66. Os princípios para readequar os líderes e obreiros

(1) Qualquer líder eleito ou obreiro que seja incapaz de realizar trabalho prático ou de resolver problemas práticos deve ser readequado sumariamente e substituído;

(2) Qualquer falso líder ou obreiro que não aceitar a verdade, não possuir a obra do Espírito Santo e que não possa fazer trabalho prático deve ser substituído, e devem ser feitos arranjos para ele em outro lugar;

(3) Arranjos inapropriados para um líder ou obreiro — aqueles que desperdiçam seus talentos em tarefas pequenas demais ou que desperdiçam uma tarefa com seu talento inadequado — devem ser readequados conforme apropriado, à luz de sua estatura e força;

(4) Uma vez que o trabalho de um líder ou obreiro foi organizado, ele deve ser submetido a inspeção, investigação e supervisão; se o arranjo for considerado inadequado, ele deve ser readequado conforme apropriado.

Palavras de Deus relevantes:

Aqueles que podem liderar igrejas, prover as pessoas com vida e ser apóstolos para o povo devem ter experiência real; devem ter uma compreensão correta de coisas espirituais e um apreço e experiência corretos da verdade. Apenas tais pessoas estão qualificadas para serem trabalhadores ou apóstolos que lideram as igrejas. Caso contrário, só podem seguir como os menores e não podem liderar, muito menos ser apóstolos que são capazes de prover as pessoas com vida. Isso acontece porque a função dos apóstolos não é correr por aí ou lutar; é fazer o trabalho de ministrar vida e liderar os outros na transformação do seu caráter. Aqueles que desempenham essa função são convocados a assumir uma responsabilidade pesada, uma que uma pessoa qualquer não pode assumir. Esse tipo de trabalho só pode ser realizado por aqueles cujo ser é vida, isto é, aqueles que têm experiência da verdade. Não pode ser realizado meramente por qualquer um consiga renunciar, correr por aí ou deseje se despender; pessoas que não têm experiência da verdade, que não foram podadas ou julgadas, são incapazes de fazer esse tipo de trabalho. Pessoas sem experiência, que são pessoas sem realidade, são incapazes de enxergar claramente a realidade porque elas mesmas carecem desse tipo de ser. Portanto, esse tipo de pessoa não só é incapaz de realizar o trabalho de liderança, mas, se ele permanecer sem a verdade por muito tempo, se tornará um objeto de eliminação.

Extraído de ‘A obra de Deus e a obra do homem’ em “A Palavra manifesta em carne”

Por trás das Minhas costas, muitas pessoas cobiçam os benefícios do status, fartam-se de comida, adoram dormir e dão todo cuidado à carne, sempre temendo que não haja saída para a carne. Elas não desempenham suas funções corretas na igreja, mas se aproveitam da igreja, ou então repreendem seus irmãos e irmãs com Minhas palavras, colocando-se como senhores sobre outros a partir de posições de autoridade. Essas pessoas ficam dizendo que estão fazendo a vontade de Deus e sempre dizem que são íntimas de Deus — isso não é absurdo? Se você tem as intenções certas, mas é incapaz de servir de acordo com a vontade de Deus, então está agindo como um tolo; mas se as suas intenções não são certas, e mesmo assim você diz que serve a Deus, então você é alguém que se opõe a Deus e devia ser punido por Ele! Não tenho compaixão alguma por pessoas assim! Na casa de Deus, elas se aproveitam, sempre cobiçando os confortos da carne, e não levam em consideração os interesses de Deus. Sempre buscam o que é bom para elas e não prestam atenção à vontade de Deus. Não aceitam o escrutínio do Espírito de Deus em nada que fazem. Estão sempre manobrando e enganando seus irmãos e irmãs, sendo falsas, como uma raposa numa vinha, sempre roubando as uvas e pisoteando as vinhas. Tais pessoas podem ser íntimas de Deus? Você está apto a receber as bênçãos de Deus? Você não assume fardo algum por sua vida e pela igreja, você está apto a receber a comissão de Deus? Quem ousaria confiar em alguém como você? Quando você serve dessa maneira, será que Deus arriscaria confiar-lhe uma tarefa maior? Isso não causaria atrasos na obra?

Extraído de ‘Como servir em harmonia com a vontade de Deus’ em “A Palavra manifesta em carne”

Alguns falsos líderes são glutões e ociosos, amam o tempo livre e odeiam a labuta, são avessos a trabalho e a preocupação, não gostam de esforço nem de responsabilidade; desejam apenas conforto, adoram comer e jogar, e são preguiçosos. De manhã, quando todos terminaram de tomar o café matinal, eles ainda estão na cama; de noite, assistem a suas séries de TV até mal conseguirem manter os olhos abertos, ainda estão de pé quando todos estão dormindo. Passam o dia inteiro comendo, brincando e vagando por aí; vão para onde há diversão e jogam em qualquer máquina que prometa diversão. Digamos que um irmão cozinheiro não suporte isso e os repreenda. O que vocês acham, eles darão ouvidos a um cozinheiro? (Não.) Se Eu dissesse: “Você deve ser mais diligente. Você deve fazer o que deveria fazer. Você é um líder e deve estar presente em todo trabalho, não importa qual seja; quando outras pessoas trabalham por oito horas, você deve estar presente por, no mínimo, seis horas e meia ou sete horas. Você pode gastar o tempo restante cuidando de assuntos pessoais”, eles ouviriam? Não ouviriam. Então, não digo nada a tais pessoas — simplesmente digo ao grupo que toma as decisões que deve substituí-los, livrar-se deles, enviá-los para onde for preciso, para que façam o que sejam capazes de fazer. Se forem lixo e parasitarem onde quer que estejam e não forem capazes de nada, então expulsem-nos; não permitam que cumpram um dever. Não são pessoas; não possuem a consciência nem o senso de uma humanidade normal, e são descarados. Com esse tipo indolente de falsos líderes, assim que enxergarem através deles, substituam-nos imediatamente. Não há necessidade de aconselhá-los, nenhuma necessidade de lhes dar outras chances ou de colocá-los sob observação, nem adianta comunicar a verdade para eles. Eles ouviram pouco da verdade? Eles mudariam se fossem tratados e podados? Não. Se um deles tivesse calibre pobre, ou, às vezes, fosse absurdo em seu ponto de vista, ou fosse ignorante e bitolado na maneira pela qual vê as coisas, mas fosse diligente, carregasse um fardo e não fosse preguiçoso — tal pessoa, embora anormal em suas ações, poderia mudar ao ser tratada e podada; no mínimo, estaria ciente das responsabilidades de liderança e saberia o que deveria fazer e teria consciência e um senso de responsabilidade. Ele tem um coração. Mas essas pessoas que são preguiçosas, amam a ociosidade e odeiam o trabalho, que não têm senso de fardo — elas não podem mudar. Se não tiverem senso de fardo, seja o que for que alguém diga não terá efeito.

Extraído de ‘Identificando falsos líderes (4)’ em “Registros das falas de Cristo dos últimos dias”

Um falso líder é um líder de calibre baixo que, ao relatar um problema, só apresenta disparates e confusão. Ele o vê assim: “Aí, veja, eu lhe dei informações suficientes, falei e falei e falei sobre os anos que se foram e que ainda virão, e disse tudo que pude, então você entende o que estou tentando dizer?”. Não importa como você o oriente, o que você pergunte a ele, como você o acompanhe, ele nunca sabe o que dizer, nunca consegue chegar ao cerne da questão. Palavras não lhe faltam, ele não é inculto, mas é de calibre baixo, não tem cérebro, falta-lhe o poder de expressão, ele tem confusão em seu coração e é incapaz de explicar qualquer coisa com clareza. Ele tem alguns fardos e ganhará algum entendimento sobre alguns assuntos com o tempo, mas não sabe como expressar isso e falha em chegar à essência da questão, muito menos consegue generalizar ou resumir as coisas. Alguém que exibe um calibre tão pobre de liderança pode fazer algum trabalho? Ele pode cumprir as obrigações de um líder ou trabalhador? Não, não pode. Dê-lhe algum tempo, dê-lhe uma oportunidade de relatar um problema, deixe-o explicá-lo, e mesmo assim ele não conseguirá. Você pode dialogar com tal pessoa? Pode usá-la? (Não.) Por que não pode usá-la? Ela nem consegue falar corretamente; que trabalho, então, pode fazer? Ela pode ter alguns pontos fortes, ser sincera, ter certa lealdade, um senso de responsabilidade e ser bem-intencionada, mas seu calibre geral é baixo demais, não só medianamente ruim, e ela não pode ser instruída. Quando você tenta instruí-la, você se irrita e aborrece imediatamente, e quando a ouve falar, você se preocupa e fica aflito e confuso, e não consegue entender o que ela está dizendo nem entender o que ela quer dizer, e não consegue conduzir um diálogo com ela. Ela não tem o mínimo de domínio inerente da língua humana para expressar ideias, pensamentos e atitudes; como, então, pode trabalhar? Mesmo assim, ela acha que tem alguma capacidade, algumas habilidades, que é capaz de trabalhar, acha que está certa, que é leal e espiritual, deseja se despender, pagar um preço e suportar adversidade no cumprimento do seu dever. Todas essas qualidades demonstram que ela possui o que é preciso para ser um líder ou trabalhador? Embora a verdade reine na casa de Deus e a palavra de Deus impere, muitas tarefas específicas de trabalho exigem que as pessoas lidem com elas e as coordenem; exigem que as pessoas realmente as acompanhem e resolvam. Essas questões não podem ser simplesmente resolvidas por alguém que diz: “Eu estou disposto” ou “Eu concordo”; não são resolvidas por meras boas intenções ou pela vontade de suportar adversidade. As pessoas não vivem num vácuo, portanto também não trabalham nem cumprem seu dever num vácuo. Se uma pessoa se torna líder ou trabalhador, mas seu calibre é tão baixo que ela nem consegue se expressar em fala, ela realmente será competente? (Não, não será.) O que implica ser incompetente? Implica não ser capaz de identificar dificuldades e problemas no trabalho em tempo oportuno e, é claro, implica que qualquer problema que ocorra durante o trabalho, ela não será capaz de resolvê-lo prontamente. Se não conseguir resolvê-lo prontamente, ela consegue relatá-lo e buscar orientação prontamente? No que diz respeito a pessoas de calibre baixo, esse trabalho só aumenta suas dificuldades e está completamente fora do alcance de suas capacidades, é como arrebanhar gatos; é trabalho demais.

Extraído de ‘Identificando falsos líderes (8)’ em “Registros das falas de Cristo dos últimos dias”

Parte das obrigações de líderes e trabalhadores é saber o que está acontecendo com os diferentes supervisores de trabalho e com a equipe responsável por trabalhos importantes. Então, quem é esse pessoal? Os mais fundamentais são os líderes de igreja, seguidos pelos supervisores de grupo e líderes de equipe. Alguns são responsáveis por tarefas especializadas, e outros são responsáveis por outras coisas. Diferentes supervisores de trabalho e equipes responsáveis por trabalhos importantes: seu efeito sobre o trabalho da casa de Deus é crítico e de grande importância? (Sim.) Então é apropriado incluir isso nas obrigações dos líderes e trabalhadores? (Sim.) Ganhar um entendimento preciso da situação dos principais supervisores responsáveis por trabalhos diferentes e fazer ajustes apropriados é como vigiar cada programa de trabalho. É equivalente a cumprir seu dever e responsabilidade. No entanto, se esse pessoal não estiver disposto corretamente e surgir um problema, o trabalho da igreja será profundamente impactado. Se esse pessoal tiver boa humanidade e for confiável e, melhor ainda, se for capaz de buscar a verdade e possuir fundamento, então colocá-los no controle, confiar esse trabalho a eles, tornará as coisas muito mais fáceis. O importante é que o trabalho possa progredir sem problemas e seja altamente eficaz e eficiente. Mas se o supervisor não for confiável e for de caráter pobre e de humanidade baixa — e, além disso, não buscar a verdade e tender a causar perturbações —, então ele não será o único a ser prejudicado. Visto que ele está no controle, o pessoal em sua esfera de trabalho e o trabalho em si serão afetados, em medida maior ou menor. Se apenas lhe faltar seriedade e ele for negligente em suas obrigações, isso poderá causar atrasos no trabalho; a velocidade do progresso será um pouco menor; e o trabalho, um pouco menos eficiente. No entanto, se for um anticristo, o problema é sério: não é questão de o trabalho ser um pouco ineficiente e ineficaz — ele prejudicará, perturbará e paralisará o trabalho como um todo. E assim, esse trabalho não é uma obrigação da qual os líderes e trabalhadores podem se esquivar — é um trabalho muito sério e importante. Se líderes e trabalhadores conseguem ficar a par da humanidade dos vários supervisores, e do pessoal em geral, e de sua atitude em relação à verdade, bem como de seu estado e condição em cada estágio, e conseguem ajustar ou tratar dessas coisas prontamente de acordo com as circunstâncias, então o trabalho pode progredir continuamente. Inversamente, se essas pessoas perderem o controle e não fizerem trabalho real, e os líderes não forem rápidos em identificar o ocorrido e fazer ajustes, e esperarem até que o trabalho seja severamente danificado e todos os tipos de problemas claros já tenham sido expostos antes de identificá-los, e tentarem lentamente ajustar, corrigir e redimir a situação, então tais líderes terão falhado completamente em suas obrigações. Eles são falsos líderes.

Extraído de ‘Identificando falsos líderes (3)’ em “Registros das falas de Cristo dos últimos dias”

O tipo de pessoa que é um falso líder não faz trabalho real e é incapaz de fazer trabalho real. Seu calibre é pobre, seus olhos e seu coração são cegos, ele é incapaz de descobrir problemas e não consegue enxergar através de vários tipos de pessoas, portanto é incapaz de realizar o trabalho importante de promover e cultivar vários tipos de talentos competentes, o que causa também danos significativos no trabalho da casa de Deus e tem impacto sobre a entrada na vida de diferentes pessoas, portanto é um obstáculo para a sua entrada. Falsos líderes são obviamente incompetentes para fazer esse trabalho. Existem também certos falsos líderes que não se envolvem no trabalho específico, que mantêm distância das pessoas responsáveis por trabalho específico e, por isso, não fazem ideia do trabalho que os diferentes tipos de pessoas podem fazer e se elas executam os diversos trabalhos corretamente e de acordo com os princípios. Em parte, isso é preguiça; em parte, é calibre pobre, que faz com que os falsos líderes sejam incapazes de fazer trabalho real. Com eles, o trabalho específico não pode avançar; ele fica atolado em estagnação e paralisia, resultando em baixa eficiência de trabalho. Tudo isso está diretamente vinculado ao fato de que os falsos líderes promovem e cultivam as pessoas erradas. Durante os últimos anos, a casa de Deus tem ressaltado incansavelmente que os perversos e incrédulos devem ser expurgados e que os falsos líderes e falsos trabalhadores devem ser substituídos. Por que as diversas pessoas perversas e os incrédulos devem ser expurgados? Porque, após anos de acreditar em Deus, essas pessoas ainda não aceitam a verdade de jeito nenhum e agora já não têm mais esperança de salvação. E por que todos os falsos líderes e falsos trabalhadores devem ser substituídos? Porque eles não fazem trabalho real e nunca promovem nem cultivam aqueles que buscam a verdade, lançando assim o trabalho da igreja em caos, com muitos que perturbam e interrompem e até atrasam a entrada na vida dos escolhidos de Deus. Uma vez que esses incrédulos e perversos são expurgados e os falsos líderes e trabalhadores são substituídos, a vida da igreja fica muito melhor, os escolhidos de Deus são capazes de comer e beber as palavras de Deus, de cumprir seu dever normalmente e de embarcar na trilha certa da fé em Deus. É isso que Deus deseja ver.

Extraído de ‘Identificando falsos líderes (5)’ em “Registros das falas de Cristo dos últimos dias”

Anterior: 65. Os princípios para assumir responsabilidade e renunciar

Próximo: 67. Os princípios para revocar líderes e obreiros

Quando o desastre vem, como nós cristãos devemos lidar com ele? Convidamos você a participar da nossa reunião online, onde podemos explorar juntos e encontrar o caminho.

Configurações

  • Texto
  • Temas

Cores sólidas

Temas

Fonte

Tamanho da fonte

Espaçamento entre linhas

Espaçamento entre linhas

Largura da página

Sumário

Busca

  • Pesquise neste texto
  • Pesquise neste livro