2. Quais noções o homem nutre sobre Deus e a obra de Deus?

Palavras de Deus relevantes:

Todos os homens desejam ver o verdadeiro semblante de Jesus e todos almejam estar com Ele. Não acho que algum irmão ou irmã diria que não quer ver Jesus ou estar com Jesus. Antes de ver Jesus — antes de ver o Deus encarnado — é provável que vocês nutram ideias de todos os tipos, como, por exemplo, sobre a aparência de Jesus, Sua maneira de falar, Seu estilo de vida e assim por diante. Mas, quando vocês realmente O virem, suas ideias irão mudar rapidamente. Por quê? Vocês querem saber? O pensamento do homem não pode ser ignorado, é verdade — mas mais do que isso, a substância de Cristo não tolera alteração pelo homem. Vocês acham Cristo um imortal ou um sábio, mas ninguém O considera um homem normal apossado de substância divina. Assim sendo, muitos daqueles que anseiam dia e noite por ver Deus são, na verdade, inimigos de Deus e incompatíveis com Ele. Isso não seria um erro por parte do homem? Até mesmo agora, vocês ainda pensam que sua fé e lealdade são suficientes para torná-los dignos de contemplar o semblante de Cristo, mas exorto-os a se equiparem com mais coisas que sejam práticas! Pois, no passado, no presente e no futuro, muitos daqueles que têm contato com Cristo fracassaram ou fracassarão; todos eles desempenham o papel de fariseus. Qual é a razão do fracasso de vocês? É precisamente porque, em suas concepções, há um Deus grandioso e merecedor de admiração. Mas a verdade não é como o homem deseja. Cristo não só não é grandioso, como também é particularmente pequeno; Ele não só é um homem, mas também é um homem comum; não só Ele não pode ascender ao céu, mas também não pode sequer Se movimentar livremente na terra. E, assim sendo, as pessoas O tratam como tratariam um homem comum; elas O tratam casualmente quando estão com Ele e falam com Ele displicentemente, ao mesmo tempo em que ainda esperam pela vinda do “Cristo verdadeiro”. Vocês consideram o Cristo que já veio como um homem comum e as Suas palavras como aquelas de um homem comum. Por essa razão, vocês não receberam nada de Cristo e, em vez disso, expuseram completamente a sua fealdade à luz.

Extraído de ‘Aqueles que são incompatíveis com Cristo certamente são oponentes de Deus’ em “A Palavra manifesta em carne”

Durante muitos anos de trabalho, vocês viram muitas verdades, mas vocês sabem o que Meus ouvidos captaram? Quantos de vocês estão dispostos a aceitar a verdade? Todos vocês acreditam que estão dispostos a pagar o preço da verdade, mas quantos realmente sofreram pela verdade? Tudo o que existe no coração de vocês é iniquidade e, em consequência, creem que qualquer um, não interessa quem seja, é enganador e desonesto — a ponto de acreditarem que o Deus encarnado, como um homem normal, seria desprovido de um coração gentil e de amor benevolente. E mais, vocês creem que um caráter nobre e uma natureza misericordiosa e benevolente só existem dentro do Deus no céu. Vocês acreditam que um santo assim não existe, que só as trevas e o mal reinam na terra, ao passo que Deus é algo em que o ser humano deposita seu anseio pelo bem e o belo, uma figura lendária fabricada por ele. Na mente de vocês, o Deus no céu é muito correto, justo e grandioso, digno de culto e admiração; este Deus na terra não passa de um substituto e um instrumento do Deus no céu. Vocês acreditam que este Deus não pode ser equivalente ao Deus no céu, menos ainda ser mencionado no mesmo fôlego com Ele. Quando se trata da grandiosidade e da honra de Deus, estas pertencem à glória do Deus no céu, mas quando se trata da natureza e da degeneração do ser humano, estas são atributos nos quais o Deus na terra tem parte. O Deus no céu é para sempre imponente, ao passo que o Deus na terra é para sempre insignificante, fraco e incompetente. O Deus no céu não é dado à emoção, unicamente à justiça, ao passo que o Deus na terra só tem motivações egoístas e é desprovido de toda equidade ou razão. O Deus no céu não tem a mais leve desonestidade e é para sempre confiável, ao passo que o Deus na terra sempre tem um lado desonesto. O Deus no céu ama muito o homem, ao passo que o Deus na terra mostra ao homem um cuidado inadequado, até negligenciando-o inteiramente. Por muito tempo, esse conhecimento errôneo ficou guardado no coração de vocês, e pode também se perpetuar no futuro. Vocês consideram todos os feitos de Cristo do ponto de vista do injusto e avaliam toda a Sua obra, bem como Sua identidade e substância, da perspectiva do perverso. Vocês cometeram um erro grave e fizeram o que nunca tinha sido feito por aqueles que vieram antes de vocês. Ou seja, vocês só servem ao imponente Deus no céu que tem uma coroa na cabeça e nunca dão atenção ao Deus que consideram tão insignificante que chega a ser invisível para vocês. Esse não é o pecado de vocês? Isso não é um exemplo clássico da sua ofensa ao caráter de Deus? Vocês cultuam o Deus no céu. Vocês adoram imagens imponentes e apreciam os que se distinguem por sua eloquência. Vocês se deixam comandar alegremente pelo Deus que enche suas mãos de riquezas e anseiam pelo Deus que pode satisfazer cada um dos seus desejos. O Único ao qual você não presta culto é este Deus que não é imponente; a única coisa que você odeia é ser associado com este Deus que ninguém pode ter em alta conta. A única coisa que você não está disposto a fazer é servir a este Deus que nunca lhe deu um centavo sequer, e o Único que é incapaz de fazer você suspirar por Ele é este Deus desagradável. Esse tipo de Deus não poderá capacitá-lo a ampliar seus horizontes, fazê-lo sentir-se como se tivesse achado um tesouro, muito menos satisfazer sua vontade. Por que, então, você O segue? Você já parou para pensar em perguntas como essa? O que você está fazendo não ofende apenas este Cristo; mais importante ainda, ofende também o Deus no céu. Penso que não é esse o propósito da fé que vocês têm em Deus!

Extraído de ‘Como conhecer o Deus na terra’ em “A Palavra manifesta em carne”

Algumas pessoas dizem: “Não posso aceitar quando Cristo diz que sou ruim. Eu só aceitaria se o Deus no Céu dissesse que há algo de ruim em mim. O Deus encarnado tem humanidade normal; Seus juízos podem errar com frequência, e muito daquilo que Ele faz não é 100% correto. Há algumas perguntas referentes a se Ele poderia estar errado em Sua avaliação e condenação das pessoas ou em como Ele faz arranjos para elas. Portanto, não tenho medo daquilo que Cristo — Deus na Terra — diz sobre mim, pois Ele não pode me condenar nem determinar meu fim”. Tais pessoas existem? Certamente existem! Quando lido com elas, elas dizem: “O Deus no Céu é justo!” Quando trato delas, elas dizem: “Acredito em Deus, não em uma pessoa qualquer!” Usam essas palavras para Me rejeitar. E o que são essas palavras? São uma negação de Deus e Cristo. O que significam é: “Isso não cabe a Ti, mas ao Deus no Céu”. Em suas noções e em seu entendimento de Deus, essas pessoas nunca perceberão a conexão entre o Cristo encarnado e o Deus no Céu — qual é a relação entre a carne e o Espírito no Céu. Aos seus olhos, essa pequena pessoa na Terra sempre será apenas uma pessoa, e não importa quantas verdades essa pessoa expresse, quantos sermões faça, Ele continua sendo um humano; mesmo que torne algumas pessoas completas e lhes traga salvação, Ele ainda estará na Terra, ainda será uma pessoas, incapaz de transcender o Deus no Céu. Assim, essas pessoas acreditam que fé em Deus deve ser fé em Deus no Céu; para elas, somente fé no Deus no Céu é fé verdadeira em Deus. Acreditam como querem. Acreditam naquilo que as deixa felizes, e Deus é o que elas imaginam que Ele é. Também seguem suas próprias imaginações quando se trata do Cristo encarnado: “Se esse Deus na Terra fosse um pouco mais legal comigo, se Ele me agradasse mais, eu O respeitaria e O amaria. Se Ele não for bom para comigo, se Ele tiver um problema comigo, se Ele tiver uma atitude ruim em relação a mim e sempre me podar e lidar comigo, então Ele não é o meu Deus; escolho acreditar no Deus no Céu”. As pessoas com essa atitude não estão na minoria. Elas incluem também vocês, pois já conheci tais pessoas. Quando tudo está bem, elas são bem legais Comigo e atentas ao seu serviço, mas assim que lido com elas, elas se voltam contra Mim. Assim, quando estão sendo boas com Deus, elas realmente acreditam que isso é Deus e Cristo? Não: o que estão avaliando é a identidade e o status de Deus, cada movimento delas nada mais é do que bajular o status e a identidade de Deus. Em sua mente, o Deus invisível no Céu em que acreditam sempre será o Deus verdadeiro; não importa quantas verdades esse Deus na Terra expresse, quão edificante e benéfico Ele seja para o homem, o mero fato de Ele viver em meio à humanidade normal e de ter um corpo carnal significa que, independentemente de como elas O bajulem, sirvam e respeitem, em seu coração, essas pessoas ainda acreditam que o Deus no Céu é o único Deus verdadeiro. O que você acha desse ponto de vista? É justo dizer que tal opinião existe no fundo do coração de muitas pessoas, que está enterrada no fundo de seu subconsciente. Ao mesmo tempo em que aceitam a provisão de Cristo e todos os sermões pregados por Cristo e todas as palavras ditas por Ele, elas também estudam, questionam e observam Cristo — ao mesmo tempo em que também anseiam pelo momento em que o Deus justo no Céu vem para julgar tudo que fizeram. E por que desejam que o Deus no Céu as julgue? Porque suas noções e imaginações soltam a rédea de seu desejo de que o Deus no Céu — o Deus da sua imaginação — Se comportará em relação a elas como desejam, enquanto o Deus na Terra não fará isso; o Deus na Terra só fala a verdade, fala as palavras de Deus e fala sobre como se comportar com as pessoas e lidar com elas de acordo com o princípio. Pensam: “O amor do Deus no Céu pelo homem é altruísta, incondicional e sem limites, mas, assim que você diz ou faz algo e o Deus na Terra descobre, Ele usa você como material de ensino em Seus sermões e começa a dissecar você — assim as pessoas precisam ter cuidado com Ele, devem ficar escondidas Dele, e não podem deixar que Ele saiba quando algo está acontecendo”. O que vocês dizem, Eu não sou capaz de dissecar as coisas que vocês tentam esconder de Mim? Não preciso dissecar suas ações; Eu disseco seus caracteres e seus estados e não preciso confiar naquelas coisas para falar a verdade, fazer sermões e fazer com que as pessoas entendam a verdade. Aos olhos de alguns incrédulos, esta carne, este Deus, não está ciente de nada que Ele não vê com Seus próprios olhos, nem mesmo daquilo que envolve a verdade. Isso significa, Ele não conhece as coisas que as pessoas fazem que são guiadas por suas essências corruptas e, assim, nada sabe de suas essências corruptas. É nisso que as pessoas acreditam em suas noções. Sua atitude em relação a Cristo é sempre uma de estudo, dúvida e até descrença. Ao mesmo tempo, elas avaliam Cristo usando os padrões segundo os quais as pessoas normais são avaliadas, segundo aquilo que é alcançável e inteligível para as pessoas comuns.

Extraído de ‘Somente ao resolver suas noções alguém pode entrar na trilha certa da crença em Deus (1)’ em “Registros das falas de Cristo”

A maioria das pessoas que acreditam em Deus O considera como um punhado de ar e como algo que parece existir num minuto e no outro não. Por que coloco isso dessa forma? Porque sempre que se deparam com um problema, vocês não sabem qual é a vontade de Deus. Por que não sabem qual é a vontade de Deus? Não só agora, mas do começo ao fim, vocês não sabem qual é a atitude de Deus em relação a esse problema. Não podem supor e não sabem qual é a atitude de Deus, mas já ponderaram bastante a respeito? Buscaram saber? Comunicaram-se sobre isso? Não! Isso confirma um fato: o Deus da sua crença não tem conexão com o Deus da realidade. Em sua crença em Deus, você pondera somente sobre suas intenções e as de seus líderes; apenas pensa no significado superficial e doutrinal das palavras de Deus, mas não tenta realmente conhecer ou buscar a vontade de Deus. Não é assim? A essência dessa questão é terrível! Ao longo de muitos anos, Eu vi muitas pessoas que acreditam em Deus. Em que Deus foi transformado, por essa crença, na mente delas? Algumas pessoas acreditam em Deus como se fosse apenas um punhado de ar. Essas pessoas não têm resposta para questões sobre a existência de Deus porque não podem sentir nem captar a presença ou a ausência Dele, muito menos ver com clareza ou entendê-la. Subconscientemente, essas pessoas acham que Deus não existe. Outras acreditam em Deus como se Ele fosse um homem. Essas pessoas acreditam que Deus é incapaz de fazer todas as coisas que elas, também, são incapazes de fazer, e que Ele deve pensar da maneira como elas pensam. A definição de Deus dessas pessoas é “uma pessoa invisível e intocável”. Há também um grupo de pessoas que acreditam em Deus como se Ele fosse uma marionete; essas pessoas acreditam que Deus não tem emoções. Acreditam que Deus é uma estátua de argila e que, quando confrontado com um problema, Deus não tem atitude, ponto de vista ou ideias; acreditam que Ele está à mercê da humanidade. As pessoas só acreditam no que querem acreditar. Se elas O fazem grande, Ele é grande; se O fazem pequeno, Ele é pequeno. Quando pecam e necessitam da misericórdia, da tolerância e do amor de Deus, as pessoas supõem que Deus deve estender Sua misericórdia. Essas pessoas criam um “Deus” em sua mente e fazem esse “Deus” cumprir suas exigências e satisfazer todos os seus desejos. Não importa quando ou onde, e não importa o que essas pessoas façam, elas adotarão essa fantasia em seu tratamento com Deus e em sua fé. Há até mesmo aqueles que, tendo provocado o caráter de Deus, ainda assim acreditam que Ele pode salvá-los, porque supõem que o amor de Deus é ilimitado e que Seu caráter é justo, e que, não importa quanto as pessoas ofendam a Deus, Ele não se lembrará de nada disso. Acham que, uma vez que as faltas do homem, as transgressões do homem e a desobediência do homem são expressões momentâneas do caráter de uma pessoa, Deus dará chances para as pessoas e será tolerante e paciente com elas; acreditam que Deus continuará a amá-las, como antes. Portanto, possuem grande esperança de obter salvação. Na realidade, não importa quanto uma pessoa acredita em Deus, se não estiver buscando a verdade, Ele terá uma atitude negativa para com ela. Isso se dá porque, ao longo do curso de sua fé em Deus, embora você tenha tomado o livro das palavras de Deus e o visto como um tesouro, e o estude e leia todo dia, você pôs de lado o verdadeiro Deus. Você pensa que Ele é apenas ar, ou apenas uma pessoa — e alguns de vocês pensam que Ele não passa de uma marionete. Por que coloco isso dessa maneira? Faço isso porque, do modo que vejo, se vocês se deparam com um problema ou enfrentam alguma circunstância, essas coisas que existem em seu subconsciente, essas coisas que vocês fazem surgir no interior — nenhuma delas jamais teve qualquer ligação com as palavras de Deus ou a busca da verdade. Você sabe apenas o que você mesmo está pensando, quais são seus pontos de vista, e depois você força suas ideias e opiniões sobre Deus. Na sua mente, eles se tornam os pontos de vista de Deus, e você faz desses pontos de vista padrões que você defende sem vacilar. Com o tempo, proceder dessa forma o coloca cada vez mais longe de Deus.

Extraído de ‘Como conhecer o caráter de Deus e os resultados que Sua obra alcançará’ em “A Palavra manifesta em carne”

Antes da conclusão de Seu plano de gestão de 6.000 anos — antes de Ele expor o fim de cada categoria de homens — a obra de Deus na terra é para o bem da salvação; seu propósito é puramente tornar completos aqueles que O amam — minuciosamente — e trazê-los para a submissão ao Seu domínio. Não importa como Deus salva pessoas, tudo é feito levando-as a se libertar de sua velha natureza satânica; isto é, Deus as salva fazendo com que elas busquem a vida. Se não buscarem a vida, elas não terão como aceitar a salvação de Deus. A salvação é a obra do Próprio Deus, e a busca de vida é algo que todo homem deve possuir para aceitar a salvação. Aos olhos do homem, a salvação é o amor de Deus, e o amor de Deus não pode ser castigo, julgamento e maldição; a salvação deve conter amor, compaixão e, ademais, palavras de consolo, bem como deve conter as ilimitadas bênçãos concedidas por Deus. As pessoas creem que, quando Deus salva o homem, Ele o faz tocando-o e fazendo com que ele Lhe entregue o coração por meio de Suas bênçãos e Sua graça. Ou seja, Seu tocar o homem é Sua salvação dele. Esse tipo de salvação se dá por fazer um acordo. Só quando Deus lhe conferir cem vezes mais, o homem virá a se submeter diante do nome de Deus e se esforçar para fazer o bem por Ele e trazer-Lhe glória. Essa não é a vontade de Deus para a humanidade. Deus veio operar na terra para salvar a humanidade corrupta — não há falsidade nisso; não fosse assim, Ele certamente não teria vindo fazer Sua obra em pessoa. No passado, Seu meio de salvação foi mostrar extremo amor e compaixão, tanto que Ele deu tudo de Si a Satanás em troca da humanidade inteira. O presente em nada se parece com o passado: a salvação concedida a vocês hoje ocorre no tempo dos últimos dias, durante a classificação de todos conforme a espécie; o meio de sua salvação não é amor nem compaixão, mas castigo e julgamento a fim de que o homem possa ser salvo de forma mais completa. Assim, tudo o que vocês recebem é castigo, julgamento e golpes implacáveis, mas saibam disto: nesses golpes impiedosos não há a mais ligeira punição. Não importa quão duras sejam as Minhas palavras, o que recai sobre vocês são apenas algumas palavras que lhes podem parecer sumamente cruéis, e não importa quão enraivecido Eu fique, o que chove sobre vocês ainda são palavras de ensinamento, e Eu não tenho intenção de feri-los nem de causar-lhes a morte. Tudo isso não é um fato? Saibam que, hoje, quer se trate de julgamento justo ou de refinamento e castigo implacáveis, tudo é para o bem da salvação. Independentemente de hoje haver ou não a classificação de todos conforme a espécie ou a exposição das categorias do homem, todas as declarações e a obra de Deus são para salvar aqueles que realmente amam a Deus. O julgamento justo visa purificar o homem, o refinamento implacável visa limpar o homem, palavras duras ou castigos visam purificar e são para o bem da salvação.

Extraído de ‘Vocês deveriam pôr de lado as bênçãos do status e entender a vontade de Deus de trazer a salvação ao homem’ em “A Palavra manifesta em carne”

Que noções existem dentro do seu coração que governam seu comportamento? Quando algo lhe acontece que não é do seu agrado, essas noções naturalmente aparecem e fazem você reclamar a Deus, argumentar e competir com Deus, e provocam uma rápida transformação em seu relacionamento com Deus: você subitamente passa de sentir que ama Deus e é fiel a Ele e de querer devotar sua vida toda a Ele, como fez no início, a não desejar ser fiel a Deus, não desejar cumprir seu dever, e você se arrepende de sua crença em Deus, você se arrepende de ter escolhido essa senda e até se queixa de ter sido escolhido por Deus. Que noções são capazes de subitamente causar uma mudança enorme em seu relacionamento com Deus? (Quando Deus arranja uma situação para me provar e eu sinto que há uma chance de que eu possa não ter resultado, eu formo noções sobre Deus. Sinto que, contanto que eu não abandone Deus em minha fé, Ele não me abandonará.) Esse é um tipo de noção. Vocês têm tais noções frequentemente? Qual é o seu entendimento de ser abandonado por Deus? Crer que, se Deus o abandona, Deus não o quer e não o salvará, é um tipo de noção. Então como tal noção ocorre? Ela vem de sua imaginação ou ela tem uma base? Como você sabe que Deus não lhe dá nenhum resultado? Deus o disse a você pessoalmente? Tais pensamentos foram delineados por você, certo? Agora você sabe que isso é uma noção; a questão-chave é como resolvê-la. A maneira mais simples é esta: já que você sabe que é uma noção, deve colocá-la de lado e buscar a verdade e ver o que Deus pede a você. Quando suas noções vão contra o que Deus pede e você percebe isso, mas ainda se apega a elas, então você não terá entrada alguma na vida; sua estatura é muito baixa. Além do mais, as pessoas são especialmente sensíveis em relação ao próprio fim e destino e em relação a ajustes em seu dever e a serem substituídas em seu dever. Algumas pessoas frequentemente chegam a uma conclusão errônea sobre tais coisas, pensando que, tão logo sejam substituídas em seu dever e não tenham mais status, ou Deus diga que não gosta mais delas ou não as quer mais, está tudo acabado para elas. Essa é a conclusão a que elas chegam. Elas acreditam que não faz sentido crer em Deus e acreditam que, já que o fim delas está gravado em pedra e elas não são desejadas por Deus, não há sentido em viver. Outras, ouvindo tais pensamentos, acham que são razoáveis e dignas — mas que tipo de mentalidade é essa, na verdade? É rebelião contra Deus, é derrotismo. Qual é a essência de seu derrotismo? É a ignorância de como Deus trata as pessoas. Deus sabe quando as pessoas se abandonam ao desespero? Como Deus trata tais pessoas? Algumas pessoas dizem: “Deus pagou preço tão alto pelo homem, Ele fez tanta obra em cada pessoa e exerceu tanto esforço; não é fácil para Deus escolher e salvar uma pessoa. Deus ficará tão magoado se essa pessoa se abandonar ao desespero e esperará a cada dia que ela possa se recuperar”. Esse é o significado em um nível superficial, mas, na verdade, é também uma noção do homem. Deus toma certa atitude em relação a tais pessoas: se você se abandonar ao desespero e não tentar seguir adiante, Ele diz que você pode ficar onde está se desejar; Ele não o pressionará. Se você diz: “Eu ainda desejo cumprir o dever de um ser criado, fazer tudo o que puder para praticar como Deus pede e satisfazer a vontade de Deus. Eu farei tudo o que estiver em meu poder e capacidade; não desistirei do que Deus pede a mim”, Deus diz que, se você estiver disposto a viver dessa forma, então continue a seguir, mas você deve fazer conforme Deus pede; os padrões e princípios das exigências de Deus não mudam. O que essas palavras significam? Elas significam que somente as pessoas podem abandonar a si mesmas; Deus nunca abandonaria alguém. Para qualquer pessoa que, no fim, for capaz de alcançar salvação contemplar a Deus, que cria um relacionamento normal com Deus e que pode vir para diante de Deus, isso não é algo que possa ser atingido após falhar ou ser podado e tratado uma única vez ou após ser julgado e castigado uma única vez. Antes de ser aperfeiçoado, Pedro foi refinado centenas de vezes. Daqueles que permanecem após servir até o fim, não haverá um que só tenha experimentado provações e refinamento oito ou dez vezes antes de conseguir chegar ao fim. Isso não é o amor de Deus? Essa é a atitude de Deus em relação ao homem.

Extraído de ‘Somente ao resolver suas noções alguém pode entrar na trilha certa da crença em Deus (1)’ em “Registros das falas de Cristo”

Como surgem as noções das pessoas sobre a obra de Deus? Algumas vêm da compreensão antiga de fé das pessoas e algumas vêm de suas próprias imaginações sobre a obra de Deus. Por exemplo, as pessoas começaram imaginando a obra de julgamento de Deus como um grande trono branco no céu, com Deus sentado no trono julgando todos os povos. Hoje, todos sabem que tais imaginações são irrealistas — tais coisas são impossíveis. Qualquer que seja o caso, as pessoas têm muitas imaginações sobre a obra de Deus, o gerenciamento e o tratamento do homem, e a maioria dessas imaginações vêm das preferências humanas. Por que digo isso? Porque as pessoas não querem sofrer. Sempre querem alcançar sucesso em sua fé em Deus com facilidade, aceitar a obra de Deus, desfrutar de Sua graça, receber Suas bênçãos e então entrar no reino dos céus. Maravilhoso! A ideia mais comum e indulgente que a humanidade corrupta tem sobre a obra de Deus é entrar no reino de Deus sentada sobre um palanquim. Além do mais, quando as pessoas encontram a obra de Deus, na maioria das vezes, elas são incapazes de entendê-la; não conhecem a verdade que ela contém ou qual é o objetivo de Deus ao fazer essa obra e por que Deus Se comporta dessa forma em relação ao homem. Por exemplo, anteriormente descrevi o amor de Deus usando as palavras “vasto” e “imenso”, mas acho provável que vocês nunca entenderam o que, exatamente, essas duas palavras significam. Qual foi Meu objetivo ao usar essas duas palavras? Era para chamar a atenção de todos, para que vocês fossem e refletissem sobre elas. Na superfície, essas palavras parecem ser quase vazias. Elas, de fato, têm determinado significado, mas não importa o quanto as pessoas reflitam sobre elas, tudo que conseguem dizer é: “Vasto — isso significa ilimitado como o céu, está dizendo que o coração de Deus não tem limites, seu amor não possui limite!” O amor de Deus não é o tipo de amor que pode ser imaginado pela mente do homem. As pessoas são incapazes de imaginar esse amor, não devem usar o aprendizado e o conhecimento para interpretar essa palavra, mas devem usar outro método para apreciá-la e experimentá-la. No final das contas, você passa a sentir verdadeiramente que o amor de Deus é diferente do amor de que falam as pessoas do mundo, que o amor verdadeiro de Deus é diferente de qualquer outra coisa, diferente do amor compreendido por toda a humanidade. Então, o que é esse amor de Deus? Primeiro você não deve abordá-lo com as noções e imaginações do homem. Pense, por exemplo, no amor de mãe: o amor de uma mãe por seus filhos é incondicional, é protetor e afetuoso. O amor de Deus pelo homem que vocês sentem agora tem o mesmo nível de sensação e significado que o amor de uma mãe? (Sim.) Então isso é um problema — está errado. Você deve distinguir o amor de Deus do amor dos pais, de um marido, esposa ou filhos, de seus parentes, da preocupação dos amigos, e conhecer o amor de Deus novamente. O que é o amor de Deus? O amor de Deus é sem emoção e não é afetado por laços de sangue. É pura e simplesmente amor. Então, como as pessoas devem entender o amor de Deus? Por que falamos sobre o amor de Deus? O amor de Deus está incorporado na obra de Deus para que as pessoas o reconheçam, aceitem e experimentem e, por fim, percebam que esse é o amor de Deus e reconheçam que essas não são palavras vazias, nem alguma forma de comportamento da parte de Deus, mas a verdade. Quando aceita isso como verdade, você é capaz de reconhecer, a partir disso, esse aspecto da essência de Deus. Se você tratar isso como alguma forma de comportamento, você terá dificuldade em reconhecê-lo. O que se entende por “comportamento”? Veja as mães, por exemplo: elas dão sua juventude, seu sangue, seu suor e suas lágrimas para criar seus filhos, dão-lhes o que querem independentemente de terem agido certo ou errado ou do caminho que tomaram. A mãe dá de forma abnegada, nunca ensinando, ajudando ou orientando a criança a trilhar a senda certa, apenas indiscriminadamente cuidando dela, amando-a e protegendo-a, a ponto de, em última instância, a criança não saber distinguir o certo do errado. Esse é o amor de uma mãe ou qualquer tipo de amor nascido do sangue quente, das emoções e dos relacionamentos carnais do homem. O amor de Deus, por sua vez, é exatamente o oposto: se Deus ama você, Ele expressará isso corrigindo e disciplinando você com frequência, podando e lidando com você. Isso pode tornar as coisas desconfortáveis ​​para você, seus dias podem passar em meio a castigo e disciplina, mas uma vez que você tenha experimentado isso, você descobrirá que aprendeu muito, que pode ter discernimento e ser sábio quando se trata de interagir com outras pessoas, e também que você passou a entender algumas verdades. Se o amor de Deus fosse como o amor de uma mãe ou de um pai, como você imagina que seja, se Ele fosse tão escrupuloso em Seus cuidados e invariavelmente indulgente, você poderia ganhar essas coisas? Não poderia. E assim, as pessoas devem abordar o que é manifestado do amor de Deus em Sua obra sob a perspectiva da verdade e, nesse âmbito, devem buscar a verdade. Se elas não buscarem a verdade, como poderia alguém que é corrupto conjurar, do nada, uma compreensão do que é o amor de Deus, qual é o objetivo de Sua obra no homem e onde residem Suas intenções ponderadas? As pessoas nunca entenderiam essas coisas. Isso está relacionado com uma parte da obra de Deus, com um aspecto da essência de Deus que as pessoas provavelmente não entendem bem e têm mais dificuldade de compreender e apreciar; é aquilo com o que as pessoas podem se envolver de forma profunda, empática e prática. Em termos gerais, amor significa dar às pessoas o que elas gostam, não dar a elas algo amargo quando querem algo doce nem dar algo amargo para tratar uma doença; em resumo, envolve o egoísmo, as emoções e o sangue quente do homem; envolve um aspecto de objetivos e motivações. Mas não importa o que Deus faça em você, mesmo que você O entenda errado e até mesmo se reclamar Dele em seu coração, Deus continuará a operar em você com paciência incansável. Qual é o objetivo final de Deus em agir assim? Ele usa esse método para despertar você ou para que chegue o dia em que você entenderá a vontade Dele — mas quando Deus vir esse resultado, na verdade Ele não terá ganho nada. E por que digo isso? Porque tudo em você vem de Deus. Deus não precisa ganhar nada. Tudo o que Ele precisa é que você O siga de maneira apropriada e entre em sintonia com o que Ele requer enquanto realiza Sua obra, para, no final das contas, ser capaz de viver a verdade-realidade, de viver com a semelhança do homem e não mais ser enganado, iludido e tentado por Satanás, para ser capaz de virar as costas para Satanás, para obedecer e temer a Deus, para que Deus ganhe você e Sua grande obra seja realizada. Esses são o amor de Deus e a obra de Deus. Existe esse nível de significado em seu entendimento do amor de Deus como vasto e imenso? (Não.) Seu entendimento não alcançou esse ponto. Mesmo quando alguém parte o coração de Deus e outros pensam que não existe maneira de Deus salvá-lo, qual é a atitude de Deus quando ele reflete sobre si mesmo, se arrepende e põe de lado o mal em suas mãos e aceita Sua salvação? Deus o acolhe como antes; contanto que as pessoas sigam a senda certa, Deus não o culpará. Esse é o amor de Deus. Qual noção do homem deve ser remediada aqui? As pessoas devem deixar para trás as várias noções que têm sobre como Deus ama o homem. Deixá-las para trás é fácil; mudar não é. Quando algo realmente acontece com você, não é fácil fazer com que você coloque de lado suas noções e aceite essa maneira em que Deus ama você. Isso exige que as pessoas busquem a verdade quando algo acontece com elas, que realmente experimentem e sintam o amor de Deus.

Extraído de ‘Somente ao resolver suas noções alguém pode entrar na trilha certa da crença em Deus (1)’ em “Registros das falas de Cristo”

Hoje, vocês devem dissecar o que são noções sobre a obra de Deus e quais existem. Acima de tudo, devem resumir todas as várias imaginações, resistências e exigências que você tem sobre a obra de Deus, a soberania e os arranjos de Deus e sobre a forma como Deus opera — essas coisas bloqueiam o caminho de sua obediência às orquestrações e aos arranjos de Deus e fazem com que você entenda errado e resista a tudo que Deus tem feito em você. Tais noções são muito sérias e merecem ser dissecadas. Por exemplo, algumas pessoas dizem: “Deus diz que Ele não gosta de mim, talvez, então Ele não me salvará”. Isso não é uma noção? Tais noções devem ser resolvidas, porque esses tipos de noções podem impedi-lo de avançar, podem paralisar você e fazer com que você se entregue ao desespero e podem até levá-lo a abandonar a Deus. Em algumas igrejas, algumas pessoas têm sido enganadas por anticristos e pelos perversos que causam interrupções. Isso é bom ou ruim? Isso é o amor de Deus ou é Deus brincando com as pessoas e as expondo? Isso não está claro para você, está? Deus emprega todas as coisas e todos os assuntos em Seu serviço para aperfeiçoar e salvar aqueles que Ele deseja salvar; aqueles que realmente buscam a verdade, ganharão, no fim, a verdade, enquanto alguns que não buscam a verdade se queixam e dizem: “Não é certo Deus operar assim. Tantas injustiças que sofri! Cheguei perto de ir embora com os anticristos. Se isso foi realmente o ato de Deus, como Ele poderia fazer as pessoas irem embora com os anticristos?” O fato de você não ter ido embora é prova de que Deus salvou você; aqueles que foram embora foram expostos e eliminados. Então, as interrupções causadas por esses anticristos e pessoas perversas nas igrejas são uma coisa boa ou uma coisa ruim? Quando forem expostos, você será capaz de identificá-los pelo que realmente são, depois disso, eles serão expurgados da igreja e a estatura de você crescerá, e quando você voltar a encontrar tais pessoas, você as rejeitará antes de elas mostrarem suas cores verdadeiras. Isso é uma coisa boa. Deus opera de maneiras extraordinárias, maneiras que ultrapassam a imaginação de pessoas normais. Por que, então, usei aquelas palavras para definir a obra de Deus? Porque a humanidade corrupta não entende essas coisas; a verdade, a maneira em que Deus opera, a sabedoria da batalha de Deus com Satanás — as pessoas não entendem nada dessas coisas, e a humanidade inteira não ganha nada. Por que, então, as pessoas ainda têm suas próprias ideias? Porque estudam coisas ou têm suas preferências, o que as leva a ter ideias. Para as pessoas de hoje, o fato de o Criador operar assim é a primeira vez desde a criação do Céu e da Terra: Ele age à vista de toda a humanidade, revelando abertamente Seu plano de gerenciamento e implementando e aplicando-o entre a humanidade pela primeira vez. As percepções da humanidade sobre a mentalidade de Deus, a essência de Deus e a maneira de Deus operar são inerentemente vazias; essas coisas são alheias a ela, e assim é muito normal que pessoas tenham noções nessa área. Mas ser normal não significa que essas noções sejam apropriadas; não importa quão normais sejam, elas devem e precisam ser tratadas, pois não importa quão normais essas noções sejam, elas são antitéticas e incompatíveis com o Criador. No fim das contas, o que a humanidade deveria fazer? As pessoas deveriam aceitar e obedecer. Disso alcançarão mudança e ganharão a verdade e satisfarão as exigências do Criador.

Extraído de ‘Somente ao resolver suas noções alguém pode entrar na trilha certa da crença em Deus (1)’ em “Registros das falas de Cristo”

Algumas pessoas acreditam que, contanto que suas aspirações sejam boas, positivas e proativas, o Criador deveria cumpri-las, e que elas não deveriam ser privadas do direito de esforçar-se para ter uma vida linda. Isso é uma noção. O cumprimento do Criador está em conformidade com os desejos do homem, suas esperanças, suas imaginações? Não, não está. De que maneira, então, o Criador age? Não importa quem você é, o que planejou, quão perfeitas e honráveis são suas imaginações ou em que medida condizem com a realidade da sua vida, Deus não olha para nenhuma dessas coisas, tampouco Se envolve com elas; ao contrário, as coisas são realizadas, orquestradas e arranjadas de acordo com as leis e os métodos ordenados de Deus. Esse é o caráter justo de Deus. Algumas pessoas pensam: “Depois das incontáveis adversidades que experimentei em minha vida, não tenho direito a uma vida boa? Quando vier para diante do Criador, não terei o capital para pedir e aspirar a uma vida linda e um destino lindo?”. Isso não é uma noção humana? Para Deus, o que são tais noções e essas maneiras de pensar concebidas pelo homem? São exigências insensatas. Como surgem tais exigências insensatas? (As pessoas não conhecem a autoridade de Deus.) O fato de as pessoas não conhecerem a autoridade de Deus é uma razão objetiva; a razão subjetiva é que elas têm um caráter rebelde. A vida que o Criador arranja para as pessoas é uma vida de adversidade ou é uma vida feliz e sem preocupações? (É uma vida de adversidade.) A maioria das pessoas leva uma vida de adversidade, com excesso de dor e dificuldades. Qual é o propósito do Criador com esses arranjos, e qual é seu significado? Num sentido, tais arranjos pretendem permitir que as pessoas experimentem e conheçam a soberania, os arranjos e a autoridade de Deus; em outro, Seu propósito primário é permitir que as pessoas experimentem o que a vida realmente é e, por meio disso, percebam que o destino do homem é controlado pela mão de Deus e que não é decidido por nenhuma pessoa nem é mudado em decorrência de mudanças na vontade subjetiva das pessoas. Seja lá o que faz o Criador ou que tipo de vida ou destino Ele arranjou para as pessoas, Ele as faz refletir sobre a vida e sobre o que o destino do homem realmente é, e, conforme elas refletem sobre todas essas coisas, Ele as faz vir para diante de Deus. Quando Deus expressa a verdade e conta às pessoas o que tudo isso é, Ele as faz vir para diante de Si, aceitar o que Deus diz, experimentar o que Deus diz, entender qual é realmente a relação entre tudo que Deus diz e todas as coisas que as pessoas experimentam em sua vida real. Ele permite que as pessoas verifiquem a praticidade, a precisão e a validade dessas verdades. Depois disso, o homem as ganha e reconhece que é controlado pela mão do Criador e que seu destino é regido e arranjado por Deus. Uma vez que tiver entendido tudo isso, o homem não terá mais nenhum plano impraticável para a sua vida e não planejará contrariar os desejos do Criador nem aquilo que Ele ordenou ou arranjou; ao contrário, terá avaliação e entendimento, ou plano e compreensão, cada vez mais corretos de como sua vida deve ser vivida e da estrada que deve seguir.

Extraído de ‘Somente ao resolver suas noções alguém pode entrar na trilha certa da crença em Deus (2)’ em “Registros das falas de Cristo”

Deus criou o homem com livre-arbítrio. O homem tem cérebro, pensamentos e ideias. Após ser corrompido por Satanás, o homem mergulhou nos sons e nas vistas deste mundo e, depois de ser educado por seus pais, influenciado por sua família e educado pela sociedade, muitas coisas surgem nos pensamentos do homem — coisas que nascem do seu coração, e todas elas aparecem naturalmente. Como são formadas essas coisas que aparecem naturalmente dentro do homem? Em primeiro lugar, a pessoa deve ter a capacidade de refletir sobre os problemas — esse é o fundamento que se deve ter para ser capaz de produzir essas coisas. Então, por meio de influências ambientais — tais como ser educado por sua família e pela sociedade, bem como ser impelido por seus desejos, ambições e caracteres corruptos —, aos poucos, essas coisas tomam forma. Como tais pensamentos e ideias formados, estejam eles de acordo com a realidade ou sejam eles vazios, são tratados por Deus? Ele os condena? Não, não condena nem remove tais pensamentos das pessoas. As pessoas têm uma noção: imaginam que, com um toque suave da grande mão informe de Deus, seu pensamento será mudado. Essa noção não é vaga, sobrenatural e vazia? Essa é uma noção que as pessoas têm de como Deus opera. Nas profundezas de seu coração, muitas vezes, as pessoas têm fantasias da obra de Deus e dos métodos de Sua obra, embora não as expressem. As pessoas imaginam o Criador se aproximando suavemente do homem, e, com um gesto de Sua grande mão e uma lufada de Seu sopro mágico, ou por meio de um pensamento, as coisas negativas dentro do homem desaparecerão num piscar de olhos, com o silêncio mudo de um grande vento que afasta uma nuvem. Como Deus trata essas ideias do homem, essas coisas que a mente do homem gera? Deus não as resolve com métodos vazios e sobrenaturais, mas estabelecendo o ambiente do homem. Que tipo de ambiente Ele estabelece? Não é uma coisa vazia — Deus não faz nada sobrenatural, violando todas as leis. Ao contrário, Ele estabelece um ambiente que impele uma pessoa a entender a questão e a refletir sem cessar. Depois disso, Deus usa todos os tipos de pessoas, eventos e coisas para iluminar o caminho dessa pessoa, após o que essa pessoa alcança um entendimento. Deus a leva a entender essas coisas de acordo com seu destino, acrescentando alguns incidentes ao curso de seu destino. Quais são as noções do homem nisso? Sobrenaturais, vazias, vagas, discordantes da realidade — isto é, divorciadas da realidade. Digamos, por exemplo, que alguém está com fome e que gostaria de comer. Há aqueles que dizem: “Se Deus realmente estivesse operando, tudo que Ele precisaria fazer seria soprar em mim e eu estaria satisfeito e permaneceria de barriga cheia por um ano ou dois. Não seria ótimo?”. Isso não é irrealista? Se você dissesse a Deus que está com fome, o que Deus diria? Deus o instruiria a procurar comida — Ele o instruiria a comer. Se você dissesse que não tem comida e não sabe cozinhar, o que Deus faria? Ele o instruiria a aprender a cozinhar. Esse é o lado prático da obra de Deus. Quando você encontrar algo que é obscuro para você, se não mais fizer orações vazias ou confiar vagamente e com autoconfiança em Deus, quando não mais relegar suas esperanças a tais coisas, você saberá, então, o que deve fazer — saberá seu dever, sua responsabilidade e sua obrigação.

Extraído de ‘Somente ao resolver suas noções alguém pode entrar na trilha certa da crença em Deus (2)’ em “Registros das falas de Cristo”

Deus fala com o homem face a face e lhe diz o que deve e não deve fazer, que estrada deve seguir, como deve obedecer a Deus, os princípios nos quais deve entrar em cada parte de Sua obra. Deus diz todas essas coisas claramente ao homem, mas, muitas vezes, o homem aguarda parado, esperando que Deus lhe diga qual é realmente o Seu significado por outras vias senão Suas palavras, esperando ser capaz de alcançar resultados anteriormente inimagináveis e esperando testemunhar milagres. Não é essa a noção do homem? O que Deus faz, realmente? Quando Deus usa linguagem clara para dizer ao homem como agir, como viver, como obedecer a Ele e como experimentar cada tipo de evento, se, mesmo assim, o homem não entender, Deus não faz mais nada além de estabelecer um ambiente, dar ao homem algum esclarecimento especial ou submeter o homem a algumas experiências especiais. Isso é tudo que Deus pode, deve e está disposto a fazer. Há aqueles que perguntam: “Deus não quer que toda pessoa seja salva e que ninguém sofra a perdição? Se Deus usasse tal método para agir, quantas pessoas poderiam ser salvas?”. Como resposta, Deus perguntaria: “Quantas pessoas escutam Minhas palavras e seguem Meu caminho?”. Há tantas quanto há — essa é a visão de Deus, o método de Sua obra. Ele não faz mais nada. Qual é a noção do homem em relação a essa questão? “Deus se compadece desta humanidade; Ele se preocupa com esta humanidade e assumirá responsabilidade até o fim. Se segui-Lo até o fim, inevitavelmente o homem será salvo”. Deus lhe disse todas essas verdades. Se, no fim, você ainda diz que não entende Sua vontade e que não sabe como praticar, estas são palavras de rebeldia. Deus deveria abandonar tais pessoas. É absolutamente uma noção humana descrever ou ilustrar a realidade da glória de Deus em termos de números de pessoas, grau de poder ou diversidade racial. Na Bíblia, tanto no Antigo quanto no Novo Testamento, quantos houve que, no total, foram salvos e aperfeiçoados? Ou seja, no fim, quem foi capaz de temer a Deus e evitar o mal? (Jó e Pedro.) Houve apenas dois. Na visão de Deus, temê-Lo e evitar o mal é, de fato, cumprir o padrão de conhecê-Lo, de conhecer o Criador. Pessoas como Abraão e Noé eram justas aos olhos de Deus, mas ainda estavam num nível inferior ao de Jó e Pedro. Claro, Deus não fazia tanta obra na época. Não provia para as pessoas como faz agora, não falava tantas palavras claras, não fazia a obra da salvação numa escala tão grande. Ele pode não ter ganho muitas pessoas, mas isso não é algo ruim. Qual aspecto do caráter do Criador pode ser visto nisso? Deus espera ganhar muitas pessoas, mas se muitas pessoas não puderem, de fato, ser ganhas — se esta humanidade não puder ser ganha por Deus durante Sua obra de salvação — Deus preferirá abandoná-la e descartá-la. É assim que o Criador vê isso. Nesse sentido, o que exige o homem ou quais noções ele tem de Deus? “És Tu que me salvas, portanto és responsável até o fim, e Tu me prometeste bênçãos, portanto deves dá-las para mim e permitir que eu as ganhe”. Dentro do homem há muitos “deves” — muitas exigências — e essa é uma noção entre eles. Outros dizem: “Deus faz uma obra tão maravilhosa — um plano de gerenciamento de seis mil anos — e, no fim, Ele só ganhou duas pessoas. Que pena. Suas ações não foram em vão?”. O homem pensa que não deveria ser assim, mas Deus fica feliz mesmo que ganhe só duas pessoas. O propósito real de Deus não é meramente ganhar essas duas, mas ganhar mais do que isso, e se as pessoas não entendem, e todas entendem Deus errado e resistem a Ele, Ele prefere não tê-las. Esse é o Seu caráter. Algumas pessoas dizem: “Isso não basta. Satanás não ficaria rindo disso?”. Satanás pode estar rindo, mas não é que, mesmo assim, Deus derrotou o inimigo? Mesmo assim, Deus ganhou a humanidade — vários em meio a ela que conseguem abandonar Satanás e não sofrer seu controle. Deus ganhou seres criados verdadeiros. Aqueles que não foram ganhos por Deus são então levados cativos por Satanás? Vocês não foram aperfeiçoados — vocês seguem Satanás? (Não.) É a glória de Deus que nenhum daqueles que Ele não ganhou segue Satanás. Algumas pessoas dizem: “Se Deus não me quer, mesmo assim não seguirei Satanás. Mesmo que ele me oferecesse bênçãos, eu não as aceitaria”. Deus não ganha glória dessa forma? As pessoas têm noções sobre o número de pessoas que Deus ganha ou sobre a escala em que Ele as ganha; acreditam que Deus não deveria ganhar apenas aqueles poucos. O fato de que consegue produzir tais noções é porque, em um sentido, o homem não consegue sondar a mente de Deus, o Criador, e não consegue entender que tipo de pessoa Ele quer — sempre há uma distância entre o homem e Deus; em outro sentido, ter tais noções é uma maneira de se consolar e se libertar no que diz respeito ao próprio destino e o futuro. O homem acredita: “Deus ganhou tão poucos — como seria glorioso se Ele ganhasse todos nós! Se Deus não descartasse pessoa alguma, mas conquistasse todas, e cada uma fosse aperfeiçoada no fim e a conversa de Deus escolher pessoas e Sua obra de gerenciamento não fosse em vão, Satanás não seria humilhado ainda mais? Deus não ganharia glória maior? Isso não seria uma evidência forte da derrota de Satanás? Dois coelhos com uma só cajadada!”. O homem conhece o placar, não conhece? O fato de poder dizer isso se deve em parte ao fato de não conhecer o Criador e em parte por ter um motivo egoísta: ele está preocupado com seu futuro, por isso amarra-o à glória do Criador, e seu coração se tranquiliza. O homem tem motivos egoístas, e não há algo de rebelde neles? Não há nisso uma exigência feita a Deus? Há nisso uma resistência implícita a Deus que diz: “Tu nos escolheste, nos guiaste, operaste tanto em nós, nos concedeste Tua vida e Tua totalidade, nos concedeste Tuas palavras e verdade e nos fizeste seguir-Te por todos esses anos. Que perda seria se, no fim, Tu não nos ganhasses”. Tal desculpa é uma tentativa de chantagear Deus, de obrigá-Lo a ganhar o homem. Nisso estão as exigências do homem, como também suas imaginações e noções: Deus faz uma obra tão grande, portanto deve ganhar o máximo de pessoas. De onde vem esse “deve”? Vem das noções e imaginações do homem, de suas exigências insensatas e de seu coração vanglorioso, junto de alguma mistura de seu caráter duro e feroz.

Extraído de ‘Somente ao resolver suas noções alguém pode entrar na trilha certa da crença em Deus (2)’ em “Registros das falas de Cristo”

Quando uma pessoa acredita em Deus, ela tem uma imaginação vaga de reverência e estima por Ele. Acredita que Ele é todo-poderoso, onipotente e que, já que Ele escolheu um grupo de pessoas entre esta humanidade corrupta, Ele certamente o completará. Portanto, estamos certamente destinados a ser abençoados. Por trás de tal “certeza” não existe uma mentalidade de tentar a sorte? Desejar ganhar a aprovação de Deus sem buscar a verdade ou passar pelo julgamento e castigo de Deus é a atitude que o homem menos deveria ter. Não adote essa mentalidade de tentar a sorte — a sorte é o grande inimigo. Que tipo de mentalidade é tentar a sorte? Quais estados, pensamentos, ideias e noções, atitudes e opiniões pode ter uma pessoa que mostra que suas ações e o fundo de seu coração abrigam uma mentalidade baseada em sorte? Você só pode mudar quando sabe essas coisas; se não souber que elas ainda existem dentro de você, como poderá mudar? Como poderá resolvê-las? O que, então, é a mentalidade de tentar a sorte? “Eu acredito em Deus. Deixei minha família e larguei meu emprego. Custe o que custar, sofri, suei e labutei, e se eu seguir até o fim, posso me tornar um dos vencedores, um dos salvos, um dos abençoados, um membro do povo do reino de Deus”. Essa é a mentalidade de tentar a sorte. Isso não está no coração de toda pessoa? A maioria daqueles que deixam tudo para trás e vêm para a casa de Deus para cumprir seu dever em tempo integral tem um pouco desse tipo de mentalidade. A mentalidade de tentar a sorte não é um tipo de noção? (É.) Por que digo que é um tipo de noção? Porque, quando você não entendeu nem compreendeu a intenção e a atitude que o Senhor da criação tem em relação a essa questão, você apenas tem, subjetivamente, pensamentos bons e busca subjetivamente, e é assim que a aborda. Isso é como uma noção. Para o Senhor da criação, essa noção não é como uma chantagem? Não é uma exigência irracional? É como se alguém dissesse: “Visto que Te segui, visto que deixei tudo para trás e vim para a Tua casa para cumprir meu dever em tempo integral, devo ser contado como alguém que se submeteu aos arranjos do Senhor da criação, certo? Então, posso ter um futuro promissor agora? Meu futuro não deveria ser obscuro — deveria estar à plena vista”. Essa é a mentalidade de tentar a sorte. Como se resolve tal mentalidade? Em um aspecto, deve-se conhecer o caráter de Deus. Todos entendem fundamentalmente o que estou dizendo agora. “Então é isso que Deus pensa. Essas são a visão de Deus e Sua atitude. O que, então, devemos fazer?” As pessoas devem abandonar a mentalidade de tentar a sorte. Para abandonar essa mentalidade, basta dizer: “Eu a abandonei e não terei mais tais pensamentos. Tratarei meu dever com seriedade, assumirei responsabilidade e trabalharei mais”? Não é tão simples assim — quando uma pessoa desenvolve uma mentalidade de tentar a sorte, emergem nela alguns pensamentos e práticas e, além disso, alguns caracteres são revelados. Essas coisas deveriam ser resolúveis. Alguns dizem: “Se eu entendi a vontade e a atitude de Deus, não estou livre da mentalidade de tentar a sorte?”. Que tipo de conversa é essa? Ela ignora questões espirituais; é conversa vazia. Como, então, esse problema é resolvido? Você deve ponderar: “O que devo fazer se Deus tirar tudo de mim? Essas coisas que dedico a Deus e que despendo por Ele são dadas voluntariamente ou são tentativas de negociar com Ele? Não é uma coisa boa se eu estiver tentando negociar com Ele. Devo orar e mudar isso”. Além disso, ao praticar e cumprir seu dever, é preciso que a pessoa entenda quais verdades-princípio ela não entende, o que faz que contraria as exigências de Deus e Sua vontade, que tipo de senda é errado e é a senda do desastre, e que tipo de senda é aquele que pode receber a aprovação de Deus. Com relação à mentalidade de tentar a sorte, que mais existe? Existem pessoas que, ao serem acometidas por uma doença grave, são salvas por Deus e deixam de estar doentes. Elas pensam: “Todos vocês acreditam em Deus porque estão atrás de bênçãos. Eu sou diferente. Foi o grande amor de Deus que me trouxe até aqui; Ele me deu circunstâncias e experiências especiais que me levaram a acreditar Nele, por isso Ele me ama mais do que ama vocês, e, no fim, eu terei uma chance melhor de sobreviver do que vocês”. Elas acham que têm um relacionamento extraordinário e especial com Deus — que são diferentes das pessoas comuns. Por causa de sua experiência especial, acham que são extraordinárias e incomuns e, por isso, mantêm algo como uma certeza de que terão sucesso. Elas se definem como certamente diferentes dos outros e têm certeza de sua capacidade de sobreviver — isso também é uma mentalidade de tentar a sorte. Há outros que assumiram um dever importante e cujo status é alto. Eles sofrem um pouco mais do que os outros, são podados e tratados um pouco mais do que os outros, mantêm-se um pouco mais ocupados do que os outros e falam um pouco mais do que os outros. Eles pensam: “Deus e Sua casa me colocaram numa posição importante, e eu desfruto do favor dos meus irmãos e irmãs. Isso é uma honra. Isso não significa que eu serei abençoado antes dos outros?”. Isso também é uma mentalidade de tentar a sorte e é um tipo de noção.

Extraído de ‘Somente ao resolver suas noções alguém pode entrar na trilha certa da crença em Deus (2)’ em “Registros das falas de Cristo”

As pessoas dizem que Deus é um Deus justo e, enquanto o homem O seguir até o fim, Ele certamente será imparcial com ele, pois Ele é sumamente justo. Se o homem O seguir até o fim, como Ele poderia descartá-lo? Eu sou imparcial com todos os homens e julgo todos eles com Meu caráter justo, no entanto, há condições adequadas às exigências que faço ao homem; o que Eu demando deve ser cumprido por todos, independentemente de quem são. Não Me importo com suas qualificações nem por quanto tempo as teve; só Me importa se você anda ou não no Meu caminho e se você ama ou não e está sedento pela verdade. Se você carecer da verdade e, em vez dela, envergonhar Meu nome, se não agir de acordo com Meu caminho, meramente seguindo sem cuidado ou preocupação, então, naquele momento, Eu o derrubarei e punirei por seus males. O que você dirá então? Você será capaz de dizer que Deus não é justo? Hoje, se você cumpriu as palavras que Eu falei, então você é o tipo de pessoa que Eu aprovo. Você diz que sempre sofreu enquanto seguiu Deus, que O seguiu na abundância e na escassez e compartilhou com Ele os bons e os maus momentos, mas você não viveu as palavras faladas por Deus; você quer apenas ficar ocupado para Deus e despender-se por Deus a cada dia e nunca pensou em viver uma vida com sentido. Você também diz: “Em todo caso, creio que Deus é justo. Eu sofri por Ele, ocupei-me por Ele e me dediquei a Ele, e trabalhei duro mesmo sem receber nenhum reconhecimento; Ele certamente Se lembrará de mim”. É verdade que Deus é justo, mas essa justiça não é manchada por quaisquer impurezas: ela não contém qualquer vontade humana nem é manchada pela carne ou por transações humanas. Todos que são rebeldes e estão em oposição, todos que não estão em conformidade com Seu caminho serão punidos; ninguém é perdoado, ninguém é poupado! Algumas pessoas dizem: “Hoje eu corro para Ti; quando chegar o fim, podes me dar uma pequena bênção?” Então Eu lhe pergunto: “Você cumpriu as Minhas palavras?”. A justiça da qual você fala é baseada em uma transação. Você apenas pensa que Eu sou justo e imparcial com todos os homens e que todos aqueles que Me seguem até o fim seguramente serão salvos e ganharão as Minhas bênçãos. Há um sentido inerente às Minhas palavras de que “todos aqueles que Me seguem até o fim seguramente serão salvos”: aqueles que Me seguem até o fim são aqueles que serão inteiramente ganhos por Mim; são aqueles que, depois de terem sido conquistados por Mim, buscam a verdade e são aperfeiçoados. Que condições você alcançou? Você apenas alcançou seguir-Me até o fim, e o que mais? Você cumpriu Minhas palavras? Você cumpriu uma das Minhas cinco exigências, mas não tem qualquer intenção de cumprir as quatro restantes. Você simplesmente encontrou a senda mais simples e mais fácil e a buscou com uma atitude de esperar que se dará bem. Para com uma pessoa como você, Meu caráter justo reserva castigo e julgamento, ele é de justa retribuição, e é a punição justa para todos os malfeitores; todos os que não andam no Meu caminho certamente serão punidos, mesmo que sigam até o fim. Essa é a justiça de Deus. Quando esse caráter justo for expresso na punição do homem, este ficará perplexo e sentirá arrependimento de não ter andando no caminho de Deus enquanto O seguia. “Naquele tempo, eu só sofri um pouco enquanto seguia a Deus, mas não andava no Seu caminho. Que desculpas existem? Não existe outra opção senão ser castigado!” Contudo, na sua mente ele está pensando: “De qualquer modo, segui até o fim; assim, mesmo que me castigues, não poderá ser um castigo muito severo e, depois de executar esse castigo, Tu ainda vais me querer. Eu sei que és justo e não vais me tratar desse jeito para sempre. Afinal, não sou como aqueles que serão eliminados; aqueles que serão eliminados receberão um castigo duro, ao passo que o meu castigo será mais suave”. O caráter justo não é como você diz. Não é o caso que aqueles que são bons em confessar seus pecados serão tratados com leniência. Justiça é santidade e é um caráter que não tolera a ofensa do homem, e tudo que é imundo e não passou por mudanças é alvo da repugnância de Deus. O caráter justo de Deus não é lei, mas decreto administrativo: é decreto administrativo dentro do reino, e esse decreto administrativo é a punição justa para qualquer um que não possui a verdade e não mudou, e não há margem para salvação. Pois quando cada homem for classificado de acordo com sua espécie, o bom será recompensado, e o mau será punido. É o momento em que o destino do homem ficará manifesto; é o tempo em que a obra da salvação chegará ao fim, após o que, a obra de salvar o homem não será mais feita, e a retribuição sobrevirá a cada um daqueles que cometem o mal.

Extraído de ‘As experiências de Pedro: seu conhecimento de castigo e julgamento’ em “A Palavra manifesta em carne”

Anterior: 1. O que são noções e imaginações? Qual é a causa principal de noções e imaginações?

Próximo: 3. Quais danos e consequências resultam se as noções e imaginações permanecem não resolvidas?

Quando o desastre vem, como nós cristãos devemos lidar com ele? Convidamos você a participar da nossa reunião online, onde podemos explorar juntos e encontrar o caminho.
Venha conversar com a gente
Entre em contato conosco pelo Whatsapp

Conteúdo relacionado

4. Por que não se conseguirá obter vida eterna defendendo e adorando a Bíblia

Muitas pessoas acreditam que entender e ser capaz de interpretar a Bíblia é o mesmo que encontrar o caminho verdadeiro — mas, na verdade, será que as coisas são tão simples assim? Ninguém conhece a realidade da Bíblia: que não é mais do que um registro histórico da obra de Deus e um testamento dos dois estágios anteriores da obra de Deus, e não oferece uma compreensão dos objetivos da obra de Deus. Todo mundo que leu a Bíblia sabe que documenta os dois estágios da obra de Deus durante a Era da Lei e a Era da Graça.

2. Como se conhece o caráter e a essência de Deus

se uma pessoa só usar o seu tempo ocioso para focar e entender as palavras ou feitos do Criador e prestar um pouco de atenção aos pensamentos e à voz de Seu coração, não será difícil para ela perceber que os pensamentos, palavras e feitos do Criador são visíveis e transparentes. Da mesma forma, pouco esforço será necessário para perceber que o Criador está entre os homens o tempo inteiro, que Ele está sempre em conversação com o homem e com toda a criação, e que Ele está realizando feitos novos todos os dias. A Sua substância e caráter são expressos em Seu diálogo com o homem; Seus pensamentos e ideias são completamente revelados em Seus feitos; Ele acompanha e observa a humanidade o tempo todo. Ele fala calmamente à humanidade e a toda a criação com Suas palavras silenciosas: Eu estou no céu e Eu estou entre a Minha criação. Eu estou vigiando; Eu estou esperando; Eu estou a seu lado…

1. O que são a encarnação e sua essência

“Daquele dia e hora, porém, ninguém sabe, nem os anjos do céu, nem o Filho, senão só o Pai. Pois como foi dito nos dias de Noé, assim será também a vinda do Filho do homem. […] Por isso ficai também vós apercebidos; porque numa hora em que não penseis, virá o Filho do homem.” Quando esse dia chegar, o Próprio Filho do homem não saberá. O Filho do homem se refere à carne encarnada de Deus, uma pessoa normal e comum. Nem mesmo o Próprio Filho do homem sabe, então como você pode saber?

2. Como a obra de julgamento de Deus nos últimos dias purifica e salva a humanidade

O “julgamento” nas palavras ditas anteriormente — o julgamento começará na casa de Deus — refere-se ao juízo que Deus emite hoje sobre aqueles que se põem diante de Seu trono nos últimos dias. Talvez haja aqueles que acreditem em tais imaginações sobrenaturais como as que, quando os últimos dias chegarem, Deus irá erigir uma grande mesa nos céus, sobre a qual uma tolha branca será estendida e então, sentando-Se sobre um grande trono com todos os homens ajoelhando-se no chão, Ele irá revelar os pecados de cada homem e assim determinar se eles devem ascender ao céu ou ser enviados para o lago de fogo e enxofre. Independentemente das imaginações do homem, a substância da obra de Deus não pode ser alterada. As imaginações do homem nada são senão os constructos dos pensamentos humanos e vêm do cérebro do homem, resumido e recomposto daquilo que o homem viu e ouviu. Portanto, digo que, não importa o quanto forem geniais, as imagens idealizadas ainda não serão mais que um desenho e não podem substituir o plano da obra de Deus. Afinal, o homem foi corrompido por Satanás, então como pode sondar os pensamentos de Deus?

Configurações

  • Texto
  • Temas

Cores sólidas

Temas

Fonte

Tamanho da fonte

Espaçamento entre linhas

Espaçamento entre linhas

Largura da página

Sumário

Busca

  • Pesquise neste texto
  • Pesquise neste livro