117. Os princípios para identificar falsos líderes e obreiros

(1) Todos os que trabalham apenas por status, reputação e ganho, que não buscam a verdade e que não possuem a verdade-realidade são falsos líderes e obreiros;

(2) Todos os que são arrogantes e hipócritas, que não aceitam a verdade de forma nenhuma e que agem sem princípios, sendo capazes de ação voluntária e arbitrária, são falsos líderes e obreiros;

(3) Aqueles que pregam apenas letras e doutrinas, que não conseguem usar a verdade para resolver problemas e que não conseguem fazer a obra prática são falsos líderes e obreiros;

(4) Todos os que não se conhecem, que não se arrependeram genuinamente e que não conseguem oferecer testemunhos práticos por experiência própria são falsos líderes e obreiros.

Palavras de Deus relevantes:

O trabalho de um trabalhador qualificado é capaz de trazer as pessoas para o caminho certo e conceder-lhes uma entrada maior na verdade. Seu trabalho pode trazer as pessoas para diante de Deus. Além disso, o trabalho que ele realiza pode variar de um indivíduo para outro e não está sujeito a regras, permitindo liberação e liberdade às pessoas e a capacidade de crescer na vida e a ter uma entrada mais profunda na verdade. O trabalho de um trabalhador não qualificado fica muito aquém disso. Sua obra é tola. Ele só é capaz de trazer as pessoas para regras, e o que ele exige das pessoas não varia de um indivíduo para outro; ele não realiza o trabalho de acordo com as necessidades reais das pessoas. Nesse tipo de trabalho, há regras e doutrinas demais, e ele é incapaz de trazer as pessoas para a realidade e para a prática normal de crescimento na vida. Pode apenas capacitar as pessoas a aderirem a algumas regras sem valor. Tal orientação só pode desviar as pessoas. Ele guia você a tornar-se igual a ele; ele só pode trazê-lo para o que ele tem e é. Para que os seguidores possam identificar quais líderes são qualificados, a chave é observar a senda em que eles lideram e os resultados de seu trabalho e ver se os seguidores recebem princípios de acordo com a verdade e se recebem maneiras de prática adequadas para sua transformação. Você deve distinguir os trabalhos diferentes dos diferentes tipos de pessoas; você não deve ser um seguidor tolo. Isso afeta a questão da entrada das pessoas. Se você não consegue distinguir se a liderança de uma pessoa tem um caminho e se não tem, você será facilmente enganado. Tudo isso tem influência direta sobre sua própria vida.

Extraído de ‘A obra de Deus e a obra do homem’ em “A Palavra manifesta em carne”

Como se pode julgar se um líder está cumprindo suas responsabilidades, se ele é um falso líder? O mais fundamental é observar se ele é capaz de fazer trabalho prático, se ele tem ou não essa habilidade. Em segundo lugar, observe se ele realmente faz esse trabalho prático. Ignore as palavras que saem de sua boca, quão bem ele entende a verdade, se, ao executar tarefas externas ou qualquer outra coisa, ele possui certo grau de calibre, inteligência, talento ou habilidade — ignore tudo isso e observe apenas se ele faz trabalho prático; se não fizer, não importa quão capaz ele é, ele é um falso líder. Algumas pessoas dizem: “Quem se importa se ele faz trabalho prático ou não? Ele tem grande capacidade, é hábil; quando se põe a trabalhar, é melhor do que a maioria das pessoas. E mais: embora não faça trabalho real e perca muito tempo fazendo nada, ele não fez nada de ruim, não cometeu nenhum mal, nem causou perturbações ou interrupções. Não causou nenhuma perda ou efeito ruim sobre os irmãos e irmãs ou a igreja. Como, então, podes dizer que ele é um falso líder?”. Como explicar isso? Neste momento, esqueça quão talentoso você é, quão grande é seu calibre ou quão culto você é; o que importa é se você faz trabalho prático ou não, e se você cumpre as responsabilidades de um líder ou não. Durante seu tempo como líder, você participou de cada trabalho específico dentro do escopo de sua responsabilidade, tantos problemas surgiram durante o trabalho, que você resolveu efetivamente, quantas pessoas vieram a entender as verdades-princípio por causa de seu trabalho, sua liderança, sua orientação, quanto do trabalho da casa de Deus avançou e foi impulsionado? Isso é o que importa. Esqueça quantos mantras você sabe repetir, quantas palavras e doutrinas você dominou, esqueça quantas horas você gasta labutando todos os dias, quão exausto você está, e esqueça quanto tempo você gastou na estrada, quantas igrejas você visitou, quantos riscos assumiu, quantas refeições pulou — esqueça tudo isso e olhe apenas para as conquistas de todo o trabalho pelo qual você é responsável. Quanto trabalho dentro do escopo exigido pela casa de Deus pelo qual você é responsável foi implementado, seja em recursos humanos, em trabalho administrativo ou relacionado a trabalho profissional; quão bem ele foi implementado, quão bem foi acompanhado, quantos descuidos, desvios, problemas e erros relacionados ao princípio você ajudou a corrigir e remediar, quantos problemas você ajudou a solucionar, se você os solucionou de acordo com princípios e as exigências da casa de Deus e assim por diante — todos estes são os critérios pelos quais se avalia se um líder está cumprindo suas responsabilidades ou não.

Extraído de ‘Identificando falsos líderes (9)’ em “Registros das falas de Cristo dos últimos dias”

Se vocês, como líderes e obreiros na igreja, quiserem conduzir as pessoas escolhidas de Deus para a verdade-realidade e para que sirvam como testemunhas de Deus, o mais importante é que vocês devem ter um entendimento mais profundo do objetivo de Deus de salvar as pessoas e do propósito de Sua obra. Vocês devem entender a vontade de Deus e Suas várias exigências às pessoas. Vocês devem ser práticos em seus esforços; pratiquem apenas tanto quanto entendem e comuniquem apenas o que sabem. Não se gabem, não exagerem e não façam observações irresponsáveis. Se você exagerar, as pessoas o detestarão e, depois, você se sentirá repreendido; isso simplesmente é inapropriado demais. Quando prover a verdade a outros, você não precisa necessariamente lidar com eles e repreendê-los para que eles alcancem a verdade. Se você mesmo não tiver a verdade e apenas lidar com os outros e os repreender, eles temerão você, mas isso não significa que eles entendem a verdade. Em algum trabalho administrativo, é bom você lidar com os outros, podá-los e, em certa medida, discipliná-los. Mas se você não puder prover a verdade e souber apenas ser autoritário e repreender os outros, sua corrupção e feiura serão reveladas. Com o passar do tempo, se as pessoas forem incapazes de obter a provisão de vida ou coisas práticas de você, elas virão a detestá-lo e se sentirão enojadas por você. Aqueles que carecem de discernimento aprenderão coisas negativas de você; aprenderão a lidar com os outros e podá-los, a se irritar e a perder a cabeça. Isso não é equivalente a conduzir os outros para a senda de Paulo, para uma senda da perdição? Isso não é um malefício? Seu trabalho deveria se concentrar em comunicar a verdade e prover vida para os outros. Se tudo que você faz é lidar com os outros cegamente e lhes passar sermões, como eles entenderão a verdade em algum momento? Com o passar do tempo, as pessoas verão quem você realmente é e o abandonarão. Como você pode esperar trazer os outros para diante de Deus dessa maneira? Como isso é fazer o trabalho? Você perderá todos se continuar trabalhando dessa maneira. Seja como for, qual é o trabalho que você espera realizar? Alguns líderes são incapazes de comunicar a verdade para resolver problemas. Em vez disso, eles apenas lidam cegamente com os outros e exibem seu poder para que os outros venham a temê-los e a obedecer a eles — tais pessoas pertencem aos líderes falsos e anticristos. Aqueles cujo caráter não mudou são incapazes de realizar o trabalho da igreja e estão impossibilitados de servir a Deus.

Extraído de ‘Somente aqueles com verdade-realidade podem liderar’ em “Registros das falas de Cristo dos últimos dias”

Por trás das Minhas costas, muitas pessoas cobiçam os benefícios do status, fartam-se de comida, adoram dormir e dão todo cuidado à carne, sempre temendo que não haja saída para a carne. Elas não desempenham suas funções corretas na igreja, mas se aproveitam da igreja, ou então repreendem seus irmãos e irmãs com Minhas palavras, colocando-se como senhores sobre outros a partir de posições de autoridade. Essas pessoas ficam dizendo que estão fazendo a vontade de Deus e sempre dizem que são íntimas de Deus — isso não é absurdo? Se você tem as intenções certas, mas é incapaz de servir de acordo com a vontade de Deus, então está agindo como um tolo; mas se as suas intenções não são certas, e mesmo assim você diz que serve a Deus, então você é alguém que se opõe a Deus e devia ser punido por Ele! Não tenho compaixão alguma por pessoas assim! Na casa de Deus, elas se aproveitam, sempre cobiçando os confortos da carne, e não levam em consideração os interesses de Deus. Sempre buscam o que é bom para elas e não prestam atenção à vontade de Deus. Não aceitam o escrutínio do Espírito de Deus em nada que fazem. Estão sempre manobrando e enganando seus irmãos e irmãs, sendo falsas, como uma raposa numa vinha, sempre roubando as uvas e pisoteando as vinhas. Tais pessoas podem ser íntimas de Deus? Você está apto a receber as bênçãos de Deus? Você não assume fardo algum por sua vida e pela igreja, você está apto a receber a comissão de Deus? Quem ousaria confiar em alguém como você? Quando você serve dessa maneira, será que Deus arriscaria confiar-lhe uma tarefa maior? Isso não causaria atrasos na obra?

Extraído de ‘Como servir em harmonia com a vontade de Deus’ em “A Palavra manifesta em carne”

Se alguém que serve como líder possui a capacidade de entender as palavras de Deus e o calibre para entender a verdade, ele não só consegue entender pessoalmente as palavras de Deus e entrar na realidade de Suas palavras, como é também capaz de aconselhar, orientar e ajudar aqueles que ele lidera no entendimento das palavras de Deus e na entrada da realidade das palavras de Deus. Esse calibre, porém, é justamente a coisa que falta aos líderes falsos. Eles não entendem as palavras de Deus e não sabem a quais estados as palavras de Deus se referem, quais estados elas expõem como sendo aqueles em que as pessoas revelam seus caracteres corruptos ou em que há oposição a Deus e queixas contra Ele, nem as motivações do homem etc. São incapazes de comparar as coisas com as palavras de Deus e só entendem umas poucas palavras, regras e bordões no nível superficial de Suas palavras. Quando comungam com os outros, eles decoram uma passagem das palavras de Deus e explicam seu significado superficial. O entendimento, o conhecimento e a aceitação das palavras de Deus que têm os falsos líderes se limitam a isso, apenas. Eles carecem da capacidade de entender as palavras de Deus. Entendem meramente as formulações e a profundidade do significado universalmente evidente no nível literal dessas palavras — e acham que entenderam e compreenderam Suas palavras em decorrência disso. Assim também usam o significado literal das palavras de Deus para admoestar e “ajudar” os outros no dia a dia, acreditando que assim estão fazendo seu trabalho, que estão orientando as pessoas a comer e beber as palavras de Deus e a entrar na realidade das palavras de Deus. Muitas vezes, os falsos líderes comunicam as palavras de Deus aos outros e transmitem as palavras de Deus para eles de várias maneiras, instruindo-os a comer e beber uma passagem das palavras de Deus quando enfrentarem algum problema, e outra passagem de Deus quando enfrentarem outro problema. Quando ocorrem equívocos acerca de Deus nas pessoas, eles dizem: “Vejam, as palavras de Deus sobre isso são perfeitamente claras e inteligíveis. Como vocês conseguem, mesmo assim, entender Deus errado? As palavras de Deus não exigem que obedeçamos a isso e que obedeçamos àquilo?”. Então eles ensinam às pessoas como elas devem entender e entrar nas palavras de Deus. Sob tal orientação, muitas pessoas se tornam capazes de recitar as palavras de Deus e de se lembrar de certas palavras de Deus quando encontram um problema. Mas não importa quanto leem ou recitam, elas continuam ignorando aquilo a que as palavras de Deus se referem. Quando são verdadeiramente acometidas por adversidades ou têm certas dúvidas, as palavras de Deus que conhecem e lembram não conseguem resolver suas dificuldades. Isso ilustra um problema: as palavras de Deus que entendem são mera doutrina, nada além de certo tipo de regra; não são realidade e não são a verdade. Assim, a orientação que os líderes falsos dão às pessoas ao comer e beber as palavras de Deus e entrar na realidade das palavras de Deus se limita a ensinar-lhes o significado literal de Suas palavras; isso é incapaz de permitir que elas alcancem esclarecimento a partir de Suas palavras e não consegue mostrar-lhes quais caracteres corruptos existem dentro delas. O caráter e a essência que são revelados nas pessoas toda vez que algo lhes acontece, como tais estados podem ser resolvidos, e o que as palavras de Deus têm a dizer sobre isso, o que Suas palavras exigem, quais são os princípios e qual é a verdade contida nisso — eles não entendem nada disso. Tudo que fazem é exortar as pessoas: “Coma e beba mais das palavras de Deus. As palavras de Deus contêm a verdade, e se você ouvir mais as Suas palavras, com o tempo entenderá a verdade. As partes-chave das palavras de Deus são justamente aquelas que você não entende, portanto deve orar mais, buscar mais, ouvir mais e contemplar mais”. Os falsos líderes não param de exortar dessa forma. Sempre que surge um problema de determinado tipo, eles dizem a mesma coisa, e mesmo assim as pessoas não reconhecem a essência do problema e não sabem como praticar as palavras de Deus; simplesmente obedecem às regras e ao significado literal de Suas palavras, mas quando se trata das verdades-princípios de praticar as palavras de Deus e da realidade que a verdade exige, elas não entendem.

Extraído de ‘Identificando falsos líderes (1)’ em “Registros das falas de Cristo dos últimos dias”

A característica principal do trabalho dos falsos líderes é que, após gritar seus bordões, após emitir suas ordens, eles simplesmente se livram da questão. Não fazem perguntas sobre o desenvolvimento subsequente do projeto; não perguntam se surgiu algum problema, anomalia ou dificuldade. Eles o consideram feito assim que o delegam. Na verdade, monitorar o progresso de um projeto é algo que os líderes podem fazer. Mesmo sendo um completo novato nessas questões — mesmo que lhe falte qualquer conhecimento sobre elas — você pode executar tal trabalho; encontre alguém que conhece e entende o trabalho em questão para verificar a situação e dar sugestões. A partir dessas sugestões, você pode identificar os princípios apropriados e assim será capaz de monitorar o trabalho. Não importa se você está familiarizado ou conhece o tipo de trabalho em questão; no mínimo, você deve presidir sobre ele, monitorá-lo, fazer indagações e perguntas para se informar sobre seu progresso. Você deve manter controle sobre tais questões; isso é responsabilidade sua, o papel que você deve exercer. Não monitorar o trabalho — rejeitar qualquer responsabilidade em relação a ele — é uma atitude de falsos líderes. Não tomar uma medida específica para monitorar itens específicos do trabalho — não ter nenhum entendimento e nenhuma compreensão do progresso específico desses itens específicos do trabalho — também é manifestação de um falso líder.

Visto que os falsos líderes não entendem o status do progresso do trabalho, isso frequentemente causa atrasos repetidos. Em determinado trabalho, já que as pessoas não entendem os princípios e, além disso, não há ninguém adequado para presidir sobre ele, aqueles que executam o trabalho permanecem frequentemente num estado de negatividade, passividade e espera, o que afeta severamente o progresso do trabalho. Se, antes de mais nada, o líder tivesse cumprido suas responsabilidades — se tivesse assumido o controle, incentivado o trabalho, apressado as pessoas e encontrado alguém que entende o tipo de trabalho envolvido para lhes dar orientação, o trabalho teria avançado mais rapidamente, em vez de sofrer repetidos atrasos. Para os líderes, então, é vital que entendam e compreendam a situação atual do trabalho. É, evidentemente, altamente necessário que os líderes entendam e compreendam como o trabalho está progredindo — pois o progresso está relacionado à eficácia do trabalho e aos resultados que esse trabalho pretende alcançar. Se o líder não tiver nem mesmo um entendimento de como o trabalho está progredindo, pode-se dizer que, na maioria das vezes, o trabalho se desenvolverá lenta e passivamente. A maioria das pessoas empenhadas em cumprir o seu dever trabalhará lenta e passivamente sem a presença de alguém que tenha um senso do fardo e alguma habilidade naquele tipo de trabalho, alguém para motivá-las e fornecer supervisão e orientação. Isso ocorre também quando não há crítica, disciplina, poda nem tratamento. É de suma importância que líderes e trabalhadores mantenham uma compreensão e um entendimento atualizados do progresso de seu trabalho, pois as pessoas são indolentes, e sem orientação, motivação, monitoramento dos líderes, sem líderes que possuem um entendimento atualizado do progresso do trabalho, as pessoas tendem a relaxar, a ser preguiçosas e superficiais — se for assim que você aborda o trabalho, o progresso e a eficácia sofrerão um impacto severo. Dadas essas circunstâncias, os líderes e trabalhadores devem monitorar prontamente cada item de trabalho e manter-se informados sobre a situação da equipe e do trabalho. Falsos líderes, é claro, são descuidados e indiferentes nesse trabalho; são incapazes de assumir responsabilidade. E assim, seja em termos do status atual, seja do progresso do trabalho, os falsos líderes sempre “admiram as flores do alto de um cavalo em galope”; são descuidados e indiferentes e também superficiais; dizem palavras pomposas e vazias, pregam doutrina e agem sem se envolver. Em geral, é assim que os falsos líderes trabalham. Comparando-os com anticristos, embora não façam nada abertamente maligno e não sejam deliberadamente maléficos, sua atitude em relação ao trabalho não eclipsa até o mal? Embora seu trabalho não possa ser definido como maligno por natureza, sua natureza é de descuido e superficialidade, uma falta de qualquer senso de fardo; eles não têm lealdade ao seu trabalho.

Extraído de ‘Identificando falsos líderes (4)’ em “Registros das falas de Cristo dos últimos dias”

Dentro do âmbito do trabalho pelo qual os falsos líderes são responsáveis, algumas pessoas que realmente buscam a verdade e são aptas para serem promovidas e cultivadas são frequentemente reprimidas. Algumas dessas pessoas espalham o evangelho, e algumas delas são arranjadas para cozinhar. Na verdade, são capazes de fazer trabalho, embora possam não demonstrá-lo — mas um falso líder é cego para isso e não se envolve nem faz perguntas sobre tais pessoas. Enquanto isso, essas pessoas com um pouco de talento especial, os bajuladores, aqueles que gostam de aparecer em público, os de fala mansa e aqueles que desejam ofício e status sobem na hierarquia, a ponto de aqueles que serviam na sociedade como chefes de aldeia e secretários, e aqueles que eram executivos corporativos, e aqueles que estudaram administração de empresas recebem posições de importância. Não importa se essas pessoas são crentes verdadeiros nem se buscam a verdade — sempre que falsos líderes são responsáveis pelo trabalho, elas são promovidas e recebem posições de destaque. Não é igual à sociedade? Sob o mandato de falsos líderes, aqueles que trabalham muito e realmente conseguem suportar sofrimento, que têm senso de justiça, que amam coisas positivas e que deveriam, eles sim, ser promovidos e cultivados, mas não são — eles mal recebem chance de treinar, enquanto aqueles de calibre baixo e humanidade maligna, que estão ansiosos para agir, que amam se exibir e não têm talento verdadeiro, ocupam trabalhos importantes e posições de supervisão na casa de Deus. Isso faz com que grande parte do trabalho da casa de Deus se atrase e seja impedida de avançar sem dificuldades e com a eficiência que a casa de Deus exige e com que não seja feito de acordo com os princípios, e leva a um fracasso na implementação das exigências da casa de Deus. Isso é a consequência, o impacto causado pelo emprego incorreto das pessoas pelos falsos líderes.

Falsos líderes são de calibre baixo, têm olhos e coração cegos e não entendem as verdades-princípio, o que, por si só, é um problema muito grave. Eles têm outro problema ainda mais sério, que é que, quando entenderam e dominaram umas letras e palavras de doutrina e conseguem gritar uns chavões, eles acham que entendem a verdade-realidade. Não importa o trabalho que façam e quem decidam empregar, eles não buscam nem deliberam e não comungam com os outros, muito menos estudam detalhadamente os arranjos de trabalho e os princípios da casa de Deus. São bastante confiantes, acreditando que o que pensam é o que deve ser feito e que tudo em que acreditam é correto, que tudo está de acordo com os princípios. Também acreditam, equivocadamente, que, tendo trabalhado por muitos anos, eles têm experiência suficiente de servir como líder na casa de Deus para saber como funciona e se desenvolve o trabalho da casa de Deus e que tudo isso está dentro do seu coração. Eles avaliam o trabalho da casa de Deus e fazem o trabalho da casa de Deus com base em sua experiência e suas noções e imaginações, o que faz com que o trabalho da casa de Deus durante o seu mandato seja uma confusão, um caos, sem qualquer ordem. Se, dentro de um grupo, houver algumas pessoas competentes, pessoas que possam sofrer, pagar um preço e cumprir seus deveres com lealdade, então o trabalho que fazem pode continuar a ser executado bem, mas isso nada tem a ver com o falso líder. E onde não houver tais pessoas, um falso líder não poderá ser de nenhum uso no trabalho que está sendo feito. Para começar, ele não escolherá as pessoas certas para o trabalho, aquelas que garantiriam que o trabalho entre no ritmo e faça progresso e melhore; depois, quando há um elo fraco no trabalho, eles não participam nem fornecem treinamento positiva e ativamente nos detalhes. Digamos, por exemplo, que, para alguma porção de trabalho, várias pessoas que estão fazendo esse trabalho são recém-convertidos sem muito fundamento, que não entendem bem a verdade, não estão familiarizadas com a tarefa e não entenderam bem os princípios do trabalho. Um falso líder, por ser cego, não consegue ver esses problemas. Ele acredita que, contanto que alguém esteja fazendo o trabalho, não importa se é bem ou malfeito. Ele não sabe que todos os elos fracos no trabalho devem ser investigados, observados e apoiados com frequência, e podem até exigir supervisão e participação pessoal, seu conselho pessoal referente ao trabalho e seu apoio constante, até essas pessoas terem compreendido a verdade e embarcado na trilha certa. Somente com supervisores apropriados elas podem parar de inquietar. Mas os falsos líderes não trabalham dessa forma. Não veem que é seu trabalho fazer isso, assim, no escopo de seu trabalho, eles tratam todo o trabalho e todas as pessoas de modo idêntico. Eles não vão com mais frequência aos lugares onde há elos fracos no trabalho ou onde não há pessoa responsável adequada, nem fornecem conselho nem participam pessoalmente das tarefas específicas a serem feitas; e onde há alguém apropriado e capaz de realizar o trabalho como supervisor, eles não vão, nem investigam, nem fornecem orientação no trabalho, nem participam pessoalmente dos detalhes do trabalho, e certamente não tentam imitar os pontos fortes desse supervisor. Resumindo, os falsos líderes não tratam dos detalhes do trabalho. Eles acreditam que, independentemente do trabalho, contanto que o pessoal esteja alocado e um supervisor tenha sido escolhido, tudo está excelente. Acreditam que não há nada mais que possam fazer ali e que nada tem a ver com eles, que tudo que devem fazer é reunir uma congregação com certa frequência e fazer um telefonema se um problema surgir. Mesmo que os falsos líderes trabalhem dessa forma, eles acham que estão fazendo um bom trabalho e ficam bastante satisfeitos consigo, pensando: “Não há nenhum problema com nenhum dos programas de trabalho. O pessoal está perfeitamente arranjado, e os supervisores estão em suas posições. Como é que posso ser tão bom nesse trabalho, tão talentoso?”. Isso não é falta de vergonha? Seus olhos e coração são tão cegos que não conseguem ver nenhuma tarefa a ser feita e não conseguem encontrar nenhum problema. Em alguns lugares, o trabalho parou, mas lá estão eles, contentes, pensando que os irmãos e irmãs desse lugar são todos jovens e vigorosos, que cumprirão seus deveres com entusiasmo fervoroso e que certamente serão capazes de fazer bem o trabalho, quando, na verdade, esses jovens não entendem nada e não conseguem fazer nada. Há aqueles que sabem um pouco sobre alguma tarefa, mas nada que fazem acaba sendo feito como deveria. Nada daquilo que fazem é feito com princípios, e tudo exige correção e precisa constantemente ser refeito. Há falhas tão escancaradas no trabalho; e há tantas coisas que esse pessoal não entende; e há tantos princípios que precisam ser comunicados a eles, tantas questões em que precisam de orientação, tantos problemas que precisam ser resolvidos… e um falso líder não consegue ver nada nem encontrar nenhum problema, e acha que está tudo ótimo. Por onde andam, então, os pensamentos dele ao longo de todo o dia? Ele fica pensando em como, enquanto detentor de um ofício, ele pode desfrutar das felicidades do status. Um falso líder é uma criatura sem coração.

Extraído de ‘Identificando falsos líderes (5)’ em “Registros das falas de Cristo dos últimos dias”

O tipo pseudoespiritual de falso líder acredita que trabalhar significa pregar palavras e doutrina, repetir mantras, agir sem se envolver, pregar frases das palavras de Deus; não sabe como trabalhar de verdade, nem quais são os deveres de líderes e trabalhadores, nem por que a casa de Deus escolhe um indivíduo para ser líder ou trabalhador, que tipo de problema deve resolver. Portanto, não importa quanto você comungue sobre como eles devem mergulhar em seu trabalho, permanecer no controle, identificar problemas dentro dele e assim por diante, eles não absorvem nada disso e não entendem nada do que ouvem. São incapazes de praticar o que a casa de Deus exige de líderes e trabalhadores, e nunca conseguirão. Falham em identificar todos os tipos de problemas relacionados ao trabalho — problemas de equipe, questões de princípio, problemas tecnológicos ou profissionais. E assim, sob a liderança de tais pessoas pseudoespirituais, existe um fluxo constante de problemas relacionados à equipe e outros problemas de trabalho; problemas tecnológicos ou profissionais também ficam surgindo, ficam se acumulando, e quanto mais acumulam, mais problemas surgem. Dentro da gama das responsabilidades desses falsos líderes, as questões de equipe e trabalho ficam cada vez mais caóticas, e o desempenho e a eficácia do trabalho diminuem cada vez mais. No que diz respeito à administração de pessoas, aqueles que são um pouco hábeis e têm lábia recebem permissão para assumir o controle — podem fazer o que querem e são capazes de controlar o trabalho e as pessoas. Os malignos não são refreados, domados ou expurgados, e alguns que cumprem seu dever fielmente são tão perturbados que ficam negativos e fracos, indispostos para cumprir seu dever ou comer e beber as palavras de Deus. Perdem a fé em seu dever, perdem a fé em Deus e perdem a fé em buscar a verdade. Aqueles que possuem certas habilidades, que são tecnologicamente proficientes, não são aproveitados apropriadamente. As linhas entre quem é uma pessoa boa e quem é uma pessoa má, entre quem possui calibre e quem não possui, entre quem deveria ser cultivado e quem não deveria ficam confusas — só existe caos total. No entanto, os falsos líderes pseudoespirituais são totalmente cegos em relação a isso; não conseguem ver. Quando se trata de questões de equipe, não importa o que a casa de Deus comunique e ressalte em relação aos princípios que devem ser seguidos acerca de quem deve ser expurgado, quem deve ser expulso, quem deve ser refreado e quem deve ser promovido, os líderes pseudoespirituais não compreendem, não entendem o que ouvem. Sem questionar, permanecem fiéis aos seus pontos de vista pseudoespirituais. Esses falsos líderes acham que, com suas próprias explicações e tutela, cada pessoa tem um papel a exercer; não há desordem, todos estão indo bem, todos têm fé e estão dispostos a cumprir seu dever. Eles acreditam que ninguém teme prisão nem perigo, pois todos possuem a força para sofrer, e que ninguém está disposto a ser um judas. Esses líderes acham que tudo está indo maravilhosamente bem. Não importa que problema grave possa surgir ou quais pessoas malignas possam aparecer, não importa quão evidente seja o problema, eles não o enxergam. Mesmo que o enxerguem, eles não sabem que é um problema, e mesmo que saibam que é um problema, não sabem como resolvê-lo. Semelhantemente, os líderes pseudoespirituais são ainda mais cegos em relação à miríade de problemas que surgem durante o trabalho e que são contrários aos princípios. Eles dizem: “Eu comuniquei os princípios de trabalho que devia comunicar; eu os exortei repetidas vezes e até fiz com que as pessoas os anotassem”. No entanto, eles não sabem se comunicaram tudo isso à pessoa certa, se os pontos que comunicaram estão corretos e alinhados aos princípios, alinhados às palavras de Deus, e se são práticos. Quanto àquela migalha de doutrina que pregaram, que tipo de pessoa pode se satisfazer digerindo-a? Aqueles que são bobos e ignorantes, os incultos, os patetas, os idiotas, os tolos. Essas pessoas ficam confusas, acreditam que é tudo palavra de Deus e que nada disso pode estar errado. Somente tais pessoas podem ser saciadas com essa doutrina. Os líderes pseudoespirituais são incapazes de identificar problemas que surgem durante o trabalho; são cegos em relação a eles. E, é claro, são ainda mais cegos em relação às coisas que envolvem tecnologia ou perícia — essas coisas estão ainda mais fora de seu alcance.

Extraído de ‘Identificando falsos líderes (8)’ em “Registros das falas de Cristo dos últimos dias”

Qual é a característica principal dos falsos líderes pseudoespirituais? Eles se sobressaem na pregação. Mas o que pregam não é o caminho verdadeiro e não é o caminho pregado por Deus. Não é o caminho da verdade; pelo contrário: é apenas doutrina literal. Eles são bons em pregar doutrinal literal, bons em se aplicar a meras palavras e textos das palavras de Deus, seja recitando-os, seja ponderando sobre eles. Em suma, são especialmente diligentes e perseverantes quando se trata de pregar a doutrina. Por fora, tudo que fazem parece ser relevante para a verdade; eles não parecem perturbar nem interferir, nem se comportar inapropriadamente, nem dizer ou fazer a coisa errada. No entanto, são incapazes de empreender qualquer trabalho prático ou de cumprir a menor responsabilidade, o que, no fim das contas, os leva a ser incapazes de identificar qualquer problema no trabalho. Eles trabalham como homens cegos; eles são cegos, não conseguem enxergar o problema, não conseguem identificá-lo; sendo assim, eles são capazes de relatar prontamente o problema e se engajar na busca? Claro que não. O problema dos falsos líderes pseudoespirituais é sério? Tais pessoas são desprezíveis, são repugnantes? (São repugnantes.) Eles acreditam ter alguns truques profissionais, ser capazes de pregar alguma doutrina e recitar muitas palavras de Deus, de modo que são capazes de resumir todos os aspectos das exigências de Deus às pessoas minuciosa e corretamente — mas não conseguem fazer trabalho prático. As palavras e doutrinas com as quais se equipam, que entendem e conhecem não podem ajudá-los a cumprir o dever de um líder ou trabalhador, muitos menos podem ajudá-los a descobrir e lidar com os problemas que encontram no trabalho. Esse tipo de líder ou trabalhador está qualificado para essa posição? Claro que não. Vocês devem eleger um falso líder pseudoespiritual que não é qualificado? (Não.) Mas vocês elegeram tais líderes? (Sim.) Eu suponho que vocês tenham elegido alguns. Qualquer pessoa que acredita em Deus há muitos anos, que leu muitas das palavras de Deus, ouviu muitos sermões, tem muita experiência de trabalho e pregação, que consegue pregar durante horas — vocês acham que esse tipo de pessoa só pode ser habilidosa no trabalho. E o resultado? Após elegê-las, vocês descobrem um problema sério: elas nunca aparecem, sua porta está sempre fechada, elas se afastaram dos irmãos e irmãs. No entanto, outros pensam: “Ele é crente há todos esses anos, ele entende a verdade e tem fundamento. Ele deve ter estatura e ser capaz de resolver problemas — por que, então, ele sempre se fecha? Isso mostra que ele carrega um grande fardo! Desde que foi eleito líder, ele ficou taciturno, fala de modo diferente e não é mais como o restante de nós. É por isso que, na maior parte do tempo, ele está fora de vista”. É nisso que vocês acreditam? Vocês voltarão a eleger esse tipo de falso líder? (Não.) Por que não? Em sua opinião, quais são as consequências de escolher um homem cego como seu guia? Um homem cego pode guiá-lo para uma senda boa? Ele é cego; como, então, ele poderia guiá-lo? Para onde quer que vá e qualquer que seja o trabalho que faça, ele precisa de outra pessoa para guiá-lo; ele mesmo não tem direção nem metas, e a doutrina que ele entende, ele só a prega para que os outros ouçam — não possui impacto nem valor real. Se você o reverenciar por ser capaz de pregar palavras e doutrina, que tipo de pessoa você é? Você é cego, tolo, um pateta. Você se deleita ao encontrar um homem cego e em pedir que ele lhe mostre o caminho. Então você não é cego também? Para que servem seus olhos? Existe um ditado entre os incrédulos: os cegos guiam os cegos. Eleger pseudoespirituais como líderes é o mesmo que cegos guiarem cegos.

Extraído de ‘Identificando falsos líderes (8)’ em “Registros das falas de Cristo dos últimos dias”

Muitas vezes, falsos líderes dizem coisas que parecem corretas na superfície, a fim de confundir e enganar as pessoas, o que, por sua vez, tem um impacto negativo na entrada na vida dessas pessoas. Isso também leva a algumas consequências que jamais deveriam ocorrer. Os chamados ditos espirituais e expressões fixas dos falsos líderes podem ser chamados heresias e falácias. Na superfície, não parece haver nada de errado com eles, mas, na verdade, servem como obstáculos, perturbações e confusão na entrada na vida das pessoas e na senda que trilham. Até levam algumas pessoas a desenvolver equívocos em relação a Deus e a formar dúvidas e resistência em relação às palavras de Deus. Esses são os efeitos das palavras dos falsos líderes sobre as pessoas. Os falsos líderes usam tais heresias e falácias para guiar os outros, de modo que, ao mesmo tempo que essas pessoas estão seguindo a Deus, elas estão constantemente gerando noções, defesas e dúvidas sobre Ele. Então, sob a confusão e a influência dos falsos líderes, uma nova religião se estabelece. Esse tipo de nova religião é igual ao cristianismo de dois mil anos atrás, que só defende palavras e ensinamentos humanos, tais como os ensinamentos de Paulo ou algum outro discípulo, sem aderir ao próprio caminho de Deus. O que os falsos líderes fazem é enganar, e eles obstruem o caminho das pessoas que seguem a senda normal e correta de buscar a verdade. Desviam as pessoas da trilha certa de buscar a verdade e as levam para uma senda pseudoespiritual; eles as levam para a fé no modo religioso. Quando as pessoas são confundidas, lideradas e guiadas por falsos líderes, elas constantemente inventam teorias, ditados, ações ou perspectivas que nada têm a ver com a verdade, embora pareçam ser totalmente corretos. Essas coisas são totalmente contrárias à verdade e não apresentam relação alguma com ela. Mas sob a orientação de falsos líderes, todos aceitam essas coisas como a verdade e todos acreditam equivocadamente que elas realmente são a verdade. Acreditam que, contanto que alguém fale bem e tenha crença em seu coração e professe a fé com a boca, essa pessoa ganhou a verdade. Enganadas por esses pensamentos e visões, as pessoas não só se tornam incapazes de entrar na verdade-realidade, ou de entrar nas palavras de Deus, ou de colocá-las em prática, ou de viver em Suas palavras, mas acabam se afastando cada vez mais das palavras de Deus. Parecem estar fazendo tudo de acordo com as palavras de Deus, mas essas assim chamadas palavras de Deus não apresentam relação alguma com as exigências de Deus e Sua vontade. Nada têm a ver com as verdades-princípio. Elas têm a ver com o quê, então? Com os ensinamentos dos falsos líderes, com as intenções dos falsos líderes e com os desejos e entendimentos pessoais desses falsos líderes. Seu modo de liderar aproxima mais pessoas de rituais religiosos e regras rígidas, da mera letra de doutrina, de conhecimento e filosofia. Embora, ao contrário dos anticristos, os falsos líderes não levem os outros para diante de si ou de Satanás, o coração das pessoas mesmo assim é dominado por essas heresias e falácias. Quando as pessoas, consumidas por essas heresias e falácias, acreditam equivocadamente que já ganharam a vida, elas se tornam inimigos convictos e implacáveis da verdade, das palavras de Deus e daquilo que Deus exige.

Extraído de ‘Identificando falsos líderes (2)’ em “Registros das falas de Cristo dos últimos dias”

Anterior: 116. Os princípios para identificar as várias pessoas malignas

Próximo: 118. Os princípios para identificar os demônios do anticristo

Quando o desastre vem, como nós cristãos devemos lidar com ele? Convidamos você a participar da nossa reunião online, onde podemos explorar juntos e encontrar o caminho.

Configurações

  • Texto
  • Temas

Cores sólidas

Temas

Fonte

Tamanho da fonte

Espaçamento entre linhas

Espaçamento entre linhas

Largura da página

Sumário

Busca

  • Pesquise neste texto
  • Pesquise neste livro

Entre em contato conosco pelo Whatsapp