Aplicativo da Igreja de Deus Todo-Poderoso

Ouça a voz de Deus e dê as boas vindas ao retorno do Senhor Jesus!

Convidamos a todos os buscadores da verdade que entrem em contato conosco.

O Pergaminho aberto pelo Cordeiro

Cores sólidas

Temas

Fonte

Tamanho da fonte

Espaçamento entre linhas

Largura da página

0 resultados

Nenhum resultado encontrado

Uma seleção extraída de As dez passagens da palavra de Deus sobre “Obra e entrada”

1. Desde que as pessoas começaram a percorrer a senda certa da vida, sempre houve várias coisas que ainda não estão claras para elas. Continuam completamente confusas a respeito da obra de Deus, e a respeito de uma grande parte da obra que devem desempenhar. Isso se deve, por um lado, ao desvio na experiência e às limitações em sua capacidade de receber; por outro, ao fato de que a obra de Deus ainda não fez com que as pessoas chegassem a esse estágio. Então, todo mundo é ambíguo em relação à maior parte das questões espirituais. Além de vocês não terem clareza a respeito daquilo em que devem entrar, são ainda mais ignorantes em relação à obra de Deus. Isso é mais do que simplesmente uma questão das suas limitações: é uma enorme falha que pertence a todos no mundo religioso. Aqui está a chave para entender por que as pessoas não conhecem Deus, e assim essa falha é um defeito comum, compartilhado por todos aqueles que O buscam. Pessoa nenhuma jamais conheceu Deus ou algum dia viu Sua verdadeira face. É por causa disso que a obra de Deus se torna tão difícil quanto mover uma montanha ou drenar o mar. Quantas pessoas sacrificaram a vida pela obra de Deus? Quantas foram expulsas por causa de Sua obra? Quantas, em nome de Sua obra, foram atormentadas até a morte? Quantas, com os olhos cheios de lágrimas de amor a Deus, morreram de maneira injusta? Quantas encontraram perseguição cruel e desumana? Que essas tragédias aconteçam, não é devido à falta de conhecimento das pessoas em relação a Deus? Como alguém que não conhece Deus ousaria se apresentar perante Ele? Como alguém que acredita em Deus, mas mesmo assim O persegue, ousaria se apresentar perante Ele? Essas inadequações não pertencem apenas àqueles que fazem parte do mundo religioso, mas são, sim, comuns tanto a vocês quanto a eles. As pessoas acreditam em Deus sem conhecê-Lo; é apenas por essa razão que elas não reverenciam Deus em seu coração e não O temem em seu coração. Há até aquelas que, com grande pompa e circunstância, realizam a obra que imaginam por conta própria dentro desta corrente e saem por aí fazendo a obra de Deus de acordo com suas próprias demandas e desejos exagerados. Muita gente age selvagemente, sem estima por Deus, mas seguindo suas próprias vontades. Essas não são corporificações perfeitas dos corações egoístas das pessoas? Não manifestam o elemento superabundante de trapaça que as pessoas possuem? As pessoas podem de fato ter inteligência suprema, mas como é que seus dons podem ocupar o lugar da obra de Deus? As pessoas podem de fato se importar com o encargo de Deus, mas não podem agir de modo excessivamente egoísta. Os feitos das pessoas são de fato divinos? Alguém pode estar positivamente certo disso? Dar testemunho de Deus, herdar Sua glória: isso é Deus fazendo uma exceção e elevando as pessoas. Como elas poderiam ser merecedoras? A obra de Deus apenas está começando, Suas palavras apenas começaram a ser proferidas. A essa altura, as pessoas se sentem bem consigo mesmas. Isso não seria simplesmente flertar com a humilhação? Elas compreendem extremamente pouco. Até mesmo o teórico mais brilhante ou o orador mais eloquente não podem descrever toda a abundância de Deus — quanto menos vocês podem? O melhor que você faz é não colocar o seu próprio valor acima dos céus, mas, sim, que se enxerguem como sendo mais inferiores que as mais baixas daquelas pessoas racionais que buscam amar a Deus. Este é o caminho pelo qual devem entrar: enxergarem-se como mais baixos do que os outros com um bom intervalo. Por que se considerarem tão altos? Por que se colocarem em estima tão alta? Na longa jornada da vida, vocês deram apenas os primeiros passos. Tudo que enxergam é o braço de Deus, não o todo de Deus. Cabe a vocês enxergar mais da obra de Deus, descobrir mais daquilo em que deveriam entrar, porque vocês mudaram muito pouco.

de ‘Obra e entrada (1)’ em “A Palavra manifesta em carne”

2. Ao operar no homem[1] e transformar seu caráter, a obra de Deus nunca cessa, porque as pessoas são carentes em aspectos demais e estão muito aquém dos padrões estabelecidos por Ele. E assim se pode dizer que, aos olhos de Deus, vocês serão eternamente bebês recém-nascidos, apresentando muito poucos dos elementos que O agradam, porque não passam de criaturas nas mãos de Deus. Quando alguém cair na complacência, por acaso não será abominado por Deus? Dizer que vocês são capazes de satisfazer a Deus hoje, é falar a partir da perspectiva limitada de seu corpo carnal; se fosse para realmente comparar vocês com Deus, vocês seriam para sempre derrotados na arena. A carne do homem nenhuma vez conheceu a vitória. Apenas por meio da obra do Espírito Santo é possível para o homem ter características de redenção. Na verdade, dentre as miríades de coisas da criação de Deus, o homem é a mais baixa. Apesar de ser o mestre de todas as coisas, o homem é só mais um entre elas que está sujeito aos truques de Satanás, o único que vira presa, de maneiras infinitas, de sua corrupção. O homem nunca teve soberania sobre si mesmo. A maior parte das pessoas vive no lugar imundo de Satanás e sofre sua zombaria; ele os provoca desta e daquela maneira, até que estejam meio vivas apenas, suportando todas as vicissitudes, todas as dificuldades no mundo humano. Depois de brincar com elas, Satanás põe fim a seu destino. E, assim, as pessoas passam a vida toda em uma confusão estonteante, sem jamais aproveitar as coisas boas que Deus preparou para elas, mas, em vez disso, sendo prejudicadas por Satanás e deixadas em frangalhos. Hoje, elas se tornaram tão enfraquecidas e apáticas que simplesmente não têm inclinação para notar a obra de Deus. Se as pessoas não têm inclinação para notar a obra de Deus, sua experiência está fadada para sempre a permanecer fragmentada e incompleta, e sua entrada será para sempre um espaço vazio. Nos vários milhares de anos desde que Deus veio ao mundo, um grande número de homens com ideais elevados foi usado por Deus para trabalhar para Ele durante um número qualquer de anos; mas aqueles que conhecem Sua obra são tão poucos que são quase inexistentes. Por essa razão, um número incontável de pessoas assume o papel de resistir a Deus ao mesmo tempo em que trabalha para Ele, porque, em vez de a fazer, elas, na verdade, fazem obra humana em uma posição conferida por Deus. Isso pode ser chamado de obra? Como podem entrar? A humanidade tomou a graça de Deus e a enterrou. Por causa disso, ao longo de gerações passadas, aqueles que fazem Sua obra têm pouca entrada. Eles simplesmente não falam a respeito de conhecer a obra de Deus porque conhecem muito pouco da sabedoria de Deus. Pode-se dizer que, apesar de haver muitos que servem a Deus, eles não conseguiram enxergar o quanto Ele é exaltado e, por isso, todos eles se estabeleceram como Deus para que os outros os adorassem.

de ‘Obra e entrada (1)’ em “A Palavra manifesta em carne”

3. Quando se fala de obra, o homem acredita que a obra é correr para lá e para cá para Deus, pregar em todos os lugares e gastar por Deus. Embora esta crença esteja correta, ela é unilateral demais; o que Deus pede ao homem não é apenas que se faça a jornada para lá e para cá para Deus; é mais ministério e o suprimento dentro do espírito. Muitos irmãos nunca pensaram em trabalhar para Deus, mesmo depois de tantos anos de experiência, pois a obra concebida pelo homem é incongruente com a que é pedida por Deus. Portanto, o homem não tem interesse algum na questão da obra, e essa é precisamente a razão pela qual a entrada do homem é também bastante unilateral. Todos vocês devem começar a entrar ao trabalhar para Deus, para que possam vivenciar melhor todos os seus aspectos. É nisso que vocês devem entrar. A obra não se refere a correr para lá e para cá por Deus; refere-se a se a vida do homem e o que o homem vive são para o deleite de Deus. A obra se refere ao homem utilizar a fidelidade que tem a Deus e o conhecimento que tem de Deus para testemunhar a Deus e ministrar ao homem. Esta é a responsabilidade do homem, e o que todo homem deve realizar. Em outras palavras, sua entrada é sua obra; vocês estão procurando entrar durante o curso de sua obra para Deus. Vivenciar Deus não é apenas poder comer e beber de Sua palavra; mais importante do que isso, vocês devem ser capazes de testemunhar a Deus, de servir a Deus e de ministrar para e suprir o homem. Essa é a obra e também sua entrada; é isso que todo homem deve realizar. Há muitos que focam apenas em viajar para lá e para cá para Deus e em pregar em todos os lugares, mas ignoram sua experiência pessoal e negligenciam sua entrada na vida espiritual. É isso que faz com que aqueles que servem a Deus se tornem aqueles que resistem a Deus. Há tantos anos, aqueles que servem a Deus e ministram ao homem só consideram trabalhar e pregar como entrada; nenhum considerou sua própria experiência espiritual como uma entrada importante. Em vez disso, capitalizam sobre a iluminação da obra do Espírito Santo para ensinar outros. Quando pregam, estão muito sobrecarregados e recebem a obra do Espírito Santo e, por meio disso, liberam a voz do Espírito Santo. Naquele momento, aqueles que trabalham se sentem presunçosos e auto-satisfeitos, como se a obra do Espírito Santo fosse sua própria experiência espiritual; acham que todas as palavras que proferem durante aquele momento são seu próprio ser, e sentem que sua própria experiência não é tão clara como descreveram. Além disso, eles não têm a menor ideia do que dizer antes de falar, mas quando o Espírito Santo opera neles, têm um fluxo incessante e contínuo de palavras. Depois de ter pregado uma vez dessa maneira, você sente que sua estatura atual não é tão pequena como acreditava ser. Depois de o Espírito Santo operar de forma similar em você várias vezes, você então determina que já tem estatura e acredita erroneamente que a obra do Espírito Santo é sua própria entrada e seu próprio ser. Quando você tem esta experiência constantemente, sente-se relaxado a respeito de sua própria entrada. Você então se torna preguiçoso sem perceber, e não dá importância à sua própria entrada. Portanto, quando você ministra aos outros, deve distinguir claramente entre sua estatura e a obra do Espírito Santo. Isso facilitará sua obra e melhorará sua experiência. O homem considerar a obra do Espírito Santo como sua própria experiência é o início da degeneração do homem. Assim, qualquer que seja o dever que vocês cumprem, devem considerar sua entrada como uma lição fundamental.

de ‘Obra e entrada (2)’ em “A Palavra manifesta em carne”

4. A pessoa trabalha para cumprir a vontade de Deus, para trazer todos aqueles que são segundo o coração de Deus diante Dele, para levar o homem a Deus e para apresentar a obra do Espírito Santo e a orientação de Deus ao homem, aperfeiçoando, assim, os frutos da obra de Deus. Por este motivo, é imperativo que vocês compreendam a substância da obra. Como alguém utilizado por Deus, todos os homens são dignos de trabalhar para Deus, isto é, todos têm a oportunidade de serem utilizados pelo Espírito Santo. No entanto, há uma coisa que vocês devem perceber: quando o homem faz a obra de Deus, o homem tem a oportunidade de ser utilizado por Deus, mas o que é dito e conhecido pelo homem não é inteiramente a estatura do homem. Vocês só podem conhecer melhor suas deficiências em sua obra e receber uma iluminação maior do Espírito Santo, permitindo, assim, que obtenham entrada melhor em sua obra. Se o homem considera a orientação de Deus como a entrada do próprio homem e o que é inerente dentro do homem, não há potencial para o crescimento da estatura do homem. O Espírito Santo ilumina o homem quando ele está em um estado normal; nesses momentos, o homem frequentemente confunde a iluminação que recebe como sua própria estatura na realidade, pois o Espírito Santo ilumina de uma forma mais normal: ao fazer uso do que é inerente dentro do homem. Quando o homem trabalha e fala, ou durante a oração do homem em suas devoções espirituais, uma verdade de repente fica clara para ele. Na realidade, porém, o que o homem vê é apenas a iluminação pelo Espírito Santo (naturalmente, isto está relacionado à cooperação do homem) e não a verdadeira estatura do homem. Depois de um período de experiência em que o homem se depara com inúmeras dificuldades reais, a verdadeira estatura do homem é evidenciada sob tais circunstâncias. Somente naquele momento o homem descobre que a estatura do homem não é tão grande, e o egoísmo, as considerações pessoais e a ganância do homem emergem. Somente depois de vários ciclos dessa experiência muitos daqueles que estão despertos dentro de seus espíritos percebem que ela não era sua própria realidade no passado, mas uma iluminação momentânea do Espírito Santo, e o homem apenas recebeu a luz. Quando o Espírito Santo ilumina o homem para ele compreender a verdade, muitas vezes isso ocorre de maneira clara e distinta, sem contexto. Isto é, Ele não incorpora as dificuldades do homem nessa revelação, mas sim revela a verdade diretamente. Quando o homem encontra dificuldades na entrada, ele então incorpora a iluminação do Espírito Santo, e isso se torna a experiência real do homem. […] Portanto, quando vocês recebem a obra do Espírito Santo devem se concentrar mais em sua entrada ao mesmo tempo, vendo exatamente qual é a obra do Espírito Santo e qual é sua entrada, bem como incorporar a obra do Espírito Santo em sua entrada, de modo que vocês possam ser mais bem aperfeiçoados por Ele e permitir que a substância da obra do Espírito Santo seja trabalhada em vocês. Durante o percurso de suas experiências da obra do Espírito Santo, vocês passam a conhecer o Espírito Santo, assim como a si mesmos e, em meio aos inúmeros casos de sofrimento extremo, desenvolvem um relacionamento normal com Deus, e o relacionamento entre vocês e Deus fica mais próximo a cada dia. Depois de incontáveis instâncias de poda e refinamento, vocês desenvolvem um amor verdadeiro por Deus. É por isso que vocês devem perceber que o sofrimento, os golpes e as tribulações não são assustadores; o que é assustador é ter apenas a obra do Espírito Santo, mas não suas entradas. Quando chegar o dia em que a obra de Deus estiver concluída, vocês terão laborado por nada; embora vocês tenham vivenciado a obra de Deus, não terão conhecido o Espírito Santo ou tido suas próprias entradas. A iluminação do homem pelo Espírito Santo não é para sustentar a paixão do homem; é para abrir uma saída para a entrada do homem, bem como para permitir que o homem conheça o Espírito Santo e, a partir disso, desenvolva um coração de reverência e adoração por Deus.

de ‘Obra e entrada (2)’ em “A Palavra manifesta em carne”

5. Deus confiou muito aos humanos e também lidou com sua entrada de inúmeras maneiras. Mas como o calibre das pessoas é muito baixo, muitas das palavras de Deus não conseguiram fincar raízes. Há várias razões para esse baixo calibre, como a corrupção do pensamento e da moralidade humana e a falta de educação adequada; superstições feudais que dominaram o coração do homem; estilos de vida depravados e decadentes que albergaram muitos males nos cantos mais profundos do coração humano; uma compreensão superficial de alfabetização cultural, com quase noventa e oito por cento das pessoas sem literacia cultural e, além disso, muito poucas recebendo níveis mais altos de educação cultural. Portanto, as pessoas basicamente não têm ideia do que significa Deus ou Espírito, mas têm somente uma imagem vaga e pouco clara de Deus adquirida a partir das superstições feudais. Influências perniciosas que milhares de anos de “elevado espírito de nacionalismo” deixaram no fundo do coração humano, bem como o pensamento feudal pelo qual as pessoas estão presas e acorrentadas, sem um pingo de liberdade, sem vontade de aspirar ou perseverar, sem desejo de progredir, permanecendo passivas e regressivas, entrincheiradas numa mentalidade de escravo, e assim por diante — esses fatores objetivos deram ao ponto de vista ideológico, aos ideais, à moralidade e ao caráter da humanidade um molde indelevelmente sujo e feio. Ao que parece, os seres humanos estão vivendo em um mundo terrorista de trevas o qual ninguém busca transcender, e ninguém pensa em mudar para um mundo ideal; em vez disso, contentam-se com sua sorte na vida, em passar seus dias tendo e criando filhos, esforçando-se, suando, cuidando de suas tarefas, sonhando com uma família confortável e feliz, com afeto conjugal, filhos amorosos, com alegria em seus derradeiros anos enquanto vivem pacificamente suas vidas… Por dezenas, milhares, dezenas de milhares de anos até o presente momento, as pessoas têm desperdiçado seu tempo dessa maneira, sem que ninguém crie uma vida perfeita, todas atentas apenas ao massacre mútuo nesse mundo sombrio, em busca da fama e fortuna e fazendo intrigas contra outros. Quem já buscou a vontade de Deus? Alguém já prestou atenção à a obra de Deus? Todas as partes da humanidade ocupadas pela influência das trevas há muito se tornaram a natureza humana; assim, é muito difícil realizar a obra de Deus, e as pessoas têm ainda menos coração para prestar atenção àquilo que Deus confiou a elas hoje.

de ‘Obra e entrada (3)’ em “A Palavra manifesta em carne”

6. No decorrer da entrada do homem, a vida é sempre enfadonha, cheia dos elementos monótonos da vida espiritual, como orar, comer e beber as palavras de Deus, ou fazer reuniões, de forma que as pessoas sempre sentem que crer em Deus não traz grande prazer. Tais atividades espirituais são sempre realizadas com base no caráter original da humanidade, que foi corrompido por Satanás. Embora as pessoas às vezes possam receber a iluminação do Espírito Santo, seu pensamento, caráter, estilo de vida e hábitos originais ainda estão enraizados dentro delas, portanto a natureza delas permanece inalterada. As atividades supersticiosas em que as pessoas se envolvem são o que Deus mais odeia, mas muitas pessoas ainda são incapazes de abandoná-las, achando que são decretadas por Deus e, até hoje, ainda não as abandonaram por completo. Coisas como os arranjos que os jovens fazem para festas de casamento e enxovais de noiva; presentes em dinheiro, banquetes e formas semelhantes de comemorar ocasiões jubilosas; fórmulas antigas que foram transmitidas de geração em geração; todas as atividades supersticiosas sem sentido realizadas em favor dos mortos e suas exéquias: essas são ainda mais detestáveis para Deus. Até mesmo o dia de adoração (incluindo o sábado, conforme praticado pelo mundo religioso) é detestável para Ele; e as relações sociais e interações mundanas entre homem e homem são ainda mais desprezadas e rejeitadas por Deus. Nem mesmo o Festival da Primavera e o Dia de Natal, que são conhecidos por todos, são decretados por Deus, muito menos os brinquedos e decorações (dísticos, bolo de Ano Novo, fogos de artifício, lanternas, presentes de Natal, festas de Natal e a Sagrada Comunhão) utilizados para comemorar esses feriados festivos — não são eles ídolos nas mentes dos homens? O partir do pão no sábado, o vinho e o linho fino são ainda mais enfaticamente ídolos. Todas as datas de festivais tradicionais populares na China, como o Dia das Cabeças de Dragão, o Festival do Barco-Dragão, o Festival do Meio Outono, o Festival Laba e o Dia de Ano Novo, bem como os festivais do mundo religioso, como a Páscoa, Dia do Batismo e o Dia de Natal, todos esses festivais injustificáveis foram organizados e passados de geração em geração desde tempos antigos até hoje por muitas pessoas e são completamente incompatíveis com a raça humana que Deus criou. É a rica imaginação da humanidade e a engenhosa concepção que permitiram que fossem repassados até hoje. Eles parecem estar livres de falhas, mas, na verdade, são peças que Satanás prega na humanidade. Quanto mais um lugar está repleto de Satanás, e quanto mais obsoleto e atrasado é tal lugar, mais profundamente entrincheirados são seus costumes feudais. Essas coisas amarram as pessoas firmemente, não deixando espaço algum para movimento. Muitos dos festivais no mundo religioso parecem mostrar grande originalidade e criar uma ponte para a obra de Deus, mas, na verdade, são os laços invisíveis com os quais Satanás impede as pessoas de conhecerem a Deus — são todos estratagemas astutos de Satanás. De fato, quando um estágio da obra de Deus está concluído, Ele já destruiu as ferramentas e o estilo daquele tempo, sem deixar qualquer vestígio. No entanto, “crentes devotos” continuam a adorar esses objetos materiais tangíveis; enquanto isso, consignam o que Deus tem ao fundo de suas mentes, deixam de estudá-lo, parecendo estar cheios do amor de Deus quando, de fato, já O expulsaram de casa há muito tempo e colocaram Satanás na mesa para adorar. Retratos de Jesus, a Cruz, Maria, o Batismo de Jesus e a Última Ceia — as pessoas veneram essas coisas como o Senhor dos Céus e, ao mesmo tempo, clamam repetidamente “Deus Pai”. Isso tudo não é uma piada? Até hoje, muitos ditos e práticas similares passados de geração em geração na humanidade são odiosos para Deus; eles obstruem seriamente o caminho a seguir para Deus e, além disso, criam enormes contratempos para a entrada da humanidade. Colocando de lado a extensão à qual Satanás corrompeu a humanidade, o interior das pessoas está completamente preenchido com coisas como a lei da Testemunha Lee, as experiências de Lawrence, as pesquisas de Watchman Nee e o trabalho de Paulo. Simplesmente não há como Deus trabalhar nos seres humanos, porque eles têm individualismo, leis, regras, regulamentos, sistemas e coisas afins em demasia dentro de si; essas coisas, além das tendências supersticiosas feudais das pessoas, capturaram e devoraram a humanidade. É como se os pensamentos das pessoas fossem um filme interessante que narra um conto de fadas em cores, com seres fantásticos cavalgando nas nuvens, tão imaginativos a ponto de impressionar as pessoas, deixando as pessoas atordoadas e sem palavras. Na verdade, a obra que Deus vem fazer hoje é principalmente lidar com e eliminar os atributos supersticiosos dos seres humanos e transformar completamente sua perspectiva mental. A obra de Deus não é aquilo que foi passado de geração em geração e preservado até hoje pela humanidade; é a obra conforme iniciada pessoalmente por Ele e concluída por Ele, sem qualquer necessidade de suceder o legado de um certo grande homem espiritual, ou herdar qualquer obra de natureza representativa feita por Deus em alguma outra época. Os seres humanos não precisam se preocupar com nada disso. Hoje, Deus tem outro estilo de falar e de trabalhar, então por que os seres humanos deveriam se preocupar? Se os humanos seguirem o caminho de hoje, dentro da corrente atual, enquanto dão continuidade ao legado de seus “ancestrais”, não chegarão ao seu destino. Deus sente profunda repugnância por esse modo em particular de comportamento humano, assim como abomina os anos, meses e dias do mundo humano.

de ‘Obra e entrada (3)’ em “A Palavra manifesta em carne”

7. A melhor maneira de mudar o caráter humano é reverter aquelas partes mais profundas do coração das pessoas que foram profundamente envenenadas, permitindo que as pessoas comecem a mudar seus pensamentos e moralidade. Antes de mais nada, as pessoas precisam ver claramente que todos esses ritos religiosos, atividades religiosas, anos e meses e festivais são odiosos para Deus. Elas devem se libertar desses laços de pensamento feudal e erradicar todos os vestígios de sua propensão profunda à superstição. Esses estão todos incluídos na entrada da humanidade. Vocês devem entender por que Deus lidera a humanidade para fora do mundo secular e, novamente, por que Ele lidera a humanidade para longe das regras e regulamentos. Esse é o portão através do qual vocês entrarão e, embora não tenha nada a ver com sua experiência espiritual, esses são os maiores obstáculos que bloqueiam sua entrada, impedindo seu conhecimento de Deus. Eles formam uma rede que envolve as pessoas. Muitas pessoas leem a Bíblia em demasia e podem até recitar numerosas passagens da Bíblia direto de suas memórias. Em sua entrada hoje, as pessoas inconscientemente utilizam a Bíblia para medir a obra de Deus, como se a base deste estágio da obra de Deus fosse a Bíblia e sua fonte fosse a Bíblia. Quando a obra de Deus está alinhada com a Bíblia, as pessoas apoiam fortemente a obra de Deus e O consideram com nova estima; quando a obra de Deus não combina com a Bíblia, as pessoas ficam tão ansiosas que suam, procurando nela a base da obra de Deus; se a obra de Deus não é mencionada na Bíblia, as pessoas ignoram Deus. Pode-se dizer que, no que diz respeito à obra de Deus de hoje, a maioria das pessoas a aceita cautelosamente, obedece a ela de forma seletiva e sentem-se indiferentes em conhecê-la; quanto às coisas do passado, elas se prendem a uma metade e abandonam a outra. Isso pode ser chamado de entrada? Ao considerar os livros de outros como tesouros e tratá-los como a chave de ouro do portão do reino, as pessoas simplesmente não demonstram interesse naquilo que Deus requer delas hoje. Sobretudo, muitos “especialistas inteligentes” seguram as palavras de Deus em sua mão esquerda e as “obras-primas” de outros na direita, como se quisessem encontrar a base das palavras de Deus nessas obras-primas a fim de provar plenamente que as palavras de Deus estão corretas e até explicam as palavras de Deus para os outros, integrando-as às obras-primas, como se estivessem trabalhando. Para falar a verdade, existem muitos “pesquisadores científicos” na humanidade que nunca deram muito valor às mais recentes conquistas científicas da atualidade, realizações científicas sem precedentes (isto é, a obra de Deus, as palavras de Deus e o caminho para a entrada na vida). Assim, as pessoas são todas “autoconfiantes”, “pregando” em toda parte com a força de sua eloquência e ostentando “o bom nome de Deus”. Enquanto isso, sua própria entrada está ameaçada e elas parecem estar tão longe das exigências de Deus como a criação está deste momento. Quão fácil é fazer a obra de Deus? Parece que as pessoas já se decidiram a deixar metade de si para ontem e trazer metade para hoje, entregar metade para Satanás e apresentar metade para Deus, como se esse fosse o caminho para aliviar sua consciência e ter alguma sensação de conforto. Os mundos internos das pessoas são tão insidiosos que elas têm medo de perder não apenas o amanhã, mas também o ontem, com muito medo de ofender tanto Satanás quanto o Deus de hoje, que parece ser e, ainda, não ser. Porque as pessoas falharam em cultivar seu pensamento e moralidade apropriadamente, elas carecem muito de discernimento e simplesmente não sabem dizer se a obra de hoje é ou não de Deus. Talvez seja porque o pensamento feudal e supersticioso das pessoas é tão profundo que há muito tempo colocam a superstição e a verdade, Deus e ídolos, na mesma categoria, sem se importar em distinguir entre essas coisas, e parecem incapazes de distinguir claramente mesmo depois de quebrarem suas cabeças nesse sentido. É por isso que os seres humanos ficaram presos em suas trilhas e não avançam mais. Todos esses problemas surgem da ausência de um tipo correto de educação ideológica, o que cria grandes dificuldades para sua entrada. Como resultado, as pessoas nunca sentem interesse algum pela obra do Deus verdadeiro, mas aderem persistentemente ao[2] trabalho do homem (como aqueles que consideram grandes homens), como se tivessem sido queimadas com uma marca por isso. Não são esses os tópicos mais recentes em que a humanidade deve entrar?

de ‘Obra e entrada (3)’ em “A Palavra manifesta em carne”

8. Deus está encarnado no continente chinês, aquilo que os compatriotas de Hong Kong e Taiwan chamam de interior. Quando Deus veio de cima para a terra, ninguém no céu e na terra sabia disso, pois esse é o verdadeiro significado de Deus retornar de maneira oculta. Ele está na carne, trabalhando e vivendo há muito tempo, mas ninguém sabe disso. Até hoje ninguém reconhece isso. Talvez isso continue sendo um enigma eterno. Deus entrar na carne desta vez não é algo de que qualquer um possa estar ciente. Não importa quão grande e poderosa seja a obra do Espírito, Deus sempre permanece sereno e nunca Se entrega. Pode-se dizer que é como se este estágio de Sua obra estivesse ocorrendo no reino celestial. Mesmo que seja perfeitamente óbvio para todos, ninguém reconhece isso. Quando Deus concluir este estágio de Sua obra, todos despertarão de seu longo sonho e reverterão sua atitude passada.[3] Lembro-Me de Deus uma vez dizer: “Entrar na carne desta vez é como cair na cova do tigre”. O que isso significa é que, porque esta rodada da obra de Deus tem Deus entrando na carne e nascendo na morada do grande dragão vermelho, Sua vinda à terra desta vez é ainda mais acompanhada de perigos extremos. O que Ele enfrenta são facas, armas e porretes; o que Ele enfrenta é a tentação; o que Ele enfrenta são multidões com olhares assassinos. Ele corre o risco de ser morto a qualquer momento. Deus veio com ira. No entanto, Ele veio para fazer a obra da perfeição, ou seja, para fazer a segunda parte de Sua obra que continua após a obra da redenção. Para o bem deste estágio de Sua obra, Deus dedicou o máximo de pensamento e cuidado e está utilizando todos os meios concebíveis para evitar as agressões da tentação, ocultando-Se humildemente e nunca exibindo Sua identidade. Ao resgatar o homem da cruz, Jesus estava apenas concluindo a obra da redenção; Ele não estava fazendo a obra da perfeição. Assim, apenas metade da obra de Deus estava sendo feita, e terminar a obra da redenção era apenas metade de todo o Seu plano. Quando a nova era estava prestes a iniciar e a antiga a retroceder, Deus Pai começou a contemplar a segunda parte de Sua obra e começou a Se preparar para ela. No passado, esta encarnação nos últimos dias pode não ter sido profetizada e, portanto, isso estabeleceu um fundamento para o crescente sigilo em torno da vinda de Deus à carne desta vez. Ao romper da aurora, sem que ninguém soubesse, Deus veio à terra e começou Sua vida na carne. As pessoas não tinham conhecimento desse momento. Talvez estivessem todos dormindo, talvez muitos que estavam atentamente acordados estivessem esperando, e talvez muitos estivessem orando silenciosamente para Deus no céu. No entanto, entre todas essas pessoas, ninguém sabia que Deus já havia chegado à terra. Deus trabalhou dessa maneira para executar Sua obra sem problemas, alcançar resultados melhores e para evitar mais tentações. Quando o sono de primavera do homem for interrompido, a obra de Deus terá terminado há muito tempo e Ele partirá, encerrando Sua vida de vagar e peregrinar na terra. Porque a obra de Deus requer que Deus aja e fale pessoalmente, e porque não há como o homem ajudar, Deus tem sofrido dor extrema para vir à terra para fazer a obra por Si mesmo. O homem é incapaz de substituí-Lo na Sua obra. Portanto, Deus arriscou perigos milhares de vezes maiores do que aqueles que enfrentou durante a Era da Graça para descer até onde o grande dragão vermelho habita para fazer Sua própria obra, para colocar todo o Seu pensamento e cuidado em redimir esse grupo de pessoas empobrecidas, redimindo esse grupo de pessoas atoladas em um monte de esterco. Mesmo que ninguém saiba da existência de Deus, Deus não está perturbado porque isso beneficia enormemente a obra de Deus. Todos são terrivelmente maus, então como alguém pode tolerar a existência de Deus? É por isso que na terra Deus está sempre em silêncio. Não importa o quão excessivamente cruel seja o homem, Deus não leva nada disso a sério, mas apenas continua fazendo a obra que Ele precisa fazer para cumprir a comissão maior que o Pai celestial Lhe deu. Quem dentre vocês reconheceu a beleza de Deus? Quem demonstra mais consideração pelo fardo de Deus Pai do que Seu Filho? Quem é capaz de entender a vontade de Deus Pai? O Espírito de Deus Pai no céu fica frequentemente aflito, e Seu Filho na terra ora frequentemente sobre a vontade de Deus Pai, preocupando muito Seu coração. Existe alguém que conhece o amor de Deus Pai por Seu Filho? Existe alguém que saiba como o Filho amado sente falta de Deus Pai? Dividido entre o céu e a terra, os dois estão constantemente olhando um para o outro de longe, lado a lado em Espírito. Ó humanidade! Quando vocês serão atenciosos com o coração de Deus? Quando vocês entenderão a intenção de Deus? Pai e Filho sempre dependeram um do outro. Por que, então, deveriam estar separados, um no céu e outro na terra? O Pai ama Seu Filho como o Filho ama Seu Pai. Por que então Ele deveria ter que esperar com tanto anseio e ansiar com tamanha ansiedade? Embora Eles não tenham estado separados por muito tempo, alguém sabe que o Pai já ansiava por tantos dias e noites e há muito tempo anseia pelo rápido retorno de Seu amado Filho? Ele observa, Ele senta em silêncio, Ele espera. É tudo pelo rápido retorno de Seu amado Filho. Quando Ele voltará a estar com o Filho que vagueia na terra? Mesmo que uma vez juntos Eles estarão juntos pela eternidade, como Ele pode suportar os milhares de dias e noites de separação, um no céu acima e outro na terra abaixo? Dezenas de anos na terra são como milhares de anos no céu. Como Deus Pai poderia não se preocupar? Quando Deus vem à terra, Ele experimenta as muitas vicissitudes do mundo humano, assim como o homem o faz. O Próprio Deus é inocente, então por que deixar Deus sofrer a mesma dor que o homem? Não é de se admirar que Deus Pai anseie tão urgentemente por Seu Filho; quem pode entender o coração de Deus? Deus dá muito ao homem; como o homem pode retribuir o coração de Deus de forma adequada? No entanto, o homem dá muito pouco a Deus; como poderia Deus não estar preocupado?

de ‘Obra e entrada (4)’ em “A Palavra manifesta em carne”

9. Raramente alguém dentre os homens entende o coração urgente de Deus, pois o calibre das pessoas é muito baixo e sua sensibilidade espiritual muito monótona, e porque todos eles nem percebem nem prestam atenção ao que Deus está fazendo. Então Deus continua Se preocupando com o homem, como se a natureza bestial do homem pudesse surgir a qualquer momento. Isso demonstra ainda mais que a vinda de Deus à terra é acompanhada por grandes tentações. Mas pelo bem de completar um grupo de pessoas, Deus, carregado de glória, falou ao homem sobre todas as Suas intenções, nada escondendo. Ele resolveu completar esse grupo de pessoas com firmeza. Portanto, que venha a dificuldade ou a tentação, Ele desvia o olhar e ignora tudo. Ele apenas faz Sua própria obra silenciosamente, acreditando firmemente que um dia, quando Deus tiver ganho a glória, o homem conhecerá a Deus e, ao crer que quando o homem tiver sido completado por Deus, ele compreenderá plenamente o coração de Deus. Neste momento pode haver pessoas tentando a Deus ou entendendo mal a Deus ou culpando a Deus; Deus não Se afeta com nada disso. Quando Deus descer à glória, todas as pessoas entenderão que tudo que Deus faz é para o bem-estar da humanidade, e todas as pessoas entenderão que tudo que Deus faz é para que a humanidade possa sobreviver melhor. A vinda de Deus é acompanhada por tentações, e Deus também vem com majestade e ira. No momento em que Deus deixar o homem, Ele já terá ganhado a glória e sairá totalmente carregado de glória e com a alegria do retorno. O Deus que trabalha na terra não Se afeta, não importa de que forma as pessoas O rejeitem. Ele está apenas fazendo Sua obra. A criação do mundo de Deus remonta a milhares de anos, Ele veio à terra para realizar uma quantidade imensurável de obra e experimentou completamente a rejeição e a calúnia do mundo humano. Ninguém dá as boas-vindas à chegada de Deus; todos simplesmente O consideram com um olhar frio. No decorrer desses milhares de anos de dificuldades, a conduta do homem há muito tempo destruiu o coração de Deus. Ele não presta mais atenção à rebelião das pessoas, mas está fazendo um plano separado para transformar e purificar o homem. O escárnio, a calúnia, a perseguição, a tribulação, o sofrimento da crucificação, a exclusão pelo homem e assim por diante, que Deus experimentou na carne — Deus já provou o suficiente disso. Deus na carne sofreu as misérias do mundo humano por completo. O Espírito de Deus Pai no céu há muito tempo considerou essas visões insuportáveis, inclinou a cabeça para trás e fechou os olhos, esperando que Seu amado Filho voltasse. Tudo o que Ele deseja é que todas as pessoas ouçam e obedeçam, sejam capazes de sentir grande vergonha diante de Sua carne e não se rebelem contra Ele. Tudo o que Ele deseja é que todas as pessoas acreditem que Deus existe. Ele há muito tempo deixou de fazer exigências maiores do homem porque Deus pagou um preço muito alto, mas o homem está descansando à vontade,[4] não levando a sério a obra de Deus.

de ‘Obra e entrada (4)’ em “A Palavra manifesta em carne”

10. Hoje, vocês todos sabem que Deus está liderando as pessoas na trilha certa da vida, que Ele está liderando o homem a dar o próximo passo para entrar em outra era, que Ele está levando o homem a transcender essa era antiga e sombria, fora da carne, longe da opressão das forças das trevas e da influência de Satanás, para que cada pessoa possa viver num mundo de liberdade. Para o bem de um belo amanhã, e para que as pessoas possam ser mais ousadas em seus passos amanhã, o Espírito de Deus planeja tudo para o homem, e para que o homem possa desfrutar mais, Deus dedica todos os Seus esforços na carne para preparar a senda do homem prosseguir adiante, apressando a chegada do dia pelo qual o homem anseia. Gostaria que todos vocês valorizassem este belo momento; não é tarefa fácil se unir a Deus. Embora vocês nunca O tenham conhecido, já há muito estão junto com Ele. Se ao menos todos pudessem se lembrar para sempre destes dias belos, ainda que fugazes, e torná-los suas posses estimadas na terra.

de ‘Obra e entrada (5)’ em “A Palavra manifesta em carne”

11. Por milhares de anos, o povo chinês levou a vida de escravo, e isso limitou tanto seus pensamentos, concepções, vida, linguagem, comportamento e ações que ficaram sem a menor liberdade. Vários milhares de anos de história tomaram pessoas vitais possuidoras de um espírito e as desgastaram, tornando-as algo semelhante a cadáveres destituídos de espírito. Muitos são os que vivem sob a faca de açougueiro de Satanás, muitos são os que vivem em lares semelhantes a covis de bestas, muitos são os que comem a mesma comida que bois ou cavalos, e muitos são os que jazem, inconscientes e desordenados, no “mundo dos mortos”. Em sua aparência externa, as pessoas não são diferentes do homem primitivo, seu lugar de descanso é como um inferno e, para companheiros, eles estão cercados por todos os tipos de demônios e espíritos malignos. Por fora, os seres humanos parecem “animais” mais elevados; na verdade, vivem e residem com demônios imundos. Sem ninguém para cuidar delas, as pessoas vivem dentro da emboscada de Satanás, presas, sem escapatória, em suas armadilhas. Em vez de se dizer que se reúnem com seus entes queridos em lares acolhedores, vivendo vidas felizes e gratificantes, deve-se dizer que os seres humanos vivem no Hades, lidando com demônios e associando-se a diabos.

de ‘Obra e entrada (5)’ em “A Palavra manifesta em carne”

12. A obra e a entrada são inerentemente práticas e dizem respeito à obra de Deus e à entrada do homem. A total incompreensão do homem sobre a verdadeira face de Deus e a obra de Deus trouxe grandes dificuldades para sua entrada. Até hoje muitos ainda não conhecem a obra que Deus realiza nos últimos dias ou por que Deus suporta enorme humilhação para se tornar carne e se juntar ao homem na prosperidade e na miséria. O homem nada sabe sobre o objetivo da obra de Deus ou sobre o propósito do plano de Deus para os últimos dias. Por várias razões, as pessoas são sempre indiferentes e ambíguas[5] sobre a entrada que Deus exige, o que tem criado grandes dificuldades para a obra de Deus na carne. Todas as pessoas parecem ter se tornado obstáculos e até hoje ainda não têm um entendimento claro. Portanto, falarei sobre a obra que Deus realiza no homem e a intenção urgente de Deus, para que todos vocês se tornem servos leais de Deus que, assim como Jó, preferem morrer a rejeitar a Deus e suportarão todo tipo de humilhação, e, assim como Pedro, oferecerão seu ser integralmente a Deus e serão os íntimos ganhos por Deus nos últimos dias. Que todos os irmãos e irmãs façam tudo o que estiver em seu poder para oferecer seu ser integralmente à vontade celestial de Deus, tornar-se servos santos na casa de Deus e desfrutar as promessas infinitas concedidas por Deus, para que em breve o coração de Deus Pai possa descansar em paz. “Cumprir a vontade de Deus Pai” deve ser o lema de todos os que amam a Deus. Essas palavras devem servir como guia para a entrada do homem e como bússola para orientar suas ações. Essa é a determinação que homem deve ter. Concluir totalmente a obra de Deus na terra e colaborar com a obra de Deus na carne — esse é o dever do homem. Algum dia, quando a obra de Deus estiver concluída, o homem Lhe dará adeus em um retorno precoce ao Pai no céu. Não é essa a responsabilidade que o homem deve cumprir?

de ‘Obra e entrada (6)’ em “A Palavra manifesta em carne”

13. Quando, na Era da Graça, Deus retornou ao terceiro céu, a obra de Deus para redimir toda a humanidade já havia entrado em seu ato final. Tudo o que restou na terra foi a cruz que Jesus carregou, o linho fino em que Jesus estava envolto e a coroa de espinhos e o manto escarlate que Jesus vestiu (esses foram os objetos que os judeus usaram para zombar Dele). Ou seja, a obra da crucificação de Jesus provocou um tumulto durante algum tempo e depois as coisas se acalmaram. A partir de então os discípulos de Jesus começaram a levar Sua obra adiante, pastoreando e regando nas igrejas por toda a parte. O conteúdo da obra deles era este: fazer com que todas as pessoas se arrependessem, admitissem seus pecados e fossem batizadas; os apóstolos espalhavam a história confidencial da crucificação de Jesus e o que realmente aconteceu, todos caíam irresistivelmente diante de Jesus para admitir seus pecados; além disso, os apóstolos espalhavam por toda parte as palavras que Jesus disse e as leis e mandamentos que Ele estabeleceu. A partir de então começou a construção de igrejas na Era da Graça. O que Jesus falou durante aquela era também focou a vida do homem e a vontade do Pai celestial. Vários daqueles pronunciamentos e práticas diferem bastante dos atuais apenas porque as eras são diferentes. Mas a essência de ambas é a mesma. Ambas são nada mais, nada menos do que a obra do Espírito de Deus na carne. Aquele tipo de obra e aquelas palavras persistem até hoje, e é por isso que o que ainda se compartilha nas igrejas religiosas atualmente é aquele tipo de coisa, completamente inalterado. Quando a obra de Jesus foi concluída, o caminho certo de Jesus Cristo estava se firmando na terra, mas Deus começou a planejar outro estágio de Sua obra, a questão da encarnação nos últimos dias. Para o homem, a crucificação de Deus concluiu a obra da encarnação de Deus, redimiu toda a humanidade e permitiu que Ele tomasse a chave do Hades. Todos creem que a obra de Deus foi totalmente realizada. Na verdade, para Deus, apenas uma pequena parte de Sua obra foi realizada. Ele apenas redimiu a humanidade; Ele não conquistou a humanidade, muito menos mudou a fealdade de Satanás no homem. É por isso que Deus diz: “Embora Minha carne encarnada tenha passado pela dor da morte, esse não era o objetivo integral da Minha encarnação. Jesus é Meu Filho amado e foi pregado na cruz por Mim, mas Ele não concluiu totalmente a Minha obra. Ele realizou apenas parte dela”. Portanto, Deus começou a segunda fase de planos para dar seguimento à obra de encarnação. O propósito final de Deus é aperfeiçoar e ganhar todos os resgatados das mãos de Satanás, razão pela qual Deus Se preparou novamente para arriscar-Se para vir na carne.

de ‘Obra e entrada (6)’ em “A Palavra manifesta em carne”

14. Em muitos lugares, Deus profetizou ganhar um grupo de vencedores na terra de Sinim. É no oriente do mundo que os vencedores são ganhos, portanto o local de chegada da segunda encarnação de Deus é sem dúvida a terra de Sinim, precisamente onde o grande dragão vermelho descansa enrolado. Lá, Deus ganhará os descendentes do grande dragão vermelho para que ele seja completamente derrotado e humilhado. Deus quer despertar essas pessoas profundamente sofridas, despertá-las completamente e fazê-las sair do nevoeiro e rejeitar o grande dragão vermelho. Deus quer despertá-las de seu sonho, fazê-las conhecer a essência do grande dragão vermelho, entregar todo seu coração a Deus, insurgir-se e sair da opressão das forças das trevas, levantar-se no oriente do mundo e tornar-se prova da vitória de Deus. Só então Deus ganhará glória. Precisamente por isso, Deus trouxe a obra que chegou ao fim em Israel para a terra onde o grande dragão vermelho descansa enrolado e, quase dois mil anos depois de partir, tornou-Se carne novamente para continuar a obra da Era da Graça. Ao olho nu do homem, Deus está inaugurando uma nova obra na carne. Mas para Deus, Ele está continuando a obra da Era da Graça, só que com uma diferença de tempo de alguns milhares de anos e uma alteração de local e projeto da obra. Embora a imagem encarnada que Deus assumiu na obra atual seja uma pessoa completamente diferente de Jesus, Eles compartilham a mesma substância e raiz e vêm da mesma fonte. É possível que tenham várias diferenças externas, mas as verdades internas da obra Deles são totalmente idênticas. As eras, afinal, são tão diferentes quanto o dia e a noite. Como pode a obra de Deus permanecer inalterada? Ou como pode a obra interromper uma à outra?

de ‘Obra e entrada (6)’ em “A Palavra manifesta em carne”

15. Jesus assumiu a aparência de um judeu, vestiu-Se como os judeus e cresceu Se alimentando de comida judaica. Esse é Seu aspecto humano normal. Mas a carne encarnada atual assume a forma do povo da Ásia e Se alimenta da comida da nação do grande dragão vermelho. Isso não vai contra o objetivo da encarnação de Deus. Ao contrário, Eles Se complementam, completando de maneira mais integral o verdadeiro significado da encarnação de Deus. Já que a carne encarnada é chamada de “Filho do homem” ou “Cristo”, a aparência externa do Cristo atual não pode ser igualada a Jesus Cristo. Afinal, a carne é chamada de “Filho do homem” e é feita à imagem da carne. Cada etapa da obra de Deus contém um significado bastante profundo. A razão pela qual Jesus foi concebido pelo Espírito Santo é porque Ele iria redimir os pecadores. Ele tinha de estar livre de pecado. Mas foi somente no final, quando Ele foi forçado a Se tornar a semelhança da carne pecaminosa e assumiu os pecados dos pecadores, que Ele os salvou da cruz amaldiçoada que Deus usou para castigar as pessoas. (A cruz é a ferramenta de Deus para amaldiçoar e castigar as pessoas; as menções a amaldiçoar e castigar se referem especificamente a amaldiçoar e castigar pecadores.) O objetivo era fazer com que todos os pecadores se arrependessem e usar a crucificação para que eles admitissem seus pecados. Isto é, para redimir toda a humanidade, Deus Se encarnou em uma carne que foi concebida pelo Espírito Santo e assumiu os pecados de toda a humanidade. A maneira mais comum de descrever isso é o oferecimento de uma carne santa em troca de todos os pecadores, o equivalente a Jesus ser uma oferta pelo pecado colocada diante de Satanás para “implorar” que Satanás devolvesse a Deus toda a humanidade inocente que ele havia espezinhado. Assim, a realização dessa etapa da obra de redenção exigia a concepção pelo Espírito Santo. Essa foi uma condição necessária, um “tratado” feito durante a batalha entre Deus Pai e Satanás. É por isso que Jesus foi entregue a Satanás e só então essa etapa da obra foi concluída. No entanto, a obra de redenção atual de Deus já possui uma magnificência sem precedentes e Satanás não tem motivos para fazer exigências, então a encarnação de Deus não requer concepção pelo Espírito Santo, pois Deus é inerentemente santo e inocente. Assim, dessa vez Deus encarnado não é mais o Jesus da Era da Graça. Mas Ele ainda é pelo bem da vontade do Deus Pai e do cumprimento dos desejos do Deus Pai. De que maneira isso pode ser considerado um pronunciamento irracional? A encarnação de Deus deve seguir um conjunto de regras?

de ‘Obra e entrada (6)’ em “A Palavra manifesta em carne”

16. Demorou até hoje para o homem perceber que o que lhe falta não é só o suprimento da vida espiritual e da experiência de conhecer Deus, mas as mudanças em seu caráter, o que é ainda mais importante. Devido à sua total ignorância sobre a história e a cultura antiga da humanidade, eles não têm o menor conhecimento da obra de Deus. O homem espera que, no fundo do coração, possa estar afeiçoado a Deus, mas devido à corrupção excessiva da carne humana, além do entorpecimento e da obtusidade, ele fica reduzido a não ter o menor conhecimento de Deus. Deus vem aos homens hoje com o propósito de transformar seus pensamentos e espíritos bem como a imagem divina no coração deles, que mantiveram por milhares de anos. Através dessa oportunidade, Ele fará o homem perfeito. Isto é, através do conhecimento humano Ele mudará a maneira como os homens chegam a conhecê-Lo e a sua atitude para com Ele, para que o conhecimento de Deus por parte deles possa começar de um novo começo, para que o coração deles seja assim renovado e transformado. Tratamento e disciplina são os meios, enquanto conquista e renovação são os objetivos. Dissipar os pensamentos supersticiosos que o homem reteve sobre o Deus vago sempre foi a intenção de Deus e recentemente se tornou uma questão de urgência para Ele. Eu espero que todas as pessoas pensem mais nisso. Mudem como cada pessoa experimenta de modo que essa intenção urgente de Deus possa ser concretizada em breve e para que a última etapa da obra de Deus na terra possa ser levada a uma conclusão frutífera. Mostrem sua lealdade como deveriam e confortem o coração de Deus pela última vez. Espero que nenhum dos irmãos e irmãs se esquive dessa responsabilidade ou simplesmente faça por fazer. Deus vem na carne desta vez a convite e à luz da condição do homem. Isto é, Ele vem suprir o homem com o que é necessário. Ele capacitará todos os homens, seja do calibre ou da educação que for, a ver a palavra de Deus e, de Sua palavra, ver a existência e a manifestação de Deus e a aceitar a perfeição deles por parte de Deus. Sua palavra mudará os pensamentos e as concepções humanas para que o verdadeiro semblante de Deus esteja firmemente enraizado nas profundezas do coração do homem. Esse é o único desejo de Deus na terra. Não importa o quanto a natureza do homem seja grande, o quanto sua essência seja pobre, nem como o homem agiu no passado, Deus não presta atenção nisso. Ele só espera que o homem renove completamente a imagem de Deus que eles têm no coração e venha a conhecer a essência da humanidade, mudando assim a perspectiva ideológica do homem. Ele espera que o homem seja capaz de sentir uma ânsia profunda por Deus e de ter um eterno apego a Ele. Isso é tudo que Deus pede ao homem.

de ‘Obra e entrada (7)’ em “A Palavra manifesta em carne”

17. O conhecimento dos vários milhares de anos de cultura e história antigas tem isolado o pensamento, as concepções e as perspectivas mentais do homem em tal rigidez que se tornaram impenetráveis e irredutíveis.[6] O homem vive no décimo oitavo nível do inferno, como se eles tivessem sido banidos por Deus para as masmorras, para nunca mais ver a luz. O pensamento feudal oprimiu o homem de tal forma que ele mal consegue respirar de tão sufocante. Eles não têm o mínimo poder de resistência e apenas suportam e sofrem em silêncio… Nunca alguém ousou lutar ou erguer-se pela retidão e pela justiça; eles simplesmente vivem uma vida não melhor que a de um animal, sob o abuso e o assalto dos senhores feudais, ano após ano, dia após dia. O homem nunca pensou em buscar Deus para desfrutar da felicidade na terra. É como se ele tivesse sido abatido, como as folhas caídas no outono, murchas e amarronzadas. Há muito tempo o homem perdeu a memória e vive impotente no inferno que se chama mundo humano, esperando a chegada do último dia para que eles possam perecer junto com o inferno, como se o último dia pelo qual anseiam fosse aquele em que desfrutarão da paz tranquila. A ética feudal tem levado a vida do homem ao “Hades”, de forma que o homem tem ainda menos capacidade de resistir. A opressão sob diferentes formas forçou o homem a cair cada vez mais fundo no Hades e a afastar-se cada vez mais de Deus. Agora Deus é um completo estranho para o homem, que se apressa em evitá-Lo quando se encontram. O homem não presta atenção em Deus e O isola como se jamais O tivesse visto ou conhecido. Deus tem esperado, ao longo da jornada da vida humana, sem jamais dirigir Sua fúria incontrolável na direção do homem. Ele simplesmente permanece esperando em silêncio que o homem se arrependa e tenha um novo começo. Há muito tempo Deus veio ao mundo humano e suporta o mesmo sofrimento que o homem. Ele tem vivido com o homem por muitos anos, sem que ninguém descubra Sua existência. Deus tem aguentado em silêncio a miséria do mundo humano enquanto realiza a obra que Ele trouxe Consigo. Pela vontade do Deus Pai e pelas necessidades da humanidade, Ele tem suportado, sofrendo dores nunca antes experimentadas pelo homem. Diante dos homens, Ele os tem servido em silêncio e tem Se humilhado, tudo em nome da vontade do Deus Pai e das necessidades da humanidade. O conhecimento da cultura antiga silenciosamente roubou o homem da presença de Deus e fez com que ele se voltasse para o rei dos diabos e seus filhos. Os Quatro Livros e os Cinco Clássicos levaram as ideias e as concepções do homem para uma outra era de rebeldia, fazendo com que o homem idolatrasse cada vez mais os autores dos Livros e dos Clássicos, aprofundando assim suas noções de Deus. O rei dos diabos, sem piedade, expulsou Deus do coração do homem sem seu conhecimento, tomando de assalto, com alegria, o coração humano. Daí em diante o homem foi possuído por uma alma feia e perversa cujo rosto é o do rei dos diabos. O ódio por Deus preencheu o peito do homem e a malignidade do rei dos diabos se espalhou pela humanidade dia após dia, até que o homem estivesse totalmente consumido. O homem já não tinha mais liberdade e era incapaz de se libertar do enrosco com o rei dos diabos. Portanto, cabia ao homem apenas permanecer no lugar e ser capturado, rendendo-se e sendo subjugado a ele. Há muito tempo o rei dos diabos plantou a semente do tumor do ateísmo dentro do jovem coração humano, ensinando falácias como “aprenda com a ciência e a tecnologia, realize as Quatro Modernizações, não existe Deus neste mundo”. Mas não só isso, ele também proclamou repetidamente: “Vamos construir uma bela terra natal através do labor diligente”, pedindo que todos estivessem preparados desde a infância para servir seu país. Inconscientemente, o homem foi levado para diante dele, que, sem hesitar, tomou para si todo o crédito (que se refere a Deus segurando toda a humanidade em Suas mãos). Ele jamais se sentiu envergonhado, jamais teve qualquer noção de vergonha. Além disso, sem nenhuma vergonha, ele capturou o povo de Deus em sua morada, quando pulou como um rato em cima da mesa, e fez com que esse povo o adorasse como Deus. Que bandido ele é! Ele proclama coisas chocantes e escandalosas, como: “Não existe Deus no mundo. O vento acontece por conta das leis da natureza; a chuva é umidade que se condensa e cai em forma de gotas na terra; um terremoto é um tremor na superfície da terra devido a transformações geológicas; a seca acontece por conta da secura na atmosfera causada por erupções nucleares na superfície do sol. Todos estes são fenômenos naturais. Qual parte deles é um ato de Deus?” Ele chega até a berrar,[a] sem nenhuma vergonha, declarações como estas: “O homem evoluiu de macacos ancestrais e o mundo de hoje progrediu a partir de uma sociedade primitiva de aproximadamente um bilhão de anos atrás. Se um país se desenvolve ou cai é decidido pelas mãos de seu povo”. Por trás, ele faz o homem pendurá-lo de cabeça para baixo na parede, colocando-o em mesas para ser venerado e louvado. Enquanto brada: “Não há Deus”, ele mesmo se considera Deus, empurrando, sem dó, Deus para fora das fronteiras da terra. Ele toma o lugar de Deus e age como o rei dos diabos. Um absurdo total! Ele faz com que o homem seja consumido por um ódio venenoso. Faz parecer que Deus é seu inimigo declarado, que Deus e ele são irreconciliáveis. Ele faz planos para expulsar Deus, enquanto ele permanece livre e sem punição.[7] Assim é o rei dos diabos! Como é que nós conseguimos tolerar a existência dele? Ele não descansará até ter interrompido a obra de Deus, deixando-a em pedaços e uma balbúrdia completa,[8] como se quisesse se opor a Deus até o fim, até que ou o peixe morra ou a rede se rompa. De caso pensado, ele se opõe a Deus e se aproxima cada vez mais. Sua face odiosa já foi há muito completamente desmascarada e agora está ferida e esmurrada,[9] num apuro terrível; nem por isso ele esmorece no ódio por Deus, como se desejasse poder devorar Deus inteiramente, numa só bocada, para tentar aliviar o ódio que traz no coração. Como o toleramos, esse odiado inimigo de Deus? Só a sua erradicação e absoluta exterminação trarão um fim ao nosso desejo de vida. Como ele pode continuar correndo desenfreado? Ele corrompeu o homem a tal ponto que o homem já não conhece mais o sol celestial, tornando-se amortecido e obtuso. O homem perdeu a razão humana normal. Por que não sacrificar todo o nosso ser para destruir e queimá-lo a fim de eliminar o medo do perigo que permanece e permitir que a obra de Deus alcance o quanto antes um esplendor sem precedentes? Essa gangue de salafrários se colocou em meio ao homem e causou confusões e inquietudes tremendas. Eles levaram todos os homens à beira do precipício, planejando em segredo empurrar cada um deles para que se despedaçassem e para que pudessem devorar seus corpos. Eles desejam em vão atrapalhar o plano de Deus e competir com Deus em uma aposta muito improvável.[10] Mas isso não é fácil mesmo! A cruz está preparada, afinal, para o rei dos diabos que é culpado dos crimes mais hediondos. Deus não pertence à cruz e já a deixou para o diabo. Há muito tempo Deus se ergueu vitorioso e já não sente o pesar pelos pecados da humanidade. Deus irá trazer a salvação para toda a humanidade.

de ‘Obra e entrada (7)’ em “A Palavra manifesta em carne”

18. De cima a baixo e do começo ao fim, isso tem perturbado a obra de Deus e agido em discórdia com Ele. Toda a discussão em torno da herança cultural antiga, da valorização do conhecimento da cultura ancestral, dos ensinamentos do taoísmo e do confucionismo, os clássicos do confucionismo e os ritos feudais levaram o homem ao inferno. A ciência e a tecnologia avançadas dos dias de hoje, bem como a indústria, a agricultura e os negócios desenvolvidos não são vistos em lugar algum. Em vez disso, eles apenas enfatizam os ritos feudais propagados pelos “macacos” ancestrais para deliberadamente perturbar a obra de Deus, para opor-se a ela e destruí-la. Essas coisas não só afligem o homem até hoje, como também desejam consumir[11] o homem por completo. O ensinamento do código de ética feudal e transmissão do conhecimento da cultura antiga infectou o homem há muito tempo, transformando o homem em demônios maiores e menores. Existem poucas pessoas que receberiam Deus de braços abertos e que receberiam com alegria a vinda de Deus. A face do homem está repleta de assassinatos e em todo lugar a morte está no ar. Eles desejam expulsar Deus desta terra; com facas e espadas em punho, eles se organizam em formação de batalha para aniquilar a Deus. Há ídolos espalhados por toda a terra do diabo onde se ensina constantemente ao homem que não há Deus. Acima de tal terra permeia um odor nauseante de papel e incenso queimando, uma fumaça tão densa que chega a ser sufocante. Parece ser o cheiro do lodo que se ergue quando a serpente se retorce e se enrola, e é o suficiente para que o homem não consiga segurar o vômito. Também é possível ouvir fracamente os demônios malignos recitando as escrituras. É um som que parece vir das profundezas do inferno e o homem não consegue impedir um calafrio na espinha. Por toda a terra espalham-se ídolos de todas as cores do arco-íris, o que transforma a terra em um mundo fascinante, onde o rei dos diabos coloca um sorriso malicioso no rosto, como se seu plano maligno tivesse sido bem-sucedido. Entretanto, o homem permanece completamente alheio a tudo isso, sem saber que o diabo já o corrompeu a ponto de deixá-lo sem sentidos e derrotado. Ele deseja varrer Deus de uma só vez, deseja novamente insultá-Lo e assassiná-Lo, e tenta demolir e perturbar Sua obra. Como ele permitiria que Deus fosse de status igual? Como ele pode tolerar que Deus “interfira” na obra que ele faz dentre os homens? Como ele pode permitir que Deus desmascare sua face odiosa? Como pode permitir que Deus perturbe sua obra? Como pode esse diabo, fumegando de raiva, permitir que Deus governe sua corte de poder na terra? Como ele poderia admitir a derrota voluntariamente? Seu semblante odioso foi revelado como realmente é, a ponto de deixar alguém sem saber se é para rir ou chorar, e do qual é verdadeiramente difícil falar. Essa não é a sua essência? Mesmo com uma alma feia ele ainda acredita que é incrivelmente belo. Ah, essa gangue de cúmplices![12] Eles descem entre os mortais para entregar-se aos prazeres e incitar a desordem. A perturbação deles causa volubilidade no mundo e traz pânico ao coração do homem; e eles tanto distorceram o homem que o homem agora se assemelha a bestas de feiura insuportável, sem possuir o menor traço do homem santo original. Eles desejam até assumir o poder como tiranos na terra. Impedem a obra de Deus de forma que ela mal possa seguir adiante e trancam o homem como se fosse atrás de paredes de bronze e aço. Depois de cometer tantos pecados e causar tantos problemas, como é que podem esperar qualquer outra coisa que não seja castigo? Os demônios e espíritos malignos têm existido enlouquecidamente na terra e isolado a vontade e o esforço meticuloso de Deus, tornando-os impenetráveis. Que pecado mortal! Como Deus poderia não Se sentir ansioso? Como Deus poderia não Se sentir furioso? Eles causam um obstáculo e uma oposição graves à obra de Deus. São rebeldes demais! Mesmo os demônios maiores e menores se tornam esnobes diante da força do demônio mais poderoso e começam a fazer ondas. Eles deliberadamente resistem à verdade, apesar de reconhecê-la com clareza. Filhos da rebelião! É como se, agora que seu rei do inferno ascendeu ao trono real, eles se tornassem presunçosos e tratassem todos os outros com desprezo. Quantos buscam a verdade e seguem a justiça? São todos bestas como porcos e cães, liderando uma gangue de moscas fedorentas em um monte de estrume para sacudir a cabeça e incitar a desordem.[13] Eles acreditam que seu rei do inferno é o mais superior dos reis, sem perceber que não passam de moscas na podridão. Não só isso, mas eles também fazem observações caluniosas contra a existência de Deus ao contar com os porcos e os cães de seus pais. As minúsculas moscas pensam que seus pais são tão grandes quanto uma baleia dentada.[14] Será que não percebem que são diminutas, ainda que esses pais sejam porcos e cães impuros um bilhão de vezes maiores que elas mesmas? Inconscientes da própria baixeza, as moscas correm desvairadas sobre o pútrido odor desses porcos e desses cães, e têm a ideia ilusória de procriar futuras gerações. Isto é absolutamente vergonhoso! Com asas verdes nas costas (algo que se refere à alegação delas de que acreditam em Deus), elas se tornam convencidas e por toda parte se gabam da própria beleza e atratividade, lançando secretamente suas impurezas sobre o homem. E elas são até presunçosas, como se um par de asas com as cores do arco-íris pudesse esconder as próprias impurezas; e assim elas perseguem a existência do Deus verdadeiro (isto se refere à história inerente do mundo religioso). Mal sabe o homem que, apesar de as asas da mosca serem belas e encantadoras, ela não passa de uma mosca minúscula cheia de sujeira e coberta de germes. Com a força de seus pais porcos e cães, elas correm ensandecidas pela terra (isto se refere aos oficiais religiosos que perseguem Deus com o argumento de ter o apoio massivo do país, traindo o verdadeiro Deus e a verdade) com avassaladora ferocidade. É como se os fantasmas dos fariseus judaicos tivessem retornado com Deus à nação do grande dragão vermelho, de volta para seu antigo ninho. Mais uma vez eles começaram a tarefa da perseguição, dando continuidade à tarefa que se estende por vários milhares de anos. Esse grupo de degenerados está condenado a perecer na terra, no fim! Parece que, depois de vários milênios, os espíritos impuros se tornaram ainda mais engenhosos e dissimulados. Eles sempre pensam em maneiras de sabotar secretamente a obra de Deus. Eles são ardilosos e sagazes e desejam reencenar na terra natal a mesma tragédia de vários milênios atrás. Isso quase incita Deus a soltar um grito em voz alta e Ele mal consegue Se impedir de voltar ao terceiro céu e aniquilá-los. Para que ame a Deus, o homem precisa compreender Sua vontade e Sua alegria e tristeza, bem como o que Ele abomina. Esse conhecimento servirá para promover a entrada do homem. Quanto mais rápida for a entrada do homem, tanto mais satisfeito estará o coração de Deus; quanto mais claro for o discernimento que o homem tem do rei dos diabos, tanto mais ele se aproximará de Deus, para que o Seu desejo seja realizado.

de ‘Obra e entrada (7)’ em “A Palavra manifesta em carne”

19. Eu tenho falado tantas vezes que a obra de Deus nos últimos dias tem o objetivo de alterar o espírito de cada pessoa, mudar a alma de cada pessoa, de modo que seu coração, que sofreu grande trauma, seja reformado, resgatando assim sua alma, que foi tão profundamente prejudicada pelo mal; tem o objetivo de despertar o espírito das pessoas, derreter seu coração congelado e permitir que se rejuvenesça. Essa é a maior vontade de Deus. Deixe de falar de como a vida e as experiências do homem são elevadas ou profundas; quando o coração das pessoas tiver sido despertado, quando tiver acordado de seus sonhos e conhecer muito bem o prejuízo causado pelo grande dragão vermelho, a obra do ministério de Deus terá sido concluída. O dia em que a obra de Deus estiver terminada será também quando o homem iniciará oficialmente a senda da crença correta em Deus. Nesse momento, o ministério de Deus terá chegado ao fim: a obra de Deus tornado carne terá terminada completamente, e o homem começará oficialmente a fazer o dever que deve fazer; ele fará seu ministério. Esses são os passos da obra de Deus. Assim, vocês devem tatear por sua senda de entrada sobre o fundamento do conhecimento dessas coisas. Tudo isso é o que vocês devem compreender. A entrada do homem só vai melhorar quando mudanças tiverem ocorrido no fundo de seu coração, pois a obra de Deus é a salvação completa do homem — o homem que foi redimido, que ainda vive sob as forças das trevas e que nunca despertou — desse local de encontro de demônios; é para que o homem seja libertado de milênios de pecado e seja amado por Deus, derrubando completamente o grande dragão vermelho, estabelecendo o reino de Deus e trazendo descanso ao coração de Deus mais cedo; é para dar vazão, sem reserva, ao ódio que incha seu peito, para erradicar aqueles germes bolorentos, para permitir que vocês abandonem essa vida que não é diferente da de um boi ou de um cavalo, para que não sejam mais escravos, para que não sejam mais livremente pisoteados ou comandados pelo grande dragão vermelho; vocês não farão mais parte dessa nação falida, já não pertencerão mais ao odioso grande dragão vermelho, já não serão mais escravizados por ele. O ninho dos demônios certamente será despedaçado por Deus, e vocês estarão ao lado de Deus — vocês pertencem a Deus e não pertencem a esse império de escravos. Há muito tempo Deus tem abominado essa sociedade obscura até os ossos. Ele range os dentes, desesperado para fincar os pés nessa velha serpente perversa e odiosa, de modo que nunca mais volte a se erguer e nunca mais volte a abusar do homem; Ele não perdoará suas ações do passado, Ele não tolerará seu engano do homem, Ele acertará as contas para cada um de seus pecados ao longo das eras; Deus não será nem um pouco leniente com o líder de todo o mal,[15] Ele o destruirá completamente.

de ‘Obra e entrada (8)’ em “A Palavra manifesta em carne”

20. Durante milhares de anos, essa tem sido a terra da imundice, é insuportavelmente suja, a miséria abunda, fantasmas correm desenfreados por toda parte, enganando e iludindo, fazendo acusações infundadas,[16] sendo impiedosos e viciosos, pisoteando essa cidade fantasma e a deixando coberta de cadáveres; o fedor da decadência cobre a terra e permeia o ar, e é fortemente vigiada.[17] Quem é capaz de enxergar o mundo além dos céus? O diabo amarra firmemente todo o corpo do homem, apaga seus olhos e sela seus lábios com firmeza. O rei dos diabos tem causado alvoroço por vários milhares de anos até o dia de hoje, quando ainda mantém forte vigilância sobre a cidade fantasma, como se fosse um palácio de demônios impenetrável; enquanto isso, essa matilha de cães de guarda observa com olhos ferozes, com um profundo medo de que Deus os pegue desprevenidos e os extermine, deixando-os sem um lugar de paz e felicidade. Como as pessoas de uma cidade fantasma tal como essa puderam um dia ter visto Deus? Alguma vez já desfrutaram do carinho e da amabilidade de Deus? Que apreciação têm elas das questões do mundo humano? Quem entre elas é capaz de compreender a vontade ávida de Deus? Portanto, não é de surpreender que Deus encarnado continue completamente escondido: em uma sociedade obscura como essa, onde os demônios são impiedosos e desumanos, como o rei dos diabos, que mata pessoas em um piscar de olhos, poderia tolerar a existência de um Deus que é amável, bondoso e também santo? Como poderia aplaudir e comemorar a chegada de Deus? Lacaios! Retribuem bondade com ódio, há muito desdenham de Deus, abusam de Deus, são selvagens ao extremo, não têm a menor consideração por Deus, saqueiam e pilham, perderam toda a consciência, não têm nem um resquício de bondade e tentam os inocentes à insensatez. Ancestrais dos antigos? Líderes adorados? Todos eles se opõem a Deus! Sua interferência deixou tudo sob o céu em estado de escuridão e caos! Liberdade religiosa? Direitos e interesses legítimos dos cidadãos? São todos truques para encobrir o pecado! Quem abraçou a obra de Deus? Quem entregou sua vida ou derramou seu sangue pela obra de Deus? Geração após geração, de pais a filhos, o homem escravizado tem escravizado Deus sem cerimônia — como isso poderia não incitar fúria? Milhares de anos de ódio estão concentrados no coração, milênios de pecaminosidade estão gravados no coração — como isso poderia não inspirar aversão? Vingue Deus, elimine completamente Seu inimigo, não permita que ele continue a correr desenfreado, não permita mais que ele cause tantos problemas quanto deseje! Agora é a hora: desde muito o homem tem reunido toda a sua força, tem dedicado todos os seus esforços, tem pago cada preço para isto, para arrancar a face hedionda desse demônio e para permitir que as pessoas, que foram cegadas e suportaram todo tipo de sofrimento e dificuldade, se ergam de sua dor e deem as costas para esse velho diabo mau. Por que erguer um obstáculo assim tão impenetrável para a obra de Deus? Por que usar diversos truques para enganar o povo de Deus? Onde estão a verdadeira liberdade e os direitos e interesses legítimos? Onde está a justiça? Onde está o conforto? Onde está o calor? Por que usar esquemas ardilosos para enganar o povo de Deus? Por que usar força para suprimir a vinda de Deus? Por que não permitir que Deus circule livremente pela terra que Ele criou? Por que perseguir Deus até que Ele não tenha mais onde descansar a Sua cabeça? Onde está o calor entre os homens? Onde estão as boas-vindas entre as pessoas? Por que causar um anseio tão desesperado em Deus? Por que fazer Deus clamar vez após outra? Por que forçar Deus a se preocupar com Seu amado Filho? Por que esta sociedade obscura e seus cães de guarda deploráveis não permitem que Deus entre e saia livremente no meio do mundo que Ele criou? Por que o homem não compreende, o homem que vive em meio a dor e sofrimento? Pelo bem de vocês, Deus suportou grande tormento, com muita dor Ele concedeu Seu amado Filho, Seu sangue e Sua carne, a vocês — então, por que vocês ainda fazem vista grossa? À plena vista de todos, vocês rejeitam a chegada de Deus e recusam a amizade de Deus. Por que vocês são assim tão inescrupulosos? Estão dispostos a suportar as injustiças em uma sociedade obscura como essa? Por que, em vez de encher sua barriga com milênios de inimizade, vocês se fartam com a “merda” do rei dos diabos?

de ‘Obra e entrada (8)’ em “A Palavra manifesta em carne”

21. Quão grandes são os obstáculos à obra de Deus? Alguém, algum dia, soube? Com as pessoas enjauladas pelas cores supersticiosas enraizadas, quem é capaz de conhecer a verdadeira face de Deus? Com esse conhecimento cultural retrógrado, tão raso e absurdo, como poderiam entender plenamente as palavras faladas por Deus? Mesmo quando lhes falam e alimentam cara a cara, boca a boca, como poderiam compreender? Às vezes é como se as palavras de Deus tivessem caído em ouvidos moucos: as pessoas não têm a menor reação, balançam a cabeça e não entendem nada. Como isso não seria preocupante? Essa “história cultural e conhecimento cultural distante[18] e antigo” alimentou esse grupo tão inútil de pessoas. Essa cultura antiga — herança preciosa — é um monte de porcaria! Tornou-se uma mácula eterna e indizível há muito tempo! Ensinou às pessoas os truques e as técnicas de se opor a Deus, e a “orientação ordenada e suave”[19] da educação nacional fez com que as pessoas ficassem ainda mais desobedientes a Deus. Cada parte da obra de Deus é extremamente difícil, e cada passo de Sua obra sobre a terra tem sido aflitivo a Deus. Como a obra Dele na terra é difícil! Os passos da obra de Deus na terra envolvem muita dificuldade: fraquezas, deficiências, infantilidade, ignorância e tudo o que é do homem — cada coisa é meticulosamente planejada e escrupulosamente considerada por Deus. O homem é como um tigre de papel que não se ousa atormentar ou provocar; ao menor toque ele dá uma mordida, ou então cai e perde seu caminho e é como se, à menor perda de concentração, ele tenha uma recaída, ou então ignore a Deus, ou corra para seu pai porco e sua mãe cadela para se refestelar nas coisas impuras do corpo deles. Que estorvo enorme! Praticamente a cada passo de Sua obra, Deus é colocado à prova, e cada passo traz grande perigo. Suas palavras são sinceras e honestas, além de não terem malícia, no entanto, quem está disposto a aceitá-las? Quem está disposto a se submeter totalmente? Deus fica com o coração partido. Ele trabalha com afinco, dia e noite, pelo homem; Ele é tomado de ansiedade pela vida do homem e Ele Se compadece da fraqueza do homem. Ele suportou muitas reviravoltas a cada passo de Sua obra, por cada palavra que Ele profere; Ele está sempre entre a espada e a parede e pensa na fraqueza, na desobediência, na infantilidade e na vulnerabilidade do homem… hora após hora, vez após outra. Quem algum dia soube disso? A quem Ele pode fazer confidências? Quem seria capaz de entender? Ele sempre abomina os pecados do homem, a falta de coragem e a covardia do homem, e Ele sempre Se preocupa com a vulnerabilidade do homem e contempla o caminho que se estende diante do homem; sempre, ao observar as palavras e os atos dos homens, Ele Se enche de misericórdia e de ira, e a visão dessas coisas sempre traz dor a Seu coração. Os inocentes, afinal de contas, tornaram-se calejados; por que Deus sempre tem que fazer com que as coisas sejam difíceis para eles? O homem fraco é totalmente desprovido de perseverança; por que Deus sempre deveria ter uma ira tão incessante para com ele? O homem fraco e impotente já não tem mais a menor vitalidade; por que Deus sempre o repreenderia por sua desobediência? Quem é capaz de suportar as ameaças de Deus no céu? O homem, afinal de contas, é frágil, e em situações desesperadas, Deus enfiou Sua ira no fundo de Seu coração para que o homem possa refletir lentamente sobre si mesmo. No entanto, o homem, que está em grave problema, não tem a menor apreciação pela vontade de Deus; ele foi pisoteado pelo velho rei dos diabos, mas ainda está completamente inconsciente, sempre se coloca contra Deus ou não é nem quente nem frio para com Deus. Deus proferiu tantas palavras, no entanto, quem algum dia as levou a sério? O homem não compreende as palavras de Deus e, no entanto, permanece imperturbável e sem anseio e nunca realmente conheceu a substância do velho diabo. As pessoas vivem no Hades, no inferno, mas acreditam que vivem no palácio do leito do mar; são perseguidas pelo grande dragão vermelho, mas se consideram “favorecidas”[20] pelo país do dragão; são ridicularizadas pelo diabo, mas acham que desfrutam do talento artístico superlativo da carne. Que bando de miseráveis sujos e baixos eles são! O homem deparou com o infortúnio, mas ele não sabe disso e, nesta sociedade obscura, ele sofre percalço após percalço,[21] no entanto, ele nunca acordou para isto. Quando será que ele vai se livrar dessa bondade para consigo mesmo e desse caráter à escravidão? Por que ele é tão desinteressado quanto ao coração de Deus? Ele tolera essa opressão e dificuldade em silêncio? Ele não espera pelo dia em que poderá transformar a escuridão em luz? Não deseja mais uma vez remediar as injustiças contra a justiça e a verdade? Está disposto a observar e não fazer nada enquanto as pessoas abrem mão da verdade e distorcem os fatos? Está feliz de continuar suportando esses maus tratos? Está disposto a ser um escravo? Está disposto a perecer nas mãos de Deus junto com os bens desse estado fracassado? Onde está a sua determinação? Onde está a sua ambição? Onde está a sua dignidade? Onde está a sua integridade? Onde está a sua liberdade? Você está disposto a oferecer toda a sua vida[22] ao grande dragão vermelho, ao rei dos diabos? Está contente em deixar que ele o torture até a morte? A face das profundezas é caótica e escura, as pessoas comuns, sofrendo tal aflição, clamam ao Céu e reclamam à terra. Quando o homem será capaz de erguer a cabeça? O homem está esquelético e emaciado, como pode enfrentar esse diabo cruel e tirânico? Por que ele não entrega a vida a Deus assim que possível? Por que ainda vacila, quando poderá terminar a obra de Deus? Despropositadamente maltratado e oprimido, a sua vida toda, no fim, terá sido gasta em vão; por que ele tem tanta pressa de chegar e tanta pressa de partir? Por que ele não guarda algo precioso para entregar a Deus? Ele esqueceu os milênios de ódio?

de ‘Obra e entrada (8)’ em “A Palavra manifesta em carne”

22. As tradições étnicas e perspectivas mentais entrincheiradas há muito lançaram uma sombra sobre o espírito puro e infantil do homem, atacaram a alma do homem sem a menor humanidade, como se desprovidas de emoção ou qualquer senso de individualidade. Os métodos desses demônios são extremamente cruéis, e é como se “educação” e “nutrição” se tornassem os métodos tradicionais pelos quais o rei dos diabos abate o homem; utilizando seu “ensinamento profundo”, ele cobre sua feia alma por completo, veste roupas de ovelha para ganhar a confiança do homem e, em seguida, aproveita quando o homem está dormindo para devorá-lo por inteiro. Pobre humanidade — como poderia ela saber que a terra na qual cresceu é a terra do diabo, que quem a criou é, na verdade, um inimigo que a fere. No entanto, o homem não desperta de maneira alguma; tendo saciado sua fome e sede, ele se prepara para retribuir a “bondade” de seus “pais” por educá-lo. O homem é assim. Ainda hoje ele não sabe que o rei que o criou é seu inimigo. A terra está cheia dos ossos dos mortos, o diabo se diverte à beça sem cessar e continua devorando a carne do homem no “mundo dos mortos”, compartilhando uma sepultura com esqueletos humanos e tentando em vão consumir os últimos restos do corpo lacerado do homem. No entanto, o homem é ignorante, e nunca tratou o diabo como seu inimigo, ao contrário, serve-o com todo seu coração. Tais pessoas depravadas são simplesmente incapazes de conhecer a Deus. É fácil para Deus Se tornar carne e vir entre eles, realizando toda a Sua obra de salvação? Como poderia o homem, que já mergulhou no Hades, ser capaz de satisfazer as exigências de Deus? Muitas são as noites de insônia que Deus suporta em prol da obra da humanidade. Das alturas às mais baixas profundezas, Ele desceu ao inferno vivo no qual o homem vive para passar Seus dias com o homem; Ele nunca Se queixou da mesquinharia entre os homens, nunca censurou o homem por sua desobediência, mas resiste à maior humilhação quando realiza pessoalmente Sua obra. Como Deus poderia pertencer ao inferno? Como Ele poderia passar Sua vida no inferno? Mas para o bem de toda a humanidade, para que toda a humanidade possa encontrar descanso mais cedo, Ele suportou a humilhação e sofreu injustiça para vir à terra e entrou pessoalmente no “inferno” e no “Hades”, na cova do tigre, para salvar o homem. Como o homem se qualifica para se opor a Deus? Que razão ele tem para mais uma vez se queixar de Deus? Como ele pode ter a ousadia de olhar para Deus novamente? Deus do Céu veio a esta terra mais imunda de vício, e nunca desabafou Suas queixas ou Se queixou do homem; em vez disso, aceita silenciosamente a devastação[23] e a opressão do homem. Ele nunca reagiu às exigências descabidas do homem, nunca fez exigências excessivas ao homem e nunca fez exigências descabidas ao homem; Ele meramente faz todo o trabalho exigido pelo homem sem reclamar: ensinando, esclarecendo, repreendendo, o refinamento das palavras, lembrando, exortando, consolando, julgando e revelando. Qual dos Seus passos não foi para a vida do homem? Embora Ele tenha removido as perspectivas e o destino do homem, qual dos passos realizados por Deus não foi para o destino do homem? Qual deles não foi em benefício da sobrevivência do homem? Qual deles não foi para libertar o homem do sofrimento e da opressão das forças das trevas escuras como a noite? Qual deles não é em prol do homem? Quem pode entender o coração de Deus, que é como uma mãe amorosa? Quem pode compreender o coração ansioso de Deus? O coração apaixonado e as expectativas ardentes de Deus foram retribuídos com corações frios, olhos insensíveis e indiferentes, repetidas repreensões e insultos do homem, com comentários cortantes, sarcasmo e depreciação, foram retribuídos com a ridicularização do homem, com seu pisoteio e rejeição, com sua incompreensão, gemido, estranhamento e evasão, com nada além de logro, ataques e amargura. Palavras calorosas foram recebidas com sobrancelhas ferozes e o frio desafio de mil dedos em abano. Deus pode apenas suportar, cabisbaixo, servir as pessoas como um boi disposto.[24] Quantos sóis e luas, quantas vezes Ele enfrentou as estrelas, quantas vezes Ele partiu ao alvorecer e retornou ao anoitece, virou e revirou, suportando agonia mil vezes maior do que a dor de Sua partida de Seu Pai, suportando os ataques e a quebra do homem, o tratamento e a poda do homem. A humildade e a ocultabilidade de Deus são recompensados com o preconceito[25] do homem, com as visões e tratamento injustos do homem, e Seu anonimato, paciência e tolerância são recompensados com o olhar ganancioso do homem; o homem tenta pisotear Deus até a morte, sem remorso, e tenta atropelar Deus no chão. A atitude do homem em seu tratamento para com Deus é de “esperteza rara”, e Deus, que é maltratado e desdenhado pelo homem, é esmagado sob os pés de dezenas de milhares de pessoas enquanto o próprio homem se ergue, como se fosse o rei do castelo, como se ele quisesse ter poder absoluto,[26] para manter a corte a partir dos bastidores, para fazer de Deus o diretor consciencioso e cumpridor das regras nos bastidores, a quem não é permitido revidar ou causar problemas; Deus deve desempenhar o papel do Último Imperador, Ele deve ser um fantoche,[27] desprovido de toda a liberdade. As ações do homem são indescritíveis, então como ele está qualificado para exigir isto ou aquilo de Deus? Como ele está qualificado para propor sugestões a Deus? Como ele está qualificado para exigir que Deus compadeça-Se de suas fraquezas? Como ele está apto para receber a misericórdia de Deus? Como ele está apto para receber a magnanimidade de Deus vez após vez? Como ele está apto para receber o perdão de Deus uma e outra vez? Onde está sua consciência? Ele partiu o coração de Deus há muito tempo; há muito deixou o coração de Deus em pedaços. Deus veio entre os homens atento e entusiasmado, esperando que o homem fosse caridoso para com Ele, mesmo que apenas com um pouco de calor. No entanto, o coração de Deus demora a ser consolado pelo homem, tudo o que Ele recebeu são ataques de bola de neve[28] e tormentos; o coração do homem é muito ganancioso, seu desejo é muito grande, ele nunca pode ser satisfeito, é sempre malicioso e imprudente, nunca permite a Deus qualquer liberdade ou direito de falar, e ele não deixa a Deus nenhuma outra opção senão submeter-Se à humilhação e permitir que o homem O manipule como quiser.

de ‘Obra e entrada (9)’ em “A Palavra manifesta em carne”

23. Da criação até agora, Deus suportou tanta dor e sofreu tantos ataques. No entanto, ainda hoje, o homem ainda não relaxa suas exigências de Deus, ainda estuda a Deus, ainda não tem tolerância para com Ele, e nada faz senão dar conselhos, criticá-Lo e discipliná-Lo, como se temesse profundamente que Deus tomasse o caminho errado, que Deus na terra fosse brutal e irracional, fora de controle, ou que Ele não fosse dar em nada. O homem sempre tem esse tipo de atitude para com Deus. Como poderia isso não entristecer a Deus? Ao Se tornar carne, Deus suportou tremenda dor e humilhação; quão pior, então, fazer Deus aceitar os ensinamentos do homem? Sua chegada entre os homens O despojou de toda liberdade, como se estivesse aprisionado no Hades, e Ele aceitou a dissecação do homem sem a menor resistência. Isso não é vergonhoso? Ao vir para a família de um homem normal, Jesus sofreu a maior injustiça. Ainda mais humilhante é que Ele veio a este mundo empoeirado, Se humilhou até as mais baixas profundezas, e assumiu uma carne de extraordinária normalidade. Ao Se tornar um parco ser humano, o Deus Altíssimo não sofre dificuldades? E isso não é tudo para a humanidade? Houve algum momento em que Ele pensou em Si mesmo? Depois que Ele foi rejeitado e morto pelos judeus e zombado e ridicularizado pelo povo, Ele nunca reclamou para o Céu ou protestou para a terra. Hoje, essa tragédia milenar reapareceu nesse povo parecido com o judeu. Eles não cometem os mesmos pecados? O que qualifica o homem para receber as promessas de Deus? Ele não se opõe a Deus e depois aceita Suas bênçãos? Por que o homem nunca enfrenta a justiça ou procura a verdade? Por que ele nunca está interessado no que Deus faz? Onde está sua retidão? Onde está sua justiça? Ele tem a ousadia de representar a Deus? Onde está seu senso de justiça? Quanto daquilo que é amado pelo homem é amado por Deus? O homem não consegue diferenciar alho de bugalho,[29] ele sempre confunde preto com branco,[30] suprime a justiça e a verdade, e mantém a injustiça e a iniquidade em alta posição. Ele afasta a luz e brinca em meio à escuridão. Aqueles que buscam a verdade e a justiça, em vez disso, afugentam a luz, aqueles que buscam a Deus O pisam sob seus pés e se elevam para o céu. O homem não é diferente de um bandido.[31] Onde está a razão dele? Quem pode distinguir o certo do errado? Quem pode defender a justiça? Quem está disposto a sofrer pela verdade? As pessoas são cruéis e diabólicas! Tendo pregado Deus na cruz, batem palmas e aplaudem, seus gritos selvagens não cessam. São como galinhas e cachorros, pactuam e conspiram; eles estabeleceram seu próprio reino, sua intromissão não deixou nenhum lugar intacto, fecham seus olhos e uivam loucamente sem parar, todos agrupados, e uma atmosfera túrbida permeia, é movimentada e animada, e aqueles que se prendem cegamente a outros continuam emergindo, todos sustentando os nomes “ilustres” de seus antepassados. Esses cães e galinhas há muito tempo colocaram Deus no fundo de sua mente e nunca prestaram atenção ao estado do coração de Deus. Não é de admirar que Deus diga que o homem é como um cachorro ou uma galinha, um cachorro que late, que faz cem outros uivarem; dessa forma, com muito barulho, ele trouxe a obra de Deus até os dias atuais, negligente de como é a obra de Deus, se há justiça, se Deus tem um lugar onde colocar os pés, como será o amanhã, sua própria baixeza e sua própria imundície. O homem nunca pensou muito sobre as coisas, nunca se preocupou com o amanhã, e reuniu tudo o que é benéfico e precioso em seu próprio abraço, não deixando nada para Deus, exceto restos e sobras.[32] Quão cruel é a humanidade! Ele não guarda nenhum sentimento por Deus, e depois de secretamente devorar tudo de Deus, ele joga Deus bem para trás, sem dar mais atenção à Sua existência. Ele desfruta de Deus, mas se opõe a Deus e esmaga-O sob os pés, enquanto em sua boca ele dá graças e louva a Deus; ele ora a Deus e depende de Deus, ao mesmo tempo em que engana a Deus; ele “exalta” o nome de Deus e olha para a face de Deus; todavia, ele também, descaradamente e sem vergonha alguma se assenta no trono de Deus e julga a “injustiça” de Deus; de sua boca vêm as palavras de que ele está em dívida com Deus, e ele olha para as palavras de Deus, ainda que em seu coração ele lance ofensas contra Deus; ele é “tolerante” para com Deus, mas oprime Deus, e sua boca diz que é em prol de Deus; em suas mãos ele segura as coisas de Deus, e em sua boca ele mastiga a comida que Deus lhe deu, mas seus olhos fixam um olhar frio e sem emoção em Deus, como se ele quisesse engoli-Lo por completo; ele olha para a verdade, mas insiste em dizer que é um truque de Satanás; ele olha para a justiça, mas a força a se tornar abnegação; ele olha para os feitos do homem, mas insiste que eles são o que Deus é; ele olha para os dons naturais do homem, mas insiste que eles são a verdade; ele olha para os feitos de Deus, mas insiste que eles são arrogância e vanglória, fanfarronice e presunção; quando o homem olha para Deus, ele insiste em rotulá-Lo como humano, e se esforça para colocá-Lo no assento de um ser criado que está em conluio com Satanás; ele sabe muito bem que são as declarações de Deus, mas não as chamará de nada além de escritos de um homem; ele sabe muito bem que o Espírito é realizado na carne, Deus Se torna carne, mas diz apenas que essa carne é o descendente de Satanás; ele sabe muito bem que Deus é humilde e oculto, mas diz apenas que Satanás foi envergonhado e que Deus venceu. Que imprestável! O homem não é digno nem para servir de cão de guarda! Ele não diferencia preto do branco e transforma preto em branco intencionalmente. Podem as forças do homem e o assédio do homem tolerar o dia da emancipação de Deus? Depois de se opor a Deus intencionalmente, o homem não poderia se importar menos, ou chega ao ponto de matá-Lo, não dando a Deus permissão para Se mostrar. Onde está a justiça? Onde está o amor? Ele se senta ao lado de Deus e força Deus a implorar por perdão de joelhos, a obedecer a todos os seus arranjos, a concordar com todas as suas manobras, e faz Deus receber dele Seu sinal em tudo o que Ele faz, ou então ele fica indignado[33] e explode em fúria. Como poderia Deus não ficar angustiado sob tal influência das trevas, que transforma preto em branco? Como Ele poderia não Se preocupar? Por que é dito que quando Deus iniciou Sua última obra foi como o alvorecer de uma nova época? As ações do homem são tão “ricas”, a “nascente da água viva em fluxo eterno” incessantemente “reabastece” o campo do coração do homem, enquanto a “fonte de água viva” do homem compete contra Deus sem escrúpulos;[34] os dois são irreconciliáveis, e provê para as pessoas no lugar de Deus com impunidade, enquanto o homem coopera com ele sem qualquer consideração dos perigos envolvidos. E para que efeito? Ele lança Deus para o lado friamente, e O afasta para longe, onde as pessoas não Lhe darão atenção, profundamente temerosos de que Ele atrairá a atenção deles, e profundamente temerosos que a fonte de água viva de Deus atraia o homem e ganhe o homem. Assim, depois de vivenciar muitos anos de preocupações mundanas, ele conspira e faz intrigas contra Deus, e até faz de Deus o alvo de seu castigo. É como se Deus se tornasse como uma trave em seus olhos, e ele fica desesperado para agarrar a Deus e colocá-Lo no fogo para ser refinado e purificado. Ao ver o desconforto de Deus, o homem bate no peito e ri, dança de alegria e diz que Deus também mergulhou no refinamento, diz que vai limpar as imundas impurezas de Deus, como se isso fosse racional e sensato, como se somente esses fossem os métodos justos e razoáveis do Céu. Esse comportamento violento do homem parece tanto intencional como inconsciente. O homem revela ambos seu rosto feio e a sua alma hedionda e imunda, bem como a aparência lamentável de um mendigo; depois de tumultuar por toda parte, ele adota uma aparência patética e implora pelo perdão do Céu, algo semelhante a um pug extremamente lastimável. O homem sempre age de maneiras inesperadas, ele sempre “monta sobre as costas de um tigre para assustar os outros”,[b] ele está sempre representando um papel, não dá a menor consideração ao coração de Deus, nem faz qualquer comparação com sua própria condição. Ele simplesmente se opõe silenciosamente a Deus, como se Deus o tivesse tratado de modo injusto e não devesse tratá-lo assim, e como se o Céu não tivesse olhos e dificultasse as coisas para ele de forma intencional. Assim, o homem sempre realiza secretamente conspirações cruéis, e ele não relaxa suas exigências de Deus nem um pouco, olhando com olhos predatórios, olhando furiosamente para cada movimento de Deus, nunca pensando que ele é o inimigo de Deus, e esperando chegar o dia em que Deus dissipará o nevoeiro, deixará as coisas claras, o salvará da “boca do tigre” e se vingará por ele. Mesmo hoje, as pessoas ainda não pensam estar representando o papel de se opor a Deus, papel que já foi representado por tantos ao longo dos tempos; como poderiam saber que, em tudo o que fazem, há muito se desviaram, que tudo o que entenderam foi há muito engolido pelos mares.

de ‘Obra e entrada (9)’ em “A Palavra manifesta em carne”

24. A humanidade ter progredido até aqui é uma situação sem precedentes. A obra de Deus e a entrada do homem avançam lado a lado e, assim, a obra de Deus também é uma ocasião grandiosa e sem paralelos. A entrada do homem é até hoje uma maravilha nunca antes imaginada pelo homem. A obra de Deus atingiu seu apogeu — e, posteriormente, a “entrada” do homem[35] também atingiu seu pico. Deus Se rebaixou tanto quanto pôde, e Ele nunca protestou contra a humanidade ou todas as coisas no universo. Enquanto isso, o homem pisa na cabeça de Deus, oprimindo-O ao máximo; tudo atingiu seu pico, e é hora de chegar o dia em que a retidão aparecerá. Por que continuar a deixar as trevas cobrirem a terra e a escuridão encobrir todos os povos? Deus observa há vários milhares de anos — até mesmo há dezenas de milhares de anos — e Sua tolerância há muito chegou ao seu limite. Ele tem assistido a todos os movimentos da humanidade, Ele tem observado por quanto tempo a injustiça do homem vai correr fora de controle, e ainda assim o homem, que há muito ficou entorpecido, nada sente. E quem já observou as ações de Deus? Quem já ergueu os olhos e olhou para longe? Quem já ouviu atentamente? Quem já esteve nas mãos do Todo-Poderoso? As pessoas são atormentadas por medos imaginários.[36] Qual a utilidade de um monte de feno e palha? A única coisa que elas podem fazer é torturar o Deus vivo encarnado até a morte. Embora sejam montes de feno e palha, ainda há uma coisa que fazem “melhor de tudo”:[37] torturar Deus até a morte enquanto vive e depois clamar que “isso alegra o coração do povo”. Que bando de soldados de camarão e generais de caranguejo!* Em meio a um fluxo incessante de pessoas, é notável que concentrem sua atenção em Deus, envolvendo-O em um bloqueio impenetrável. Seu fervor queima cada vez mais quente,[38] cercaram Deus em hordas, de modo que Ele não pode Se mover um centímetro. Em suas mãos, seguram todo tipo de arma, e olham para Deus como se olhassem para um inimigo, seus olhos cheios de raiva; estão ansiosas para “despedaçar Deus membro por membro”. Que desconcertante: por que o homem e Deus se tornaram inimigos tão irreconciliáveis? Haveria rancor entre o mais adorável Deus e o homem? As ações de Deus não são benéficas para o homem? Elas prejudicam o homem? O homem fixa um olhar inabalável em Deus, profundamente temeroso de que Ele romperá o bloqueio do homem, retornará ao terceiro céu e mais uma vez lançará o homem na masmorra. O homem desconfia de Deus, está em suspense e se rastejando através do terreno, à distância, mantendo uma “metralhadora” apontada para o Deus entre os homens. É como se, ao mais leve movimento de Deus, o homem apagar tudo que diz respeito a Ele — todo o Seu corpo e tudo o que Ele usa — não deixando nada para trás. O relacionamento entre Deus e o homem está além de reparo. Deus é incompreensível para o homem; enquanto isso, o homem fecha deliberadamente os olhos e desperdiça o tempo, totalmente sem vontade de ver a Minha existência e sem perdoar Meu julgamento. Assim, quando o homem menos espera, flutuo silenciosamente para longe, e não mais compararei quem é alto e quem é baixo com o homem. A humanidade é o “animal” mais baixo de todos, e Eu não quero mais lhe dar ouvidos. Há muito levei a totalidade da Minha graça de volta ao lugar em que resido pacificamente; como o homem é tão desobediente, que razão ele tem para continuar desfrutando de Minha preciosa graça? Não estou disposto a conceder em vão Minha graça às forças hostis a Mim. Eu prefiro conceder Meus preciosos frutos aos agricultores de Canaã, que são zelosos e saúdam Meu retorno com sinceridade. Desejo apenas que os céus durem pela eternidade e, mais do que isso, que o homem nunca envelheça, que os céus e o homem estejam sempre em repouso e que aqueles “pinheiros e ciprestes” sempre verdes acompanhem Deus para sempre, e para sempre acompanhem os céus na entrada da era ideal juntos.

de ‘Obra e entrada (10)’ em “A Palavra manifesta em carne”

25. Embora a obra de Deus seja rica e abundante, a entrada do homem é muito deficiente. Do “empreendimento” conjunto entre o homem e Deus, quase tudo é obra de Deus; com relação a quanto o homem entrou, ele não tem quase nada para mostrar. O homem, que é tão empobrecido e cego, até compara sua força com o Deus de hoje com “armas antigas” em suas mãos. Estes “macacos primitivos” mal conseguem andar eretos e não têm vergonha de seus corpos “nus”. O que os qualifica para avaliar a obra de Deus? Os olhos de muitos desses macacos de quatro membros ficam cheios de raiva, e eles se colocam contra Deus com antigas armas de pedra em suas mãos, tentando iniciar uma disputa de homens-macaco que o mundo nunca viu antes, para fazer uma competição dos últimos dias entre os homens-macaco e Deus que ficará famosa em toda a terra. Muitos desses antigos homens-macaco, semi-eretos, transbordam complacência. O cabelo emaranhado cobre seus rostos, eles estão cheios de intenção assassina e levantam suas pernas dianteiras. Eles ainda precisam evoluir por completo para se transformarem no homem moderno, então às vezes eles ficam de pé, e às vezes rastejam, gotas de suor cobrindo suas testas como gotas de orvalho compactas, sua ânsia é autoevidente. Ao olhar para o homem-macaco imaculado e antigo, seu companheiro, de quatro, seus quatro membros volumosos e lentos, quase incapazes de afastar os golpes e sem forças para resistir, eles mal conseguem se conter. Em um piscar de olhos — antes que haja tempo para ver o que aconteceu — o “herói” no ringue cai no chão, membros ao ar. Esses membros, erroneamente plantados no chão durante todos esses anos, foram repentinamente virados de cabeça para baixo, e o homem-macaco não tem mais desejo algum de resistir. A partir desse momento, os mais antigos dos homens-macacos são varridos da face da terra — é verdadeiramente “doloroso”. Esse antigo homem-macaco chegou a um fim tão repentino. Por que teve que abandonar o maravilhoso mundo do homem tão cedo? Por que não discutiu o próximo passo da estratégia com seus companheiros? É uma pena que tenha se despedido do mundo sem deixar o segredo de comparar a força de alguém com Deus! Quão imprudente foi um homem-macaco tão velho ter morrido sem um sussurro, partir sem repassar as “cultura e as artes antigas” aos seus descendentes. Não houve tempo para ele chamar as pessoas mais próximas ao seu lado para lhes contar sobre seu amor, não deixou nenhuma mensagem sobre uma tábua de pedra, não discerniu o sol celestial e nada disse sobre suas dificuldades indescritíveis. Ao dar seu último suspiro, não chamou seus descendentes para o lado de seu corpo moribundo para lhes dizer “não subam no ringue para desafiar a Deus” antes de ele fechar os olhos, quatro membros rígidos para sempre apontando para cima como galhos apontando para o céu. Parece que morreu uma morte amarga… De repente, uma gargalhada irrompe debaixo do ringue; um dos homens-macaco meio eretos está fora de si; segurando um “porrete de pedra” utilizado para caçar antílopes ou outra presa selvagem que é mais avançada que a do velho homem-macaco, ele pula para dentro do ringue, cheio de raiva, um plano bem pensado em sua mente.[39] É como se tivesse feito algo meritório. Utilizando a “força” de seu porrete de pedra, ele consegue ficar em pé por “três minutos”. Quão grande é o “poder” dessa terceira “perna”! Ele manteve o grande homem-macaco desajeitado, tolo e meio ereto, de pé por três minutos — não é de admirar que esse venerável[40] velho homem-macaco seja tão dominador. Efetivamente, o antigo implemento de pedra “faz jus a sua reputação”: Há um cabo de faca, borda e ponta, a única falha sendo a falta de brilho na borda — isso é muito lamentável. Olhe novamente para o “pequeno herói” dos tempos antigos, de pé no ringue em relação àqueles abaixo, com um olhar de desprezo, como se fossem inferiores impotentes, e ele é o herói galante. Em seu coração, ele detesta secretamente aqueles ante o palco. “O país está em apuros e cada um de nós é responsável, por que vocês estão se afastando? Será que vocês veem que o país enfrenta uma catástrofe, mas não se envolverão em uma batalha sangrenta? O país está à beira da catástrofe — por que vocês não são os primeiros a mostrarem preocupação e os últimos a se divertirem? Como vocês podem suportar ver o país fracassar e seu povo cair em decadência? Vocês estão dispostos a suportar a vergonha da subjugação nacional? Que bando de gente imprestável!” Enquanto ele pensa nisso, brigas surgem diante do palco e seus olhos ficam ainda mais enfurecidos, como se estivessem prestes a lançar[41] chamas. Ele está comichando para Deus falhar antes da luta, desesperado para matar Deus para deixar as pessoas felizes. Mal sabe que, embora seu instrumento de pedra tenha merecida fama, jamais poderia antagonizar Deus. Antes de ter tempo de se defender, antes de ter tempo para se deitar e ficar de pé, balança para a frente e para trás, a visão dos dois olhos perdida. Ele cai perante seu antigo ancestral e não se ergue novamente; agarrando firmemente o antigo homem-macaco, não grita mais, e reconhece sua inferioridade, sem qualquer desejo de resistir. Aqueles dois pobres homens-macaco morrem perante o ringue. Que pena que os ancestrais da humanidade, que sobreviveram até os dias de hoje, morreram na ignorância no dia em que o Sol da retidão apareceu! Que tolice eles deixaram passar por eles uma grande bênção — que, no dia de sua bênção, os homens-macaco que esperaram por milhares de anos levaram as bênçãos ao Hades para “desfrutar” com o rei dos diabos! Por que não guardar essas bênçãos no mundo dos vivos para desfrutar com seus filhos e filhas? Eles só estão pedindo problemas! É um desperdício que, por causa de um pouco de status, reputação e vaidade, eles sofram a infelicidade de serem mortos, se esforçando para serem os primeiros a abrir as portas do inferno e se tornarem seus filhos. Esse preço é tão desnecessário. É uma pena que tais ancestrais, tão “cheios de espírito nacional”, pudessem ser tão “rigorosos consigo mesmos, mas tão tolerantes com os outros”, fechando-se no inferno e fechando os impotentes inferiores do lado de fora. Onde podem ser encontrados tais “representantes do povo”? Em nome do “bem-estar de seus descendentes” e da “vida pacífica das futuras gerações”, eles não permitem que Deus interfira e, portanto, não dão atenção à sua própria vida. Sem restrição, eles se dedicam à “causa nacional”, entrando no Hades sem proferir uma palavra. Onde pode ser encontrado esse nacionalismo? Ao lutar com Deus, eles não temem a morte nem a sangria, muito menos se preocupam com o amanhã. Simplesmente vão ao campo de batalha. É uma pena que a única coisa que eles recebem por seu “espírito de devoção” é o arrependimento eterno e o ser consumidos pelas chamas sempre ardentes do inferno!

Que intrigante! Por que a encarnação de Deus sempre foi rejeitada e injuriada pelas pessoas? Por que as pessoas nunca entendem a encarnação de Deus? Será que Deus veio na hora errada? Será que Deus veio ao lugar errado? Será que isso acontece porque Deus agiu sozinho, sem a “assinatura” do homem? Poderia ser porque Deus criou a Sua própria mente sem a permissão do homem? Os fatos afirmam que Deus deu aviso prévio. Deus não fez nada de errado ao Se tornar carne — Ele tem que pedir o consentimento do homem? Além disso, Deus lembrou o homem há muito tempo, talvez as pessoas tenham esquecido. Não é culpa deles, pois o homem há muito é tão corrompido por Satanás que ele nada consegue entender do que acontece debaixo dos céus, isso sem mencionar os acontecimentos do mundo espiritual! Que pena que os ancestrais do homem, os homens-macaco, morreram no ringue, mas isso não surpreende: o céu e a terra nunca foram compatíveis, e como poderiam os homens-macaco, cujas mentes são feitas de pedra, conceber que Deus poderia Se tornar carne novamente? Como é triste que um homem velho como esse, que está em “seu sexagésimo ano”, tenha morrido no dia da aparição de Deus, deixando o mundo sem bênção com o advento de tamanha bênção — não é uma maravilha?

de ‘Obra e entrada (10)’ em “A Palavra manifesta em carne”

26. A encarnação de Deus propagou ondas de choque por todas as religiões e setores, “lançou em desordem” sua ordem original dos círculos religiosos e abalou o coração de todos aqueles que anseiam pela aparição de Deus. Quem não está adorando? Quem não anseia por ver Deus? Deus esteve pessoalmente entre os homens por muitos anos, mas o homem nunca percebeu isso. Hoje, o Próprio Deus apareceu e mostrou Sua identidade às massas — como isso poderia não trazer deleite ao coração do homem? Deus uma vez compartilhou alegrias e tristezas com o homem, e hoje Ele Se reuniu com a humanidade e compartilha contos de tempos passados com ele. Depois que Ele saiu da Judeia, as pessoas não conseguiram achar vestígios Dele. Eles anseiam por uma vez mais se encontrar com Deus, pouco sabendo que hoje novamente se encontraram com Ele e se reuniram com Ele. Como isso não despertaria pensamentos de ontem? Há dois mil anos, Simão Barjonas, o descendente dos judeus, contemplou Jesus, o Salvador, comeu à mesma mesa que Ele e, depois de segui-Lo por muitos anos, sentiu uma profunda afeição por Ele: ele O amava do fundo do coração, amava profundamente o Senhor Jesus. O povo judeu nada sabia a respeito de como esse bebê de cabelos dourados, nascido em uma manjedoura fria, foi a primeira imagem da encarnação de Deus. Todos pensaram que Ele era igual a eles, ninguém achava que Ele fosse diferente — como as pessoas poderiam reconhecer esse Jesus normal e comum? O povo judeu via Nele um filho judeu da época. Ninguém olhava para Ele como um Deus amável, e as pessoas não faziam nada além de exigências cegas Dele, pedindo que Ele lhes desse graças ricas e abundantes, paz e alegria. Eles sabiam apenas que, como um milionário, Ele tinha tudo que alguém poderia desejar. No entanto, as pessoas nunca O trataram como alguém que era amado; as pessoas daquele tempo não O amavam, e apenas protestaram contra Ele, fizeram exigências irracionais Dele, e Ele nunca resistiu, constantemente dando graças ao homem, mesmo que o homem não O conhecesse. Ele nada fez além de silenciosamente dar calor humano, amor e misericórdia, e ainda mais, Ele deu ao homem novos meios de prática, liderando o homem para fora dos laços da lei. O homem não O amava, apenas O invejava e reconhecia Seus talentos excepcionais. Como poderia a humanidade cega saber quão grande era a humilhação sofrida pelo amável Jesus, o Salvador, quando Ele veio para a humanidade? Ninguém pensou em Sua aflição, ninguém sabia de Seu amor por Deus Pai e ninguém podia saber de Sua solidão; embora Maria fosse Sua mãe biológica, como poderia ela conhecer os pensamentos que existiam no coração do misericordioso Senhor Jesus? Quem sabia do sofrimento indescritível suportado pelo Filho do homem? Depois de fazer pedidos a Ele, as pessoas daquele tempo O colocaram friamente no fundo de suas mentes e O lançaram para fora. Assim, Ele vagou pelas ruas, dia após dia, ano após ano e por muitos anos até que viveu por trinta e três anos difíceis, anos que foram ambos longos e breves. Quando as pessoas precisavam Dele, O convidavam para entrar em suas casas sorridentes, tentando fazer exigências a Ele — e depois que Ele fizera Sua contribuição para eles, imediatamente O empurravam porta afora. As pessoas comiam o que lhes era provido a partir de Sua boca, bebiam Seu sangue, desfrutavam das graças que Ele lhes concedia, mas também se opunham a Ele, pois nunca souberam quem lhes dera sua vida. Por fim, eles O pregaram na cruz, mas ainda assim Ele não fez som algum. Ele permanece em silêncio ainda hoje. As pessoas comem Sua carne, comem a comida que Ele prepara para elas, andam pelo caminho que Ele abriu para elas, e elas bebem Seu sangue, mas elas ainda pretendem rejeitá-Lo, elas de fato tratam o Deus que lhes deu sua vida como inimigo e, em vez disso, tratam aqueles que são escravos como eles como o Pai celestial. Nisso, eles não se opõem deliberadamente a Ele? Como Jesus veio a morrer na cruz? Vocês sabem? Ele não foi traído por Judas, que era o mais próximo a Ele e o tinha comido, bebido e desfrutado Dele? O motivo da traição de Judas não foi porque Jesus não era nada mais do que um pequeno professor normal? Se as pessoas realmente tivessem visto que Jesus era extraordinário, e Aquele que era do céu, como poderiam tê-Lo pregado vivo na cruz por vinte e quatro horas até que Ele não tivesse mais fôlego em Seu corpo? Quem pode conhecer a Deus? As pessoas não fazem nada além de desfrutar de Deus com ganância insaciável, mas nunca O conheceram. Eles receberam a mão, mas pegaram o braço, e eles tornaram Jesus totalmente obediente aos seus comandos, às suas ordens. Quem já mostrou alguma coisa do caminho da misericórdia para com esse Filho do homem, que não tem onde reclinar Sua cabeça? Quem já pensou em unir forças com Ele para completar a comissão de Deus Pai? Quem já parou para pensar Nele? Quem já foi atencioso com Suas dificuldades? Sem o menor amor, o homem O empurra de um lado para outro; o homem não sabe de onde sua luz e vida vieram, e nada faz senão secretamente planejar como mais uma vez crucificar o Jesus de dois mil anos atrás, que experimentou a dor entre os homens. Jesus realmente inspira esse ódio? Tudo o que Ele fez há muito tempo foi esquecido? O ódio que se coalesceu por milhares de anos finalmente vai se espalhar. Você, a laia dos judeus! Quando Jesus foi hostil a vocês para que vocês O odeiem tanto? Ele tanto fez e tanto falou — nada disso é para o seu benefício? Ele deu Sua vida a vocês sem pedir nada em troca, Ele lhes deu Sua totalidade — vocês realmente ainda querem comê-Lo vivo? Ele deu tudo de Si para vocês sem reter nada, sem jamais desfrutar da glória mundana, do calor humano entre os homens e do amor entre os homens, ou de todas as bênçãos entre os homens. As pessoas são tão más para com Ele, Ele nunca desfrutou de todas as riquezas da terra, Ele dedica a totalidade de Seu sincero e apaixonado coração ao homem, Ele devotou Sua totalidade à humanidade — e quem já Lhe deu calor? Quem já Lhe deu consolo? O homem acumulou toda a pressão sobre Ele, entregou toda a desgraça a Ele, forçou as mais infelizes experiências entre os homens sobre Ele, O culpa por toda injustiça, e Ele aceitou isso tacitamente. Ele já protestou com alguém? Ele já pediu alguma recompensa a alguém? Quem já mostrou alguma simpatia por Ele? Como pessoas normais, quem de vocês não teve uma infância romântica? Quem não teve uma juventude colorida? Quem não tem o calor dos entes queridos? Quem está sem o amor de parentes e amigos? Quem está sem o respeito dos outros? Quem está sem uma família calorosa? Quem está sem o conforto de seus confidentes? E Ele já desfrutou alguma dessas coisas? Quem já Lhe deu um pouco de calor? Quem já Lhe deu um pingo de conforto? Quem já mostrou a Ele um pouco de moralidade humana? Quem já foi tolerante com Ele? Quem já esteve com Ele em momentos difíceis? Quem já passou a vida dura com Ele? O homem nunca relaxou suas exigências Dele; ele meramente faz exigências Dele sem nenhum escrúpulo, como se, tendo chegado ao mundo dos homens, Ele tivesse que ser seu boi ou cavalo, seu prisioneiro, e tem que dar tudo de Si para o homem; se não, o homem nunca O perdoará, nunca facilitará as coisas para Ele, nunca O chamará de Deus e nunca O terá em alta estima. O homem é muito severo em sua atitude para com Deus, como se estivesse determinado a atormentar a Deus até a morte, somente após o que ele afrouxará suas exigências de Deus; se não, o homem nunca diminuirá os padrões de suas exigências de Deus. Como poderia um homem como esse não ser desprezado por Deus? Tal não é a tragédia de hoje? A consciência do homem está longe de ser vista. Ele continua dizendo que vai retribuir o amor de Deus, mas disseca Deus e O tortura até a morte. Não é essa a “receita secreta” de sua fé em Deus, herdada de seus ancestrais? Não há nenhum lugar onde não se encontrem os “judeus”, e hoje eles ainda fazem o mesmo trabalho, ainda realizam o mesmo trabalho de se opor a Deus, e ainda assim acreditam que estão mantendo Deus nas alturas. Como os próprios olhos do homem podem conhecer a Deus? Como poderia o homem, que vive na carne, tratar como Deus o Deus encarnado que veio do Espírito? Quem dentre os homens poderia conhecê-Lo? Onde está a verdade entre os homens? Onde está a verdadeira retidão? Quem é capaz de conhecer o caráter de Deus? Quem pode competir com o Deus no céu? Não é de admirar que, quando Ele veio ao homem, ninguém tenha conhecido a Deus e que Ele tenha sido rejeitado. Como o homem pode tolerar a existência de Deus? Como ele pode permitir que a luz expulse a escuridão do mundo? Isso tudo não é da honrosa devoção do homem? Não é essa a entrada correta do homem? E a obra de Deus não está centrada na entrada do homem? Eu gostaria que você associasse a obra de Deus com a entrada do homem, estabelecesse um bom relacionamento entre o homem e Deus, e cumprisse o dever que deveria ser desempenhado pelo homem com o melhor de suas habilidades. Desta forma, a obra de Deus chegará ao fim, terminando com a Sua glorificação!

de ‘Obra e entrada (10)’ em “A Palavra manifesta em carne”

Notas de rodapé:

1. “Operar no homem” significa “salvar o homem”.

2. “Aderir persistentemente a” é utilizado de forma irônica. Essa frase indica que as pessoas são teimosas e intratáveis, que mantêm coisas desatualizadas e não estão dispostas a abrir mão delas.

3. “Reverter sua atitude passada” refere-se a como as concepções e pontos de vista das pessoas sobre Deus mudam quando conhecem a Deus.

4. “Descansando à vontade” indica que as pessoas não estão preocupadas com a obra de Deus e não a consideram importante.

5. “Ambíguas” indica que as pessoas não têm uma percepção clara da obra de Deus.

6. “Irredutíveis” é usado como sátira aqui, significando que as pessoas são rígidas em seu conhecimento, cultura e aparência espiritual.

7. “Ele permanece livre e sem punição” indica que o diabo fica furioso e enlouquecido.

8. “Uma balbúrdia completa” refere-se a como o comportamento violento do diabo é insuportável de ver.

9. “Ferida e esmurrada” refere-se à cara feia do rei dos diabos.

10. “Uma aposta muito improvável” é uma metáfora para as tramas insidiosas e sinistras do diabo. Aqui ela é usada de forma jocosa.

11. “Consumir” refere-se ao comportamento violento do rei dos diabos, que saqueia as pessoas por completo.

12. Os “cúmplices” são da mesma laia do “bando de criminosos”.

13. “Incitar a desordem” refere-se ao modo como as pessoas que são demoníacas agem sem controle, obstruindo a obra de Deus e se opondo a ela.

14. “Uma baleia dentada” é usada de forma jocosa. É uma metáfora sobre como as moscas são tão pequenas que porcos e cães parecem grandes como baleias para elas.

15. “Líder de todo o mal” se refere ao velho diabo. Esta frase expressa aversão extrema.

16. “Fazendo acusações infundadas” se refere aos métodos por meio dos quais o diabo prejudica as pessoas.

17. “Fortemente vigiada” indica que os métodos que o diabo usa para afligir as pessoas são particularmente perversos e controlam tanto as pessoas que elas não têm espaço para se mover.

18. “Distante” é usado para ridicularizar.

19. “Orientação ordenada e suave” é usado jocosamente.

20. “Favorecidas” é uma palavra usada para ridicularizar as pessoas que parecem inertes e não têm autoconsciência.

21. “Sofre percalço após percalço” indica que as pessoas nasceram na terra do grande dragão vermelho e são incapazes de manter a cabeça erguida.

22. “Oferecer toda a sua vida” é usado com sentido derrogatório.

23. “Devastação” é utilizado para expor a desobediência da humanidade.

24. “Recebidas com sobrancelhas ferozes e o frio desafio de mil dedos em abano, cabisbaixo, servir as pessoas como um boi disposto” é originalmente uma só frase, mas foi dividida em duas aqui para tornar as coisas mais claras. A primeira frase refere-se às ações do homem, enquanto a segunda indica o sofrimento de Deus e que Deus é humilde e oculto.

25. “Preconceito” refere-se ao comportamento desobediente das pessoas.

26. “Ter poder absoluto” refere-se ao comportamento desobediente das pessoas. Elas se erguem, colocam algemas nos outros, fazendo-os seguir e sofrer por eles. São as forças hostis a Deus.

27. “Fantoche” é utilizado para ridicularizar aqueles que não conhecem a Deus.

28. “Bola de neve” é utilizado para destacar o comportamento humilde das pessoas.

29. “Diferenciar alho de bugalho” indica o momento em que as pessoas distorcem a vontade de Deus em algo satânico, referindo-se amplamente ao comportamento em que as pessoas rejeitam a Deus.

30. “Confunde preto com branco” se refere a misturar a verdade com as ilusões e a justiça com a maldade.

31. “Bandido” é utilizado para indicar que as pessoas são insensatas e não têm percepção.

32. “Restos e sobras” é utilizado para indicar o comportamento em que as pessoas oprimem a Deus.

33. “Indignado” refere-se ao rosto feio do homem que é irado e exasperado.

34. “Sem escrúpulos” refere-se a quando as pessoas são imprudentes e não têm a menor reverência para com Deus.

35. “A ‘entrada’ do homem” aqui indica o comportamento desobediente do homem. Em vez de se referir à entrada das pessoas na vida — o que é positivo —, refere-se ao seu comportamento e ações negativos. Refere-se, amplamente, a todos os atos do homem que estão em oposição a Deus.

36. “Atormentado por medos imaginários” é utilizado para zombar da vida equivocada de humanidade do homem. Refere-se ao estado feio da vida da humanidade, em que as pessoas convivem com os demônios.

37. “Melhor de tudo” é usado jocosamente.

38. “Fervor queima cada vez mais quente” é dito ironicamente e se refere ao estado feio do homem.

39. “Um plano bem pensado em sua mente” é dito ironicamente, e refere-se a como as pessoas não se conhecem e ignoram sua real estatura. Essa é uma declaração derrogatória.

40. “Venerável” é dito de forma zombeteira.

41. “Espalhar” indica o estado feio das pessoas que se inflamam de raiva quando são derrotadas por Deus. Indica a extensão de sua oposição a Deus.

a. No texto original, lê-se: “Alguns chegam até a berrar”.

b. Esta é uma expressão idiomática chinesa.

*Nota do tradutor: A expressão “soldados de camarão e generais de caranguejo” é uma expressão chinesa que significa algo como “subordinados numerosos inúteis”.

Anterior:Todos os que não conhecem a Deus são pessoas que se opõem a Deus

Próximo:Uma seleção extraída de As três passagens da palavra de Deus sobre “A visão da obra de Deus”

Conteúdo Relacionado