165. Os princípios pelos quais Deus salva a Humanidade na medida do possível

(1) A humanidade está tão profundamente atolada na corrupção que a menor noção ou o menor mal-entendido a torna propensa a trair a Deus. No entanto, enquanto houver um vislumbre de esperança, Deus não a abandonará;

(2) Contanto que alguém possa se conhecer e contanto que possa se arrepender e mudar genuinamente, Deus não se lembrará de suas transgressões passadas, não importa quão grandes sejam;

(3) No período de tempo em que usa Suas palavras para fazer Sua obra, Deus não pune ninguém levianamente, mas é tolerante ao máximo. Ele dá às pessoas oportunidades de se arrependerem;

(4) Aqueles a quem Deus salva são boas pessoas que acreditam Nele verdadeiramente. Ele odeia e amaldiçoa anticristos, pessoas malignas, demônios imundos e espíritos malignos. Aqueles que odeiam a Deus certamente morrerão.

Palavras de Deus relevantes:

O propósito da obra de Deus no homem é que ele possa satisfazer a vontade de Deus, e tudo é feito para salvar o homem, portanto, durante o tempo de Sua salvação do homem, Ele não faz a obra de puni-lo. Durante o tempo da salvação do homem, Deus não pune o mal, não recompensa o bem nem revela os destinos para todas as diferentes espécies de pessoas. Em lugar disso, somente quando a etapa final de Sua obra estiver completa, Ele então fará a obra de punir o mal e recompensar o bem, e somente então revelará o fim de todas as diferentes espécies de pessoas. Os que são punidos serão aqueles que realmente são incapazes de serem salvos, ao passo que os que são salvos serão aqueles que tiverem obtido a salvação de Deus durante o tempo de Sua salvação do homem. Durante o período da obra de salvação de Deus, todos os que podem ser salvos serão salvos ao limite extremo, e nenhum deles será descartado, pois o propósito da obra de Deus é salvar o homem. Todos aqueles que, durante o tempo da salvação do homem por Deus, são incapazes de alcançar uma mudança em seu caráter — bem como todos aqueles que são incapazes de se submeter a Deus completamente — se tornarão objetos de punição. Essa etapa da obra — a obra das palavras — revela ao homem todos os caminhos e mistérios que ele não compreende, para que o homem possa compreender a vontade de Deus e as exigências de Deus ao homem, de modo que possam ter condições de pôr as palavras de Deus em prática e alcançar mudanças em seu caráter. Deus usa apenas palavras para fazer Sua obra e não pune as pessoas por serem um pouco rebeldes, porque agora é o tempo da obra de salvação. Se todos os rebeldes fossem punidos, ninguém teria oportunidade de ser salvo; todos seriam punidos e cairiam no Hades. O propósito das palavras que julgam os homens é permitir que eles conheçam a si mesmos e se submetam a Deus; não é puni-los com tal julgamento. Durante o tempo da obra das palavras, muitas pessoas exporão sua rebeldia e provocação, bem como sua desobediência ao Deus encarnado. Todavia, Ele não punirá todas essas pessoas por essa razão, mas, em vez disso, apenas lançará fora aquelas que são totalmente corruptas e não podem ser salvas. Ele entregará a carne dessas pessoas a Satanás e, em alguns poucos casos, dará fim à sua carne. Aquelas que restarem continuarão a seguir e a experimentar tratamento e poda. Se, enquanto seguirem, elas ainda não conseguirem aceitar tratamento e poda e se tornarem cada vez mais degeneradas, então essas pessoas terão perdido sua chance de salvação. Cada pessoa que tiver aceitado a conquista pelas palavras terá ampla oportunidade de salvação; a salvação por Deus de cada uma dessas pessoas mostrará a Sua extrema leniência. Em outras palavras, lhes será mostrada a suprema tolerância. Desde que as pessoas retornem da senda errada, desde que possam se arrepender, Deus lhes dará a oportunidade de obterem Sua salvação. Quando as pessoas se rebelam contra Deus pela primeira vez, Deus não tem desejo de matá-las, mas faz tudo o que pode para salvá-las. Se alguém realmente não tiver espaço para a salvação, Deus o lançará fora. Deus tarda a punir alguém porque Ele quer salvar todos aqueles que podem ser salvos. Ele julga, ilumina e guia as pessoas somente com palavras e não usa um cajado para matá-las. Usar palavras para levar os homens à salvação é o propósito e o significado da etapa final da obra.

Extraído de ‘Vocês deveriam pôr de lado as bênçãos do status e entender a vontade de Deus de trazer a salvação ao homem’ em “A Palavra manifesta em carne”

Algumas pessoas dizem: “Minha natureza não é boa, então apenas deixarei a natureza seguir seu curso! Se eu não posso ter sucesso em minha busca, não há nada que possa ser feito sobre isso”. Tais pessoas são extremamente negativas, tanto que desistiram de ter esperança para si mesmas. Essas pessoas não têm condições de ser redimidas. Você se esforçou? Se o fez de verdade, e está disposto a sofrer dificuldades, por que não pode abandonar a carne? Você não é uma pessoa com um coração e um cérebro? Como você ora todo dia? Você não consegue buscar a verdade e confiar em Deus? Para você, deixar a natureza seguir seu curso significa esperar passivamente; você não busca trabalhar proativamente com Deus. Deixar a natureza seguir seu curso é semelhante a dizer: “Não há sentido em fazer coisa alguma; tudo é predeterminado por Deus”. Isso é realmente a vontade de Deus? Se não é, então por que você não trabalha com Deus? Algumas pessoas que cometeram uma pequena transgressão se perguntam: “Deus me expôs e me expulsou? Ele vai me abater?”. Desta vez, Deus veio operar não para atacar as pessoas, mas para salvá-las na maior medida do possível. Quem está inteiramente livre de erro? Se todos fossem abatidos, então como isso poderia ser chamado de “salvação”? Algumas transgressões são cometidas de propósito, enquanto outras são cometidas involuntariamente. Se você consegue mudar depois de reconhecer as transgressões que comete involuntariamente, Deus o abateria antes de você ter mudado? Deus pode salvar as pessoas desse modo? Não é assim que Ele opera! Independentemente de transgredir de modo involuntário ou devido a uma natureza rebelde, você deve se lembrar que, uma vez que a transgressão foi cometida, você precisa se apressar e despertar para a realidade, e insistir adiante; não importa que situação surja, você tem que avançar. A obra que Deus está fazendo é a de salvação, e Ele não abaterá casualmente as pessoas que quer salvar. Não importa o grau em que você é capaz de se transformar, mesmo se Deus derrubasse você no fim, certamente seria justo para Ele fazer isso; e quando viesse a hora, Ele faria você entender. Neste momento, vocês devem se preocupar em buscar a verdade, concentrar-se na entrada na vida e buscar cumprir o seu dever adequadamente. Não há erro nisso! No fim das contas, não importa como Deus o trata, isso é sempre justo; você não deveria duvidar disso e não precisa se preocupar. Mesmo que você não consiga entender a justiça de Deus no momento, virá um dia em que você se convencerá. Deus certamente não é como um funcionário público ou como o rei dos diabos. Se vocês aplicarem uma cuidadosa contemplação a esse assunto, chegarão à conclusão de que a obra de Deus é salvar as pessoas e transformar o caráter delas. Visto que a obra Dele é a obra de transformar o caráter das pessoas, se elas não revelam sua corrupção, então nada pode ser feito, e nada será alcançado. Se, depois que você tiver revelado sua corrupção, você não se arrepender nem um pouco, e ainda agir como sempre fez, então você ofenderá o caráter de Deus. Deus executará diferentes graus de retribuição sobre o homem, e o homem pagará o preço por suas transgressões. De vez em quando, você inconscientemente se torna dissoluto e Deus aponta isso para você, o poda e lida com você. Se você mudar para melhor, Deus não o considerará responsável. Esse é o processo normal de uma transformação de caráter, e o verdadeiro significado da obra de salvação é manifestado nesse processo. Eis a chave! Tome, como exemplo, os limites entre homens e mulheres: hoje, você age sob o impulso de segurar a mão de alguém, mas, depois que volta para casa, você pondera: “Aquilo não foi um comportamento imoral? Não foi pecado? Não desonra a Deus violar os limites entre homens e mulheres? Como pude fazer uma coisa dessas?”. Tendo entendido isso, você corre para diante de Deus e ora: “Oh, Deus! Eu pequei de novo. Eu fazer isso vai contra a verdade, e eu desprezo minha carne corrupta”. Você decide ficar bem longe de tais questões quando elas surgirem no futuro, e evitar deixar que um dedo que seja toque o de outra pessoa. Isso não é transformação? Se você se transformou desse jeito, Deus ainda o condenará por segurar a mão de alguém? Se você segurou a mão de alguém e acha que foi errado ter feito isso, mas ainda assim não admite seu pecado a Deus, achando que não foi algo vergonhoso, e não se despreza, não fica alerta nem resolve desprezar a carne, então, no futuro, você não vai simplesmente segurar a mão da pessoa — vai abraçá-la! O problema ficará ainda mais sério, e levará você a cometer um pecado, pelo qual Deus o condenará. Você pecará mais e mais vezes, e estará além da salvação. Se, involuntariamente, você revelar um pouco de um caráter corrupto, e puder verdadeiramente se arrepender depois, abandonar a carne e colocar a verdade em prática, então Deus não o condenará, e você pode ainda ser salvo. Deus opera para salvar as pessoas, e é inevitável que a natureza das pessoas seja revelada até certo grau; contudo, você deveria se concentrar em praticar arrependimento e mudança constantes. Isso não satisfaria a vontade de Deus? Algumas pessoas não acreditam nisso e sempre olham Deus com cautela. Tais pessoas sofrerão, mais cedo ou mais tarde.

Como mencionado anteriormente, eventos do passado podem ser limpos num lance; pode-se fazer com que o futuro suplante o passado; a tolerância de Deus é tão ilimitada quanto o mar. Entretanto, também há princípios para essas palavras. Não é o caso de que Deus limpará qualquer pecado que você tenha cometido, não importa quão grande seja. Toda a obra de Deus tem princípios. No passado, foi estabelecido um decreto administrativo que tem a ver com essa questão — Deus perdoa e absolve todos os pecados que a pessoa comete antes de aceitar Seu nome, e há um sistema para lidar com aqueles que continuam a pecar depois de ter entrado para a igreja: aquele que comete um pecado menor recebe a chance de se arrepender, enquanto pecadores contumazes são expulsos. Deus sempre tolerou as pessoas o máximo possível em Sua obra, e nisso se pode ver que a obra de Deus é realmente a obra de salvar as pessoas. Contudo, se, nesse estágio final da obra, você ainda comete pecados imperdoáveis, então você realmente não tem condições de ser redimido e não pode mudar. Deus tem um processo para purificar e mudar o caráter das pessoas. No processo de constante expressão e transformação das naturezas corruptas das pessoas, Deus alcança Sua meta de salvação. Algumas pessoas pensam: “Visto que essa é a minha natureza, eu a exporei o máximo possível, e, depois que for exposta, eu a conhecerei e colocarei a verdade em prática”. Esse processo é necessário? Se você é realmente alguém que põe a verdade em prática, e vê algumas das diversas batalhas dos outros em si mesmo, então você procurará evitar as mesmas condutas em si mesmo. Isso não é uma transformação indireta? Às vezes, lhe ocorre fazer alguma coisa, mas, antes que faça, você percebe que está errado, e você desiste de fazer essa coisa. Isso também não resulta em você ser salvo? A prática de cada verdade é um processo. Quando alguém acabou de começar sua prática, ser correto e livre de erros é impossível, posto que é uma prática não contaminada pela vontade da pessoa. Resta uma série de questões com que você lida inteiramente de acordo com sua vontade, mas, uma vez que tiver lidado com essas questões e as tiver podado, você virá finalmente a praticar inteiramente de acordo com a vontade e as palavras de Deus. Isso é transformação.

Extraído de ‘A vontade de Deus é salvar pessoas o máximo possível’ em “Registros das falas de Cristo”

Na Era da Graça, foi dito que Deus quer que cada pessoa seja salva e não quer que ninguém sofra perdição. Tais são a atitude e o sentimento de Deus para salvar a humanidade, que foi corrompida por Satanás. É o desejo de Deus, mas, de fato, muitas pessoas não aceitam a graça de Deus; elas pertencem a Satanás e não serão salvas. Essas palavras mostram a atitude de Deus para com toda a humanidade: Seu amor é ilimitado, é incomparavelmente vasto, é poderoso. Mas para aqueles que detestam a verdade, Ele não está disposto a dar livremente Seu amor e salvação, nem jamais o fará. Essa é a atitude de Deus. Detestar a verdade equivale a quê? A se colocar contra Deus? A ser abertamente hostil a Deus? É o mesmo que dizer abertamente a Deus: “Não gosto de ouvir o que Tu tens a dizer. Se eu não gosto, não é a verdade e não o tomarei como verdade. Só será a verdade quando eu a reconhecer e gostar dela”. Quando você tem essa atitude em relação à verdade, isso não é ser abertamente hostil a Deus? Se você é abertamente hostil a Deus, Deus salvará você? Não. Essa é a verdadeira razão da ira de Deus. A substância do tipo de pessoa que detesta a verdade é uma de hostilidade a Deus. Deus não trata as pessoas dessa substância como pessoas; Ele as trata como inimigas, como demônios, e nunca as salvará. Essa é a manifestação da ira de Deus.

Extraído de ‘Entender a verdade é crucial para cumprir corretamente o seu dever’ em “Registros das falas de Cristo”

Deus havia desprezado o homem porque este era hostil com Ele, mas em Seu coração, Seu cuidado, Sua preocupação e Sua misericórdia para com a humanidade permaneciam inalterados. Mesmo quando Ele destruiu a humanidade, Seu coração permaneceu inalterado. Quando a humanidade estava cheia de corrupção e seriamente desobediente a Deus, Ele teve de destruir essa humanidade, por causa de Seu caráter e Sua essência, e de acordo com Seus princípios. Mas, por causa da essência de Deus, mesmo assim Ele teve pena da humanidade e até quis usar várias maneiras de redimir a humanidade para que ela pudesse continuar a viver. Em vez disso, o homem se opôs a Deus, continuou a desobedecer a Ele e se recusou a aceitar Sua salvação, isto é, recusou-se a aceitar Suas boas intenções. Não importava como Deus o chamasse, o lembrasse, o suprisse, o ajudasse ou o tolerasse, o homem não compreendia nem apreciava, nem prestava atenção. Em Sua dor, Deus ainda não Se esquecia de dar ao homem Sua máxima tolerância, esperando que o homem voltasse. Depois de chegar ao Seu limite, Ele fez o que tinha de fazer sem hesitação alguma. Em outras palavras, houve um período específico de tempo e um processo desde o momento em que Deus planejou destruir a humanidade até o início oficial de Sua obra, ao destruir a humanidade. Esse processo existiu com o propósito de capacitar o homem a voltar, e foi a última chance que Deus deu ao homem. Então, o que Deus fez nesse período antes de destruir a humanidade? Deus executou uma quantidade significativa da obra de lembrar e exortar. Não importa quanta dor e tristeza havia no coração de Deus, Ele continuou exercendo Seu cuidado, Sua preocupação e Sua abundante misericórdia para com a humanidade. O que vemos com isso? Sem dúvida, vemos que o amor de Deus pela humanidade é real, e não algo apenas da boca para fora. É real, tangível e apreciável; não é fingido, adulterado, enganoso ou pretensioso. Deus nunca usa engano nem cria imagens falsas para fazer as pessoas verem que Ele é amável. Ele nunca usa falso testemunho para que as pessoas vejam a Sua amabilidade, ou para ostentar Sua amabilidade e santidade. Esses aspectos do caráter de Deus não são dignos do amor do homem? Não são dignos de adoração? Não são dignos de apreciação? A esta altura, quero lhes perguntar: depois de ouvir essas palavras, vocês acham que a grandeza de Deus são apenas palavras em uma folha de papel? A amabilidade de Deus são apenas palavras vazias? Não! Certamente não! A supremacia, a grandeza, a santidade, a tolerância, o amor de Deus e assim por diante — cada detalhe de cada um dos vários aspectos do caráter e da essência de Deus encontra expressão prática toda vez que Ele realiza Sua obra, é incorporado em Sua vontade para com o homem, e também cumprido e refletido em cada pessoa. Não importa se você sentiu isso antes ou não, Deus está cuidando de todas as pessoas, de todas as maneiras possíveis, usando Seu coração sincero, Sua sabedoria e vários métodos para aquecer o coração de cada pessoa e despertar o espírito de cada pessoa. Isso é um fato indiscutível.

Extraído de ‘A obra de Deus, o caráter de Deus e o Próprio Deus I’ em “A Palavra manifesta em carne”

No passado, algumas pessoas foram expulsas da igreja por fazerem coisas ruins, e seus irmãos e irmãs as rejeitaram. Após vagarem por aí por alguns anos, elas agora retornaram. O fato de não terem abandonado Deus totalmente é uma coisa boa; isso lhes dá uma oportunidade e uma esperança de serem salvas. Se tivessem fugido e parado de acreditar, tornando-se iguais aos incrédulos, elas estariam totalmente condenadas. Se conseguirem dar meia-volta, ainda existe esperança para elas; isso é raro e precioso. Independentemente de como Deus trata as pessoas, as odeia ou as detesta, se chegar um momento em que elas possam dar meia-volta, então Deus terá grande consolo; isso significará que as pessoas ainda têm um pouquinho de Deus em seu coração, não perderam completamente sua razão humana, não perderam completamente sua humanidade, ainda pretendem crer em Deus e têm alguma intenção de reconhecer e voltar a Deus. Não importa quem deixe a família de Deus, se ele retornar e essa família ainda estiver em seu coração, então Deus Se tornará um pouco apegado sentimentalmente e terá algum consolo. No entanto, se ele nunca voltar, Deus achará isso uma pena. Se ele puder voltar e começar a acreditar sinceramente em Deus, Seu coração ficará especialmente cheio de gratificação. Quando você foi embora, você certamente estava sendo bastante negativo e estava num estado ruim; mas se você consegue voltar agora, isso prova que você ainda tem fé em Deus. No entanto, é um fator desconhecido se você consegue ou não continuar adiante, pois as pessoas mudam tão rapidamente. Na Era da Graça, Jesus teve piedade e graça para com os humanos. Se uma ovelha, de cem, se perdesse, Ele deixaria as noventa e nove para procurá-la. Essas palavras não são um tipo de método mecânico, nem são uma regra; antes, mostram as intenções de Deus para com os seres humanos, Sua intenção urgente de salvá-los e Seu profundo amor por eles. Seu amor pela humanidade não é uma maneira de fazer as coisas; é um tipo de caráter, um tipo de mentalidade. Portanto, independentemente de quantas fraquezas e concepções errôneas as pessoas tenham, se acordarem, entenderem e derem meia-volta, Deus será especialmente consolado. Neste mundo de prazeres sensuais e nesta era do mal, ser capaz de permanecer firme, reconhecer a Deus e voltar à senda certa são coisas que trazem bastante conforto e são emocionantes. Tome, come exemplo, a criação de filhos: não importa se sejam filiais ou não, como você se sentiria se eles não reconhecessem você, saíssem de casa e nunca retornassem? Lá no fundo, você, ainda assim, continuaria se preocupando com eles e sempre se perguntaria: “Quando meu filho retornará? Gostaria de vê-lo. Afinal, ele é meu filho, e não foi por nada que eu o criei e amei”. Você sempre pensou assim; você sempre ansiou que esse dia chegasse. Todos sentem o mesmo em relação a isso. Hoje em dia, as pessoas são de estatura baixa, mas o dia virá em que entenderão a vontade de Deus, a não ser que não abriguem nem um pingo de desejo de acreditar e não admitam que Ele é Deus.

Extraído de ‘Pessoas que fazem exigências constantes a Deus são as menos razoáveis’ em “Registros das falas de Cristo”

Que noções existem dentro do seu coração que governam seu comportamento? Quando algo lhe acontece que não é do seu agrado, essas noções naturalmente aparecem e fazem você reclamar a Deus, argumentar e competir com Deus, e provocam uma rápida transformação em seu relacionamento com Deus: você subitamente passa de sentir que ama Deus e é fiel a Ele e de querer devotar sua vida toda a Ele, como fez no início, a não desejar ser fiel a Deus, não desejar cumprir seu dever, e você se arrepende de sua crença em Deus, você se arrepende de ter escolhido essa senda e até se queixa de ter sido escolhido por Deus. Que noções são capazes de subitamente causar uma mudança enorme em seu relacionamento com Deus? (Quando Deus arranja uma situação para me provar e eu sinto que há uma chance de que eu possa não ter resultado, eu formo noções sobre Deus. Sinto que, contanto que eu não abandone Deus em minha fé, Ele não me abandonará.) Esse é um tipo de noção. Vocês têm tais noções frequentemente? Qual é o seu entendimento de ser abandonado por Deus? Crer que, se Deus o abandona, Deus não o quer e não o salvará, é um tipo de noção. Então como tal noção ocorre? Ela vem de sua imaginação ou ela tem uma base? Como você sabe que Deus não lhe dá nenhum resultado? Deus o disse a você pessoalmente? Tais pensamentos foram delineados por você, certo? Agora você sabe que isso é uma noção; a questão-chave é como resolvê-la. A maneira mais simples é esta: já que você sabe que é uma noção, deve colocá-la de lado e buscar a verdade e ver o que Deus pede a você. Quando suas noções vão contra o que Deus pede e você percebe isso, mas ainda se apega a elas, então você não terá entrada alguma na vida; sua estatura é muito baixa. Além do mais, as pessoas são especialmente sensíveis em relação ao próprio fim e destino e em relação a ajustes em seu dever e a serem substituídas em seu dever. Algumas pessoas frequentemente chegam a uma conclusão errônea sobre tais coisas, pensando que, tão logo sejam substituídas em seu dever e não tenham mais status, ou Deus diga que não gosta mais delas ou não as quer mais, está tudo acabado para elas. Essa é a conclusão a que elas chegam. Elas acreditam que não faz sentido crer em Deus e acreditam que, já que o fim delas está gravado em pedra e elas não são desejadas por Deus, não há sentido em viver. Outras, ouvindo tais pensamentos, acham que são razoáveis e dignas — mas que tipo de mentalidade é essa, na verdade? É rebelião contra Deus, é derrotismo. Qual é a essência de seu derrotismo? É a ignorância de como Deus trata as pessoas. Deus sabe quando as pessoas se abandonam ao desespero? Como Deus trata tais pessoas? Algumas pessoas dizem: “Deus pagou preço tão alto pelo homem, Ele fez tanta obra em cada pessoa e exerceu tanto esforço; não é fácil para Deus escolher e salvar uma pessoa. Deus ficará tão magoado se essa pessoa se abandonar ao desespero e esperará a cada dia que ela possa se recuperar”. Esse é o significado em um nível superficial, mas, na verdade, é também uma noção do homem. Deus toma certa atitude em relação a tais pessoas: se você se abandonar ao desespero e não tentar seguir adiante, Ele diz que você pode ficar onde está se desejar; Ele não o pressionará. Se você diz: “Eu ainda desejo cumprir o dever de um ser criado, fazer tudo o que puder para praticar como Deus pede e satisfazer a vontade de Deus. Eu farei tudo o que estiver em meu poder e capacidade; não desistirei do que Deus pede a mim”, Deus diz que, se você estiver disposto a viver dessa forma, então continue a seguir, mas você deve fazer conforme Deus pede; os padrões e princípios das exigências de Deus não mudam. O que essas palavras significam? Elas significam que somente as pessoas podem abandonar a si mesmas; Deus nunca abandonaria alguém. Para qualquer pessoa que, no fim, for capaz de alcançar salvação contemplar a Deus, que cria um relacionamento normal com Deus e que pode vir para diante de Deus, isso não é algo que possa ser atingido após falhar ou ser podado e tratado uma única vez ou após ser julgado e castigado uma única vez. Antes de ser aperfeiçoado, Pedro foi refinado centenas de vezes. Daqueles que permanecem após servir até o fim, não haverá um que só tenha experimentado provações e refinamento oito ou dez vezes antes de conseguir chegar ao fim. Isso não é o amor de Deus? Essa é a atitude de Deus em relação ao homem.

Extraído de ‘Somente ao resolver suas noções alguém pode entrar na trilha certa da crença em Deus (1)’ em “Registros das falas de Cristo”

Por causa de uma palavra única de Deus, as pessoas muitas vezes pensam que Ele chegou a uma conclusão sobre elas, que Ele as abandonou — como resultado, elas relutam em continuar a seguir Deus e prosseguir. Na verdade, você não entende o que é o abandono; seu abandono de si mesmo é o verdadeiro abandono. Às vezes, as palavras com as quais Deus o define são faladas meramente em ira; Ele de forma alguma está chegando a uma conclusão sobre você nem o está condenando, muito menos essa é Sua punição final, e Ele não está determinando seu destino final. Estas nada mais são do que palavras que julgam e lidam com você. Elas falam das esperanças fervorosas de Deus para você, são palavras para relembrar e advertir você, e são palavras de dentro do coração de Deus. Porém, há alguns que caem e abandonam Deus como resultado dessas palavras de juízo. Há alguns que ficam fracos por um tempo e vêm diante de Deus e dizem: “Isso não vai dar certo. Tenho que fazer como Deus pede. Se as pessoas deixam o Criador, sua vida se torna indigna de ser vivida. Para viver o valor de um ser criado, devo continuar a seguir Deus”. Então como elas podem seguir Deus? Elas não devem seguir como seguiram anteriormente. Antes, elas não eram fiéis em seu dever. Elas não estavam dispostas a aceitar ser podadas e tratadas, e sempre se queixavam após sofrer um pouco de dificuldade. Você não deve mais trilhar essa senda, você deve andar de outro modo, você deve fazer como Deus pede, e, se Deus diz que você está errado, você não deve tirar qualquer conclusão usando suas noções e imaginações, e tentar se posicionar contra Deus; você deve se submeter e admitir que estava errado. Essa não é uma senda para a prática? As pessoas se desviam de Deus quando têm uma senda para a prática? Há vezes em que as pessoas creem que Deus as abandonou — mas, na verdade, Deus não abandonou você, Ele só o acha detestável e não deseja atentar para você. Contudo, Ele não o abandonou de fato. Há aqueles que fazem um esforço para cumprir seu dever na casa de Deus, mas por causa de sua substância e das várias coisas que são manifestas neles, Deus realmente os abandona; eles não foram escolhidos de fato, mas simplesmente prestaram serviço por um tempo. Há alguns, entretanto, a quem Deus faz o máximo para disciplinar, castigar e julgar; Ele emprega várias formas de tratá-los que contrariam as noções do homem. Algumas pessoas não entendem e acham que Deus está implicando com elas e sendo ofensivo. Elas acham que não há dignidade em viver diante de Deus, não desejam magoar mais a Deus e se encarregam de deixar Deus. Elas acham que a maneira com a qual vivem é sensata e então se encarregam de deixar Deus — mas, na verdade, Deus não as abandonou. Tais pessoas não têm indício algum da vontade de Deus. Elas são um tanto sensíveis demais, chegam a ponto de desistir da salvação de Deus. Elas realmente têm consciência? Há vezes em que Deus rejeita as pessoas, e vezes em que as coloca de lado por um tempo, para que possam refletir sobre si mesmas, mas Deus não as abandonou de fato; Ele está dando a elas a oportunidade de se arrependerem e não as está genuinamente abandonando. Deus só abandona de fato os anticristos e os perversos que cometem muitos atos malignos. Algumas pessoas dizem: “Eu me sinto destituído da obra do Espírito Santo, e há muito estou sem a iluminação do Espírito Santo. Deus me abandonou?”. Essa é uma concepção errada. Você diz que Deus o abandonou, que Ele não o salvará, então Ele determinou o seu fim? Há ocasiões em que você não consegue sentir a obra do Espírito Santo, mas Deus o privou do direito de ler Suas palavras? Você tem pensamento humano normal, e a senda para a salvação não está bloqueada para você, então por que se sente triste? As pessoas não estão em um bom estado, elas não buscam a verdade para resolvê-lo, em vez disso, sempre põem a culpa em Deus, dizendo: “Deus, Tu não me queres, então eu também não Te quero”. Isso é simplesmente ser desarrazoado.

Extraído de ‘Somente ao resolver suas noções alguém pode entrar na trilha certa da crença em Deus (1)’ em “Registros das falas de Cristo”

Eu não quero ver ninguém sentindo como se Deus o tivesse deixado ao relento, como se Deus o tivesse abandonado ou lhe dado as costas. Tudo que quero ver é todos na estrada para buscar a verdade e procurar entender Deus, avançando corajosamente com uma determinação inabalável, sem receios ou fardos. Não importa que erros você tenha cometido, não importa o quanto você tenha se desviado ou quão seriamente tenha transgredido, não permita que esses se tornem fardos ou excesso de bagagem que você tenha que levar consigo em sua busca para entender Deus. Continue marchando adiante. Em todos os momentos, Deus mantém a salvação do homem em Seu coração; isso nunca muda. Essa é a parte mais preciosa da essência de Deus.

Extraído de ‘O Próprio Deus, o Único VI’ em “A Palavra manifesta em carne”

Devermos determinar que, não importa quão sérias sejam as nossas circunstâncias, não importa que tipo de dificuldade nos acometa, não importa quão fracos ou negativos sejamos, não devemos perder a fé na mudança de caráter nem nas palavras faladas por Deus. Ele deu ao homem uma promessa, e o homem deve ter a determinação e a perseverança para receber essa promessa. Deus não gosta de covardes, Deus gosta de pessoas com determinação. Você pode ter revelado muita corrupção, você pode ter tomado muitas sendas tortuosas ou cometido muitas transgressões ou previamente desafiado a Deus; alternativamente, pode haver blasfêmia, ou queixas, ou desafio a Deus no coração de algumas pessoas — mas Deus não olha para essas coisas, Deus apenas olha para se, algum dia, elas mudarão. Na Bíblia, há uma história sobre o retorno do filho pródigo. Por que o Senhor Jesus conta tal parábola? A vontade de Deus de salvar a humanidade é sincera. Ele dá às pessoas oportunidades de arrependimento e oportunidades de mudança. Durante esse processo, Ele entende as pessoas e tem um profundo conhecimento de suas fraquezas e da extensão de sua corrupção. Ele sabe que elas tropeçarão e cairão. É como quando as crianças aprendem a andar: não importa quão forte seja o seu corpo, haverá momentos em que você tropeçará e momentos em que você será derrubado. Deus entende cada pessoa como uma mãe entende seu filho. Ele entende as dificuldades de cada pessoa, Ele entende as fraquezas de cada pessoa, e Ele entende, também, as necessidades de cada pessoa; Ele entende, ademais, quais problemas as pessoas encontrarão no processo de entrar na mudança de caráter, de que tipos de fraquezas elas padecerão, que tipos de fracassos ocorrerão — não há nada que Deus entende melhor. Assim Deus escrutiniza o mais profundo do coração do homem. Não importa quão fraco você seja, contanto que não abandone o nome de Deus, contanto que não deixe Deus e não se afaste desse caminho, você sempre terá a oportunidade de alcançar a mudança de caráter. Ter a oportunidade de alcançar uma mudança em nosso caráter significa que temos esperança de permanecer, e ter esperança de permanecer significa que temos esperança da salvação de Deus.

Extraído de ‘O que é uma mudança de caráter e a senda para uma mudança de caráter’ em “Registros das falas de Cristo”

Anterior: 164. Os princípios para conhecer a Deus

Próximo: 166. Os princípios para desfrutar a graça de Deus

Quando o desastre vem, como nós cristãos devemos lidar com ele? Convidamos você a participar da nossa reunião online, onde podemos explorar juntos e encontrar o caminho.
Venha conversar com a gente
Entre em contato conosco pelo Whatsapp

Configurações

  • Texto
  • Temas

Cores sólidas

Temas

Fonte

Tamanho da fonte

Espaçamento entre linhas

Espaçamento entre linhas

Largura da página

Sumário

Busca

  • Pesquise neste texto
  • Pesquise neste livro