16. Os princípios para exaltar Deus como grandioso

(1) Ao passar por julgamento e castigo, venha a conhecer o caráter justo de Deus, a temê-Lo e a evitar o mal. Ao fazer isso, você naturalmente exaltará Deus como grandioso em seu coração;

(2) Submeta-se a Deus e adore apenas a Ele; não adore nem siga nenhum humano. Baseie toda a sua conduta de vida na palavra de Deus a verdade e não siga tendências mundanas;

(3) É necessário orientar-se pela justiça e aderir à verdade-princípio, exaltar e testificar de Deus e empenhar-se em salvaguardar Sua obra sem fazer concessões às forças malignas de Satanás;

(4) É necessário permitir que a palavra de Deus a verdade reine no coração e afirme que Cristo é a verdade, o caminho e a vida. Só assim se pode exaltar e testificar de Deus.

Palavras de Deus relevantes:

Deus é Aquele que governa sobre todas as coisas e administra todas as coisas. Ele criou tudo que existe, Ele administra tudo que existe e Ele também governa sobre tudo que existe e provê para tudo que existe. Esse é o status de Deus e é a Sua identidade. Para todas as coisas e para tudo que existe, a verdadeira identidade de Deus é a de Criador e de Governante de toda a criação. Essa é a identidade que Deus possui, e Ele é único entre todas as coisas. Nenhuma das criaturas de Deus — quer estejam no meio dos homens ou no mundo espiritual — pode usar qualquer meio ou desculpa para imitar ou substituir a identidade e o status de Deus, pois há apenas Um entre todas as coisas que possui essa identidade, poder, autoridade e capacidade de governar sobre a criação: nosso Próprio Deus, o Único. Ele vive e se move no meio de todas as coisas; Ele pode subir ao lugar mais alto, acima de todas as coisas; Ele pode Se humilhar tornando-Se humano, tornando-Se um entre os que são de carne e osso, ficando cara a cara com as pessoas e compartilhando prosperidade e infortúnio com elas; ao mesmo tempo, Ele comanda tudo que existe, decidindo o destino de tudo que existe e em que direção tudo se move. Além disso, Ele guia o destino de toda a humanidade e a direção da humanidade. Um Deus como esse deve ser adorado, obedecido e conhecido por todos os seres vivos. Assim, independentemente do grupo e tipo de seres humanos a que você pertence, crer em Deus, seguir a Deus, reverenciar a Deus, aceitar Seu governo e aceitar Seus arranjos para seu destino é a única escolha — a escolha necessária — para qualquer pessoa e para qualquer ser vivo. Na singularidade de Deus, as pessoas veem que Sua autoridade, Seu caráter justo, Sua essência e os meios pelos quais Ele provê para todas as coisas são todas completamente únicas; essa singularidade determina a verdadeira identidade do Próprio Deus e também determina Seu status. Portanto, no meio de todas as criaturas, se algum ser vivo no mundo espiritual ou no meio da humanidade desejasse ocupar o lugar de Deus, sucesso seria impossível, como seria qualquer tentativa de se passar por Deus. Isso é fato. Quais são as exigências à humanidade de um Criador e Governante como esse, que possui a identidade, o poder e o status do Próprio Deus? Isso deve estar claro para todos e deve ser lembrado por todos; isso é muito importante para Deus e para o homem!

Extraído de ‘O Próprio Deus, o Único X’ em “A Palavra manifesta em carne”

Deus criou todas as coisas, portanto faz toda a criação ficar sob o Seu domínio e submeter-se ao Seu domínio; Ele comandará todas as coisas, de modo que todas as coisas estejam em Suas mãos. Toda a criação de Deus, incluindo animais, plantas, seres humanos, montanhas, rios e lagos, tudo deve ficar sob o domínio Dele. Todas as coisas nos céus e na terra devem ficar sob o domínio Dele. Elas não podem ter escolha e todas devem submeter-se às orquestrações Dele. Isso foi decretado por Deus, e é a autoridade de Deus. Deus comanda tudo e ordena e classifica todas as coisas, com cada uma qualificada segundo seu tipo, e alocada em sua própria posição conforme a vontade de Deus. Por maior que seja, coisa alguma pode sobrepujar Deus, todas as coisas servem à humanidade criada por Deus e nenhuma delas se atreve a desobedecer a Deus ou a fazer quaisquer exigências a Ele. Portanto, o homem deve, como criatura de Deus, cumprir também o dever de homem. Independentemente de ser ou não o senhor ou o cuidador sobre todas as coisas, por mais elevada que seja a sua posição entre todas as coisas, o homem ainda é apenas um pequeno ser humano sob o domínio de Deus, e não passa de um ser humano insignificante, uma criatura de Deus, e ele nunca estará acima de Deus.

Extraído de ‘O sucesso ou o fracasso dependem da senda que o homem percorre’ em “A Palavra manifesta em carne”

1. O homem não deveria se engrandecer nem se exaltar. Ele deveria adorar e exaltar a Deus.

[…]

8. As pessoas que creem em Deus deveriam obedecer a Ele e adorá-Lo. Não exalte nem admire ninguém; não coloque Deus em primeiro lugar, as pessoas que você admira em segundo e a si mesmo em terceiro. Ninguém deveria ocupar um lugar em seu coração, e você não deveria considerar que as pessoas — especialmente as que você venera — estejam no mesmo nível de Deus ou sejam iguais a Ele. Isso é intolerável para Deus.

Extraído de ‘Os dez decretos administrativos que devem ser obedecidos pelo povo escolhido de Deus na Era do Reino’ em “A Palavra manifesta em carne”

O grupo de pessoas que o Deus encarnado quer ganhar hoje é aquele que se conforma à Sua vontade. Elas precisam apenas submeter-se à Sua obra e parar de se preocupar constantemente com as ideias de Deus no céu, de viver na imprecisão e tornar as coisas difíceis para Deus na carne. Aquelas que são capazes de obedecer-Lhe são as que com toda a certeza ouvem as Suas palavras e se submetem aos Seus arranjos. Tais pessoas não ligam nem um pouco para como Deus no céu poderia ser realmente, ou para que tipo de obra Deus no céu poderia estar fazendo atualmente entre a humanidade; elas dão seu coração por completo a Deus na terra e colocam o seu ser inteiro perante Ele. Elas nunca dão qualquer consideração para a própria segurança, nem jamais dão atenção excessiva à normalidade e praticidade de Deus na carne. Aquelas que se submetem a Deus na carne podem ser aperfeiçoados por Ele. Aquelas que creem em Deus no céu nada ganharão. Isso é porque não é Deus no céu, mas Deus na terra, quem concede promessas e bênçãos às pessoas. As pessoas não deveriam sempre magnificar Deus no céu enquanto veem Deus na terra como uma mera pessoa mediana; isso é injusto. Deus no céu é grande e maravilhoso, com sabedoria admirável, mesmo assim isso não existe de jeito nenhum; Deus na terra é muito mediano e insignificante, e também é muito normal. Ele não tem uma mente extraordinária nem pratica atos de abalar a terra; Ele simplesmente opera e fala de uma maneira muito normal e prática. Embora não fale por meio de trovão nem invoque o vento e a chuva, Ele é verdadeiramente a encarnação de Deus no céu, e Ele é realmente o Deus vivendo entre os humanos. As pessoas não devem magnificar aquele a quem elas são capazes de entender e que corresponde à imaginação própria delas como Deus, enquanto veem aquele que não conseguem aceitar e não conseguem imaginar, de forma alguma, como sendo humilde. Tudo isso vem da rebeldia das pessoas; é toda a fonte da resistência da humanidade a Deus.

Extraído de ‘Aqueles que verdadeiramente amam a Deus são os que podem se submeter totalmente à Sua praticidade’ em “A Palavra manifesta em carne”

“Digo-vos, porém, que aqui está o que é maior do que o templo. Mas, se vós soubésseis o que significa: Misericórdia quero, e não sacrifícios, não condenaríeis os inocentes. Porque o Filho do homem até do sábado é o Senhor” (Mateus 12:6-8). A que se refere a palavra “templo” aqui? Simplificando, ela se refere a um edifício alto e magnífico e, na Era da Lei, o templo era um local onde os sacerdotes adoravam a Deus. Quando o Senhor Jesus disse: “Aqui está o que é maior do que o templo”, a quem estava se referindo? Claramente, ao Senhor Jesus na carne, porque apenas Ele era maior que o templo. O que essas palavras disseram às pessoas? Elas disseram às pessoas que saíssem do templo — Deus já havia saído do templo e não estava mais operando nele, portanto as pessoas deveriam buscar os passos de Deus fora do templo e seguir Seus passos na Sua nova obra. Quando o Senhor Jesus disse isso havia uma premissa por trás de Suas palavras, que era que, sob a lei, as pessoas tinham passado a ver o templo como algo maior que o Próprio Deus. Isto é, as pessoas adoravam o templo em vez de adorar a Deus, por isso o Senhor Jesus as advertiu a não adorar ídolos, mas a, em vez disso, adorar a Deus, pois Ele é supremo. Assim, Ele disse: “Misericórdia quero, e não sacrifícios”. É evidente que, aos olhos do Senhor Jesus, a maioria das pessoas que vivia sob a lei não mais adorava a Jeová, mas estava apenas agindo sem se envolver nos sacrifícios, e o Senhor Jesus determinou que isso constituía idolatria. Esses adoradores de ídolos viam o templo como algo maior e superior a Deus. Em seu coração havia apenas o templo, não Deus, e se eles perdessem o templo, então eles perderiam sua morada. Sem o templo, eles não teriam onde adorar e não poderiam realizar seus sacrifícios. Sua chamada “morada” é onde eles usavam o pretexto falso de adorar a Deus Jeová a fim de permanecer no templo e tratar dos seus próprios assuntos. Seus supostos sacrifícios nada mais era do que eles levando a cabo suas próprias transações vergonhosas sob o disfarce de prestar seu serviço no templo. Foi por essa razão que as pessoas daquela época viam o templo como maior que Deus. O Senhor Jesus disse essas palavras como alerta para as pessoas, pois elas usavam o templo como fachada e os sacrifícios como disfarce para enganar as pessoas e enganar a Deus. Se vocês aplicarem essas palavras ao presente, elas são igualmente válidas e igualmente pertinentes. Embora as pessoas de hoje tenham experimentado uma obra de Deus diferentes da experimentada pelas pessoas na Era da Lei, sua natureza-essência é a mesma. No contexto da obra de hoje, as pessoas ainda fazem o mesmo tipo de coisas como representadas pelas palavras “o templo é maior que Deus”. Por exemplo, as pessoas consideram cumprir o seu dever o seu trabalho; elas consideram dar testemunho de Deus e combater o grande dragão vermelho movimentos políticos em defesa dos direitos humanos, pela democracia e pela liberdade; eles transformam em carreiras seu dever de utilizar as suas habilidades, porém consideram que temer a Deus e evitar o mal não passam de instâncias de doutrina religiosa para se observar; e assim por diante. Não são esses comportamentos essencialmente o mesmo que “o templo é maior que Deus”? A diferença é que, dois mil anos atrás, as pessoas tratavam dos seus negócios pessoais no templo físico, mas hoje, tratam dos seus negócios pessoais em templos intangíveis. Aquelas pessoas que valorizam as regras veem as regras como maiores que Deus, aquelas pessoas que amam o status veem o status como maior que Deus, aquelas que amam sua carreira veem a carreira como maior que Deus e assim por diante — todas as suas expressões Me levam a dizer: “As pessoas louvam a Deus como sendo o maior pelas suas palavras, mas, aos seus olhos, tudo é maior que Deus”. Isso é porque, assim que as pessoas encontram uma oportunidade ao longo de sua senda de seguir a Deus para mostrar seus próprios talentos ou para tratar dos seus próprios negócios ou da sua própria carreira, elas se distanciam de Deus e se lançam na sua amada carreira. Quanto àquilo que Deus lhes confiou e à Sua vontade, essas coisas já foram descartadas há muito tempo desde então. Quando é a diferença entre o estado dessas pessoas e das que tratavam dos seus próprios negócios no templo dois mil anos atrás?

Extraído de ‘A obra de Deus, o caráter de Deus e o Próprio Deus III’ em “A Palavra manifesta em carne”

Pessoas que genuinamente creem em Deus sempre O têm em seu coração e sempre levam dentro de si um coração reverente a Deus, um coração que ama Deus. Aqueles que creem em Deus deveriam fazer as coisas de modo prudente e cauteloso e tudo que fazem deveria ser de acordo com as exigências de Deus e capaz de satisfazer Seu coração. Eles não deveriam ser teimosos, fazendo o que bem lhes agrada; isso não convém à santa decência. As pessoas não precisam correr de maneira descontrolada, agitando a bandeira de Deus por toda parte enquanto se gabam e trapaceiam em todo lugar; esse é o tipo de conduta mais rebelde. As famílias têm suas regras, e as nações têm suas leis — e não é assim mais ainda na casa de Deus? Os padrões não são ainda mais rigorosos? Não há ainda mais decretos administrativos? As pessoas são livres para fazer o que quiserem, mas os decretos administrativos de Deus não podem ser alterados à vontade. Deus é um Deus que não tolera ofensa dos humanos; Ele é um Deus que mata as pessoas. As pessoas realmente ainda não sabem disso?

Extraído de ‘Um alerta para aqueles que não praticam a verdade’ em “A Palavra manifesta em carne”

A precondição para ser capaz de evitar o mal é ter um coração que teme a Deus. O que produz um coração que teme a Deus? É a magnificação de Deus. O que significa magnificar Deus? Significa ser capaz de avaliar todas as coisas segundo as palavras de Deus, usando as palavras de Deus como padrão, como critério. Em termos simples, significa que você tem Deus em seu coração, que você pensa em Deus em seu coração. Significa que, não importando o que faça, você não perde seu autocontrole, não segue um caminho próprio, não se coloca em primeiro lugar; em vez disso, você permite que Deus seja seu Mestre — e pensa, o tempo todo: “Eu sou um crente em Deus, eu sou um seguidor de Deus, eu sou uma criatura minúscula e insignificante escolhida por Deus. Não condeno, não tomo decisões, eu as deixo para Deus, Deus é meu suporte principal e luz orientadora em tudo que eu faço; devo agir com base nas palavras de Deus e de acordo com Sua vontade”. É isso que significa ter Deus em seu coração. Em tudo que fizer, não seja impulsivo nem imprudente. Primeiro pense naquilo que dizem as palavras de Deus, se agir desse modo é odioso para Deus, se está de acordo com a vontade de Deus. Primeiro faça perguntas em seu coração, reflita, tente entender. Não seja precipitado. Ser precipitado emana de seu estado natural, de seu sangue quente, da vontade humana. Sempre ser precipitado prova que Deus está ausente em seu coração. Nesse caso, as suas alegações de magnificar a Deus não são apenas palavras vazias? Onde está a sua realidade? Você não tem realidade. Você é incapaz de magnificar a Deus; em todo sentido, você tenta assumir o controle e agir de acordo com a própria vontade. Suas alegações de que você tem um coração que teme a Deus não são um absurdo? Você está mentindo. O que, especificamente, se manifesta naqueles que têm um coração que teme a Deus? A magnificação de Deus. A magnificação de Deus se manifesta especificamente pela presença de Deus em seu coração. A presença de Deus em seu coração se manifesta especificamente em como, quando algo acontece com você, você permanece calmo e ponderado, não se precipita, não se permite esquentar a cabeça, você pondera a vontade de Deus e busca as verdades-princípio. Quando você age, se age com base nas palavras de Deus ou de acordo com a sua vontade, se é a sua vontade ou as palavras de Deus que vêm em primeiro lugar — tudo isso depende de se Deus está em seu coração. Você alega que Deus está em seu coração, mas quando algo acontece com você, você é precipitado, tenta dar as ordens, deixa Deus de lado. Você diz que tem grande temor de Deus e que, quando algo acontece com você, você sempre ora. Mas depois de orar, você repensa e diz a si mesmo: “Acho que este ou aquele é o caminho certo”. Tudo isso é sua vontade pessoal, e não faz diferença quem comunga com você. Então você não carece de indícios de ter um coração que teme a Deus? Se nada em você indica um coração que teme a Deus, então, quando você alega que você magnifica a Deus, e que Deus está em seu coração, isso não passa de palavras vazias, não é o que você pratica. Aqueles que não têm Deus em seu coração e que são incapazes de magnificar a Deus possuem o senso de humanidade normal? (Não.) A primeira coisa que aqueles que possuem o senso de humanidade normal pensam é: “Eu sou um crente em Deus, sou alguém que busca a salvação de Deus, mas tenho caracteres corruptos. Eu me coloco em primeiro lugar em todos os assuntos, é o meu caráter corrupto que sempre reina soberano, eu sou sempre teimoso e caprichoso, e tudo que quero fazer é contrário à verdade, então como posso agir de uma maneira que não se baseie no meu caráter corrupto? O que dizem as palavras de Deus? Quais são as verdades-princípio?”. Esses são os pensamentos e indícios produzidos pelo senso de humanidade normal; esse é um dos princípios e atitudes segundo os quais se deve agir. Essa é a atitude que você tem quando possui o senso de humanidade normal. Quando você não possui o senso de humanidade normal, você não tem tal atitude. E, portanto, o senso de humanidade é essencial.

Extraído da comunhão de Deus

Quanto às pessoas que podem saber que Deus é a verdade, que conseguem aceitá-Lo como seu Senhor e que veem que Ele é o Governante de todas as coisas, como tais pessoas se expressam? O que elas colocam em prática, quais estados têm e o que vivem? (Elas buscam a verdade em todas as coisas.) Esse é um aspecto. (Elas se submetem a todos os ambientes, pessoas, assuntos e coisas estabelecidos por Deus, aprendem com eles e ganham a verdade.) (Elas não ousam fazer nada que se opõe ou ofende a Deus.) Essas também são maneiras em que elas se expressam. A coisa principal é que, quando algo acontece com elas, entendam elas a verdade ou não, elas têm, acima de tudo, reverência por Deus; não agem precipitadamente nem O ofendem. Os outros podem ver que elas não falam precipitadamente, que suas ações são calmas e ponderadas, e não impetuosas ou dissolutas, que elas estão profundamente em paz, que são pacientes, que conversam com Deus em seu coração e que buscam, submetem e reverenciam a Deus. As pessoas que vivem essas coisas se conectam e se ligam com as palavras de Deus, não importa o que aconteça com elas, e seu relacionamento com Ele se torna normal. Algumas pessoas — aquelas que não têm Deus em seu coração — são incapazes de viver essas realidades, portanto seus caracteres certamente são arrogantes, dissolutos e irrestritos. Elas passam o dia inteiro rindo e brincando, não fazem esforço algum para cumprir seu dever, dizem o que lhes vem à mente, são imprudentes e impetuosas em tudo que fazem, carecem de qualquer senso de calma, e tudo que dizem e fazem é arbitrariamente mostrar seus dentes e suas garras. Basta bater o olho para saber que elas são como os incrédulos. São essas as coisas que deveriam ser expressas e reveladas em alguém que vive diante de Deus? Qual é o estado das pessoas que manifestam essas coisas? Deus está em seu coração? É absolutamente certo que Ele não está. Essas pessoas são condenadas e odiadas por Deus.

Extraído de ‘Somente vivendo diante de Deus o tempo todo você pode trilhar a senda da salvação’ em “Registros das falas de Cristo dos últimos dias”

Acreditar em Deus requer que você coloque suas intenções e pontos de vista na ordem adequada; você deve ter um entendimento correto e uma maneira correta de tratar as palavras e a obra de Deus, todos os ambientes que Deus arranjou, o homem de quem Deus testifica e o Deus prático. Você não deve praticar de acordo com as próprias ideias ou elaborar os próprios esquemas insignificantes. O que quer que faça, você deve ser capaz de buscar a verdade e, em sua posição como um ser criado, se submeter a toda a obra de Deus. Se deseja buscar ser aperfeiçoado por Deus e entrar na trilha certa da vida, então seu coração deve sempre viver na presença de Deus. Não seja dissoluto, não siga Satanás, não permita que Satanás tenha oportunidade alguma de executar a sua obra, e não deixe que Satanás faça uso de você. Você deve se entregar a Deus completamente e deixar que Ele governe sobre você.

Extraído de ‘Como está seu relacionamento com Deus?’ em “A Palavra manifesta em carne”

Quando uma pessoa começa a reconhecer que ele ou ela é um objeto de criação, essa pessoa desenvolverá a esperança de se tornar uma criatura genuína da criação a fim de satisfazer a Deus. Ao mesmo tempo, tais pessoas também aceitarão Deus como seu Senhor e desejarão obedecer a todas as exigências de Deus e ao Seu governo. Elas, portanto, deixarão de agir arbitrariamente e buscarão as intenções de Deus e os princípios da verdade em tudo que fizerem. Não mais farão simplesmente qualquer coisa que quiserem nem farão as coisas de acordo com seus próprios planos. Em vez de confiarem em suas ideias individuais, elas começarão a ter Deus constantemente em seus pensamentos, e seu desejo subjetivo será satisfazer a Deus em todos os aspectos, conformar-se à verdade e cumprir as exigências de Deus em suas ações. As pessoas em tal estado, sem dúvida, começaram a aprender a buscar a verdade, a praticar a verdade, e a entrar na verdade-realidade. Se você está em tal estado e pode começar a aprender a fazer essas coisas, então não é preciso dizer que você, muito naturalmente, começará a aprender a buscar a vontade de Deus e começará a buscar não desonrar o nome de Deus, a exaltar a Deus, a temer a Deus e a satisfazer a Deus, em vez de satisfazer a si mesmo ou satisfazer outra pessoa, muito menos a tentar satisfazer seus próprios desejos egoístas. Quando as pessoas entram nesse tipo de estado e começaram a ter tal estado, seu caráter corrupto e sua natureza corrupta não mais guiarão o jeito com que elas pensam e não mais controlarão ou influenciarão seus pensamentos e suas ideias. Seu caráter corrupto e sua natureza corrupta não serão capazes de controlá-las mais. Quando você está nesse estado, seus desejos subjetivos serão pelas coisas positivas, e você será capaz de compreender como agir a fim de impedir que sua corrupção seja revelada e como evitar agir de modo arbitrário e fazer coisas egoístas e desprezíveis. Dessa forma, mesmo que você ainda possua um caráter corrupto, ele não mais será capaz de dominar tudo em você e não será mais capaz de controlar você. E então você não estará vivendo com a verdade tendo grande influência sobre você?

Extraído de ‘Os cinco estados necessários para estar na trilha certa em sua fé’ em “Registros das falas de Cristo dos últimos dias”

Embora Jó nunca tivesse visto Deus ou ouvido as palavras de Deus com seus próprios ouvidos, Deus tinha um lugar no coração de Jó. Qual era a atitude de Jó para com Deus? Era, como mencionado anteriormente, “bendito seja o nome de Jeová”. Sua bendição ao nome de Deus era incondicional, independentemente do contexto e ligada a nenhuma razão. Vemos que Jó havia entregado seu coração a Deus, permitindo que ele fosse controlado por Deus; tudo o que ele pensava, tudo o que ele decidia, e tudo o que ele planejava em seu coração estava aberto a Deus e não impedido de Deus. Seu coração não estava em oposição a Deus, e ele nunca pedira a Deus para fazer qualquer coisa por ele ou dar-lhe qualquer coisa, e ele não abrigava desejos extravagantes de que ele iria ganhar qualquer coisa com base em sua adoração a Deus. Jó não falava de barganhas com Deus e não fazia pedidos ou exigências a Deus. Seu louvor ao nome de Deus era por causa do grande poder e autoridade de Deus em governar todas as coisas, e não dependia de se ele recebesse bênçãos ou fosse atingido por um desastre. Ele acreditava que, independentemente de Deus abençoar as pessoas ou trazer desastre sobre elas, o poder e a autoridade de Deus não mudarão e, portanto, independentemente das circunstâncias de uma pessoa, o nome de Deus deve ser louvado. O fato de o homem ser abençoado por Deus é por causa da soberania de Deus, e quando o desastre acontece ao homem, também é por causa da soberania de Deus. O poder e a autoridade de Deus governam e arranjam tudo concernente ao homem; os caprichos da sorte do homem são a manifestação do poder e autoridade de Deus e, independentemente do ponto de vista da pessoa, o nome de Deus deve ser louvado. Foi isso que Jó experimentou e conheceu durante os anos de sua vida. Todos os pensamentos e ações de Jó alcançaram os ouvidos de Deus e chegaram diante de Deus e foram vistos como importantes por Deus. Deus apreciou esse conhecimento de Jó e valorizou Jó por ter tal coração. Esse coração aguardava a ordem de Deus sempre, e em todos os lugares e, não importava a hora ou o lugar, recebia de bom grado o que quer que acontecesse com ele. Jó não fez exigências a Deus. O que ele exigia de si mesmo era esperar, aceitar, encarar e obedecer a todos os arranjos que vieram de Deus; Jó acreditava que esse era seu dever, e era exatamente o que era desejado por Deus. Jó nunca tinha visto Deus, nem O ouvido falar qualquer palavra, emitir qualquer ordem, dar ensinamentos ou instruí-lo de qualquer coisa. Nas palavras de hoje, para ele ser capaz de possuir tal conhecimento e atitude para com Deus quando Deus não lhe deu nenhum esclarecimento, orientação ou provisão com respeito à verdade — isso era precioso, e que ele demonstrasse tais coisas era o suficiente para Deus, e seu testemunho foi elogiado e estimado por Deus. Jó nunca tinha visto Deus ou ouvido Deus pessoalmente proferir quaisquer ensinamentos para ele, mas, para Deus, seu coração e ele mesmo eram muito mais preciosos do que aquelas pessoas que, diante de Deus, só podiam falar em termos de teoria profunda, que só podiam se gabar e falar em oferecer sacrifícios, mas que nunca tiveram um verdadeiro conhecimento de Deus e nunca verdadeiramente temeram a Deus. Pois o coração de Jó era puro e não oculto a Deus, e sua humanidade era honesta e bondosa, e ele amava a justiça e aquilo que era positivo. Somente um homem assim, possuidor de tal coração e humanidade, era capaz de seguir o caminho de Deus e capaz de temer a Deus e se desviar do mal. Tal homem podia ver a soberania de Deus, podia ver Sua autoridade e poder, e era capaz de alcançar obediência à Sua soberania e arranjos. Apenas um homem como esse poderia realmente louvar o nome de Deus. Isso era porque ele não olhava se Deus o abençoaria ou traria um desastre, porque ele sabia que tudo é controlado pela mão de Deus, e que o homem se preocupar é um sinal de tolice, ignorância e irracionalidade, de dúvida do fato da soberania de Deus sobre todas as coisas e de não temer a Deus. O conhecimento de Jó era exatamente o que Deus queria.

Extraído de ‘A obra de Deus, o caráter de Deus e o Próprio Deus II’ em “A Palavra manifesta em carne”

Embora as habilidades e capacidades de Satanás sejam maiores do que as do homem, embora ele possa fazer coisas que são inatingíveis pelo homem, independentemente de você invejar o que Satanás faz ou aspirar a isso, independentemente de você odiar isso ou ficar revoltado com essas coisas, independentemente de você ser ou não capaz de ver isso, e independentemente de quanto Satanás pode realizar, ou de quantas pessoas ele pode enganar para que o adorem e idolatrem, e independentemente de como você o defina, não é possível a você dizer que ele tem a autoridade e poder de Deus. Você deve saber que Deus é Deus, há apenas um Deus, e, além disso, você deve saber que somente Deus tem autoridade, que somente Deus tem o poder de controlar e governar todas as coisas. Só porque Satanás tem a capacidade de enganar as pessoas e de personificar Deus, de imitar os sinais e milagres feitos por Deus e fez coisas semelhantes às de Deus, você erroneamente acredita que Deus não é único, que existem vários deuses, que esses deuses diferentes meramente têm habilidades maiores ou menores, e que há diferenças na extensão do poder que eles exercem. Você classifica a grandeza deles pela ordem da chegada deles, e de acordo com a idade deles, e você erroneamente acredita que existem outras divindades além de Deus, e pensa que o poder e autoridade de Deus não são únicos. Se você tem tais ideias, se você não reconhece a singularidade de Deus, não acredita que somente Deus possui autoridade, e se você seguir somente ao politeísmo, então Eu digo que você é a escória das criaturas, você é a própria personificação de Satanás, e você é uma pessoa totalmente do mal! Vocês entendem o que Eu estou tentando ensinar a vocês ao dizer essas palavras? Independentemente da hora, do local ou de sua experiência, você não deve confundir Deus com nenhuma outra pessoa, coisa ou objeto. Independentemente de quanto você sente que a autoridade de Deus e a essência do Próprio Deus são incognoscíveis e inacessíveis, independentemente de quanto os atos e palavras de Satanás coincidam com sua noção e imaginação, independentemente de quão satisfatórios eles sejam para você, não seja tolo, não confunda esses conceitos, não negue a existência de Deus, não negue a identidade e status de Deus, não empurre Deus para fora da porta e traga Satanás para dentro para substituir o Deus dentro de seu coração e ser seu Deus. Não tenho dúvidas de que vocês são capazes de imaginar as consequências de fazer tal coisa!

Extraído de ‘O Próprio Deus, o Único I’ em “A Palavra manifesta em carne”

Anterior: 15. Os princípios para fazer juramentos a Deus

Próximo: 17. Os princípios para temer a Deus e evitar o mal

Quando o desastre vem, como nós cristãos devemos lidar com ele? Convidamos você a participar da nossa reunião online, onde podemos explorar juntos e encontrar o caminho.

Configurações

  • Texto
  • Temas

Cores sólidas

Temas

Fonte

Tamanho da fonte

Espaçamento entre linhas

Espaçamento entre linhas

Largura da página

Sumário

Busca

  • Pesquise neste texto
  • Pesquise neste livro