Os segredos ocultos por detrás da busca

30 de Julho de 2019

Por Li Li, Província de Shandong

Não muito tempo atrás, fui eleita como líder de nível médio por meus irmãos e irmãs. Um dia, enquanto me reunia aos meus colaboradores, não consegui deixar de pensar comigo mesma: devo fazer isto bem. Se meu desempenho for ruim, como os meus líderes e colaboradores me verão? Como consequência, quando debatíamos juntos, se eu tivesse um pouco de entendimento do assunto, então tentava ser a primeira a falar algo, contudo, quando não tinha compreensão do tema em questão e era incapaz de dizer algo, eu ficava ansiosa. Durante aqueles poucos dias de reuniões, senti-me muito cansada e bastante ansiosa, como se estivesse em uma arena de combate. Depois, fiquei pensando, preocupada com o que eu tinha revelado e me dei conta de que este tipo de situação se devia apenas à minha própria vaidade e não havia um problema real.

Então, um dia, os líderes me notificaram de uma reunião. Senti-me particularmente entusiasmada ao saber que os líderes de nível superior convocariam a reunião, e pensei: parece que serei treinada, se me sair bem e deixar uma boa impressão, então talvez eu seja promovida, e quando a minha responsabilidade aumentar, não apenas os meus colaboradores vão me admirar, mas também meus irmãos e irmãs. Então, na reunião, falei de modo muito cauteloso, temendo que qualquer palavra inapropriada deixasse uma má impressão em meus líderes. Quando a reunião finalmente terminou, eu me senti eufórica, apesar de ter estado ansiosa e cansada nos dias anteriores, e senti que o futuro era muito promissor. Desse ponto em diante, a minha “busca” se fortaleceu consideravelmente.

Certo dia, li a seguinte passagem de um sermão, “Quando as pessoas tentavam conhecer a si próprias no passado, elas prestavam atenção apenas às transgressões que tinham cometido ou quais corrupções tinham revelado, mas deixavam de analisar cada palavra e ação sua para ver quais eram caracteres corruptos de Satanás, quais eram venenos do grande dragão vermelho, quais eram fantasias e concepções da humanidade, e quais eram falsidades e desvios. Além dessas coisas, as pessoas também devem analisar suas próprias atitudes e estados internos para compreenderem as coisas que estão ocultas nas profundezas do seu coração, e devem pôr-se diante de Deus, para enxergarem a essência dessas coisas, usando a verdade. Só então uma pessoa pode conhecer a realidade de sua própria corrupção e ver o problema de sua essência corrompida. Só porque uma pessoa não cometeu grandes transgressões não quer dizer que não haja problemas nas profundezas de seu coração. Um quê de malícia, problemas de caráter e problemas ocultos na natureza de uma pessoa são ainda mais difíceis de serem resolvidos. As pequenas enfermidades não matam, apenas enfermidades sérias ceifam vidas” (A comunhão do alto). Após ler isto, não pude deixar de pensar em meu estado psicológico nas duas reuniões anteriores, e internamente pensei: qual natureza o dominou? Neste ponto, comecei a procurar as verdades que correspondiam à minha situação para que pudesse examiná-la com minúcia.

Sob a orientação de Deus, vi Sua palavra: “Algumas pessoas particularmente idolatram Paulo. Elas gostam de sair, dar palestras e trabalhar, gostam de participar de reuniões e pregar e gostam quando as pessoas as ouvem, as veneram e giram em torno delas. Elas gostam de ter status na mente dos outros e apreciam quando os outros valorizam a imagem que apresentam. Vamos analisar sua natureza a partir desses comportamentos: qual é natureza delas? Se elas realmente se comportam assim, então é o suficiente para mostrar que são arrogantes e convencidas. Elas não adoram a Deus nem um pouco; elas buscam um status mais elevado e desejam ter autoridade sobre os outros, possuí-los e ter status na mente deles. Essa é a imagem clássica de Satanás. Os aspectos de sua natureza que se sobressaem são a arrogância e a presunção, uma relutância em adorar a Deus e um desejo de ser adorado pelos outros. Tais comportamentos podem lhe dar uma visão muito clara da natureza delas” (‘Como conhecer a natureza do homem’ em “Registros das falas de Cristo”). Repetidamente, tentei entender cada palavra de Deus, e as comparei com meus próprios pensamentos, palavras e atos, e só então vi a verdade. A razão por que eu estava muito nervosa e sujeita a controle na reunião não era para que os outros prestassem atenção em mim ou me valorizassem? Não era apenas para obter um status mais alto e que mais pessoas me admirassem? Quando senti que os líderes pensavam bem de mim, pensei que o meu próprio futuro era muito promissor, e me senti ainda mais presunçosa e enérgica. A partir disso, vi a natureza da minha arrogância, eu sempre quis estar no topo, governar as pessoas, ter um lugar no coração delas. Busquei o mesmo que Paulo. Em essência, o que eu buscava não era adorar ou satisfazer a Deus, mas usar o status dado por Deus para satisfazer os meus próprios desejos e ambições. Não foi exatamente assim que o arcanjo revelou sua arrogância? Não trilhei o caminho do anticristo?

Antes, quando eu frequentava as reuniões, ficava facilmente constrangida, mas eu apenas achava que eu era vaidosa demais, e não analisava as coisas que estavam por trás das situações. Agora, após analisar, reconheci que esse comportamento era motivado por uma natureza arrogante e orgulhosa, por trás da qual havia maquinações pessoais e ambições arrogantes. Eu era dominada pela minha arrogância, e fiz muita coisa contra Deus: eu andava agitada de um lado para o outro, realizando os meus deveres, e era desesperada para me expressar, querendo ganhar um status superior e a admiração de meus irmãos e irmãs. Quando eu me expunha diante de meus irmãos e irmãs, nunca analisava de fato as coisas ocultas lá no fundo, dentro de mim. Em vez disso, falava sobre os meus atos exteriores para me exaltar e dar testemunho de mim mesma. Quando comia e bebia a palavra de Deus, não era para aumentar a minha compreensão ou para receber a verdade, mas para me exibir para meus irmãos e irmãs. Ao pensar nisso, eu me encolhi de medo: não estava servindo a Deus, estava completamente envolvida com os meus próprios assuntos e resistia a Deus. Agora, se Deus não houvesse permitido que eu me desse conta da minha natureza arrogante e visse a ambição e impureza por trás da minha busca entusiástica e que eu estava na senda errada, eu continuaria com os meus modos arrogantes e poderia fazer coisas más que resistiriam e trairiam a Deus, e, assim, estaria sujeita à Sua punição.

Dou graças a Deus por Sua iluminação e orientação oportunas que me levaram a reconhecer a essência da minha natureza arrogante, e me permitiram ver que eu estava tomando o caminho do anticristo. Esta experiência em particular me fez perceber que, em minha experiência, não somente eu deveria prestar atenção em reconhecer as minhas revelações e transgressões, mas compará-las à verdade, e analisar as coisas ocultas lá no fundo, dentro de mim, para obter uma melhor compreensão da minha própria natureza e alterar o meu caráter. No futuro, gostaria de analisar cuidadosamente o meu estado mental e a minha condição interna, compreender a minha essência corrompida, buscar e adentrar o caminho certo para a salvação de Deus.

Quando o desastre vem, como nós cristãos devemos lidar com ele? Convidamos você a participar da nossa reunião online, onde podemos explorar juntos e encontrar o caminho.

Conteúdo relacionado

A essência do abuso de poder para efeito de vingança pessoal

Há algum tempo atrás, precisávamos organizar os distritos em nossa região e havia um irmão que era um candidato relativamente adequado para liderança, baseado nos nossos princípios de seleção de líderes. Eu estava me preparando para promovê-lo a líder distrital.

As riquezas da vida

Por Wang Jun, Província de Shandong Ao longo dos anos, desde que aceitei a obra de Deus Todo-Poderoso nos últimos dias, eu e minha esposa...