quando encontro alguém com talento, devo treinar e recomendar a pessoa, para que todas tenham a oportunidade de usar seus dons no lugar certo, cumprirem seus deveres e realizarem suas respectivas funções para expandir melhor a obra do evangelho. Apenas isso está de acordo com a vontade de Deus e é o que irmãos e irmãs também desejam fazer. Depois de entender a vontade de Deus, enviei uma mensagem à líder da outra igreja confirmando que faria a transferência da irmã Chen. Meu coração ficou em paz, quando comecei a agir assim. A partir de então, comecei a ver as bênçãos de Deus. Para minha surpresa, em novembro daquele ano, o número de pessoas convertidas que recebemos por causa de nossa obra de evangelização triplicou em relação ao mês anterior. Eu sabia que isso foi alcançado por meio da obra de Deus, e não conseguia parar de agradecê-Lo e louvá-Lo!

Antigamente, eu não sentia aversão à busca pela fama, dinheiro e status. Eu pensava que, como fomos corrompidos por Satanás, todos nós teríamos o mesmo caráter, e que isso não era algo que pudesse ser mudado em alguns dias. Tal compreensão me impediu de buscar a verdade para resolver o problema. Ao passar pelo julgamento e castigo das palavras de Deus, e após ser testada e exposta, finalmente, desenvolvi alguns discernimento sobre a busca dessas coisas. Eu vi que buscar essas coisas é resistir a Deus, e comecei a me odiar do fundo do meu coração. Eu desejei buscar a verdade, arrepender-me e mudar. Tudo isso aconteceu por causa da obra de Deus e agora posso abandonar minha carne e colocar um pouco da verdade em prática. Graças a Deus Todo-Poderoso!

Anterior: 37. As palavras de Deus despertaram meu espírito

Próximo: 39. Finalmente vivendo uma semelhança humana

Quando o desastre vem, como nós cristãos devemos lidar com ele? Convidamos você a participar da nossa reunião online, onde podemos explorar juntos e encontrar o caminho.
Venha conversar com a gente
Entre em contato conosco pelo Whatsapp

Conteúdo relacionado

2. Em meio à provação da morte

Por Xingdao, Coreia do SulDeus Todo-Poderoso diz: “Deus veio operar na terra para salvar a humanidade corrupta — não há falsidade nisso;...

84. A fé inquebrável

Por Meng Yong, ChinaPor natureza sou uma pessoa honesta, e é por isso que sempre sofri bullying de outras pessoas, então eu já provei a...

3. A provação de um contraste

Por Xingdao, Coreia do Sul“Ó Deus! Quer eu tenha status ou não, agora eu me entendo. Se meu status é alto, é por causa da Tua elevação, e,...

Configurações

  • Texto
  • Temas

Cores sólidas

Temas

Fonte

Tamanho da fonte

Espaçamento entre linhas

Espaçamento entre linhas

Largura da página

Sumário

Busca

  • Pesquise neste texto
  • Pesquise neste livro