Aplicativo da Igreja de Deus Todo-Poderoso

Ouça a voz de Deus e dê as boas vindas ao retorno do Senhor Jesus!

Convidamos a todos os buscadores da verdade que entrem em contato conosco.

Testemunhos de experiências diante do trono do julgamento de Cristo

Cores sólidas

Temas

Fonte

Tamanho da fonte

Espaçamento entre linhas

Largura da página

0 resultados

Nenhum resultado encontrado

Por que andei no caminho dos fariseus?

Suxing Província de Shanxi

Eu sou uma pessoa arrogante e orgulhosa e a posição é o meu calcanhar de Aquiles. Por muitos anos em minha fé eu não conseguia me libertar das amarras de manter uma reputação e uma posição. Fui promovida e substituída repetidas vezes, tive muitos contratempos na minha função e diversos percalços ao longo do caminho. Depois de muitos anos sendo lidada e refinada, senti que não levava a minha posição a sério. Eu não queria ser como antes, pensando que, enquanto fosse líder, poderia ser aperfeiçoada por Deus e que, se não fosse, não teria esperança. Eu entendi que, independente do dever que estava cumprindo, só precisava buscar a verdade e seria aperfeiçoada por Deus, perseguindo a reputação e a posição é o caminho do anticristo. Agora sinto que, apesar do dever que estou cumprindo, eu posso aceitar não ter uma posição. Esta é a lei do céu e da terra: que a criação cumpra o seu papel. Não importa onde você seja colocado, deve aceitar os arranjos de Deus. Quando a corrupção da fama e da posição é exposta, ela pode ser resolvida pela busca da verdade. Não importa o que eu encontre enquanto cumpro o meu dever, contanto que entenda a verdade, estarei disposta a pagar o preço. Por causa disso, pensei que já havia percorrido o caminho da busca pela verdade. Pensei que tivesse recuperado a humanidade e a razão. Deus sonda o coração e examina a mente. Ele sabia que eu era impura na minha busca pela verdade, e que não estava de fato andando nesse caminho. Deus sabia qual método usar para me purificar e salvar.

No final de junho de 2013, o líder local foi substituído. Depois disso, os irmãos e irmãs me escolheram para ser a nova líder. A família de Deus permitiu-me levantar e realizar a obra. Quando ouvi que estaria assumindo uma responsabilidade tão grande, senti que não tinha a realidade da verdade e que não seria capaz de realizar a obra. O escopo era tão grande e havia tantos irmãos e irmãs. Como eu poderia liderá-los? Havia tantas pessoas que tinham mais qualidades internas do que eu e que foram substituídas. Como eu poderia fazer melhor? Isto não irá me expor? Eu não estava disposta a passar pelos altos e baixos. Enquanto pudesse cumprir os meus deveres, faria o meu melhor onde quer que o trabalho fosse necessário. Sendo assim, eu recusei na hora: “Não, eu não sou competente para este trabalho…” Encontrei todos os tipos de razões e desculpas. Acreditava plenamente que estava sendo racional ao fazer isto e que era a verdade. Mais tarde, pude reconhecer através da comunhão dos meus irmãos e irmãs que eu guardava o veneno do grande dragão vermelho dentro de mim, isto é, “quanto mais alto, maior a queda” e “estar no topo é solitário”. Eu não queria ser atormentada por ter uma posição novamente. Mesmo sabendo a razão da remoção daquelas pessoas, elas não buscavam a verdade, suas naturezas eram muito más e praticavam todo tipo de mal, no fundo da minha mente, acreditava que, se eu não fosse uma grande líder, não haveria oportunidades para fazer o mal. Eu estava protegendo a mim mesma. Então pensei que, por causa da minha fé e pregação do evangelho, eu estava sendo perseguida pelo Partido Comunista Chinês e não poderia voltar para casa. Eu não tinha saída. Se eu me tornasse uma grande líder, acabasse ofendendo o caráter de Deus e fosse expulsa porque não tinha a verdade, eu não conseguiria continuar vivendo. Porque eu estava presa por estas noções e venenos, vivia na escuridão e no tormento. Em minha dor, fui forçada a clamar a Deus: “Ó Deus, ao encarar esta responsabilidade, eu sei que Tu me exaltaste. Eu sei que recusar esta responsabilidade é trair a Ti. Mas agora, estou vivendo limitada pelo veneno de Satanás e sou incapaz de me livrar disto. Eu tenho muito medo de assumir esta grande responsabilidade, tenho medo de que a minha natureza seja perigosa, de que eu não tenha a verdade e de que serei punida por fazer um grande mal. Ó Deus, estou sofrendo e muito desnorteada. Eu não sei como me submeter a Ti. Eu Te peço que me ajudes e me salves.” Durante a minha oração, Deus iluminou-me a pensar numa passagem das palavras de Deus: “E o conhecimento que vocês têm sobre Mim não se limita a esses mal-entendidos; ainda pior é a sua blasfêmia contra o Espírito de Deus e o seu aviltamento do Céu. Essa é a razão de Eu dizer que tal tipo de fé como a de vocês apenas os levará a afastar-se ainda mais de Mim e a intensificar sua oposição a Mim. Durante muitos anos de trabalho, vocês viram muitas verdades, mas vocês sabem o que Meus ouvidos captaram? Quantos de vocês estão dispostos a aceitar a verdade? Todos vocês acreditam que estão dispostos a pagar o preço da verdade, mas quantos realmente sofreram pela verdade? Tudo o que existe no coração de vocês é iniquidade e, em consequência, creem que qualquer um, não interessa quem seja, é enganador e desonesto” (de ‘Como conhecer o Deus na Terra’ em “A Palavra manifesta em carne”). As palavras julgadoras de Deus transformaram minha perplexidade e dor em medo e tremor. Em particular, “blasfêmia contra o Espírito de Deus”, “aviltamento do Céu”, e “Tudo o que existe no coração de vocês é iniquidade”, essas palavras eram como uma espada perfurando o meu coração, fazendo-me sentir a justiça, a majestade e a ira do caráter de Deus. Eu vi que a minha situação atual estava realmente resistindo a Deus, blasfemando contra Ele e que isso era muito grave! Por causa disso, o meu coração rebelde pôde retornar e me prostrei diante de Deus para me submeter a Ele. Eu examinei o que foi exposto de mim mesma. Não sei quantas vezes experimentei o juízo e o castigo de Deus ao longo dos anos, mas eu não só não conhecia o amor e a salvação de Deus, na verdade, não O compreendia e me precavia contra Ele, tornando ainda pior. Eu culpava a Deus por tudo que era injusto, como se a obra Dele fosse muito incômoda para o homem. Depois de muitos anos experimentando a obra de Deus, o meu relacionamento com Ele não se tornou mais próximo ou regular, em vez disso, eu estava distanciando-me ainda mais Dele. Havia um grande abismo entre mim e Deus, que eu não poderia atravessar. É isto que colhi depois de todos estes anos? Neste momento, pude reconhecer que a minha natureza egoísta e deplorável estava me levando a trair a minha consciência. Eu havia esquecido o preço que Deus pagou por mim. Eu esqueci a Sua salvação e o Seu cultivo para mim. Neste momento, orei a Deus novamente: “Ó Deus, eu não viverei mais pelo veneno de Satanás, não ferirei o Teu coração novamente. Estou disposta a aceitar o Teu juízo e o Teu castigo e abandonar os meus pontos de vista errados.” Assim, li o sermão publicado em 15 de junho de 2013 do alto: “Todo aquele que não ama a Deus está no caminho do anticristo e acabará sendo exposto e eliminado. A obra de Deus dos últimos dias é salvar e aperfeiçoar os indivíduos e toda pessoa má que não é salva será exposta e eliminada. Portanto, cada um seguirá a sua própria espécie. Por que tantas pessoas são expostas praticando o mal com a sua posição e poder? Não é porque a posição delas os prejudica. O problema fundamental é a essência da natureza do homem. Uma posição pode certamente expor as pessoas, mas se uma pessoa de bom coração tem uma função elevada, ela não cometerá várias maldades. Algumas pessoas não cometerão o mal. Quando elas não têm uma posição elas parecem boas pessoas superficialmente, mas uma vez que obtiverem uma posição, farão todo tipo de maldade” (da comunhão do alto). Através desta comunhão, pude ver quão absurdas e ridículas eram as noções que existiam em meu coração. A possibilidade de todo mundo ser ou não capaz de trilhar o caminho da busca da verdade, não se baseia em ter ou não posição, e a função não dificulta o caminho da busca da verdade. A chave está em saber se a natureza do homem gosta ou não da verdade e se o homem ama ou não a Deus. Eu pensei que, por causa dos meus muitos anos de “fortalecimento próprio”, eu levaria a minha posição de modo mais leve e seria como a relva que não procura se tornar uma grande árvore, sendo honesta na busca da verdade e no cumprimento dos meus deveres. Eu não estaria como antes, sentindo dor, fraqueza, negatividade e desespero quando via a família de Deus promovendo outras pessoas em vez de mim. Por causa dessas expressões, acreditei que o meu caráter havia sido transformado e que já estava trilhando o caminho de Pedro. Hoje, à luz dos fatos e da verdade, pude ver claramente o meu verdadeiro eu: eu não estava de fato deixando a minha posição, mas sendo mais esperta e astuta. Depois de lidar com isto muitas vezes, eu não estava dando o meu coração a Deus e buscando amá-Lo honestamente. Em vez disso, eu me preservava. Sempre tive perspectivas futuras pesando em minha mente. Eu havia plantado a noção absurda em meu coração de que “posições altas não são seguras”. Como eu estava demostrando amor a Deus e trilhando o caminho de Pedro?

Em relação às minhas visões errôneas, eu li: “Os princípios de determinar seu dever e lugar”, bem como “Os princípios de despender por Deus” em “Prática e exercícios para o comportamento íntegro”. Entre estes princípios estavam as palavras da oração de Pedro: “Tu sabes o que eu posso fazer, e Tu sabes mais ainda o papel que eu posso exercer. A Tua vontade é o meu mandamento e eu dedicarei tudo que tenho para Ti. Só Tu sabes o que eu posso fazer para Ti. Apesar de Satanás ter me enganado tanto e de eu ter me rebelado contra Ti, creio que Tu não Te lembras de mim por causa daquelas transgressões, que Tu não me tratas com base nelas. Desejo dedicar minha vida inteira a Ti. Não peço nada nem tenho outras esperanças ou planos; eu somente desejo agir de acordo com a Tua intenção e fazer a Tua vontade. Beberei do Teu cálice amargo e estou ao Teu inteiro dispor” (de ‘Como Pedro chegou a conhecer Jesus’ em “A Palavra manifesta em carne”). “Não há correlação entre o dever do homem e se ele é abençoado ou amaldiçoado. O dever é o que o homem deve cumprir; é seu dever obrigatório e não deve depender de recompensas, condições ou razões. Só então é que ele está fazendo o seu dever. Um homem que é abençoado goza de bondade ao ser aperfeiçoado após o julgamento. Um homem que é amaldiçoado recebe punição quando seu caráter permanece inalterado depois do castigo e do julgamento, ou seja, ele não foi aperfeiçoado. Como um ser criado, o homem deve cumprir seu dever, fazer o que deve fazer e fazer o que for capaz de fazer, independentemente de ser abençoado ou amaldiçoado. Essa é a condição básica do homem, como alguém que busca a Deus. Você não deve fazer o seu dever apenas para ser abençoado, e você não deve se recusar a agir por medo de ser amaldiçoado. Deixe-Me dizer-lhes uma coisa: se o homem é capaz de cumprir o seu dever, isso significa que ele realiza o que deve fazer. Se o homem é incapaz de cumprir seu dever, isso mostra a rebeldia do homem” (de ‘A diferença entre o ministério do Deus encarnado e o dever do homem’ em “A Palavra manifesta em carne”). Das palavras de Deus, pode-se ver que Pedro procurou verdadeiramente ser capaz de amá-Lo durante toda a sua vida e que ele obedeceu aos arranjos de Deus em tudo. Ele não fez suas próprias escolhas ou exigências. Não importa como Deus organizava as coisas, ele sempre se submetia. Finalmente, ele cumpriu o seu dever de criatura e deu a Deus a sua vida e o seu extremo amor. A razão pela qual Pedro teve sucesso em sua crença em Deus não foi por causa do dever que ele cumpriu. Com base em minha própria perspectiva, Pedro era o apóstolo primário dentre os doze e ocupava uma posição tão alta que era fácil para ele cometer o mal, e ele tendia a ser exposto e eliminado. Mas Pedro escolheu a senda certa e o Senhor Jesus deu a ele a grande comissão de pastorear as igrejas. Ele não estava trabalhando em sua posição como apóstolo, ele era obscuro, desconhecido, diligente e consciencioso no cumprimento de seus deveres como criatura, para amar verdadeiramente a Deus e se submeter a Ele. Pedro obteve a satisfação de Deus fazendo o seu melhor no cumprimento dos seus deveres. Este foi o segredo do seu sucesso. Depois e de me comparar com a oração de Pedro, o juízo e o castigo da palavra de Deus, senti muita vergonha. A palavra de Deus atingiu o meu coração e me permitiu ver que eu era insubmissa e estava em oposição a Deus. Ao acreditar em Deus, sempre mantive as minhas próprias esperanças e planos. Eu estive ocupada todos estes anos, correndo em busca de um destino final para as minhas perspectivas futuras, para a fama, o lucro e a posição. Quando eu cumpria apenas alguns dos meus deveres, tentava fazer um acordo com Deus, para que Ele colocasse Seu selo de aprovação e garantisse a minha salvação. As minhas exigências em relação a Deus revelam que a natureza de Satanás em mim era egoísta, deplorável e maligna demais. Eu não tinha o menor grau de razão e consciência do que a criação deveria ter. Rejeitei a comissão por causa da minha natureza traiçoeira. Rejeitei o chamado de Deus para me preservar. Usei um argumento absurdo e procurei desculpas. Argumentei com Deus. Fui insensata. Neste momento, li a palavra de Deus: “Se o homem é capaz de cumprir o seu dever, isso significa que ele realiza o que deve fazer. Se o homem é incapaz de cumprir seu dever, isso mostra a rebeldia do homem”. A minha consciência sentiu uma culpa profunda, pensei em como tudo o que eu tinha foi dado por Deus e tudo o que eu era capaz de fazer, tudo o que eu experimentava, Ele havia organizado. Repetidas vezes, o juízo e o castigo de Deus desceram sobre mim para recuperar a minha razão e consciência e fazer com que eu fosse verdadeiramente capaz de cumprir os meus deveres como uma criatura. Independentemente do que Deus exigisse de mim, eu deveria ter me oferecido e retribuído o Seu amor. Caso contrário, seria traição e eu deveria ser punida! Hoje, a questão não é se a comissão de Deus foi organizada por alguém, mas sim, se Ele está testando o caminho por onde trilhei por todos estes anos e o que busquei depois de todos esse tempo. Hoje, não tenho a realidade da verdade e sou pequena em estatura. Deus não me deu esta responsabilidade porque eu sou atualmente competente, mas para permitir que eu melhore a busca pela verdade e aceite o treinamento. Isto me força a me oferecer completamente a Deus e a entrar na realidade de amá-Lo com todo o meu coração, alma, força e mente. No passado, eu vivia com noções absurdas. Eu acreditava que tinha acertado as minhas funções e posição. Enquanto cumpria os meus deveres com esta atitude e experiência, eu não recebia muito refinamento ou muita pressão. No entanto, isto revelou o meu caráter depravado, através da minha complacência e satisfação com a minha situação atual. Revelou as minhas visões egoístas e deploráveis: eu procurava cumprir os meus deveres com uma crença em Deus, sem fazer o máximo para satisfazê-Lo e amá-Lo. Nesta época, consegui encontrar-me: depois de todos estes anos, achei que já andava no caminho de Pedro na busca da verdade. Mas hoje, os fatos revelam que atribuí maior importância às minhas perspectivas futuras. Eu não tinha o menor grau de amor por Deus e não estava disposta a suportar um fardo pesado ou oferecer todo o meu ser para Ele. Como isto estava de acordo com o que Pedro estava procurando?

Na minha busca, li as palavras de Deus: “Como criatura de Deus, o homem deve procurar cumprir o dever de uma criatura de Deus e buscar amar a Deus sem fazer outras escolhas, pois Deus merece o amor do homem. Os homens que procuram amar a Deus não devem buscar quaisquer benefícios pessoais nem aquilo que pessoalmente anseiam; este é o meio de busca mais correto. Se o que você busca é a verdade, o que põe em prática é a verdade e o que obtém é uma mudança em seu caráter, então a senda que você trilha é a correta. Se o que você busca são as bênçãos da carne, o que põe em prática é a verdade de suas próprias concepções e se não há mudança alguma em seu caráter, se você não é nada obediente a Deus na carne e ainda vive na incerteza, o que você busca seguramente o levará ao inferno, pois a sua senda é a senda do fracasso. Ser tornado perfeito ou eliminado depende da sua própria busca, o que também é dizer que o sucesso ou o fracasso depende da senda percorrida pelo homem” (de ‘O sucesso ou o fracasso dependem da senda que o homem percorre’ em “A Palavra manifesta em carne”). A palavra de Deus é a verdade, o caminho e a vida e, neste momento, eu comparei a minha situação real com duas passagens da Sua palavra. Percebi que a palavra de Deus já havia revelado o caminho de Pedro para o sucesso, bem como a expressão do caminho para o sucesso. O caminho de Pedro não se referia a não buscar posição ou selecionar e escolher deveres. Não se tratava apenas de ser conquistado em aspectos negativos, mas, o mais importante, referia-se de modo positivo à busca de amar a Deus e cumprir o seu dever de criatura. Além disso, andar no caminho correto trará muitos resultados positivos e reais, tais como conhecer melhor a Deus, ser cada vez mais submisso à busca da verdade e colocá-la em prática, e não ter mais suas próprias exigências, esperanças e impurezas. Seu caráter será transformado e, o mais importante, as pessoas entrarão melhor na verdade e terão um amor cada vez mais verdadeiro por Ele, de modo que se ofereçam por completo, sem outros pedidos, e sejam diligentes no amor a Ele durante toda a vida. Eu pensei que andava no caminho certo e que já havia entrado na realidade de parte da verdade. Mas, nos fatos revelados, onde estava a minha expressão de obtenção da verdade e transformação o meu caráter? Onde estava a minha expressão de amar verdadeiramente a Deus? Se, de fato, eu tivesse entrado, seria capaz de ser testada. Independente dos arranjos de Deus, eu poderia me submeter. Se eu tivesse realmente entrado, enxergaria através da substância da natureza de Satanás em mim e veria, de fato, a salvação de Deus. Eu estaria mais disposta a me oferecer a Deus e retribuir o Seu amor. Com estes fatos e com o juízo e o castigo da palavra de Deus, pude ver que estava andando no caminho errado. Não estava trilhando o caminho do cumprimento dos meus deveres, como uma criação, nem buscando amar a Deus. Pelo contrário, eu estava buscando os meus próprios interesses e esperanças pessoais. Eu trilhava a senda de enganar a Deus ao ser forçada a seguir e pagar um preço limitado, para me preservar e garantir que teria um destino final. Eu sempre busquei os prazeres da carne. A fim de satisfazer confortos temporários, eu não estava disposta a aceitar o juízo e o castigo de Deus e obter a verdade. Não estava disposta a amá-Lo, oferecer tudo a Ele ou gastar tudo de mim por meio do Seu juízo, castigo, provações e refinamento. A visão do fundo do meu coração era: buscarei simplesmente cumprir os deveres pacificamente, não ofender o caráter de Deus. No final, obterei um bom destino e isso será o suficiente. A palavra de Deus mostra, repetidas vezes, que a raiz do fracasso de Paulo está em suas transações com Deus. Ele trabalhou para a sua futura recompensa e coroa e não demonstrava submissão e amor pelo Senhor da criação. Em última análise, isto resultou em sua reprovação e no recebimento da punição de Deus. A palavra de Deus nos adverte claramente: “[…] aqueles que trabalham pelo seu destino sofrerão sua derrota final, pois os fracassos na crença das pessoas em Deus acontecem por causa do engano” (de ‘Sobre o destino’ em “A Palavra manifesta em carne”). Este tipo de investimento não é feito com sinceridade, mas tem uma aparência falsa e enganosa. Eu fui teimosa e evitei o juízo das palavras de Deus, seguindo o meu próprio caminho. Dominada pela minha natureza, sempre andei pelo caminho seguindo pessoas que falharam. Quando a obra da salvação de Deus veio sobre mim, fui incapaz de distinguir o bem do mal e estava mordendo a mão que me alimentava. Tudo dava a Deus apenas equívocos, resistência e traição. Neste momento, pude ver claramente o quão egoísta e deplorável a minha natureza era. Eu acreditei em Deus todos esses anos e desfrutei de Sua presença, mas ainda tramava contra Ele. Eu tentava constantemente barganhar com Deus. Eu não tinha o menor amor por Deus em meu coração. Essa é, de modo preciso, a razão pela qual eu estava trilhando o caminho errado e o que Deus estava tentando dizer: “Porque o homem não é bom em devotar-se integralmente a Deus, porque o homem não está disposto a cumprir o seu dever para com o Criador, porque o homem viu a verdade, mas a evita e segue pela sua própria senda, porque o homem sempre busca seguindo a senda daqueles que fracassaram, porque o homem sempre desafia o Céu, portanto, o homem sempre fracassa, sempre é ludibriado pelas trapaças de Satanás e é enredado em sua própria rede” (de ‘O sucesso ou o fracasso dependem da senda que o homem percorre’ em “A Palavra manifesta em carne”).

Depois, li a comunhão do alto, que dizia: “Há pessoas que, inevitavelmente, têm essas apreensões: ‘Estou cumprindo o meu dever, mas tenho medo de trilhar o caminho do anticristo; tenho medo de fazer algo errado e resistir a Deus.’ Existem muitas pessoas com esse tipo de apreensão? Especialmente aquelas que servem como trabalhadores e líderes, pois elas tem visto que alguém que buscava com muita diligência tinha dons e uma boa mente, mas acabou caindo. Tal pessoa pregava bem, mas, no final, também caiu inesperadamente. Por isso, elas dizem: ‘Se eu fizer essas coisas, eu acabarei como ela e também falharei?’ Se você fosse alguém que ama a Deus, você ainda temeria essas coisas? Se você tivesse amor verdadeiro por Deus, você ainda seria controlado por suas apreensões? As pessoas que amam a Deus sempre consideram a vontade Dele e não farão a coisa errada. […] Se você tiver discernimento verdadeiro sobre o que é andar na senda do anticristo e o que é trilhar a senda de buscar a verdade e de ser aperfeiçoado, então, por que tem tanto medo de seguir a senda do anticristo? Esse medo não prova que você ainda quer andar por ela e que não está disposto a abandonar a senda errada? Não é este o problema?” (de ‘Como buscar amar a Deus e testemunhá-Lo’ em “Sermões e comunhão sobre a entrada na vida IX”). Pela divulgação da comunhão do alto, pude ver de forma mais clara que as pessoas que não amam a Deus, estão no caminho do anticristo, que as pessoas não amarem a Deus é a fonte do fracasso. Também vi, de modo mais claro, as razões e desculpas de Satanás escondidas dentro de mim. Enxerguei através dos truques dele. Notei que eu não estava disposta a aceitar maiores responsabilidades, tinha medo de percorrer o caminho do fracasso revelado, que a minha natureza era egoísta, deplorável e má. A comunhão revelou que eu amava muito a mim mesma e a Satanás e que eu não desprezava o caminho do anticristo, o qual buscava posição e fama, bem como a perspectiva e o destino futuros. Eu não valorizava a verdade ou tinha o menor amor por Deus. Também fui capaz de entender de fato o que foi dito sobre as pessoas que acreditavam em Deus por muitos anos e mesmo assim não O amavam: elas não tinham a natureza humana. É possível dizer que todas elas têm naturezas malignas e são egoístas, deploráveis e más. Então, eu tive um verdadeiro conhecimento da substância da minha própria natureza. Isso também fez com que eu revertesse os meus pontos de vista errôneos, fosse libertada e encontrasse a direção correta e o caminho de prática, para não mais viver de modo egoísta e deplorável. Tudo é arranjado por Deus e eu só preciso buscar a verdade e praticar o amor por Ele, enquanto cumpro os meus deveres.

Louvo a Deus por seu juízo e seu castigo, que transformaram o propósito da minha busca e me trouxeram de volta do caminho do erro. Isto também me permitiu reconhecer verdadeiramente a substância da natureza de Satanás que estava em mim e encontrar a fonte do meu fracasso. Eu acreditei em Deus por todos esses anos e nunca O amei. Senti vergonha e remorso. De fato, eu decepcionei a Deus e O magoei demais. O meu coração anseia por desenvolver um amor verdadeiro por Ele. Pedro foi aperfeiçoado, porque realmente amava a Deus e porque tinha a vontade e a perseverança para buscar a verdade. Embora eu esteja longe disso, não viverei mais de modo tão vil e repulsivo para me preservar. Estou disposta a fazer do amor a Deus o meu propósito, não pouparei esforços e pagarei o preço no cumprimento dos meus deveres. Eu suportarei os fardos das minhas responsabilidades e colocarei a verdade em prática no cumprimento dos meus deveres e entrarei na realidade de amar a Deus.

Anterior:A filosofia satânica é enganadora e nociva

Próximo:Entender o coração de Deus pode eliminar concepções erradas

Conteúdo Relacionado