131 Contemplando a figura retrocedente de Deus

Contemplando Tua figura retrocedente, meu coração se enche de emoção.

Todas aquelas vezes maravilhosas em Tua companhia rodopiam diante dos meus olhos.

Estiveste conosco dia e noite, expressando a verdade e provendo para nós,

plantando a verdade e a vida nos campos do nosso coração.

Muitas vezes, estávamos endurecidos e rebeldes, e Tu nos julgaste, açoitaste e disciplinaste duramente;

somente então nos arrependemos e mudamos.

Muitas vezes, quando falhávamos e caíamos, Tu usaste palavras para nos confortar e inspirar,

dando-nos força e fé para levantarmos de novo.

Estiveste conosco em provações e tempos de adversidade, vigiando-nos a cada momento.

Tuas palavras nos guiaram para darmos testemunho.

Tu Te esgotaste por nós, fazendo tudo que podias para fazer declarações a nós.

Tuas palavras eram calorosas e convincentes e Teu amor era supremamente atencioso.

Tanto em Ti é amável, e não podemos suportar que vás embora.

Teu amor, Tua presença – eles assombram meu coração e são difíceis de esquecer.

Contemplando Tua figura retrocedente, meu coração se enche de remorso.

Nunca aproveitei o tempo que passei Contigo.

Tu me levantaste para cumprir o meu dever, mas eu busquei status e reputação.

Verbalmente, eu dizia que Te amava e que era fiel a Ti, mas no fundo só pensei em minhas perspectivas e destino.

Nunca Te dei minha sinceridade; retribuí com mero comportamento superficial e enganação.

Cobiçando os confortos da carne, perdi tantas chances de ser aperfeiçoado.

E agora estás prestes a partir, e sou tomado de luto e ansiedade.

Eu me odeio por estar tão entorpecido e por despertar tarde demais.

Decido buscar a verdade e compensar meu antigo endividamento.

Aproveitarei o tempo que resta e finalmente jurarei minha lealdade.

Mesmo que a senda adiante seja tumultuosa e cheia de espinhos,

abraçarei essas dificuldades, seguindo a Ti sem queixa nem arrependimento.

Lealmente cumprirei o meu dever Te amando e testificando de Ti.

Entregarei meu coração a Ti, num sacrifício de meu puro amor.

Anterior: 130 A graça de Deus é profunda como o Oceano

Próximo: 132 A relutância da despedida

Quando o desastre vem, como nós cristãos devemos lidar com ele? Convidamos você a participar da nossa reunião online, onde podemos explorar juntos e encontrar o caminho.

Configurações

  • Texto
  • Temas

Cores sólidas

Temas

Fonte

Tamanho da fonte

Espaçamento entre linhas

Espaçamento entre linhas

Largura da página

Sumário

Busca

  • Pesquise neste texto
  • Pesquise neste livro