Aplicativo da Igreja de Deus Todo-Poderoso

Ouça a voz de Deus e dê as boas vindas ao retorno do Senhor Jesus!

Convidamos a todos os buscadores da verdade que entrem em contato conosco.

Testemunhos a Cristo dos últimos dias

Cores sólidas

Temas

Fonte

Tamanho da fonte

Espaçamento entre linhas

Largura da página

0 resultados

Nenhum resultado encontrado

14. O que é envolver-se em cerimônia religiosa?

Palavras de Deus relevantes:

Uma vida espiritual normal não se limita à oração, ao canto, à vida na igreja, a comer e beber as palavras de Deus e a outras práticas afins, mas significa viver uma vida espiritual que seja nova e animada. Não tem a ver com o método, mas com o resultado. A maioria das pessoas pensa que, para ter uma vida espiritual normal, é preciso orar, cantar, comer e beber as palavras de Deus, ou tentar entendê-las. Não importa se há algum resultado ou se há entendimento verdadeiro, essas pessoas têm por foco somente seguir os movimentos externos, mas não focam o resultado — são pessoas que vivem nos rituais da religião e não são pessoas que vivem na igreja, e elas não são, menos ainda, pessoas do reino. As orações desse tipo de pessoa, seu cantar, o comer e beber as palavras de Deus é tudo obediência à regra; elas são compelidas a fazê-las, e são feitas para acompanhar as tendências; elas não são feitas de bom grado nem de coração. Não importa o quanto essas pessoas orem ou cantem, não haverá qualquer resultado, porque tudo o que elas praticam são regras e rituais religiosos, mas não estão praticando a palavra de Deus. Ao focar o método somente e considerar as palavras de Deus como regras a serem mantidas, esse tipo de pessoa não está praticando a palavra de Deus, mas está satisfazendo a carne e fazendo coisas para se aparecer aos outros. Esse tipo de ritual e regra religiosos vêm do homem, não de Deus. Deus não mantém regras, não cumpre quaisquer leis; Ele faz coisas novas todo dia e faz obra prática. Como as pessoas da Igreja das Três-Autonomias, que se limitam à vigília matinal diária, às orações noturnas, a dar graças antes das refeições, a expressar agradecimentos por tudo e outras práticas afins — não importa o quanto façam nem por quanto tempo pratiquem, elas não terão a obra do Espírito Santo. Se as pessoas vivem dentro de regras, com seus corações dedicados à prática, então o Espírito Santo não tem como operar, porque o coração delas está ocupado com regras, está ocupado com concepções humanas; portanto, Deus não tem como operar; as pessoas simplesmente estarão sempre vivendo sob o controle da lei, e esse tipo de pessoa nunca será capaz de receber o elogio de Deus.

de ‘Com relação a uma vida espiritual normal’ em “A Palavra manifesta em carne”

Se tratam a verdade como um dogma a aderir em sua fé, as pessoas estão propensas a cair em cerimônia religiosa? E qual é a diferença entre a aderência a esse tipo de cerimônia religiosa e a fé do cristianismo? Pode haver diferenças entre os ensinamentos antigos e novos e o que é dito pode ser mais profundo e mais progressivo, mas se os ensinamentos nada mais são que um tipo de teoria e se apenas se tornam uma forma de cerimônia, de doutrina para as pessoas — e, do mesmo modo, elas não podem ganhar a verdade a partir disso nem entrar na realidade da verdade, então a fé dessas pessoas não é a mesma do cristianismo? Em essência, isso não é cristianismo? Então, em seu comportamento e no desempenho do seu dever, em que aspectos vocês mantêm os mesmos ou semelhantes pontos de vista dos crentes no cristianismo? A busca por um bom comportamento superficial, fazendo de tudo para criar um pretexto para si mesmos ao usar a aparência da espiritualidade; personificando uma pessoa espiritual; dando a aparência de espiritualidade àquilo que vocês dizem, fazem e revelam; fazendo umas poucas coisas que, na noção e imaginação das pessoas, sejam louváveis — tudo isso é a busca da falsa espiritualidade, é hipocrisia. Vocês ficam de pé no alto, falando palavras e teorias, dizendo às pessoas para praticar boas ações, para ser boas e se concentrar em perseguir a verdade, mas, no próprio comportamento e no desempenho dos seus deveres, vocês nunca buscaram a verdade, nunca agiram segundo os princípios da verdade, nunca entenderam o que é dito na verdade, o que é a vontade de Deus, quais são os padrões que Ele exige do homem — vocês nunca levaram nada disso a sério. Quando encontram algumas questões, agem inteiramente de acordo com a vontade de vocês e põem Deus de lado. Essas ações externas e esses estados interiores significam temer a Deus e evitar o mal? Se não houver conexão entre a fé das pessoas e sua busca da verdade, não importa quantos anos acreditem em Deus, elas serão incapazes de temer a Deus e evitar o mal genuinamente. E então que tipo de senda pessoas assim trilham? Com o que elas passam os dias se equipando? Não é com palavras e teorias? Elas não passam os dias se armando, se revestindo com palavras e teorias, para se tornarem mais parecidas com os fariseus, mais como pessoas que supostamente servem a Deus? O que são todas essas ações? Elas só estão agindo sem se envolver; estão agitando a bandeira da fé e realizando ritos religiosos, tentando enganar a Deus a fim de alcançar seu objetivo de ser abençoadas. Elas não adoram a Deus de jeito nenhum. No fim, tal grupo de pessoas não acabará como aquelas dentro da igreja que supostamente servem a Deus e que supostamente acreditam em Deus e O seguem?

de ‘Só se viver diante de Deus o tempo todo é que você pode trilhar a senda da salvação’ em “Registros das falas de Cristo”

Alguns homens têm propensão a atrair atenção para si mesmos. Na presença de seus irmãos e irmãs, eles dizem que estão em dívida com Deus, mas, por trás de suas costas, eles não praticam a verdade e fazem totalmente o contrário. Eles não são fariseus religiosos? Um homem que de fato ama a Deus e tem a verdade é leal a Ele, mas não revela isso exteriormente. Dispõe-se a praticar a verdade quando as questões surgem e não fala nem age de forma que vá de encontro à sua consciência. Demonstra sabedoria quando as questões surgem e age com princípios, não importam as circunstâncias. Um homem como esse é alguém que serve verdadeiramente. Há alguns que costumam falar da boca para fora exaltando suas dívidas com Deus. Passam os dias de cenho franzido de preocupação, assumem um ar afetado e fingem ter um semblante miserável. Que conduta desprezível! E se você perguntasse a eles: “De que forma você está em dívida com Deus? Por favor, diga-me!”, eles ficariam mudos. Se você é leal a Deus, não fale disso em público, mas use sua prática real para mostrar seu amor por Deus e ore a Ele com um coração verdadeiro. Aqueles que só usam palavras para lidar com Deus são todos hipócritas! Alguns falam de dívida com Deus em cada oração e começam a chorar toda vez que oram, mesmo sem o mover do Espírito Santo. Homens como esses são possuídos por noções e rituais religiosos; eles vivem seguindo tais noções e rituais, sempre acreditando que essas coisas agradam a Deus e que piedade superficial ou lágrimas aflitas são o que Deus favorece. Que bem pode vir de pessoas tão absurdas? Para demonstrarem sua humildade, algumas fingem gentileza quando falam em presença de outros. Algumas são propositalmente servis em presença de outros, como cordeiros sem força alguma. É essa a maneira de ser das pessoas do reino? Uma pessoa do reino deve ser vivaz e livre, inocente e aberta, sincera e adorável; alguém que vive em estado de liberdade. Tem integridade e dignidade e pode dar testemunho onde quer que for; é amada tanto por Deus quanto pelos homens. Aquelas que são neófitas na fé mantêm muitas práticas exteriores; elas devem passar primeiro por um período de tratamento e quebrantamento. Aquelas que têm fé em Deus no coração não são visivelmente distinguíveis de outras, mas suas ações e seus feitos são louváveis para as demais. Só tais homens podem ser considerados como homens que vivem a palavra de Deus. Se você prega o evangelho todo dia para esta e aquela pessoa, levando-as à salvação, mas no fim continua a viver segundo regras e doutrinas, então, não pode glorificar a Deus. Homens desse tipo são pessoas religiosas, e também hipócritas.

de ‘Crer em Deus deve focalizar a realidade, não rituais religiosos’ em “A Palavra manifesta em carne”

No decorrer da entrada do homem, a vida é sempre enfadonha, cheia dos elementos monótonos da vida espiritual, como orar, comer e beber as palavras de Deus, ou fazer reuniões, de forma que as pessoas sempre sentem que crer em Deus não traz grande prazer. Tais atividades espirituais são sempre realizadas com base no caráter original da humanidade, que foi corrompido por Satanás. Embora as pessoas às vezes possam receber a iluminação do Espírito Santo, seu pensamento, caráter, estilo de vida e hábitos originais ainda estão enraizados dentro delas, portanto a natureza delas permanece inalterada. As atividades supersticiosas em que as pessoas se envolvem são o que Deus mais odeia, mas muitas pessoas ainda são incapazes de abandoná-las, achando que são decretadas por Deus e, até hoje, ainda não as abandonaram por completo. Coisas como os arranjos que os jovens fazem para festas de casamento e enxovais de noiva; presentes em dinheiro, banquetes e formas semelhantes de comemorar ocasiões jubilosas; fórmulas antigas que foram transmitidas de geração em geração; todas as atividades supersticiosas sem sentido realizadas em favor dos mortos e suas exéquias: essas são ainda mais detestáveis para Deus. Até mesmo o dia de adoração (incluindo o sábado, conforme praticado pelo mundo religioso) é detestável para Ele; e as relações sociais e interações mundanas entre homem e homem são ainda mais desprezadas e rejeitadas por Deus. Nem mesmo o Festival da Primavera e o Dia de Natal, que são conhecidos por todos, são decretados por Deus, muito menos os brinquedos e decorações (dísticos, bolo de Ano Novo, fogos de artifício, lanternas, presentes de Natal, festas de Natal e a Sagrada Comunhão) utilizados para comemorar esses feriados festivos — não são eles ídolos nas mentes dos homens? O partir do pão no sábado, o vinho e o linho fino são ainda mais enfaticamente ídolos. Todas as datas de festivais tradicionais populares na China, como o Dia das Cabeças de Dragão, o Festival do Barco-Dragão, o Festival do Meio Outono, o Festival Laba e o Dia de Ano Novo, bem como os festivais do mundo religioso, como a Páscoa, Dia do Batismo e o Dia de Natal, todos esses festivais injustificáveis foram organizados e passados de geração em geração desde tempos antigos até hoje por muitas pessoas e são completamente incompatíveis com a raça humana que Deus criou. É a rica imaginação da humanidade e a engenhosa concepção que permitiram que fossem repassados até hoje. Eles parecem estar livres de falhas, mas, na verdade, são peças que Satanás prega na humanidade. Quanto mais um lugar está repleto de Satanás, e quanto mais obsoleto e atrasado é tal lugar, mais profundamente entrincheirados são seus costumes feudais. Essas coisas amarram as pessoas firmemente, não deixando espaço algum para movimento. Muitos dos festivais no mundo religioso parecem mostrar grande originalidade e criar uma ponte para a obra de Deus, mas, na verdade, são os laços invisíveis com os quais Satanás impede as pessoas de conhecerem a Deus — são todos estratagemas astutos de Satanás. De fato, quando um estágio da obra de Deus está concluído, Ele já destruiu as ferramentas e o estilo daquele tempo, sem deixar qualquer vestígio. No entanto, “crentes devotos” continuam a adorar esses objetos materiais tangíveis; enquanto isso, consignam o que Deus tem ao fundo de suas mentes, deixam de estudá-lo, parecendo estar cheios do amor de Deus quando, de fato, já O expulsaram de casa há muito tempo e colocaram Satanás na mesa para adorar. Retratos de Jesus, a Cruz, Maria, o Batismo de Jesus e a Última Ceia — as pessoas veneram essas coisas como o Senhor dos Céus e, ao mesmo tempo, clamam repetidamente “Deus Pai”. Isso tudo não é uma piada? […]

A melhor maneira de mudar o caráter humano é reverter aquelas partes mais profundas do coração das pessoas que foram profundamente envenenadas, permitindo que as pessoas comecem a mudar seus pensamentos e moralidade. Antes de mais nada, as pessoas precisam ver claramente que todos esses ritos religiosos, atividades religiosas, anos e meses e festivais são odiosos para Deus. Elas devem se libertar desses laços de pensamento feudal e erradicar todos os vestígios de sua propensão profunda à superstição. Esses estão todos incluídos na entrada da humanidade.

de ‘Obra e entrada (3)’ em “A Palavra manifesta em carne”

Trechos de sermão e comunhão para referência:

A vida espiritual apropriada inclui orar, comer e beber a palavra de Deus, comunicar a verdade, cumprir seu dever e cantar hinos de louvor apropriadamente. Essas práticas são extremamente benéficas para que as pessoas entrem na verdade e para a mudança de caráter. Praticar ritos religiosos, no entanto, significa agir sem se envolver, não levando a sério o que se diz, sendo inferior, superficial e hipócrita. Todos esses são métodos superficiais para enganar a Deus. A realização de ritos religiosos é divorciada da realidade e não tem a menor realidade — é pronunciar palavras apenas para aparecer e é completamente sem efeito algum. Uma vida espiritual apropriada é totalmente baseada na realidade. Ela surge da união com a realidade, e, acima de tudo, o que emerge do fundo do coração é a sinceridade e, sendo assim, é efetiva e é prontamente aceita por Deus. Tome, por exemplo, a oração apropriada: ela surge das dificuldades pessoais reais e surge das suas necessidades na vida. Representa as urgências sinceras do ser interior e, portanto, ganha a obra do Espírito Santo. No contexto dos ritos religiosos, porém, a oração viola esse princípio. Uma pessoa pode proferir casualmente algumas orações a qualquer momento ou em qualquer lugar, sem sentimento, ao mesmo tempo em que se sente cansada e sem iniciativa. Como poderia receber a obra do Espírito Santo? Ela claramente não deseja orar, mas se força a isso. Isso é algo que viola o princípio. Em circunstâncias normais, uma pessoa não pode orar o tempo todo; quando não está orando, pode comer e beber a palavra de Deus e comunicar a verdade. Isso ocorre porque a vida espiritual não pode ser regulada, mas apenas determinada de acordo com as condições e necessidades reais de alguém. Só assim se chega a um bom resultado. Uma vida espiritual genuína é apropriada e acontece quando as coisas ocorrem naturalmente. Não consiste de maneira alguma em obedecer a regras nem em realizar ritos. Todos os ritos religiosos são regras e embustes feitos pelo homem, e não incluem uma busca sincera. É por isso que Deus os chama de hipócritas. Uma vida espiritual apropriada surge a partir da submissão à obra de Deus e é um amálgama da obra do Espírito Santo e da ação iniciada pelos humanos. Embora esse tipo de vida espiritual não tenha regras nem ritos, traz de fato resultados benéficos concretos. Quando você passa dos ritos religiosos para a vida espiritual apropriada, só então, você entra na trilha correta da crença em Deus.

da comunhão do alto

Anterior:Qual é a diferença entre entender a verdade e entender a doutrina?

Próximo:Por que as igrejas são capazes de regredir em religião?

Conteúdo Relacionado