83. Os princípios de receber o povo escolhido de Deus

(1) O povo escolhido de Deus deve ser recebido com amor e princípios e em submissão aos arranjos da igreja. Nunca recebam anticristos, pessoas más ou espíritos malignos;

(2) Em tempos de tribulação, os líderes e obreiros, bem como os irmãos e irmãs, devem ser mantidos em segurança. Essa é uma responsabilidade vinculada à honra e também uma boa ação;

(3) Uma família deve fazer o que puder, conforme convém à sua situação econômica, visando simplicidade e conveniência. É proibido comer e beber à vontade; em vez disso, sejam guiados pelo princípio de permitir que os outros comam até se saciar;

(4) Se uma família anfitriã encontrar dificuldades, a igreja deve resolvê-las; se uma família anfitriã tiver problemas financeiros, que a igreja arque com o custo total da acolhida.

Versos da Bíblia para referência:

“Em verdade, em verdade vos digo: Quem receber aquele que Eu enviar, a Mim Me recebe; e quem Me recebe a Mim, recebe aquele que Me enviou” (João 13:20).

“Quem recebe um profeta na qualidade de profeta, receberá a recompensa de profeta; e quem recebe um justo na qualidade de justo, receberá a recompensa de justo” (Mateus 10:41).

Palavras de Deus relevantes:

Os princípios que você deve entender e as verdades que você deve colocar em prática são os mesmos, independentemente do dever que você está cumprindo? Quer você seja convidado para ser um líder ou obreiro, ou se você estiver cozinhando pratos como anfitrião, ou se você for convidado para cuidar de alguns assuntos fora da igreja ou fazer alguma obra física, os princípios que governam todos esses deveres giram em torno da verdade. Então, qual desses princípios é o maior e o principal? Para desempenhar adequadamente suas funções e atender aos padrões exigidos ao fazê-lo, você deve saber o que é dever. O que realmente é o dever? É a sua carreira? É correto cumprir seu dever como se fosse sua carreira, pensando: “Tenho de fazer isso bem para que as pessoas vejam como sou grande e bem-sucedido, e então minha vida terá sentido”? (Não é correto.) Muitas pessoas não sabem o que realmente é o dever, e essa visão deve ser esclarecida agora. O que é o dever? O dever não é gerenciado por você — não é a sua carreira nem o seu trabalho; em vez disso, é a obra de Deus. A obra de Deus requer a sua cooperação, o que dá origem ao seu dever. A parte da obra de Deus com a qual o homem deve cooperar é o seu dever. O dever é a porção da obra de Deus — não é sua carreira, não são seus assuntos domésticos, nem seus assuntos particulares na vida. Se o seu dever é lidar com assuntos externos ou internos, é a obra da casa de Deus, ela forma uma parte do plano de gerenciamento de Deus e é a comissão que Deus deu a você. Não é seu negócio pessoal. Então, como você deveria tratar o seu dever? Portanto, você não pode cumprir seu dever como lhe agradar. […]

Não importa que dever cumpra, você precisa sempre buscar compreender a vontade de Deus e entender quais são Suas exigências em relação a seu dever; só então você será capaz de lidar com as questões de uma maneira baseada em princípios. Ao realizar o seu dever, você não pode de maneira alguma seguir suas preferências pessoais, ao fazer só o que gostaria de fazer, o que você ficaria feliz e confortável fazendo, nem o que o faria parecer bom. Se você impuser forçosamente suas preferências pessoais para Deus ou praticá-las como se fossem a verdade, observando-as como se fossem as verdades-princípio, então isso não é cumprir o seu dever, e realizar o seu dever dessa maneira não será lembrado por Deus.

Extraído de ‘Só buscando as verdades-princípio é possível realizar bem o seu dever’ em “Registros das falas de Cristo dos últimos dias”

6. Faça aquilo que deve ser feito pelo homem, cumpra suas obrigações, cumpra suas responsabilidades e atenha-se ao seu dever. Como você crê em Deus, faça sua contribuição à obra de Deus; se não o fizer, você não está apto a comer e beber as palavras de Deus e não está apto a viver na casa de Deus.

O Decreto Seis está relacionado aos deveres do homem. Não importa como tenha sido sua entrada prévia na vida ou de como sua busca pessoal se desenvolveu, ou ainda qual seja seu calibre ou humanidade, se a obra da igreja exigir que você faça algo, então, não importa quão grande a dificuldade, você deve fazê-lo; se não o fizer, você não está apto a ficar na casa de Deus — a casa de Deus não fornece refeições gratuitas! A casa de Deus não pede muito do homem: ela não exige que você seja de bom calibre, de boa humanidade e bom em seu trabalho, tudo de uma vez — mas, no mínimo, seu comportamento e a forma como você age devem ser aceitáveis. Você deve ter um pouco de atitude de temor a Deus e mostrar certa submissão a Ele. Se não puder fazer nem isso, você deveria voltar correndo para casa e parar de bagunçar a casa de Deus. Se você for capaz de cumprir seu dever, mas se recusar a fazê-lo, e só quiser ficar se aproveitando da casa de Deus, isso é um exemplo de alguém que acredita sinceramente em Deus? No Meu ponto de vista, pessoas como essas podem ser consideradas como pessoas que não creem, e não são nem um pouco diferentes de um descrente. Elas são repugnantes de se ver! Se você deseja crer em Deus, deve fazê-lo de maneira apropriada; se não deseja crer, ninguém está implorando que o faça. Quem lhe pediu para acreditar? Você fez isso por vontade própria. Se você não consegue fazer uma coisa tão pequena, então por que sequer falar sobre crer em Deus? Se você não pode ser uma pessoa justa, então seja uma pessoa boa do mundo, alguém que faça algum bem; se não pode nem fazer isso, você é lixo inútil. A casa de Deus não quer lixo inútil. Ela não é um ferro-velho — tal lixo não tem nenhuma utilidade. As pessoas que não têm nem uma migalha da verdade devem ser todas eliminadas e expulsas! Vocês não podem, sob hipótese alguma, cometer todos esses ultrajes; vocês precisam agir de acordo com os princípios. Todo aquele que cometer ultrajes e interromper ou perturbar a obra da casa de Deus será expulso e eliminado para sempre.

Extraído de ‘Uma conversa sobre os decretos administrativos de Deus na Era do Reino’ em “Registros das falas de Cristo dos últimos dias”

Algumas pessoas são terrivelmente egoístas — egoístas ao extremo — e isso representa sua natureza. Todas as pessoas são um pouco egoísta, mas há uma diferença. Quando associadas com outras, algumas pessoas conseguem dar atenção e cuidar de outras, preocupar-se com elas e levá-las em consideração em tudo que fazem, enquanto outras não são assim. Considere uma pessoa especialmente egoísta e que, ao hospedar seus irmãos e irmãs, oferece as melhores coisas à sua família. Ele sempre dá à sua família a melhor comida, mas quando seus irmãos e irmãs vêm, ele só lhes oferece pequenas porções de comida inferior. Quando, porém, seus próprios parentes vêm, ele deixa tudo arranjado da maneira mais confortável possível para eles e coloca tudo em ordem. No entanto, quando seus irmãos e irmãs vêm, ele faz com que durmam no chão. Quando seus irmãos e irmãs ficam doentes ou têm alguma outra dificuldade, tal pessoa nem sequer pensa neles, comportando-se como se não percebesse. Ela acha que basta permitir-lhes passarem a noite quando eles vêm visitá-la. Tais pessoas não se importam nem se sentem minimamente preocupadas com os outros; elas só se importam consigo mesmas e com seus parentes. Essa sua natureza egoísta é o que determina que elas não estão dispostas a cuidar de outros. Elas acham que cuidar dos outros envolve sofrer perdas e enfrentar muitos problemas. Algumas pessoas podem racionalizar, dizendo: “Uma pessoa egoísta não sabe como levar as outras em consideração”. Por que, então, elas são tão boas com seus próprios parentes e mostram toda consideração por suas necessidades? Como é que sabem de que elas mesmas carecem e o que é apropriado vestir ou comer em determinado momento? Por que elas são incapazes ser assim com outros? Na verdade, elas entendem tudo isso, mas são egoístas. Isso é determinado por sua natureza.

Extraído de ‘Como conhecer a natureza do homem’ em “Registros das falas de Cristo dos últimos dias”

Trechos de sermão e comunhão para referência:

Algumas pessoas, apesar de muitos saberem que elas creem em Deus, mesmo assim são capazes de assumir riscos ao acolher e proteger irmãos e irmãs que foram apontados como procurados e estão sendo perseguidos para serem presos. Algumas pessoas não são reconhecidas como crentes, por isso, quando acolhem pessoas, não se arriscam muito; além do mais, elas também satisfazem a condição de ser capazes de proteger alguns irmãos e irmãs que estão fugindo, mas simplesmente não querem acolhê-los porque temem que fazer isso lhes causará problemas. Essas pessoas são praticantes de boas ações? Elas não estão dispostas a assumir nem mesmo o menor dos riscos ao acreditar em Deus. Essas pessoas são bastante egoístas e desprezíveis e de caráter malicioso. Portanto, sua crença em Deus é vazia; de jeito nenhum elas ganharão o elogio de Deus. Alguns de vocês até preferem esperar pela queda do grande dragão vermelho para acolher pessoas, mas a essa altura vocês não serão mais necessários. Não abram o guarda-chuva depois de a chuva acabar, pois isso é inútil! Deus é justo. Você não consegue se convencer nem a prestar esse pouquinho de serviço, e mesmo assim quer ganhar bênçãos! Deixe de sonhar acordado! Que tipos de boas ações a casa de Deus mais valoriza? Na China continental, há muitos irmãos e irmãs que estão sendo caçados e são procurados para serem presos pelo grande dragão vermelho e que não têm onde se esconder. Alguns irmãos e irmãs são capazes de se expor ao risco para acolhê-los e lhes dar proteção; esse é o tipo de pessoa que é leal a Deus e que pode ganhar Suas bênçãos. Os feitos de Deus não provêm de quanto as pessoas entendem da verdade; tudo que importa é se elas têm um coração de virtude, se elas consideram a vontade de Deus e se elas têm amor genuíno por Seus escolhidos. Isso é o mais crucial.

Extraído de “Sermões e comunhão sobre a entrada na vida”

Algumas pessoas cumprem o dever de acolher os outros e, nesse processo, conseguem praticar a verdade e acolher seus irmãos e irmãs, mantendo a mentalidade de amar e satisfazer a Deus. No fim, esses irmãos e irmãs enxergam o amor de Deus nessas pessoas, veem Sua misericórdia para com o homem, veem a verdadeira semelhança humana que as pessoas devem viver e a consciência e a razão que os humanos devem possuir, e aprendem como devem se comportar. Embora tais anfitriões possam não ser líderes da igreja, os outros ganham bastantes benefícios deles. Visto que buscam a verdade, são capazes de considerar a vontade de Deus e O amam, os anfitriões conseguem ser tolerantes e pacientes com seus irmãos e irmãs. Não importa qual corrupção os irmãos e irmãs possam revelar, esses anfitriões não são avessos a eles; sempre oram a Deus, confiam em Deus, buscam a verdade para encontrar resolução e ainda conseguem cumprir seus deveres pelos outros — comungando sobre a verdade e compartilhando seus testemunhos experienciais para que os outros possam se beneficiar. Dessa forma, os deveres que eles cumprem estão completamente alinhados com a vontade de Deus, e eles mesmos também são pessoas que se conformam à Sua vontade.

Extraído de “Sermões e comunhão sobre a entrada na vida”

Anterior: 82. Os princípios de regar os recém-chegados

Próximo: 84. Os princípios de preparar boas ações

Quando o desastre vem, como nós cristãos devemos lidar com ele? Convidamos você a participar da nossa reunião online, onde podemos explorar juntos e encontrar o caminho.

Configurações

  • Texto
  • Temas

Cores sólidas

Temas

Fonte

Tamanho da fonte

Espaçamento entre linhas

Espaçamento entre linhas

Largura da página

Sumário

Busca

  • Pesquise neste texto
  • Pesquise neste livro