127. Os princípios para ajudar os outros com amor

(1) É necessário discernir entre os vários tipos de pessoas com base nas palavras de Deus. Interajam amorosamente com pessoas boas que têm verdadeira fé em Deus; tratem uns aos outros com sinceridade e ajudem uns aos outros;

(2) Quem ajuda os outros amorosamente não deve fazê-lo por algum motivo oculto ou para receber algo em troca; em vez disso, deve fazê-lo unicamente para praticar a verdade, cumprir bem seu dever e trazer outros para diante de Deus;

(3) Quando as pessoas ajudam umas às outras, elas devem compreender as dificuldades umas das outras e buscar a verdade para resolver os problemas umas das outras de maneiras adequadas e aceitáveis;

(4) Deve-se tratar os outros de forma justa com base nas palavras de Deus. Não se deve usar suas noções e imaginações para estereotipar os outros nem condenar os outros com base em suas transgressões.

Palavras de Deus relevantes:

Quanto a se alguém é bom ou ruim e como ele ou ela deve ser tratado, as pessoas devem ter princípios próprios de comportamento; contudo, quanto ao desfecho dessa pessoa — se ele ou ela termina sendo punida por Deus ou se ele ou ela termina sendo julgada e castigada — é um assunto de Deus. As pessoas não devem interferir; Deus não permitiria que você tomasse a iniciativa em Seu nome. Como tratar essa pessoa é tarefa de Deus. Contanto que Deus não tenha decidido que tipo de desfecho tais pessoas terão, não as tenha expulsado e não as tenha punido, e elas estejam sendo salvas, então você deve ajudá-las pacientemente, por amor; você não deve esperar determinar o desfecho de tais pessoas nem deve usar meios humanos para reprimi-las ou puni-las. Você pode lidar com tais pessoas e pode podá-las ou abrir seu coração e se envolver em comunhão sincera para ajudá-las. Entretanto, se você considera punir, excluir e incriminar essas pessoas, então você estará em apuros. Fazer isso estaria de acordo com a verdade? Ter tais pensamentos resultaria de ter sangue quente; esses pensamentos vêm de Satanás e se originam no ressentimento humano, bem como no ciúme e no ódio. Tal conduta não está de acordo com a verdade. Isso é algo que faria cair retribuição sobre você e não está alinhado com a vontade de Deus.

Extraído de ‘Os cinco estados necessários para estar na trilha certa em sua fé’ em “Registros das falas de Cristo”

Você precisa ter compreensão dos muitos estados em que as pessoas estarão quando o Espírito Santo operar nelas. Em particular, aquelas que coordenam o serviço a Deus devem captar ainda mais os vários estados resultantes da obra que o Espírito Santo realiza nas pessoas. Se você apenas fala sobre muitas experiências ou maneiras de alcançar entrada, isso mostra que a sua experiência é extremamente unilateral. Sem conhecer seu estado verdadeiro e captar o verdade-princípio, não é possível alcançar mudança no caráter. Sem conhecer os princípios da obra do Espírito Santo ou compreender o fruto que ela dá, será difícil para você discernir a obra de espíritos malignos. Você deve expor a obra dos espíritos malignos, assim como as noções do homem, e penetrar direto no cerne da questão; você deve, também, apontar vários desvios na prática das pessoas e os problemas que elas podem ter em sua fé em Deus, para que possam reconhecê-los. No mínimo, você não deve fazer com que elas se sintam negativas ou passivas. No entanto, você deve entender as dificuldades que existem objetivamente para a maioria das pessoas, e você não deve ser irracional nem deve tentar “ensinar um porco a voar”; isso é um comportamento tolo. Para resolver as muitas dificuldades que as pessoas experimentam, você deve primeiro compreender a dinâmica da obra do Espírito Santo; você deve entender como o Espírito Santo opera em pessoas diferentes, você deve ter um entendimento das dificuldades que as pessoas enfrentam e as suas deficiências, e você deve enxergar as questões principais do problema e chegar à sua origem, sem se desviar nem cometer erro algum. Somente uma pessoa assim está qualificada para coordenar o serviço a Deus.

Extraído de ‘Com que um pastor adequado deveria ser equipado’ em “A Palavra manifesta em carne”

Se você tem um bom relacionamento com um irmão ou uma irmã, e eles pedem que você aponte o que está errado com eles, como você deve apontar? Isso tem a ver com como você aborda a questão. Sua abordagem é a de praticar a verdade ou você usa filosofias de vida? Se você diz: “Você é bom em todas as áreas e é melhor do que eu. Você é capaz de suportar adversidades, e seu calibre é bom. Não há por que ser negativo. Você é tão bom; qual é o motivo de tanta humildade?” — se você vê claramente que há coisas erradas com a pessoa, mas não diz claramente quais são para não prejudicar a paz entre vocês dois — então você está usando uma filosofia de vida. Uma pessoa que aborda a questão de um jeito diferente diz: “Minha estatura é pequena, agora, e eu não entendo seus problemas completamente. Quando entender, eu lhe direi”. Isso não é tentar enganar os outros? Será que a pessoa realmente não entende nada completamente? Será que não tem opinião alguma sobre o problema? Ela tem opiniões; ela simplesmente não as expressa por medo de causar ofensa. Ela não lhe diz nada e o deixa incapaz de entender o assunto, levando-o a achar que é maravilhoso. Talvez você falhe e caia, um dia, e ela ficará rindo por trás das suas costas. Quando isso acontecer, ela parecerá ser melhor, em comparação; é assim que ela o engana. Essa pessoa não é má? Qual dessas duas abordagens é preferível? Ambas são repugnantes; nenhuma é preferível. Algumas pessoas dizem que é preciso falar a verdade. Elas dizem: “Você é uma pessoa má e maligna. Basta olhar para você para saber que não será salvo”. Embora falem honestamente, e uma pessoa dessas realmente acha, em seu coração, que está fazendo isso, existe um indício de uma segunda intenção quando falam assim: “Se eu disser isso, você certamente não será arrogante ou altivo”. Essa abordagem também está errada — ela não leva em conta os sentimentos do outro nem considera as consequências. O que você acha do caráter desse tipo de pessoa? Ela está praticando a verdade? Não — agir desse modo pode deixar o outro negativo ou fazê-lo tropeçar. Isso obstruiria severamente a senda que a pessoa trilha. É preciso contemplar todas essas coisas. Essa abordagem também não é boa; ela traz dentro de si um caráter. Não é falar ou agir a partir da racionalidade de uma humanidade normal nem é comportar-se de acordo com a verdade-princípio.

De acordo com a verdade-princípio, então, como você deve abordar essa questão? Que ação está de acordo com a verdade? Quantos princípios relevantes existem? Você deve ter um entendimento firme dos princípios. Primeiramente, não leve ninguém a tropeçar. Você deve considerar primeiro as fraquezas do outro e que maneira de falar com ele não o fará tropeçar. Isso é o mínimo que deve ser considerado. Em seguida, você deve considerar o lado positivo das coisas — o que você pode fazer para ajudar a outra pessoa. O objetivo ao ajudá-la é permitir que ela entenda a vontade de Deus, é levá-la para diante de Deus e fazer com que ela deixe para trás essas circunstâncias difíceis e ganhe a verdade, como você fez. Esse é o melhor tipo de pessoa, com o coração mais bondoso; essa é a prática da verdade. Primeiro: não a faça tropeçar. Segundo: seja capaz de ajudá-la. Terceiro: permita que ela ganhe a verdade. Você deve entender esses três princípios. Mas como, especificamente, eles são aplicados? Você realmente entende a dificuldade do outro? Isso não é outro problema? Você deve pensar também: “Qual é a origem do problema dele? Posso ajudá-lo? Se eu não puder, e falar arbitrária e descuidadamente, talvez aponte para ele a senda errada. Além disso, quão bem essa pessoa é capaz de entender a verdade e qual é o seu calibre? Ela é teimosa? Ela entende assuntos espirituais? Ela é capaz de aceitar a verdade? Ela busca a verdade? Se ela perceber que sou melhor do que ela e ainda assim eu me comunico com ela, inveja e negatividade surgirão nela?”. Todas essas perguntas devem ser consideradas; é uma questão de humanidade. Por isso, quando deparar com esse problema, você deve primeiro considerar essas coisas, e então comungar com a pessoa com uma mente positiva e proativa e, enquanto faz isso, deve orar e buscar como ajudar, como pode aderir a esses princípios e como pode capacitar a pessoa a deixar sua dificuldade para trás e ser beneficiada. É fácil fazer isso? Isso exige sinceridade. Se achar que basta empregar o mínimo de pensamento e dizer: “Leia as palavras de Deus e ame a Deus. Você deve retribuir o Seu amor. O que há de tão difícil nisso? Por que você está negativo?”, então estará apenas agindo sem se envolver e sua forma de tratar os outros é insincera. Tais pessoas são inconfiáveis, de coração cruel, não têm simpatia nem amor pelos outros. Se você realmente tem uma consciência, você deve pensar com cuidado e ponderar desta forma: “Visto que me perguntaram, devem estar numa situação difícil. Normalmente, eles buscam com tanto ardor e são tão positivos quando cumprem seu dever. Se essa dificuldade realmente os leva a tropeçar, ou os torna negativos, e afeta seu dever, isso não é benéfico nem para eles nem para a casa de Deus. Como devo ajudá-los para que seu problema seja resolvido?”. Você pondera assim e encontra o caminho adiante, em seu coração, e sabe o que fazer, e então você comunga com eles. Às vezes, sua primeira comunicação não será totalmente clara, já que você também está ponderando, buscando e orando, e ainda não consegue entender a questão completamente. Você deve reservar o tempo necessário para pensar nas palavras certas a dizer, e para refletir sobre como você pode dizer essas coisas de modo que a outra pessoa seja edificada e não fique negativa, e para que ela seja capaz de encontrar a senda adiante. Todas essas coisas exigem uma reflexão cuidadosa e exigem que você faça o esforço de ponderá-las cuidadosamente. Assim, você reflete com cuidado, você ora e ora, e, no início, as palavras que você diz talvez não apresentem muita estrutura, mas, conforme você fala, o que você quer dizer se tornará cada vez mais distinto e claro — e quando você entender a questão completamente, o outro também entenderá. Ao resolver o problema, você age de acordo com a verdade-princípio, e você também será capaz de ganhar um aspecto da verdade e será edificado, o tempo todo ajudando o outro. Esse é o tratamento especial que Deus dá ao homem quando ele pratica a verdade e o favor especial concedido ao homem.

Extraído de ‘Somente buscando a verdade é possível resolver suas noções e seus equívocos sobre Deus’ em “Registros das falas de Cristo”

Trechos de sermão e comunhão para referência:

Para alguém que realmente tem humanidade – isto é, uma pessoa que possui verdade-realidade – quais são os princípios para fazer as coisas? Em primeiro lugar, ela é capaz de tratar a maioria dos escolhidos de Deus com amor, conhecendo-os ou não. Somente quando você tiver certeza absoluta de que alguém é uma pessoa perversa, alguém que não gosta da verdade e nunca pode mudar, você pode tratar tal pessoa usando sabedoria em vez de amor. Se você não tiver certeza absoluta de que é uma pessoa perversa, que não gosta da verdade e é totalmente irremediável, você deve tratá-la com amor. O que é amor? Amor é a prática de ajudar, regar, prover e apoiar pessoas com base na verdade e de acordo com as palavras de Deus. Além disso, é resolver as dificuldades e os problemas das pessoas de acordo com a verdade, e isso inclui podá-las e lidar com elas e expor e dissecar rigidamente qualquer um que tenha cometido transgressões ou exibido um comportamento imprudente ou que tenha interrompido a obra de Deus. Contanto que seja para o bem de ajudar as pessoas e guiá-las para entrarem na verdade-realidade, seja falando com elas mansamente ou podando e lidando com elas duramente, tudo isso se insere no escopo do amor. Se você comungar com base na palavra de Deus a verdade, levando pessoas a aceitá-la de todo coração e a ver que você não tem malícia e é capaz de ser justo e imparcial, então elas se convencerão daquilo que você diz. No entanto, você deve ter princípios ao lidar com as pessoas. Você não pode substituir, eliminar nem expulsar qualquer um casualmente sem primeiro podar e lidar com ele após descobrir suas transgressões; isso seria inaceitável. Você pode ser severo ao podar e lidar com as pessoas, mas alguma margem deve ser dada às pessoas quando você as trata. Você não pode ter uma mão tão pesada a ponto de espancá-las até a morte com um cassetete; deve lhes dar a chance de se arrepender, tratá-las justamente e permitir que vejam que Deus salva as pessoas na maior medida possível. No entanto, se algumas pessoas usarem a expressão “Deus salva as pessoas na maior medida possível” como desculpa para manter aqueles demônios irredimíveis e Satanás na casa de Deus, isso é um truque de Satanás. Querem usar essas palavras para alcançar o propósito de manter Satanás na casa de Deus para causar perturbações no trabalho da casa de Deus. Portanto, o princípio de ajudar outros por amor deve ser aplicado àqueles que podem ser salvos, mas não àquelas pessoas irredimíveis que, em vez disso, podem ser tratadas de acordo com os decretos administrativos e princípios da igreja e também com sabedoria. Essa é a maneira de tratar assuntos com princípio.

Extraído de “Sermões e comunhão sobre a entrada na vida”

Vocês também devem entender os princípios ao amarem uns aos outros. Quando é necessário ajudar e comungar com outros, vocês devem ajudá-los correta e efetivamente de acordo com sua estatura e seus estados; ajudem de qualquer maneira que as leve a aceitá-lo. Se alguém cometeu algum erro e não quer aceitar sua comunhão independentemente de como vocês a apresentem, então vocês devem parar de tentar comungar com essa pessoa por ora. Em vez disso, comecem a orar por ela e então aguardem uma oportunidade apropriada para vir e comungar. Se as palavras que ela disser forem inapropriadas, vocês podem corrigi-la, mas também devem basear isso em sua situação; se ela aceitar sua crítica construtiva, vocês podem apontar as coisas diretamente para ela para conscientizá-la dos seus problemas. Se, porém, ela tiver dificuldades de aceitar sua crítica, então vocês não devem dizer-lhe diretamente que ela está errada; em vez disso, comecem usando um pouco de sabedoria. Em suma, a coisa mais crucial ao ajudar as pessoas é basear sua ajuda em se elas conseguem ou não aceitá-la. Se conseguirem e um bom efeito puder ser alcançado, vocês poderão ir em frente; se não conseguirem aceitar sua ajuda e nenhum efeito bom puder ser alcançado, então vocês não deverão agir apressadamente e parar antes que destruam a conexão entre vocês. Os humanos são muito suscetíveis a agir a partir de sua carne e sangue; se essa conexão for quebrada, não será fácil fazer o trabalho. Comecem protegendo a conexão e então orem a Deus em busca de uma senda apropriada. Comungando sobre a verdade, levem a outra pessoa a aceitar sua ajuda aos poucos e a fazer melhoras graduais.

Extraído de “Sermões e comunhão sobre a entrada na vida”

Os líderes e trabalhadores devem resolver os problemas de seus irmãos e irmãs de acordo com a estatura deles e ficarem atentos aos métodos que usam. Só então poderão alcançar o objetivo de ajudar seus irmãos e irmãs; só então seu trabalho poderá ser eficaz. Quando um irmão ou irmã diz algo que não é propriamente um problema sério, nem um ato de resistir ou julgar a Deus, alguns líderes e trabalhadores os rotulam, dizendo: “Você agiu assim ou assado, rebelando-se contra Deus e resistindo a ele”. Isso ajuda seus irmãos e irmãs? Não é uma forma de persegui-los, puni-los e rotulá-los? Isso não é a maneira de servir aos irmãos e irmãs. Se você descobrir entre seus irmãos e irmãs algo que não está de acordo com a verdade, não os julgue nem aponte cegamente seus defeitos antes que surja uma oportunidade adequada. Não fique batendo na mesma tecla. Conviva com eles normalmente até surgir o momento certo de resolver o problema por meio da comunhão. Por exemplo, digamos que você descobriu que alguém disse ou fez algo errado. Você pode começar por examinar a questão e ponderar sobre a verdade. De que maneira o que disseram e fizeram foi errado? Pense em qual aspecto da verdade foi violado, qual aspecto do veneno de Satanás o controlou. Em seguida, faça uma comparação consigo e veja se esse problema existe em você. Comece por examinar a si mesmo. Se você encontrar corrupção semelhante em si, resolva primeiro o seu problema, pois assim você terá experiência e testemunho. Depois de ter passado por essa experiência e adquirido real autoconhecimento, e depois de ter mudado, procure seu irmão ou irmã e comunique com eles calmamente. Traga sua experiência real para a comunhão. Depois de ouvi-la, seus irmãos e irmãs também poderão refletir sobre si e enxergar sua corrupção, e os problemas deles também serão resolvidos. Essa é uma boa maneira de ajudar as pessoas. A maioria das pessoas tem estatura pequena e não tem muita compreensão da verdade nem discernimento. Portanto, quando você descobrir um problema em outra pessoa, não fique batendo na mesma tecla. Resolva antes seus problemas e depois que estiverem solucionados, procure uma oportunidade para empregar esse método − o método de dar testemunho. Dê testemunho de como você conseguiu compreender esse aspecto da verdade, como você reconheceu o aspecto da corrupção revelado e como você foi capaz de distinguir e enxergar esse aspecto do veneno de Satanás. Ao ouvir isso, os outros poderão tirar proveito de suas experiências e encontrar a senda da prática. Dessa forma, além de não prejudicar os outros nem influenciar a busca deles, você resolverá os problemas deles. Isso é bom. Se houver alguém que esteja cometendo verdadeiros atos de destruição ou perturbação contra a obra da casa de Deus, exercendo grave influência na entrada na vida de seus irmãos e irmãs, numa situação dessas você poderá buscar uma oportunidade de comunhão imediata com eles. No entanto, você deverá usar um método correto na comunhão, já que a corrupção é revelada em todas as pessoas, especialmente nos recém-chegados à fé, cuja estatura é pequena. Devemos tratá-los com paciência e adotar uma abordagem indireta em nossa comunhão com eles. Fale de suas importantes revelações de corrupção e de como você as descobriu e as reconheceu após o fato, para que eles também possam alcançar tal compreensão. Faça o que fizer, não fique martelando nos defeitos deles e os expondo, condenando e rotulando. Se você fizer isso, dificilmente eles aceitarão a verdade. Portanto, ao comunicar a verdade para ajudar os outros, você deve prestar atenção à maneira como o faz, visto que há pessoas cuja estatura é muito pequena. Você deve tratar tais pessoas com métodos adequados à sua pequena estatura. Quando a estatura delas crescer, você poderá falar com elas de maneira mais direta ou um pouco mais severa. Tal abordagem as impede de tropeçar. Em suma, para ajudar e servir as pessoas e, especialmente, para liderar irmãos e irmãs que são novos na fé, você deve ficar atento à sua conduta e agir com amor. Se você agir com amor e ficar atento à sua conduta, seus irmãos e irmãs serão capazes de aceitar o que você disser; se a sua comunhão com os outros for desprovida de amor e você demonstrar desprezo e escárnio e os culpar, eles ficarão contrariados e dificilmente serão convencidos. Vão querer discutir com você ou até mesmo revidar expondo os seus problemas. Isso é problemático. Então, quando você descobrir qual aspecto da corrupção seus irmãos e irmãs têm e quiser ajudá-los, ore por eles primeiro. Quando terminar de orar, reveja sua maneira de pensar, ajuste sua conduta e depois comunique com eles. Essa é uma boa maneira de resolver as coisas. Não adianta ter uma conduta errada. Se você se considerar um líder ou trabalhador com o direito de criticar ou culpar seus irmãos e irmãs, sempre impondo sua posição, seus irmãos e irmãs terão dificuldade em aceitar suas palavras e não será fácil ajudar os outros a resolver seus problemas.

Extraído de “Sermões e comunhão sobre a entrada na vida”

Anterior: 126. Os princípios do amor entre irmãos e irmãs

Próximo: 128. Os princípios para como tratar irmãos e irmãs

Quando o desastre vem, como nós cristãos devemos lidar com ele? Convidamos você a participar da nossa reunião online, onde podemos explorar juntos e encontrar o caminho.

Configurações

  • Texto
  • Temas

Cores sólidas

Temas

Fonte

Tamanho da fonte

Espaçamento entre linhas

Espaçamento entre linhas

Largura da página

Sumário

Busca

  • Pesquise neste texto
  • Pesquise neste livro