48. Os princípios para o verdadeiro arrependimento

(1) Aceite o julgamento e o castigo de Deus e submeta-se a eles. Veja a verdade de sua corrupção, purifique seu caráter corrupto e viva uma semelhança humana;

(2) Quando você cometer uma transgressão, seja capaz de se conhecer por meio da autorreflexão e seja capaz de buscar a verdade e agir de acordo com os princípios. Alcance uma mudança genuína, tornando-se assim alguém que realmente se submete a Deus;

(3) Seja capaz de praticar e experimentar as palavras de Deus, abandone a falsidade e o disfarce e não continue a mentir e enganar; em vez disso, cumpra bem seu dever por lealdade e torne-se uma pessoa honesta;

(4) Experimente o julgamento, o castigo, as provações e o refinamento de Deus, conheça Seu caráter justo e seja capaz de temer a Deus, evitar o mal e viver diante Dele.

Palavras de Deus relevantes:

Cada pessoa já se opôs a Deus em algum momento e que cada pessoa já se rebelou contra Ele em algum momento. Todavia, se você voluntariamente obedecer ao Deus encarnado e, a partir desse ponto, satisfizer o coração de Deus com a sua lealdade, praticar a verdade que deve, cumprir seu dever como deve e obedecer aos regulamentos a que deve obedecer, então você é alguém que está disposto a se livrar de sua rebeldia para satisfazer a Deus e alguém que pode ser aperfeiçoado por Deus. Se você se recusar teimosamente a ver os seus erros e não tiver intenção de se arrepender, se persistir em sua conduta rebelde sem a menor intenção de cooperar com Deus e satisfazê-Lo, então uma pessoa tão obstinada e incorrigível como você certamente será punida e certamente jamais será alguém a ser aperfeiçoado por Deus. Sendo assim, você é o inimigo de Deus hoje e, amanhã, você também será o inimigo de Deus e, igualmente, permanecerá sendo o inimigo de Deus depois de amanhã; você será para sempre um oponente e inimigo de Deus. Nesse caso, como poderia Deus de alguma forma perdoá-lo? Está na natureza do homem se opor a Deus, mas o homem não deve buscar, de propósito, o “segredo” de se opor a Deus só porque mudar sua natureza é uma tarefa intransponível. Se fosse o caso, seria melhor você ir embora antes que seja tarde demais para que seu castigo no futuro não se torne mais severo, para que sua natureza brutal não irrompa e se torne ingovernável, até que seu corpo carnal seja destruído por Deus no final. Você crê em Deus para receber bênçãos; mas, se no fim, lhe sobreviesse apenas infortúnio, isso não seria uma vergonha? Eu os exorto: seria melhor fazer um outro plano. Qualquer outra que você possa fazer seria melhor do que acreditar em Deus: certamente, não pode ser que só haja essa única senda. Você não continuaria sobrevivendo se não buscasse a verdade? Por que você deve viver em desacordo com Deus dessa maneira?

Extraído de ‘Todos os que não conhecem a Deus são pessoas que se opõem a Deus’ em “A Palavra manifesta em carne”

Todo homem, no curso de sua vida de fé em Deus, já fez coisas que resistem e enganam a Deus. Certos malfeitos não precisam ser registrados como ofensas, mas alguns são imperdoáveis; pois há muitos atos que transgridem os decretos administrativos, que ofendem o caráter de Deus. Muitos que se preocupam com o próprio destino podem perguntar o que são esses atos. Vocês devem saber que são arrogantes e soberbos por natureza e relutantes em se sujeitar aos fatos. Por essa razão, Eu lhes direi tudo em detalhe depois que tenham refletido sobre si mesmos. Exorto-os a adquir melhor entendimento do conteúdo dos decretos administrativos e a fazer um esforço para conhecer o caráter de Deus. Caso contrário, vocês acharão difícil manter seus lábios selados e evitar que sua língua se agite livremente demais com conversa pomposa, e vocês involuntariamente ofenderão o caráter de Deus e cairão em trevas, perdendo a presença do Espírito Santo e da luz. Como vocês são sem princípios em suas ações, como você faz e diz aquilo que não deve, você receberá uma retribuição cabível. Você deveria saber que, embora você seja sem princípios em palavra e em ato, Deus tem muitos princípios em ambos. A razão pela qual você recebe retribuição é porque você ofendeu a Deus e não a um homem. Se, em sua vida, você cometer muitas ofensas contra o caráter de Deus, então você certamente se tornará filho do inferno. Ao homem pode parecer que você cometeu somente alguns atos em contrários à verdade, nada mais. Você está ciente, porém, de que, aos olhos de Deus, você já é alguém para quem não há mais oferta pelo pecado? Porque você violou os decretos administrativos de Deus mais de uma vez e, além disso, não deu sinais de arrependimento, você não tem escolha a não ser ir para o inferno, onde Deus pune o homem.

Extraído de ‘Três admoestações’ em “A Palavra manifesta em carne”

Por muito tempo, as pessoas que acreditam em Deus esperaram sinceramente por um destino belo, e todos os crentes em Deus esperam que a sorte lhes sobrevenha de repente. Todos esperam que, antes que se apercebam, eles se encontrarão serenamente sentados num local ou outro no Céu. Digo, porém, que essas pessoas, com seus pensamentos adoráveis, nunca souberam se têm a qualificação para receber tal sorte que cai do Céu ou até mesmo para se sentar num lugar lá. Vocês hoje têm bom conhecimento de si mesmos, mas ainda assim esperam poder escapar dos desastres dos últimos dias e da mão do Todo-Poderoso, quando Ele punir os malignos. Parece que ter sonhos bons e desejar as coisas bem do jeito que gostam é uma característica comum a todas as pessoas a quem Satanás corrompeu, e não um golpe de mestre de qualquer indivíduo solitário. Mesmo assim, Eu ainda quero pôr um fim a esses seus desejos extravagantes, bem como à sua ânsia por ganhar bênçãos. Considerando que suas transgressões são muitas, e o fato de sua rebeldia ser sempre crescente, como podem essas coisas se encaixar em seus belos projetos para o futuro? Se você quiser cometer erros como lhe agrada, sem nada que o impeça, mas ao mesmo tempo ainda quiser que seus sonhos se tornem realidade, então Eu o incito a continuar em seu estupor e jamais acordar — pois o seu é um sonho vazio, e, na presença do Deus justo, Ele não abrirá exceção para você. Se você só quer que os seus sonhos se realizem, então jamais sonhe; em vez disso, para sempre encare a verdade, encare os fatos. Essa é a única maneira de você ser salvo. Quais são os passos desse método em termos concretos?

Primeiro, dê uma olhada em todas as suas transgressões, e examine qualquer comportamento ou pensamento seu que não esteja de acordo com a verdade.

Isso é algo que você pode fazer facilmente, e acredito que todas as pessoas inteligentes são capazes de fazer. No entanto, aquelas que nunca sabem o que se entende por transgressão e verdade são a exceção, porque fundamentalmente elas não são pessoas inteligentes. Estou falando com pessoas que foram aprovadas por Deus, que são honestas, que não ofenderam seriamente os decretos administrativos e que conseguem facilmente identificar as próprias transgressões. Embora essa coisa que exijo de vocês seja fácil de realizar, não é a única coisa que Eu exijo. Não importa o que aconteça, espero que você não ria em particular desse requisito, e principalmente que não o despreze ou dê pouco valor. Você deveria tratá-lo com seriedade, e não o descartar.

Segundo, para cada uma de suas transgressões e desobediências, você deveria procurar uma verdade correspondente, e depois usar essas verdades para resolver esses problemas. Depois disso, substitua seus atos transgressores e pensamentos e atos desobedientes pela prática da verdade.

Terceiro, você deveria ser uma pessoa honesta, não alguém que vive agindo como o espertalhão, sempre enganoso. (Aqui, estou pedindo novamente que vocês sejam pessoas honestas).

Se for capaz de realizar todas essas três coisas, então você é um dos afortunados — uma pessoa cujos sonhos se tornam realidade e que recebe a boa sorte. Talvez vocês tratem seriamente essas três exigências pouco atraentes, ou talvez as tratem de maneira irresponsável. Seja como for, Meu propósito é realizar seus sonhos e colocar seus ideais em prática, não escarnecer de vocês, tampouco fazer vocês de bobos.

Extraído de ‘As transgressões levarão o homem para o inferno’ em “A Palavra manifesta em carne”

O fato é que toda pessoa, em maior ou menor extensão, transgrediu. Quando você não sabe que alguma coisa é uma transgressão, você a considera com um estado mental nebuloso, ou talvez continue apegado às suas próprias opiniões, práticas e maneiras de entender —, mas, um dia, seja tendo comunhão com seus irmãos e irmãs, seja pela revelação de Deus, você aprende que essa coisa é uma transgressão, uma ofensa contra Deus. Qual será, então, a sua atitude? Você continuará apegado, discutindo, argumentando, preso às próprias ideias, acreditando que o que está fazendo está de acordo com a verdade? Isso envolve a sua atitude para com Deus. Com qual atitude Davi considera suas transgressões? Remorso — ele não mais as cometeria. Então, que fez ele? Ele orou, pedindo a Deus que o punisse: “Se eu cometer esse erro de novo, que Deus me puna e cause a minha morte!”. Foi essa a sua resolução; aquilo foi remorso de verdade. As pessoas comuns podem alcançar isso? Para as pessoas comuns, é bom se elas não tentam argumentar nem admitir responsabilidade tacitamente, e, em seu coração, elas ainda pensam: “Espero que ninguém mencione isso de novo. Eu seria humilhado”. Isso é remorso de verdade? Para arrepender-se verdadeiramente, você deve descartar seu passado mau, deitá-lo por terra, e nunca mais fazer tal coisa. Bem, o que deveria ser feito, então? Dará certo apenas descartar o mal, não fazer aquela coisa e não pensar nela? Qual é a sua atitude para com Deus? Que postura você adotará ao ser exposto por Deus agora? (Nós aceitaremos a punição de Deus.) Aceitar a punição de Deus, o Seu julgamento e o Seu castigo — isso é uma parte. A outra parte é aceitar o escrutínio de Deus enquanto você aceita a Sua punição. Quando você tiver aceitado as duas partes, qual será a sua resolução? Quando você encontrar tais circunstâncias e tais questões no futuro, o que vai fazer? Sem remorso verdadeiro, não se pode descartar o mal, e em qualquer lugar, em qualquer momento, a pessoa poderia voltar ao mesmo caminho antigo, a fazer a mesma coisa ruim, cometer a mesma transgressão, cometer o mesmo erro repetidas vezes. Isso revela a atitude do homem para com a verdade e para com Deus. O que, então, pode a pessoa fazer para se livrar por completo da transgressão? Praticar a verdade? A pessoa deve ter a atitude correta para com a verdade. E qual atitude a pessoa deveria ter e como deveria praticar para demonstrar sua atitude correta para com a verdade? O que você fará se cair na tentação quando deparar com essa questão novamente? Duas palavras: “Fique longe!”. Ao mesmo tempo, a pessoa deve ajustar sua resolução para ser punida por Deus se cometer o mesmo erro de novo. Fazer isso é odiar essa coisa do fundo do coração, enxergá-la como a coisa mais repugnante, uma coisa ruim, uma coisa que ofende a Deus, uma mancha eterna. A Bíblia diz: “O prudente vê o perigo e esconde-se; mas os simples passam adiante e sofrem a pena” (Provérbios 22:3). Isso não é simplicidade — é estupidez, plena e simples. “Fique longe” — que tal esse caminho para praticar? (É bom.) Existem entretanto momentos em que a pessoa não consegue ficar longe? O que você fará, então? Você deve orar sinceramente a Deus em seu coração, e pedir-Lhe que orquestre as coisas. Algumas provações são também tentações. Por que Deus permite que tais coisas recaiam sobre você? Elas não acontecem por acaso; elas são Deus provando e testando você. Isso não fala da atitude do homem para com Deus você virar as costas para as circunstâncias que Ele arranja para você e as provações que Ele lhe proporciona, e ter uma atitude de impertinência, e não orar nem buscar, nem procurar nessas circunstâncias e provações a senda da prática? Existem aqueles que dizem: “Eu não tive esses pensamentos, e não tenho essa intenção”. Se você está sem intenção, então qual é a sua atitude para com Deus? Algumas atitudes são deliberadas e intencionais, enquanto outras não são intencionais — qual é a sua? Alguém que é impertinente e não leva Deus a sério é alguém que ama a verdade? Está estabelecido que a pessoa que trata a verdade e Deus como jogos infantis, como ar vazio, não é alguém que ama a verdade.

Extraído da comunhão de Deus

Algumas pessoas seguem a própria vontade quando agem. Elas violam os princípios e admitem apenas que são arrogantes, que cometeram um erro apenas por não terem a verdade. Em seu coração, até se queixam: “Ninguém mais se arrisca — só eu — e, no fim, a responsabilidade é minha. Isso é burrice minha. Da próxima vez, não farei mais essa mesma coisa de me arriscar. Pássaros que se arriscam levam um tiro!”. O que vocês acham dessa atitude? É uma atitude de arrependimento? (Não.) Que atitude é essa? Por meio do erro que cometem, essas pessoas se tornam escorregadias e enganosas — gato escaldado tem medo de água fria, por assim dizer. “Tenho sorte de não ter causado um desastre. Se tivesse provocado um desastre, eu iria para o inferno e seria destruído. Devo ser mais cauteloso no futuro.” Elas não buscam a verdade e usam sua mesquinhez e seus esquemas astutos para manejar e tratar a questão. Elas podem ganhar a verdade dessa maneira? Não podem — elas não sabem se arrepender. A primeira coisa a ser feita ao se arrepender é conhecer a coisa que você fez e entender onde você errou, conhecer a essência do problema e o caráter que revelou; reflita sobre essas coisas e aceite-as, depois pratique de acordo com a verdade. Essa é a atitude do arrependimento. Se, por outro lado, sua maneira de considerar o problema é mais escorregadia do que antes, e suas técnicas são mais espertas e ocultas, e você tem mais métodos para lidar com ele, então o problema não é tão simples quanto ser enganador. Você está usando meios traiçoeiros e tem segredos que não quer divulgar, e o que está fazendo é maligno. Deus o vê como muito duro e maligno, como alguém que admite superficialmente que errou e que aceita poda e tratamento, mas que não tem um pingo de atitude de arrependimento. Isso acontece porque, após o evento ou enquanto ele acontece, você não pratica nem um pouco de acordo com a verdade, e não a busca. Sua atitude é usar os métodos, as técnicas e filosofias de Satanás para resolver ou se esquivar do problema, para embrulhá-lo numa bela embalagem para que os outros não vejam nenhum traço do problema nem a costura da embalagem — e, no fim, você se acha bem esperto. Essas são as coisas que Deus vê, em vez de você ter refletido, se arrependido e confessado seu pecado em face da questão que lhe sobreveio, para então buscar a verdade e praticar de acordo com a verdade. Sua atitude não é a de buscar a verdade nem de praticar a verdade, nem é uma atitude de submissão à soberania e aos arranjos de Deus, mas de usar as técnicas e os métodos de Satanás para resolver seu problema. Você passa uma impressão falsa aos outros e resiste a ser exposto por Deus, e busca o confronto e é defensivo em relação às circunstâncias que Deus orquestrou para você. Isso significa que seu coração está mais fechado do que antes. Se está mais fechado para Deus, você ainda pode viver na luz, com paz e alegria? Não pode mais — você evitou a verdade e evitou Deus. Tal estado prevalece nas pessoas? “Eu fui tratado dessa vez. Na próxima, preciso ser mais cuidadoso e mais esperto. Ser esperto é o fundamento da vida — e pessoas que não são espertas são imbecis”. Se você está sempre se orientando e estimulando dessa forma, você chegará a algum lugar? Será capaz de ganhar a verdade? Quando um problema lhe sobrevém e você consegue buscar a verdade, você consegue entender um aspecto da verdade e ganhar esse aspecto da verdade. O que pode ser alcançado pelo entendimento da verdade? Quando entende um aspecto da verdade, você entende um aspecto da vontade de Deus e entende por que Deus acometeu você com essa coisa, por que Ele faria tal exigência a você, por que Ele orquestraria circunstâncias para castigar e disciplinar você assim, por que Ele usaria tal assunto para discipliná-lo e por que você caiu, fracassou e foi exposto nessa questão. Se conseguir entender essas coisas, você será capaz de buscar a verdade e alcançará entrada na vida. Se não conseguir entender essas coisas e não aceitar esses fatos, e insistir em oposição e resistência, em usar as próprias técnicas para apagar seus rastros, em encarar todos os outros e Deus com um semblante falso, você será eternamente incapaz de ganhar a verdade.

Extraído de ‘Somente buscando a verdade é possível resolver suas noções e seus equívocos sobre Deus’ em “Registros das falas de Cristo dos últimos dias”

No passado, algumas pessoas têm revelado certos caracteres de um anticristo: eram devassas e arbitrárias, queriam tudo feito do seu jeito. Mas por serem tratadas e podadas, por irmãos e irmãs terem comunhão com elas, por serem realocadas ou substituídas, por sofrerem alguns contratempos, serem negativas por um tempo para depois pensar: “Não importa o que aconteça, ainda assim devo priorizar o cumprimento correto do meu dever? Estou trilhando a senda do anticristo, mas não fui classificada como um, então devo ser boa em minha crença, devo prosseguir com sinceridade. Não há nada de errado com a senda de buscar a verdade”, — pouco a pouco elas mudam de atitude e então se arrependem. Há boas manifestações nelas, pois buscam a verdade os princípios ao cumprir seu dever e também buscam a verdade os princípios ao se relacionar com outras pessoas. Em todos os aspectos, estão caminhando em uma direção melhor. Elas não mudaram, então? Isso é deixar de trilhar a senda do anticristo para trilhar a senda de praticar e buscar a verdade. Há esperança para elas, elas têm uma chance, podem mudar de atitude. Você pode classificar tais pessoas como anticristos porque uma vez exibiram algumas manifestações de anticristo ou seguiram a senda dos anticristos? Não. Os anticristos não se arrependem, eles não têm vergonha, e, além disso, seu caráter é feroz, mau, e eles detestem a verdade ao extremo. O que seu ódio extremo determina? Que eles não conseguem se arrepender nunca. Se detestarem a verdade em tal medida, poderão praticar a verdade e poderão se arrepender? Impossível. Se há uma coisa certa sobre as pessoas que podem se arrepender é que elas cometeram erros, mas são capazes de aceitar o julgamento e o castigo de Deus, são capazes de aceitar as verdades ditas por Deus, e são capazes de tentar o máximo que podem para cooperar, tendo as palavras de Deus como suas máximas pessoais, e tornando as palavras de Deus uma realidade na sua vida. Elas aceitam a verdade e, no fundo, não a detestam. Não é essa a diferença? Os anticristos, por outro lado, não dão ouvidos a ninguém, não acreditam que a verdade é a verdade, e não reconhecem que as palavras de Deus são a verdade.

Extraído de ‘Eles gostariam que os outros obedecessem apenas a eles, não à verdade nem a Deus (parte 1)’ em “Expondo os anticristos”

Hoje em dia, a maioria das pessoas tem um entendimento muito superficial de si mesmas. Elas não chegam, de modo algum, a conhecer com clareza as coisas que fazem parte de sua natureza. Só têm conhecimento de alguns de seus estados corruptos, das coisas que estão aptas a fazer ou de algumas de suas deficiências, e isso as faz crer que se conhecem. Além disso, quando agem segundo algumas regras, quando garantem não cometer erros em certas áreas e conseguem evitar cometer certas transgressões, elas então se consideram possuidoras da realidade em sua crença em Deus e supõem que serão salvas. Isso é imaginação humana total. Se agir segundo essas coisas, você se tornará mesmo capaz de abster-se de cometer quaisquer transgressões? Você terá alcançado uma mudança de caráter verdadeira? Estará mesmo vivendo a semelhança de um ser humano? Consegue satisfazer genuinamente a Deus desse modo? Absolutamente não, isso é certo. A crença em Deus só dá certo quando se tem padrões elevados e alcançou a verdade e certa transformação no caráter de vida. Então, se o conhecimento de si mesmas for superficial demais, as pessoas acharão impossível resolver os problemas, e seu caráter de vida simplesmente não mudará. É necessário conhecer a si mesmo num nível profundo, o que significa conhecer a própria natureza: que elementos estão incluídos nessa natureza, como essas coisas se originaram e de onde vieram. Além disso, você é realmente capaz de odiar essas coisas? Você viu sua própria alma feia e sua natureza maligna? Se você for realmente capaz de ver a verdade sobre si mesmo, então você começará a se detestar. Quando você se detestar e então praticar a palavra de Deus, você será capaz de abandonar a carne e ter a força para executar a verdade sem dificuldades. Por que muitas pessoas seguem suas preferências carnais? Porque se consideram bastante boas, sentindo que suas ações são certas e justificadas, que não têm falhas e até mesmo que estão inteiramente certas, elas são, portanto, capazes de agir supondo que a justiça está do seu lado. Quando se reconhece o que é a verdadeira natureza — quão feia, desprezível e lamentável —, então não se tem muito orgulho de si mesmo, não é tão descontroladamente arrogante e não está tão satisfeito consigo mesmo como antes. Tal pessoa sente: “Preciso ser honesta e realista, e praticar algumas das palavras de Deus. Se não, então, não estarei à altura do padrão do ser humano e me envergonharei de viver na presença de Deus”. Ele, portanto, se vê de fato como um ser de pouco valor, verdadeiramente insignificante. Nesse momento, fica fácil para ele realizar a verdade, e ele parecerá ser um pouco como um humano deveria ser. Só quando as pessoas se detestam verdadeiramente, elas são capazes de abandonar a carne. Se não detestarem a si mesmas, elas serão incapazes de abandonar a carne. Odiar-se de verdade engloba algumas coisas: em primeiro lugar, conhecer a sua própria natureza e, em segundo lugar, ver-se como necessitado e lamentável, ver-se como extremamente pequeno e insignificante e ver a sua própria alma suja e lamentável. Quando uma pessoa vê plenamente o que ela realmente é e esse resultado é alcançado, ela ganha verdadeiramente conhecimento de si mesma, e pode-se dizer que a pessoa veio a conhecer-se plenamente. Só então ela pode se odiar verdadeiramente, chegando até a amaldiçoar-se e sentir verdadeiramente que ela foi profundamente corrompida por Satanás, ao ponto de nem mesmo se parecer com um ser humano. Então, algum dia, quando aparecer a ameaça da morte, tal pessoa pensará: “Isso é a punição justa de Deus. Deus é realmente justo; eu devia morrer mesmo!”. A essa altura, ela não fará uma queixa, muito menos culpará Deus, simplesmente sentindo que é tão carente e deplorável, tão imunda e corrompida que deveria ser aniquilada por Deus, e uma alma como a sua não é digna de viver na terra. A essa altura, essa pessoa não resistirá a Deus, muito menos trairá a Deus. Se a pessoa não conhecer a si mesma e ainda assim se considerar bastante boa, então, quando a morte bater à porta, essa pessoa pensará: “Tenho me saído tão bem em minha fé. Como tenho me esforçado em minha busca! Tenho dado tanto, tenho sofrido tanto, mesmo assim, por fim, Deus está pedindo que eu morra. Não sei onde está a justiça de Deus. Por que Ele está pedindo que eu morra? Se até mesmo uma pessoa como eu precisa morrer, quem, então, será salvo? A raça humana não será extinta?” Em primeiro lugar, essa pessoa tem noções sobre Deus. Em segundo lugar, essa pessoa está se queixando e não está mostrando submissão alguma. É exatamente como Paulo: quando estava prestes a morrer, ele não se conhecia, e quando a punição de Deus estava próxima, era tarde demais para se arrepender.

Extraído de ‘Conhecer a si mesmo trata primariamente de conhecer a natureza humana’ em “Registros das falas de Cristo dos últimos dias”

Vocês imaginaram um padrão para como o Espírito Santo opera? O Espírito Santo geralmente opera naqueles cujo coração é honesto, e Ele opera quando as pessoas encontram dificuldades e estão buscando a verdade. Deus não dará atenção àqueles que não têm um pingo de razão ou consciência humana. Se alguém for muito honesto, mas, por um período de tempo, seu coração não estiver voltado para Deus, ele não tiver nenhum desejo de melhorar, cair num estado negativo e não sair dele, se não orar nem buscar a verdade para resolver seu estado e não cooperar, então o Espírito Santo não operará nele durante tal escurecimento ocasional de seu estado ou sua degeneração temporária. Como, então, o Espírito Santo pode operar numa pessoa sem consciência de humanidade? Isso é ainda mais impossível. O que, então, tais pessoas devem fazer? Existe um caminho que possam seguir? Elas devem se arrepender genuinamente e ser pessoas honestas. Como alguém pode ser uma pessoa honesta? Primeiro, seu coração precisa se abrir para Deus e você precisa buscar a verdade de Deus; tendo entendido a verdade, você deve então praticá-la. Deve, então, submeter-se aos arranjos de Deus e permitir que Deus controle você. Só dessa maneira você será elogiado por Deus. Você precisa primeiro pôr de lado o próprio prestígio e vaidade e abrir mão de seus interesses. Tente pô-los de lado em primeiro lugar, e uma vez que os tiver posto de lado, ponha todo o seu corpo e alma em seu dever e no trabalho de testemunhar de Deus, e então veja como Deus o guia, veja se surgem paz e alegria dentro de si, se você tem essa confirmação. Você precisa primeiro se arrepender genuinamente, render-se, abrir seu coração para Deus e pôr de lado as coisas que valoriza. Se continuar se atendo a elas enquanto faz pedidos a Deus, você será capaz de ganhar a obra do Espírito Santo? A obra do Espírito Santo é condicional, e Deus é um Deus que odeia o mal e que é santo. Se as pessoas sempre se apegarem a essas coisas, fechando-se constantemente para Deus e rejeitando a obra e a orientação de Deus, então Deus parará de operar nelas. Não é que Deus deve operar em cada pessoa, ou que o obrigará a fazer isso ou aquilo. Ele não o coage. O trabalho de espíritos malignos é forçar os humanos a fazer isso e aquilo e até possuir e controlar as pessoas. O Espírito Santo opera de modo especialmente delicado; Ele o move, e você não sente. Você apenas sente como se tivesse vindo a entender ou perceber algo inconscientemente. É assim que o Espírito Santo move as pessoas, e, se se submeterem, elas se verão capazes de se arrepender verdadeiramente.

Extraído de ‘Dê seu real coração a Deus e você poderá obter a verdade’ em “Registros das falas de Cristo dos últimos dias”

Ao seguir a Deus, por causa de sua tolice e ignorância e devido a seus diversos caracteres corruptos, as pessoas costumam se revelar desobedientes e entendem errado e chegam a se ressentir de Deus. Elas se desviam, e algumas até se tornam negativas e frouxas em seu trabalho, ressentindo-se de Deus e perdendo sua fé. Condutas desobedientes em geral surgem ao longo de vários estágios da vida das pessoas. Elas têm Deus no coração e sabem que Ele está operando, entretanto, às vezes, não conseguem assimilar esse fato. Embora sejam capazes de se submeter superficialmente, elas simplesmente não conseguem aceitar isso lá no fundo. O que torna evidente que, lá no fundo, elas não conseguem aceitar isso? Uma maneira em que isso se manifesta é que, apesar de saberem tudo, essas pessoas simplesmente não conseguem deixar de lado o que fizeram e vir diante de Deus para admitir seus erros e dizer: “Deus, eu estava errado. Não agirei mais assim. Vou buscar Tua vontade e fazer o que Tu ordenares. Eu não costumava ouvir-Te; eu era imaturo, desobediente, um tolo. Sei disso, agora”. Com qual atitude as pessoas admitem seus erros? (Elas querem dar meia-volta.) Se as pessoas têm consciência e senso e anseiam pela verdade, mas não sabem que têm de dar meia-volta de seus erros e acreditam, em vez disso, que passado é passado e têm certeza de que nunca estão erradas, então que tipo de caráter isso mostra? Que tipo de conduta? Qual é a essência de tal conduta? Tais pessoas estão endurecidas, e, venha o que vier, essa é a senda que elas seguirão. Deus não gosta de tais pessoas. O que disse Jonas quando expressou, por primeiro, as palavras de Deus para os ninivitas? (“Ainda quarenta dias, e Nínive será subvertida” [Jonas 3:4].) Como os ninivitas reagiram a essas palavras? Assim que viram que Deus ia destruí-los, eles pegaram juta e cinzas e correram para confessar seus pecados a Ele. É isso que significa arrepender-se. Tal arrependimento apresenta ao homem uma oportunidade imensa. Que oportunidade é essa? É a oportunidade de continuar vivendo. Sem tal arrependimento, seria difícil você seguir adiante, tanto na realização do seu dever quanto em sua busca por salvação. Em cada estágio — seja quando Deus está disciplinando ou castigando você, seja quando Ele o está lembrando ou exortando — caso um conflito tenha ocorrido entre você e Deus, mas você continua preso às próprias ideias, pontos de vista e atitudes, então, ainda que seus passos se direcionem para a frente, o conflito entre você e Deus, seus equívocos, o ressentimento por Ele e sua rebeldia não serão retificados, e se você não der meia-volta, então Deus, de Sua parte, o eliminará. Embora você não tenha largado seu dever à mão e seja capaz de mantê-lo, e embora você tenha aceitado a comissão de Deus e seja leal a ela, você sempre terá ao seu lado o nó da disputa que surgiu entre você e Deus. Se você não desfizer esse nó nem se soltar dele e, ao contrário, continuar acreditando que Deus está errado e que você foi injustiçado, então isso significa que você não deu meia-volta. Por que Deus atribui tanta importância a dar meia-volta para as pessoas? Com qual atitude deveria um ser criado considerar o Criador? Uma atitude que reconhece que o Criador está certo, não importa o que Ele faça. Se você não reconhece isso, que o Criador é a verdade, o caminho e a vida, essas serão somente palavras vazias para você. Se elas forem somente palavras vazias para você, Deus ainda poderá salvar você? Não poderá. Você não seria qualificado; Deus não salva pessoas como você. Há aqueles que dizem: “Deus exige que as pessoas se arrependam e que saibam que têm de dar meia-volta. Bem, em muitas coisas, eu não dei meia-volta. Ainda tenho tempo para fazer isso?”. Sim, ainda há tempo. Adicionalmente, alguns dizem: “Em que coisas tenho de dar meia-volta? Coisas do passado já se foram e foram esquecidas”. Se o seu caráter não muda nem por um dia, e se um único dia passa sem que você venha a saber o que em suas ações não está de acordo com a verdade e o que não pode estar de acordo com Deus, então esse nó que existe entre você e Deus ainda não foi desfeito; o problema não foi resolvido nem passou. Esse caráter está dentro de você; essa ideia, esse ponto de vista, essa atitude está dentro de você. Assim que as circunstâncias certas aparecerem, esse seu ponto de vista emergirá novamente e seu conflito com Deus reacenderá. Portanto, embora você não possa retificar o passado, você deve retificar as coisas que acontecerão no futuro. Como elas devem ser retificadas? Você deve dar meia-volta e deixar de lado suas ideias e intenções. Uma vez que tiver esse intento, a sua também será, naturalmente, uma atitude de submissão. Contudo, falando um pouco mais precisamente, isso se refere, na verdade, às pessoas darem meia-volta em sua atitude para com Deus, o Criador; é um reconhecimento e uma afirmação do fato de que o Criador é a verdade, o caminho e a vida. Se você consegue dar essa volta, isso demonstra que você consegue deixar de lado essas coisas que acha que estão certas, ou as coisas que a humanidade — que é corrupta — acha, coletivamente, que estão certas; e, em vez disso, você está reconhecendo que as palavras de Deus são a verdade e coisas positivas. Se você consegue ter essa atitude, isso prova seu reconhecimento da identidade do Criador e de Sua essência. É assim que Deus vê a questão, e, portanto, Ele a considera especialmente importante.

Extraído de ‘Somente ao resolver suas noções alguém pode entrar na trilha certa da crença em Deus (3)’ em “Registros das falas de Cristo dos últimos dias”

Ao ouvir essa notícia, o rei de Nínive levantou-se de seu trono, despiu o manto, vestiu-se de saco e sentou-se em cinzas. Então ele proclamou que ninguém na cidade poderia degustar nada e que nenhum boi, ovelha ou qualquer outro rebanho poderia pastar ou beber água. Homem e rebanhos igualmente deveriam vestir-se de saco; as pessoas deveriam fazer súplicas sinceras a Deus. O rei também proclamou que cada um deles se afastaria de seus caminhos maus e abandonaria a violência em suas mãos. A julgar por essa série de ações, o rei de Nínive teve um arrependimento verdadeiro em seu coração. Essa série de ações que ele tomou — levantando-se de seu trono, descartando seu manto de rei, vestindo-se de saco e sentando-se em cinzas — diz às pessoas que o rei de Nínive estava pondo de lado seu status real e vestindo-se de saco ao lado das pessoas comuns. Ou seja, o rei de Nínive não ocupou seu posto real para manter seu mau caminho ou a violência em suas mãos após ouvir o anúncio de Deus Jeová; ao contrário, ele pôs de lado a autoridade que tinha e se arrependeu diante de Deus Jeová. Nesse momento, o rei de Nínive não estava se arrependendo como rei; ele havia se colocado diante de Deus para se arrepender e confessar seus pecados como um súdito comum de Deus. Além disso, ele também falou para toda a cidade se arrepender e confessar seus pecados perante Deus Jeová da mesma maneira que ele fizera; adicionalmente, ele tinha um plano específico de como fazer isso, conforme visto nas Escrituras: “Não provem coisa alguma nem homens, nem animais, nem bois, nem ovelhas; não comam, nem bebam água; […] e clamem fortemente a Deus; e convertam-se, cada um do seu mau caminho, e da violência que há nas suas mãos”. Como governador da cidade, o rei de Nínive possuía status e poder supremos e podia fazer tudo que desejasse. Quando deparado com o anúncio de Deus Jeová, ele poderia ter ignorado o assunto ou simplesmente se arrependido e confessado seus pecados sozinho; quanto a se as pessoas da cidade escolhessem se arrepender ou não, ele poderia ter ignorado completamente o assunto. Contudo, o rei de Nínive de forma alguma o fez. Ele não só se levantou de seu trono, vestiu-se de saco e cinzas, se arrependeu e confessou seus pecados diante de Deus Jeová, mas também ordenou que todas as pessoas e rebanhos dentro da cidade fizessem o mesmo. Ele até ordenou às pessoas: “clamem fortemente a Deus”. Por meio dessa série de ações, o rei de Nínive realizou de fato aquilo que um governador deveria realizar. Sua série de ações é algo que era difícil para qualquer rei da história humana cumprir e, aliás, nenhum outro rei cumpriu essas coisas. Essas ações podem ser chamadas de inéditas na história humana e são dignas de ser tanto comemoradas quanto imitadas pela humanidade. Desde o surgimento do homem, todo rei havia levado seus súditos a resistir e a se opor a Deus. Ninguém jamais havia levado seus súditos a suplicar a Deus a fim de buscar redenção para sua malícia, receber o perdão de Deus Jeová e evitar a punição iminente. O rei de Nínive, porém, foi capaz de levar seus súditos a se voltarem para Deus, a deixarem seus respectivos maus caminhos para trás e a abandonarem a violência em suas mãos. Além disso, ele também foi capaz de pôr de lado o seu trono e, em contrapartida, Deus Jeová teve uma chance de considerar e sentou remorso, retirando a Sua ira e permitindo que as pessoas da cidade sobrevivessem, guardando-as da destruição. As ações do rei só podem ser chamadas de milagre raro na história humana e até de exemplo modelar da humanidade corrupta se arrependendo e confessando seus pecados diante de Deus.

Extraído de ‘O Próprio Deus, o Único II’ em “A Palavra manifesta em carne”

Esse “mau caminho” não se refere a um punhado de atos malignos, mas à origem maligna da qual o comportamento das pessoas brota. “Converter-se do seu mau caminho” significa que aqueles em questão nunca mais cometerão essas ações. Em outras palavras, eles nunca mais se comportarão dessa forma maligna; o método, a fonte, o propósito, o intento e o princípio de suas ações, todos mudaram; eles nunca mais usarão aqueles métodos e princípios para trazer prazer e felicidade a seu coração. O “abandonar” em “abandonar a violência em suas mãos” significa largar ou deixar de lado, romper completamente com o passado e nunca voltar atrás. Quando as pessoas de Nínive abandonaram a violência em suas mãos, isso provou e representou o seu verdadeiro arrependimento. Deus observa a aparência externa das pessoas, bem como o coração delas. Quando Deus observou o verdadeiro arrependimento no coração dos ninivitas sem questionar e também observou que eles haviam deixado seus caminhos maus e abandonado a violência em suas mãos, Ele mudou o Seu coração. Ou seja, a conduta, o comportamento e as várias maneiras de fazer as coisas daquelas pessoas, bem como sua verdadeira confissão e arrependimento de pecados no coração delas, fizeram Deus mudar o Seu coração, mudar as Suas intenções, retirar a Sua decisão e não as punir nem as destruir. Assim, as pessoas de Nínive alcançaram um desfecho diferente por si mesmas. Elas redimiram a própria vida e ao mesmo tempo ganharam a misericórdia e a tolerância de Deus, momento em que Deus também retirou a Sua ira.

Extraído de ‘O Próprio Deus, o Único II’ em “A Palavra manifesta em carne”

Independentemente do quão bravo Deus havia ficado com os ninivitas, tão logo eles declararam um jejum e vestiram saco e cinzas, o Seu coração começou a amolecer e Ele começou a mudar a Sua mente. Quando Ele lhes proclamou que destruiria a cidade deles — o momento anterior à confissão e ao arrependimento de pecados por parte deles — Deus ainda estava bravo com eles. Uma vez que eles tinham realizado uma série de atos arrependidos, a raiva de Deus pelas pessoas de Nínive gradualmente se transformou em misericórdia e tolerância a elas. Não há nada de contraditório na revelação coincidente desses dois aspectos do caráter de Deus no mesmo evento. Então, como se deve entender e conhecer essa falta de contradição? Deus expressou e revelou cada uma dessas essências completamente opostas uma após a outra, enquanto o povo de Nínive se arrependia, permitindo que as pessoas vissem o realismo e a inofendibilidade da essência de Deus. Deus usou a Sua atitude para dizer às pessoas o seguinte: não é que Deus não tolere as pessoas, nem que não lhes queira mostrar misericórdia; antes, é que elas raramente se arrependem de forma verdadeira para Deus e é raro que as pessoas se afastem verdadeiramente de seus caminhos maus e abandonem a violência em suas mãos. Em outras palavras, quando fica bravo com o homem, Deus espera que o homem seja capaz de se arrepender verdadeiramente e de fato Ele espera ver o verdadeiro arrependimento do homem, em cujo caso Ele então continuará liberalmente a conceder Sua misericórdia e tolerância ao homem. Ou seja, a má conduta do homem incorre na ira de Deus, enquanto a misericórdia e a tolerância de Deus são concedidas àqueles que ouvem a Deus e se arrependem verdadeiramente perante Ele, àqueles que conseguem se afastar de seus caminhos maus e abandonar a violência em suas mãos. A atitude de Deus foi muito claramente revelada em Seu tratamento dos ninivitas: a misericórdia e a tolerância de Deus não são de forma alguma difíceis de se obter e o que Ele exige é arrependimento verdadeiro de uma pessoa. Contanto que as pessoas se afastem de seus maus caminhos e abandonem a violência em suas mãos, Deus mudará o Seu coração e a Sua atitude em relação a elas.

Extraído de ‘O Próprio Deus, o Único II’ em “A Palavra manifesta em carne”

Anterior: 47. Os princípios para o verdadeiro autoconhecimento

Próximo: 49. Os princípios para negar a si mesmo e renunciar à carne

Quando o desastre vem, como nós cristãos devemos lidar com ele? Convidamos você a participar da nossa reunião online, onde podemos explorar juntos e encontrar o caminho.

Configurações

  • Texto
  • Temas

Cores sólidas

Temas

Fonte

Tamanho da fonte

Espaçamento entre linhas

Espaçamento entre linhas

Largura da página

Sumário

Busca

  • Pesquise neste texto
  • Pesquise neste livro

Entre em contato conosco pelo Whatsapp