Obra e entrada (2)

A obra e entrada de vocês são bastante fracas; o homem não dá importância a como trabalhar e é ainda mais casual em relação à entrada na vida. O homem não considera essas coisas como lições em que deve entrar; portanto, em sua experiência, praticamente tudo que o homem vê são miragens vazias. Não se exige muito de vocês no que se refere ao trabalho, mas, como pessoas a serem aperfeiçoadas por Deus, vocês devem aprender suas lições sobre trabalhar para Deus para que logo possam estar em conformidade com a vontade de Deus. Ao longo das eras, aqueles que fizeram obras foram denominados de trabalhadores ou apóstolos, palavras que se referem a um número reduzido de pessoas que são utilizadas por Deus. Contudo, a obra da qual falo hoje não se refere apenas àqueles trabalhadores ou apóstolos, antes, ela é dirigida a todos aqueles que são aperfeiçoados por Deus. Pode haver muitos com pouco interesse nisso, mas, para o bem da entrada, seria melhor conversar sobre a verdade a respeito dessa questão.

Quanto ao trabalho, o homem acredita que trabalhar é correr por aí por Deus, pregar em todos os lugares e se desgastar em prol de Deus. Embora essa crença esteja correta, ela é unilateral demais; o que Deus pede ao homem não é só correr por aí por Ele; além de apenas isso, esse trabalho diz respeito ao ministério e à provisão dentro do espírito. Muitos irmãos, mesmo depois de todos esses anos de experiência, nunca pensaram em trabalhar para Deus, porque o trabalho conforme concebido pelo homem é incongruente com o que é pedido por Deus. Portanto, o homem não tem interesse algum na questão do trabalho, e essa é precisamente a razão pela qual a entrada do homem é também bastante unilateral. Todos vocês deveriam iniciar a sua entrada trabalhando para Deus, para que possam se submeter melhor a cada aspecto da experiência. É nisso que vocês deveriam entrar. O trabalho não se refere a correr por aí por Deus, mas a se a vida do homem e o que o homem vive podem dar prazer a Deus. O trabalho quer dizer que as pessoas utilizam a sua devoção a Deus e o seu conhecimento de Deus para testemunhar sobre Deus e, também, para ministrar ao homem. Essa é a responsabilidade do homem e isso é o que todo homem deveria entender. Pode-se dizer que entrada de vocês é o seu trabalho, e que vocês estão procurando entrar durante o decurso de trabalhar para Deus. Experimentar a obra de Deus não significa meramente que você sabe como comer e beber de Sua palavra; mais importante do que isso, vocês devem saber como testemunhar sobre Deus e ser capazes de servir a Deus e de ministrar e de prover para o homem. Isso é trabalho e é a entrada de vocês; é isso que toda pessoa deve realizar. Há muitos que se concentram apenas em correr por aí por Deus e em pregar em todos os lugares, mas ignoram sua experiência individual e negligenciam sua entrada na vida espiritual. Isso é o que tem levado aqueles que servem a Deus a se tornarem aqueles que resistem a Deus. Essas pessoas, que servem a Deus e ministram ao homem todos esses anos, só consideram trabalhar e pregar como entrada, e nenhum considerou sua experiência espiritual individual como uma entrada importante. Em vez disso, elas usaram a iluminação que recebem da obra do Espírito Santo como recurso para ensinar outros. Quando pregam, carregam um fardo muito grande e recebem a obra do Espírito Santo e, por meio disso, elas estão liberando a voz do Espírito Santo. Nesse momento, aqueles que trabalham ficam repletos de complacência, como se a obra do Espírito Santo tivesse se tornado sua experiência espiritual individual; acham que todas as palavras que proferem pertencem ao seu ser individual, mas por outro lado, acham que sua própria experiência não é tão clara como descreveram. Além do mais, antes de falar, eles não têm a menor ideia do que dirão, mas quando o Espírito Santo opera neles, suas palavras em um fluxo enorme e incessante. Depois de ter pregado uma vez dessa maneira, você acha que sua estatura atual não é tão pequena como acreditava ser e, como em uma situação em que o Espírito Santo operou em você várias vezes, você então determina que já tem estatura e acredita erroneamente que a obra do Espírito Santo é sua própria entrada e seu próprio ser. Quando você tiver experiências constantes dessa maneira, você se tornará relaxado a respeito de sua própria entrada, cairá na preguiça sem perceber, e deixará de dar qualquer importância à sua entrada individual. Por essa razão, quando você estiver ministrando aos outros, deve distinguir claramente entre a sua estatura e a obra do Espírito Santo. Isso poderá facilitar mais a sua entrada e trazer mais benefício à sua experiência. Quando o homem considera a obra do Espírito Santo como sua experiência individual, isso se torna uma fonte de depravação. É por isso que digo que qualquer que seja o dever que vocês cumprem, devem considerar sua entrada como uma lição vital.

Uma pessoa trabalha para satisfazer a vontade de Deus, para trazer todos aqueles que buscam o coração de Deus diante Dele, para trazer o homem a Deus e para apresentar a obra do Espírito Santo e a orientação de Deus ao homem, aperfeiçoando, assim, os frutos da obra de Deus. Portanto, é imperativo que vocês estejam completamente claros quanto à substância da obra. Como alguém que é utilizado por Deus, todo homem é digno de trabalhar para Deus, isto é, todos têm a oportunidade de serem utilizados pelo Espírito Santo. No entanto, há uma coisa que vocês devem perceber: quando o homem faz o trabalho comissionado por Deus, ele recebeu a oportunidade de ser utilizado por Deus, mas o que é dito e conhecido pelo homem não é inteiramente a estatura do homem. Tudo o que vocês podem fazer é conhecer melhor as próprias deficiências durante o decurso de seu trabalho e vir a ter uma iluminação maior do Espírito Santo. Dessa maneira, vocês serão capacitados para obter uma entrada melhor no decurso do trabalho de vocês. Se o homem considera a orientação que vem de Deus como a própria entrada e como algo que é inerente dentro de si, então, não há potencial para o crescimento da estatura do homem. A iluminação que o Espírito Santo opera no homem acontece quando ele está em um estado normal; nesses momentos, as pessoas frequentemente confundem a iluminação que recebem como sua própria estatura real, porque a modo como o Espírito Santo ilumina é excepcionalmente normal e Ele faz uso do que é inerente dentro do homem. Quando as pessoas trabalham e falam, ou quando estão orando ou fazendo suas devoções espirituais, uma verdade de repente fica clara para elas. Na realidade, porém, o que o homem vê é apenas a iluminação pelo Espírito Santo (naturalmente, essa iluminação está conectada à cooperação do homem) e não representa a verdadeira estatura do homem. Depois de um período de experiência no qual o homem se depara com algumas dificuldades e provações, a verdadeira estatura do homem se torna aparente sob tais circunstâncias. Só então o homem descobrirá que sua estatura não é tão grande, e o egoísmo, as considerações pessoais e a ganância do homem emergem todos. Somente depois de vários ciclos de experiência como essa, muitos daqueles que estão despertos dentro de seu espírito perceberão que o que eles experimentaram no passado não era sua realidade individual, mas uma iluminação momentânea do Espírito Santo, e que o homem apenas recebeu essa luz. Quando o Espírito Santo ilumina o homem para ele entender a verdade, isso frequentemente ocorre de maneira clara e distinta, sem explicar como as coisas surgiram ou para aonde vão. Isto é, em vez de incorporar as dificuldades do homem nessa revelação, Ele revela a verdade diretamente. Quando o homem encontra dificuldades no processo de entrada e, então, incorpora a iluminação do Espírito Santo, isso se torna a experiência real do homem. Por exemplo, uma irmã solteira falou assim durante uma comunhão: “Não buscamos glória e riquezas, nem cobiçamos a felicidade de um amor entre marido e mulher; procuramos apenas dedicar um coração puro e determinado a Deus”. E ela continuou: “Uma vez que as pessoas se casam, há muito que as atormenta, e seu coração de amor por Deus não é mais genuíno. Seu coração está sempre preocupado com sua família e seu cônjuge, e, dessa forma, seu mundo interior se torna muito mais complicado…”. Enquanto ela falava, é como se o que saísse de sua boca fosse o que ela pensava em seu coração; suas palavras eram retumbantes e poderosas, como se tudo o que ela dizia viesse dos recônditos mais profundos de seu coração, e como se fosse seu desejo fervoroso se dedicar inteiramente a Deus e sua esperança, que os irmãos semelhantes a ela compartilhassem da mesma resolução. Pode-se dizer que os sentimentos de resolução e de ser movido que você tem neste momento vêm inteiramente da obra do Espírito Santo. Quando o método da obra de Deus mudar, você também terá alguns anos a mais de idade; você vê que todas as suas colegas de classe e amigas que são da mesma idade que você se casaram, ou ouve dizer que depois que fulana se casou, seu cônjuge a levou para viver na cidade e ela achou um emprego lá. Quando você a vir, seu coração começará a sentir inveja, vendo que ela está cheia de charme e elegância da cabeça aos pés, e que, quando ela fala com você, ela tem um ar cosmopolita, não tendo mais o menor sinal de caipira. Ver isso desperta sentimentos em você. Você, tendo se desgastado por Deus o tempo todo, não tem família nem carreira e suportou uma grande dose de tratamento; você entrou na meia-idade há algum tempo e sua juventude há muito se foi silenciosamente, como se você estivesse em um sonho. Agora, tendo chegado até o presente momento, você não sabe onde se estabelecer. Nesse momento, você é tomada em um redemoinho de pensamentos, como se tivesse perdido o juízo. Sozinha e incapaz de se aquietar para dormir, deitada acordada durante a longa noite, antes que perceba, você começa a pensar em sua resolução e em seus votos solenes a Deus e em porque, mesmo assim, você caiu em um estado tão lamentável. Sem notar, você deixa lágrimas silenciosas caírem e você sente uma dor de partir o coração. Chegando-se diante de Deus para orar, você se lembra, nos dias quando você e Deus estavam juntos, como vocês eram íntimos e inseparavelmente próximos. Cena após cena flutua diante de seus olhos, e o juramento que você fez naquele dia toca novamente seus ouvidos, “Deus não é meu único íntimo?” A essas alturas, você já está sacudida pelos soluços: “Deus! Amado Deus! Eu já Te dei meu coração por completo. Desejo ser prometida a Ti para sempre, e Te amarei incansavelmente por toda minha vida…” Só quando você luta nesse sofrimento intenso você realmente sente como Deus é amável, e só então você percebe claramente: dei meu tudo para Deus há muito tempo. Depois de levar tal golpe, você se torna muito mais madura no que diz respeito a esses assuntos e vê que a obra do Espírito Santo naquele tempo não era algo que o homem possuía. Em suas experiências dali por diante, você não estará mais restrita a esse aspecto da entrada; é como se as cicatrizes de suas velhas feridas tivessem beneficiado muito sua entrada. Sempre que você enfrentar uma situação como essa, se lembrará imediatamente das lágrimas que derramou naquele dia, como se tivesse se reunido a Deus depois de uma separação e estivesse com medo constante de que seu relacionamento com Deus possa mais uma vez ser partido e o apego emocional (relacionamento normal) entre você e Deus, danificado. Essa é sua obra e sua entrada. Portanto, ao mesmo tempo em que você recebe a obra do Espírito Santo, você deve dar ainda mais importância à entrada de vocês, vendo exatamente qual é a obra do Espírito Santo e qual é entrada de vocês, bem como incorporar a obra do Espírito Santo na entrada de vocês, de modo que vocês possam ser aperfeiçoados pelo Espírito Santo de muitas outras maneiras e de modo que a substância da obra do Espírito Santo possa ser trabalhada em vocês. No decurso de sua experiência da obra do Espírito Santo, vocês passarão a conhecer o Espírito Santo, assim como a si mesmos e, além disso, em meio aos incontáveis ataques de sofrimento intenso, vocês desenvolverão um relacionamento normal com Deus, e o relacionamento entre vocês e Deus ficará mais próximo a cada dia. Depois de incontáveis instâncias de poda e refinamento, vocês desenvolverão um amor verdadeiro por Deus. É por isso que vocês devem perceber que o sofrimento, os golpes e as tribulações não devem ser temidos; o que é assustador é ter apenas a obra do Espírito Santo, mas não a entrada de vocês. Quando chegar o dia em que a obra de Deus estiver concluída, vocês terão laborado à toa; ainda que vocês tenham experimentado a obra de Deus, não terão chegado a conhecer o Espírito Santo nem tido sua própria entrada. A iluminação que o Espírito Santo opera no homem não é para sustentar a paixão do homem, mas para abrir uma senda para a entrada do homem, bem como para permitir que o homem conheça o Espírito Santo e, a partir desse ponto, desenvolva sentimentos de reverência e adoração por Deus.

Quando o desastre vem, como nós cristãos devemos lidar com ele? Convidamos você a participar da nossa reunião online, onde podemos explorar juntos e encontrar o caminho.
Contate-nos
Entre em contato conosco pelo Whatsapp