Aplicativo da Igreja de Deus Todo-Poderoso

Ouça a voz de Deus e dê as boas vindas ao retorno do Senhor Jesus!

Convidamos a todos os buscadores da verdade que entrem em contato conosco.

Testemunhos a Cristo dos últimos dias

Cores sólidas

Temas

Fonte

Tamanho da fonte

Espaçamento entre linhas

Largura da página

0 resultados

Nenhum resultado encontrado

VII. É preciso comunicar claramente que somente aquilo que Cristo dos últimos dias traz é o caminho da vida eterna

1. É preciso entender que a mensagem difundida pelo Senhor Jesus na Era da Graça consistia apenas no caminho do arrependimento

Versos da Bíblia para referência:

Arrependei- vos, porque é chegado o reino dos céus” (Mateus 4:17).

Pois isto é o meu sangue, o sangue do pacto, o qual é derramado por muitos para remissão dos pecados” (Mateus 26:28).

E que em seu nome se pregasse o arrependimento para remissão dos pecados, a todas as nações, começando por Jerusalém” (Lucas 24:47).

Palavras de Deus relevantes:

No princípio, Jesus divulgou o evangelho e pregou o caminho do arrependimento, depois batizou homens, curou enfermidades e expulsou demônios. No final, Ele redimiu a humanidade do pecado e completou a Sua obra para a era inteira.

de ‘O mistério da encarnação (1)’ em “A Palavra manifesta em carne”

A obra que Jesus fez estava de acordo com as necessidades do homem naquela era. Sua tarefa era redimir a humanidade, perdoar os pecados dela, e assim, Seu caráter era totalmente de humildade, paciência, amor, piedade, tolerância, misericórdia e benignidade. Ele abençoou a humanidade ricamente, trouxe-lhe graça em abundância, e todas as coisas que as pessoas poderiam desfrutar, Ele as concedeu para o seu deleite: paz e felicidade, Sua tolerância e amor, Sua misericórdia e benignidade. Naqueles dias, tudo o que as pessoas encontravam era uma abundância de coisas para desfrutar: seus corações estavam em paz e tranquilizados, seus espíritos foram consolados e elas eram sustentadas pelo Salvador Jesus. Elas podiam receber essas coisas em consequência da era em que viviam. Na Era da Graça, o homem já havia se submetido à corrupção de Satanás e, assim, a obra de redimir toda a humanidade requereu uma abundância de graça, tolerância e paciência infinitas e, ainda mais, uma oferta suficiente para expiar os pecados da humanidade, para alcançar o resultado. O que a humanidade viu na Era da Graça foi meramente Minha oferta de expiação pelos pecados dela, isto é, Jesus. Tudo o que as pessoas sabiam era que Deus poderia ser misericordioso e tolerante, e tudo o que elas viram foi a misericórdia e a benignidade de Jesus. Isso ocorreu porque viviam na Era da Graça. Antes que pudessem ser redimidas, tinham que desfrutar dos muitos tipos de graça que Jesus lhes concedia; só isso foi benéfico para elas. Dessa forma, elas poderiam ser perdoadas de seus pecados por meio do gozo da graça e ter a chance de ser redimidas por meio do desfrutar da tolerância e paciência de Jesus. Somente por meio da tolerância e paciência de Jesus é que elas ganharam o direito de receber perdão e desfrutar da abundância da graça concedida por Jesus, assim como Ele disse: “Não vim para redimir os justos, mas os pecadores, para permitir que os pecadores sejam perdoados de seus pecados”. [...] Quanto mais Jesus amava a humanidade, perdoando-lhes os pecados e levando-lhes misericórdia e benignidade suficientes, mais as pessoas adquiriam a capacidade de serem salvas e chamadas de cordeiros perdidos que Jesus comprou de volta por um grande preço. Satanás não conseguiu se intrometer nesta obra, porque Jesus tratava Seus seguidores como uma mãe amorosa trata o bebê em seu seio. Ele não Se zangava com eles nem os desprezava, mas os consolava. Ele nunca Se enfurecia no meio deles, mas tolerava os pecados deles e fazia vista grossa à sua tolice e ignorância, a ponto de dizer: “Perdoe os outros setenta vezes sete vezes”. Seu coração transformava o coração dos outros. Desta maneira é que as pessoas receberam o perdão dos pecados por meio de Sua tolerância.

de ‘A verdadeira história por trás da obra na Era da Redenção’ em “A Palavra manifesta em carne”

Em Sua época, Jesus falou aos discípulos apenas uma série de sermões da Era da Graça, discorrendo sobre como praticar, como se reunir, como pedir em oração, como tratar o próximo e assim por diante. A obra que Ele realizou foi a da Era da Graça e Ele apenas expôs como os discípulos e os demais seguidores deveriam praticar. Jesus realizou apenas a obra da Era da Graça, não a dos últimos dias. [...] A obra de Deus tem limites bem claros em cada era; Ele só realiza a obra da era corrente e nunca antecipa as etapas da obra que virá. Somente assim é que as obras representativas de cada era podem ser trazidas à tona. Jesus apenas falou sobre os sinais dos últimos dias, sobre como ser paciente e como ser salvo, como se arrepender e como confessar, sobre como carregar a cruz e suportar o sofrimento; mas Ele nunca falou sobre o que o homem dos últimos dias deveria entrar, nem como deveria buscar satisfazer a vontade de Deus.

de ‘Como o homem que definiu Deus de acordo com as suas concepções pode receber as revelações de Deus?’ em “A Palavra manifesta em carne”

O homem recebeu muita graça, como a paz e a felicidade da carne, a bênção de toda a família sobre a fé de um e a cura de doenças, e assim por diante. O restante foram as boas ações do homem e sua aparência piedosa; se o homem fosse capaz de viver baseado nisso, ele era considerado um bom crente. Somente esses crentes poderiam entrar no céu após a morte, o que significa que estavam salvos. Mas, ao longo de suas vidas, não entenderam nada do caminho da vida. Eles simplesmente cometiam pecados, daí confessavam em um ciclo constante, sem qualquer caminho para um caráter transformado; tal era a condição do homem na Era da Graça.

de ‘O mistério da encarnação (4)’ em “A Palavra manifesta em carne”

A obra de Jesus foi apenas em prol da redenção do homem e da crucificação. Assim, não havia necessidade de Ele dizer mais palavras a fim de conquistar qualquer homem. Muito do que Ele ensinou ao homem foi extraído das palavras das Escrituras, e mesmo que Sua obra não excedesse às Escrituras, ainda assim Ele pôde realizar a obra da crucificação. Sua obra não era a da palavra, nem para conquistar a humanidade, mas para redimir a humanidade. Ele só agiu como a oferta pelo pecado para a humanidade, e não agiu como a fonte da palavra para a humanidade.

de ‘A visão da obra de Deus (1)’ em “A Palavra manifesta em carne”

A Era da Graça pregou o evangelho do arrependimento, e contanto que o homem acreditasse ele seria salvo. [...] Na época, a obra de Jesus foi a redenção de toda a humanidade. Os pecados de todos que acreditavam Nele foram perdoados; contanto que você acreditasse Nele, Ele o redimiria; se você acreditasse Nele, não era mais pecador e estava aliviado de seus pecados. É isso que significava ser salvo e ser justificado pela fé. No entanto, naqueles que acreditavam ainda restava o que era rebelde e se opunha a Deus e o que ainda precisava ser removido lentamente. A salvação não significava que o homem havia sido completamente ganho por Jesus, mas sim que o homem não era mais do pecado, que ele havia sido perdoado de seus pecados: se você acreditasse, nunca mais seria do pecado. [...] Jesus não veio para aperfeiçoar e ganhar o homem, mas sim para realizar um estágio da obra: dar origem ao evangelho do Reino do Céu e completar a obra da crucificação – e, assim, assim que Jesus foi crucificado, Sua obra chegou ao fim completo.

de ‘A visão da obra de Deus (2)’ em “A Palavra manifesta em carne”

Anterior:Qual é a diferença essencial entre ser salvo e a salvação?

Próximo:É preciso entender que toda a verdade expressa por Deus nos últimos dias é o caminho da vida eterna.

Coisas que talvez lhe interessem