99. Os princípios para identificar letras e doutrinas

(1) As letras e doutrinas são totalmente produto das análises e explicações humanas das palavras de Deus. Elas são vazias e pouco práticas, figurando, em sua totalidade, entre as noções e imaginações humanas;

(2) As letras e doutrinas surgem da mente e dos pensamentos do homem. Elas não são nem um pouco equivalentes à iluminação do Espírito Santo nem são capazes de transformar e trazer benefícios às pessoas;

(3) Letras e doutrinas nada mais são que regras e exterioridades. Estão desprovidas da senda da prática e de seus princípios e, em vez de conduzir o homem à libertação, põem algemas nele;

(4) Aqueles que frequentemente pregam letras e doutrinas não se conhecem de forma alguma. Eles não conseguem praticar a verdade, muito menos vir a agir de acordo com os princípios.

Palavras de Deus relevantes:

A obra e a palavra de Deus têm o propósito de causar uma mudança no caráter de vocês; Seu objetivo não é meramente fazer com que vocês entendam ou conheçam Sua obra e Sua palavra. Isso não basta. Você é uma pessoa que tem a habilidade de compreender, então não deveria ter dificuldade para entender a palavra de Deus, porque a maior parte dela está escrita em linguagem humana, e Ele fala muito claramente. Por exemplo, vocês são perfeitamente capazes de aprender o que é que Deus quer que vocês entendam e pratiquem; isso é algo que uma pessoa normal, com a faculdade de compreensão, deveria ser capaz de fazer. Em especial, as palavras que Deus está dizendo na presente etapa são claras e transparentes, e Deus está salientando muitas coisas que as pessoas não consideraram, assim como todo tipo de estado humano. Suas palavras abrangem tudo e são tão claras quanto a luz de uma lua cheia. Então, agora, as pessoas entendem muitas questões, mas ainda falta algo — que as pessoas coloquem Sua palavra em prática. Elas devem experimentar todos os aspectos da verdade em detalhe, buscá-la e explorá-la com maior detalhe, em vez de simplesmente esperar para absorver o que quer que lhes fique disponível; caso contrário, elas se tornam pouco mais que parasitas. Elas conhecem a palavra de Deus, no entanto não a põem em prática. Esse tipo de pessoa não ama a verdade e será, no fim, eliminado. Ser como um Pedro dos anos 1990, isso significa que cada um de vocês deveria praticar a palavra de Deus, ter verdadeira entrada em suas experiências e ganhar ainda mais e maior esclarecimento em sua cooperação com Deus, o que será de cada vez maior assistência para a própria vida de vocês. Se vocês leram muito da palavra de Deus, mas só entendem o significado do texto, e não têm conhecimento direto da palavra de Deus através de experiências práticas, então vocês não conhecerão a palavra de Deus. No que diz respeito a você, a palavra de Deus não é vida, mas apenas letras sem vida. Se você só vive em obediência a letras sem vida, então não é capaz de captar a essência da palavra de Deus, nem entenderá a vontade de Deus. Somente quando você experimentar a Sua palavra em suas experiências reais o significado espiritual da palavra de Deus se abrirá para você, e é somente através da experiência que você consegue compreender o significado espiritual de muitas verdades e desvendar os mistérios da palavra de Deus. Se você não a colocar em prática, então não importa quão clara ela seja, tudo o que você compreendeu são letras e doutrinas vazias, que se tornaram regulamentos religiosos para você. Não é isso o que os fariseus faziam? Se vocês praticam e experienciam a palavra de Deus, ela se torna prática para vocês; se você não buscar praticá-la, então, para você, ela é pouco mais que a lenda do terceiro céu. Na verdade, o processo de crer em Deus é o de vocês vivenciarem a Sua palavra, assim como serem ganhos por Ele, ou, falando ainda mais claramente, acreditar em Deus é ter o conhecimento e o entendimento de Sua palavra e experimentá-la e vivê-la; tal é a realidade por trás de sua crença em Deus. Se vocês acreditam Nele e esperam a vida eterna sem procurar praticar a palavra de Deus como algo que vocês têm dentro de vocês, então são tolos. Isso seria como ir a um banquete e apenas olhar para a comida e memorizar as coisas deliciosas sem de fato provar nada. Uma pessoa dessas não seria tola?

Extraído de ‘Quando compreender a verdade, você deve colocá-la em prática’ em “A Palavra manifesta em carne”

O homem é capaz de comunicar o que ele vivencia e vê. Ninguém é capaz de comunicar o que ele não vivenciou ou viu ou o que seu pensamento não consegue alcançar, estas sendo coisas que ele não tem dentro de si. Se o que o homem expressa não vem de sua experiência, então é sua imaginação ou doutrina. Em termos simples, não há realidade em suas palavras. Se você nunca tivesse contato com as coisas da sociedade, não poderia comunicar claramente os relacionamentos complexos da sociedade. Se você não tivesse família, quando outros estivessem falando sobre questões familiares, você não entenderia a maior parte do que eles dissessem. Portanto, o que o homem comunica e o trabalho que ele realiza representam seu ser interior. Se alguém comunicasse seu entendimento de castigo e julgamento, mas você não tivesse nenhuma experiência disso, você não ousaria negar o conhecimento dele, muito menos ousaria estar absolutamente seguro nele. Isso é assim porque a comunicação dele é algo que você nunca vivenciou, que você nunca conheceu, e sua mente é incapaz de imaginá-la. Você só consegue extrair do conhecimento dessa pessoa uma senda para passar por castigo e julgamento no futuro. Mas essa senda só pode ser uma de conhecimento doutrinal; não pode assumir o lugar de seu próprio entendimento, muito menos de sua experiência. Talvez você ache que o que ela diz é bastante correto, mas, em sua própria experiência, você descobre que é impraticável de muitas maneiras. Talvez sinta que parte daquilo que você ouve é totalmente impraticável; você cultiva noções sobre isso naquele momento e, embora possa aceitá-lo, você só o faz com relutância. Mas em sua própria experiência, o conhecimento do qual você derivou noções se torna seu modo de prática, e quanto mais pratica, mais você entende o verdadeiro valor e significado das palavras que ouviu. Depois de ter sua própria experiência, você pode então falar sobre o conhecimento que deveria ter daquilo que vivenciou. Além disso, você também é capaz de distinguir entre aqueles cujo conhecimento é real e prático e aqueles cujo conhecimento é baseado em doutrina e é inútil. Portanto, se o conhecimento que você professa está ou não de acordo com a verdade depende em grande parte de sua experiência prática dele. Onde houver verdade em sua experiência, seu conhecimento será prático e valioso. Através de sua experiência, você é capaz também de ganhar discernimento e percepção, de aprofundar seu conhecimento e ampliar sua sabedoria e bom senso sobre como você deve se comportar. O conhecimento expressado por pessoas que não possuem a verdade é doutrina, por mais altivo que possa ser. Esse tipo de pessoas pode muito bem ser muito inteligente quando se trata de questões da carne, mas não consegue fazer distinções quando se trata de questões espirituais. O motivo é que essas pessoas não têm nenhuma experiência de questões espirituais. Elas são pessoas que não são esclarecidas sobre questões espirituais e não entendem assuntos espirituais. Seja qual for o tipo de conhecimento que você expressa, contanto que seja seu ser, então é sua experiência pessoal, seu conhecimento real. O que as pessoas que falam apenas de doutrina discutem — sendo essas aquelas pessoas que não possuem nem a verdade nem realidade — também pode ser chamado o ser deles, pois chegaram à sua doutrina só através de profunda contemplação e é resultado de profunda ruminação. No entanto, é apenas doutrina, nada mais do que imaginação!

Extraído de ‘A obra de Deus e a obra do homem’ em “A Palavra manifesta em carne”

Se uma pessoa não buscar a verdade, ela jamais a entenderá. Você pode recitar dez mil vezes as letras e doutrinas, mas elas continuarão sendo apenas letras e doutrinas. Algumas pessoas dizem apenas: “Cristo é a verdade, o caminho e a vida”. Mesmo que repita isso dez mil vezes, continuará sendo inútil; você não tem entendimento de seu sentido. Por que se diz que Cristo é a verdade, o caminho e a vida? Você consegue articular o conhecimento que você ganhou sobre essa experiência? Você entrou na verdade-realidade, do caminho e da vida? Deus professou Suas palavras para que vocês possam experimentá-las e ganhar conhecimento; meramente recitar letras e doutrinas é inútil. Você só pode conhecer a si mesmo após ter entendido e entrado nas palavras de Deus. Se você não entender as palavras de Deus, você não poderá conhecer a si mesmo. Você só consegue discernir quando tem a verdade; sem a verdade, você não pode discernir. Você só pode entender um assunto plenamente quando você tem verdade; sem a verdade, você não pode entender um assunto. Você só pode conhecer a si mesmo quando tem a verdade; sem a verdade, você não pode conhecer a si mesmo. Seu caráter só pode mudar quando você tem a verdade; sem a verdade, seu caráter não pode mudar. Somente depois de ter a verdade é que você pode servir de acordo com a vontade de Deus; sem a verdade, você não pode servir de acordo com a vontade de Deus. Somente depois de ter a verdade, você pode adorar a Deus; sem a verdade, sua adoração não será nada além da execução de ritos religiosos. Todas essas coisas dependem de ganhar a verdade a partir das palavras de Deus.

Extraído de ‘Como conhecer a natureza do homem’ em “Registros das falas de Cristo dos últimos dias”

Apenas entender doutrina é inútil; não pode gerar mudança de vida. Apenas entender o significado literal das palavras de Deus não equivale a entender a verdade; são aquelas coisas essenciais ilustradas nas palavras de Deus que são a verdade. Cada linha de Suas declarações contém a verdade, embora as pessoas não necessariamente a entendam. Por exemplo, quando Deus diz: “Vocês devem ser pessoas honestas”, há verdade nessa declaração. Há ainda mais verdade em declarações Dele tais como: “Vocês devem se tornar pessoas que se submetem a Deus, que amam a Deus e que adoram a Deus. Vocês devem cumprir seus deveres como humanos”. Cada linha das palavras de Deus contém muita verdade, e é preciso muito para explicar a essência de cada uma dessas declarações de verdade; somente quando alcançar esse ponto a pessoa será considerada como tendo entendimento da verdade. Se você só entende e explica as palavras de Deus de acordo com seu significado literal, você não tem entendimento da verdade; você está simplesmente exibindo doutrina.

Extraído de ‘Como trilhar a senda de Pedro’ em “Registros das falas de Cristo dos últimos dias”

As pessoas que não entendem nem amam a verdade com frequência tomam a verdade como uma interpretação, como teoria — e o que acontece com elas? Quando se deparam com uma questão, depois de terem crido em Deus por anos, elas não conseguem vê-lo como realmente é nem são capazes de se submeter, ou de buscar a verdade; quando as pessoas se comunicam com elas, elas respondem com suas “famosas palavras de sabedoria”: “Poupe-me — eu entendo tudo isso. Eu já pregava antes mesmo que você fosse capaz de andar!” Essas são suas famosas palavras. Se elas entendem tudo, por que não conseguem dar conta quando se deparam com uma questão? Se você entende, por que não consegue colocar em prática? Por que a questão o desconcerta? Por que você fica preso nela? Você entende ou não? Se entende, por que não consegue obedecer? Se entende, por que não consegue aceitar? Qual é a primeira coisa que as pessoas deveriam fazer depois de entender a verdade? Elas deveriam obedecer e nada mais. Algumas pessoas dizem: “Eu entendo tudo isso. Ninguém deveria me comunicar nada — não preciso da ajuda de ninguém”. Elas podem renunciar à ajuda de outros, mas é uma pena que, quando estão fracas, a doutrina que elas entendem seja totalmente inútil e que elas até parem de cumprir seu dever. Algumas nem querem mais acreditar em Deus. Elas passaram todos esses anos pregando a teoria teológica, mas desistem de sua fé e recuam num piscar de olhos. Existe estatura nisso? (Não.) E não haver estatura significa não haver vida. Se você tivesse vida, por que seria incapaz de lidar com a questão quando se depara com o menor problema? Você não é bom na hora de falar? Então tente convencer a si mesmo; se você não consegue convencer nem a si mesmo, então o que é mesmo que você entende? É a verdade? A verdade pode resolver os problemas reais das pessoas e também pode resolver o caráter corrupto das pessoas. Por que as “verdades” que você entende não conseguem resolver nem mesmo as suas dificuldades? Então, o que é mesmo que você entende? É doutrina.

Extraído de ‘Eles são malignos, insidiosos e enganosos (parte 3)’ em “Expondo os anticristos”

Algumas pessoas trabalham e pregam e, embora superficialmente pareçam estar comunicando sobre as declarações de Deus, elas estão apenas discutindo o significado literal das Suas palavras, e nada essencial é mencionado. Seus sermões são como ensinamentos a partir de um livro didático de línguas — arranjados item por item, aspecto por aspecto, e quando terminam, todos cantam louvores, dizendo: “Essa pessoa possui a realidade. Ela pregou tão bem e com tantos detalhes”. Depois que terminam de pregar, tais pessoas instruem os outros a compilarem seus sermões e os enviarem a todos. Quando fazem isso, elas chegaram ao ponto em que estão enganando os outros, e tudo que elas pregam são falácias. Superficialmente, parece que estão pregando apenas as palavras de Deus e que seus sermões se conformam à verdade. No entanto, com um discernimento mais apurado, você verá que eles nada mais são do que letras e doutrinas e raciocínios falsos, acrescidos de algumas imaginações e noções humanas, bem como de algumas coisas que delimitam Deus. Esse tipo de pregação não chega a ser uma interrupção da obra de Deus? Esse é um serviço que resiste a Deus.

Extraído de ‘Somente buscando a verdade pode-se alcançar uma mudança no caráter’ em “Registros das falas de Cristo dos últimos dias”

Vocês se desviaram em seus resumos da verdade; depois de fazer todos esses resumos, eles só renderam regras. Os “resumos da verdade” de vocês não são feitos para que as pessoas ganhem vida ou alcancem mudanças em seu carácter a partir da verdade. Em vez disso, eles fazem as pessoas dominarem alguns conhecimentos e doutrinas provenientes da verdade. Elas aparentam ter entendido o propósito por trás da obra de Deus, quando na verdade apenas dominaram algumas palavras e doutrinas. Elas não entendem o significado pretendido da verdade; não é diferente de estudar teologia ou ler a Bíblia. Você compila esses livros ou aqueles materiais, e assim as pessoas vêm a possuir esse aspecto da doutrina e aquele aspecto do conhecimento. Elas são oradores de doutrinas de primeira categoria — mas o que acontece quando terminam de falar? Elas são incapazes de experimentar, não têm compreensão da obra de Deus, nem têm compreensão alguma de si mesmas. No fim, tudo que ganharam são fórmulas e regras, e elas conseguem falar sobre essas poucas coisas e nada mais. Se Deus fizesse algo novo, você seria capaz de combinar todas as doutrinas que conhece com a nova? Aquelas coisas suas são apenas regras e você só está fazendo as pessoas estudar teologia, não lhes permitindo experimentar a palavra de Deus nem a verdade. Portanto, aqueles livros que você compila só podem trazer os outros à teologia e ao conhecimento, a novas fórmulas e a regras e convenções. Não podem trazer as pessoas para diante de Deus nem lhes permite entender a verdade ou a vontade de Deus. Você está pensando que, ao levantar aquelas questões uma após a outra, às quais você então responde e para as quais escreve esboços e resumos, seus irmãos e irmãs terão facilidade de entender e acha que, além de serem fáceis de lembrar, essas questões ficam claras num piscar de olhos e que essa é uma ótima maneira de fazer as coisas. Mas o que as pessoas estão entendendo não é o real significado pretendido da verdade e não corresponde à realidade — são apenas palavras e doutrinas. Então seria melhor se você não fizesse nenhuma dessas coisas. Fazer isso é levar as pessoas a entender e dominar o conhecimento. Você traz as pessoas para as doutrinas, para a religião, e faz com que elas sigam a Deus e acreditem Nele dentro das doutrinas religiosas. Isso não é ser tal como Paulo? Vocês acham que dominar o conhecimento da verdade é particularmente importante, e assim estão aprendendo de cor muitos trechos das palavras de Deus. Mas como as pessoas entendem a palavra de Deus não é nada importante. Vocês acham que é extremamente importante que as pessoas sejam capazes de memorizar muitas das palavras de Deus, sejam capazes de falar muita doutrina e descobrir muitas fórmulas dentro das palavras de Deus. Por isso, vocês sempre querem sistematizar essas coisas para que todos continuem estudando pela mesma cartilha, dizendo as mesmas coisas e falando sobre as mesmas doutrinas, para que tenham assim o mesmo conhecimento e observem as mesmas regras — esses são os seus objetivos. Parece que vocês estão fazendo isso em prol de as pessoas ganharem entendimento, quando, ao contrário, vocês não têm ideia de que isso é trazê-las para o meio de regras que estão fora da palavra de Deus a verdade. Para permitir que as pessoas tenham um entendimento real da verdade, você precisa conectás-la com a realidade e com a obra e precisa resolver os problemas práticos de acordo com a palavra de Deus a verdade. Só dessa maneira as pessoas podem entender a verdade e entrar na realidade, e só alcançar tal resultado é realmente trazer as pessoas para diante de Deus. Se tudo que você fala são teorias espirituais, doutrinas e regras, se você só se esforça nas palavras literais, tudo que consegue alcançar é pessoas dizendo as mesmas coisas e seguindo as regras, mas você não será capaz de orientar as pessoas para entender a verdade. Você será particularmente incapaz de fazer com que as pessoas entendam melhor a si mesmas, que alcancem o arrependimento e a transformação. Se a capacidade de falar sobre teorias espirituais pudesse substituir a entrada das pessoas na verdade-realidade, vocês não seriam necessários para liderar as igrejas.

Extraído de ‘Sem a verdade, uma pessoa é suscetível de ofender a Deus’ em “Registros das falas de Cristo dos últimos dias”

Se alguém que serve como líder possui a capacidade de entender as palavras de Deus e o calibre para entender a verdade, ele não só consegue entender pessoalmente as palavras de Deus e entrar na realidade de Suas palavras, como é também capaz de aconselhar, orientar e ajudar aqueles que ele lidera no entendimento das palavras de Deus e na entrada da realidade das palavras de Deus. Esse calibre, porém, é justamente a coisa que falta aos líderes falsos. Eles não entendem as palavras de Deus e não sabem a quais estados as palavras de Deus se referem, quais estados elas expõem como sendo aqueles em que as pessoas revelam seus caracteres corruptos ou em que há oposição a Deus e queixas contra Ele, nem as motivações do homem etc. São incapazes de comparar as coisas com as palavras de Deus e só entendem umas poucas palavras, regras e bordões no nível superficial de Suas palavras. Quando comungam com os outros, eles decoram uma passagem das palavras de Deus e explicam seu significado superficial. O entendimento, o conhecimento e a aceitação das palavras de Deus que têm os falsos líderes se limitam a isso, apenas. Eles carecem da capacidade de entender as palavras de Deus. Entendem meramente as formulações e a profundidade do significado universalmente evidente no nível literal dessas palavras — e acham que entenderam e compreenderam Suas palavras em decorrência disso. Assim também usam o significado literal das palavras de Deus para admoestar e “ajudar” os outros no dia a dia, acreditando que assim estão fazendo seu trabalho, que estão orientando as pessoas a comer e beber as palavras de Deus e a entrar na realidade das palavras de Deus. Muitas vezes, os falsos líderes comunicam as palavras de Deus aos outros e transmitem as palavras de Deus para eles de várias maneiras, instruindo-os a comer e beber uma passagem das palavras de Deus quando enfrentarem algum problema, e outra passagem de Deus quando enfrentarem outro problema. Quando ocorrem equívocos acerca de Deus nas pessoas, eles dizem: “Vejam, as palavras de Deus sobre isso são perfeitamente claras e inteligíveis. Como vocês conseguem, mesmo assim, entender Deus errado? As palavras de Deus não exigem que obedeçamos a isso e que obedeçamos àquilo?”. Então eles ensinam às pessoas como elas devem entender e entrar nas palavras de Deus. Sob tal orientação, muitas pessoas se tornam capazes de recitar as palavras de Deus e de se lembrar de certas palavras de Deus quando encontram um problema. Mas não importa quanto leem ou recitam, elas continuam ignorando aquilo a que as palavras de Deus se referem. Quando são verdadeiramente acometidas por adversidades ou têm certas dúvidas, as palavras de Deus que conhecem e lembram não conseguem resolver suas dificuldades. Isso ilustra um problema: as palavras de Deus que entendem são mera doutrina, nada além de certo tipo de regra; não são realidade e não são a verdade. Assim, a orientação que os líderes falsos dão às pessoas ao comer e beber as palavras de Deus e entrar na realidade das palavras de Deus se limita a ensinar-lhes o significado literal de Suas palavras; isso é incapaz de permitir que elas alcancem esclarecimento a partir de Suas palavras e não consegue mostrar-lhes quais caracteres corruptos existem dentro delas. O caráter e a essência que são revelados nas pessoas toda vez que algo lhes acontece, como tais estados podem ser resolvidos, e o que as palavras de Deus têm a dizer sobre isso, o que Suas palavras exigem, quais são os princípios e qual é a verdade contida nisso — eles não entendem nada disso. Tudo que fazem é exortar as pessoas: “Coma e beba mais das palavras de Deus. As palavras de Deus contêm a verdade, e se você ouvir mais as Suas palavras, com o tempo entenderá a verdade. As partes-chave das palavras de Deus são justamente aquelas que você não entende, portanto deve orar mais, buscar mais, ouvir mais e contemplar mais”. Os falsos líderes não param de exortar dessa forma. Sempre que surge um problema de determinado tipo, eles dizem a mesma coisa, e mesmo assim as pessoas não reconhecem a essência do problema e não sabem como praticar as palavras de Deus; simplesmente obedecem às regras e ao significado literal de Suas palavras, mas quando se trata das verdades-princípios de praticar as palavras de Deus e da realidade que a verdade exige, elas não entendem.

Extraído de ‘Identificando falsos líderes (1)’ em “Registros das falas de Cristo dos últimos dias”

A maioria das pessoas é propensa a falar frases e doutrinas — todas elas o fizeram em algum momento. O tipo que é de fala comum de palavras e doutrina deve ser tratado como pessoa de estatura baixa que não entende a verdade. Contanto que não ocupe tempo demais, e contanto que não esteja fazendo isso deliberadamente, não esteja tentando ser a única voz e não esteja exigindo que todos lhe permitam dizer o que quer, não esteja exigindo que todos a ouçam, não esteja tentando enganar as pessoas a admirá-la, então isso não constitui perturbação nem interrupção. Visto que não há nada de incomum no fato de a maioria das pessoas falar palavras e doutrinas, usando um termo um tanto inapropriado, isso é desculpável; pode ser perdoado e não deve ser levado a sério. Mas existe uma situação em que o proferir de palavras e doutrinas de algumas pessoas é deliberado. O que elas fazem deliberadamente? Elas também carecem de verdade-realidade e, como todos os outros, também falam palavras e doutrinas, repetem chavões, teorizam etc. — mas há uma diferença: quando falam palavras e doutrina, existe outra coisa que elas querem das pessoas. Sempre querem que elas as admirem e sempre tentam competir com os obreiros e líderes ou com certos indivíduos; e o que é ainda mais ridículo, elas chegam até a querer que as pessoas as admirem apesar de como falam e do que dizem. Não têm outro objetivo senão conquistar as pessoas, enganá-las para que as admirem. E qual é seu objetivo em fazer com que as pessoas as admirem? Obter status e prestígio na mente das pessoas. Querem ser proeminentes no grupo, o mandachuva, querem ser uma pessoa excepcional e extraordinária, querem ser alguma figura especial cujas palavras têm autoridade. Tais situações são, por natureza, diferentes da fala comum de palavras e doutrina; constituem perturbações e interrupções. O que as torna diferentes do falar comum de palavras e doutrina? É que essas pessoas sempre querem dizer essas coisas, fazem isso sempre que têm a chance; contanto que haja uma reunião, contanto que pessoas estejam reunidas e elas tenham um público, elas se manifestam, elas têm esse impulso enorme de falar. Seu objetivo, ao fazer isso, não é compartilhar com os irmãos e irmãs as palavras em seu coração, as coisas que aprenderam, suas experiências, conhecimento e percepções, para que, a partir disso, as pessoas ganhem conhecimento e uma senda para praticar; seu objetivo é, antes, usar isso como uma oportunidade para se exibir, para mostrar às pessoas quão talentosas e engenhosas elas são, para informar as pessoas de que elas são espertas, bem informadas e cultas, que são mais elevadas do que os outros, que são talentosas, que não são pessoas comuns — depois disso, sempre que as pessoas têm qualquer problema, elas as consultam, lhes fazem perguntas e as procuram; sempre que a igreja tem um problema, elas são a primeira pessoa em que os irmãos e irmãs pensam, e os irmãos e irmãs não conseguem alcançar nada sem elas, não ousam fazer nada sem sua aprovação. Esse é o efeito que essas pessoas buscam. Qual é seu objetivo ao falar palavras e doutrina? É ludibriar as pessoas, controlá-las — para tal fim, a pregação de palavras e doutrina é apenas um dos métodos e das abordagens que empregam. E assim, não falam palavras e doutrinas porque carecem da verdade-realidade ou porque não entendem a verdade-realidade, mas para inspirar reverência e admiração no coração de todos, até para fazer com que as pessoas as temam e aceitem seu governo e controle. Falar palavras e doutrina dessa natureza causa perturbações e interrupções. Na vida da igreja, tais pessoas devem ser contidas, seu comportamento de falar palavras e doutrina deve ser refreado e proibido de progredir. Algumas pessoas dizem: “Se tais pessoas devem ser contidas, elas devem ter oportunidade para falar?”. Para ser justo, elas podem ter chance de falar, mas assim que retornarem aos seus modos antigos — quando começarem a se exibir de novo, e suas ambições irromperem de novo —, fiquem à vontade para fazê-las calar. Se for assim com frequência, se as ambições dessas pessoas irromperem com frequência e elas tiverem dificuldade de reprimir o impulso, o que deverá ser feito? Simplesmente restrinjam-nas e não as deixem falar. Se, assim que começarem a falar, as outras pessoas não quiserem ouvi-lo — se, uma vez que abrirem a boca, as pessoas objetarem à sua atitude, postura, modo, fala e até mesmo à expressão em seus olhos e ao tom em que falam — então o problema é sério. Se as coisas tiverem ficado ruins desse jeito, e a maioria dos irmãos e irmãs na igreja já tiver identificado essas pessoas, elas devem ser aplaudidas ao agir, nas igrejas, como se fossem melhores do que os outros? E se forem aplaudidas pelo que fizeram, isso significa que seu serviço chegou ao fim? Quando seu serviço chegar ao fim, elas devem ser removidas. Não há como refreá-las. Assim que abrem a boca, sai a mesma coisa de sempre; assim que abrem a boca, a face feia de Satanás, o diabo, é revelada. Não há como controlá-las. Que tipo de pessoa é essa? O tipo que é anticristo. Se elas forem expurgadas cedo demais, a maioria das pessoas terá noções na mente e dirá: “A casa de Deus é cruel. Ela nem coloca as pessoas sob observação, simplesmente as expurga e não lhes dá chance alguma. Tudo que fizeram foi dizer algumas coisas ignorantes, revelaram um pouco de caráter corrupto, foram um pouco arrogantes — mas suas motivações não eram más. Não é justo tratá-las assim”. Mas quando a maioria das pessoas enxerga através delas e consegue vê-las como realmente são, é apropriado permitir que tais pessoas perversas ajam desenfreadamente nas igrejas e causem perturbações e interrupções? (Não, não é.) Isso é injusto para com todos os irmãos e irmãs. Sob tais circunstâncias, expurguem essas pessoas e acabem logo com isso. O serviço delas chegou ao fim, a maioria das pessoas consegue identificar o que elas realmente são, e se você as expurgar agora, a maioria não terá nada a dizer sobre isso e não se queixará, nem interpretará Deus de forma errada.

Extraído de ‘Identificando falsos líderes (13)’ em “Registros das falas de Cristo dos últimos dias”

Alguns líderes e colaboradores não conseguem enxergar os verdadeiros problemas que existem dentro da igreja. Durante um encontro, eles acham que não têm nada que valha a pena dizer, então apenas encaram a situação e dizem algumas palavras e doutrinas. Eles sabem perfeitamente bem que o que estão dizendo é mera doutrina, mas mesmo assim o dizem. No final, até mesmo eles acham que suas palavras são insípidas, e ao ouvi-los, seus irmãos e irmãs também acham que eles são maçantes. É assim que funciona, não é? Se eles têm que se forçar a dizer essas palavras, por um lado, o Espírito Santo não está operando neles e, por outro, suas palavras não têm nenhum benefício para os outros. Se você não experimentou a verdade, mas ainda quer pregar sobre ela, não importa o que diz, você não será capaz de penetrar a verdade; tudo que disser mais adiante serão apenas letras e doutrinas. Você pode pensar que estas são iluminadas, mas são apenas doutrinas; não são a verdade-realidade, e não importa quanto se esforcem, os ouvintes não serão capazes de assimilar nada de verdadeiro delas. Enquanto ouvem, eles podem achar que o que você diz está bem correto, mas depois esquecerão tudo. Se você não falar sobre seu verdadeiro estado, então não será capaz de tocar o coração das pessoas; elas vão esquecer o que você diz ainda que queiram se lembrar, e você não será capaz de ajudá-las. Se você se deparar com esse tipo de situação, em que deseja falar, mas sente que não consegue fazê-lo de uma forma que penetre até a verdade, e você tem apenas um pouco de conhecimento doutrinário sem saber nada sobre coisas essenciais, e se outros trouxerem questões de natureza essencial, que você não é capaz de responder, é melhor não dizer nada. Também há ocasiões em que você discute um tema em um encontro e sente que tem bastante conhecimento sobre ele, podendo dar comunhão sobre alguns fatos ocorridos. No entanto, todos entenderão aquilo de que você está falando se você discutir o assunto de forma superficial, mas não tem nada a dizer em um nível mais profundo, pois os outros podem não ter vivenciado algumas situações, e você também não. Nesse caso, você não deveria se forçar a continuar falando; em vez disso, você pode fazer com que todos compartilhem sobre o assunto. Se você pensa que é apenas doutrina, então é inútil falar sobre ela, e as pessoas não serão edificadas a partir dela; nessa situação, não importa o que você diz, o Espírito Santo não fará Seu trabalho, e quando insistir em ficar falando, você poderá acabar dizendo coisas absurdas e desviantes, podendo até desencaminhar as pessoas. Elas não conseguem absorver ideias relativamente profundas em um curto período; a maioria tem uma base muito limitada e é mais humilde, e não consegue memorizar facilmente o que ouve. No entanto, ainda são bastante rápidas em aceitar ideias absurdas, regulamentares e doutrinárias. Isso é realmente estranho! Portanto, nesse caso, você deve prestar uma atenção especial. As pessoas são vaidosas e às vezes dominadas por suas vaidades; sabem perfeitamente bem que o que estão dizendo é doutrina, mas continuam fazendo isso de qualquer maneira, acreditando que seus irmãos e irmãs talvez não notem. Em um esforço para salvar a própria pele, podem ignorar essas situações e, em vez disso, apenas se concentrar em lidar com a situação em questão. Isso não é enganar as pessoas? Isso é ser desleal com Deus! Se você é uma pessoa que entende a verdade, ficará culpado por dentro, sentirá que não pode mais falar dessa maneira e que deve mudar de assunto. Você pode ter comunhão sobre algo com o qual tem experiência ou falar sobre algum conhecimento que tem da verdade. Se você não souber falar claramente sobre algo, então todos podem ter comunhão sobre isso juntos! Ter apenas uma pessoa falando nunca é uma coisa boa. Porque você precisa de experiência, não importa quão bem você é capaz de imaginar e conceber algo, o que você diz acabará sendo apenas doutrina e matéria de noções humanas. As coisas só podem ser categorizadas como verdade se forem experimentadas; sem experiência, ninguém pode entender completamente a essência da verdade, muito menos explicar com clareza as condições para experimentar uma verdade. É preciso ter uma experiência da verdade antes de ter algo real sobre o que falar, e não a ter não é aceitável; mesmo se você tiver experiência, ela será limitada, e você só poderá falar sobre algumas situações específicas, nada mais.

Extraído de ‘Você sabe o que de fato é a verdade?’ em “Registros das falas de Cristo dos últimos dias”

Vocês têm agora uma senda para resolver o problema de pregar letras e doutrinas? Para resolver esse problema, você deve praticar a verdade: quanto mais fizer isso — quanto mais esforço investir na verdade e na prática —, menos letras e doutrinas haverá dentro de você. Como a realidade vem a ser? Ela surge durante o processo de praticar a verdade, quando as pessoas têm todo tipo de experiência, e dão origem a todo tipo de estado. Há um processo de transformação em como as pessoas abordam seus diversos estados, quais pensamentos e opiniões têm e como buscam a verdade para resolvê-los. Esse processo é a realidade. Se você não passar pelo processo de praticar e experimentar as palavras de Deus, mas as conhece e entende apenas num nível literal e doutrinário, então tudo que você tem é doutrina, pois há uma discrepância entre seu entendimento literal e sua experiência direta. Como surge a doutrina? Quando a pessoa não pratica, mas apenas entende, analisa e explica o significado literal das palavras de Deus e, além disso, as prega, então surge a doutrina. A doutrina pode se transformar na realidade? Se não praticar a verdade, você nunca a entenderá. Uma explicação meramente literal será doutrina para sempre. Se, porém, você pratica, experimenta, sente e aprende, o conhecimento, os pensamentos, as ideias e a experiência assim produzidos serão práticos. A realidade é alcançada por meio da prática; sem a prática, a realidade sempre estará ausente. Alguém já disse: “Eu não pratico a verdade, mas mesmo assim consigo pregar sermões práticos”? O que você prega pode parecer correto e um tanto prático para os outros no momento, mas mesmo assim eles não terão uma senda de prática adiante. Tudo que você entende continua sendo, portanto, doutrina. Se você não colocar as palavras de Deus em prática e não tiver experiência nem entendimento prático da verdade, quando um estado que você nunca contemplou antes surgir em outra pessoa, você não saberá como resolvê-lo. Se uma pessoa raramente pratica a verdade, ela nunca a entenderá. Somente se aumentam a prática da verdade as pessoas podem realmente entendê-la, e somente então conseguem entender os princípios de praticar a verdade. Se não tiver experiência alguma da verdade, naturalmente você só será capaz de pregar doutrina. Você dirá aos outros que aceitem regras, assim como você faz. Sem a realidade de prática e experiência, você jamais será capaz de pregar a realidade. Praticar a verdade não é o mesmo que estudar. Estudar significa invariavelmente dedicar-se à palavra escrita; basta apenas fazer anotações, decorar, analisar e escrutinizar as palavras. A prática da verdade é o exato oposto; é preciso confiar na experiência prática para alcançar resultados.

Extraído de ‘A senda para resolver um caráter corrupto’ em “Registros das falas de Cristo dos últimos dias”

As exigências que Deus faz às pessoas não são todas tão elevadas. Se fizerem um pouco de esforço, as pessoas poderão receber uma “nota suficiente para passar”. Na verdade, é mais complicado entender, conhecer e compreender a verdade do que praticar a verdade. Conhecer e compreender a verdade vem depois de praticar a verdade; esses são os passos e o método da obra do Espírito Santo. Como você poderia não obedecer a isso? Você poderá ganhar a obra do Espírito Santo fazendo as coisas do seu jeito? O Espírito Santo opera ao bel-prazer de você ou baseado nas deficiências que você tem de acordo com as palavras de Deus? Não tem sentido se você não consegue ver isso claramente. Por que é que a maioria das pessoas despendeu tanto esforço lendo as palavras de Deus, mas tem apenas conhecimento e não consegue depois dizer nada sobre uma senda real? Você acha que possuir conhecimento equivale a possuir a verdade? Esse não é um ponto de vista confuso? Você pode falar de tanto conhecimento quanto há areia na praia, mas nenhuma parte dele contém senda real alguma. Com isso, você não está enganando as pessoas? Você não está fazendo uma demonstração vazia, sem nenhuma substância para sustentá-la? Todo comportamento como esse é prejudicial às pessoas! Quanto mais elevada e mais desprovida de realidade é a teoria, mais incapaz ela é de levar as pessoas para a realidade; quanto mais elevada a teoria, mais ela faz você desafiar e se opor a Deus. Não trate as teorias mais elevadas como um tesouro precioso; elas são perniciosas e não servem a propósito nenhum! Talvez algumas pessoas possam falar das teorias mais elevadas — mas estas não contêm nada da realidade, pois essas pessoas não as vivenciaram pessoalmente, e, portanto, não têm senda alguma para a prática. Essas pessoas são incapazes de levar os outros para a trilha certa e apenas os levarão a desviar-se. Isso não é prejudicial para as pessoas? No mínimo, você deve ser capaz de resolver os problemas atuais das pessoas e permitir que elas alcancem a entrada; apenas isso conta como dedicação, e só então você estará qualificado para trabalhar para Deus. Não use sempre palavras grandiosas e extravagantes, e não use um punhado de práticas inadequadas para forçar as pessoas a lhe obedecer. Fazer isso não surtirá efeito algum e só aumentará a confusão das pessoas. Seguir com isso resultará em muita doutrina, o que fará com que as pessoas o detestem. Essa é a deficiência do homem, e é realmente mortificante. Portanto, fale mais sobre problemas que realmente existem. Não trate as experiências dos outros como propriedade privada e compartilhe-as para que os outros possam admirá-las; você deve buscar uma saída individual. Isso é o que cada pessoa deveria colocar em prática.

Extraído de ‘Concentre-se mais na realidade’ em “A Palavra manifesta em carne”

Anterior: 98. Os princípios para identificar se alguém possui a obra do Espírito Santo

Próximo: 100. Os princípios para identificar se alguém possui a verdade-realidade

Quando o desastre vem, como nós cristãos devemos lidar com ele? Convidamos você a participar da nossa reunião online, onde podemos explorar juntos e encontrar o caminho.

Configurações

  • Texto
  • Temas

Cores sólidas

Temas

Fonte

Tamanho da fonte

Espaçamento entre linhas

Espaçamento entre linhas

Largura da página

Sumário

Busca

  • Pesquise neste texto
  • Pesquise neste livro