Convidamos a todos os buscadores da verdade que entrem em contato conosco.

Como me voltei para Deus Todo-Poderoso

Cores sólidas

Temas

Fonte

Tamanho da fonte

Espaçamento entre linhas

Largura da página

0 resultados

Nenhum resultado encontrado

38. Deus está ao meu lado

Por Guozi, Estados Unidos

Eu nasci em uma família cristã e quando eu tinha um ano de idade, minha mãe aceitou a nova obra do Senhor Jesus retornado — Deus Todo-Poderoso — embora minha avó fosse totalmente contra. Lembro que quando eu era criança, minha avó costumava me dizer: “Se você não se sentir bem ou não conseguir fazer o dever de casa, basta orar ao Senhor Jesus. Ele lhe dará inteligência e sabedoria e a protegerá”. No entanto, minha mãe costumava me dizer: “Deus criou este mundo e criou a humanidade. Ele está sempre conosco. Lembre-se de orar a Deus Todo-Poderoso ao se deparar algum problema e Ele cuidará de você e a protegerá”. Essas duas vozes diferentes soavam frequentemente em meus ouvidos. Certa vez perguntei à minha mãe, incerta: “A Vovó quer que eu ore ao Senhor Jesus e você quer que eu ore a Deus Todo-Poderoso. A quem devo dar ouvidos?”. Ela disse: “Na verdade, o Senhor Jesus e Deus Todo-Poderoso são o mesmo Deus. O que acontece é que são épocas diferentes, os nomes que Deus adota são diferentes e Sua obra também difere. O Senhor Jesus realizou a obra da Era da Graça e Deus Todo-Poderoso realiza a obra da Era do Reino. Ele muda Sua maneira de operar em cada era e também muda Seu nome. Mas independentemente das mudanças de Seu nome e de Sua obra, Sua essência não muda. Por exemplo, hoje você está vestida de vermelho para ir à escola e amanhã você se vestirá de azul para ir a um restaurante — embora use roupas diferentes e faça coisas diferentes em lugares diferentes, você continua sendo você. Mas quando chega a nova era de Deus, temos de acompanhar Sua nova obra. É por isso que devemos orar a Deus Todo-Poderoso agora”. Mesmo ouvindo a explicação de minha mãe, eu me sentia extremamente perplexa e ainda nutria certa desconfiança em relação à nova obra de Deus Todo-Poderoso.

Em agosto de 2014, vim para os Estados Unidos para estudar. Minha mãe também veio alguns meses depois e entrou em contato com A Igreja de Deus Todo-Poderoso nos EUA. Desde então, comecei aos poucos a perceber a existência de Deus Todo-Poderoso. Ao chegar aos EUA para estudar, tive muita dificuldade para me adaptar à vida aqui, principalmente morando sozinha na casa dos outros. Sou muito tímida e tinha medo de dormir sozinha. Minha mãe me disse: “Temos de acreditar que a autoridade de Deus é única. Satanás e demônios também estão sob Sua autoridade, portanto, quando você sentir medo à noite, ore a Deus. Contanto que você tenha Deus no coração, Satanás não poderá se aproximar de você”. Toda vez que eu ouvia as comunhões de minha mãe, eu me sentia muito mais serena e tranquila.

Em dezembro de 2015 comecei a frequentar encontros na Igreja de Deus Todo-Poderoso, mas como eu ainda não tinha muita compreensão sobre questões de fé, muitas vezes eu ia a contragosto. Foi apenas mais tarde, depois de experimentar dois eventos, que vim a apreciar na prática a verdadeira existência de Deus. Depois disso, fui capaz de confirmar do fundo do coração que Deus Todo-Poderoso é o único Deus verdadeiro e que Ele está sempre ao meu lado…

Era uma tarde de sexta-feira e eu só tinha uma última aula de artes antes de encerrar o dia e voltar para casa. Uma colega de classe me disse de repente: “Vamos cabular a última aula e ir ao centro da cidade para comer alguma coisa e olhar as vitrines. Ouvi falar que há um restaurante novo de frutos do mar que é muito bom”. Fiquei tentada ao ouvir aquilo — eu não havia almoçado e estava faminta. Meu estômago estava roncando, como se estivesse me pressionando a ir logo ao restaurante de frutos do mar. Mas eu hesitei. “Nunca cabulei aula antes”, pensei. “E se eu for pega?”. Mas então pensei: “A Xiaoli da nossa classe cabula até mesmo aulas importantes e já o fez tantas vezes sem ser pega, então eu também não serei”. Assim, concordei em ir com minha colega e pedi ao meu professor de artes que me dispensasse, dizendo que eu tinha consulta médica naquela tarde e precisava sair mais cedo. Em seguida, minha colega e eu pegamos um táxi até o centro da cidade para olhar as vitrines e comer, e só cheguei a casa por volta das oito ou nove da noite. Depois que voltei, recebi um e-mail de um professor responsável pelos estudantes internacionais, pedindo-me para trazer um atestado de minha consulta médica quando viesse à escola. Ao ver aquilo, entrei em pânico e discuti apressadamente a questão com minhas colegas. Uma delas disse: “Você não é obrigada a fornecer atestado algum ao professor. Isso é assunto particular”. Achei que ela tinha razão quanto a isso, mas como eu havia agido errado, fiquei com vergonha de me defender indignamente. Assim, pedi à minha senhoria que me ajudasse a pensar numa solução. Ela me disse para procurar o professor responsável e admitir meu erro. Depois de ouvir seu conselho, senti o coração apertado — eu não sabia se deveria admitir meu erro ou continuar com a farsa. Eu me revirei na cama naquela noite, incapaz de dormir. Eu queria admitir meu erro, mas temia o que meu professor e colegas pensariam de mim, que a imagem positiva que eu normalmente preservava fosse destruída num piscar de olhos. Em meio à minha dor, vim diante de Deus para orar e buscar, e depois li esta passagem das palavras de Deus. “Mas pessoas enganosas não agem dessa forma. Elas vivem com base na filosofia de Satanás e em sua natureza e substância enganosas. Precisam ser cautelosas em tudo que fazem para que os outros não tenham algo para usar contra elas; em tudo que fazem, precisam usar seus próprios métodos e sua própria manipulação enganosa e desonesta para encobrir seu rosto verdadeiro, temendo que, mais cedo ou mais tarde, eles se entregarãoe quando realmente mostram suas cores verdadeiras, elas tentam virar o jogo. E quando tentam virar o jogo, há tempos em que isso não é tão fácil, e quando não conseguem, começam a ficar ansiosas. Temem que outros percebam quem são; quando isso acontece, sentem que envergonharam a si mesmas e, então, precisam pensar em maneiras de dizer algo que reverta a situação. […] Em sua mente, estão sempre pensando sobre como impedir que você as entenda errado, como fazer com que você ouça o que estão dizendo e veja o que estão fazendo de uma maneira que alcance os objetivos de suas motivações. E, assim, ficam repetindo aquilo em sua cabeça. Quando não conseguem dormir à noite, ficam pensando nisso; durante o dia, se não conseguem comer, pensam nisso; durante as conversas com outros, deliberam sobre isso. Estão sempre criando uma fachada para que você não pense que elas são aquele tipo de pessoa, para que você pense que são boas, ou para que você não pense que é isso que pretendiam dizer” (de ‘A prática mais fundamental de ser uma pessoa honesta’ em “Registros das falas de Cristo”). Uma após a outra, cada uma das palavras de Deus expôs meus pensamentos, como se uma luz tivesse de repente iluminado o lado escuro do meu coração, expondo-o à claridade, deixando-me terrivelmente envergonhada e sem ter onde me esconder. “É verdade!”, pensei. “Eu cabulei aula e menti, e depois não só não tomei a iniciativa de admitir meu erro, como tentei pensar numa maneira de encobrir minha mentira, de encobrir a verdade. Não senti a menor culpa ou remorso. Cheguei a achar que o professor responsável pelos estudantes internacionais estava se metendo na vida alheia. Oh! Esse tipo de comportamento é contrário a Deus e O deixa enojado! Nenhum de meus pensamentos ou atos está minimamente de acordo com as exigências de Deus — esse não é o comportamento de um crente em Deus! Não, eu não devo resolver os meus problemas à maneira dos descrentes. Eu devo me arrepender diante de Deus e agir de acordo com Suas exigências. Eu devo falar honestamente e ser uma pessoa honesta”.

Deus está ao meu lado

Assim, no dia seguinte, procurei o professor e admiti meu erro de ter cabulado aula. Fiquei chocada quando ele não me criticou, mas, em vez disso, disse que eu era muito honesta e que era bom poder admitir um erro! Mesmo assim, havia ainda uma punição por cabular aula, então o professor me deixou em detenção pelo período de uma aula depois das aulas, para que pudesse refletir sobre o que havia feito. Embora eu tenha recebido uma punição muito pequena por ter cabulado aula e mentido, senti que isso era Deus me protegendo. Mais tarde, comuniquei sobre isso com minha irmã da igreja num encontro. Depois de ouvir o meu relato, ela leu esta passagem das palavras de Deus para mim: “Se você acredita no governo de Deus, então precisa acreditar que as coisas que acontecem todos os dias, sejam elas boas ou ruins, não são ocorrências aleatórias. Não é que alguém seja intencionalmente duro com você ou tenha você como alvo; na verdade, tudo é arranjado por Deus. Deus orquestra essas coisas para quê? Não é para revelar suas deficiências nem para expor você; expor você não é o objetivo final. O objetivo final é aperfeiçoá-lo e salvá-lo. Como Deus faz isso? Em primeiro lugar, Ele torna você ciente do seu caráter corrupto, da sua natureza e essência, das suas deficiências e do que lhe falta. Só ao conhecer essas coisas e entendê-las em seu coração você pode buscar a verdade e, gradualmente, se livrar de seu caráter corrupto. Isso é Deus lhe proporcionando uma oportunidade” (de ‘A fim de alcançar a verdade, você deve aprender com as pessoas, questões e coisas ao seu redor’ em “Registros das falas de Cristo”). Por meio da comunhão das palavras de Deus, eu entendi por que minhas colegas cabularam aula tantas vezes sem que nada acontecesse, enquanto eu fui pega pelo professor logo na primeira vez: era de fato a soberania de Deus. Deus criou uma situação prática para me expor, me castigar e me disciplinar; isso foi feito para que eu pudesse entender minha natureza satânica e conhecer meu caráter corrupto de mentir e enganar, e assim buscar a verdade, ser uma pessoa honesta e viver uma semelhança humana. Isso era Deus me amando e me salvando! No passado, todos me elogiavam por ser uma boa menina, e eu sempre tive a mesma opinião. Porém, por meio da revelação dos fatos e de meu julgamento e exposição pelas palavras de Deus, finalmente percebi a desonestidade e o engano de minha natureza. Eu havia sido capaz de mentir e enganar descaradamente, e tinha uma estatura realmente pequena; a todo o momento e em toda a parte eu era capaz conviver com descrentes e viver de acordo com meu caráter corrupto, envergonhando assim o nome de Deus. O professor me deu uma detenção, e embora eu tenha sofrido pouco na carne, a punição me ajudou a lembrar daquela lição e eu nunca mais mentiria ou enganaria novamente. Se não tivesse sido punida por cabular aula, iria querer repetir a dose ao me deparar com testes e tentações. Nesse caso, eu teria mentido mais e mais, me tornando cada vez mais falsa e enganosa, e acabaria caindo completamente nas garras de Satanás. Se isso acontecesse, Deus não me daria atenção alguma, porque Ele ama e salva pessoas honestas e odeia e elimina pessoas enganosas. Naquele momento eu finalmente vi claramente o grande mal causado pela mentira, e também vi quão crítico e importante é ser uma pessoa honesta!

Pouco tempo depois tivemos uma prova de matemática. Ao revisar a matéria na noite anterior, descobri que ainda havia vários conteúdos que eu ainda não dominava muito bem. Dado que o exame era no dia seguinte, fiquei realmente ansiosa. Como as notas daquele semestre eram as mais importantes para entrar na universidade, eles iriam examinar minhas notas daquele ano, e se eu não passasse em matemática, todo o meu trabalho duro até então teria sido em vão. Quanto mais eu pensava nisso, mais estressada me sentia. No dia seguinte, literalmente minutos antes da prova, de repente percebi que eu havia me esquecido de trazer o caderno onde havia anotado todas as fórmulas. Fiquei totalmente desnorteada. Eu havia escrito disfarçadamente muitos exemplos de perguntas naquele caderno, mas agora que eu não o tinha, com certeza não passaria na prova. Agarrando-me a um fio de esperança, procurei-o em toda a parte, achando que pudesse tê-lo deixado cair em algum lugar. Quando estava procurando, espiei as respostas na prova do aluno sentado ao meu lado. Fiquei animada como esse golpe de sorte, como se vislumbrasse de repente um raio de esperança. Olhei de relance para o professor e vi que ele estava compenetrado no computador. Em seguida, fiz rapidamente todas as perguntas da prova de matemática e cutuquei o aluno ao meu lado, sinalizando que queria comparar nossas respostas. Eu disse que queria compará-las, mas, na verdade, eu queria copiar as respostas dele. Sob constante tensão, fiz a prova de matemática inteira dessa maneira furtiva.

Pensei que havia finalmente passado em minha pior matéria e comecei a fazer planos para me divertir bastante nas férias. Para minha surpresa, porém, alguns dias depois a escola realizou uma reunião para pais e responsáveis, e minha senhoria foi em meu lugar pegar meu boletim. Ela disse que eu tinha tirado boas notas em tudo, mas que a nota de matemática não fora dada porque a escola suspeitava de um problema de integridade acadêmica. Ao ouvir aquilo, fiquei com o coração na mão, preocupada e aflita, sem saber o que fazer. Pensei várias vezes: “Problema de integridade acadêmica? Será que descobriram que eu colei as respostas do meu colega? Se for esse o caso, o que devo fazer? Plágio é um problema muito sério e poderia até afetar minhas chances de entrar na universidade. Mas, por ora, é apenas uma suspeita, então ainda tenho esperança. Não haverá problemas desde que eu possa dar uma explicação clara, mas como devo explicar? Eu realmente cometi plágio. Não seria melhor admitir logo?” Fiquei remoendo o problema sem parar. Meus colegas de classe sugeriram que eu não deveria admitir em hipótese alguma, mas simplesmente inventar alguma desculpa para me safar da situação. Mas então pensei: “Isso não é algo que um crente em Deus deve fazer. O que devo fazer?”. Coincidentemente, houve um encontro na igreja naquela noite, então eu me abri para minhas irmãs e comuniquei sobre a situação em que eu estava. Uma das minhas irmãs me fez ler uma passagem das palavras de Deus: “Até hoje, as pessoas ouviram muitos sermões sobre a verdade e experimentaram muito da obra de Deus. No entanto, sob as interferências e obstruções de muitos fatores diferentes e circunstâncias, a maioria das pessoas não consegue chegar a colocar a verdade em prática e não consegue chegar a satisfazer a Deus. As pessoas estão cada vez mais descuidadas e cada vez carecem mais de confiança. […] O único desejo de Deus é dar essas verdades ao homem e imbuir o Seu caminho no homem e, então, arranjar várias circunstâncias a fim de testar o homem de diferentes maneiras. O Seu objetivo é pegar essas palavras, essas verdades e a Sua obra e criar um desfecho em que o homem possa temer a Deus e evitar o mal. A maioria das pessoas que Eu vi apenas pegam a palavra de Deus e a consideram como doutrinas, a consideram como letras, a consideram como regulamentos a serem observados. Quando elas fazem as coisas e falam, ou enfrentam provações, elas não consideram o caminho de Deus como o caminho que devem observar. Isso é especialmente verdade quando as pessoas se deparam com grandes provações; Eu não vi ninguém que estivesse praticando na direção de temer a Deus e evitar o mal” (de ‘Como conhecer o caráter de Deus e o resultado de Sua obra’ em “A Palavra manifesta em carne”). Senti vergonha no coração depois de ler essas palavras. Embora eu tivesse alguma compreensão sobre a verdade de ser uma pessoa honesta e houvesse passado há pouco tempo pelo castigo e disciplina de Deus a esse respeito, assim que enfrentei outra provação fui incapaz de colocar a verdade em prática. Eu sabia claramente que era errado cometer plágio; no entanto, na ânsia de tirar boas notas, esqueci completamente a verdade de Deus que exige que sejamos pessoas honestas. Não só não dei testemunho, como envergonhei a Deus. Não consegui dormir naquela noite de tanto ficar remoendo a questão. No final das contas, resolvi ser uma pessoa honesta e não mais envergonhar o nome de Deus em nome de meus interesses pessoais. Ao tomar essa decisão, pulei da cama, liguei o computador e escrevi uma autocrítica, confessando meu erro. Na manhã seguinte, cheguei à escola bem cedo, entreguei minha autocrítica ao professor, pedi desculpas a ele por meu comportamento e prometi nunca mais me envolver em nenhum tipo de desonestidade. Eu já estava conformada em tirar zero em matemática e disposta a aceitar qualquer punição que a escola me desse. Eu nunca poderia imaginar que o professor me permitiria refazer a prova. Naquele momento, só me restou expressar meu agradecimento e louvor a Deus do fundo do coração: graças a Deus por demonstrar misericórdia por mim! Isso me mostrou que Deus examina a fundo o coração do homem, e quando deixei de lado meus interesses pessoais e pratiquei a verdade de ser uma pessoa honesta, Deus achou uma saída para mim e fez com que o professor me permitisse refazer a prova. Eu realmente senti que Deus estava ao meu lado, observando cada passo meu e arranjando todas as pessoas, eventos, coisas e ambientes ao meu redor para que eu pudesse experimentar pessoalmente Sua verdadeira existência. O amor de Deus por mim é tão real!

Ainda mais surpreendente foi o fato de que, alguns dias depois, a escola inteira se reuniu para uma cerimônia de entrega de certificados de mérito a alunos do ensino médio que haviam tirado nota máxima em todas as matérias. Quando o professor anunciou meu nome, pensei que fosse um erro. Só percebi que realmente estava recebendo um certificado de mérito quando alguns de meus colegas chamaram minha atenção. Meus colegas ficaram todos muito surpresos por eu ter obtido um certificado de mérito depois de cometer plágio na prova de matemática. Exclamei silenciosamente em meu coração: “Isso é tudo a ação de Deus! Eu sei que esse certificado não é por minhas notas, mas é Deus me premiando por praticar ser uma pessoa honesta”. Isso confirmou ainda mais para mim que Deus realmente está ao meu lado o tempo todo e está cuidando de mim a todo o momento. Tudo o que Deus arranja para mim é sempre a melhor solução possível.

Agora estou desfrutando de encontros e lendo as palavras de Deus cada vez mais. Embora eu ainda revele meu caráter corrupto na vida, não importa o que eu enfrente, posso sempre comunicar com minhas irmãs e buscar a verdade nas palavras de Deus para resolver meus problemas. Por meio de trabalho conjunto e cooperação prática, compreendo cada vez mais verdades e as coloco em prática com uma força cada vez maior. Sinto que Deus está ao meu lado e que Ele pode me expor a qualquer momento por meio de várias pessoas, eventos e coisas, e Ele também usa Suas palavras para me guiar e conduzir para entrar na verdade. Agora sinto que meu relacionamento com Deus está cada vez mais próximo e tenho certeza absoluta de que Deus Todo-Poderoso é o Deus verdadeiro, e que em todos os momentos e em todos os lugares Ele é o Deus que está de guarda ao meu lado, cuidando de mim e me protegendo!

Anterior:O retorno de um filho pródigo

Próximo:Eu encontrei um verdadeiro lar

Conteúdo Relacionado