101. Os princípios para identificar se alguém tem calibre

(1) Verifiquem como alguém é capaz de entender as palavras de Deus e se é capaz de perceber a verdade por meio da síntese de seu próprio estado e problemas práticos e, assim, encontrar os princípios da prática;

(2) Verifiquem se o autoconhecimento é prático, verdadeiro e específico. Aqueles de baixo calibre falarão apenas de doutrinas vazias e não conseguem entrar na realidade;

(3) Verifiquem o quanto alguém é capaz de trabalhar. Aqueles de bom calibre conseguem compreender princípios de prática precisos baseados na verdade e resolver todos os tipos de problemas;

(4) Verifiquem o quanto alguém é capaz de discernir, se consegue identificar cada tipo de pessoa com base na verdade o princípio e se ele consegue ver o cerne de cada tipo de evento e dinâmica social.

Palavras de Deus relevantes:

Como medimos o calibre das pessoas? A maneira mais correta é medir seu calibre com base no grau em que elas entendem a verdade. Algumas pessoas conseguem aprender alguma especialidade rapidamente, mas quando ouvem a verdade, ficam confusas e adormecem, ela as deixa perplexas, nada que ouvem entra, tampouco entendem o que estão ouvindo — isso é que é calibre pobre. No caso de algumas pessoas, você lhes diz que elas são de calibre pobre, e elas discordam. Acreditam que, sendo altamente educadas e instruídas, isso significa que têm calibre bom. Uma boa educação demonstra calibre alto? Não. O calibre das pessoas é medido com base no grau em que elas entendem as palavras de Deus e a verdade. Essa é a maneira mais comum e mais correta de fazê-lo. É inútil tentar medir o calibre de alguém de qualquer outra forma. Algumas pessoas são eloquentes e perspicazes e são realmente boas em conviver com os outros — mas quando leem as palavras de Deus e ouvem sermões, elas não entendem nada. Quando falam dos testemunhos de suas experiências, elas se revelam como meros amadores, e todos podem sentir que elas não têm nenhum entendimento espiritual. Essas não são pessoas de calibre bom. Tais pessoas seriam, então, competentes para tratar de algum assunto externo para a casa de Deus? Tratar de coisas para a casa de Deus — em outras palavras, cumprir o seu dever: cumprir o seu dever envolve a verdade, envolve os interesses da casa de Deus, envolve princípios de conduta e os métodos e maneiras com que se tratam incrédulos, e envolve a eficácia ou ineficácia desse dever e se ele está à altura do padrão. Envolve a verdade, portanto, se as pessoas não entendem a verdade e confiam na própria mente, na facilidade com palavras e na forma com que se comportam, elas serão capazes de cumprir seu dever corretamente? Serão capazes de fazê-lo de acordo com a vontade de Deus? Não. Mesmo que permaneçam na trilha em algumas coisas, é possível que isso se deva ao fato de que aquilo que estão fazendo não envolve a verdade e é puramente uma questão do mundo externo. Quando são instruídas a ir fazer algo de acordo com princípios e ocorre uma situação inesperada, elas não sabem o que fazer; pensam que deveriam ser capazes de lidar com isso com base nas próprias experiências, mas fazer isso causa perturbações e interrupções; desarranja tudo. Não há algo de errado aqui? E qual é a causa? Isso acontece porque seu entendimento não é puro, elas não entendem a verdade e não compreenderam os princípios. Quando deparam com algo que envolve a verdade ou princípios, elas não sabem o que fazer; suas ideias humanas aparecem, e elas acabam prejudicando o trabalho e os interesses da casa de Deus, e são desacreditadas.

Extraído de ‘Entender a verdade é crucial para cumprir corretamente o seu dever’ em “Registros das falas de Cristo”

E o que se manifesta em pessoas de calibre bom? Não importa há quanto tempo acreditam em Deus, quando ouvem um sermão, elas conseguem dizer qual é a diferença entre este sermão que estão ouvindo hoje e o que a Bíblia diz — este sermão é mais profundo, mais detalhado, e, depois, começam a aplicá-lo em sua vida real. Por exemplo, Deus manda ser honesto. No início, elas não fazem nada além de seguir essa regra, dizendo tudo que está em seu coração. Mas, aos poucos, conforme ouvem sermões, elas continuamente destilam coisas de suas experiências da vida real até que, finalmente, a partir daquilo que sofrem e vivenciam, descobrem o que é esse aspecto da verdade — ser honesto — e o que é sua realidade. Elas são capazes de aplicar as palavras ditas por Deus e as verdades tratadas nos sermões à sua vida real, as transformam em sua realidade e usam essas experiências reais para, gradativamente, se aprofundarem. Ou seja, elas são capazes de perceber a verdade contida nas palavras de Deus e nos sermões que ouvem, e essa verdade não é alguma doutrina vazia, não é alguma teoria ou interpretação, mas se relaciona às dificuldades que encontram em sua vida real e aos estados que revelam. Elas são capazes de examinar esses estados, de compará-los com o que Deus revela e de, então, praticar de acordo com as palavras de Deus. É isso que é calibre bom. Qual é a manifestação principal de um calibre bom? Quando ouvem sermões, elas são capazes de entender o que está sendo dito e conseguem entender qual é a relação entre essas palavras e os seus estados reais, que papel essas palavras exercem nelas, e são capazes de se comparar com essas palavras. Além disso, em sua vida real, são capazes de entender os princípios da prática e aplicar esses princípios a cada dificuldade ou problema que encontram. É isso que significa ser perceptivo. Apenas pessoas com tais percepções são verdadeiramente de calibre bom.

Extraído de ‘Entender a verdade é crucial para cumprir corretamente o seu dever’ em “Registros das falas de Cristo”

Ao medir se o calibre de uma pessoa é bom ou ruim, observe sua atitude com relação a tudo em seu dia a dia — ou, quando as coisas acontecem com ela, se ela é capaz de entender a vontade e a atitude de Deus, os princípios que deveria seguir, a posição que deveria assumir e a atitude que deveria ter. Se você é capaz de entender todas essas coisas, então você tem calibre. Se aquilo que você entende nada tem a ver com tudo que Deus arranja para você em sua vida real, então você ou não tem calibre ou tem calibre pobre. Como surgiu a estatura verdadeira de Pedro e Jó, e como eles acabaram ganhando o que ganharam e colhendo o que colheram de sua fé em Deus? Eles não desfrutaram o que vocês desfrutam hoje; vocês sempre têm alguém que provê para vocês, que os apoia, que os ajuda, sempre há alguém que faz o controle final para vocês. A maioria das verdades que entenderam não foi ganha a partir daquilo que perceberam, que experimentaram, que entenderam aos poucos e pelo que passaram em seu dia a dia. Isso é que é ter calibre alto. Quando as pessoas não possuem tal calibre e não têm essa atitude em relação à verdade e à salvação, então são incapazes de ganhar a verdade.

Extraído de ‘Entender a verdade é crucial para cumprir corretamente o seu dever’ em “Registros das falas de Cristo”

Pedro era de bom calibre, mas suas circunstâncias não eram iguais às de Paulo: seus pais Me perseguiram, eram demônios que tinham sido possuídos por Satanás e, como resultado, não ensinaram nada de Deus a Pedro. Pedro era esperto, dotado e idolatrado por seus pais desde a infância. No entanto, como adulto, ele se tornou inimigo deles porque nunca parou de buscar o conhecimento de Mim e, subsequentemente, voltou as costas para eles. Isso porque, acima de tudo, ele acreditava que o céu e a terra e todas as coisas estão nas mãos do Todo-Poderoso e que todas as coisas positivas vêm de Deus e são emitidas diretamente por Ele, sem serem processadas por Satanás. A distinção oposta dos pais de Pedro deu a ele um conhecimento maior de Minha amabilidade e misericórdia, aumentando assim seu desejo de Me buscar. Ele se concentrou não só em comer e beber as Minhas palavras, mas, ainda mais, em entender a Minha vontade e sempre foi vigilante em seu coração. Como resultado, ele sempre foi sensível em seu espírito e, daí, ele era segundo o Meu próprio coração em tudo que fazia. Ele manteve um foco constante nas falhas das pessoas no passado para se encorajar, temia profundamente se emaranhar no fracasso. Assim, ele também se concentrou em assimilar a fé e o amor de todos que, no decorrer das eras, tinham amado a Deus. Desse modo — não só nos aspectos negativos, mas, o que é bem mais importante, também nos aspectos positivos — ele cresceu mais rapidamente, de tal modo que seu conhecimento se tornou o maior de todos na Minha presença. Não é, portanto, difícil imaginar como ele colocou tudo o que tinha em Minhas mãos, como ele até abriu mão de decisões sobre comida, roupa, sono e local de moradia e, em vez disso, desfrutou das Minhas riquezas com base em Me satisfazer em todas as coisas. Eu o submeti a incontáveis provações — provações, é claro, que o deixaram semimorto — mas em meio a essas centenas de provações, ele nunca perdeu a fé em Mim nem se decepcionou Comigo. Mesmo quando Eu disse que o tinha abandonado, ele não desanimou e continuou a Me amar de um jeito prático e de acordo com os princípios de prática do passado. Eu lhe disse que Eu não o elogiaria mesmo que Me amasse, que, no fim, Eu o lançaria nas mãos de Satanás. Mas em meio a essas provações, provações essas que não sobrevieram à sua carne, mas eram de palavras, ele ainda assim orou a Mim e disse: “Ó Deus! Entre o céu e a terra e todas as coisas, existe algum humano, alguma criatura ou alguma coisa que não esteja em Tuas mãos, nas mãos do Todo-Poderoso? Quando és misericordioso para comigo, meu coração se regozija grandemente com Tua misericórdia. Quando Tu me julgas, por mais indigno que eu possa ser, ganho um senso maior da insondabilidade dos Teus feitos, porque Tu és cheio de autoridade e sabedoria. Embora minha carne sofra adversidade, meu espírito é confortado. Como eu poderia não dar louvores à Tua sabedoria e Teus feitos? Mesmo que eu morresse depois de Te conhecer, como eu poderia não fazê-lo com alegria e felicidade? Todo-Poderoso! Realmente não desejas permitir que eu Te veja? Sou realmente inapto para receber Teu julgamento? É possível que haja algo dentro de mim que Tu não desejas ver?”. Durante tais provações, embora Pedro não tenha sido capaz de entender a Minha vontade de modo preciso, era evidente que se sentia orgulhoso e honrado por ser usado por Mim (embora tenha recebido Meu julgamento, para que a humanidade visse Minha majestade e ira) e que ele não se desesperou com essas provações. Por causa de sua lealdade diante de Mim e porque Eu o abençoei, ele foi um exemplo e modelo para o homem por milhares de anos. Não é exatamente isso que vocês deveriam imitar?

Extraído de ‘Capítulo 6’ das Palavras de Deus para todo o universo em “A Palavra manifesta em carne”

E o que se manifesta em pessoas de calibre comum? Ouvir um sermão uma vez não deixa impressão alguma nelas. Quando lhes acontecem coisas, elas ainda não sabem como lidar com essas coisas ou o que fazer. Tudo que conseguem fazer é citar doutrina vazia e seguir regras. Ouvir um sermão duas vezes deixa alguma impressão nelas, mas quando lhes acontecem coisas, elas ainda não sabem o que fazer, ainda se agarram a regras, e citam algumas letras e usam a doutrina para passar sermão nas pessoas e fazer seu trabalho. Após ouvirem sermões por muitos anos, elas se equiparam com mais e mais doutrina. Antes, costumavam falar apenas por dois ou três minutos sobre algum conhecimento e experiências com base na doutrina, e então não tinham mais o que dizer. Com o passar dos anos, conseguem falar por vinte ou trinta minutos — mas ainda não entendem o que é a verdade ou o que é a realidade. Acreditam que a doutrina que falam é a verdade. Não ouvem nada daquilo que os outros dizem sobre a realidade ou sobre as experiências, o conhecimento e a senda conectados à realidade da verdade; acham que a verdade e a doutrina são a mesma coisa. Ou seja, não importa quantos sermões ouçam, elas não alcançam percepção nenhuma sobre verdades relacionadas a mudanças em seu caráter ou sua natureza e substância a partir desses sermões. Depois disso, em sua vida real, além de se agarrar a regras e cerimônias, além de frequentar reuniões consistentemente, falar da doutrina às pessoas, e labutar um pouco quando cumprem seu dever, elas normalmente não entram nem se aprofundam nas verdades relacionadas a mudanças no caráter, no conhecimento dos próprios caracteres corruptos e na entrada na vida. Pessoas de calibre comum não conseguem ir além disso. Há pessoas que acreditam em Deus há vinte ou trinta anos e, mesmo assim, só falam doutrinas. Ser de calibre comum é isso.

Extraído de ‘Entender a verdade é crucial para cumprir corretamente o seu dever’ em “Registros das falas de Cristo”

O que se manifesta em pessoas de calibre pobre? Após anos de ouvir sermões, elas pensam que é tudo igual, que são as mesmas coisas velhas. Não conseguem nem ouvir o fio da meada da doutrina, sem falar da verdade. Não importa quanto se esforcem quando ouvem sermões ou por quantos anos ouçam sermões, elas ainda assim não entendem o que estão ouvindo; não conseguem compreender o que é a verdade e o que significa conhecer a si mesmas. Não importa se estão ouvindo conteúdo novo, conteúdo aprofundado ou palavras e obra novas do Espírito Santo, tudo que ouvem são as coisas simples. Isso também é tudo que conseguem lembrar — não conseguem lembrar nada além disso. E visto que seu calibre é tal que são incapazes de entender tantas coisas, o que são capazes de alcançar? “Eu acredito no Senhor desde dentro do ventre de minha mãe, fui batizado e purificado muito tempo atrás. Vocês dizem que eu não me conheço — são vocês que não se conhecem. Sou santo há muito tempo.” É isso que as pessoas que aceitaram a nova obra de Deus por alguns anos ainda dizem. Elas não têm calibre baixo? Essas são as pessoas de pior calibre. Que sermões você pode pregar a tais pessoas? Não importa quantos sermões ouçam, elas ainda não entendem o que é a verdade, o que é praticar a verdade — não conseguem compreender essas coisas, estão fora de seu alcance. Quando coisas lhes acontecem, elas simplesmente se atêm àquelas poucas regras, oram, buscam Deus, dependem de Deus, não rejeitam Deus, não se misturam com incrédulos e se isolam do mundo secular — basicamente, não vão além dessas formalidades da fé religiosa. Não aceitam as novas palavras de Deus nem as verdades desta era, não importa quanto ouçam delas. Se você as perguntar o que se exige do homem durante este estágio da obra de Deus, elas não conseguem dizer, e só conseguem falar de alguma doutrina simples. Isso é que é calibre pobre.

Extraído de ‘Entender a verdade é crucial para cumprir corretamente o seu dever’ em “Registros das falas de Cristo”

Quando algo lhes acontece, elas culpam algum fenômeno externo ou o atribuem ao próprio comportamento, acreditando que cometeram um erro e nada mais. Em momento algum entendem que devem buscar a verdade e conhecer a si mesmas. Não importa quais falhas lhes são apontadas, o que lhes é revelado dentro de si ou o que lhes é comunicado, mesmo assim elas não reconhecem que princípio da verdade elas violaram nem que verdade deveriam praticar — são totalmente incapazes de entender a verdade. Isso é que é calibre pobre. Não importa quão claramente você comunique a verdade, elas não percebem que é a verdade, ainda assim usam a própria razão e desculpas para encobrir a verdade, negar a verdade e negar que têm um caráter corrupto. Isso quer dizer que não importa quantos erros cometam, quantos caracteres corruptos revelem ou quantos estados ligados a esses caracteres corruptos produzam, mesmo assim elas não percebem que isso é seu caráter corrupto, não percebem qual é a sua substância e não percebem como deveriam entender esse problema, como deveriam buscar a verdade e que aspecto da verdade deveriam ganhar. Sua alma está entorpecida, e elas não têm a menor noção dessas coisas. Isso é que é calibre pobre.

Extraído de ‘Entender a verdade é crucial para cumprir corretamente o seu dever’ em “Registros das falas de Cristo”

Vocês diriam que Paulo tinha calibre? A que classe pertencia o calibre de Paulo? (Era muito bom.) Vocês ouviram tantos sermões, mas ainda não conseguem reconhecer a diferença. O calibre de Paulo podia ser considerado bom? (Não, era ruim.) Por que o calibre de Paulo era ruim? (Ele não conhecia a si mesmo e tinha um entendimento pobre das palavras de Deus.) Porque ele não entendia a verdade. Na época, ele também tinha ouvido os sermões dados pelo Senhor Jesus, e, durante o período em que trabalhou, também havia, é claro, a obra do Espírito Santo. Como, então, quando ele fez todo aquele trabalho, escreveu todas aquelas epístolas e caminhou entre todas aquelas igrejas, ele, mesmo assim, não entendeu nada da verdade? Tudo que dizia era doutrina. Isso é alguém de calibre pobre. Além do mais, Paulo perseguia o Senhor Jesus e Seus discípulos, e então o Senhor Jesus lhe apareceu e o derrubou. No entanto, após passar por um evento tão importante, que abordagem ele escolheu e como ele o entendeu? Ele pensou: “O Senhor Jesus me derrubou, eu pequei, portanto devo trabalhar mais duro para compensar isso, e uma vez que meus méritos tenham equilibrado meus deméritos, eu serei recompensado”. Ele conhecia a si mesmo? Não. Ele não disse que sua oposição ao Senhor Jesus se devia à sua natureza maliciosa, à sua natureza de anticristo; ele não possuía tal conhecimento de si mesmo. E como ele registrou esse evento em suas epístolas? Qual era a sua visão disso? Ele acreditava que Deus o chamara com uma luz grande e que Deus começaria a fazer grande uso dele. Sem o mínimo de conhecimento de si mesmo, ele acreditava que essa era a prova mais poderosa de que ele seria recompensado e coroado e que era o maior capital que ele podia usar para ganhar recompensas e uma coroa. Além disso, sentia que havia um “espinho” profundo nele: sua oposição anterior ao Senhor Jesus. E como ele abordou isso? Ele sentia que era um dos maiores erros de sua vida e que isso colocava em risco sua ida para o céu e sua coroação. Em seu coração, isso sempre lhe causava um desconforto. “Como posso compensar esse erro odioso? Como posso apagá-lo, para que ele não afete minha perspectiva de ser coroado? Devo fazer mais trabalho para o Senhor, pagar um preço mais alto, escrever mais epístolas e gastar mais tempo correndo por aí lutando contra Satanás e dando um lindo testemunho.” Foi essa a sua abordagem. Ele não tinha o mínimo arrependimento, muito menos qualquer conhecimento de si mesmo; não tinha nenhuma dessas coisas. Tal era o calibre de Paulo. Em parte por causa de sua humanidade e daquilo que buscava e em parte por causa de seu calibre, ele não conseguia entender essas coisas, tampouco percebeu: “Essa é a natureza do homem, a natureza do homem é ruim e maligna demais. A natureza do homem é a natureza de Satanás e do anticristo, e o homem deve aceitar a redenção de Deus; essa é a raiz da necessidade do homem da redenção de Deus. Como, então, o homem deve vir para diante de Deus para aceitar Sua redenção?”. Ele nunca disse tais coisas. Ele não tinha nenhum conhecimento de sua oposição, e tudo em que pensava era como apagar tudo, como não fazer disso uma transgressão, como ganhar mérito suficiente para remir seus pecados e expiar seus malfeitos através de um bom serviço e, no fim, ganhar a coroa e a recompensa que ele esperava. Ele nunca entendeu a verdade ou a vontade de Deus a partir de qualquer coisa que lhe aconteceu, o que é alguém do calibre mais pobre.

Extraído de ‘Entender a verdade é crucial para cumprir corretamente o seu dever’ em “Registros das falas de Cristo”

As pessoas são todas diferentes. Sua diferença reside em seu calibre e em sua atitude em relação à verdade. Pessoas que amam a verdade e são de bom calibre entram na realidade da verdade rapidamente e são capazes de ganhar vida. Pessoas de calibre comum são obstinadas e entorpecidas; sua entrada na verdade é lenta, e o progresso em sua vida também é lento. Pessoas de baixo calibre não são apenas ignorantes, teimosas e arrogantes; elas também têm dormência e estupidez estampadas no rosto, seu espírito está dormente, e elas demoram a entender a verdade. Tais pessoas são desprovidas de vida, pois não entendem a verdade e não fazem nada além de falar doutrina, gritar slogans e obedecer a regras. Se elas não entendem a verdade, não podem entrar na realidade da verdade — e há vida dentro daquelas que não podem entrar na realidade da verdade? (Não.) Quando coisas acontecem com pessoas desprovidas de vida, elas agem cegamente, nunca atingem propõem alvo, mostram-se patéticas e desamparadas, estão sempre perdidas. Ao longo dos anos, ouvi constantemente pessoas dizerem que não sabem o que fazer quando coisas lhes acontecem. Como ainda pode ser assim depois de elas ouvirem tantos sermões? E uma olhada nelas mostra que realmente estão perdidas; têm dormência e estupidez estampadas no rosto. Algumas pessoas dizem: “Como estou entorpecido? Sou bastante sensível àquilo que está acontecendo no mundo: sei como usar software, celulares e produtos eletrônicos, e vocês não. Como seu calibre pode ser tão baixo?” Mas o pouco de inteligência que elas têm é apenas uma habilidade — não conta como calibre. Quando ouvem um sermão ou algo acontece com elas que se relaciona à verdade, essas pessoas são expostas: em seu espírito, elas estão terrivelmente entorpecidas. Quão entorpecidas estão? Elas acreditam em Deus há anos, mas ainda não sabem dizer se serão salvas, nem têm certeza sobre que tipo de pessoa são. Se você perguntar a elas o que acham de seu calibre, dirão que ele fica um pouco abaixo de alguém de bom calibre, mas que é muito melhor do que pessoas de calibre comum. O calibre delas é ruim assim. Isso não é um pouco bobo? Não importa o que seja, se algo envolve a verdade ou o princípio, elas não entendem nada do que ouvem, e é isso que é um calibre ruim.

Extraído de ‘Entender a verdade é crucial para cumprir corretamente o seu dever’ em “Registros das falas de Cristo”

Não importa se a questão é entender um aspecto da verdade ou aprender uma profissão, pessoas de calibre bom são capazes de entender os princípios internos, de chegar à raiz das coisas e de identificar realidade e substância para que, em tudo que fazem, em cada trabalho em que estão envolvidas, elas façam as avaliações corretas e determinem os padrões e princípios corretos. É isso que é um calibre bom. Pessoas de calibre bom são capazes de fazer o controle final nos diversos trabalhos da casa de Deus. Pessoas de calibre comum ou pobre são incapazes de fazer tal trabalho. Isso de forma alguma representa um caso de favorecimento de algumas pessoas pela casa de Deus ou de menosprezar determinadas pessoas — é simplesmente que muitas pessoas são incapazes de fazer esse trabalho por causa de seu calibre. E a razão principal pela qual elas são incapazes de fazer o controle final é que elas não entendem a verdade. A razão pela qual elas não entendem a verdade é que seu calibre é comum demais ou até mesmo pobre; a verdade está fora de seu alcance, e elas são incapazes de entender a verdade quando a ouvem. Algumas pessoas podem não entender a verdade porque não ouvem com atenção, ou é possível que sejam jovens e ainda não criaram raízes em sua fé em Deus, e isso não as interessa muito. Mas essas não são as razões principais; a razão principal é que seu calibre não está à altura da tarefa. Para pessoas de calibre inferior, não importa qual é seu dever ou há quanto tempo elas vem fazendo o trabalho, não importa quanto você tenta instruí-las, ou quantos sermões elas ouvem, mesmo assim elas não conseguem fazer sentido daquilo, elas atrasam seu trabalho, causam um caos total e não alcançam nada.

Extraído de ‘Entender a verdade é crucial para cumprir corretamente o seu dever’ em “Registros das falas de Cristo”

Compreender o que é calibre bom e ruim e ter clareza sobre o próprio calibre, natureza e substância, tudo isso é benéfico ao autoconhecimento. Quando as pessoas conhecem sua posição, elas cometem menos erros. Quando as pessoas entendem a si mesmas, deixam de ser arrogantes, e seu comportamento é mais honesto e adequado. Não conhecer a si mesmo pode causar muitos problemas. Existem algumas pessoas de calibre comum, mas elas pensam que são de alto calibre. Elas acreditam que têm um dom de liderança; por dentro, elas ficam muito ansiosas para serem líderes, liderar a equipe, mas ninguém nunca as escolhe. E isso não as agita? Quando as pessoas ficam agitadas por essas coisas e se sentem inquietas, elas não cumprem bem o seu dever e são passíveis de fazer coisas tolas que causam constrangimento, coisas sem sentido que são desprezadas por Deus. Como tal, antes de mais nada, elas devem abordar essas revelações fundamentais de seu caráter corrupto ao conhecerem a si mesmas. Isso inclui ser arrogante, insensato, sempre pensar que seu calibre é bom, que são melhores do que as outras pessoas, que devem treinar outros, e assim por diante. Depois que essas questões forem resolvidas, você será firme em cumprir bem seu dever, mais adequado em seu comportamento, e pensamentos e comportamentos externos como agressividade, vaidade, arrogância e pensar que você é especial não o incomodarão, e você terá se tornado muito mais maduro.

Extraído de ‘Entender a verdade é crucial para cumprir corretamente o seu dever’ em “Registros das falas de Cristo”

Anterior: 100. Os princípios para identificar se alguém possui a realidade da verdade

Próximo: 102. Os princípios para identificar se a pessoa compreende questões espirituais

Quando o desastre vem, como nós cristãos devemos lidar com ele? Convidamos você a participar da nossa reunião online, onde podemos explorar juntos e encontrar o caminho.

Configurações

  • Texto
  • Temas

Cores sólidas

Temas

Fonte

Tamanho da fonte

Espaçamento entre linhas

Espaçamento entre linhas

Largura da página

Sumário

Busca

  • Pesquise neste texto
  • Pesquise neste livro