69. Os princípios para separar a igreja em grupos A e B

(1) Qualquer pessoa que não aceitar a verdade de forma nenhuma, que não estiver disposta a cumprir seu dever e que for capaz de perturbar a vida da igreja deverá ser relegada à congregação do grupo B;

(2) Quaisquer pessoas enganadoras que se deleitarem com fofocas fúteis, provocarem cisão entre as pessoas e semearem discórdia são maçãs podres e deverão ser relegadas à congregação do grupo B;

(3) Pessoas com problemas sérios ou especiais que, no momento, são obscuras e cujas essências ainda não podem ser determinadas, devem ser postas na congregação do grupo B;

(4) Anticristos, pessoas más e incrédulos devem ser expurgados ou expulsos, enquanto os que foram relegados ao grupo B devem ter a chance de se arrepender e podem ser redimidos.

Palavras de Deus relevantes:

Algumas pessoas na igreja foram designadas ao Grupo B. Isso é para que tenham a oportunidade de se arrepender. Se elas conseguirem fazer alguma autorreflexão e chegarem a se conhecer, se estiverem buscando a verdade e adotarem uma atitude de arrependimento, se não estiverem mais tramando coisas ruins como no passado, se não estiverem causando interrupções e perturbações e conseguirem se controlar um pouco; se elas puderem fazer o que lhes é ordenado e sujeitar-se, se se comportarem bem, fizerem o pouco que puderem e conseguirem manter esses princípios, elas não serão mais colocadas no Grupo B e poderão ser novamente admitidas no Grupo A para cumprir seus deveres. Por que a maioria delas foi transferida para o Grupo B? (Por causar interrupções e perturbações). Qual é, então, a fonte de suas interrupções e perturbações? Será que elas planejam causar interrupções e perturbações deliberadamente? Não — o que ocorre principalmente é que elas não praticam nem minimamente a verdade e tampouco buscam a verdade. Sua humanidade é extremamente vil e, no processo de cumprir seus deveres, elas com frequência causam interrupções e perturbações e destroem o trabalho da casa de Deus, o que tem consequências e resulta em influências danosas, não deixando outra opção senão alocá-las no Grupo B. A razão é essa. Embora elas não saibam o significado do dever, elas pelo menos sabem, lá no fundo, que deve-se cumprir o dever — e elas estão dispostas a fazê-lo. No entanto, a vontade de cumprir o dever significa que estão praticando a verdade? Sua vontade não é a realidade da verdade; só se pode dizer que você tem uma disposição sincera de praticar a verdade. Antes de colocar a verdade em prática, você pode dizer o quanto está confiante, que está pronto e disposto ou que é capaz de sacrificar sua vida e enfrentaria tudo que viesse pela frente sem hesitação — mas tudo isso são apenas chavões e são inúteis. Você deve agir de acordo com os princípios da verdade, tendo sua vontade como seu fundamento. Você pode dizer: “Eu não gosto muito da verdade e meu caráter não mudou de fato enquanto eu cumpria meu dever. Eu tampouco busquei a verdade. No entanto, a uma coisa me ative: o que você quiser que eu faça eu farei; não causarei interrupções nem perturbações. Não consigo chegar a ponto de me submeter, mas eu farei o que me for ordenado”. Portanto, você pode ficar no grupo A, não é mesmo? No entanto, as pessoas do Grupo B nem conseguem cumprir essas exigências mínimas e causam distúrbios. Tais pessoas não devem permanecer no Grupo A. Qualquer pessoa sensata com consciência trataria esse tipo de pessoa com uma atitude de abandono.

Extraído de ‘Qual o desempenho adequado do dever?’ em “Registros das falas de Cristo”

Trechos de sermão e comunhão para referência:

Cada igreja contém diferentes tipos de pessoas: há aquelas que amam e conseguem aceitar a verdade e aquelas que não amam a verdade, que a detestam; há aquelas que cumprem seu dever com alegria e aquelas que não cumprem seu dever de forma alguma; há aquelas cujo entendimento das palavras de Deus é puro e que são de bom calibre e aquelas cujo entendimento das palavras de Deus é ridículo e que não têm calibre; há aquelas de boa humanidade que são relativamente virtuosas e decentes e aquelas de humanidade pobre que são corrompidas, enganosas e que não cuidam de seus assuntos próprios; há aquelas que acreditam verdadeiramente em Deus e têm fome e sede de justiça e aquelas que cultivam a intenção de receber bênçãos, que se infiltram na igreja apenas para brincar; há aquelas que realmente buscam a verdade e obedecem à obra de Deus e aquelas que detestam e abominam a verdade, que se colocam contra Deus a cada passo. Tais circunstâncias reais são comuns em cada igreja. Se esses diferentes tipos de pessoas se reunissem e levassem a vida da igreja juntos, a vida da igreja cairia em caos; nada de bom poderia resultar disso. Para garantir que todos que realmente acreditam em Deus e amam a verdade possam desfrutar de uma vida da igreja normal e possam comer e beber normalmente das palavras de Deus, ponderar e comungar sobre elas e alcançar um entendimento da verdade e entrar na realidade, a casa de Deus determinou que a assembleia deve ser dividida em grupos A e B. Isso garantirá que a vida da igreja possa continuar normalmente e ter efeitos concretos e que os escolhidos de Deus possam embarcar na trilha correta de fé em Deus o mais rápido possível e ser salvos e aperfeiçoados. Evidentemente, é totalmente necessário que a assembleia seja dividida em grupos A e B.

Para todos os escolhidos de Deus, está claro que a obra de Deus só salva aqueles que realmente acreditam em Deus, amam a verdade e possuem humanidade; isso é fato. Assim, em cada igreja, somente algumas pessoas podem ser salvas. Aquelas que não tem amor pela verdade e não cumprem seu dever de bom grado, por sua vez, de forma alguma serão salvas. Assim, não seria apropriado se esses dois tipos de pessoas fossem colocados juntos durante a reunião. Visto que trilham sendas diferentes e carecem de uma língua comum, certamente haverá fricção e conflitos entre eles, o que afetaria a vida da igreja e não beneficiaria ninguém; só se esses dois tipos de pessoas forem divididos em grupos A e B, eles não terão impacto um sobre o outro. Esses são fatos que ninguém pode negar. Os princípios e critérios principais para separá-los em grupos A e B são definidos abaixo:

1. Todos que têm acreditado em Deus por vários anos, mas não sabem como comer e beber corretamente as palavras de Deus, que nunca buscaram nem comungaram sobre a verdade, que não têm o menor interesse pela verdade, que não entendem a verdade independentemente de como ela é comunicada, que não possuem nenhuma faculdade de compreensão e frequentemente causam interrupções e perturbações, que se juntam aos perversos para causa confusão – eles devem ser separados no grupo B.

2. Todos que nunca estiveram dispostos a cumprir seu dever e que não são obedientes mesmo quando o fazem, que cometem todos os tipos de atos gratuitos e frequentemente causam problemas para a igreja e que causam uma perda maior do que o valor de sua contribuição – eles devem ser separados no grupo B.

3. Todos que são de humanidade pobre, que são especialmente corrompidos, enganosos, egoístas e ignóbeis, que não se abrem para ninguém, que confraternizam com os perversos, que gostam de brigar com outros, que intimidam aqueles que são honestos – esses são os perversos, os cavalos que estragam toda a manada, e devem ser separados no grupo B.

4. Todos que são especialmente arrogantes e presunçosos, que não têm nenhum senso e não ouvem ninguém, que não aceitam a verdade de forma alguma e menos ainda o tratamento e a poda, que são até impermeáveis à razão, que, constantemente, têm noções sobre o trabalho da casa de Deus, que cultivam hostilidade em relação ao homem usado pelo Espírito Santo e o julgam e que são do mesmo tipo dos anticristos – essas pessoas devem ser expulsas diretamente sem tardar. Aqueles que não são prontamente identificáveis devem ser colocados no grupo B; uma vez que forem identificados com certeza, serão expulsos.

Todos que exibem as quatro manifestações acima devem ser colocados no grupo B. Além deles, líderes falsos e colaboradores falsos que não buscam a verdade de jeito nenhum e teimosamente trilham a senda dos anticristos devem ser colocados no grupo B. Todos que foram presos e se transformaram num judas ou que roubaram ofertas e não se arrependeram também devem ser colocados no grupo B durante o período de consulta antes do processamento oficial. Esses são os decretos administrativos e arranjos explícitos da casa de Deus, sua violação por qualquer indivíduo é proibida.

Na medida em que o evangelho do reino se espalha, há um influxo constante de novos crentes para a igreja, alguns dos quais estão fadados a serem inadequados para o grupo A. Essas pessoas devem passar por um período de observação antes de serem alocadas a um grupo com base naquilo que se manifesta nelas. Aquelas que têm humanidade pobre e não amam a verdade, cujo entendimento das palavras de Deus é ridículo e que causam interrupções e perturbações na igreja devem ser colocados no grupo B e receber a chance de se arrepender. Isso é benéfico não só para o trabalho da igreja, mas também para os seus membros. Sem dúvida alguma, a maioria das pessoas no grupo B não pode ser salva, principalmente porque elas não amam a verdade, não buscam a verdade de forma alguma e todas têm humanidade pobre e são incapazes de conviver com outros. Existe, porém, uma minoria entre elas que pode despertar no futuro e começar a buscar a verdade e que é capaz de preparar algumas boas ações; essas pessoas ainda têm uma chance de salvação.

Extraído de “Arranjos de trabalho”

Todos os líderes falsos e colaboradores falsos que cometem todo tipo de ato maligno e causam tumultos sérios no trabalho da igreja – que, embora pareçam admitir seus erros e se mostrem arrependidos, seu arrependimento verdadeiro não pode ser confirmado – devem ser colocados no grupo B. Falsos líderes e falsos colaboradores cujos variados malfeitos e perturbações no trabalho da igreja levaram à sua substituição também devem ser colocados no grupo B. Contanto que não exibam nenhum comportamento maligno abertamente, muito menos provoquem a grande ira das pessoas, líderes e colaboradores que foram substituídos ou se demitiram porque estavam sem a obra do Espírito Santo e foram incapazes de fazer trabalho real e que eram de humanidade relativamente boa, devem ser colocados no grupo A durante a assembleia; isso é justo e sensato. Todos que são de humanidade pobre e, com frequência, causam perturbações na vida da igreja, que espalham falácias, negatividade, noções e rumores, que tendem a causar incidentes e se juntam a encrenqueiros – eles devem ser colocados no grupo B. Pessoas que estão em possível perigo por terem sido delatadas ou que se encontram sob observação, incluindo outros casos especiais, devem, por razões de segurança, se reunir sozinhos ou com outros em circunstâncias semelhantes (enquanto permanecem no grupo A). Espera-se que essas pessoas entenderão que isso é para o benefício da igreja. Se, após um ou dois anos de reuniões, as pessoas no grupo B se arrependerem verdadeiramente e forem capazes de comunicar verdade-realidade, elas poderão ser admitidas ao grupo A. Durante as eleições, as pessoas no grupo B só podem participar na seleção do líder de equipe e do líder de evangelização do grupo B. Elas não têm o direito de concorrer ao voto para se tornar líderes e diáconos da igreja. Qualquer perturbação adicional ou provocação injustificada de problemas por membros do grupo B levará à sua expulsão. Os grupos A e B não devem se reunir juntos. É um fato reconhecido que, se o fizessem, os escolhidos de Deus jamais ficariam em paz e a vida da igreja não seria positiva. No que diz respeito a pessoas com problemas incomuns que não podem ser prontamente identificados, sua alocação a um grupo deve ser baseada em se são de boa humanidade e se amam a verdade. Se não for evidente se é o trabalho de espíritos malignos nelas ou se estão possuídas por demônios, elas não devem ser expulsas, mas apenas colocadas no grupo B até a observação deixar isso claro.

Extraído de “Arranjos de trabalho”

Cada igreja deve dividir suas congregações em grupos A e B o mais rápido possível. Toda igreja deve fazer isso. A divisão em grupos A e B deve ser baseada nos princípios estipulados nos arranjos de trabalho. O objetivo principal é colocar os dez tipos de pessoas no grupo B e lhes dar oportunidades de se arrependerem. Se elas demonstrarem verdadeiro arrependimento no grupo B, realizarem ativamente seus deveres sem reclamações e obedecerem à obra de Deus, então serão admitidas no grupo A. Caso alguma pessoa colocada no grupo A perturbe com frequência a vida da igreja e crie problemas intencionalmente, ela pode ser transferida para o grupo B a qualquer momento, isso, porém, deve ser aprovado por mais da metade dos membros da igreja. A divisão de grupos A e B deve ser determinada primeiramente pelos líderes e diáconos da igreja e, depois, aprovada por ela. Para aqueles que têm problemas sérios ou especiais que não podem ser discernidos no momento, e sua natureza não pode ser determinada, tais pessoas devem ser mantidas no grupo B para congregação. Aqueles eleitos como líderes e diáconos na igreja e os que cumprem deveres especiais devem ser colocados no grupo A pela congregação independentemente da humanidade.

Extraído de “Arranjos de trabalho”

Anterior: 68. Os princípios para cultivar e utilizar pessoas

Próximo: 70. Os princípios para receber pessoas em uma igreja

Quando o desastre vem, como nós cristãos devemos lidar com ele? Convidamos você a participar da nossa reunião online, onde podemos explorar juntos e encontrar o caminho.

Configurações

  • Texto
  • Temas

Cores sólidas

Temas

Fonte

Tamanho da fonte

Espaçamento entre linhas

Espaçamento entre linhas

Largura da página

Sumário

Busca

  • Pesquise neste texto
  • Pesquise neste livro