8. Os princípios para orar a Deus e adorá-Lo

(1) Quando se ganha o esclarecimento e a iluminação do Espírito Santo durante a oração, deve-se agradecer e louvar a Deus. Ao desfrutar da obra do Espírito Santo, é preciso prostrar-se e adorar a Deus;

(2) Leia as palavras de Deus com frequência. Quando alguém entende a verdade e vê o amor e as bênçãos de Deus, ele deve dar-Lhe graças e louvá-Lo. Essa é adoração verdadeira de Deus;

(3) Quando alguém enfrenta provações e tribulações sem reclamar, permanecendo firme em seu testemunho, isso é resultado da proteção de Deus, e deve-se dar-Lhe graças e louvá-Lo;

(4) Quando alguém passa pelo julgamento e castigo de Deus e obtém o conhecimento de sua própria essência corrupta e vê a justiça e a santidade de Deus, ele deve adorar a Deus.

Palavras de Deus relevantes:

A oração é algo de profunda importância! Se você sabe orar e o faz com frequência, com orações frequentes que são submissas a Deus e sensatas, então seu estado, na maioria das vezes, será bem normal. Se, por outro lado, suas orações consistirem com frequência apenas em alguns chavões, e você não tomar sobre si nenhum fardo, e não ponderar sobre o que seria sensato ou não dizer em oração, nem sobre o que seria realmente reverente dizer, e nunca levar essas questões a sério, você nunca terá sucesso em sua oração e seu estado interior será sempre anormal. Você nunca se aprofundará na lição nem aprofundará sua entrada naquilo que é senso normal, submissão verdadeira, adoração verdadeira e a perspectiva com que se deve orar. Tudo isso são coisas sutis. Visto que a maioria de vocês raramente interage Comigo diretamente, você está restrito a orar diante do Espírito, e cada uma de suas orações é uma questão de se as palavras que você escolhe são sensatas; se você é realmente um adorador; se o que está pedindo recebe a aprovação de Deus; se, dentro da sua oração, existe um elemento transacional ou se ela é adulterada por impurezas humanas; se sua fala, seu comportamento e suas decisões estão de acordo com a verdade; se você tem reverência, respeito e obediência especiais para com Deus; e se você está realmente tratando Deus como Deus. É preciso tratar com seriedade o que se diz privadamente em oração e fazer isso com sinceridade; somente assim você terá um senso normal quando vier para diante de Cristo. Se não levar o assunto a sério diante do Espírito, quando vier para diante de Cristo, você sempre resistirá ou então falará insensatamente, ou falará desonestamente, ou causará perturbação com sua fala e suas ações, e depois se sentirá repreendido. Por que você sempre se sentirá repreendido? Porque, como regra, você não tem o menor conhecimento das verdades de como adorar ou tratar a Deus; por isso, quando depara com um problema, você fica confuso e não sabe como praticar, e vive cometendo erros.

Extraído de ‘A importância da oração e sua prática’ em “Registros das falas de Cristo”

Para vocês, a oração é de extrema importância. Quando você ora e recebe a obra do Espírito Santo, seu coração é tocado por Deus, e a força para amá-Lo aflora. Se não orar com seu coração, se não abrir seu coração para comungar com Deus, Ele não terá como operar em você. Se, após orar e falar as palavras do seu coração, o Espírito de Deus não começou Sua obra, e você não recebeu inspiração, isso mostra que seu coração carece de sinceridade, que suas palavras são falsas e permanecem impuras. Se, após orar, você se sentir gratificado, então suas orações foram aceitáveis a Deus, e o Espírito de Deus está operando em você. Como alguém que serve a Deus, você não pode ficar sem oração. Se você realmente vê a comunhão com Deus como algo significativo e valioso, como poderia renunciar à oração? Ninguém pode ficar sem comunhão com Deus. Sem oração, você vive na carne, em escravidão a Satanás; sem a verdadeira oração, você vive sob a influência das trevas. Espero que vocês, irmãos e irmãs, sejam capazes de se envolver em oração verdadeira a cada dia. Não se trata de seguir as regras, mas de alcançar um determinado resultado. Você está disposto a privar-se de um pouco de sono e diversão para acordar cedo, orar e apreciar as palavras de Deus? Se orar com um coração puro e comer e beber as palavras de Deus desse modo, você será mais aceitável a Ele. Se fizer assim toda manhã, se você praticar a entrega do seu coração a Deus todos os dias, comunicando-se e envolvendo-se com Ele, seu conhecimento sobre Deus certamente aumentará, e você será mais capaz de captar a vontade de Deus. Você diz: “Ó, Deus! Eu estou disposto a cumprir meu dever. Somente a Ti eu consagro todo o meu ser, para que sejas glorificado em nós e para que possas deleitar-Te no testemunho dado pelo nosso grupo. Suplico que operes em nós, para que eu me torne capaz de verdadeiramente Te amar e satisfazer a Ti, e Te buscar como meu objetivo”. Ao tomar esse fardo, Deus certamente o aperfeiçoará. Você não deve orar somente em benefício próprio, mas também com o intuito de seguir a vontade de Deus e O amar. Este é o tipo mais verdadeiro de oração. Você é alguém que ora a fim de seguir a vontade de Deus?

Extraído de ‘Acerca da prática da oração’ em “A Palavra manifesta em carne”

Todos vocês se dão o tempo para orar quando enfrentam problemas ou dificuldades, mas vocês oram quando estão num estado bom ou quando acham que uma reunião foi bem-sucedida? Suponho que a maioria de vocês não faz isso. Após uma reunião bem-sucedida, vocês também devem oferecer oração e louvor. Se alguém o elogiasse, você se tornaria arrogante, acharia que possui a verdade e, assim, se atolaria num estado incorreto. No entanto, seu coração exultaria, e não ofereceria nenhuma oração de louvor, muito menos orações de gratidão. Como agora você está atolado nesse estado, na reunião seguinte, vai estar com a língua presa e sem a obra do Espírito Santo. O estado mais perigoso é quando uma pessoa não consegue controlar seu estado, desfrutando dos frutos de seu trabalho quando fez um pouco de trabalho ou precisando, talvez, de vários dias para se recuperar de um estado um tanto negativo. Todos vocês reservam um tempo para orar quando têm problemas ou quando não conseguem entender totalmente um assunto; oram quando dúvidas e indecisão os atormentam ou quando revelam um caráter corrupto — vocês só oram quando estão necessitados. Você deve orar também quando é bem-sucedido em seu trabalho. Quando vê algum resultado em seu trabalho, você fica tão feliz que não ora, se contenta com seu júbilo e permanece atolado nesse estado. Em tempos assim, algumas pessoas podem precisar de um pouco de disciplina. Por exemplo, você pode se sentir bloqueado quando estiver fazendo compras, ou ter seu dinheiro roubado, ou um incrédulo pode dizer algo desagradável que lhe cause dor e estresse, mesmo assim, você não saberá em que assunto você ofendeu a Deus. Na verdade, frequentemente Deus recorre ao ambiente externo para disciplinar você e causar dor em seu coração, e, quando finalmente vem para diante de Deus para orar, e diz algumas palavras de oração, você percebe que seu estado é incorreto — complacente e convencido, talvez — e você se enoja de si mesmo. Depois dessas palavras de oração, o estado incorreto interior é retificado. Quando você ora, o Espírito Santo opera, dando-lhe determinado sentimento que lhe permite emergir de seu estado anormal. Orar não é apenas buscar um pouco, observar algumas formalidades e então dar tudo por encerrado; orar não é falar algumas palavras de oração quando você precisa de Deus e nenhuma quando não precisa Dele. Se você passar muito tempo sem orar, por mais entusiasmado que esteja, e embora seu estado talvez ainda esteja normal, você sentirá, em suas diversas atividades, que está agindo por conta própria. Você não será esclarecido nem iluminado pelo Espírito Santo; você estará apenas seguindo regras. Agir de tal forma ao cumprir seu dever é infrutífero.

Extraído de ‘A importância da oração e sua prática’ em “Registros das falas de Cristo”

Às vezes, quando você está se deleitando com as palavras de Deus, seu espírito é tocado, e você sente que não tem como não amar a Deus, que há grande força dentro de você e que não há nada que você não possa desistir deixar de lado. Se você se sente assim, você foi tocado pelo Espírito de Deus, e seu coração se voltou inteiramente para Deus, e você orará a Deus e dirá: “Ó Deus! Fomos verdadeiramente predestinados e escolhidos por Ti. Tua glória me orgulha, e me sinto glorioso por ser um de Teu povo. Despenderei qualquer coisa e darei qualquer coisa para fazer a Tua vontade e a Ti devotarei todos os meus anos e uma vida inteira de esforços”. Quando você orar desta forma, haverá amor infindável e obediência verdadeira a Deus no seu coração. Você já teve uma experiência como essa? Se as pessoas são tocadas com frequência pelo Espírito de Deus, elas estão especialmente dispostas a se devotar a Deus em suas orações: “Ó Deus! Desejo contemplar Teu dia de glória e desejo viver para Ti; nada é mais digno ou significativo do que viver para Ti, e não tenho o menor desejo de viver para Satanás e para a carne. Tu me levantas ao me capacitar a viver para Ti hoje”. Quando tiver orado dessa forma, você sentirá que não tem como não entregar seu coração a Deus, que deve ganhar a Deus e detestaria morrer sem ter ganho Deus enquanto vive. Tendo pronunciado tal prece, haverá uma força inesgotável dentro de você, e você não saberá de onde ela vem; no seu coração, haverá poder ilimitado, e você terá um senso de que Deus é tão amável e que Ele é digno de ser amado. Isso é quando você terá sido tocado por Deus. Todos aqueles que tiveram tal experiência foram tocados por Deus. Para aqueles que são frequentemente tocados por Deus, ocorrem mudanças em sua vida, eles são capazes de tomar sua decisão e estão dispostas a ganhar Deus completamente, o amor por Deus é mais forte em seu coração, seu coração já se voltou totalmente para Deus, eles não se importam com a família, com o mundo, com confusões nem com seu futuro e estão dispostas a dedicar a Deus uma vida inteira de esforços. Todos aqueles que foram tocados pelo Espírito de Deus são pessoas que buscam a verdade e têm esperança de ser aperfeiçoados por Deus.

Extraído de ‘Conheça a mais nova obra de Deus e siga os Seus passos’ em “A Palavra manifesta em carne”

Na era de hoje, o Espírito Santo ainda move as pessoas para permitir que sintam prazer, e Ele vive junto com o homem. Essa é a fonte daqueles[a] sentimentos especiais e prazerosos que frequentemente ocorrem em sua vida. De vez em quando, chega um dia em que você sente que Deus é muito amável, e você não pode deixar de orar a Ele: “Ó Deus! Teu amor é tão lindo e Tua imagem é tão maravilhosa. Desejo amar-Te mais profundamente. Desejo dedicar tudo de mim para despender a totalidade da minha vida. Dedicarei tudo a Ti, contanto que seja para Ti, contanto que, ao fazê-lo, eu seja capaz de Te amar…” Esse é um sentimento de prazer dado a você pelo Espírito Santo. Não é esclarecimento nem iluminação; é uma experiência de ser movido. Experiências semelhantes a essa acontecerão de vez em quando. Às vezes, quando estiver a caminho para de seu trabalho, você orará e se aproximará de Deus, e você será movido ao ponto em que lágrimas molharão seu rosto e você perderá todo autocontrole e ficará ansioso para encontrar um local adequado onde possa expressar todo o fervor dentro de seu coração… Haverá momentos em que você estará num local público e sentirá que desfruta tanto do amor de Deus que seu destino é tudo menos comum, e sentirá ainda mais que está vivendo sua vida com mais significado do que qualquer outra pessoa. Você saberá profundamente que Deus exaltou você e que isso é o grande amor de Deus por você. Nos recessos mais profundos de seu coração, você sentirá que há um tipo de amor em Deus que é inexprimível e insondável para o homem, como se você soubesse, mas não tivesse como descrever isso, sempre lhe dando uma pausa para pensar, mas deixando você incapaz de expressar isso por completo. Em momentos assim, você até esquecerá onde está e exclamará: “Ó Deus! Tu és tão insondável e tão amado!”. Isso deixará as pessoas perplexas, mas todas essas coisas ocorrem com muita frequência. Vocês experimentaram esse tipo de coisa tantas vezes. Essa é a vida que o Espírito Santo deu a você hoje e é a vida que você deveria estar vivendo agora.

Extraído de ‘Prática (1)’ em “A Palavra manifesta em carne”

Agora você deveria ser capaz de ver claramente a senda exata que Pedro tomou. Se você consegue ver claramente a senda de Pedro, então estará seguro sobre a obra que está sendo feita hoje, assim você não reclamará nem será passivo, tampouco ansiará por algo. Você deveria experimentar o estado de humor de Pedro daquela época: ele estava afligido por tristeza; ele não mais pedia por um futuro ou por quaisquer bênçãos. Não buscava o lucro, a felicidade, a fama ou a fortuna do mundo, mas somente viver a vida mais significativa possível, que era pagar de volta o amor de Deus e dedicar o que ele considerava mais completamente precioso para Deus. Então, ele estaria satisfeito em seu coração. Ele frequentemente orava a Jesus com estas palavras: “Senhor Jesus Cristo, eu Te amei uma vez, mas eu não Te amei de verdade. Apesar de eu ter dito que eu tinha fé em Ti, eu nunca Te amei com um coração verdadeiro. Eu somente Te admirava, Te adorava, sentia falta de Ti, mas nunca Te amei, nem tive uma fé verdadeira em Ti”. Ele sempre orava para fazer sua resolução, e era constantemente encorajado pelas palavras de Jesus e extraía motivação delas. Mais tarde, depois de um período de experiência, Jesus o testou, provocando-o para que ansiasse por Ele ainda mais. Ele disse: “Senhor Jesus Cristo! Como eu sinto saudades de Ti, e anseio olhar para Ti. Eu careço de muita coisa e não posso compensar o Teu amor. Eu imploro que Tu me leves embora em breve. Quando terás necessidade de mim? Quando me levarás embora? Quando irei, mais uma vez, olhar a Tua face? Eu não desejo viver mais neste corpo, continuar a me corromper, nem desejo me rebelar ainda mais. Estou pronto a dedicar tudo o que tenho a Ti assim que puder e não tenho desejo de entristecer-Te mais ainda”. Era assim que ele orava, mas ele não sabia, na época, o que Jesus aperfeiçoaria nele. Durante a agonia de sua prova, Jesus apareceu a ele novamente e disse: “Pedro, desejo te aperfeiçoar de modo que tu te tornes um pedaço de fruta, algo que seja a cristalização do Meu aperfeiçoamento de ti, e do qual Eu vou usufruir. Tu podes, de fato, testemunhar para Mim? Tu já fizeste o que Eu pedi que fizesses? Tu já viveste as palavras que Eu falei? Uma vez tu Me amaste, mas apesar de teres Me Amado, tu tens Me vivido? O que fizeste por Mim? Tu reconheces que és indigno do Meu amor, mas o que fizeste por Mim?” Pedro viu que ele não tinha feito nada para Jesus e se lembrou de seu juramento anterior de dar sua vida para Deus. E, então, ele não mais reclamou, e suas orações daí em diante ficaram muito melhores. Ele orou, dizendo: “Senhor Jesus Cristo! Uma vez eu Te deixei, e Tu também uma vez me deixaste. Passamos um tempo separados e um tempo juntos na companhia um do outro. Contudo, Tu me amas mais que qualquer outra coisa. Eu me rebelei repetidamente contra Ti e repetidamente Te entristeci. Como posso me esquecer dessas coisas? Eu sempre tenho tido em mente e nunca me esqueço da obra que Tu tens feito em mim e o que me tens confiado. Eu tenho feito tudo que posso pela obra que Tu tens feito em mim. Tu sabes o que eu posso fazer, e Tu sabes mais ainda o papel que posso desempenhar. Desejo me submeter a Tuas orquestrações e dedicarei tudo que tenho a Ti. Só Tu sabes o que eu posso fazer para Ti. Apesar de Satanás ter me enganado tanto e de eu ter me rebelado contra Ti, creio que Tu não Te lembras de mim por causa daquelas transgressões, que Tu não me tratas com base nelas. Desejo dedicar minha vida inteira a Ti. Não peço nada nem tenho outras esperanças ou planos; eu somente desejo agir de acordo com a Tua intenção e fazer a Tua vontade. Beberei do Teu cálice amargo e estou ao Teu inteiro dispor”.

Extraído de ‘Como Pedro conheceu Jesus’ em “A Palavra manifesta em carne”

Eu o submeti a incontáveis provações — provações, é claro, que o deixaram semimorto — mas em meio a essas centenas de provações, ele nunca perdeu a fé em Mim nem se decepcionou Comigo. Mesmo quando Eu disse que o tinha abandonado, ele não desanimou e continuou a Me amar de um jeito prático e de acordo com os princípios de prática do passado. Eu lhe disse que Eu não o elogiaria mesmo que Me amasse, que, no fim, Eu o lançaria nas mãos de Satanás. Mas em meio a essas provações, provações essas que não sobrevieram à sua carne, mas eram de palavras, ele ainda assim orou a Mim e disse: “Ó Deus! Entre o céu e a terra e todas as coisas, existe algum humano, alguma criatura ou alguma coisa que não esteja em Tuas mãos, nas mãos do Todo-Poderoso? Quando és misericordioso para comigo, meu coração se regozija grandemente com Tua misericórdia. Quando Tu me julgas, por mais indigno que eu possa ser, ganho um senso maior da insondabilidade dos Teus feitos, porque Tu és cheio de autoridade e sabedoria. Embora minha carne sofra adversidade, meu espírito é confortado. Como eu poderia não dar louvores à Tua sabedoria e Teus feitos? Mesmo que eu morresse depois de Te conhecer, como eu poderia não fazê-lo com alegria e felicidade? Todo-Poderoso! Realmente não desejas permitir que eu Te veja? Sou realmente inapto para receber Teu julgamento? É possível que haja algo dentro de mim que Tu não desejas ver?”. Durante tais provações, embora Pedro não tenha sido capaz de entender a Minha vontade de modo preciso, era evidente que se sentia orgulhoso e honrado por ser usado por Mim (embora tenha recebido Meu julgamento, para que a humanidade visse Minha majestade e ira) e que ele não se desesperou com essas provações. Por causa de sua lealdade diante de Mim e porque Eu o abençoei, ele foi um exemplo e modelo para o homem por milhares de anos. Não é exatamente isso que vocês deveriam imitar?

Extraído de ‘Capítulo 6’ das Palavras de Deus para todo o universo em “A Palavra manifesta em carne”

Quando estava sendo castigado por Deus, Pedro orou: “Ó Deus! Minha carne é desobediente e, por isso, Tu me castigas e me julgas. Regozijo em Teu castigo e julgamento, e, mesmo que não me queiras, em Teu julgamento contemplo Teu caráter santo e justo. Sinto contentamento quando me julgas para que os outros possam contemplar Teu caráter justo em Teu julgamento. Se isso puder expressar o Teu caráter e permitir que o Teu caráter justo seja visto por todas as criaturas, e se puder tornar o meu amor por Ti mais puro, para que eu possa alcançar a semelhança de alguém que é justo, então Teu julgamento é bom, pois tal é Tua vontade graciosa. Sei que ainda há muita coisa rebelde dentro de mim e que ainda não estou apto para comparecer diante de Ti. Desejo que me julgues ainda mais, seja por meio de um ambiente hostil, seja por meio de grandes tribulações; independentemente do que fizeres, para mim é precioso. Teu amor é tão profundo, e estou disposto a entregar-me à Tua mercê sem a menor queixa”. Esse é o conhecimento de Pedro após ter experimentado a obra de Deus, e também é um testemunho do seu amor por Deus. […] Perto do final de sua vida, depois de ter sido aperfeiçoado, Pedro disse: “Ó Deus! Se vivesse mais alguns anos, eu desejaria alcançar um amor mais puro e mais profundo por Ti”. Quando estava prestes a ser pregado na cruz, ele orou em seu coração: “Ó Deus! Teu tempo chegou agora; chegou o tempo que Tu preparaste para mim. Devo ser crucificado por Ti, devo dar esse testemunho de Ti e espero que meu amor seja capaz de satisfazer Tuas exigências e que ele possa se tornar mais puro. Hoje, poder morrer por Ti e ser pregado na cruz por Ti é algo reconfortante e tranquilizador para mim, porque nada é mais gratificante para mim do que poder ser crucificado por Ti e satisfazer Teus desejos, e ser capaz de dar a mim mesmo a Ti, de oferecer minha vida a Ti. Ó Deus! És tão amável! Se me permitisses viver, eu estaria ainda mais disposto a Te amar. Vou Te amar enquanto eu viver. Desejo amar-Te mais profundamente. Tu me julgas, me castigas e me pões à prova porque não sou justo e porque pequei. E Teu caráter justo se torna mais visível para mim. Isso é uma bênção para mim porque me torna capaz de Te amar mais profundamente, e estou disposto a Te amar desse modo mesmo que Tu não me ames. Estou disposto a contemplar Teu caráter justo, porque isso me torna mais capaz de viver uma vida com sentido. Sinto que agora minha vida tem mais sentido porque estou sendo crucificado por Tua causa e é significativo morrer por Ti. Ainda assim, não me sinto satisfeito, porque conheço muito pouco de Ti, sei que não consigo satisfazer completamente Teus desejos e o que retribuí a Ti não foi o bastante. Na minha vida, tenho sido incapaz de me devolver inteiro a Ti; estou longe disso. Quando olho para trás neste momento, sinto-me tão endividado Contigo e só tenho este momento para compensar todos os meus erros e todo o amor não retribuído a Ti”.

Extraído de ‘As experiências de Pedro: seu conhecimento de castigo e julgamento’ em “A Palavra manifesta em carne”

Nota de rodapé:

a. O texto original diz “Existem alguns”.

Anterior: 7. Os princípios para orar e suplicar a Deus

Próximo: 9. Os princípios para praticar as devoções diárias

Quando o desastre vem, como nós cristãos devemos lidar com ele? Convidamos você a participar da nossa reunião online, onde podemos explorar juntos e encontrar o caminho.
Venha conversar com a gente
Entre em contato conosco pelo Whatsapp

Configurações

  • Texto
  • Temas

Cores sólidas

Temas

Fonte

Tamanho da fonte

Espaçamento entre linhas

Espaçamento entre linhas

Largura da página

Sumário

Busca

  • Pesquise neste texto
  • Pesquise neste livro