Convidamos a todos os buscadores da verdade que entrem em contato conosco.

Os meus princípios na vida me deixaram machucada

14

Changkai Cidade de Benxi, Província de Liaoning

A frase popular “todos põem cargas nas costas de um cavalo manso” é uma com a qual sou pessoalmente muito familiarizada. Eu e meu marido éramos pessoas muito ingênuas. Quando se tratava de questões que envolviam nosso próprio benefício ou perda pessoais, não éramos do tipo que regateava ou criava confusão com os outros. Sempre que podíamos ser condescendentes, éramos, sempre que podíamos ser complacentes, fazíamos o nosso melhor para o sermos. Assim, sempre acabávamos sendo enganados e abusados pelos outros. Parecia de fato que na vida “todos põem cargas nas costas de um cavalo manso”. Se você tiver muita bondade em seu coração, se for muito complacente e modesto em seus negócios, é provável que seja enganado. Com estes pensamentos, resolvi não me sujeitar mais a este abuso e não viver mais em frustração. Em questões futuras e ao lidar com os outros, prometi que não seria complacente demais. Mesmo após ter aceitado a obra de Deus Todo-Poderoso, eu ainda aplicava este princípio na condução de meu comportamento e interações com os outros.

Certa vez, eu estava trabalhando com uma irmã no cumprimento de nossas funções. Esta irmã apontava com frequência as minhas inadequações e limitações. Eu tinha a sensação de que ela me rebaixava de todos os modos. A princípio, pensei: não é fácil estar sozinha longe de casa, tente ser condescendente. No entanto, posteriormente, depois que a irmã provou ser incansável em suas críticas, finalmente refleti sobre a frase: “todos põem cargas nas costas de um cavalo manso”. Ocorreu-me que a irmã deveria ter reconhecido que eu era bondosa demais e, portanto, era um alvo fácil e decidiu tornar a minha vida difícil ao implicar sobre questões insignificantes e sem consequências. Decidi que não ia mais ser complacente ou condescendente com o comportamento dela, então me descontrolei com ela, parando apenas quando a irmã não ousava mais pronunciar uma única palavra. Posteriormente, a irmã pediu para comungar comigo e se desculpou comigo, dizendo que estava tentando me ajudar apontando minhas deficiências e jamais imaginando que isso me magoaria. Quando ouvi isto, fiquei tão satisfeita que poderia ter pensado que eu era um general de quatro estrelas saindo vitorioso do campo de batalha. E mais do que isto, eu estava ainda mais convencida que havia muita verdade na frase “todos põem cargas nas costas de um cavalo manso”.

Apenas recentemente, ao ler “Os 100 axiomas de Satanás sobre os quais humanos corrompidos se fundam para a existência”, publicado pela igreja, vi um trecho que dizia: “‘Todos põem cargas nas costas de um cavalo manso’. […] Por milhares de anos, a humanidade tem sido corrompida por Satanás e há incontáveis falácias que ele usa para enganar as pessoas. Aqui, resumimos 100 falácias que a humanidade preza como máximas preciosas para guiá-la pela vida. Essas falácias já se enraizaram nas profundezas do coração humano. Se não estiverem equipados com as verdades, os humanos são, em grande medida, incapazes de descobrir a natureza verdadeira destas falácias. Se os humanos continuarem mantendo as falácias de Satanás como máximas e princípios para a vida, a humanidade corrompida nunca alcançará a salvação”. Após ler este trecho da comunhão, tive uma constatação súbita, como se despertasse de um longo sonho: a frase “todos põem cargas nas costas de um cavalo manso” era uma falácia criada por Satanás para doutrinar e corromper a humanidade. Deus pede que, em nossas interações com os outros, sejamos acolhedores, pacientes, tolerantes e misericordiosos. Devemos ter consideração, respeito e amor pelos outros. Em contraposição, o princípio de vida de Satanás, “todos põem cargas nas costas de um cavalo manso”, afasta-nos de maneira sutil do bem em direção ao mal, ensina-nos a não sermos bons ou conciliadores demais no trato com os outros. Para nos protegeremos, devemos adotar o “olho por olho, dente por dente”, devemos aprender a ser duros, barbáricos e maus. Constatei que “todos põem cargas nas costas de um cavalo manso” representa uma falácia, que é diametralmente oposta à verdade — é a lógica de Satanás, pertence à sua negatividade, um veneno do grande dragão vermelho. Satanás trabalha através destas “teorias” ilusórias para fazer uma lavagem cerebral nos humanos, para que eles sejam ardilosos uns contra os outros, assassinando a sangue frio e competindo de forma persistente e interminável, submetendo-se a ninguém até que não reste mais humanidade neles. Deste modo, os humanos se tornam tão corruptos quanto Satanás, objetos de sacrifício a serem enterrados com ele, e Satanás atinge seu objetivo de corromper e consumir toda a humanidade. Eu não conseguia ver através da ilusão e assumia os “todos põem cargas nas costas de um cavalo manso” como uma verdade a ser aceita e respeitada. Eu pensava que não podia ser boa ou complacente demais e que ser paciente ou tolerante no tratamento com os outros era o modo para ser estúpida e arrogante e só me deixaria vulnerável a ser enganada ou abusada. Como eu sempre tinha assumido esta falácia como uma máxima pela qual viver, quando a irmã apontou as minhas inadequações para poder me ajudar a reconhecê-las e mudar para melhor, não apenas não aceitei os comentários dela, como, na verdade, pensei que ela estivesse me maltratando e implicando com detalhes insignificantes. Assim, eu me descontrolei com essa irmã e, assim, a oprimi. Mesmo quando ela se humilhou e me pediu desculpas, eu ainda não tinha obtido um vislumbre do meu interior nem me senti constrangida, mas, em vez disso, sentei-me ali, contente da vida, pensando que a irmã havia finalmente “aceitado a derrota”, porque eu havia aderido à minha máxima “todos põem cargas nas costas de um cavalo manso”. Tendo “conquistado esta vitória”, eu me senti ainda mais motivada a defender e elogiar este axioma de Satanás. Que absurdo, como eu era louca! Eu havia entendido tudo ao contrário, confundindo maldade com bondade. A obra de Deus nos últimos dias é para limpar a humanidade do veneno de Satanás e usar a verdade para mudar o seu caráter corrompido. No entanto, no meu próprio caso, eu não tinha buscado a verdade ou me esforçado para reconhecer o veneno de Satanás dentro de mim, nem pratiquei a verdade para mudar a mim mesma. Em vez disto, sustentei-me nas falácias de Satanás e rejeitei a verdade. Se eu tivesse continuado deste modo, nunca teria começado a compreender a mim mesma. Eu nunca obteria a verdade e alcançaria a mudança em meu caráter. No fim, eu teria sido aniquilada por Deus, como é o destino de Satanás.

Agradeço a Deus por Sua iluminação e esclarecimento, que me permitiram compreender que o axioma de Satanás — “todos põem cargas nas costas de um cavalo manso” — não é nada senão uma falácia que ele usa para fazer lavagem cerebral e corromper a humanidade. A frase é uma contradição em relação à verdade e só pode corromper e arruinar a humanidade. Se o homem obtiver o seu sustento a partir do veneno de Satanás, se ele agir de acordo com os axiomas de Satanás, ele só se tornará mais corrompido e mau. Ele será cada vez menos humano e mais contrário a Deus, afastando-se Dele. Ele nunca receberá a salvação de Deus. Deus Todo-Poderoso, prometo pôr todo o meu esforço em Suas palavras e em minha busca pela verdade, para que eu possa vir a reconhecer as muitas variedades de venenos de Satanás em mim, abandonar totalmente as falácias dele e não agir mais de acordo com os seus axiomas. Prometo buscar a Sua vontade em todas as questões e seguir a Sua palavra, para que ela possa se enraizar profundamente em meu coração e se tornar os axiomas pelos quais faço as coisas, os padrões em relação aos quais eu me meço. Permita-me viver em completo acordo com a Sua palavra.

Conteúdo Relacionado

  • Por que eu não mudei depois de tantos anos de fé?

    Jinru Cidade de Nanyang, Província de Henan Quando um irmão ou irmã indicava as minhas falhas ou não dava atenção à minha opinião, eu discordava ou…

  • A importância da colaboração no serviço

    A igreja recentemente emitiu um arranjo de trabalho requerendo que os líderes de igreja, de todos os níveis, definam um parceiro (um colaborador de trabalho para trabalhar junto com eles).

  • Libertando-se dos grilhões do espírito

    Eu era uma pessoa fraca com um caráter sensível. Quando não acreditava em Deus, com frequência eu me sentia triste e angustiada pelas coisas que surgiam na vida. Houve muitos desses momentos e sempre senti que a minha vida era difícil;

  • Servir desta maneira é verdadeiramente desprezível

    Nos últimos dias, a igreja providenciou uma mudança no meu trabalho. Quando recebi essa nova tarefa, eu pensei: “Preciso aproveitar essa última oportunidade para convocar uma reunião com meus irmãos e irmãs, discutir as questões claramente com eles, e deixar uma boa impressão”.