Obra e entrada (4)

Se o homem pudesse realmente entrar em acordo com a obra do Espírito Santo, sua vida germinaria rapidamente como um broto de bambu depois de uma chuva de primavera. A julgar pela estatura atual da maioria das pessoas, ninguém atribui qualquer importância à vida. Em vez disso, as pessoas estão dando importância a alguns assuntos superficiais irrelevantes. Correm de um lado para o outro e trabalham sem rumo e aleatoriamente sem foco, sem saber em que direção seguir e muito menos por quem. Estão meramente “se escondendo humildemente”. A verdade é que poucos dentre vocês conhecem as intenções de Deus para os últimos dias. Quase nenhum de vocês conhece a pegada de Deus, mas, pior ainda, ninguém sabe qual será a realização final de Deus. No entanto, todos, por meio de pura força de vontade e resistência, estão se submetendo a disciplina e ao tratamento dos outros, como se estivessem flexionando os músculos e se preparando para uma luta[1] em antecipação pela sua hora de triunfo. Não farei nenhum comentário sobre essas “maravilhas” entre as pessoas, mas há uma coisa que todos vocês devem entender. Neste momento, a maioria das pessoas está progredindo rumo à anormalidade,[2] seus passos de entrada já estão marchando rumo a um beco sem saída.[3] Pode haver muitas pessoas que pensem que é uma utopia fora do mundo humano pela qual o homem anseia, acreditando que seja o reino da liberdade, mas, de fato, não é. Ou pode-se dizer que as pessoas já se extraviaram. Mas, independentemente do que as pessoas estão fazendo, Eu ainda quero falar sobre em que o homem deve entrar. Os méritos e deficiências das multidões não são o tópico principal deste discurso. Espero que todos os irmãos possam receber Minhas palavras de maneira pura e precisa e que não interpretem mal Minha intenção.

Deus está encarnado no continente chinês, aquilo que os compatriotas de Hong Kong e Taiwan chamam de interior. Quando Deus veio de cima para a terra, ninguém no céu e na terra sabia disso, pois esse é o verdadeiro significado de Deus retornar de maneira oculta. Ele está na carne, trabalhando e vivendo há muito tempo, mas ninguém sabe disso. Até hoje ninguém reconhece isso. Talvez isso continue sendo um enigma eterno. Deus entrar na carne desta vez não é algo de que qualquer um possa estar ciente. Não importa quão grande e poderosa seja a obra do Espírito, Deus sempre permanece sereno e nunca Se entrega. Pode-se dizer que é como se este estágio de Sua obra estivesse ocorrendo no reino celestial. Mesmo que seja perfeitamente óbvio para todos, ninguém reconhece isso. Quando Deus concluir este estágio de Sua obra, todos despertarão de seu longo sonho e reverterão sua atitude passada.[4] Lembro-Me de Deus uma vez dizer: “Entrar na carne desta vez é como cair na cova do tigre”. O que isso significa é que, porque nessa rodada da obra de Deus, Deus entra na carne e, além disso, nasce na morada do grande dragão vermelho, Ele, ainda mais do que antes, enfrenta um perigo extremo ao vir à terra desta vez. O que Ele enfrenta são facas, armas, cassetetes e porretes; o que Ele enfrenta é tentação; o que Ele enfrenta são multidões com rostos repletos de intenções assassinas. Ele corre o risco de ser morto a qualquer momento. Deus veio com ira. No entanto, Ele veio para fazer a obra da perfeição, ou seja, para fazer a segunda parte de Sua obra que continua após a obra da redenção. Para o bem deste estágio de Sua obra, Deus dedicou o máximo de pensamento e cuidado e está utilizando todos os meios concebíveis para evitar as agressões da tentação, ocultando-Se humildemente e nunca exibindo Sua identidade. Ao resgatar o homem da cruz, Jesus estava apenas concluindo a obra da redenção; Ele não estava fazendo a obra da perfeição. Assim, apenas metade da obra de Deus estava sendo feita, e terminar a obra da redenção era apenas metade de todo o Seu plano. Quando a nova era estava prestes a iniciar e a antiga a retroceder, Deus Pai começou a contemplar a segunda parte de Sua obra e começou a Se preparar para ela. Esta encarnação nos últimos dias não foi profetizada claramente no passado, estabelecendo assim um fundamento para o crescente sigilo em torno da vinda de Deus à carne desta vez. Ao romper da aurora, sem que ninguém soubesse, Deus veio à terra e começou Sua vida na carne. As pessoas não tinham conhecimento desse momento. Talvez estivessem todos dormindo, talvez muitos que estavam atentamente acordados estivessem esperando, e talvez muitos estivessem orando silenciosamente para Deus no céu. No entanto, entre todas essas pessoas, ninguém sabia que Deus já havia chegado à terra. Deus trabalhou dessa maneira para executar Sua obra sem problemas, alcançar resultados melhores e para evitar mais tentações. Quando o sono de primavera do homem for interrompido, a obra de Deus terá terminado há muito tempo e Ele partirá, encerrando Sua vida de vagar e peregrinar na terra. Porque a obra de Deus requer que Deus aja e fale em Sua própria pessoa, e porque não há como o homem intervir, Deus tem suportado sofrimento extremo de modo a vir à terra para fazer a obra por Si mesmo. O homem é incapaz de substituí-Lo na Sua obra. Portanto, Deus correu o risco de perigos milhares de vezes maiores do que aqueles que enfrentou durante a Era da Graça para descer até onde o grande dragão vermelho habita para fazer Sua própria obra, para colocar todo o Seu pensamento e cuidado em redimir esse grupo de pessoas empobrecidas, redimindo esse grupo de pessoas atoladas em um monte de esterco. Mesmo que ninguém saiba da existência de Deus, Deus não está perturbado porque isso beneficia enormemente a obra de Deus. Todos são terrivelmente maus, então como alguém pode tolerar a existência de Deus? É por isso que na terra Deus está sempre em silêncio. Não importa o quão excessivamente cruel seja o homem, Deus não leva nada disso a sério, mas apenas continua fazendo a obra que Ele precisa fazer para cumprir a comissão maior que o Pai celestial Lhe deu. Quem dentre vocês reconheceu a beleza de Deus? Quem demonstra mais consideração pelo fardo de Deus Pai do que Seu Filho? Quem é capaz de entender a vontade de Deus Pai? O Espírito de Deus Pai no céu fica frequentemente aflito, e Seu Filho na terra ora frequentemente sobre a vontade de Deus Pai, preocupando muito Seu coração. Existe alguém que conhece o amor de Deus Pai por Seu Filho? Existe alguém que saiba como o Filho amado sente falta de Deus Pai? Dividido entre o céu e a terra, os dois estão constantemente olhando um para o outro de longe, lado a lado em Espírito. Ó humanidade! Quando vocês serão atenciosos com o coração de Deus? Quando vocês entenderão a intenção de Deus? Pai e Filho sempre dependeram um do outro. Por que, então, deveriam estar separados, um no céu e outro na terra? O Pai ama Seu Filho como o Filho ama Seu Pai. Por que então Ele deveria ter que esperar com tanto anseio e ansiar com tamanha ansiedade? Embora Eles não tenham estado separados por muito tempo, alguém sabe que o Pai já ansiava por tantos dias e noites e há muito tempo anseia pelo rápido retorno de Seu amado Filho? Ele observa, Ele senta em silêncio, Ele espera. É tudo pelo rápido retorno de Seu amado Filho. Quando Ele voltará a estar com o Filho que vagueia na terra? Mesmo que uma vez juntos Eles estarão juntos pela eternidade, como Ele pode suportar os milhares de dias e noites de separação, um no céu acima e outro na terra abaixo? Dezenas de anos na terra são como milhares de anos no céu. Como Deus Pai poderia não se preocupar? Quando Deus vem à terra, Ele experimenta as muitas vicissitudes do mundo humano, assim como o homem o faz. O Próprio Deus é inocente, então por que deixar Deus sofrer a mesma dor que o homem? Não é de se admirar que Deus Pai anseie tão urgentemente por Seu Filho; quem pode entender o coração de Deus? Deus dá muito ao homem; como o homem pode retribuir o coração de Deus de forma adequada? No entanto, o homem dá muito pouco a Deus; como poderia Deus não estar preocupado?

Raramente alguém dentre os homens entende a urgência no estado de espírito de Deus, pois o calibre dos seres humanos é muito inferior e seu espírito é bastante obtuso, e assim todos eles nem prestam atenção nem se importam com o que Deus está fazendo. Então Deus continua Se preocupando com o homem, como se a natureza bestial do homem pudesse surgir a qualquer momento. Isso demonstra ainda mais que a vinda de Deus à terra é acompanhada por grandes tentações. Mas pelo bem de completar um grupo de pessoas, Deus, carregado de glória, falou ao homem sobre todas as Suas intenções, nada escondendo. Ele resolveu completar esse grupo de pessoas com firmeza. Portanto, que venha a dificuldade ou a tentação, Ele desvia o olhar e ignora tudo. Ele apenas faz Sua própria obra silenciosamente, acreditando firmemente que um dia, quando Deus tiver ganho a glória, o homem conhecerá a Deus e, ao crer que quando o homem tiver sido completado por Deus, ele compreenderá plenamente o coração de Deus. Neste momento pode haver pessoas tentando a Deus ou entendendo mal a Deus ou culpando a Deus; Deus não Se afeta com nada disso. Quando Deus descer à glória, todas as pessoas entenderão que tudo que Deus faz é para o bem-estar da humanidade, e todas as pessoas entenderão que tudo que Deus faz é para que a humanidade possa sobreviver melhor. A vinda de Deus é acompanhada por tentações, e Deus também vem com majestade e ira. No momento em que Deus deixar o homem, Ele já terá ganhado a glória e sairá totalmente carregado de glória e com a alegria do retorno. O Deus que trabalha na terra não Se afeta, não importa de que forma as pessoas O rejeitem. Ele está apenas fazendo Sua obra. A criação do mundo de Deus remonta a milhares de anos, Ele veio à terra para realizar uma quantidade imensurável de obra e experimentou completamente a rejeição e a calúnia do mundo humano. Ninguém dá as boas-vindas à chegada de Deus; todos simplesmente O consideram com um olhar frio. No decorrer desses milhares de anos de dificuldades, a conduta do homem há muito tempo destruiu o coração de Deus. Ele não presta mais atenção à rebelião das pessoas, mas está fazendo um plano separado para transformar e purificar o homem. O escárnio, a calúnia, a perseguição, a tribulação, o sofrimento da crucificação, a exclusão pelo homem e assim por diante, que Deus experimentou na carne — Deus já provou o suficiente disso. Deus na carne sofreu as misérias do mundo humano por completo. O Espírito de Deus Pai no céu há muito tempo considerou essas visões insuportáveis, inclinou a cabeça para trás e fechou os olhos, esperando que Seu amado Filho voltasse. Tudo o que Ele deseja é que todas as pessoas ouçam e obedeçam, sejam capazes de sentir grande vergonha diante de Sua carne e não se rebelem contra Ele. Tudo o que Ele deseja é que todas as pessoas acreditem que Deus existe. Ele há muito tempo deixou de fazer exigências maiores do homem porque Deus pagou um preço muito alto, mas o homem está descansando à vontade,[5] não levando a sério a obra de Deus.

Embora o que estou discutindo hoje sobre a obra de Deus esteja repleto de muitas “palavras infundadas”,[6] isso tem grande relevância para a entrada do homem. Estou apenas falando um pouco sobre a obra, depois sobre a entrada, mas nenhum aspecto é dispensável e, quando combinados, esses dois aspectos são ainda mais benéficos para a vida do homem. Esses dois aspectos complementam um ao outro[7] e são muito benéficos, permitindo que as pessoas entendam melhor a vontade de Deus e permitindo a comunicação entre as pessoas e Deus. Através da fala de hoje sobre a obra, o relacionamento das pessoas com Deus é melhorado, o entendimento mútuo é aprofundado, e o homem é capaz de dar maior consideração e cuidado ao fardo de Deus; o homem pode sentir o que Deus sente, ter mais confiança em ser transformado por Deus e esperar pelo reaparecimento de Deus. Esta é a única exigência que Deus faz ao homem hoje — viver a imagem de alguém que ama a Deus, fazendo com que a luz da cristalização da sabedoria de Deus brilhe na era das trevas e que o viver do homem possa deixar para trás uma página radiante na obra de Deus, brilhando para sempre no Oriente do mundo, comandando a atenção do mundo e a admiração de todos. Essa, mais seguramente, é a melhor entrada para aqueles que amam a Deus hoje.

Notas de rodapé:

1. “Flexionando os músculos e se preparando para uma luta” é usado com ironia.

2. “Anormalidade” indica que a entrada das pessoas é desviante e suas experiências são unilaterais.

3. “Um beco sem saída” indica que as pessoas estão seguindo um caminho que é antitético à vontade de Deus.

4. “Reverter sua atitude passada” refere-se a como as concepções e pontos de vista das pessoas sobre Deus mudam quando conhecem a Deus.

5. “Descansando à vontade” indica que as pessoas não estão preocupadas com a obra de Deus e não a consideram importante.

6. “Palavras infundadas” indica que as pessoas são fundamentalmente incapazes de captar a fonte das palavras que são ditas. Elas não sabem o que está sendo dito. Esta frase é usada ironicamente.

7. “Complementar um ao outro” significa que combinar “obra” e “entrada” em comunhão seria ainda mais benéfico para nosso conhecimento de Deus.

Anterior: Obra e entrada (3)

Próximo: Obra e entrada (6)

Quando o desastre vem, como nós cristãos devemos lidar com ele? Convidamos você a participar da nossa reunião online, onde podemos explorar juntos e encontrar o caminho.
Contate-nos
Entre em contato conosco pelo Whatsapp

Conteúdo relacionado

Configurações

  • Texto
  • Temas

Cores sólidas

Temas

Fonte

Tamanho da fonte

Espaçamento entre linhas

Espaçamento entre linhas

Largura da página

Sumário

Busca

  • Pesquise neste texto
  • Pesquise neste livro