As duas encarnações completam o significado da encarnação (Trecho II)

A obra que está sendo feita no presente tem movido adiante a obra da Era da Graça; isto é, a obra que está totalmente sob o plano de gestão de seis mil anos tem se movido adiante. Apesar de a Era da Graça ter terminado, a obra de Deus tem feito progresso. Por que Eu digo repetidamente que este estágio da obra é construído sobre a Era da Graça e a Era da Lei? Isto significa que a obra deste dia é uma continuação da obra feita na Era da Graça e é um avanço sobre o que foi feito na Era da Lei. Os três estágios são muito bem interconectados, e cada elo na corrente está firmemente atado ao próximo. Por que Eu também digo que este estágio da obra é construído sobre o que foi feito por Jesus? Supondo que este estágio não foi construído sobre o que foi feito por Jesus, Ele teria que ser crucificado novamente neste estágio, e a obra redentora do estágio anterior teria que ser toda feita novamente. Isto seria sem sentido. Por isso, não é que a obra esteja completamente terminada, mas que a era se moveu adiante, e o nível da obra foi elevado ainda mais alto do que antes. Pode-se dizer que este estágio da obra foi construído sobre o fundamento da Era da Lei e sobre a rocha da obra de Jesus. A obra é construída estágio por estágio, e este estágio não é um novo começo. Somente a combinação dos três estágios da obra pode ser considerada o plano de gestão de seis mil anos. A obra neste estágio é feita sobre o fundamento da obra da Era da Graça. Se estes dois estágios da obra não estivessem relacionados, então, por que a crucificação não foi repetida neste estágio? Por que Eu não carrego os pecados do homem? Eu não venho por meio da concepção pelo Espírito Santo, nem carrego os pecados do homem por meio da crucificação; antes, Eu estou aqui para castigar o homem diretamente. Se o Meu castigo ao homem e a Minha vinda agora, não pela concepção do Espírito Santo, não seguisse a crucificação, então, Eu não seria qualificado para castigar o homem. É precisamente porque sou um com Jesus é que Eu venho diretamente para castigar e julgar o homem. A obra neste estágio é construída inteiramente sobre a obra do estágio precedente. É por isso que somente a obra deste tipo pode levar o homem, passo a passo, à salvação. Jesus e Eu viemos de um Espírito. Embora não tenhamos relação nas Nossas carnes, os Nossos Espíritos são um; mesmo que o conteúdo do que Nós fazemos e a obra que Nós assumimos não sejam os mesmos, Nós somos semelhantes em essência. As Nossas carnes tomam formas diferentes, mas isto é devido à mudança na era e nos diferentes requisitos da Nossa obra; os Nossos ministérios não são semelhantes, por isso, a obra que Nós produzimos e o caráter que Nós revelamos ao homem também são diferentes. É por isso que o que o homem vê e entende neste dia é diferente do que no passado; isto se dá por causa da mudança na era. Por tudo isso, Eles são diferentes no gênero e na forma das carnes Deles, e Eles não nasceram da mesma família, ainda menos no mesmo período de tempo, os Espíritos Deles são, não obstante a isso, um. Por tudo isso, as carnes Deles não compartilham nem sangue nem parentesco físico de tipo algum, não pode ser negado que Eles são a encarnação de Deus em dois períodos de tempo diferentes. Que Eles são as carnes encarnadas de Deus é uma verdade irrefutável, embora não sejam da mesma linhagem e não compartilhem uma linguagem humana comum (um era um macho que falava a língua dos judeus e o outro uma fêmea que fala somente chinês). É por esses motivos que Eles viveram em diferentes países para fazerem a obra que convinha a cada um fazer e em períodos diferentes de tempo também. A despeito do fato de que Eles são o mesmo Espírito, com posse da mesma essência, não há semelhanças absolutas, de modo algum, entre as cascas externas das carnes Deles. Tudo o que eles compartilham é a mesma humanidade, mas no que se refere à aparência externa das carnes Deles e as circunstâncias do nascimento Deles, Eles não são semelhantes. Estas coisas não têm impacto sobre a obra respectiva Deles nem sobre o conhecimento que o homem tem Deles, pois, em última análise, Eles são o mesmo Espírito e ninguém pode separá-Los. Apesar de Eles não serem relacionados por meio do sangue, todo o ser Deles está encarregado dos Espíritos Deles, que aloca a Eles diferentes obras em diferentes períodos de tempo. e as carnes Deles a diferentes linhagens. De modo semelhante, o Espírito de Jeová não é o pai do Espírito de Jesus, e o Espírito de Jesus não é o filho do Espírito de Jeová: Eles são um e o mesmo Espírito. Do mesmo modo como se dá com o Deus encarnado de hoje e Jesus. Apesar de Eles não serem relacionados por sangue, Eles são um; isto se dá porque os Espíritos Deles são um. Deus pode fazer a obra de misericórdia e de benignidade, assim como a de julgamento justo e a de castigo do homem, e a de invocar maldições sobre o homem; e, no final, Ele pode fazer a obra de destruir o mundo e de punir o iníquo. Ele não faz tudo isso Ele mesmo? Esta não é a onipotência de Deus? Ele foi capaz de ambos para promulgar as leis para o homem e para emitir mandamentos para ele, e Ele também foi capaz de levar os primeiros israelitas a viver suas vidas na terra e a guiá-los para construir o templo e os altares, mantendo todos os israelitas sob o domínio Dele. Confiando na autoridade Dele, Ele viveu na terra com o povo de Israel por dois mil anos. Os israelitas não ousaram se rebelar contra Ele; todos reverenciaram a Jeová e observaram os mandamentos Dele. Esta foi a obra que foi feita, confiando-se na autoridade Dele e na onipotência Dele. Então, durante a Era da Graça, Jesus veio para redimir toda a humanidade caída (e não somente os israelitas). Ele mostrou misericórdia e benignidade ao homem. O Jesus que o homem viu na Era da Graça foi cheio de benignidade e sempre foi amoroso em relação ao homem, pois Ele tinha vindo para salvar a humanidade do pecado. Ele foi capaz de perdoar os homens de seus pecados até que a Sua crucificação redimiu completamente a humanidade do pecado. Durante esse período, Deus apareceu diante do homem com misericórdia e benignidade; isto é, Ele se tornou uma oferta pelo pecado para o homem e foi crucificado pelos pecados do homem de modo que eles pudessem, para sempre, ser perdoados. Ele foi misericordioso, compassivo, longânimo e amoroso. E todos os que seguiram a Jesus na Era da Graça, do mesmo modo buscaram ser longânimos e amorosos em todas as coisas. Eles foram longânimos e nunca revidaram, mesmo quando apanhavam, eram amaldiçoados ou apedrejados. Porém, durante o estágio final, isto não pode mais ser assim. Semelhantemente, apesar de os Espíritos Deles serem um, a obra de Jesus e de Jeová não foram inteiramente semelhantes. A obra de Jeová não era causar o fim da era, mas guiá-la, introduzindo a vida da humanidade na terra. Entretanto, a obra em curso é conquistar os que estão nas nações gentílicas, que têm se corrompido profundamente, e liderar não somente a família na China, mas o universo inteiro. Pode parecer para você que esta obra está sendo feita somente na China, mas, de fato, ela já começou a se expandir no exterior. Por que é que os estrangeiros estão buscando o caminho verdadeiro repetidas vezes? É porque o Espírito já se pôs a operar, e as palavras que estão sendo faladas agora são direcionadas para o povo no universo todo. Com isso, metade da obra já está em andamento. Desde a criação do mundo até o presente, o Espírito de Deus tem colocado esta grande obra em movimento e, além disso, tem feito uma obra diferente em diferentes eras e em diferentes nações. As pessoas de cada era veem um caráter diferente Dele, que é naturalmente revelado por meio da diferente obra que Ele faz. Ele é Deus, cheio de misericórdia e de benignidade; Ele é a oferta pelo pecado para o homem e para o pastor do homem; mas Ele também é o julgamento, o castigo e a maldição do homem. Ele poderia levar o homem a viver na terra por dois mil anos, e Ele também poderia redimir a humanidade corrupta do pecado. Hoje, Ele também é capaz de conquistar a humanidade, aqueles que não O conhecem, e fazê-los prostrarem-se sob o Seu domínio, de modo que todos se submetam a Ele completamente. No final, Ele queimará totalmente tudo o que for impuro e injusto dentro do homem no universo todo, para mostrar a eles que Ele não é somente um Deus misericordioso e amoroso, não somente um Deus de sabedoria e maravilhas, não somente um Deus santo, mas muito mais, um Deus que julga o homem. Para os malignos dentre a humanidade, Ele é abrasador, julgamento e punição; para aqueles que devem ser aperfeiçoados, Ele é tribulação, refinamento e provação, assim como conforto, sustento, provisão de palavras, tratamento e poda. E para aqueles que são eliminados, Ele é punição e também duro castigo.

Extraído de “A Palavra manifesta em carne

Quando o desastre vem, como nós cristãos devemos lidar com ele? Convidamos você a participar da nossa reunião online, onde podemos explorar juntos e encontrar o caminho.
Contate-nos
Entre em contato conosco pelo Whatsapp

Conteúdo relacionado