Aplicativo da Igreja de Deus Todo-Poderoso

Ouça a voz de Deus e dê as boas vindas ao retorno do Senhor Jesus!

Convidamos a todos os buscadores da verdade que entrem em contato conosco.

Palavras clássicas de Deus Todo-Poderoso, o Cristo dos últimos dias

Cores sólidas

Temas

Fonte

Tamanho da fonte

Espaçamento entre linhas

Largura da página

0 resultados

Nenhum resultado encontrado

VII Palavras classicas sobre conhecer Deus, o Único

I) Palavras classicas sobre a autoridade de Deus

1. Em termos gerais, o Próprio Deus é autoridade, Sua autoridade simboliza a supremacia e substância de Deus, e a autoridade do Próprio Deus representa o status e identidade de Deus.

de ‘O Próprio Deus, o Único I’ em “A Palavra manifesta em carne”

2. Falando claramente, “a autoridade de Deus” significa que compete a Deus. Deus tem o direito de decidir como fazer algo, e isso é feito da maneira que Ele deseja. A lei de todas as coisas compete a Deus e não ao homem; tampouco pode ser alterada pelo homem. Não pode ser movida pela vontade do homem, mas, ao invés disso, é mudada pelos pensamentos de Deus, e pela sabedoria de Deus, e pelas ordens de Deus, e esse é um fato inegável a qualquer homem.

de ‘O Próprio Deus, o Único I’ em “A Palavra manifesta em carne”

3. A autoridade em si pode ser explicada como o poder de Deus. Em primeiro lugar, pode-se dizer com certeza que tanto a autoridade quanto o poder são positivos. Eles não têm vínculo com nada negativo e não estão relacionados com nenhum ser criado ou não criado. O poder de Deus é capaz de criar coisas de qualquer forma que tenham vida e vitalidade, e isso é determinado pela vida de Deus. Deus é vida, portanto, Ele é a fonte de todos os seres vivos. Além disso, a autoridade de Deus pode fazer com que todos os seres vivos obedeçam a cada palavra de Deus, ou seja, que venham a existir de acordo com as palavras da boca de Deus, e vivam e se reproduzam pelo comando de Deus, segundo o qual Deus governa e comanda todos os seres vivos, e nunca haverá nenhum desvio, para todo o sempre. Nenhuma pessoa ou objeto tem essas coisas; somente o Criador possui e carrega tal poder, e, portanto, é chamado de autoridade. Essa é a singularidade do Criador. Como tal, independentemente de ser a palavra “autoridade” em si ou a substância dessa autoridade, cada uma delas somente pode ser associada ao Criador, porque é um símbolo da identidade e substância únicas do Criador, e representa a identidade e status do Criador; além do Criador, nenhuma pessoa ou objeto pode ser associado à palavra “autoridade”. Essa é uma interpretação da autoridade única do Criador.

de ‘O Próprio Deus, o Único I’ em “A Palavra manifesta em carne”

4. As palavras de Deus são autoridade, as palavras de Deus são fato, e antes de as palavras serem proferidas de Sua boca, ou seja, quando Ele toma a decisão de fazer alguma coisa, essa coisa já foi realizada.

de ‘O Próprio Deus, o Único I’ em “A Palavra manifesta em carne”

5. A autoridade e o poder do Criador estavam expressos em cada coisa nova que Ele criou, e Suas palavras e realizações ocorreram simultaneamente, sem a menor discrepância e sem o menor intervalo. A aparição e o nascimento de todas essas coisas novas eram prova da autoridade e poder do Criador: Ele é tão fiel quanto Sua palavra e Sua palavra será sempre realizada, e aquilo que é realizado dura para sempre. Esse fato nunca mudou: assim foi no passado, assim é hoje e assim será por toda a eternidade.

de ‘O Próprio Deus, o Único I’ em “A Palavra manifesta em carne”

6. Há poder, majestade e autoridade nas palavras de Deus. Tal poder e autoridade, e a inevitabilidade da realização do fato, não podem ser alcançadas por nenhum ser criado ou não criado, nem superadas por nenhum ser criado ou não criado.

de ‘O Próprio Deus, o Único I’ em “A Palavra manifesta em carne”

7. Desde quando Ele começou a criação de todas as coisas, o poder de Deus começou a ser expresso e começou a ser revelado, pois Deus usou palavras para criar todas as coisas. Independentemente da forma como Ele as criou, independentemente do motivo pelo qual Ele as criou, todas as coisas vieram a existir e permaneceram firmes e existiram devido às palavras de Deus, e essa é a autoridade única do Criador.

de ‘O Próprio Deus, o Único I’ em “A Palavra manifesta em carne”

8. Por meio de Suas palavras, o Criador foi capaz não só de ganhar tudo o que havia Se proposto a ganhar, e alcançar tudo o que havia Se proposto a alcançar, mas também de controlar em Suas mãos tudo o que havia criado e governar todas as coisas que havia feito sob Sua autoridade, e, além disso, era tudo sistemático e regular. Todas as coisas também viviam e morriam por meio de Sua palavra e, além disso, por meio de Sua autoridade elas existiam em meio à lei que Ele havia estabelecido, e nenhuma estava isenta!

de ‘O Próprio Deus, o Único I’ em “A Palavra manifesta em carne”

9. A autoridade única do Criador se manifestou não só em Sua capacidade de criar todas as coisas e comandar a existência de todas as coisas, mas também em Sua capacidade de governar e deter soberania sobre todas as coisas, e conferir vida e vitalidade a todas as coisas, e, além disso, em Sua capacidade de causar, de uma vez e por toda a eternidade, o surgimento e existência no mundo de todas as coisas que Ele criara em Seu plano com uma forma perfeita, e uma estrutura de vida perfeita, e uma função perfeita. Também se manifestou no modo em que os pensamentos do Criador não estavam sujeitos a quaisquer restrições, não tinham limites de tempo, espaço ou geografia. Assim como Sua autoridade, a identidade única do Criador permanecerá inalterada de eternidade a eternidade. Sua autoridade será sempre uma representação e um símbolo de Sua identidade única, e Sua autoridade existirá para sempre lado a lado com Sua identidade!

de ‘O Próprio Deus, o Único I’ em “A Palavra manifesta em carne”

10. Deus criou tudo e, ao criar tudo, tem domínio sobre todas as coisas. Além de ter domínio sobre todas as coisas, Ele está no controle de tudo. O que significa a ideia de que “Deus está no controle de tudo”? Como pode ser explicado? Como se aplica à vida real? Como vocês podem conhecer a autoridade de Deus ao entender o fato de que “Deus está no controle de tudo”? A própria frase “Deus está no controle de tudo” nos faz perceber que o que Deus controla não é uma parte dos planetas, uma parte da criação, muito menos uma parte da humanidade, mas tudo: do massivo ao microscópico, do visível ao invisível, das estrelas no universo às coisas vivas na terra, assim como microrganismos que não podem ser vistos a olho nu ou seres que existem em outras formas. Essa é a definição precisa do “tudo” sobre o qual Deus está “no controle”, e é o âmbito em que Deus exerce Sua autoridade, a extensão de Sua soberania e governo.

de ‘O Próprio Deus, o Único III’ em “A Palavra manifesta em carne”

11. A maneira pela qual o Criador exerce Sua autoridade não adere estritamente a uma perspectiva macro ou micro, e nem está limitada a qualquer forma; Ele é capaz de comandar as operações do universo e deter soberania sobre a vida e a morte de todas as coisas e, além disso, é capaz de manobrar todas as coisas para que elas O sirvam; Ele pode gerenciar todo o funcionamento das montanhas, rios e lagos, e governar todas as coisas dentro deles, e, além disso, é capaz de prover o que é necessário para todas as coisas. Essa é a manifestação da autoridade única do Criador entre todas as coisas além da humanidade. Tal manifestação não é somente para uma existência, e nunca cessará ou descansará, e não poderá ser alterada ou danificada por qualquer pessoa ou coisa, tampouco poderá ser acrescida ou reduzida por qualquer pessoa ou coisa – pois ninguém pode substituir a identidade do Criador, e, portanto, a autoridade do Criador não pode ser substituída por nenhum ser criado, e não pode ser alcançada por nenhum ser não criado.

de ‘O Próprio Deus, o Único I’ em “A Palavra manifesta em carne”

12. Deus faz uma etnia viver em uma certa terra e a estabelece ali e, se Deus não permitir que as pessoas se mudem, elas nunca conseguirão se mudar. Se Deus definir um âmbito para elas, elas viverão dentro dele. A humanidade não pode se libertar ou escapar desses âmbitos. Isso é certo. Não importa quão grandes sejam as forças dos invasores ou quão fracos sejam aqueles que estão sendo invadidos, seu êxito no final depende de Deus. Ele já predestinou e ninguém pode mudar isso.

de ‘O Próprio Deus, o Único IX’ em “A Palavra manifesta em carne”

13. “O meu arco tenho posto nas nuvens, e ele será por sinal de haver um pacto entre mim e a terra”. Essas são as palavras originais ditas pelo Criador para a humanidade. Quando Ele disse essas palavras, um arco-íris surgiu diante dos olhos do homem, onde permanece até hoje. […] O Criador usou Seu próprio método particular para cumprir Seu pacto com o homem e Sua promessa, e, portanto, Seu uso do arco-íris como sinal do pacto que Ele tinha estabelecido é um decreto e uma lei celestiais que permanecerão para sempre inalterados, seja em relação ao Criador ou à humanidade criada. No entanto, é preciso dizer que essa lei imutável é outra manifestação verdadeira da autoridade do Criador após Sua criação de todas as coisas, e é preciso dizer que a autoridade e o poder do Criador são ilimitados; Seu uso do arco-íris como sinal é uma continuação e extensão da autoridade do Criador. Esse foi outro ato realizado por Deus usando Suas palavras, e foi um sinal do pacto que Deus havia estabelecido com o homem usando palavras. Ele contou ao homem o que Ele resolveu criar, e de que maneira isso seria cumprido e alcançado, e dessa forma a questão foi cumprida de acordo com as palavras da boca de Deus. Somente Deus possui tal poder, e hoje, vários milhares de anos depois que Ele disse essas palavras, o homem ainda pode ver o arco-íris mencionado pela boca de Deus. Devido a essas palavras proferidas por Deus, essa coisa permaneceu inalterada e imutável até hoje. Ninguém pode remover esse arco-íris, ninguém pode mudar suas leis e ele existe apenas pelas palavras de Deus. Essa é precisamente a autoridade de Deus. “Deus é tão fiel quanto a Sua palavra e Sua palavra será realizada, e o que é realizado dura para sempre”. Tais palavras estão claramente manifestadas aqui, e isso é um sinal e característica claros da autoridade e poder de Deus.

de ‘O Próprio Deus, o Único I’ em “A Palavra manifesta em carne”

14. A autoridade e identidade de Deus são claramente reveladas no fraseado das declarações de Deus. Por exemplo, quando Deus diz “Quanto a mim, eis que o meu pacto é contigo, e serás… te hei posto… far-te-ei…”, expressões como “serás” and “farei”, cujo fraseado contém a afirmação da identidade e autoridade de Deus, são, em um aspecto, uma indicação da fidelidade do Criador; em outro aspecto, são palavras especiais usadas por Deus, que possui a identidade do Criador – além de fazer parte do vocabulário convencional. Se alguém diz que espera que outra pessoa frutifique sobremaneira, que nações sejam feitas dela e que reis saiam dela, então isso é, sem dúvida, uma espécie de desejo, e não é uma promessa ou uma bênção. E, portanto, as pessoas não ousam dizer “eu o farei assim ou assado, você será assim ou assado”, pois elas sabem que não possuem tal poder; não compete a elas, e mesmo se dissessem tais coisas, suas palavras seriam vazias e sem sentido, movidas por desejo e ambição. […] Em seu coração, todos sabem claramente que não possuem o poder de realizar tais coisas, pois não têm controle sobre todas as coisas que lhe dizem respeito, então como poderiam comandar o destino dos outros? Por outro lado, a razão pela qual Deus pode dizer palavras como essas é porque Deus possui tal autoridade e é capaz de alcançar e realizar todas as promessas que Ele faz ao homem, e de fazer todas as bênçãos que Ele concede ao homem virar realidade. O homem foi criado por Deus e, para Deus, fazer alguém frutificar sobremaneira seria brincadeira de criança; tornar os descendentes de alguém prósperos exigiria apenas uma palavra Dele. Ele nunca teria que Se esforçar demais para realizar tal coisa, ou pensar muito, ou Se preocupar; esse é o próprio poder de Deus, a própria autoridade de Deus.

de ‘O Próprio Deus, o Único I’ em “A Palavra manifesta em carne”

15. A autoridade de Deus não oscila, não vem e vai, e não há ninguém que possa medir precisamente quão grande é Sua autoridade. Independentemente de quanto tempo passa, quando Deus abençoa uma pessoa, essa bênção permanecerá, e sua permanência dará testemunho da inestimável autoridade de Deus, e permitirá à humanidade contemplar o reaparecimento da inextinguível força vital do Criador, repetidamente. Cada exposição de Sua autoridade é a perfeita demonstração das palavras de Sua boca, e é demonstrada a todas as coisas e à humanidade. Além disso, tudo realizado por Sua autoridade é extraordinário, incomparável e totalmente perfeito. Pode-se dizer que Seus pensamentos, Suas palavras, Sua autoridade e toda a obra que Ele realiza são um quadro incomparavelmente belo, e, para as criaturas, a linguagem da humanidade é incapaz de articular sua importância e valor. Quando Deus faz uma promessa a uma pessoa, seja onde ela mora ou o que ela faz, sua experiência antes ou depois de receber a promessa, ou quão grandes foram as convulsões em seu ambiente de vida – tudo isso é tão familiar para Deus como a palma de Sua mão. Não importa quanto tempo decorreu depois que as palavras de Deus foram proferidas, para Ele é como se elas tivessem acabado de ser pronunciadas. Isso significa dizer que Deus tem o poder, e tem tamanha autoridade, que Ele é capaz de acompanhar, controlar e realizar todas as promessas que faz à humanidade, e, independentemente de qual seja a promessa, independentemente de quanto tempo leve para ser totalmente cumprida, e, além disso, independentemente de quão amplo seja o escopo de sua realização – por exemplo, em termos de tempo, geografia, raça e assim por diante – essa promessa será cumprida e realizada, e, além disso, seu cumprimento e realização não exigirão o menor esforço Dele. E o que isso prova? Que a extensão da autoridade e poder de Deus é suficiente para controlar todo o universo e toda a humanidade. Deus fez a luz, mas isso não significa que Deus gerencia apenas a luz, ou que Ele apenas gerencia a água porque criou a água, e que tudo o mais não tem relação com Deus. Isso não é um equívoco? Embora a bênção de Deus a Abraão tenha gradativamente se apagado da memória do homem após várias centenas de anos, para Deus essa promessa ainda permaneceu a mesma. Ainda estava em processo de realização e nunca havia cessado. O homem nunca soube ou ouviu como Deus exerceu Sua autoridade, como todas as coisas foram orquestradas e arranjadas, e quantas histórias maravilhosas ocorreram entre todas as coisas da criação de Deus durante esse tempo, mas cada parte maravilhosa da exibição da autoridade de Deus e a revelação de Suas ações foram passadas adiante e exaltadas entre todas as coisas, todas as coisas apareceram e falaram das ações milagrosas do Criador, e cada história muitas vezes repetida da soberania do Criador sobre todas as coisas será proclamada por todas as coisas para todo o sempre. A autoridade pela qual Deus governa todas as coisas, e o poder de Deus, mostram a todas as coisas que Deus está presente em todo lugar e a todo momento. Quando você tiver testemunhado a ubiquidade da autoridade e poder de Deus, verá que Deus está presente em todo lugar e a todo momento. A autoridade e poder de Deus não são limitados por tempo, geografia, espaço, nem nenhuma pessoa, matéria nem coisa. A extensão da autoridade e poder de Deus excede a imaginação do homem; é insondável ao homem, inimaginável para o homem e nunca será completamente conhecida pelo homem.

de ‘O Próprio Deus, o Único I’ em “A Palavra manifesta em carne”

16. Quando o Senhor Jesus trouxe Lázaro de volta dos mortos, Ele disse apenas uma frase: “Lázaro, vem para fora”! Ele não disse mais nada além disso – o que essas palavras representam? Elas representam que Deus pode realizar qualquer coisa através da fala, incluindo ressuscitar um morto. Quando Deus criou todas as coisas, quando Ele criou o mundo, Ele o fez com palavras. Ele usou comandos verbais, palavras com autoridade, e assim todas as coisas foram criadas. Foi realizado dessa maneira. Essa única frase falada pelo Senhor Jesus foi exatamente como as palavras ditas por Deus quando Ele criou os céus e a terra e todas as coisas; a frase também continha a autoridade de Deus, a capacidade do Criador. Todas as coisas foram formadas e ficaram firmes devido às palavras saídas da boca de Deus, e da mesma forma, Lázaro saiu do túmulo devido às palavras saídas da boca do Senhor Jesus. Essa era a autoridade de Deus, demonstrada e realizada na Sua carne encarnada. Esse tipo de autoridade e capacidade pertencia ao Criador, e ao Filho do homem em quem o Criador Se realizou. É esse o entendimento ensinado à humanidade por Deus ao trazer Lázaro de volta à vida.

de ‘A obra de Deus, o caráter de Deus e o Próprio Deus III’ em “A Palavra manifesta em carne”

17. Deus tem autoridade para fazer uma pessoa morrer, e para que sua alma deixe o corpo e retorne ao Hades, ou para onde quer que deva ir. Quando alguém morre e para onde vai depois da morte – são coisas determinadas por Deus. Ele pode fazer isso a qualquer hora e em qualquer lugar. Ele não é limitado pelos humanos, por eventos, objetos, pelo espaço ou lugar. Se Ele quer fazer isso, poderá fazê-lo, pois todas as coisas e seres vivos estão sob o seu governo, e todas as coisas vivem e morrem pela Sua palavra, Sua autoridade. Ele pode ressuscitar um morto – isso também é algo que Ele pode fazer a qualquer hora, em qualquer lugar. Essa é a autoridade que somente o Criador possui.

de ‘A obra de Deus, o caráter de Deus e o Próprio Deus III’ em “A Palavra manifesta em carne”

18. Cada palavra da boca de Deus é uma ordem e uma lei celestiais, e uma expressão da autoridade de Deus – pois por trás de cada palavra de Deus está implícita a punição de Deus àqueles que violam as ordens de Deus, e àqueles que desobedecem as leis celestiais e se opõem a elas. Satanás sabe claramente que se violar as ordens de Deus, então deve aceitar as consequências de transgredir a autoridade de Deus e se opor às leis celestiais. […] Entre todas as coisas, incluindo Satanás, não há nenhuma pessoa ou coisa que possa transgredir as leis e éditos celestiais estabelecidos pelo Criador, e nenhuma pessoa ou coisa que ouse violar essas leis e éditos celestiais, pois nenhuma pessoa ou objeto pode alterar ou escapar da punição que o Criador inflige àqueles que os desobedecem. Somente o Criador pode estabelecer leis e éditos celestiais, somente o Criador tem o poder de colocá-los em vigor, e somente o poder do Criador não pode ser transgredido por nenhuma pessoa nem coisa. Essa é a autoridade única do Criador, essa autoridade é suprema entre todas as coisas, e, portanto, é impossível dizer que “Deus é o maior e Satanás é o número dois”. Com exceção do Criador que possui autoridade única, não há outro Deus!

de ‘O Próprio Deus, o Único I’ em “A Palavra manifesta em carne”

19. Satanás vem corrompendo a humanidade há milhares de anos. Gerou um mal incalculável, enganou uma geração após outra e cometeu crimes hediondos no mundo. Abusou do homem, enganou o homem, aliciou o homem para se opor a Deus e cometeu atos malignos que confundiram e prejudicaram o plano de gestão de Deus inúmeras vezes. No entanto, sob a autoridade de Deus, todas as coisas e criaturas vivas continuam a obedecer às regras e leis estabelecidas por Deus. Em comparação com a autoridade de Deus, a natureza maligna e a insolência de Satanás são totalmente horrendas, repugnantes e desprezíveis, e totalmente pequenas e vulneráveis. Embora Satanás caminhe em meio a todas as coisas criadas por Deus, não é capaz de efetivar a mínima mudança nas pessoas, coisas e objetos comandados por Deus. Vários milhares de anos se passaram e a humanidade ainda desfruta a luz e o ar concedidos por Deus, ainda respira a respiração exalada pelo Verdadeiro Deus, ainda aprecia as flores, pássaros, peixes e insetos criados por Deus e desfruta todas as coisas fornecidas por Deus; o dia e a noite seguem se revezando continuamente; as quatro estações se alternam como de costume; os gansos que voam no céu partem neste inverno e seguem retornando na primavera seguinte; os peixes na água nunca deixam os rios e lagos – seu lar; as cigarras no chão cantam a plenos pulmões em dias de verão; os grilos na relva trilam suavemente ao ritmo do vento no outono; os gansos se juntam em revoadas enquanto as águias permanecem solitárias; as alcateias de leões se sustentam pela caça; os alces não se afastam do capim e das flores… Todo tipo de criatura em meio a todas as coisas parte e retorna e depois parte novamente, um milhão de mudanças ocorrendo num piscar de olhos – mas o que não muda são seus instintos e as leis da sobrevivência. Vivem pela provisão e nutrição de Deus e ninguém pode mudar seus instintos nem prejudicar suas regras de sobrevivência.

de ‘O Próprio Deus, o Único I’ em “A Palavra manifesta em carne”

20. Embora Deus possua autoridade e poder, Sua autoridade é verdadeira e real, não vazia. A autenticidade e realidade da autoridade e poder de Deus são gradativamente reveladas e incorporadas em Sua criação de todas as coisas, e controle sobre todas as coisas, e no processo pelo qual Ele lidera e gerencia a humanidade. Cada método, cada perspectiva e cada detalhe da soberania de Deus sobre a humanidade e todas as coisas, e toda a obra que Ele realizou, bem como Sua compreensão de todas as coisas – todos provam literalmente que a autoridade e poder de Deus não são palavras vazias. Sua autoridade e poder são mostrados e revelados constantemente e em todas as coisas. Essas manifestações e revelações falam da existência real da autoridade de Deus, pois Ele está usando Sua autoridade e poder para continuar Sua obra, e para comandar todas as coisas, e para governar todas as coisas a todo momento, e Seu poder e autoridade não podem ser substituídos pelos anjos ou mensageiros de Deus. Deus decidiu quais bênçãos concederia a Abraão e Jó – isso competia a Deus. Embora os mensageiros de Deus tenham visitado Abraão e Jó pessoalmente, eles agiram de acordo com os mandamentos de Deus e sob a autoridade de Deus, e estavam também sob a soberania de Deus. Embora o homem veja os mensageiros de Deus visitar Abraão, e não testemunhe pessoalmente Deus Jeová fazer nenhuma das coisas registradas na Bíblia, na verdade o Único que realmente exerce poder e autoridade é o Próprio Deus, e isso não tolera dúvidas de nenhum homem! Embora você tenha visto que os anjos e os mensageiros possuem grande poder, e realizaram milagres, ou fizeram algumas coisas comissionadas por Deus, suas ações são apenas para completar a comissão de Deus, e não são de modo algum uma demonstração da autoridade de Deus – pois nenhum homem ou objeto tem ou possui a autoridade do Criador para criar todas as coisas e governar todas as coisas. E, portanto, nenhum homem ou objeto pode exercer ou revelar a autoridade do Criador.

de ‘O Próprio Deus, o Único I’ em “A Palavra manifesta em carne”

21. Satanás nunca ousou transgredir a autoridade de Deus e, além disso, sempre ouviu atentamente as ordens e comandos específicos de Deus e obedeceu a eles, nunca ousando desafiá-los e, claro, nunca ousando alterar livremente nenhuma ordem de Deus. Tais são os limites que Deus estabeleceu para Satanás, e, portanto, Satanás nunca ousou ultrapassar esses limites. Isso não é o poder da autoridade de Deus? Isso não é um testemunho da autoridade de Deus? De como se comportar em relação a Deus e como considerar Deus, Satanás tem uma compreensão muito mais clara do que a humanidade, e, portanto, no mundo espiritual, Satanás enxerga claramente o status e autoridade de Deus e tem profunda consideração pelo poder da autoridade de Deus e os princípios por trás do exercício de Sua autoridade. Ele não ousa em absoluto ignorá-los, nem ousa violá-los de forma alguma, ou fazer coisa alguma que transgrida a autoridade de Deus, e não ousa desafiar a ira de Deus de forma alguma. Embora tenha uma natureza maligna e arrogante, Satanás nunca ousou ultrapassar os limites estabelecidos por Deus. Durante milhões de anos, ele tem respeitado estritamente esses limites, tem obedecido a todos os comandos e ordens que Deus lhe deu e nunca ousou pisar além da marca. Embora seja malicioso, Satanás é muito mais sábio do que a humanidade corrupta; ele conhece a identidade do Criador e conhece seus próprios limites. Pelas ações “submissas” de Satanás pode-se ver que a autoridade e poder de Deus são éditos celestiais que não podem ser transgredidos por Satanás, e é precisamente devido à singularidade e autoridade de Deus que todas as coisas mudam e se propagam de maneira ordenada, que a humanidade pode viver e se multiplicar de acordo com o percurso estabelecido por Deus, sem que nenhuma pessoa ou objeto seja capaz de perturbar essa ordem, e nenhuma pessoa ou objeto seja capaz de mudar essa lei – pois todos vêm das mãos do Criador e da ordem e autoridade do Criador.

de ‘O Próprio Deus, o Único I’ em “A Palavra manifesta em carne”

22. Embora vivam entre todas as coisas, as pessoas tiram contentamento dos muitos modos pelos quais o mundo satisfaz suas necessidades materiais, embora elas vejam este mundo material avançar constantemente, a experiência delas próprias – o que seus corações e seus espíritos sentem e experimentam – nada tem a ver com coisas materiais e nada material pode substituí-la. É um reconhecimento que se dá no fundo do coração, algo que não se pode ver a olho nu. Este reconhecimento reside na compreensão e no sentimento da vida humana e do destino humano. E ele leva as pessoas com frequência a perceber que um Mestre invisível está arranjando todas as coisas, orquestrando tudo para o homem. No meio disso tudo, as pessoas não podem deixar de aceitar os arranjos e as orquestrações do destino; ao mesmo tempo, não podem deixar de aceitar a senda que o Criador traçou à frente, a soberania do Criador sobre o destino. Isto é um fato inconteste. Sejam quais forem a percepção e a atitude que se tenha a respeito do destino, ninguém pode mudar esse fato.

de ‘O Próprio Deus, o Único III’ em “A Palavra manifesta em carne”

23. Aonde você irá cada dia, o que você fará, o que ou quem você vai encontrar, o que você dirá, o que acontecerá com você – é possível predizer algo disto? As pessoas não podem prever todos esses acontecimentos e ainda menos controlar como eles se desenvolvem. Na vida, esses eventos imprevisíveis ocorrem o tempo inteiro e são ocorrências corriqueiras. Essas vicissitudes cotidianas e seus modos de se desenrolarem ou os padrões pelos quais elas ocorrem fazem a humanidade lembrar constantemente de que nada acontece ao acaso, de que a vontade humana não pode mudar as ramificações dessas coisas nem a sua inevitabilidade. Todo acontecimento transmite uma advertência do Criador aos homens, bem como envia a mensagem de que os seres humanos não podem controlar seus próprios destinos; ao mesmo tempo, cada evento é uma refutação à ambição e ao desejo selvagem e fútil da humanidade de tomar seu destino em suas mãos. Eles são como fortes tapas que, aplicados nas orelhas da humanidade um após outro, obrigam as pessoas a reconsiderarem quem, afinal, governa e controla seu destino. E, como suas ambições e seus desejos se frustram e estilhaçam uma e outra vez, os seres humanos chegam naturalmente a uma aceitação inconsciente do que o destino lhes reserva, uma aceitação da realidade, da vontade do Céu e da soberania do Criador. Destas vicissitudes cotidianas até os destinos de vidas humanas inteiras, não há nada que não revele os planos do Criador e a Sua soberania; não há nada que não envie a mensagem de que “a autoridade do Criador não pode ser superada”, que não transmita a eterna verdade de que “a autoridade do Criador é suprema”.

de ‘O Próprio Deus, o Único III’ em “A Palavra manifesta em carne”

24. A predeterminação do nascimento de uma pessoa pelo Criador significa que Ele concederá a essa pessoa tudo o necessário para sobreviver; e o fato de uma pessoa nascer da mesma forma significa que ele ou ela receberá do Criador tudo o que necessitar para sobreviver, que dali em diante ele ou ela viverá de outra forma, provida pelo Criador e sujeita à soberania do Criador.

de ‘O Próprio Deus, o Único III’ em “A Palavra manifesta em carne”

25. Os nascimentos de pessoas de todas as classes são determinados pelos destinos que o Criador reserva para elas; seus nascimentos determinam seus destinos na vida atual, bem como os papéis que elas desempenharão e as missões que cumprirão. Tudo isto está sujeito à soberania do Criador, predestinado por Ele; ninguém pode escapar da sorte que lhe é predestinada, ninguém pode mudar as circunstâncias de[a] seu nascimento e ninguém pode escolher seu próprio destino.

de ‘O Próprio Deus, o Único III’ em “A Palavra manifesta em carne”

26. As circunstâncias do nascimento e da morte são predeterminadas pelo Criador; isto é o destino da pessoa, a sina da pessoa. […] O homem pode fazer todo tipo de planos para seu futuro, mas ninguém pode planejar como e quando nascerá e irá embora do mundo. Embora as pessoas façam o possível para evitar e resistir à chegada da morte, mesmo assim, sem conhecimento delas, a morte aproxima-se silenciosamente. Ninguém sabe quando nem como vai falecer, muito menos onde isso acontecerá. Obviamente não é a humanidade que tem o poder de vida e morte, tampouco algum ser do mundo natural, mas o Criador, cuja autoridade é única. A vida e a morte da humanidade não são o produto de alguma lei do mundo natural, mas a consequência da soberania da autoridade do Criador.

de ‘O Próprio Deus, o Único III’ em “A Palavra manifesta em carne”

27. Independentemente de diferenças de habilidade, QI e força de vontade, todas as pessoas são iguais perante o destino, que não faz distinção entre o grande e o pequeno, o elevado e o baixo, o exaltado e o humilde. A ocupação que a pessoa exerce, o que ela faz para ganhar a vida e a quantidade de riqueza que ela acumula na vida não é decidido pelos pais nem por seus talentos, seus esforços ou suas ambições, mas são predeterminadas pelo Criador.

de ‘O Próprio Deus, o Único III’ em “A Palavra manifesta em carne”

28. No que diz respeito ao destino, todo mundo é independente e todo mundo tem seu próprio destino. Logo, os pais de pessoa alguma podem protelar o destino dela na vida nem exercer a menor influência no papel que ela desempenha. Poder-se-ia dizer que a família em que uma pessoa é destinada a nascer e o ambiente em que ela cresce são apenas as precondições para o cumprimento da sua missão na vida. De modo algum eles determinam o destino da pessoa na vida nem o tipo de sina em meio aos quais ela cumpre a sua missão. […] nenhuma outra condição objetiva pode influenciar a missão de uma pessoa, que é predestinada pelo Criador. Todas as pessoas amadurecem em seus ambientes específicos de crescimento e depois, gradativamente, passo a passo, tomam suas próprias estradas na vida, consumam os destinos que o Criador planejou para elas, entrando natural e involuntariamente no vasto mar da humanidade e assumindo seus postos na vida, onde começam a desempenhar suas responsabilidades como seres criados em prol da predestinação do Criador, em prol da Sua soberania.

de ‘O Próprio Deus, o Único III’ em “A Palavra manifesta em carne”

29. O casamento é uma conjuntura importante na vida de uma pessoa. É o produto do destino de uma pessoa, um elo crucial no destino; não se baseia na volição nem nas preferências individuais de ninguém nem é influenciado por quaisquer fatores externos, mas é completamente determinado pelos destinos das duas partes, pelos arranjos e predeterminações do Criador com relação aos destinos do casal.

de ‘O Próprio Deus, o Único III’ em “A Palavra manifesta em carne”

30. Durante sua longa vida, basicamente todo indivíduo encontrou muitas situações perigosas e passou por muitas tentações. Isso é assim porque Satanás está bem ali ao seu lado, de olhos fixos em você constantemente. Ele gosta quando acontece um desastre com você, quando as calamidades o assolam, quando nada dá certo para você e gosta quando você é pego na rede de Satanás. Quanto a Deus, Ele está protegendo você constantemente, prevenindo que você sofra um infortúnio após o outro e um desastre após o outro. É por isso que Eu digo que tudo que o homem tem – paz e alegria, bênçãos e segurança pessoal – está, de fato, sob o controle de Deus e Ele guia e decide a vida e o destino de cada indivíduo.

de ‘O Próprio Deus, o Único VI’ em “A Palavra manifesta em carne”

31. Sob a autoridade de Deus toda pessoa aceita ativa ou passivamente Sua soberania e Seus arranjos e, como quer que ela lute no curso de sua vida, não importa quantas sendas tortuosas ela percorra, no fim retornará à órbita de destino que o Criador traçou para ela. Isso é a insuperabilidade da autoridade do Criador, o modo de a Sua autoridade controlar e governar o universo.

de ‘O Próprio Deus, o Único III’ em “A Palavra manifesta em carne”

32. Deus é o único Senhor do homem, é o exclusivo Mestre exclusivo do destino humano, de modo que para o homem é impossível ditar seu próprio destino, é impossível para ele superá-lo. Por maiores que sejam as habilidades de alguém, não se pode influenciar e muito menos orquestrar, arranjar, controlar ou mudar o destino de outrem. Só o Próprio Deus único dita todas as coisas para o homem, porque só Ele possui a autoridade exclusiva que exerce soberania sobre o destino humano; e por isso só o Criador é o Mestre exclusivo do homem.

de ‘O Próprio Deus, o Único III’ em “A Palavra manifesta em carne”

33. A autoridade de Deus existe independentemente das circunstâncias; em todas as situações, Deus dita e arranja todo destino humano e todas as coisas de acordo com Seus pensamentos, com Seus desejos. Isto não mudará porque os humanos mudam e independe da vontade do homem, não podendo ser alterado por quaisquer mudanças de tempo, espaço e geografia, pois a autoridade de Deus é Sua própria substância. Que o homem seja ou não capaz de conhecer e aceitar a soberania de Deus e de submeter-se a ela não muda de maneira alguma o fato da soberania de Deus sobre o destino humano. Isto é, seja qual for a atitude que o homem tome quanto à soberania de Deus, ela simplesmente não pode mudar o fato de que Ele tem soberania sobre o destino humano e sobre todas as coisas. Mesmo que você não se submeta à soberania de Deus, Ele ainda comanda seu destino; mesmo que você não possa conhecer a Sua soberania, a autoridade Dele ainda existe. A autoridade de Deus e o fato da Sua soberania sobre o destino humano independem da vontade humana, não mudam de acordo com as preferências e escolhas do homem. A autoridade de Deus está em toda parte, a toda hora, a todo instante. Se o céu e a terra passassem, a autoridade Dele jamais passaria porque Ele é o Próprio Deus, Ele possui a única autoridade única e Sua autoridade não é restrita ou limitada por pessoas, eventos nem coisas, pelo espaço nem pela geografia. A todo momento Deus exerce a Sua autoridade, mostra Seu poder, continua Sua obra de gestão como sempre; a todo momento Ele dirige todas as coisas, provê a todas as coisas, orquestra todas as coisas, como sempre fez. Ninguém pode mudar isso. É um fato; tem sido a verdade imutável desde tempos imemoriais!

de ‘O Próprio Deus, o Único III’ em “A Palavra manifesta em carne”

34. Embora Deus possua autoridade e poder, Ele é extremamente rigoroso e ético em Suas ações e permanece fiel à Sua palavra. Seu rigor e os princípios de Suas ações mostram que o Criador não pode ser ofendido e que a autoridade do Criador é insuperável. Embora Ele possua autoridade suprema e todas as coisas estejam sob Seu domínio, e embora Ele tenha o poder de governar todas as coisas, Deus nunca prejudicou ou desestabilizou Seu próprio plano, e cada vez que Ele exerce Sua autoridade, isso é feito estritamente de acordo com Seus próprios princípios, e segue precisamente o que foi proferido por Sua boca, e segue os passos e os objetivos de Seu plano. É desnecessário dizer que todas as coisas governadas por Deus também obedecem aos princípios pelos quais a autoridade de Deus é exercida, e nenhum homem ou coisa está isento dos arranjos de Sua autoridade, nem pode alterar os princípios pelos quais Sua autoridade é exercida. Aos olhos de Deus, aqueles que são abençoados recebem a prosperidade criada por Sua autoridade, e aqueles que são amaldiçoados recebem seu castigo devido à autoridade de Deus. Sob a soberania da autoridade de Deus, nenhum homem ou coisa está isento do exercício de Sua autoridade, nem pode alterar os princípios pelos quais Sua autoridade é exercida. A autoridade do Criador não é alterada por mudanças em fator algum, e, do mesmo modo, os princípios pelos quais Sua autoridade é exercida não se alteram por razão alguma. O céu e a terra podem ser acometidos por grandes convulsões, mas a autoridade do Criador não mudará; todas as coisas podem sumir, mas a autoridade do Criador nunca desaparecerá. Essa é a substância da autoridade do Criador que é imutável e não pode ser ofendida, e essa é a própria singularidade do Criador!

de ‘O Próprio Deus, o Único I’ em “A Palavra manifesta em carne”

35. Os destinos da humanidade e do universo estão intimamente entrelaçados com a soberania do Criador, inseparavelmente atados às Suas orquestrações; no final, não é possível desemaranhá-los da autoridade do Criador. Mediante as leis de todas as coisas o homem chega a entender a orquestração do Criador e Sua soberania; mediante as regras de sobrevivência ele percebe a governança do Criador; dos destinos de todas as coisas ele tira conclusões sobre os meios pelos quais o Criador exerce Sua soberania e Seu controle sobre elas; e, nos ciclos de vida de seres humanos e todas as coisas, o homem experimenta verdadeiramente as orquestrações e os arranjos do Criador para todas as coisas e todos os seres viventes e testemunha verdadeiramente como tais orquestrações e arranjos suplantam todas as leis, regras e instituições terrenais, todos os demais poderes e forças. À luz dessas coisas, a humanidade é forçada a reconhecer que nenhum ser criado pode violar a soberania do Criador, que nenhuma força pode intervir nem alterar os eventos e as coisas que o Criador predetermina. É sob estas leis e regras divinas que os humanos e todas as coisas vivem e se propagam, geração após geração. Não é isso a verdadeira corporificação da autoridade do Criador?

de ‘O Próprio Deus, o Único III’ em “A Palavra manifesta em carne”

Nota de rodapé:

a. O texto original omite “as circunstâncias de”.

Anterior:(III) Palavras clássicas sobre a obra de Deus na Era do Reino – os últimos dias

Próximo:(II) Palavras classicas sobre o justo caráter de Deus