Discriminar estranhos é maldoso demais

04 de Agosto de 2019

Xiaojin Condado de Pan’an, Província de Zhejiang

Em fevereiro de 2007, a igreja recebeu um arranjo de trabalho intitulado “Regue e abasteça os novos crentes para ajudá-los a se enraizarem o mais rápido possível”. Ele enfatizava que “todos aqueles que são eficientes e experientes em regar os novos crentes devem ser redesignados para completarem essa tarefa. Aqueles que são inadequados para regar os novos crentes não devem ser usados de modo algum nessa função, edevem ser transferidos para evitar atrasar a obra” (da comunhão do alto). Depois de ver esta organização, em vez de usar os princípios para mensurar se a irmã do nosso distrito que regava os novos crentes era adequada, eu passei a ter ideias preconcebidas contra ela: “Esta pessoa realizava de maneira superficial a função dela e não se concentrava em comer e beber as palavras de Deus. Além disso, ela se preocupava com a carne, por isso não era adequada para regar os novos crentes. E mais importante, ela pensava que tinha certa importância e assim se tornou arrogante e menosprezava os outros. Da última vez, ela foi até os líderes superiores e falou mal de mim. Se não fosse pelas exigências da minha obra, eu não teria prestado mais atenção a ela”. Ao pensar sobre isto, concebi um plano: por que não aproveitar essa oportunidade e substitui-la para que, assim, eu não precise mais vê-la? Ela não é arrogante? Vou simplesmente substitui-la e, depois, verei o quão orgulhosa ela é!

Como consequência, não ponderei a eficiência da obra dela e não estava pensando no interesse da igreja. Eu estava apenas com pressa de substitui-la. Depois, de modo irrefletido, transferi uma líder da igreja para o distrito para cumprir a função da rega. No meu ponto de vista, esta pessoa era capaz de suportar dificuldades, falava palavras gentis e era uma trabalhadora ágil. Tinha compaixão pelas pessoas e era muito adequada para a obra de rega. Não me dei conta de que os líderes superiores achavam que essa pessoa era inadequada e que a primeira irmã era bastante adequada. Fiz o meu melhor para falar muito bem desta líder da igreja, ao ponto até de dizer que não havia ninguém melhor que ela. Justamente quando eu me recusava a aceitar as sugestões deles, recebi a notícia de que essa líder da igreja estava sendo vigiada pelo grande dragão vermelho. Sem qualquer outra opção, eu me pus de lado e, contrafeita, reintegrei a primeira irmã. O meu coração estava severamente perturbado e deprimido, e senti que eu não tinha onde botar para fora as minhas frustrações.

Essa situação prosseguiu até um dia quando li um trecho na pregação do homem: “A maneira que os que servem como líderes tratam os irmãos e as irmãs que consideram desagradáveis, que lhes são contrários, e que têm pontos de vista diferentes dos deles é uma questão bastante séria e deve ser tratada com o máximo cuidado. Se esses líderes não aceitarem a verdade, é certo que irão discriminar e censurar pessoas assim quando enfrentarem problemas similares. Esse tipo de atitude é precisamente uma expressão da natureza do grande dragão vermelho que resiste e trai a Deus. Se os que servem como líderes perseguirem a verdade e possuírem consciência e razão, eles buscarão a verdade e a saberão lidar com essa questão de forma correta” (da comunhão do alto). Naquele momento, eu não pude deixar de relembrar a transferência recente do pessoal da rega do distrito. Deus me impediu de fazer uma coisa má para defender a própria obra Dele, o que evitou que o meu plano fosse bem-sucedido. Entretanto, a natureza satânica e o veneno do grande dragão vermelho dentro de mim veio totalmente à luz. A organização da obra enfatizava de maneira clara que devíamos fazer todo o possível para regar os novos crentes e trazer o pessoal de rega apropriado. Mas, a despeito da urgência de Deus para salvar as pessoas, e sem pensar em realizar a obra de modo apropriado, eu tomei a liberdade de discriminar e atacar a pessoa que me ofendeu. Ao fazer isso, eu não estava usando os mesmos métodos desprezíveis do grande dragão vermelho para eliminar estranhos? Como isso servia a Deus? Esse comportamento estava simplesmente reprimindo e discriminando as pessoas. Estava interrompendo e perturbando a obra da igreja. Eu tinha sido de fato profundamente corrompida por Satanás. As minhas ações não eram diferentes daquelas do grande dragão vermelho. O grande dragão vermelho usa meios deploráveis para eliminar estranhos. Eu também estava substituindo a pessoa que me ofendeu sob o pretexto de pôr em prática a organização da obra. O grande dragão vermelho promove aqueles em quem confia e eu estava promovendo alguém que eu particularmente pensava ser boa e que se conformava à minha opinião. O grande dragão vermelho segue o código satânico de “Aqueles que se submeterem prosperarão; aqueles que resistirem perecerão”. Também usei da minha “autoridade” para me vingar da pessoa que me ofendeu e que tinha uma opinião sobre mim. O grande dragão vermelho distorce os fatos. Ele é injusto e desleal. Fui passional ao criticar cegamente a pessoa que não se conformava à minha vontade. Falei com persistência em favor da pessoa de quem eu gostava a ponto de exagerar, falando contra os fatos. Agora vejo que o veneno do grande dragão vermelho está enraizado profundamente em mim. Ele já se tornou parte da minha vida, a tal ponto que afeta todos os aspectos do meu comportamento. O veneno do grande dragão vermelho me torna sombria e maldosa. Faz com que a minha alma seja imunda, deplorável e feia, o que me leva a resistir, contra a minha vontade, a Deus. Se não fosse pela iluminação de Deus, eu ainda estaria vivendo em minha própria corrupção e ainda estaria me lamentando por causa das minhas motivações fracassadas. Com certeza, eu não saberia que tinha perdido completamente o meu senso e consciência, e que a minha conduta tinha ofendido o caráter de Deus.

Deus Todo-Poderoso, as Tuas revelações me fizeram ver que a minha natureza é má e deplorável demais. Sou a completa personificação do grande dragão vermelho. A minha conduta não é diferente daquela do grande dragão vermelho. A partir de agora, estou disposta a buscar de modo ativo a verdade. Vou me analisar contrastando os meus pensamentos, palavras e ações às palavras de Deus, e reconhecer a natureza do grande dragão vermelho dentro de mim. Verei de maneira clara a substância dele e vou odiá-la de verdade, afastar-me dela e ser uma pessoa com humanidade para consolar o Teu coração!

Quando o desastre vem, como nós cristãos devemos lidar com ele? Convidamos você a participar da nossa reunião online, onde podemos explorar juntos e encontrar o caminho.
Contate-nos
Entre em contato conosco pelo Whatsapp

Conteúdo relacionado

Há grande felicidade na honestidade

Na minha vida, eu sempre tive como lema a frase: “Não devemos ter no coração a intenção de prejudicar os outros, mas devemos vigiar para não sermos prejudicados” na interação social. Nunca confio facilmente nas pessoas. Sempre senti que nas situações em que não sabemos quais são as verdadeiras intenções de alguém, não devemos nos abrir cedo demais.

Toda palavra de Deus é uma expressão do Seu caráter

Sempre que eu via estas palavras ditas por Deus, ficava ansiosa: “Cada sentença que proferi contém o caráter de Deus. Vocês farão bem em ponderar com cuidado Minhas palavras e certamente tirarão muito proveito delas” (de ‘É muito importante entender o caráter de Deus’ em “A Palavra manifesta em carne”).