125. Os princípios para abrir o coração para os outros

(1) Ao falar com alguém que ama a verdade, deve-se falar de coração. Desnude seu verdadeiro estado e as suas dificuldades e busque a verdade, para que possa obter ajuda amorosa;

(2) É necessário tratar os outros com sinceridade e interagir com eles com amor e falar de acordo com a verdade, ajudando e edificando os outros. Nunca ataque as pessoas nem suspeite delas;

(3) É preciso entender as fraquezas e dificuldades dos outros. Seja capaz de se colocar em pé de igualdade com eles e ajudá-los falando de coração, para que se sintam consolados e desimpedidos;

(4) Na conversa com os outros, deve-se compartilhar a própria experiência das palavras de Deus, para que os outros sejam edificados e beneficiados. Ajude os outros a sentir o amor e a salvação de Deus e os ajude a embarcar na senda correta da vida.

Palavras de Deus relevantes:

“Compartilhar e comunicar experiências” significa dar voz a cada pensamento em seu coração, a seu estado de ser, às suas experiências, ao seu conhecimento das palavras de Deus e ao caráter corrupto dentro de você e então permitir que os outros os discernem, aceitam as partes positivas e reconhecem o que é negativo. Só isso é compartilhar e só isso é verdadeiramente comunicar. Não enolve simplesmente ter certas percepções das palavras de Deus ou de uma parte de um hino e então comunicar como lhe agradar sem levar isso adiante ou sem dizer nada relacionado à sua vida real. Todos falam de conhecimento doutrinário e teórico, mas nada dizem do conhecimento ganho das experiências reais. Todos vocês evitam falar sobre tais coisas — sobre a vida pessoal de vocês, sobre a vida na igreja com seus irmãos e irmãs, sobre o próprio mundo interior. Fazendo isso, como pode ocorrer comunicação verdadeira entre as pessoas? Como pode haver qualquer confiança real? Não pode haver nada disso! Se uma esposa nunca articular as palavras em seu coração para o marido, eles são confidentes? Eles sabem o que está na mente do outro? Suponhamos que estejam dizendo constantemente: “Eu amo você!” Isso é tudo que dizem, no entanto, nunca expuseram o que estão realmente pensando em seu íntimo, o que querem um do outro ou que problemas têm. Nunca falaram um com o outro sobre essas coisas nem jamais se confidenciaram um ao outro — assim, eles são realmente um casal que se ama? Se, quando juntos, não tiverem nada além de cordialidades agradáveis um para o outro, então eles são verdadeiramente marido e esposa? Certamente não! Se irmãos e irmãs devem ser capazes de se confidenciar uns aos outros, ajudando uns aos outros e provendo uns para os outros, então cada pessoa deve falar das próprias experiências verdadeiras. Se não falar das próprias experiências verdadeiras, se só falar bordões, palavras que são doutrinárias e superficiais, então você não é uma pessoa honesta e é incapaz de ser uma pessoa honesta. Por exemplo, enquanto moram juntos por vários anos, marido e mulher tentam se acostumar um com o outro e ocasionalmente brigam. No entanto, se vocês dois são de humanidade normal, você sempre falará com ele de coração e ele com você. Quaisquer que sejam as dificuldades que vocês encontrem na vida, quaisquer que sejam os problemas que ocorram em seu trabalho, o que quer que você esteja pensando lá no fundo, como quer que esteja planejando resolver as coisas, quaisquer que sejam as ideias e os planos que tem para seus filhos — você contará tudo a seu parceiro. Sendo assim, vocês dois não se sentirão especialmente próximos e íntimos um do outro? Se ele nunca diz a você seus pensamentos mais íntimos e não faz nada além de trazer para casa um cheque de pagamento, se você nunca fala com ele sobre seus próprios pensamentos e nunca confia nele, não há aí uma distância emocional entre ambos? Certamente há, pois vocês não entendem os pensamentos ou intenções um do outro. Em última análise, você não pode dizer que tipo de pessoa seu parceiro é, nem ele pode dizer que tipo de pessoa você é; você não entende as necessidades dele, nem ele entende as suas. Se as pessoas não tiverem comunicação verbal ou espiritual, não há possibilidade de intimidade entre elas, e não elas podem sustentar nem ajudar um ao outro. Vocês já experimentaram isso antes, não é? Se o seu amigo confidencia tudo a você, articulando tudo o que está pensando e qualquer sofrimento ou felicidade que abriga, você não se sente particularmente íntimo dele? A razão pela qual ele está disposto a dizer essas coisas para você é que você também lhe confidenciou seus pensamentos mais íntimos; vocês são especialmente próximos, e é por isso que podem se dar bem e ajudar um ao outro. Sem esse tipo de comunicação e troca entre irmãos e irmãs na igreja, harmonia nunca poderia existir.

Extraído de ‘A prática mais fundamental de ser uma pessoa honesta’ em “Registros das falas de Cristo”

Quando você tem comunhão na verdade e descreve algo de maneira clara e compreensível para que edifique e beneficie os outros, os faça compreender a vontade de Deus e os ajude a escapar de equívocos e falácias, há necessidade de ser condescendente? Você tem de usar um tom de repreensão? Você não precisa repreendê-los, nem falar alto; também não há necessidade de gritar, muito menos de ser brusco em suas palavras, tom ou entonação. Você só precisa aprender a usar um tom normal, ter comunhão de uma posição de igualdade, falar calmamente, expressar as palavras em seu coração e se empenhar em falar de modo claro e óbvio sobre o que você entende e o que os outros precisam entender. Quando você falar de forma compreensível, as outras pessoas saberão o que você quer dizer, seu fardo será liberado, elas deixarão de se equivocar, e você terá mais clareza sobre o que está comunicando. Isso não edifica ambos? Há alguma necessidade de lhes dar sermão? Em muitos casos, não há necessidade de impor isso a elas. Se você não impõe nenhum ensinamento a elas, e mesmo assim elas se recusam a aceitar o que você tem a dizer, o que você deveria fazer? Parte do que você diz é verdade e é fato, mas as pessoas poderiam aceitar suas palavras assim que você as profere? Do que elas precisam para aceitar essas palavras e mudar? Elas precisam de um processo; você deve lhes dar um processo pelo qual mudar. […] O propósito de falar de coração para coração é para que haja comunicação humana normal entre as pessoas e para que ocorra uma troca entre as mentes. Essa é uma maneira limitada de colocar isso. Em termos gerais, o objetivo é que as pessoas entendam os estados umas das outras, se nutram da força umas das outras para compensar as deficiências umas das outras, apoiar umas às outras e ajudar umas às outras. Esse é o efeito disso. Isso não leva a uma interação normal entre as pessoas?

Extraído da comunhão de Deus

Cada vez que você termina de fazer algo, as partes que você acha que fez certo devem ser escrutinizadas — e, além disso, as partes que você acha que errou também devem ser escrutinizadas. Isso exige que os irmãos e as irmãs passem mais tempo juntos, comungando, buscando e ajudando uns aos outros. Quanto mais comunhão tivermos, mais luz entrará em nosso coração; Deus então nos iluminará com relação a todas as nossas questões. Se nenhum de nós se manifestar e todos nós apenas nos embalarmos para termos uma boa aparência, na esperança de deixar uma boa impressão na mente dos outros e querer que eles tenham uma opinião elevada de nós e não zombem de nós, não teremos meios de crescer e não será fácil progredir. Se você sempre se embala para ter uma boa aparência, você não crescerá e viverá para sempre nas trevas. Você também será incapaz de transformação. Se você deseja mudar, deve pagar um preço, desnudar-se e abrir seu coração aos outros e, ao fazer isso, beneficiará tanto a si mesmo quanto a outras pessoas. Quando alguém diz: “Por que você não fala um pouco sobre suas experiências recentes?” ninguém fala sobre assuntos essenciais; ninguém se disseca ou se expõe. Quando as pessoas falam de palavras e doutrinas, ninguém acha difícil, mas quando falam sobre conhecer a si mesmas, ninguém diz nada. Aquelas que têm um pouco de conhecimento de si mesmas tampouco ousam revelá-lo; elas não têm coragem de fazer isso. Então, esta é a situação que acaba ocorrendo: quando as pessoas estão juntas, elas bajulam umas às outras com lisonjas mútuas. Ninguém está disposto a apresentar sua verdadeira face para ser dissecada e conhecida por todos. Alguém pode ter uma verdadeira vida na igreja desse modo? Não pode.

Extraído de ‘A prática mais fundamental de ser uma pessoa honesta’ em “Registros das falas de Cristo”

Se você quiser buscar a verdade, se quiser fazer uma mudança radical nas suas motivações, estados ou ânimos errados, antes de qualquer coisa, você deve aprender a se abrir e se comunicar. Naturalmente, você pode escolher com quem se abrir e se comunicar. Pessoas normais por certo não escolherão quem ri delas, as deprecia, zomba delas ou tira vantagem de suas fraquezas, tentando tornar as coisas ainda piores para elas depois de se abrirem; com certeza elas procurarão alguém que seja melhor em buscar a verdade, alguém com humanidade melhor, alguém de caráter mais honesto e íntegro, alguém que, após terem se comunicado com ele, possa ajudá-las. São essas as pessoas que elas procuram para se abrir e se comunicar, para ajudá-las a solucionar suas dificuldades. Antes de qualquer coisa, se abrir, se expor é uma atitude que é expressada diante de Deus e é uma atitude de importância crítica. Não reprima as coisas, dizendo: “Essas são as minhas motivações, as minhas dificuldades, eu tenho um estado ruim por dentro, sou negativo, mesmo assim não vou contar para ninguém, prefiro guardar tudo dentro de mim”. Se você sempre guardar as coisas para si mesmo, com o tempo, vai parar de querer orar, seu estado ficará cada vez pior, e será difícil reverter esse processo. E assim, não importa qual é o seu estado, se você está negativo ou em dificuldades, não importa quais são seus planos ou motivações pessoais, o que percebeu ou descobriu por meio de investigação, é preciso aprender a se abrir e se comunicar, e, quando você se comunica, o Espírito Santo opera. E como opera o Espírito Santo? Ele permite que você reconheça a gravidade do problema, Ele o torna ciente da raiz e da essência do problema, e então, pouco a pouco, Ele permite que você entenda a verdade, entre na realidade da verdade e compreenda a vontade de Deus. Quando as pessoas conseguem se abrir e se comunicar, então, acima de tudo, isso representa certa atitude em relação à verdade, uma atitude honesta, e mostra se o seu coração é sincero ou não. Quando pessoas sinceras são assoladas por dificuldades e negatividade, elas sempre tentam encontrar alguém com quem se comunicar, procuram uma senda de resolução, buscam uma maneira de satisfazer a vontade de Deus e resolver esse problema ou dificuldade. Elas não procuram alguém para desabafar por estarem passando por maus momentos, mas buscam um meio de resolução, para alcançar entrada na realidade da verdade; e, assim, elas solucionam suas dificuldades e as deixam para trás. Se ficarem escondidas no interior das pessoas por muito tempo, essas coisas se tornarão uma doença! As pessoas que não são sinceras parecem sempre iguais, estejam ou não com dificuldades ou problemas; por dentro, sua negatividade está se tornando insuportável, mas ninguém consegue perceber. Tampouco é evidente quando elas têm ressentimentos, equívocos e motivações pessoais dentro de si. Elas simplesmente represam as coisas e as guardam para si mesmas. Embora ainda possam estar cumprindo seus deveres, elas não terão entrada na vida, e não existe princípio algum para qualquer coisa que façam, e elas parecem desmotivadas e sem entusiasmo por fora. Isso é um problema.

Extraído de ‘Os princípios da prática de se submeter a Deus’ em “Registros das falas de Cristo”

Se duas pessoas desejam se relacionar bem, devem abrir seus corações uma à outra; isso é até mais necessário entre pessoas que queiram trabalhar juntas em harmonia. Às vezes, quando duas pessoas interagem, suas personalidades conflitam ou seus ambientes familiares, backgrounds ou condições econômicas não coincidem. Porém, se essas duas pessoas puderem abrir seus corações uma à outra, ser inteiramente abertas sobre seus problemas, se comunicar sem quaisquer mentiras ou engano e se forem capazes de mostrar seus corações uma à outra, então, dessa forma, elas poderão se tornar amigas genuínas, o que significa tornar-se amigas íntimas. Talvez, quando a outra pessoa tiver uma dificuldade, ela procurará você e ninguém mais. Mesmo que você lhe dê uma reprimenda, ela sabe que você é sincero porque sabe que você é uma pessoa honesta com um coração genuíno e honesto. Vocês podem ser tais pessoas? Vocês são tais pessoas? Se não forem, então não são pessoas honestas. Quando interage com outros, você deve primeiro fazer com que percebam seu coração verdadeiro e sinceridade. Se, ao falar e fazer contato e trabalhar em conjunto com outros, as palavras de alguém forem superficiais, grandiloquentes, cordialidades, bajulação, irresponsáveis e imaginárias, ou se a pessoa simplesmente falar para buscar o favor da outra, então suas palavras perdem toda credibilidade e ela não é, de modo algum, sincera. Esse é o seu modo de interação com outros, não importa quem esses outros sejam. Tal pessoa tem um coração honesto? Essa não é uma pessoa honesta. Digamos que alguém tenha alguma falha e diga a você sincera e verdadeiramente: “Diga-me por que, exatamente, eu sou tão negativo. Eu simplesmente não consigo compreender!” E digamos que você realmente entenda o problema dele em seu coração, mas não lhe diga, falando, antes: “Não é nada. Eu muitas vezes fico negativo também”. Essas palavras são um grande consolo a quem as ouve, mas a sua atitude é sincera? Não, não é. Você está sendo superficial com a outra pessoa, consolando-a para fazê-la se sentir confortável e para tranquilizar a mente dela e, para que ela possa não se sentir distanciada de você e evitar conflitos, você não falou honestamente com ela. Você não tem intenção de ajudá-la e não usa sua sinceridade para ajudá-la, para que ela possa deixar sua negatividade para trás. Você não fez o que uma pessoa honesta deveria fazer e isso não é o que significa ser uma pessoa honesta. Então, o que uma pessoa honesta deve fazer quando encontrar esse tipo de situação? Com suas próprias palavras sinceras, diga-lhe o que você viu e viu verdadeiramente: “Eu lhe direi o que vi e o que tenho experimentado. Você decide se o que digo é certo ou errado. Se for errado, você não tem que aceitar. Se for certo, espero que aceite. Se eu disser algo que seja difícil para você ouvir e o magoe, espero que possa aceitá-lo da parte de Deus. Minha intenção e propósito é ajudar você. Eu vejo o problema claramente: seu orgulho pessoal foi ferido. Ninguém alimenta seu ego e você pensa que todos o menosprezam, que está sendo atacado e que nunca foi tão injustiçado. Você não pode suportar isso e se torna negativo. O que você acha — isso é de fato o que está havendo?” E, ouvindo isso, ela sente que realmente é o caso. Isso é o que está de fato no coração de você, mas se você não for uma pessoa honesta, você não o dirá. Você dirá: “Muitas vezes eu também fico negativo”, e quando a outra pessoa ouve que todos ficam negativos, ela pensa que isso é normal e, no fim, ela não deixa sua negatividade para trás. Se você for uma pessoa honesta e a auxiliar com uma atitude honesta e um coração honesto, você pode ajudá-la a entender a verdade.

Extraído de ‘Somente sendo honesto é que se pode viver uma semelhança humana real’ em “Registros das falas de Cristo”

Anterior: 124. Os princípios para interagir com outras pessoas

Próximo: 126. Os princípios do amor entre irmãos e irmãs

Quando o desastre vem, como nós cristãos devemos lidar com ele? Convidamos você a participar da nossa reunião online, onde podemos explorar juntos e encontrar o caminho.

Configurações

  • Texto
  • Temas

Cores sólidas

Temas

Fonte

Tamanho da fonte

Espaçamento entre linhas

Espaçamento entre linhas

Largura da página

Sumário

Busca

  • Pesquise neste texto
  • Pesquise neste livro